SlideShare uma empresa Scribd logo
ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Grupo Aliança de Enfermagem  Salvando Vidas com Qualidade de Ensino Enfº Eduardo Gomes da Silva – COREN 001790 Enfª Juliana Lopes Figueiredo – COREN 99792
Anexos Embrionários O espermatozóide encontra o óvulo no terço distal das trompas (fecundação) Após fecundação se dá o nome de ovo ao produto da fusão Inicia a divisão mitótica e o ovo continua indo em direção ao útero Quando a divisão chega a 16 ou mais células (mórula) entra no útero
 
Anexos Embrionários Ocorre diferenciação celular blastocisto, embrioblasto, trofoblasto e cavidade blastocistica Ocorre aproximação do blastocisto na parede do útero Mudança celular de trofoblasto para sinciciotrofoblasto e citotrofoblasto Início da nidação
 
 
Anexos Embrionários Durante a implantação do ovo no útero o sinciciotrofoblasto irá atrás do nutriente como uma raiz de planta Quando o ovo consegue estabelecer um contato com a circulação, através do trofoblasto invasor, ocorre a liberação do Hormônio Gonadotrofina Corionica Humana (HCG)
 
Anexos Embrionários O HCG na circulação estimula o hipotálamo que enviará uma mensagem para o ovário a continuar com o corpo lúteo rico em estrógeno e progesterona que não deixara descamar a parede do endométrio HCG  HIPOTÁLAMO  OVÁRIO  ENDOMÉTRIO
Anexos Embrionários Formação da placenta rico em progesterona e regressão do corpo lúteo Reação ao redor do local de implantação do ovo  reação decidual  O endométrio ao redor do ovo se modifica contribuindo futuramente para formação da placenta  decídua basal Ao redor do endométrio onde não ocorreu a implantação denomina-se decídua parietal
Anexos Embrionários Estabelece-se a circulação materno fetal podendo o sangue conter agentes teratogênicos  Nesta fase o embrioblasto modifica-se e até a 8º semana é chamado de embrião e após denomina-se feto Formação dos anexos embrionários que são as membranas (cório liso e âmnio), placenta (cório frondoso) e cordão umbilical
 
Membranas Formada mesmo antes do embrião Forma o âmnio na parte interna, onde fica o feto e o líquido amniótico  O cório liso fica na parte externa
Função das Membranas Manter o feto/embrião suspenso pelo cordão umbilical, permitindo flutuar livremente e ter um crescimento simétrico Evita que o âmnio tenha aderência ao embrião/feto Proteção contra agressão externas
 
Função das Membranas Manter temperatura constante do embrião/feto Possibilidade de análise do líquido (maturação e saúde fetal) Auxilia na dilatação do colo do útero no trabalho de parto
Líquido Amniótico Claro com ou sem grumos Coloração castanhada, esverdeada ou sanguinolenta deverá ser analisada Excesso ou falta de líquido poderá comprometer o feto
Placenta  Vital para vida do feto No final do 1º mês de gestação, a placenta está suficientemente desenvolvida para suprir o feto de nutrientes e oxigênio Ao final da gravidez, a placenta está achatada, redonda com aproximadamente 20cm de diâmetro, 2,5 de espessura e 600 gramas
Placenta – Lado Materno Fica aderido ao útero Tem irregularidades É áspera e contém muitas subdivisões denominadas cotilédones Possui cerca de 15 a 20 cotilédones que é o trofoblasto invasor
Placenta – Lado Fetal É brilhante devido aderência das duas membranas cório e âmnio Presença de um cordão umbilical inserido geralmente na parte central
 
