SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
ALOJAMENTO
CONJUNTO
Acadêmicas: Durcylene, Francielly, Nayara Carla e Valéria.
ALOJAMENTO CONJUNTO
• Definição - Mãe e recém-nascido são colocados lado a lado no pós-parto, a
mulher é estimulada à amamentar e a cuidar de sua criança logo que possível.
• Segundo o Ministério da Saúde, Alojamento Conjunto é o sistema hospitalar
em que o recém-nascido sadio, assim que nasce, permanece com a mãe em
um mesmo ambiente até a alta hospitalar, 24 horas por dia. Esse sistema
possibilita a prestação dos cuidados assistenciais necessários, como a
orientação à mãe sobre a saúde do binômio mãe-filho (Almeida, 2000).
OBJETIVOS
• Favorece a aproximação entre mãe e bebê, nos
primeiros dias de vida;
• Construção do cuidado materno;
• Aumentar os índices de Aleitamento Materno;
• Estabelecer vínculo afetivo entre mãe e filho;
• Permitir aprendizado materno sobre como cuidar do
RN;
• Reduzir o índice de infecção hospitalar cruzada;
• Estimular a participação do pai no cuidado com RN;
• Possibilitar o acompanhamento da amamentação sem
rigidez de horário visando esclarecer às dúvidas da mãe
e incentivá-la nos momentos de insegurança;
• Orientar e incentivar a mãe (ou pais) na observação de
seu filho, visando esclarecer dúvidas;
• Reduzir a ansiedade da mãe (ou pais) frente a
experiência vivenciadas ;
• Renovação dos profissionais da saúde no seu contexto
de atuação, pois, dentro de um novo e mais amplo
conceito de saúde materno-infantil, o ato de curar e
cuidar não é atividade exclusivamente dos profissionais
da saúde, mas inclui a co-participação daquele que é
tratado e curado.
VANTAGENS
• Estimular e motivar o aleitamento materno, de acordo
com as necessidades da criança, tornando a amamentação
mais fisiológica e natural. A amamentação precoce
provoca a contração do útero e de seus vasos, atuando
como profilaxia das hemorragias pós-parto;
• Favorecer a precocidade, intensidade, assiduidade do
aleitamento materno, e sua manutenção por tempo mais
prolongado;
• Fortalecer os laços afetivos entre mãe e filho, através do
relacionamento precoce;
• Permitir a observação constante do recém-nato pela mãe,
o que a faz conhecer melhor seu filho e possibilitar a
comunicação imediata de qualquer anormalidade;
• Oferecer condições à enfermagem de promover o treinamento materno,
através de demonstrações práticas dos cuidados indispensáveis ao recém-
nascido e à puérpera;
• Manter intercâmbio biopsicossocial entre a mãe, a criança e os demais
membros da família;
• Diminuir o risco de infecção hospitalar;
• Facilitar o encontro da mãe com o pediatra por ocasião das visitas médicas
para o exame do recém-nascido, possibilitando troca de informações entre
ambos;
• Desativar o berçário para recém-nascidos normais, cuja área poderá ser
utilizada de acordo com outras necessidades do hospital.
POPULAÇÃO A SER ATENDIDA
• 1. Mães - na ausência de patologia que impossibilite ou contraindique o
contato com o recém-nascido.
• 2. Recém-Nascidos - com boa vitalidade, capacidade de sucção e controle
térmico, a critério de elemento da equipe de saúde.
Considera-se com boa vitalidade os recém- nascidos com mais de 2
quilos, mais de 35 semanas de gestação e índice de APGAR maior que 6 no 5°
minuto.
Em caso de cesariana, o filho será levado para perto da puérpera entre 2
