SlideShare uma empresa Scribd logo
ABORTAMENTO
MAYCON DE MORAIS SILVA
Internato
Rotação de Ginecologia e Obstetrícia
2016
ABORTAMENTO
❖Segundo a OMS, é definido como a interrupção da gestação com feto pesando
menos de 500 gramas, ou com idade gestacional inferior a 20 semanas.
❖ABORTAMENTO: processo
❖ABORTO: produto eliminado
INCIDÊNCIA
❖SUBCLÍNICO: quando ocorre antes da próxima falha menstrual
❖CLÍNICO: quando ocorre após a gravidez confirmada pela dosagem de B-Hcg
ou USG
❖80% das gestações interrompidas até 12ª semana
ETIOLOGIA
❖ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS:
➢ Causas mais comuns: 50 a 80% dos abortamentos
➢ Aneuploidia: causa mais frequente. (Trissomias do 22, 21, 15, 13, 2 e 14
➢ Mais comum em mulheres de idade avançada
❖DESORDENS ANATÔMICAS
➢ Incompetência istmocervical
➢ Miomas
➢ Malformações uterinas: útero unicorno, bicorno, didelfo ou septado
➢ Sinéquias uterinas: (Sd de Asherman)
➢ Distopias uterinas
ETIOLOGIA
❖DOENÇAS ENDÓCRINAS
➢ Insuficiência Lútea
➢ Doenças da tireóide
➢ DM insulinodependente
➢ Síndrome dos Ovários Policísticos: incidência de 20 a 40%
❖DISTÚRBIOS IMUNOLÓGICOS
➢ Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídico: presente em 15 a 20% das mulheres com abortamento
habitual
ETIOLOGIA
❖INFECÇÕES
➢ Rubéola
➢ Parvovirose
➢ Citomegalovirose
➢ Listeríase
➢ Herpes Simples
➢ Hepatite B
➢ HIV
➢ Infecção do trato urinário
➢ Vaginoses
➢ Clamídia e Gonorréia
➢ Sífilis
➢ Toxoplasmose
➢ Malária
➢ Estreptococos do grupo B
FATORES DE RISCO
APRESENTAÇÕES CLÍNICAS E
CONDUTAS❖QUANTO À IDADE GESTACIONAL
➢ ABORTAMENTO PRECOCE: interrupção da gestação até a 12ª semana gestacional
➢ ABORTAMENTO TARDIO: após a 12ª semana gestacional
➢ ABORTAMENTO HABITUAL: ocorrência de 3 ou mais episódios consecutivos de abortamento
AMEAÇA DE ABORTAMENTO
❖15 a 25% de todas as gestações
❖Probabilidade de evolução para abortamento espontâneo é de 50%
❖USG: não há alterações significativas
SANGRAMENTO DISCRETO
DOR DISCRETA OU AUSENTE
FEBRE AUSENTE
ÚTERO COMPATÍVEL COM IG
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO
BETA- HCG POSITIVO
ULTRASSONOGRAFIA EMBRIÃO E BCF PRESENTES
AMEAÇA DE ABORTAMENTO
❖CONDUTA
➢ Repouso relativo
➢ abstinência sexual
➢ Antiespasmódicos se necessário
➢ Apoio psicológico
ABORTAMENTO INEVITÁVEL
❖Presença de ovo íntegro, porém inviável
❖Quase sempre precedido por período de ameaça de abortamento
SANGRAMENTO PRESENTE E POR VEZES INTENSO
DOR CÓLICAS,EM BAIXO VENTRE E LOMBAR
FEBRE AUSENTE
ÚTERO COMPATÍVEL OU NÃO COM A IG
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO ABERTO, BOLSA AMNIÓTICA HERNIADA
BETA- HCG POSITIVO NA MAIORIA DAS VEZES
ULTRASSONOGRAFIA BCF PRESENTES OU AUSENTES,
DESCOLAMENTO OVULAR COM
HEMATOMA RETROCORIAL SG EM
PROCESSO DE EXPULSÃO
ABORTAMENTO INEVITÁVEL
❖CONDUTA
➢ 70% dos casos até 8 semanas: resolução espontânea em até 72 horas
➢ Internação
➢ Hidratação venosa
➢ Esvaziamento uterino em casos que não se resolveram espontaneamente
➢ Aborto provocado: antibióticoterapia profilática
➢ Em paciente Rh negativo: imunoglobulina anti-Rh
ABORTAMENTO COMPLETO
❖Expulsão espontânea e total do feto e dos anexos. Mais frequente até 8 semanas
❖Clínica: parada ou diminuição súbita do sangramento e das cólicas
SANGRAMENTO DISCRETO OU AUSENTE
DOR AUSENTES
FEBRE AUSENTE
ÚTERO MENOR DO QUE O ESPERADO PARA A
IG
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO
BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE
ULTRASSONOGRAFIA ÚTERO VAZIO, OU IMAGENS
COMPATÍVEIS COM COÁGULOS
ABORTAMENTO COMPLETO
❖CONDUTA
➢ Encaminhar para acompanhamento ambulatorial
➢ Em pacientes com Rh negativo: imunoglobulina anti-Rh
ABORTAMENTO INCOMPLETO
❖Abortamento incompleto com colo fechado
❖Abortamento incompleto com colo aberto
❖Eliminação parcial ovo -> causa de hemorragia e infecção
❖Comum após 8 sem.-> vilosi/+ aderidas útero
❖Sangramento Intermitente pode ser intenso (os restos ovulares impedem
adequada contração uterina)
❖História de eliminação massa carnosa
❖Útero: amolecido, diminuição do volume. A eliminação líquido amniótico
diminui o volume e eliminação do concepto diminui as dimensões
ABORTAMENTO INCOMPLETO
SANGRAMENTO VARIÁVEL
DOR CÓLICAS
FEBRE AUSENTE
ÚTERO MENOR DO QUE O ESPERADO PARA A
IG
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO OU ABERTO
BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE
ULTRASSONOGRAFIA RESTOS OVULARES (ECOS
HIPERECOGÊNICOS)
ABORTAMENTO INCOMPLETO
❖Medidas gerais o Internação da paciente.
➢ Sinais vitais a cada seis horas: temperatura axilar, pulso radial e pressão arterial.