 
Placenta – Funções Metabólicas Nutrientes variam a sua capacidade de transpor pela placenta Água, glicose, eletrólitos e vitaminas Imunidade passiva para o feto Grande maioria das medicações atravessam a barreira placentária
Placenta – Funções Endócrinas Estrógeno  Progesterona Gonadotrofina coriônica humana HCG
Cordão Umbilical Liga o feto à placenta Dentro possui 2 artérias e 1 veia que funcionam fora do padrão normal Veia umbilical transporta sangue oxigenado Artérias transportam sangue proveniente do metabolismo fetal, pobre em oxigênio
Circulação Fetal Obtem seu metabolismo e obtem oxigênio através da placenta Não utiliza pulmões e o fígado Tem peculiaridade pois desvia parte do sangue oxigenado destes órgãos fetais (pulmão e fígado) através de ductos
Circulação Fetal Tem maior necessidade de encaminhar mais sangue para o cérebro, pois qualquer carência levará ao sofrimento e óbito fetal
Circulação Fetal Existe um forame oval entre os átrios Sangue oxigenado vem pela veia umbilical e desemboca na veia cava inferior Sai pobre em oxigênio através das artérias umbilicais provenientes da aorta descendente
Circulação Fetal Ducto venoso: conecta a veia umbilical à veia cava inferior (desvio-fígado) Ducto arterioso: conecta a artéria pulmonar à aorta Forame oval: abertura entre os átrios
 
Circulação Fetal Logo após o nascimento a circulação placentária cessa Pulmões começam a funcionar Vasos umbilicais são cortados e param de receber oxigênio Recém-nascido utiliza os pulmões para obter oxigênio
Circulação Fetal Com a abrasão, o sangue flui pelos pulmões O sangue flui pelos pulmões com abertura dos vasos sanguíneos pulmonares Não ocorre mais o desvio de sangue pelo ducto arterioso e segue a linha de menor resistência e entra nos pulmões
Circulação Fetal Aumento da pressão vinda do pulmão no átrio esquerdo causando o fechamento do forame oval entre os átrios Coração passa a ter funções diferenciadas de 2 bombas separadas o lado direito sangue venoso e esquerdo arterial
Circulação Fetal Ducto venoso cessa e o sangue antes parcialmente derivado do fígado, agora flui pelo sistema porta
 