a 6 horas após o parto, respeitando as condições maternas.
RECURSOS PARA A IMPLANTAÇÃO
• 1. RECURSOS HUMANOS:
Recomenda-se uma equipe multiprofissional treinada, constituída por:
a) Enfermagem: 1 enfermeiro para 20 binômios; 1 auxiliar para 8 binômios;
b) Médicos: 1 obstetra para 20 mães; 1 pediatra para 20 crianças.
c) Outros Profissionais: assistente social; psicólogo; nutricionista.
• 2. RECURSOS FÍSICOS:
• Os quartos e/ou enfermarias devem obedecer a certo padrão, com tamanho
adequado para acomodar a dupla mãe- filho, sendo a área convencionalmente
estabelecida de 5m2 para cada conjunto leito materno/berço;
• De acordo com as disponibilidade locais, poderá haver modificação dessa
metragem no sentido de dar prioridade ao alojamento conjunto;
• O berço deve ficar com separação mínima de 2 m do outro berço;
• Objetivando melhor funcionamento, o número de duplas mãe-filho por
enfermaria deverá ser de no máximo 6;
• As acomodações sanitárias serão estabelecidas de acordo com as normas de
construção hospitalar do Ministério da Saúde.
• 3. RECURSOS FISÍCOS:
• São recursos para matériais usados em
procedimentos.
• Exemplos:
estetoscópio clínico e esfigmomanômetro;
balança; balança para recém nascido;
régua antropométrica e fita métrica inelástic
a de plástico;aparelho de fototerapia, um par
a cada 10 berços; etc.
O PAPEL DA ENFERMAGEM
• Preparar a gestante no pré-natal para o sistema de "Alojamento
Conjunto";
• Estimular o contato precoce mãe- filho na sala de parto, ajudando as
mães a iniciar o aleitamento na primeira hora após o nascimento;
• Encorajar o aleitamento sob livre demanda;
• Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida, além do
leite materno, a não ser que seja indicado pelo médico;
• Não dar bicos artificiais ou chupetas às crianças amamentadas ao seio;
• Proibir que as mães amamentem outros recém-nascidos que não os seus
(amamentação cruzada);
• Orientar a participação gradual da mãe no atendimento ao recém-nascido;
• Realizar visita diária às puérperas, esclarecendo, orientando, e dando
segurança à mãe quanto ao seu estado e ao de seu filho; ministrar às mães
palestras e aulas abordando conceitos de higiene, controle de saúde e
nutrição;
• Participar do treinamento em serviço, como condição básica para garantir a
qualidade da assistência;
• Identificar e enfatizar os recursos disponíveis na comunidade para
atendimento continuado das mães e da criança, referindo-as ou agendando-as
para acompanhamento no serviço de saúde ainda nos primeiros 15 dias.
• As altas não deverão ser dadas antes de 48 horas, considerando o alto teor
educativo inerente ao sistema de "Alojamento Conjunto“.
REFERÊNCIAS
• BRASIL, Ministério da Saúde. Programa Nacional de Incentivo ao
Aleitamento Materno. Normas básicas para alojamento conjunto.
Brasília, 1993.
• BRASIL. Congresso. Senado. Portaria nº 2068, de 21 de dezembro de 2016.
Ministério da Saúde. Brasília,2016.
•
• FREITAS, Fernando et al. Rotinas em Obstetrícia. 5. ed. Porto Alegre:
Artmed, 2006. 312 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaAmanda Thaysa
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalRegiane Ribeiro
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Riscochirlei ferreira
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Aline Bandeira
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
 