➢ Hemograma completo para monitorar a espoliação e rastrear a infecção
➢ Tipagem sanguínea. Pacientes Rh negativo e Coombs indireto negativo devem ser medicadas
com Imunoglobulina anti-Rh para prevenção de possível aloimunização, no momento da
administração do misoprostol.
➢ Acesso venoso, com correção da volemia, se necessário
ABORTAMENTO INCOMPLETO
❖Gestação de 1° trimestre
➢ Misoprostol
➢ AMIU ou
➢ Dilatação do colo e curetagem uterina
❖Gestação de 2° trimestre o Misoprostol
➢ Perfusão venosa de ocitocina em solução glicosada na velocidade de 40 mUI/min (20 UI do
fármaco em 500 ml de soro glicosado a 5% a 20 gotas/min).
➢ Esvaziamento da cavidade uterina
➢ AMIU ou curetagem, por técnica convencional, após a expulsão do feto
➢ Inibição da lactação: Cabergolina: 1mg (2 comp) VO em dose única
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
❖Situação em que há restos intrauterinos e infecção
❖ Na maioria das vezes é resultado de abortamentos provocados de forma ilegal
❖ Quadro clínico: aborto incompleto associado a sinais de infecção, como dor
local importante, útero amolecido, eliminação de material com odor fétido,
comprometimento do estado geral, febre e taquicardia.
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
❖Casos não complicados: a infecção está restrita ao útero.
❖Casos complicados, a infecção pode se estender aos anexos, peritônio ou se
generalizar e evoluir para septicemia.
❖Geralmente são infecções polimicrobianas a partir da ascensão de germes que
fazem parte da flora vaginal e intestinal
❖Cocos anaeróbios, gram-negativos, bacteroides e Clostriduim perfingrens (ou
welchii)
❖Os índices de mortalidade são altos.
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
❖“Manual de Orientação: Assistência Pré-Natal”- FEBRASGO
➢ GRAU 1: É o mais frequente, a infecção está limitada ao conteúdo da cavidade uterina
➢ GRAU 2: A infecção já se expande à pelve (pelviperitonite)
➢ GRAU 3: Peritonite generalizada e infecção sistêmica com grave comprometimento do estado
geral com CIVD, insuficiência renal, falência de múltiplos órgãos e choque séptico.
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
SANGRAMENTO VARIÁVEL, ÀS VEZES COM ODOR
FÉTIDO
DOR PODE HAVER SINAIS DE PERITONITE
FEBRE PRESENTE
ÚTERO AMOLECIDO E DOLOROSO Á
PALPAÇÃO
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO GERALMENTE ABERTO (OU FECHADO)
BETA- HCG NEGATIVO
ULTRASSONOGRAFIA APRESENTAÇÃO VARIÁVEL (A CLÍNICA
É MUITO SUGESTIVA)
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
❖CONDUTA
➢ Internação hospitalar
➢ Sinais vitais a cada seis horas: temperatura axilar, pulso radial e pressão arterial.
➢ Hemograma completo para monitorar a espoliação e rastrear a infecção
➢ Tipagem sanguínea. Pacientes Rh negativo e Coombs indireto negativo devem ser medicadas
com Imunoglobulina anti-Rh para prevenção de possível aloimunização, no momento da
administração do misoprostol
➢ Acesso venoso, com correção da volemia, se necessário
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
❖Pelo ministério da Saúde: Antibioticoterapia
➢ Ampicilina (500mg a 1g 6/6hs) ou penicilina cristalina (20 1 40 milhões de UI/dia) +
➢ Gentamicina (1,5 mg/kg/dose 8/8hs) ou Amicacina (15mg/kg/dia 8/8hs) +
➢ Clindamicina (600 a 900 mg a cada 6 a 8 horas) ou metronidazol (500 a 1 g 6/6hs)
➢ Tempo recomendado de tratamento: 7 a 10 dias
➢ Se a paciente for imunizada, fazer dose de reforço da vacina se a última dose tiver sido
administrada há mais de 5 (cinco) anos.
ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO)
❖Gestação de 1° trimestre
➢ AMIU ou dilatação do colo e curetagem uterina uma hora após o início da terapêutica com
ocitócito e antibiótico
❖Gestação de 2° trimestre
➢ Só deve ser feito o esvaziamento uterino após a expulsão do feto.
➢ Misoprostol
➢ Perfusão venosa de ocitocina em solução glicosada na velocidade de 40 mUI/min (20 UI do
fármaco em 500 ml de soro glicosado a 5% a 20 gotas/min).
➢ Esvaziamento da cavidade uterina uma hora após o início da terapêutica com ocitócito e
antibiótico
➢ AMIU ou curetagem por técnica convencional, após a expulsão do feto
➢ Inibição da lactação - Cabergolina: 1 mg (2 comprimidos) VO em dose única.
ABORTAMENTO RETIDO
❖ Interrupção da gravidez com retenção do ovo morto por período prolongado
SANGRAMENTO AUSENTE
DOR AUSENTE
FEBRE AUSENTE
ÚTERO MENOR QUE O ESPERADO PARA A
IDADE GESTACIONAL
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO
BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE
ULTRASSONOGRAFIA EMBRIÃO PRESENTE, PORÉM MORTO
(SEM BCF)
ABORTAMENTO RETIDO
OVO ANEMBRIONADO
❖ Tambem denominado “Ovo Cego”