Assistência Pré-Natal Supervisão dada à gestante Atravesse o período de gravidez com mínimo de desconforto físico e mental para ser mãe (OMS)
Assistência Pré-Natal - Objetivo Diagnóstico e tratamento das doenças pré-existentes que agravam o parto Profilaxia, diagnóstico e tratamento das patologias da gestação Melhorias nas condições gerais, corrigindo deficiências pré-existentes, promover vacinação antitetânica
Assistência Pré-Natal - Objetivo Orientações de hábitos de vida Assistência psicológica à gestante Preparação para maternidade (parto de puerpério)
Assistência Pré-Natal - Objetivo Até 28 semanas – mensal 28 a 36 semanas – quinzenal 36 em diante - semanal
Assistência Pré-Natal – 1º Consulta Assistência precoce a gestante Anamnese através de uma ficha específica
Fatores de Risco para Gravidez Atual Características individuais e condições sociodemograficas desfavoráveis História reprodutiva anterior Intercorrências clínicas crônicas Doenças obstétricas na gravidez atual
CONDIÇÕES DESFAVORÁVEIS
História Reprodutiva Anterior
Intercorrências  Clínicas
Doença Obstétrica Atual
Características Individuais e sociodemográficas Idade menor de 15 anos e maior que 35 Altura inferior a 1,45m Peso menor que 45kg e maior que 75kg Situação conjugal insegura Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez (principalmente em adolescentes)
Características Individuais e sociodemográficas Baixa escolaridade Condições ambientais desfavoráveis Dependência química Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária extensa, rotatividade de horário, exposição à agentes físicos, químicos e biológicos, estresse
História Reprodutiva Anterior Morte perinatal explicada ou inexplicada RN com restrição de crescimento, pré-termo ou mal formado Abortamento habitual Esterilidade/infertilidade Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior que cinco anos
História Reprodutiva Anterior Nuliparidade e multiparidade Sindromes hemorrágicas Pré-eclâmpsia/eclâmpsia  Cirurgia uterina anterior Macrossomia fetal
Intercorrências Clínicas Crônicas Cardiopatias Pneumonias Nefropatias Endocrinopatias HAS Epilepsia
Intercorrências Clínicas Crônicas Infecção urinária Portadores de doenças infecciosas hepatite, HIV Doenças auto-imunes (lupus eritematoso e sistêmico)  Ginecopatias
Doença Obstétrica atual Desvio uterino Numero de fetos Volume do líquido amniótico Trabalho de parto prematuro Ganho ponderal inadequado
Doença Obstétrica atual Pré-eclampsia/eclampsia  Amniorrex prematura Hemorragias da gestação Isoimunização Óbito fetal
Observações Identificando-se um ou mais fatores, a gestante deverá ser tratada na UBS, conforme protocolo do MS Casos não previstos para tratamento em UBS: encaminhar para atenção especializada e devolvida para atenção básica com recomendações ou acompanhamento pré-natal nos serviços de referência para gestação de alto risco
Exame Físico Geral e Obstétrico Exames  Vacinação Consultas subsequentes
Colheita de Material Dosagem de hemoglobina (Hb) Grupo sanguíneo e fator Rh Teste de Combs indireto Sorologia para sífilis Sorologia para toxoplasmose Teste HIV 1 e 2  Pesquisa antígeno de superfície da hepatite
Colheita de Material Glicemia de jejum Exame de urina tipo 1 Colpocitologia oncótica Parasitológico de fezes
Colheita de Material Teste cutâneo tuberculínico Pesquisa de hemoglobina s Teste de inibição da hemoglobina contra rubéola Citomegalovírus Sorologia para citomegalovírus
Vacinação  Observar conduta antitetânica comprovada pelo cartão de vacina Em caso de nenhuma dose registrada: iniciar esquema vacinal independente idade gestacional, com intervalos de 60 dias ou no mínimo 30 dias
Vacinação 3 doses ou mais – última < 5 anos não é necessário vacinar 3 doses ou mais sendo a última há mais de 5 anos – 1 dose de reforço
Consultas Subsequentes  Vai depender das condições da primeira consulta visando acompanhamento clínico e obstétrico
Importância das Consultas Evolução uterina Batimento cárdio-fetal Exame físico Detectar: HAS, anemia, sangramentos, corrimentos, edema, diabetes, cardiopatias Internar se necessário
Orientações Alimentação Banho Mamas Vestuário e calçados Fumo, droga, álcool e cafeína Auto-medicação Esportes
Orientações Atividade sexual Enxoval do RN Viagens Profissão Assiduidade nas consultas de P.N. Preparo para trabalho de parto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
Letícia Spina Tapia
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
Ministério da Saúde
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
Francisco Joilsom Carvalho Saraiva
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
Jamilly Onofre
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
Viviane da Silva
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
tvf
 

Mais procurados (20)

Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 

Destaque

Desenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetalDesenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetal
miguelpim
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
1202257930 cuidados gravidez
1202257930 cuidados gravidez1202257930 cuidados gravidez
1202257930 cuidados gravidez
Pelo Siro
 
Desenvolvimento embrionario 1 em
Desenvolvimento embrionario 1 emDesenvolvimento embrionario 1 em
Desenvolvimento embrionario 1 em
ANA LUCIA FARIAS
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
Carlos Priante
 
periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...
periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...
periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...
Danielle Raissa
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Roberto Bagatini
 
Desenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionarioDesenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionario
Ana Paula Taveira
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
luandrade
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
Parto e lactação regulação hormonal
Parto e lactação   regulação hormonalParto e lactação   regulação hormonal
Parto e lactação regulação hormonal
Isabel Lopes
 
Gestação
GestaçãoGestação
Gestação
Sandra Semedo
 

Destaque (12)

Desenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetalDesenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetal
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Aula14 embriologia
 
1202257930 cuidados gravidez
1202257930 cuidados gravidez1202257930 cuidados gravidez
1202257930 cuidados gravidez
 
Desenvolvimento embrionario 1 em
Desenvolvimento embrionario 1 emDesenvolvimento embrionario 1 em
Desenvolvimento embrionario 1 em
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
 
periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...
periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...
periodo fetal: da Décima Sétima à Vigésima Quinta semana do desenvolvimento e...
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionarioDesenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionario
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Parto e lactação regulação hormonal
Parto e lactação   regulação hormonalParto e lactação   regulação hormonal
Parto e lactação regulação hormonal
 
