SlideShare uma empresa Scribd logo
ALIMENTAÇÃO E
ALEITAMENTO MATERNO
Dra. Samara Valença
Pediatra Neonatologista.
ALEITAMENTO
MATERNO
Foto: Contented infant, de
Thomaz Bergman, Suécia
Estudos científicos comprovam
a importância do aleitamento
materno exclusivo para a
saúde dos bebês.
ALEITAMENTO MATERNO
EXCLUSIVO
RECOMENDAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE
(54ª AMS / MAIO DE 2001)
ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO ATÉ OS
6 MESES
E CONTINUADO ATÉ OS 2 ANOS DE IDADE OU
MAIS
AÇÕES PARA IMPLEMENTAR ROTINAS
FACILITADORAS DA AMAMENTAÇÃO NOS
SERVIÇOS DE SAÚDE
(Fonte: Ministério da Saúde)
Hospital Amigo
da Criança
Unidade Básica
Amiga da
Amamentação
Rede nacional
de BLH
Método
canguru
Anatomia da mama
FISIOLOGIA
 A MAMA ESTÁ PREPARADA PARA LACTAR A PARTIR DA 16ª
SEMANA.(se mantem inativa por ação dos estrógenos placentários).
 LACTOGÊNESE- fases:
1. Lactogênese fase 1-inicia na 2ªmetade da gravidez quando a glândula
mámaria se prepara pra secretar leite(fase de maturação)
2. Lactogênese fase 2(fase da prolactina): na ocasião do parto-secreção
copiosa de leite
3. Galactopoise: manutenção da lactação
´-
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
Movimentação
mandibular
4 movimentos básicos
• abre
• frente
• cima
• atrás
Figura 1
O Leite Humano é muito
mais do que uma fonte de
nutrientes.
É uma substância VIVA DE
GRANDE COMPLEXIDADE
BIOLÓGICA.
LACTOSE
Fornece 40% da necessidade de
energia
Facilita a absorção de cálcio e
ferro
Promove a colonização intestinal
com lactobacilus bifidus
Processo de crescimento e
desenvolvimento
GORDURA
• Principal fonte de energia para o
bebê
• O leite materno contém enzimas
que digerem a gordura e a
transformam em energia (caloria)
para o bebê
• Contém substâncias essenciais
para o bom crescimento cerebral
• A quantidade de gordura do leite
pode ser afetada pela dieta da mãe
A gordura é o componente mais
variável no leite materno
PICOS:
• fim da manhã e tarde
• o nível é mais baixo no início
da mamada (leite anterior)
• o nível é mais alto na parte
posterior da mamada (leite
posterior)
NÃO LIMITAR A DURAÇÃO DAS MAMADAS
(Woolridge, M W /Thé, MAL)
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
Variação da composição
do leite humano
LEITE MATERNO PREMATURO
Contém mais proteína e fatores
de proteção para o bebê
prematuro
COLOSTRO
• Aparece por volta do 7º mês de
gestação
• É espesso, pegajoso e amarelo claro
• É completo como primeiro alimento
para o bebê
• Volume = 30 ml (10 a 100 ml/dia)
FATORES DE PROTEÇÃO
PRESENTES NO
COLOSTRO
• Lactoferrina
• Imunoglobulina A
• Fator Bifidus
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
LEITE MATERNO MADURO
 Modifica-se conforme o período do dia
 Modifica-se durante a mamada
 Modifica-se conforme as necessidades do
bebê
 Modifica-se conforme as doenças que a
mãe já teve contato
ANTERIOR
acinzentado
POSTERIOR
branco
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
A composição do leite materno
Porque o leite materno é um alimento
perfeito?
Contém todos os nutrientes de que a criança
precisa até os seis meses de vida
Proteína (60% lacto albumina) e gordura  tipo
e quantidade adequada
Carboidrato – lactose em maior quantidade (>
calorias)
Vitaminas  não há necessidade de suplementos
Água  em quantidade suficiente (88% )
Presença de lipase  digestão das gorduras
Ferro é melhor absorvido (49%); a taxa de
absorção do Fe de fórmulas enriquecidas é de 4%.
Porque o leite materno é um alimento
perfeito?
O leite materno é adequado às necessidades do RN, é
específico e nem sempre tem a mesma composição
Colostro  primeira imunização, rico em IgA secretora, fatores de
crescimento, vitamina A e ajuda o RN eliminar o mecônio;
Leite maduro  15 dias após o parto;
O nível de gordura do leite muda durante a mamada (leite inicial e leite
posterior);
O sabor do leite maduro modifica conforme a alimentação da
mãe;
Leite de mãe de prematuro é mais rico em proteínas,
imunoglobulinas, sais minerais e calorias
Porque o leite materno é um alimento
perfeito?
O leite materno protege as crianças contra infecções e
diarréia porque contém:
Células brancas vivas (leucócitos, neutrófilos, macrófagos e
linfócitos)
Imunoglobulinas (IgA, IgG, IgM)
Fator bífido que facilita o crescimento do Lactobacillus bifidus 
impede o crescimento de bactérias patogênicas
Lactoferrina que se junta ao ferro  impede o crescimento de
bactérias patogênicas
Porque o leite materno é um
alimento perfeito?
O leite materno facilita o estabelecimento do vínculo afetivo
mãe-filho
Porque o leite materno é um alimento
perfeito?
Benefícios do aleitamento materno
Criança
Mãe
Sociedade
Benefícios do aleitamento materno
para a criança
Maior resistência a infecções como diarréias,
pneumonias e otite.
Mortalidade por doenças infecciosas 6 vezes maior
em crianças menores de 2 anos não amamentadas
(estudo realizado no Brasil, Filipinas, Gâmbia, Gana,
Paquistão e Senegal; OMS, 2000).
O risco de morrer no primeiro ano de vida, por
diarréia, foi de 14 vezes maior em crianças não
amamentadas .
Benefícios do aleitamento
materno para a criança
 Diminuição da ocorrência de doenças
imunoalérgicas: sibilância recorrente, asma
,dermatite atópica.
 Diminuição da ocorrência de doenças crônicas:
a. Cânceres:leucemias ,linfomas e dç de Hodgkin
b. Gastrointestinais: dç celíaca,dç de Crohn ,RCU
c. Metabólicas: diabetes mellitus 1 e 2
;sobrepeso/obesidade;hipercolesterolemia
d. Cardiovascular:redução da pressão arterial
sistêmica
Benefícios do aleitamento materno para a
criança
Nutrição adequada de alta
qualidade, atende naturalmente
às necessidades nutritivas da
criança
Crescimento e desenvolvimento
adequados
Melhor desenvolvimento cognitivo,
psicomotor, emocional e social
Desenvolvimento da cavidade oral
Benefícios do aleitamento
materno para a criança
 Fortalecimento do vínculo afetivo mãe-bebê
 Reduz a incidência de maus-tratos
Benefícios do aleitamento materno para a
mãe
Melhor recuperação no pós-parto
Involução uterina mais rápida  redução do
sangramento e de anemia
Efeito contraceptivo, espaçamento entre os partos
Proteção contra câncer de mama e de ovário
Remineralização óssea: redução de fraturas do colo
de fêmur no período pós-menopausa
Proteção contra o diabetes tipo 2 ( 15% )
Promove perda de peso corporal(704 kcal/dia)
Benefícios do aleitamento materno para a
sociedade
Crianças amamentadas adoecem menos 
menos atendimento médico, menos
hospitalizações e medicamentos;
Menos falta ao trabalho dos pais.