❖Ausência de embrião no saco gestacional íntegro, em gestação com mais de 6
semanas de evolução
OVO ANEMBRIONADO
SANGRAMENTO AUSENTE
DOR AUSENTE
FEBRE AUSENTE
ÚTERO MENOR QUE O ESPERADO PARA A
IDADE GESTACIONAL
ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO
BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE
ULTRASSONOGRAFIA SACO GESTACIONAL ÍNTEGRO,
AUSÊNCIA DE EMBRIÃO
ABORTAMENTO RETIDO E OVO
ANEMBRIONADO
❖ CONDUTA
➢ A conduta expectante pode ser uma opção nessas pacientes.
❖Ao optar pelo esvaziamento uterino:
➢ Internação da paciente.
➢ Medidas gerais
ABORTAMENTO RETIDO E OVO
ANEMBRIONADO
❖ CONDUTA
❖Até 12° semanas
➢ Misoprostol
➢ AMIU ou dilatação do colo e curetagem uterina
❖Após 12° semanas
➢ Misoprostol* . Contra-indicado em caso de histerotomia prévia
➢ Perfusão venosa de ocitocina em solução glicosada na velocidade de 40 mUI/min (20 UI do
fármaco em 500 ml de soro glicosado a 5% a 20 gotas/min).
➢ Esvaziamento da cavidade uterina - AMIU ou curetagem, por técnica convencional, após a
expulsão do feto.
➢ Inibição da lactação- Cabergolina: 1mg (2 comprimidos) VO em dose única.
ABORTAMENTO HABITUAL
❖ Ocorrência de três ou mais episódios consecutivos de abortamento espontâneo
❖Corresponde a 0,5% de todas as gestações
❖Em pacientes diagnosticadas, possuem mais de 30% de risco de abortamento
❖CAUSAS:
➢ Doenças cromossomais
➢ anormalidades anatômicas uterinas ( septado, didelfo, bicorno…)
➢ Incompetência istmocervical
➢ Doenças da tireóide
➢ Diabetes Mellitus
➢ Insuficiência do corpo Lúteo
➢ Síndrome do Anticorpo antifosfolipidio
➢ Trombofilias
➢ SOP, etc.
MISOPROSTOL
❖ Usar VIA VAGINAL
❖Até 12 semanas e 6 dias:
➢ 1ª opção: 4 comprimidos de 200 mcg (800 mcg) via vaginal a cada 12 horas (3 doses- 0,12 e 24
horas).
➢ 2ª opção: 2 comprimidos de 200 mcg (400 mcg) via vaginal a cada 8 horas (3 doses- 0,8 e 16
horas).
❖De 13 a 16 semanas e 6 dias:
➢ 1 comprimido de 200 mcg, via vaginal, cada 6 horas (4 doses).
❖De 17 semanas e 26 semanas:
➢ 1 comprimido de 100 mcg, via vaginal, a cada 6 horas (4 doses).
❖Para o amolecimento de colo uterino prévio a AMIU ou curetagem utiliza-se a
dose de 2 comprimidos de 200 mcg (400 mcg), via vaginal, 3 a 4 horas antes do
procedimento.
AMIU
❖ASPIRAÇÃO MANUAL INTRAUTERINA
❖Pode ser realizado ambulatorialmente, sem necessidade de anestesia geral ou
internação
❖Menor risco de perfuração uterina, de necessidade de dilatação cervical e risco
de sinéquias
❖Procedimento de eleição em gestações com até 12 semanas
CURETAGEM UTERINA
❖Reservado na indisponibilidade de AMIU, ou na presença de grande quantidade
material, ou idade gestacional acima de 12 semanas
❖Maior risco de perfuração uterina
LEGISLAÇÃO E INTERRUPÇÃO
VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ NO BRASIL
❖ Sempre com consentimento da mulher, acima de 18 anos (salvo em casos de
iminente risco de vida)
❖Abaixo de 18 anos: devem ser assistidas pelos pais ou responsáveis legais
❖No Brasil, apenas 2 situações são permitidos o abortamento:
➢ Situações de risco para a gestante (abortamento terapêutico)
➢ Gravidez decorrente de vioência sexual
❖Profissionais envolvidos no procedimento não podem comunicar autoridades
policiais sem o consentimento da paciente
❖Violência sexual, solicitar: Sorologias para sífilis, HIV e Hepatites B e C, tipagem
sanguínea/ fator Rh, e Usg
LEMBRETES
REFERÊNCIAS
1 - Abortamento. Disponível em: http://www.me.ufrj.br/portal/images/stories/pdfs/obstetricia/abortamento.pdf. Acesso em: 28de
Outubro de 2016.
2 - BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Protocolo
misoprostol. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saudedamulher. Acesso em 28de Outubro de
2016.
3 - IPAS. Ações Afirmativas em Direitos e Saúde. Melhoria da qualidade da assistência à mulher em situação de abortamento. Rio de
Janeiro: Ipas Brasil, 2013. Disponível em: http://www.aads.org.br/wp/?page_id=97. Acesso em: 28 de Outubro de 2016.
4 - VIEIRA, EM. A questão do aborto no Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v32n3/a01v32n3.pdf. Acesso em:
28/10/2016
5 - CORREIA, MD. Noções Práticas de Obstetrícia. 14° edição, 2011.
6 - ZUGAIB, M. Obstetrícia Zugaib. 2ª edição, 2008.
8 - Norma técnica: Atenção Humanizada ao Abortamento – Ministério da Saúde – 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
Maria de Fatima Sakamoto
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Angelica Reis Angel
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
tvf
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacionalAula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacionalhervora araujo
 