Gestação
GestaçãoGestação
Gestação
 

Semelhante a Enfermagem ObstéTrica Parte 1

Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
jhenicacamila123
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Bruno Oliveira
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
GrazieleMenzani
 
Caderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoCaderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitado
Rafaela Rezende
 
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital FemininoAula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Raimundo Tostes
 
Seminário embriologia
Seminário embriologiaSeminário embriologia
Seminário embriologia
Cristina Monteiro
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
WerbertCosta1
 
Transmissão da Vida
Transmissão da VidaTransmissão da Vida
Transmissão da Vida
riscas
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
EdileideJesus1
 
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptxCN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
Carlos Moutinho
 
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptxCN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
Carlos Moutinho
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
Cidalia Aguiar
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ana Santos
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
Ana Santos
 
Ciclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptx
Ciclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptxCiclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptx
Ciclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptx
Clícia S. Gonzaga
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
tvf
 
Estudo de caso_juliana
Estudo de caso_julianaEstudo de caso_juliana
Estudo de caso_juliana
Lina Oliveira
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
RaphaellaMed1
 

Semelhante a Enfermagem ObstéTrica Parte 1 (20)

Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
Caderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoCaderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitado
 
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital FemininoAula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
 
Seminário embriologia
Seminário embriologiaSeminário embriologia
Seminário embriologia
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
Transmissão da Vida
Transmissão da VidaTransmissão da Vida
Transmissão da Vida
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
 
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptxCN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
 
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptxCN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
CN9-SISTEMA REPRODUTOR fisiologia.pptx
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
 
Ciclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptx
Ciclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptxCiclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptx
Ciclo menstrual e Desenvolvimento Embrionário.pptx
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Estudo de caso_juliana
Estudo de caso_julianaEstudo de caso_juliana
Estudo de caso_juliana
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
 

Mais de Eduardo Gomes da Silva

Palestra Parada Cárdiorrespiratória
Palestra Parada CárdiorrespiratóriaPalestra Parada Cárdiorrespiratória
Palestra Parada Cárdiorrespiratória
Eduardo Gomes da Silva
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração BEM Base Santos
Integração BEM Base SantosIntegração BEM Base Santos
Integração BEM Base Santos
Eduardo Gomes da Silva
 
Profissão enfermeiro
Profissão enfermeiroProfissão enfermeiro
Profissão enfermeiro
Eduardo Gomes da Silva
 
Código Q
Código QCódigo Q
Novas Diretrizes da AHA 2010
Novas Diretrizes da AHA 2010Novas Diretrizes da AHA 2010
Novas Diretrizes da AHA 2010
Eduardo Gomes da Silva
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Rotinas internas samu parte 1
Rotinas internas samu   parte 1Rotinas internas samu   parte 1
Rotinas internas samu parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Rotinas internas samu parte 1
Rotinas internas samu   parte 1Rotinas internas samu   parte 1
Rotinas internas samu parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
Eduardo Gomes da Silva
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
Eduardo Gomes da Silva
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
Eduardo Gomes da Silva
 
Introdução à anatomia
Introdução à anatomiaIntrodução à anatomia
Introdução à anatomia
Eduardo Gomes da Silva
 
Manual Padroes Visuais Samu
Manual Padroes Visuais SamuManual Padroes Visuais Samu
Manual Padroes Visuais Samu
Eduardo Gomes da Silva
 
Ajustamento Sadio
Ajustamento SadioAjustamento Sadio
Ajustamento Sadio
Eduardo Gomes da Silva
 
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De EnfermagemManual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Eduardo Gomes da Silva
 
GenéTica
GenéTicaGenéTica
Medicina HiperbáRica
Medicina HiperbáRicaMedicina HiperbáRica
Medicina HiperbáRica
Eduardo Gomes da Silva
 

Mais de Eduardo Gomes da Silva (20)

Palestra Parada Cárdiorrespiratória
Palestra Parada CárdiorrespiratóriaPalestra Parada Cárdiorrespiratória
Palestra Parada Cárdiorrespiratória
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Integração BEM Base Santos
Integração BEM Base SantosIntegração BEM Base Santos
Integração BEM Base Santos
 