Semelhante a ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx

Obstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoObstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoRenata Nobre
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoRebeca - Doula
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Waded Schabib Hany
 
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Claudia Xavier
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxFranciscoFlorencio6
 
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do BrasilFatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do BrasilBiblioteca Virtual
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Um dia após o outro
Um dia após o outroUm dia após o outro
Um dia após o outroSandra Cavati
 
Effect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of Very
Effect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of VeryEffect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of Very
Effect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of VeryBiblioteca Virtual
 
Mastite Puerperal Estudo De Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De  Fatores PredisponentesMastite Puerperal Estudo De  Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De Fatores PredisponentesBiblioteca Virtual
 
Aleitamento materno e segurança alimentar
Aleitamento materno  e segurança alimentarAleitamento materno  e segurança alimentar
Aleitamento materno e segurança alimentarProama Projeto Amamentar
 

Semelhante a ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx (20)

Obstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoObstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjunto
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
 
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
 
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento ConjuntoPromoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
 
Contato Pele a Pele na Cesárea
Contato Pele a Pele na CesáreaContato Pele a Pele na Cesárea
Contato Pele a Pele na Cesárea
 
Rede cegonha ppt
Rede cegonha pptRede cegonha ppt
Rede cegonha ppt
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Manual aleitamento
Manual aleitamentoManual aleitamento
Manual aleitamento
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do BrasilFatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
 
Um dia após o outro
Um dia após o outroUm dia após o outro
Um dia após o outro
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Effect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of Very
Effect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of VeryEffect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of Very
Effect Of Intervention On The Rates Of Breastfeeding Of Very
 
Parto domiciliar novo
Parto domiciliar novoParto domiciliar novo
Parto domiciliar novo
 
Mastite Puerperal Estudo De Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De  Fatores PredisponentesMastite Puerperal Estudo De  Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De Fatores Predisponentes
 
Aleitamento materno e segurança alimentar
Aleitamento materno  e segurança alimentarAleitamento materno  e segurança alimentar
Aleitamento materno e segurança alimentar
 
001
001001
001
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxssuser51d27c1
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptssuser51d27c1
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxssuser51d27c1
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxssuser51d27c1
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxssuser51d27c1
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptxssuser51d27c1
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxssuser51d27c1
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 

Último

AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 

Último (9)

AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx

  • 2. ALOJAMENTO CONJUNTO • Definição - Mãe e recém-nascido são colocados lado a lado no pós-parto, a mulher é estimulada à amamentar e a cuidar de sua criança logo que possível. • Segundo o Ministério da Saúde, Alojamento Conjunto é o sistema hospitalar em que o recém-nascido sadio, assim que nasce, permanece com a mãe em um mesmo ambiente até a alta hospitalar, 24 horas por dia. Esse sistema possibilita a prestação dos cuidados assistenciais necessários, como a orientação à mãe sobre a saúde do binômio mãe-filho (Almeida, 2000).
  • 3. OBJETIVOS • Favorece a aproximação entre mãe e bebê, nos primeiros dias de vida; • Construção do cuidado materno; • Aumentar os índices de Aleitamento Materno; • Estabelecer vínculo afetivo entre mãe e filho; • Permitir aprendizado materno sobre como cuidar do RN; • Reduzir o índice de infecção hospitalar cruzada;
  • 4. • Estimular a participação do pai no cuidado com RN; • Possibilitar o acompanhamento da amamentação sem rigidez de horário visando esclarecer às dúvidas da mãe e incentivá-la nos momentos de insegurança; • Orientar e incentivar a mãe (ou pais) na observação de seu filho, visando esclarecer dúvidas; • Reduzir a ansiedade da mãe (ou pais) frente a experiência vivenciadas ; • Renovação dos profissionais da saúde no seu contexto de atuação, pois, dentro de um novo e mais amplo conceito de saúde materno-infantil, o ato de curar e cuidar não é atividade exclusivamente dos profissionais da saúde, mas inclui a co-participação daquele que é tratado e curado.
  • 5. VANTAGENS • Estimular e motivar o aleitamento materno, de acordo com as necessidades da criança, tornando a amamentação mais fisiológica e natural. A amamentação precoce provoca a contração do útero e de seus vasos, atuando como profilaxia das hemorragias pós-parto; • Favorecer a precocidade, intensidade, assiduidade do aleitamento materno, e sua manutenção por tempo mais prolongado; • Fortalecer os laços afetivos entre mãe e filho, através do relacionamento precoce; • Permitir a observação constante do recém-nato pela mãe, o que a faz conhecer melhor seu filho e possibilitar a comunicação imediata de qualquer anormalidade;
  • 6. • Oferecer condições à enfermagem de promover o treinamento materno, através de demonstrações práticas dos cuidados indispensáveis ao recém- nascido e à puérpera; • Manter intercâmbio biopsicossocial entre a mãe, a criança e os demais membros da família; • Diminuir o risco de infecção hospitalar; • Facilitar o encontro da mãe com o pediatra por ocasião das visitas médicas para o exame do recém-nascido, possibilitando troca de informações entre ambos; • Desativar o berçário para recém-nascidos normais, cuja área poderá ser utilizada de acordo com outras necessidades do hospital.
  • 7. POPULAÇÃO A SER ATENDIDA • 1. Mães - na ausência de patologia que impossibilite ou contraindique o contato com o recém-nascido. • 2. Recém-Nascidos - com boa vitalidade, capacidade de sucção e controle térmico, a critério de elemento da equipe de saúde. Considera-se com boa vitalidade os recém- nascidos com mais de 2 quilos, mais de 35 semanas de gestação e índice de APGAR maior que 6 no 5° minuto. Em caso de cesariana, o filho será levado para perto da puérpera entre 2 a 6 horas após o parto, respeitando as condições maternas.
  • 8. RECURSOS PARA A IMPLANTAÇÃO • 1. RECURSOS HUMANOS: Recomenda-se uma equipe multiprofissional treinada, constituída por: a) Enfermagem: 1 enfermeiro para 20 binômios; 1 auxiliar para 8 binômios; b) Médicos: 1 obstetra para 20 mães; 1 pediatra para 20 crianças. c) Outros Profissionais: assistente social; psicólogo; nutricionista.
  • 9. • 2. RECURSOS FÍSICOS: • Os quartos e/ou enfermarias devem obedecer a certo padrão, com tamanho adequado para acomodar a dupla mãe- filho, sendo a área convencionalmente estabelecida de 5m2 para cada conjunto leito materno/berço; • De acordo com as disponibilidade locais, poderá haver modificação dessa metragem no sentido de dar prioridade ao alojamento conjunto; • O berço deve ficar com separação mínima de 2 m do outro berço; • Objetivando melhor funcionamento, o número de duplas mãe-filho por enfermaria deverá ser de no máximo 6; • As acomodações sanitárias serão estabelecidas de acordo com as normas de construção hospitalar do Ministério da Saúde.
  • 10. • 3. RECURSOS FISÍCOS: • São recursos para matériais usados em procedimentos. • Exemplos: estetoscópio clínico e esfigmomanômetro; balança; balança para recém nascido; régua antropométrica e fita métrica inelástic a de plástico;aparelho de fototerapia, um par a cada 10 berços; etc.
  • 11. O PAPEL DA ENFERMAGEM • Preparar a gestante no pré-natal para o sistema de "Alojamento Conjunto"; • Estimular o contato precoce mãe- filho na sala de parto, ajudando as mães a iniciar o aleitamento na primeira hora após o nascimento; • Encorajar o aleitamento sob livre demanda; • Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida, além do leite materno, a não ser que seja indicado pelo médico; • Não dar bicos artificiais ou chupetas às crianças amamentadas ao seio; • Proibir que as mães amamentem outros recém-nascidos que não os seus (amamentação cruzada); • Orientar a participação gradual da mãe no atendimento ao recém-nascido;
  • 12. • Realizar visita diária às puérperas, esclarecendo, orientando, e dando segurança à mãe quanto ao seu estado e ao de seu filho; ministrar às mães palestras e aulas abordando conceitos de higiene, controle de saúde e nutrição; • Participar do treinamento em serviço, como condição básica para garantir a qualidade da assistência; • Identificar e enfatizar os recursos disponíveis na comunidade para atendimento continuado das mães e da criança, referindo-as ou agendando-as para acompanhamento no serviço de saúde ainda nos primeiros 15 dias. • As altas não deverão ser dadas antes de 48 horas, considerando o alto teor educativo inerente ao sistema de "Alojamento Conjunto“.
  • 13. REFERÊNCIAS • BRASIL, Ministério da Saúde. Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno. Normas básicas para alojamento conjunto. Brasília, 1993. • BRASIL. Congresso. Senado. Portaria nº 2068, de 21 de dezembro de 2016. Ministério da Saúde. Brasília,2016. • • FREITAS, Fernando et al. Rotinas em Obstetrícia. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. 312 p.