Menor custo para a família na compra de outros
leites, mamadeiras,medicamentos, etc.
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
“Amamentação na primeira meia hora,
proteção sem demora”
Iniciar o aleitamento materno na
primeira meia hora após o parto
Maior duração da amamentação
Maior interação mãe-bebê  reduz os
índices de abandono
Melhor controle da temperatura do RN
Reduz o risco de hemorragia pós-parto
(liberação de ocitocina)
Reduz a icterícia no RN (aumento da
motilidade gastrointestinal)
Porque as mães
oferecem chás,
água e outro
leite?
Dificuldades precoces da Amamentação
Mamilos muito doloridos/trauma mamilar
A causa mais comum é posicionamento e pega
inadequada da criança
Amamentar com técnica correta
Manter os mamilos secos
Amamentar em livre demanda
Ordenhar manualmente a aréola antes da
mamada
Dificuldades precoces da Amamentação
Ingurgitamento mamário
Iniciar a amamentação o mais
precocemente possível
Amamentar em livre demanda
Amamentar com técnica correta
 sucção eficaz do RN 
ordenha adequada do leite
Não usar suplementos
Dificuldades precoces da Amamentação
Mamilos planos ou invertidos
Não impedem a amamentação (dificultam a pega da aréola
adequadamente)
Não é recomendado “exercícios” durante a gestação
RN deve abocanhar a aréola
Antes da mamada  Massagear a mama e aréola  retirar um
pouco de leite, tornando a aréola mais macia  comprimir a
aréola entre dois dedos .
Massagem da mama
Ordenha manual
Ordenha com bombinha elétrica
Como amamentar posicionamento
e técnica
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
Como os serviços de saúde podem apoiar
a amamentação?
Todos os estabelecimentos que oferecem serviços
obstétricos e cuidados a recém-nascidos deveriam:
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento
materno, a qual deve ser rotineiramente
transmitida a toda a equipe do serviço.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para
implementar esta norma.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre
as vantagens e o manejo da amamentação.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na
primeira hora após o parto.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como
manter a lactação, mesmo se vierem a ser
separadas de seus filhos.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro
alimento ou bebida além do leite materno, a não
ser que tenha indicação clínica.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do
leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que
mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por
dia.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do
leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam
juntos 24 horas por dia.
8- Encorajar a amamentação sob livre demanda.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do
leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam
juntos 24 horas por dia.
8- Encorajar a amamentação sob livre demanda.
9- Não dar bicos artificiais ou chupetas a
crianças amamentadas.
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do
leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam
juntos 24 horas por dia.
8- Encorajar a amamentação sob livre demanda.
9- Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas.
10- Encorajar o estabelecimento de grupos de
apoio à amamentação, para onde as mães
deverão ser encaminhadas por ocasião da alta
hospitalar.
Dez Passos para o sucesso do aleitamento materno
Declaração conjunta da OMS/ UNICEF (1989)
1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do
leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam
juntos 24 horas por dia.
8- Encorajar a amamentação sob livre demanda.
9- Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas.
10- Encorajar o estabelecimento de grupos de apoio à amamentação, para
onde as mães deverão ser encaminhadas por ocasião da alta hospitalar.
Prematuros e
recém-nascidos de
baixo peso
Propiciar a presença da mãe o maior tempo possível
junto ao bebê
Estimular a retirada do leite a cada 3 horas  manter
a produção de leite
Estimular a amamentação tão logo seja possível
Bebês que exigem cuidados
especiais
Quem são os bebês de cuidados
especiais ?
Baixo peso e/ou prematuro
Gêmeos
Fenda lábio-palatal
Lesão neurológica
Icterícia
Síndromes
Direitos Sociais/ Ações Nacionais de
Incentivo ao Aleitamento Materno
Assistência integral à gestante pelo Sistema
Único de Saúde (SUS) no pré e pós parto
Licença Maternidade de 120/180 dias para
toda mulher trabalhadora .
Licença Paternidade de 15 dias
Mãe trabalhadora tem o direito de 2 pausas
de 30 minutos por dia até o bebê completar
seis meses.
Direito às presidiárias de permanecer com
seus filhos durante o período da
amamentação
Figura 1
Estimular o reflexo de busca tocando a
boca do bebê com o mamilo
Esperar que o bebê esteja com a boca
bem aberta (como se fosse bocejar)
VARIANDO POSIÇÕES
Gêmeos
Oriente a mãe
• Conseguir ajuda para
as tarefas domésticas
• Descansar entre as
mamadas
• Amamentar os dois ao
mesmo tempo
• Alternar os peitos para
cada bebê
• interfere no vínculo
• mais alergia e intolerância
ao leite
• maior risco de doenças
crônicas
• obesidade
• menor desempenho em
testes de inteligência
• maior risco de anemia,
câncer de ovário e de
mama
• pode ficar grávida
precocemente
• mais diarréia e
infecção respiratória
• diarréia
persistente
• desnutrição e
deficiência de vit. A
• maior mortalidade
MÃE
RISCOS COM A ALIMENTAÇÃO ARTIFICIAL
bebê
bebê
Doenças
Materna,
drogas e
Aleitamento
Foto: Contented infant, de
Thomaz Bergman, Suécia
Drogas e aleitamento Materno
fármacos são divididos em 3 classes:
1)DROGAS DE USO COMPATÍVEL COM
A AMAMENTAÇÃO(LIBERADAS)
2)DROGAS DE USO
CRITERIOSO(PESAR
RISCOxBENEFÍCIO)
3)DROGAS ABSOLUTAMENTE
CONTRA-INDICADAS NA
AMAMENTAÇÃO.
Condições maternas que
contra-indicam o aleitamento
Vírus da imunodeficiência humana (HIV) –
--- o risco de transmissão do vírus pelo leite materno é elevado, entre 7% e 22%, e
se renova a cada exposição.
---- A transmissão ocorre tanto por mães sintomáticas quanto assintomáticas
O aleitamento materno é contra-indicado
Quanto mais a criança mama, maior será a chance de ela ser infectada.
se iniciado, faz-se necessário orientar a mãe para suspender a
amamentação o mais rapidamente possível, mesmo em mulheres em uso de terapia
anti-retroviral.
A amamentação cruzada – aleitamento da criança por outra mulher – está
formalmente contra-indicada.
Vírus linfotrófico humano de células T (HTLV 1 e
2) –
#o risco de transmissão vertical pela amamentação é