Profissão enfermeiro
Profissão enfermeiroProfissão enfermeiro
Profissão enfermeiro
 
Código Q
Código QCódigo Q
Código Q
 
Novas Diretrizes da AHA 2010
Novas Diretrizes da AHA 2010Novas Diretrizes da AHA 2010
Novas Diretrizes da AHA 2010
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Rotinas internas samu parte 1
Rotinas internas samu   parte 1Rotinas internas samu   parte 1
Rotinas internas samu parte 1
 
Rotinas internas samu parte 1
Rotinas internas samu   parte 1Rotinas internas samu   parte 1
Rotinas internas samu parte 1
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Prontuário
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
 
Introdução à anatomia
Introdução à anatomiaIntrodução à anatomia
Introdução à anatomia
 
Manual Padroes Visuais Samu
Manual Padroes Visuais SamuManual Padroes Visuais Samu
Manual Padroes Visuais Samu
 
Ajustamento Sadio
Ajustamento SadioAjustamento Sadio
Ajustamento Sadio
 
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De EnfermagemManual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
Manual PráTico De TéCnicas De Enfermagem
 
GenéTica
GenéTicaGenéTica
GenéTica
 
Medicina HiperbáRica
Medicina HiperbáRicaMedicina HiperbáRica
Medicina HiperbáRica
 