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de CesáreaIndução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervirDiagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
Enayad
 
Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
Diana Rodrigues
 

Mais procurados (20)

AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacionalAula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacional
 
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de CesáreaIndução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
 
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervirDiagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
 

Destaque

Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Ultrassonografia no primeiro trimestre
Ultrassonografia no primeiro trimestreUltrassonografia no primeiro trimestre
Ultrassonografia no primeiro trimestre
Vanessa E Kemuel Bandeira
 
REPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANO
REPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANOREPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANO
REPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANO
Maycon Silva
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Maycon Silva
 
Fundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: AbortamentoFundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: Abortamento
Patrícia Prates
 
Aborto
AbortoAborto
Manejo inmediato del politraumatizado
Manejo inmediato del politraumatizadoManejo inmediato del politraumatizado
Manejo inmediato del politraumatizado
Cuerpomedicoinsn
 
Como elaborar um projeto
Como elaborar um projetoComo elaborar um projeto
Como elaborar um projeto
Evelise Faraco de Oliveira
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
Maycon Silva
 
HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL
HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONALHEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL
HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL
Maycon Silva
 
Purpura Trombocitopênica Idiopática
Purpura Trombocitopênica IdiopáticaPurpura Trombocitopênica Idiopática
Purpura Trombocitopênica Idiopática
Maycon Silva
 
1r Trimestre
1r  Trimestre1r  Trimestre
1r Trimestre
jenniefer
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
Laíz Coutinho
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ylla Cohim
 
Trabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phTrabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp ph
tvf
 
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Thaila Cavalheiro
 
Abordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuroAbordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuro
Antonio Souto
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2
tvf
 
El aborto
El abortoEl aborto
El aborto
GreyShar
 

Destaque (20)

Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
 
Ultrassonografia no primeiro trimestre
Ultrassonografia no primeiro trimestreUltrassonografia no primeiro trimestre
Ultrassonografia no primeiro trimestre
 
REPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANO
REPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANOREPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANO
REPERCUSSÕES DO ESTRESSE NO ORGANISMO HUMANO
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
 
Fundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: AbortamentoFundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: Abortamento
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Manejo inmediato del politraumatizado
Manejo inmediato del politraumatizadoManejo inmediato del politraumatizado
Manejo inmediato del politraumatizado
 
Como elaborar um projeto
Como elaborar um projetoComo elaborar um projeto
Como elaborar um projeto
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
 
HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL
HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONALHEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL
HEMORRAGIA UTERINA DISFUNCIONAL
 
Purpura Trombocitopênica Idiopática
Purpura Trombocitopênica IdiopáticaPurpura Trombocitopênica Idiopática
Purpura Trombocitopênica Idiopática
 