variável, sendo mais importante para o HTLV 1.
#Há referências que apontam para um risco de 13% a
22%.
O aleitamento materno é contra-indicado.
# Quanto mais a criança mama, maior será a chance de
ela ser infectada.
Condições maternas infecciosas que
contra-indicam temporariamente o
aleitamento materno:
Citomegalovírus (CMV) –
 o risco de transmissão do CMV é freqüente,
 mas apesar de até 40% dos lactentes filhos de mães
soropositivas para o CMV se infectarem ao fim do primeiro
mês de vida,
 a infecção é assintomática e não deixa seqüelas.
 não está contra-indicado o aleitamento materno em filhos
de mães CMV+.(ATENÇÃO !!!!! TEM EXCEÇÃO)
Citomegalovírus (CMV) x Prematuros
##o risco de transmissão da doença é alto,
##podendo causar infecção sintomática significativa em recém-
nascidos prematuros que nascem com idade gestacional menor que 32
semanas.
O uso do leite materno cru é contra-indicado apenas para essas
crianças prematuras ou imunodeficientes por qualquer etiologia.
Observação: a pasteurização assegura a inativação térmica do
citomegalovírus.
IMPORTANTE:o leite humano pasteurizado é biologicamente seguro,
podendo ser ofertado sem risco para qualquer criança.
Condições maternas infecciosas que contra-indicam
temporariamente o aleitamento materno:
HESPES SIMPLES E HERPES ZOSTER
A transmissão pelo leite materno é infreqüente,
 o aleitamento materno está contra-indicado
somente nos casos onde a lesão de pele ocorre na
mama.
Vírus da varicela-zoster
 O vírus varicela-zoster pode ser transmitido :
a) leite materno,
b) a via respiratória
c) o contato direto com as vesículas na pele da nutriz .
d) Quando a doença materna se inicia cinco dias antes do parto
ou até dois dias após, o recém-nascido pode adquirir varicela
e a infecção nessas circunstâncias pode ser grave.
Principal fonte de
infecção
Vírus da varicela-zoster: mãe com lesões 5 dias
antes ou até 2 dias após o parto.
 o aleitamento materno está contra-indicado
temporariamente,
 a criança deverá receber a imunoglobulina específica para o vírus
varicela-zoster (VZIG), 125 unidades, via intramuscular.
 Durante esse período, a criança poderá ser alimentada com o leite da
própria mãe, pasteurizado em BLH, ou leite humano doado pelo BLH
quando disponível.
 Após a cobertura vacinal, o leite materno poderá ser oferecido através
da ordenha ou na própria mãe, se suas condições físicas o permitirem.
Infecção materna pelo vírus da hepatite C (o HCV)
 o risco de transmissão vertical pelo aleitamento materno
é desconhecido.
não representando por isso contra-indicação absoluta
para a amamentação.
A amamentação é contra-indicada quando a mãe tem
carga viral elevada ou lesões mamilares sangrantes.
Hanseníase
a principal forma de transmissão :
a) secreções respiratórias
b)lesões da pele.
O bacilo pode ser isolado em secreções lácteas nos casos de:
1.hanseníase virchowiana não tratada ou
2. hanseníase virchowiana com tratamento inferior a três meses com
sulfona (dapsona ou clofazimina) ou
3.hanseníase virchowiana tratadamento inferior a três semanas com
rifampicina,
contra-indicado o aleitamento materno nesses casos até que o
tratamento atinja o tempo necessário para o controle da transmissão.
Hanseníase
Lesões de pele localizadas na mama também
podem ser fonte de infecção para o recém-nascido-
a amamentação é contra-indicada enquanto existir a
lesão.
 Observação: não há contra-indicação para o
aleitamento materno, quando a mãe estiver sob
tratamento adequado
Doença de Chagas
*o parasita pode ser excretado no leite de mulheres na fase aguda ou crônica da
doença podendo determinar infecção aguda no lactente
. *A infecção aguda no lactente parece ter evolução benigna e as seqüelas tardias
são raras.
##o aleitamento natural deve seguir as seguintes diretrizes para sua
indicação:
está indicado nas mulheres com doença de Chagas crônica, exceto
se houver sangramento mamilar evidente.
está contra-indicado nas mulheres com doença de Chagas aguda.
Condições maternas infecciosas que, apesar
de não contra-indicar o aleitamento
materno, merecem considerações para sua
indicação:
Condições maternas infecciosas que, apesar de não contra-indicar o aleitamento materno,
merecem considerações para sua indicação:
Infecção materna pelo vírus da hepatite B (o
HBV)
é possível a transmissão do HBV pelo leite materno,
 a principal via de transmissão da mãe para o recém-nascido é
a exposição ao sangue materno que ocorre durante o
trabalho de parto e no parto.
 O uso de vacina e imunoglobulina específica anti-hepatite B
protege o recém-nascido e elimina o eventual risco de
transmissão por essa via e pela amamentação
Tuberculose pulmonar
a presença do M. tuberculosis no leite materno é excepcional,
sendo a transmissão predominantemente respiratória.
o aleitamento materno pode ser mantido, observando-se as seguintes
recomendações:
1. tratar essas mães, visto que a administração de drogas anti-tuberculose à mãe não
contra-indica a amamentação.
2. Orientar para o uso de máscaras ou similares e diminuição do contato
íntimo, até que a nutriz deixe de ser bacilífera, o que acontece após duas a três semanas
do início do tratamento.
3.Realizar quimioprofilaxia com isoniazida no recém-nascido de mãe
bacilífera não-tratada ou com tratamento inferior a três semanas de
duração, na dose de 10 mg/kg/dia, durante três meses, realizando em seguida o teste
tuberculínico (PPD).
Tuberculose
A) se o PPD for positivo:
1. Rastrear a doença da criança por intermédio de exames clínicos e
radiológicos.
2. Uma vez afastada a infecção ativa, manter a profilaxia até o 6º mês
sempre com vigilância do caso
3. No 6º mês proceder à vacinação com a BCG.
B)Se o PPD for negativo após o 3º mês de isoniazida,
1. Interromper a isoniazida
2. Efetuar a vacinação
3. Exames clínicos periódicos do lactente.
A imunização com o BCG na criança que recebe a isoniazida deve ser adiada, mas se
existir o risco do não-seguimento do lactente, independentemente da
quimioprofilaxia, é mais seguro proceder à vacinação concomitante.
Condições maternas não-infecciosas que
contra-indicam o aleitamento materno:
Mães em quimioterapia/radioterapia
eliminam substâncias radioativas pelo leite
materno durante e por um período após essa terapia.
essas mulheres devem ser orientadas para
não amamentar seus filhos.
Nos casos de exposição ocupacional e/ou ambiental a
metais pesados (por exemplo: chumbo, mercúrio etc.)
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno
Juliana Maciel
 
Aleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdfAleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdf
VeraLuciaPereira24
 
Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1
Gray Rodrigues
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
Lara Martins
 
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Jaque Schons
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Michely Blank
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Carlos Roberto Jr.
 
Problemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamasProblemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamas
Rebeca - Doula
 
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPECAleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
associacaoportella
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
Escola de enfermagem Nova Esperança
 
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentação complementar
Alimentação complementarAlimentação complementar
Alimentação complementar
Nara Lordello
 
Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência  Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência
Rita Galrito
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
Laped Ufrn
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
NadjadBarros
 
A importância do leite materno !
A importância do leite materno !A importância do leite materno !
A importância do leite materno !
DAniela Fonseca
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais procurados (20)

Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno
 
Aleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdfAleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdf
 
Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
 
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Problemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamasProblemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamas
 
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPECAleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
 
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
 
Alimentação complementar
Alimentação complementarAlimentação complementar
Alimentação complementar
 
Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência  Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
A importância do leite materno !
A importância do leite materno !A importância do leite materno !
A importância do leite materno !
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 

Semelhante a ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx

Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Juliane Stivanin da Silva
 
001
001001
001
bexis
 
Vantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento maternoVantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento materno
Rebeca - Doula
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2
lejomoyas
 
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
Praxis Educativa
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
Dessa Reis
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
Solange Broggine
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Alexandre Donha
 
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.pptALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
Prof Ana Paula Gonçalves
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Manual aleitamento
Manual aleitamentoManual aleitamento
Manual aleitamento
Gercienny Oliveira
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
Rebeca - Doula
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
Lorrayne Ferreira
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
DayrlaneTorres
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
BrunoMMorales
 
Manual alimentação-para-gestantes
Manual alimentação-para-gestantesManual alimentação-para-gestantes
Manual alimentação-para-gestantes
MrciaMendes29
 
Aleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicefAleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicef
Aline Melo de Aguiar
 

Semelhante a ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx (20)

Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
 
001
001001
001
 
Vantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento maternoVantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento materno
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatal
 
Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2
 
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.pptALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
 
Manual aleitamento
Manual aleitamentoManual aleitamento
Manual aleitamento
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
 
Manual alimentação-para-gestantes
Manual alimentação-para-gestantesManual alimentação-para-gestantes
Manual alimentação-para-gestantes
 
Aleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicefAleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicef
 

Mais de FranciscoFlorencio6

EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptxEnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptx
FranciscoFlorencio6
 
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
FranciscoFlorencio6
 
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptxEnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptx
FranciscoFlorencio6
 
biologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptx
biologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptxbiologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptx
biologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptx
FranciscoFlorencio6
 
slideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptx
slideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptxslideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptx
slideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptx
FranciscoFlorencio6
 
brasilimperial-120820125603-phpapp02.pptx
brasilimperial-120820125603-phpapp02.pptxbrasilimperial-120820125603-phpapp02.pptx
brasilimperial-120820125603-phpapp02.pptx
FranciscoFlorencio6
 