Enfermagem ObstéTrica Parte 1

  • 1. ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Grupo Aliança de Enfermagem Salvando Vidas com Qualidade de Ensino Enfº Eduardo Gomes da Silva – COREN 001790 Enfª Juliana Lopes Figueiredo – COREN 99792
  • 2. Anexos Embrionários O espermatozóide encontra o óvulo no terço distal das trompas (fecundação) Após fecundação se dá o nome de ovo ao produto da fusão Inicia a divisão mitótica e o ovo continua indo em direção ao útero Quando a divisão chega a 16 ou mais células (mórula) entra no útero
  • 3.  
  • 4. Anexos Embrionários Ocorre diferenciação celular blastocisto, embrioblasto, trofoblasto e cavidade blastocistica Ocorre aproximação do blastocisto na parede do útero Mudança celular de trofoblasto para sinciciotrofoblasto e citotrofoblasto Início da nidação
  • 5.  
  • 6.  
  • 7. Anexos Embrionários Durante a implantação do ovo no útero o sinciciotrofoblasto irá atrás do nutriente como uma raiz de planta Quando o ovo consegue estabelecer um contato com a circulação, através do trofoblasto invasor, ocorre a liberação do Hormônio Gonadotrofina Corionica Humana (HCG)
  • 8.  
  • 9. Anexos Embrionários O HCG na circulação estimula o hipotálamo que enviará uma mensagem para o ovário a continuar com o corpo lúteo rico em estrógeno e progesterona que não deixara descamar a parede do endométrio HCG HIPOTÁLAMO OVÁRIO ENDOMÉTRIO
  • 10. Anexos Embrionários Formação da placenta rico em progesterona e regressão do corpo lúteo Reação ao redor do local de implantação do ovo reação decidual O endométrio ao redor do ovo se modifica contribuindo futuramente para formação da placenta decídua basal Ao redor do endométrio onde não ocorreu a implantação denomina-se decídua parietal
  • 11. Anexos Embrionários Estabelece-se a circulação materno fetal podendo o sangue conter agentes teratogênicos Nesta fase o embrioblasto modifica-se e até a 8º semana é chamado de embrião e após denomina-se feto Formação dos anexos embrionários que são as membranas (cório liso e âmnio), placenta (cório frondoso) e cordão umbilical
  • 12.  
  • 13. Membranas Formada mesmo antes do embrião Forma o âmnio na parte interna, onde fica o feto e o líquido amniótico O cório liso fica na parte externa
  • 14. Função das Membranas Manter o feto/embrião suspenso pelo cordão umbilical, permitindo flutuar livremente e ter um crescimento simétrico Evita que o âmnio tenha aderência ao embrião/feto Proteção contra agressão externas
  • 15.  
  • 16. Função das Membranas Manter temperatura constante do embrião/feto Possibilidade de análise do líquido (maturação e saúde fetal) Auxilia na dilatação do colo do útero no trabalho de parto
  • 17. Líquido Amniótico Claro com ou sem grumos Coloração castanhada, esverdeada ou sanguinolenta deverá ser analisada Excesso ou falta de líquido poderá comprometer o feto
  • 18. Placenta Vital para vida do feto No final do 1º mês de gestação, a placenta está suficientemente desenvolvida para suprir o feto de nutrientes e oxigênio Ao final da gravidez, a placenta está achatada, redonda com aproximadamente 20cm de diâmetro, 2,5 de espessura e 600 gramas
  • 19. Placenta – Lado Materno Fica aderido ao útero Tem irregularidades É áspera e contém muitas subdivisões denominadas cotilédones Possui cerca de 15 a 20 cotilédones que é o trofoblasto invasor
  • 20. Placenta – Lado Fetal É brilhante devido aderência das duas membranas cório e âmnio Presença de um cordão umbilical inserido geralmente na parte central
  • 21.  
  • 22.  
  • 23. Placenta – Funções Metabólicas Nutrientes variam a sua capacidade de transpor pela placenta Água, glicose, eletrólitos e vitaminas Imunidade passiva para o feto Grande maioria das medicações atravessam a barreira placentária
  • 24. Placenta – Funções Endócrinas Estrógeno Progesterona Gonadotrofina coriônica humana HCG
  • 25. Cordão Umbilical Liga o feto à placenta Dentro possui 2 artérias e 1 veia que funcionam fora do padrão normal Veia umbilical transporta sangue oxigenado Artérias transportam sangue proveniente do metabolismo fetal, pobre em oxigênio
  • 26. Circulação Fetal Obtem seu metabolismo e obtem oxigênio através da placenta Não utiliza pulmões e o fígado Tem peculiaridade pois desvia parte do sangue oxigenado destes órgãos fetais (pulmão e fígado) através de ductos
  • 27. Circulação Fetal Tem maior necessidade de encaminhar mais sangue para o cérebro, pois qualquer carência levará ao sofrimento e óbito fetal
  • 28. Circulação Fetal Existe um forame oval entre os átrios Sangue oxigenado vem pela veia umbilical e desemboca na veia cava inferior Sai pobre em oxigênio através das artérias umbilicais provenientes da aorta descendente
  • 29. Circulação Fetal Ducto venoso: conecta a veia umbilical à veia cava inferior (desvio-fígado) Ducto arterioso: conecta a artéria pulmonar à aorta Forame oval: abertura entre os átrios
  • 30.  
  • 31. Circulação Fetal Logo após o nascimento a circulação placentária cessa Pulmões começam a funcionar Vasos umbilicais são cortados e param de receber oxigênio Recém-nascido utiliza os pulmões para obter oxigênio