1r Trimestre
1r  Trimestre1r  Trimestre
1r Trimestre
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Trabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phTrabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp ph
 
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
 
Abordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuroAbordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuro
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2Síndrome hemorrágicas 2
Síndrome hemorrágicas 2
 
El aborto
El abortoEl aborto
El aborto
 

Semelhante a Abortamento

Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Gustavo Henrique
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
Francielttonsantos
 
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptxEstudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
valentimamuge
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
Raine Danyele Vieira de Sousa
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
tvf
 
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy TavaresAula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
IgrejaBblica1
 
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Juan Figueiredo
 
Patologia obstetricia 2014
Patologia obstetricia  2014Patologia obstetricia  2014
Patologia obstetricia 2014
angelalessadeandrade
 
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.pptDOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
OsvaldoLookho1
 
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.pptINTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
DokiNorkis
 
Apresentação eclampsia
Apresentação eclampsiaApresentação eclampsia
Patologia obstetricia 2016
Patologia obstetricia  2016Patologia obstetricia  2016
Patologia obstetricia 2016
angelalessadeandrade
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
Ana Cdergvgbgdd
 
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Aborto
   Aborto   Aborto
Hiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No RnHiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No Rn
alecfcms
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
Anestesiador
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
Thiago Henrique
 

Semelhante a Abortamento (20)

Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
 
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptxEstudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
Estudo de Casos de ABORTO em Mocambique.pptx
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy TavaresAula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
Aula sobre Materno Infantil - minstrada pela professora Heloisy Tavares
 
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
Hemorragia genital de_causa_obstetrica_e_ginecologica[1]
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
 
Patologia obstetricia 2014
Patologia obstetricia  2014Patologia obstetricia  2014
Patologia obstetricia 2014
 
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.pptDOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
 
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.pptINTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
INTERCORRENCIAS CLINICAS E OBSTÉTRICAS MAIS FREQUENTES.ppt
 
Apresentação eclampsia
Apresentação eclampsiaApresentação eclampsia
Apresentação eclampsia
 
Patologia obstetricia 2016
Patologia obstetricia  2016Patologia obstetricia  2016
Patologia obstetricia 2016
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
 
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
Aspectos atuais no tratamento da infertilidade na SOP-março 2013
 
Aborto
   Aborto   Aborto
Aborto
 
Hiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No RnHiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No Rn
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 