ENEM_AULA.pptx
ENEM_AULA.pptxENEM_AULA.pptx
ENEM_AULA.pptx
FranciscoFlorencio6
 
CRONOGRAMA AGOSTO.docx
CRONOGRAMA AGOSTO.docxCRONOGRAMA AGOSTO.docx
CRONOGRAMA AGOSTO.docx
FranciscoFlorencio6
 
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx
FranciscoFlorencio6
 
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptxEnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptx
FranciscoFlorencio6
 
biologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptxbiologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptx
FranciscoFlorencio6
 
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx
FranciscoFlorencio6
 
2a_serie_aula_17.pptx
2a_serie_aula_17.pptx2a_serie_aula_17.pptx
2a_serie_aula_17.pptx
FranciscoFlorencio6
 
2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx
2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx
2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx
FranciscoFlorencio6
 
biologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptxbiologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptx
FranciscoFlorencio6
 
3a_serie_aula_27.pptx
3a_serie_aula_27.pptx3a_serie_aula_27.pptx
3a_serie_aula_27.pptx
FranciscoFlorencio6
 
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx
FranciscoFlorencio6
 
Aleitamento Materno.ppt
Aleitamento Materno.pptAleitamento Materno.ppt
Aleitamento Materno.ppt
FranciscoFlorencio6
 
Higienização Hospitalar - PPT.pptx
Higienização Hospitalar - PPT.pptxHigienização Hospitalar - PPT.pptx
Higienização Hospitalar - PPT.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Legislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptx
Legislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptxLegislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptx
Legislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptx
FranciscoFlorencio6
 

Mais de FranciscoFlorencio6 (20)

EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptxEnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula 37.pptx
 
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
 
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptxEnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N5.pptx
 
biologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptx
biologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptxbiologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptx
biologia_3ªsérie_slides_aula19. BIOLOGIApptx
 
slideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptx
slideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptxslideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptx
slideeuropasculoxix-IIII161024230153.pptx
 
brasilimperial-120820125603-phpapp02.pptx
brasilimperial-120820125603-phpapp02.pptxbrasilimperial-120820125603-phpapp02.pptx
brasilimperial-120820125603-phpapp02.pptx
 
ENEM_AULA.pptx
ENEM_AULA.pptxENEM_AULA.pptx
ENEM_AULA.pptx
 
CRONOGRAMA AGOSTO.docx
CRONOGRAMA AGOSTO.docxCRONOGRAMA AGOSTO.docx
CRONOGRAMA AGOSTO.docx
 
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 28.pptx
 
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptxEnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptx
EnsMed_matematica_1ª série_Slides Aula N3.pptx
 
biologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptxbiologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula27_revisada.pptx
 
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 10.pptx
 
2a_serie_aula_17.pptx
2a_serie_aula_17.pptx2a_serie_aula_17.pptx
2a_serie_aula_17.pptx
 
2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx
2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx
2021_EnsMédio_Química_3ª Série_Slides_Aula 08.pptx
 
biologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptxbiologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptx
biologia_3ªsérie_slides_aula22_revisada.pptx
 
3a_serie_aula_27.pptx
3a_serie_aula_27.pptx3a_serie_aula_27.pptx
3a_serie_aula_27.pptx
 
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx
2021_EnsMédio_Química_2ª Série_Slides_Aula 18 (1).pptx
 
Aleitamento Materno.ppt
Aleitamento Materno.pptAleitamento Materno.ppt
Aleitamento Materno.ppt
 
Higienização Hospitalar - PPT.pptx
Higienização Hospitalar - PPT.pptxHigienização Hospitalar - PPT.pptx
Higienização Hospitalar - PPT.pptx
 
Legislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptx
Legislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptxLegislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptx
Legislação em Enfermagem Obstétrica (1).pptx
 

Último

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 

Último (7)