  • 32. Circulação Fetal Com a abrasão, o sangue flui pelos pulmões O sangue flui pelos pulmões com abertura dos vasos sanguíneos pulmonares Não ocorre mais o desvio de sangue pelo ducto arterioso e segue a linha de menor resistência e entra nos pulmões
  • 33. Circulação Fetal Aumento da pressão vinda do pulmão no átrio esquerdo causando o fechamento do forame oval entre os átrios Coração passa a ter funções diferenciadas de 2 bombas separadas o lado direito sangue venoso e esquerdo arterial
  • 34. Circulação Fetal Ducto venoso cessa e o sangue antes parcialmente derivado do fígado, agora flui pelo sistema porta
  • 35.  
  • 36. Assistência Pré-Natal Supervisão dada à gestante Atravesse o período de gravidez com mínimo de desconforto físico e mental para ser mãe (OMS)
  • 37. Assistência Pré-Natal - Objetivo Diagnóstico e tratamento das doenças pré-existentes que agravam o parto Profilaxia, diagnóstico e tratamento das patologias da gestação Melhorias nas condições gerais, corrigindo deficiências pré-existentes, promover vacinação antitetânica
  • 38. Assistência Pré-Natal - Objetivo Orientações de hábitos de vida Assistência psicológica à gestante Preparação para maternidade (parto de puerpério)
  • 39. Assistência Pré-Natal - Objetivo Até 28 semanas – mensal 28 a 36 semanas – quinzenal 36 em diante - semanal
  • 40. Assistência Pré-Natal – 1º Consulta Assistência precoce a gestante Anamnese através de uma ficha específica
  • 41. Fatores de Risco para Gravidez Atual Características individuais e condições sociodemograficas desfavoráveis História reprodutiva anterior Intercorrências clínicas crônicas Doenças obstétricas na gravidez atual
  • 46. Características Individuais e sociodemográficas Idade menor de 15 anos e maior que 35 Altura inferior a 1,45m Peso menor que 45kg e maior que 75kg Situação conjugal insegura Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez (principalmente em adolescentes)
  • 47. Características Individuais e sociodemográficas Baixa escolaridade Condições ambientais desfavoráveis Dependência química Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária extensa, rotatividade de horário, exposição à agentes físicos, químicos e biológicos, estresse
  • 48. História Reprodutiva Anterior Morte perinatal explicada ou inexplicada RN com restrição de crescimento, pré-termo ou mal formado Abortamento habitual Esterilidade/infertilidade Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior que cinco anos
  • 49. História Reprodutiva Anterior Nuliparidade e multiparidade Sindromes hemorrágicas Pré-eclâmpsia/eclâmpsia Cirurgia uterina anterior Macrossomia fetal
  • 50. Intercorrências Clínicas Crônicas Cardiopatias Pneumonias Nefropatias Endocrinopatias HAS Epilepsia
  • 51. Intercorrências Clínicas Crônicas Infecção urinária Portadores de doenças infecciosas hepatite, HIV Doenças auto-imunes (lupus eritematoso e sistêmico) Ginecopatias
  • 52. Doença Obstétrica atual Desvio uterino Numero de fetos Volume do líquido amniótico Trabalho de parto prematuro Ganho ponderal inadequado
  • 53. Doença Obstétrica atual Pré-eclampsia/eclampsia Amniorrex prematura Hemorragias da gestação Isoimunização Óbito fetal
  • 54. Observações Identificando-se um ou mais fatores, a gestante deverá ser tratada na UBS, conforme protocolo do MS Casos não previstos para tratamento em UBS: encaminhar para atenção especializada e devolvida para atenção básica com recomendações ou acompanhamento pré-natal nos serviços de referência para gestação de alto risco
  • 55. Exame Físico Geral e Obstétrico Exames Vacinação Consultas subsequentes
  • 56. Colheita de Material Dosagem de hemoglobina (Hb) Grupo sanguíneo e fator Rh Teste de Combs indireto Sorologia para sífilis Sorologia para toxoplasmose Teste HIV 1 e 2 Pesquisa antígeno de superfície da hepatite
  • 57. Colheita de Material Glicemia de jejum Exame de urina tipo 1 Colpocitologia oncótica Parasitológico de fezes
  • 58. Colheita de Material Teste cutâneo tuberculínico Pesquisa de hemoglobina s Teste de inibição da hemoglobina contra rubéola Citomegalovírus Sorologia para citomegalovírus
  • 59. Vacinação Observar conduta antitetânica comprovada pelo cartão de vacina Em caso de nenhuma dose registrada: iniciar esquema vacinal independente idade gestacional, com intervalos de 60 dias ou no mínimo 30 dias
  • 60. Vacinação 3 doses ou mais – última < 5 anos não é necessário vacinar 3 doses ou mais sendo a última há mais de 5 anos – 1 dose de reforço
  • 61. Consultas Subsequentes Vai depender das condições da primeira consulta visando acompanhamento clínico e obstétrico
  • 62. Importância das Consultas Evolução uterina Batimento cárdio-fetal Exame físico Detectar: HAS, anemia, sangramentos, corrimentos, edema, diabetes, cardiopatias Internar se necessário
  • 63. Orientações Alimentação Banho Mamas Vestuário e calçados Fumo, droga, álcool e cafeína Auto-medicação Esportes
  • 64. Orientações Atividade sexual Enxoval do RN Viagens Profissão Assiduidade nas consultas de P.N. Preparo para trabalho de parto