Abortamento

  • 1. ABORTAMENTO MAYCON DE MORAIS SILVA Internato Rotação de Ginecologia e Obstetrícia 2016
  • 2. ABORTAMENTO ❖Segundo a OMS, é definido como a interrupção da gestação com feto pesando menos de 500 gramas, ou com idade gestacional inferior a 20 semanas. ❖ABORTAMENTO: processo ❖ABORTO: produto eliminado
  • 3. INCIDÊNCIA ❖SUBCLÍNICO: quando ocorre antes da próxima falha menstrual ❖CLÍNICO: quando ocorre após a gravidez confirmada pela dosagem de B-Hcg ou USG ❖80% das gestações interrompidas até 12ª semana
  • 4. ETIOLOGIA ❖ANORMALIDADES CROMOSSÔMICAS: ➢ Causas mais comuns: 50 a 80% dos abortamentos ➢ Aneuploidia: causa mais frequente. (Trissomias do 22, 21, 15, 13, 2 e 14 ➢ Mais comum em mulheres de idade avançada ❖DESORDENS ANATÔMICAS ➢ Incompetência istmocervical ➢ Miomas ➢ Malformações uterinas: útero unicorno, bicorno, didelfo ou septado ➢ Sinéquias uterinas: (Sd de Asherman) ➢ Distopias uterinas
  • 5. ETIOLOGIA ❖DOENÇAS ENDÓCRINAS ➢ Insuficiência Lútea ➢ Doenças da tireóide ➢ DM insulinodependente ➢ Síndrome dos Ovários Policísticos: incidência de 20 a 40% ❖DISTÚRBIOS IMUNOLÓGICOS ➢ Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídico: presente em 15 a 20% das mulheres com abortamento habitual
  • 6. ETIOLOGIA ❖INFECÇÕES ➢ Rubéola ➢ Parvovirose ➢ Citomegalovirose ➢ Listeríase ➢ Herpes Simples ➢ Hepatite B ➢ HIV ➢ Infecção do trato urinário ➢ Vaginoses ➢ Clamídia e Gonorréia ➢ Sífilis ➢ Toxoplasmose ➢ Malária ➢ Estreptococos do grupo B
  • 8. APRESENTAÇÕES CLÍNICAS E CONDUTAS❖QUANTO À IDADE GESTACIONAL ➢ ABORTAMENTO PRECOCE: interrupção da gestação até a 12ª semana gestacional ➢ ABORTAMENTO TARDIO: após a 12ª semana gestacional ➢ ABORTAMENTO HABITUAL: ocorrência de 3 ou mais episódios consecutivos de abortamento
  • 9. AMEAÇA DE ABORTAMENTO ❖15 a 25% de todas as gestações ❖Probabilidade de evolução para abortamento espontâneo é de 50% ❖USG: não há alterações significativas SANGRAMENTO DISCRETO DOR DISCRETA OU AUSENTE FEBRE AUSENTE ÚTERO COMPATÍVEL COM IG ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO BETA- HCG POSITIVO ULTRASSONOGRAFIA EMBRIÃO E BCF PRESENTES
  • 10. AMEAÇA DE ABORTAMENTO ❖CONDUTA ➢ Repouso relativo ➢ abstinência sexual ➢ Antiespasmódicos se necessário ➢ Apoio psicológico
  • 11. ABORTAMENTO INEVITÁVEL ❖Presença de ovo íntegro, porém inviável ❖Quase sempre precedido por período de ameaça de abortamento SANGRAMENTO PRESENTE E POR VEZES INTENSO DOR CÓLICAS,EM BAIXO VENTRE E LOMBAR FEBRE AUSENTE ÚTERO COMPATÍVEL OU NÃO COM A IG ORIFÍCIO INTERNO DO COLO ABERTO, BOLSA AMNIÓTICA HERNIADA BETA- HCG POSITIVO NA MAIORIA DAS VEZES ULTRASSONOGRAFIA BCF PRESENTES OU AUSENTES, DESCOLAMENTO OVULAR COM HEMATOMA RETROCORIAL SG EM PROCESSO DE EXPULSÃO
  • 12. ABORTAMENTO INEVITÁVEL ❖CONDUTA ➢ 70% dos casos até 8 semanas: resolução espontânea em até 72 horas ➢ Internação ➢ Hidratação venosa ➢ Esvaziamento uterino em casos que não se resolveram espontaneamente ➢ Aborto provocado: antibióticoterapia profilática ➢ Em paciente Rh negativo: imunoglobulina anti-Rh
  • 13. ABORTAMENTO COMPLETO ❖Expulsão espontânea e total do feto e dos anexos. Mais frequente até 8 semanas ❖Clínica: parada ou diminuição súbita do sangramento e das cólicas SANGRAMENTO DISCRETO OU AUSENTE DOR AUSENTES FEBRE AUSENTE ÚTERO MENOR DO QUE O ESPERADO PARA A IG ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE ULTRASSONOGRAFIA ÚTERO VAZIO, OU IMAGENS COMPATÍVEIS COM COÁGULOS
  • 14. ABORTAMENTO COMPLETO ❖CONDUTA ➢ Encaminhar para acompanhamento ambulatorial ➢ Em pacientes com Rh negativo: imunoglobulina anti-Rh
  • 15. ABORTAMENTO INCOMPLETO ❖Abortamento incompleto com colo fechado ❖Abortamento incompleto com colo aberto ❖Eliminação parcial ovo -> causa de hemorragia e infecção ❖Comum após 8 sem.-> vilosi/+ aderidas útero ❖Sangramento Intermitente pode ser intenso (os restos ovulares impedem adequada contração uterina) ❖História de eliminação massa carnosa ❖Útero: amolecido, diminuição do volume. A eliminação líquido amniótico diminui o volume e eliminação do concepto diminui as dimensões
  • 16. ABORTAMENTO INCOMPLETO SANGRAMENTO VARIÁVEL DOR CÓLICAS FEBRE AUSENTE ÚTERO MENOR DO QUE O ESPERADO PARA A IG ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO OU ABERTO BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE ULTRASSONOGRAFIA RESTOS OVULARES (ECOS HIPERECOGÊNICOS)