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 

ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx

  • 1. ALIMENTAÇÃO E ALEITAMENTO MATERNO Dra. Samara Valença Pediatra Neonatologista.
  • 2. ALEITAMENTO MATERNO Foto: Contented infant, de Thomaz Bergman, Suécia
  • 3. Estudos científicos comprovam a importância do aleitamento materno exclusivo para a saúde dos bebês. ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO
  • 4. RECOMENDAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (54ª AMS / MAIO DE 2001) ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO ATÉ OS 6 MESES E CONTINUADO ATÉ OS 2 ANOS DE IDADE OU MAIS
  • 5. AÇÕES PARA IMPLEMENTAR ROTINAS FACILITADORAS DA AMAMENTAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE (Fonte: Ministério da Saúde) Hospital Amigo da Criança Unidade Básica Amiga da Amamentação Rede nacional de BLH Método canguru
  • 7. FISIOLOGIA  A MAMA ESTÁ PREPARADA PARA LACTAR A PARTIR DA 16ª SEMANA.(se mantem inativa por ação dos estrógenos placentários).  LACTOGÊNESE- fases: 1. Lactogênese fase 1-inicia na 2ªmetade da gravidez quando a glândula mámaria se prepara pra secretar leite(fase de maturação) 2. Lactogênese fase 2(fase da prolactina): na ocasião do parto-secreção copiosa de leite 3. Galactopoise: manutenção da lactação
  • 8. ´-
  • 11. Movimentação mandibular 4 movimentos básicos • abre • frente • cima • atrás
  • 13. O Leite Humano é muito mais do que uma fonte de nutrientes. É uma substância VIVA DE GRANDE COMPLEXIDADE BIOLÓGICA.
  • 14. LACTOSE Fornece 40% da necessidade de energia Facilita a absorção de cálcio e ferro Promove a colonização intestinal com lactobacilus bifidus Processo de crescimento e desenvolvimento
  • 15. GORDURA • Principal fonte de energia para o bebê • O leite materno contém enzimas que digerem a gordura e a transformam em energia (caloria) para o bebê • Contém substâncias essenciais para o bom crescimento cerebral • A quantidade de gordura do leite pode ser afetada pela dieta da mãe
  • 16. A gordura é o componente mais variável no leite materno PICOS: • fim da manhã e tarde • o nível é mais baixo no início da mamada (leite anterior) • o nível é mais alto na parte posterior da mamada (leite posterior) NÃO LIMITAR A DURAÇÃO DAS MAMADAS (Woolridge, M W /Thé, MAL)
  • 21. Variação da composição do leite humano LEITE MATERNO PREMATURO Contém mais proteína e fatores de proteção para o bebê prematuro
  • 22. COLOSTRO • Aparece por volta do 7º mês de gestação • É espesso, pegajoso e amarelo claro • É completo como primeiro alimento para o bebê • Volume = 30 ml (10 a 100 ml/dia)
  • 23. FATORES DE PROTEÇÃO PRESENTES NO COLOSTRO • Lactoferrina • Imunoglobulina A • Fator Bifidus
  • 25. LEITE MATERNO MADURO  Modifica-se conforme o período do dia  Modifica-se durante a mamada  Modifica-se conforme as necessidades do bebê  Modifica-se conforme as doenças que a mãe já teve contato ANTERIOR acinzentado POSTERIOR branco
  • 27. A composição do leite materno Porque o leite materno é um alimento perfeito?
  • 28. Contém todos os nutrientes de que a criança precisa até os seis meses de vida Proteína (60% lacto albumina) e gordura  tipo e quantidade adequada Carboidrato – lactose em maior quantidade (> calorias) Vitaminas  não há necessidade de suplementos Água  em quantidade suficiente (88% ) Presença de lipase  digestão das gorduras Ferro é melhor absorvido (49%); a taxa de absorção do Fe de fórmulas enriquecidas é de 4%. Porque o leite materno é um alimento perfeito?
  • 29. O leite materno é adequado às necessidades do RN, é específico e nem sempre tem a mesma composição Colostro  primeira imunização, rico em IgA secretora, fatores de crescimento, vitamina A e ajuda o RN eliminar o mecônio; Leite maduro  15 dias após o parto; O nível de gordura do leite muda durante a mamada (leite inicial e leite posterior); O sabor do leite maduro modifica conforme a alimentação da mãe; Leite de mãe de prematuro é mais rico em proteínas, imunoglobulinas, sais minerais e calorias Porque o leite materno é um alimento perfeito?
  • 30. O leite materno protege as crianças contra infecções e diarréia porque contém: Células brancas vivas (leucócitos, neutrófilos, macrófagos e linfócitos) Imunoglobulinas (IgA, IgG, IgM) Fator bífido que facilita o crescimento do Lactobacillus bifidus  impede o crescimento de bactérias patogênicas Lactoferrina que se junta ao ferro  impede o crescimento de bactérias patogênicas Porque o leite materno é um alimento perfeito?
  • 31. O leite materno facilita o estabelecimento do vínculo afetivo mãe-filho Porque o leite materno é um alimento perfeito?
  • 32. Benefícios do aleitamento materno Criança Mãe Sociedade
  • 33. Benefícios do aleitamento materno para a criança Maior resistência a infecções como diarréias, pneumonias e otite. Mortalidade por doenças infecciosas 6 vezes maior em crianças menores de 2 anos não amamentadas (estudo realizado no Brasil, Filipinas, Gâmbia, Gana, Paquistão e Senegal; OMS, 2000). O risco de morrer no primeiro ano de vida, por diarréia, foi de 14 vezes maior em crianças não amamentadas .
  • 34. Benefícios do aleitamento materno para a criança  Diminuição da ocorrência de doenças imunoalérgicas: sibilância recorrente, asma ,dermatite atópica.  Diminuição da ocorrência de doenças crônicas: a. Cânceres:leucemias ,linfomas e dç de Hodgkin b. Gastrointestinais: dç celíaca,dç de Crohn ,RCU c. Metabólicas: diabetes mellitus 1 e 2 ;sobrepeso/obesidade;hipercolesterolemia d. Cardiovascular:redução da pressão arterial sistêmica
  • 35. Benefícios do aleitamento materno para a criança Nutrição adequada de alta qualidade, atende naturalmente às necessidades nutritivas da criança Crescimento e desenvolvimento adequados Melhor desenvolvimento cognitivo, psicomotor, emocional e social Desenvolvimento da cavidade oral
  • 36. Benefícios do aleitamento materno para a criança  Fortalecimento do vínculo afetivo mãe-bebê  Reduz a incidência de maus-tratos
  • 37. Benefícios do aleitamento materno para a mãe Melhor recuperação no pós-parto Involução uterina mais rápida  redução do sangramento e de anemia Efeito contraceptivo, espaçamento entre os partos Proteção contra câncer de mama e de ovário Remineralização óssea: redução de fraturas do colo de fêmur no período pós-menopausa Proteção contra o diabetes tipo 2 ( 15% ) Promove perda de peso corporal(704 kcal/dia)