  • 17. ABORTAMENTO INCOMPLETO ❖Medidas gerais o Internação da paciente. ➢ Sinais vitais a cada seis horas: temperatura axilar, pulso radial e pressão arterial. ➢ Hemograma completo para monitorar a espoliação e rastrear a infecção ➢ Tipagem sanguínea. Pacientes Rh negativo e Coombs indireto negativo devem ser medicadas com Imunoglobulina anti-Rh para prevenção de possível aloimunização, no momento da administração do misoprostol. ➢ Acesso venoso, com correção da volemia, se necessário
  • 18. ABORTAMENTO INCOMPLETO ❖Gestação de 1° trimestre ➢ Misoprostol ➢ AMIU ou ➢ Dilatação do colo e curetagem uterina ❖Gestação de 2° trimestre o Misoprostol ➢ Perfusão venosa de ocitocina em solução glicosada na velocidade de 40 mUI/min (20 UI do fármaco em 500 ml de soro glicosado a 5% a 20 gotas/min). ➢ Esvaziamento da cavidade uterina ➢ AMIU ou curetagem, por técnica convencional, após a expulsão do feto ➢ Inibição da lactação: Cabergolina: 1mg (2 comp) VO em dose única
  • 19. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) ❖Situação em que há restos intrauterinos e infecção ❖ Na maioria das vezes é resultado de abortamentos provocados de forma ilegal ❖ Quadro clínico: aborto incompleto associado a sinais de infecção, como dor local importante, útero amolecido, eliminação de material com odor fétido, comprometimento do estado geral, febre e taquicardia.
  • 20. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) ❖Casos não complicados: a infecção está restrita ao útero. ❖Casos complicados, a infecção pode se estender aos anexos, peritônio ou se generalizar e evoluir para septicemia. ❖Geralmente são infecções polimicrobianas a partir da ascensão de germes que fazem parte da flora vaginal e intestinal ❖Cocos anaeróbios, gram-negativos, bacteroides e Clostriduim perfingrens (ou welchii) ❖Os índices de mortalidade são altos.
  • 21. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) ❖“Manual de Orientação: Assistência Pré-Natal”- FEBRASGO ➢ GRAU 1: É o mais frequente, a infecção está limitada ao conteúdo da cavidade uterina ➢ GRAU 2: A infecção já se expande à pelve (pelviperitonite) ➢ GRAU 3: Peritonite generalizada e infecção sistêmica com grave comprometimento do estado geral com CIVD, insuficiência renal, falência de múltiplos órgãos e choque séptico.
  • 22. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) SANGRAMENTO VARIÁVEL, ÀS VEZES COM ODOR FÉTIDO DOR PODE HAVER SINAIS DE PERITONITE FEBRE PRESENTE ÚTERO AMOLECIDO E DOLOROSO Á PALPAÇÃO ORIFÍCIO INTERNO DO COLO GERALMENTE ABERTO (OU FECHADO) BETA- HCG NEGATIVO ULTRASSONOGRAFIA APRESENTAÇÃO VARIÁVEL (A CLÍNICA É MUITO SUGESTIVA)
  • 23. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) ❖CONDUTA ➢ Internação hospitalar ➢ Sinais vitais a cada seis horas: temperatura axilar, pulso radial e pressão arterial. ➢ Hemograma completo para monitorar a espoliação e rastrear a infecção ➢ Tipagem sanguínea. Pacientes Rh negativo e Coombs indireto negativo devem ser medicadas com Imunoglobulina anti-Rh para prevenção de possível aloimunização, no momento da administração do misoprostol ➢ Acesso venoso, com correção da volemia, se necessário
  • 24. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) ❖Pelo ministério da Saúde: Antibioticoterapia ➢ Ampicilina (500mg a 1g 6/6hs) ou penicilina cristalina (20 1 40 milhões de UI/dia) + ➢ Gentamicina (1,5 mg/kg/dose 8/8hs) ou Amicacina (15mg/kg/dia 8/8hs) + ➢ Clindamicina (600 a 900 mg a cada 6 a 8 horas) ou metronidazol (500 a 1 g 6/6hs) ➢ Tempo recomendado de tratamento: 7 a 10 dias ➢ Se a paciente for imunizada, fazer dose de reforço da vacina se a última dose tiver sido administrada há mais de 5 (cinco) anos.
  • 25. ABORTAMENTO INFECTADO (OU SÉPTICO) ❖Gestação de 1° trimestre ➢ AMIU ou dilatação do colo e curetagem uterina uma hora após o início da terapêutica com ocitócito e antibiótico ❖Gestação de 2° trimestre ➢ Só deve ser feito o esvaziamento uterino após a expulsão do feto. ➢ Misoprostol ➢ Perfusão venosa de ocitocina em solução glicosada na velocidade de 40 mUI/min (20 UI do fármaco em 500 ml de soro glicosado a 5% a 20 gotas/min). ➢ Esvaziamento da cavidade uterina uma hora após o início da terapêutica com ocitócito e antibiótico ➢ AMIU ou curetagem por técnica convencional, após a expulsão do feto ➢ Inibição da lactação - Cabergolina: 1 mg (2 comprimidos) VO em dose única.
  • 26. ABORTAMENTO RETIDO ❖ Interrupção da gravidez com retenção do ovo morto por período prolongado SANGRAMENTO AUSENTE DOR AUSENTE FEBRE AUSENTE ÚTERO MENOR QUE O ESPERADO PARA A IDADE GESTACIONAL ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE ULTRASSONOGRAFIA EMBRIÃO PRESENTE, PORÉM MORTO (SEM BCF)