  • 38. Benefícios do aleitamento materno para a sociedade Crianças amamentadas adoecem menos  menos atendimento médico, menos hospitalizações e medicamentos; Menos falta ao trabalho dos pais. Menor custo para a família na compra de outros leites, mamadeiras,medicamentos, etc.
  • 40. “Amamentação na primeira meia hora, proteção sem demora”
  • 41. Iniciar o aleitamento materno na primeira meia hora após o parto Maior duração da amamentação Maior interação mãe-bebê  reduz os índices de abandono Melhor controle da temperatura do RN Reduz o risco de hemorragia pós-parto (liberação de ocitocina) Reduz a icterícia no RN (aumento da motilidade gastrointestinal)
  • 42. Porque as mães oferecem chás, água e outro leite?
  • 43. Dificuldades precoces da Amamentação Mamilos muito doloridos/trauma mamilar A causa mais comum é posicionamento e pega inadequada da criança Amamentar com técnica correta Manter os mamilos secos Amamentar em livre demanda Ordenhar manualmente a aréola antes da mamada
  • 44. Dificuldades precoces da Amamentação Ingurgitamento mamário Iniciar a amamentação o mais precocemente possível Amamentar em livre demanda Amamentar com técnica correta  sucção eficaz do RN  ordenha adequada do leite Não usar suplementos
  • 45. Dificuldades precoces da Amamentação Mamilos planos ou invertidos Não impedem a amamentação (dificultam a pega da aréola adequadamente) Não é recomendado “exercícios” durante a gestação RN deve abocanhar a aréola Antes da mamada  Massagear a mama e aréola  retirar um pouco de leite, tornando a aréola mais macia  comprimir a aréola entre dois dedos .
  • 48. Ordenha com bombinha elétrica
  • 51. Como os serviços de saúde podem apoiar a amamentação? Todos os estabelecimentos que oferecem serviços obstétricos e cuidados a recém-nascidos deveriam:
  • 52. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
  • 53. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma.
  • 54. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação.
  • 55. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto.
  • 56. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos.
  • 57. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
  • 58. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica. 7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por dia.
  • 59. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica. 7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por dia. 8- Encorajar a amamentação sob livre demanda.
  • 60. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica. 7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por dia. 8- Encorajar a amamentação sob livre demanda. 9- Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas.
  • 61. 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica. 7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por dia. 8- Encorajar a amamentação sob livre demanda. 9- Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas. 10- Encorajar o estabelecimento de grupos de apoio à amamentação, para onde as mães deverão ser encaminhadas por ocasião da alta hospitalar.
  • 62. Dez Passos para o sucesso do aleitamento materno Declaração conjunta da OMS/ UNICEF (1989) 1- Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, a qual deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2- Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar esta norma. 3- Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4- Ajudar as mães a iniciar a amamentação na primeira hora após o parto. 5- Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6- Não dar ao recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica. 7- Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por dia. 8- Encorajar a amamentação sob livre demanda. 9- Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas. 10- Encorajar o estabelecimento de grupos de apoio à amamentação, para onde as mães deverão ser encaminhadas por ocasião da alta hospitalar.
  • 63. Prematuros e recém-nascidos de baixo peso Propiciar a presença da mãe o maior tempo possível junto ao bebê Estimular a retirada do leite a cada 3 horas  manter a produção de leite Estimular a amamentação tão logo seja possível Bebês que exigem cuidados especiais
  • 64. Quem são os bebês de cuidados especiais ? Baixo peso e/ou prematuro Gêmeos Fenda lábio-palatal Lesão neurológica Icterícia Síndromes
  • 65. Direitos Sociais/ Ações Nacionais de Incentivo ao Aleitamento Materno Assistência integral à gestante pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no pré e pós parto Licença Maternidade de 120/180 dias para toda mulher trabalhadora . Licença Paternidade de 15 dias Mãe trabalhadora tem o direito de 2 pausas de 30 minutos por dia até o bebê completar seis meses. Direito às presidiárias de permanecer com seus filhos durante o período da amamentação
  • 67. Estimular o reflexo de busca tocando a boca do bebê com o mamilo Esperar que o bebê esteja com a boca bem aberta (como se fosse bocejar)
  • 69. Gêmeos Oriente a mãe • Conseguir ajuda para as tarefas domésticas • Descansar entre as mamadas • Amamentar os dois ao mesmo tempo • Alternar os peitos para cada bebê
  • 70. • interfere no vínculo • mais alergia e intolerância ao leite • maior risco de doenças crônicas • obesidade • menor desempenho em testes de inteligência • maior risco de anemia, câncer de ovário e de mama • pode ficar grávida precocemente • mais diarréia e infecção respiratória • diarréia persistente • desnutrição e deficiência de vit. A • maior mortalidade MÃE RISCOS COM A ALIMENTAÇÃO ARTIFICIAL bebê bebê
  • 71. Doenças Materna, drogas e Aleitamento Foto: Contented infant, de Thomaz Bergman, Suécia
  • 72. Drogas e aleitamento Materno fármacos são divididos em 3 classes: 1)DROGAS DE USO COMPATÍVEL COM A AMAMENTAÇÃO(LIBERADAS) 2)DROGAS DE USO CRITERIOSO(PESAR RISCOxBENEFÍCIO) 3)DROGAS ABSOLUTAMENTE CONTRA-INDICADAS NA AMAMENTAÇÃO.
  • 74. Vírus da imunodeficiência humana (HIV) – --- o risco de transmissão do vírus pelo leite materno é elevado, entre 7% e 22%, e se renova a cada exposição. ---- A transmissão ocorre tanto por mães sintomáticas quanto assintomáticas O aleitamento materno é contra-indicado Quanto mais a criança mama, maior será a chance de ela ser infectada. se iniciado, faz-se necessário orientar a mãe para suspender a amamentação o mais rapidamente possível, mesmo em mulheres em uso de terapia anti-retroviral. A amamentação cruzada – aleitamento da criança por outra mulher – está formalmente contra-indicada.
  • 75. Vírus linfotrófico humano de células T (HTLV 1 e 2) – #o risco de transmissão vertical pela amamentação é variável, sendo mais importante para o HTLV 1. #Há referências que apontam para um risco de 13% a 22%. O aleitamento materno é contra-indicado. # Quanto mais a criança mama, maior será a chance de ela ser infectada.
  • 76. Condições maternas infecciosas que contra-indicam temporariamente o aleitamento materno:
  • 77. Citomegalovírus (CMV) –  o risco de transmissão do CMV é freqüente,  mas apesar de até 40% dos lactentes filhos de mães soropositivas para o CMV se infectarem ao fim do primeiro mês de vida,  a infecção é assintomática e não deixa seqüelas.  não está contra-indicado o aleitamento materno em filhos de mães CMV+.(ATENÇÃO !!!!! TEM EXCEÇÃO)
  • 78. Citomegalovírus (CMV) x Prematuros ##o risco de transmissão da doença é alto, ##podendo causar infecção sintomática significativa em recém- nascidos prematuros que nascem com idade gestacional menor que 32 semanas. O uso do leite materno cru é contra-indicado apenas para essas crianças prematuras ou imunodeficientes por qualquer etiologia. Observação: a pasteurização assegura a inativação térmica do citomegalovírus. IMPORTANTE:o leite humano pasteurizado é biologicamente seguro, podendo ser ofertado sem risco para qualquer criança.
  • 79. Condições maternas infecciosas que contra-indicam temporariamente o aleitamento materno: HESPES SIMPLES E HERPES ZOSTER A transmissão pelo leite materno é infreqüente,  o aleitamento materno está contra-indicado somente nos casos onde a lesão de pele ocorre na mama.
  • 80. Vírus da varicela-zoster  O vírus varicela-zoster pode ser transmitido : a) leite materno, b) a via respiratória c) o contato direto com as vesículas na pele da nutriz . d) Quando a doença materna se inicia cinco dias antes do parto ou até dois dias após, o recém-nascido pode adquirir varicela e a infecção nessas circunstâncias pode ser grave. Principal fonte de infecção
  • 81. Vírus da varicela-zoster: mãe com lesões 5 dias antes ou até 2 dias após o parto.  o aleitamento materno está contra-indicado temporariamente,  a criança deverá receber a imunoglobulina específica para o vírus varicela-zoster (VZIG), 125 unidades, via intramuscular.  Durante esse período, a criança poderá ser alimentada com o leite da própria mãe, pasteurizado em BLH, ou leite humano doado pelo BLH quando disponível.  Após a cobertura vacinal, o leite materno poderá ser oferecido através da ordenha ou na própria mãe, se suas condições físicas o permitirem.
  • 82. Infecção materna pelo vírus da hepatite C (o HCV)  o risco de transmissão vertical pelo aleitamento materno é desconhecido. não representando por isso contra-indicação absoluta para a amamentação. A amamentação é contra-indicada quando a mãe tem carga viral elevada ou lesões mamilares sangrantes.
  • 83. Hanseníase a principal forma de transmissão : a) secreções respiratórias b)lesões da pele. O bacilo pode ser isolado em secreções lácteas nos casos de: 1.hanseníase virchowiana não tratada ou 2. hanseníase virchowiana com tratamento inferior a três meses com sulfona (dapsona ou clofazimina) ou 3.hanseníase virchowiana tratadamento inferior a três semanas com rifampicina, contra-indicado o aleitamento materno nesses casos até que o tratamento atinja o tempo necessário para o controle da transmissão.
  • 84. Hanseníase Lesões de pele localizadas na mama também podem ser fonte de infecção para o recém-nascido- a amamentação é contra-indicada enquanto existir a lesão.  Observação: não há contra-indicação para o aleitamento materno, quando a mãe estiver sob tratamento adequado
  • 85. Doença de Chagas *o parasita pode ser excretado no leite de mulheres na fase aguda ou crônica da doença podendo determinar infecção aguda no lactente . *A infecção aguda no lactente parece ter evolução benigna e as seqüelas tardias são raras. ##o aleitamento natural deve seguir as seguintes diretrizes para sua indicação: está indicado nas mulheres com doença de Chagas crônica, exceto se houver sangramento mamilar evidente. está contra-indicado nas mulheres com doença de Chagas aguda.
  • 86. Condições maternas infecciosas que, apesar de não contra-indicar o aleitamento materno, merecem considerações para sua indicação:
  • 87. Condições maternas infecciosas que, apesar de não contra-indicar o aleitamento materno, merecem considerações para sua indicação: Infecção materna pelo vírus da hepatite B (o HBV) é possível a transmissão do HBV pelo leite materno,  a principal via de transmissão da mãe para o recém-nascido é a exposição ao sangue materno que ocorre durante o trabalho de parto e no parto.  O uso de vacina e imunoglobulina específica anti-hepatite B protege o recém-nascido e elimina o eventual risco de transmissão por essa via e pela amamentação
  • 88. Tuberculose pulmonar a presença do M. tuberculosis no leite materno é excepcional, sendo a transmissão predominantemente respiratória. o aleitamento materno pode ser mantido, observando-se as seguintes recomendações: 1. tratar essas mães, visto que a administração de drogas anti-tuberculose à mãe não contra-indica a amamentação. 2. Orientar para o uso de máscaras ou similares e diminuição do contato íntimo, até que a nutriz deixe de ser bacilífera, o que acontece após duas a três semanas do início do tratamento. 3.Realizar quimioprofilaxia com isoniazida no recém-nascido de mãe bacilífera não-tratada ou com tratamento inferior a três semanas de duração, na dose de 10 mg/kg/dia, durante três meses, realizando em seguida o teste tuberculínico (PPD).
  • 89. Tuberculose A) se o PPD for positivo: 1. Rastrear a doença da criança por intermédio de exames clínicos e radiológicos. 2. Uma vez afastada a infecção ativa, manter a profilaxia até o 6º mês sempre com vigilância do caso 3. No 6º mês proceder à vacinação com a BCG. B)Se o PPD for negativo após o 3º mês de isoniazida, 1. Interromper a isoniazida 2. Efetuar a vacinação 3. Exames clínicos periódicos do lactente. A imunização com o BCG na criança que recebe a isoniazida deve ser adiada, mas se existir o risco do não-seguimento do lactente, independentemente da quimioprofilaxia, é mais seguro proceder à vacinação concomitante.
  • 90. Condições maternas não-infecciosas que contra-indicam o aleitamento materno:
  • 91. Mães em quimioterapia/radioterapia eliminam substâncias radioativas pelo leite materno durante e por um período após essa terapia. essas mulheres devem ser orientadas para não amamentar seus filhos. Nos casos de exposição ocupacional e/ou ambiental a metais pesados (por exemplo: chumbo, mercúrio etc.)