  • 28. OVO ANEMBRIONADO ❖ Tambem denominado “Ovo Cego” ❖Ausência de embrião no saco gestacional íntegro, em gestação com mais de 6 semanas de evolução
  • 29. OVO ANEMBRIONADO SANGRAMENTO AUSENTE DOR AUSENTE FEBRE AUSENTE ÚTERO MENOR QUE O ESPERADO PARA A IDADE GESTACIONAL ORIFÍCIO INTERNO DO COLO FECHADO BETA- HCG NEGATIVO OU DECRESCENTE ULTRASSONOGRAFIA SACO GESTACIONAL ÍNTEGRO, AUSÊNCIA DE EMBRIÃO
  • 30. ABORTAMENTO RETIDO E OVO ANEMBRIONADO ❖ CONDUTA ➢ A conduta expectante pode ser uma opção nessas pacientes. ❖Ao optar pelo esvaziamento uterino: ➢ Internação da paciente. ➢ Medidas gerais
  • 31. ABORTAMENTO RETIDO E OVO ANEMBRIONADO ❖ CONDUTA ❖Até 12° semanas ➢ Misoprostol ➢ AMIU ou dilatação do colo e curetagem uterina ❖Após 12° semanas ➢ Misoprostol* . Contra-indicado em caso de histerotomia prévia ➢ Perfusão venosa de ocitocina em solução glicosada na velocidade de 40 mUI/min (20 UI do fármaco em 500 ml de soro glicosado a 5% a 20 gotas/min). ➢ Esvaziamento da cavidade uterina - AMIU ou curetagem, por técnica convencional, após a expulsão do feto. ➢ Inibição da lactação- Cabergolina: 1mg (2 comprimidos) VO em dose única.
  • 32. ABORTAMENTO HABITUAL ❖ Ocorrência de três ou mais episódios consecutivos de abortamento espontâneo ❖Corresponde a 0,5% de todas as gestações ❖Em pacientes diagnosticadas, possuem mais de 30% de risco de abortamento ❖CAUSAS: ➢ Doenças cromossomais ➢ anormalidades anatômicas uterinas ( septado, didelfo, bicorno…) ➢ Incompetência istmocervical ➢ Doenças da tireóide ➢ Diabetes Mellitus ➢ Insuficiência do corpo Lúteo ➢ Síndrome do Anticorpo antifosfolipidio ➢ Trombofilias ➢ SOP, etc.
  • 33. MISOPROSTOL ❖ Usar VIA VAGINAL ❖Até 12 semanas e 6 dias: ➢ 1ª opção: 4 comprimidos de 200 mcg (800 mcg) via vaginal a cada 12 horas (3 doses- 0,12 e 24 horas). ➢ 2ª opção: 2 comprimidos de 200 mcg (400 mcg) via vaginal a cada 8 horas (3 doses- 0,8 e 16 horas). ❖De 13 a 16 semanas e 6 dias: ➢ 1 comprimido de 200 mcg, via vaginal, cada 6 horas (4 doses). ❖De 17 semanas e 26 semanas: ➢ 1 comprimido de 100 mcg, via vaginal, a cada 6 horas (4 doses). ❖Para o amolecimento de colo uterino prévio a AMIU ou curetagem utiliza-se a dose de 2 comprimidos de 200 mcg (400 mcg), via vaginal, 3 a 4 horas antes do procedimento.
  • 34. AMIU ❖ASPIRAÇÃO MANUAL INTRAUTERINA ❖Pode ser realizado ambulatorialmente, sem necessidade de anestesia geral ou internação ❖Menor risco de perfuração uterina, de necessidade de dilatação cervical e risco de sinéquias ❖Procedimento de eleição em gestações com até 12 semanas
  • 35. CURETAGEM UTERINA ❖Reservado na indisponibilidade de AMIU, ou na presença de grande quantidade material, ou idade gestacional acima de 12 semanas ❖Maior risco de perfuração uterina
  • 36. LEGISLAÇÃO E INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ NO BRASIL ❖ Sempre com consentimento da mulher, acima de 18 anos (salvo em casos de iminente risco de vida) ❖Abaixo de 18 anos: devem ser assistidas pelos pais ou responsáveis legais ❖No Brasil, apenas 2 situações são permitidos o abortamento: ➢ Situações de risco para a gestante (abortamento terapêutico) ➢ Gravidez decorrente de vioência sexual ❖Profissionais envolvidos no procedimento não podem comunicar autoridades policiais sem o consentimento da paciente ❖Violência sexual, solicitar: Sorologias para sífilis, HIV e Hepatites B e C, tipagem sanguínea/ fator Rh, e Usg
  • 38. REFERÊNCIAS 1 - Abortamento. Disponível em: http://www.me.ufrj.br/portal/images/stories/pdfs/obstetricia/abortamento.pdf. Acesso em: 28de Outubro de 2016. 2 - BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Protocolo misoprostol. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saudedamulher. Acesso em 28de Outubro de 2016. 3 - IPAS. Ações Afirmativas em Direitos e Saúde. Melhoria da qualidade da assistência à mulher em situação de abortamento. Rio de Janeiro: Ipas Brasil, 2013. Disponível em: http://www.aads.org.br/wp/?page_id=97. Acesso em: 28 de Outubro de 2016. 4 - VIEIRA, EM. A questão do aborto no Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v32n3/a01v32n3.pdf. Acesso em: 28/10/2016 5 - CORREIA, MD. Noções Práticas de Obstetrícia. 14° edição, 2011. 6 - ZUGAIB, M. Obstetrícia Zugaib. 2ª edição, 2008. 8 - Norma técnica: Atenção Humanizada ao Abortamento – Ministério da Saúde – 2012.