SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO
E QUANDO INTERVIR
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
O pronto diagnóstico e a adequada condução das distocias
intraparto são determinantes para garantir o bem estar
materno e fetal.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Objetivos dessa apresentação:
• Definir e caracterizar os diferentes tipos de distocia;
• Relacionar a distocia intraparto com possíveis desfechos
maternos e neonatais;
• Apresentar as condutas recomendadas para resolução de
distocias.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia
Pode-se definir distocia como qualquer perturbação no bom andamento do parto em
que estejam implicadas alterações em um dos três fatores fundamentais que
participam do parto:
• Força motriz ou contratilidade uterina (distocia funcional)
• Objeto (distocia fetal)
• Trajeto - bacia e partes moles (distocia do trajeto)
Definição
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia
Serão apresentadas as definições tradicionais utilizadas pela Federação
Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) das distócias
obstétricas; “no entanto, em que se pese as tentativas de classificar e
definir essas distócias, a determinação da duração “correta” de um
trabalho de parto - bem como a medida de seu progresso e a avaliação
de fatores fetais, uterinos ou pélvicos - é uma ciência inexata, que tem
sido extensivamente revisitada nas últimas décadas” Ehsanipoor e Satin 2022.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia
BRASIL, 2017.
É importante também considerar, ao se diagnosticar uma distocia:
• Ambiente onde a mulher está sendo assistida
• Atitude da mulher - se postura mais ativa ou não
• Estado emocional da mulher
• O tipo de apoio e suporte físico e emocional que ela estiver recebendo
• Paridade
• Dilatação e mudanças cervicais, além da altura da apresentação
• Contrações uterinas
• Necessidade de referencia ou solicitação de assistência profissional apropriada
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia Funcional
Caracterizada como a alteração na força motriz durante o trabalho de parto. Pode estar
presente em até 37% das nulíparas com gestações de baixo risco.
Utiliza-se a Classificação de Goff para descrever as Distócias funcionais:
• Distocia por hipoatividade uterina
• Distócia por hiperatividade uterina
• Distocia por hipertonia
• Distocia por hipotonia uterina
• Distocia de dilatação
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia por hipoatividade uterina
Os elementos da contração encontram-se abaixo do normal, gerando um parto lento.
Para classificar o parto como lento, não é recomendado considerar a evolução da dilatação
do colo uterino de 1 cm/h. As definições atuais para avaliar a progressão do trabalho de
parto são:
• Fase latente: caracteriza-se por contrações dolorosas, irregulares, com alterações
variáveis na cérvice e dilatação inferior a 5 cm. Tem duração indeterminada, devendo-se
evitar internação nessa fase para que não se avalie como progressão lenta um trabalho
de parto que não iniciou efetivamente. Não se recomenda uso de ocitocina ou
amniotomia para acelerar a fase latente.
Distocia Funcional
Classificação e Conduta
Febrasgo, 2017; OMS 2018.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
➢ Fase ativa: caracteriza-se por contrações dolorosas, regulares, com aumento da
velocidade de dilatação a partir e 5 cm.
• Considera-se a necessidade de intervenção nessa fase quando não há progressão da
dilatação cervical por pelo menos 4 horas com contrações adequadas ou melo menos 6
horas sem mudança cervical e administração de ocitocina com contrações inadequadas.
• Pode-se utilizar também a amniotomia na tentativa de corrigir uma distócia funcional, se
as membranas estiverem íntegras. Nesse caso, espera-se evolução da dilatação após duas
horas do procedimento.
OMS 2018; Ehsanipoor e Santin, 2022.
Distocia Funcional
Classificação e Conduta
Todas as intervenções devem ser explicadas e consentidas pela parturiente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia por hiperatividade uterina
• Os elementos da contração estão acima do normal, porém não geram necessariamente um
parto rápido.
• Hiperatividade com obstrução, como devido à desproporção cefalopélvica, tumor de trajeto
prévio, ou sinéquia do colo uterino;
• Hiperatividade sem obstrução – a hiperatividade é intrínseca, levando a um parto rápido, ao
que se conceitua um parto em 3 horas ou menos – desde o início do trabalho de parto até o
nascimento e dequitação.
Distocia Funcional
Classificação e Conduta
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia por hipertonia
• Gera um parto lento, causado normalmente por:
• Uso indevido de ocitocina – causa mais frequente de hipertonia. Deve-se suspender seu uso
imediatamente.
• Sobredistensão uterina – por gemelidade ou polidramnia, por exemplo. Deve-se tentar
amniodrenagem ou rotura de uma das bolsas amnióticas, se clinicamente possível e consentido.
Distocia por hipotonia uterina
• Não possui relevância clínica durante a dilatação ou no período expulsivo, mas pode acarretar em
uma dequitação retardada. Deve ser corrigida com medidas ocitócicas.
Distocia Funcional
Classificação e Conduta
OMS, 2018; Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia de dilatação
Seu diagnóstico é feito por eliminação. São casos em que a atividade uterina e o tônus são normais,
mas a evolução ainda assim não é favorável. O quadro clínico pode se apresentar de duas formas:
• Com parturiente ansiosa – a liberação de catecolaminas na circulação decorrente do estresse pode
levar à incoordenação uterina. São recomendadas técnicas de relaxamento (respiração, música,
atenção plena e outras técnicas), técnicas manuais (massagens, compressas de calor), suporte
contínuo no trabalho de parto, além de analgesia medicamentosa (regional, inalatória,
endovenosa).
• Quando não se trata de ansiedade, pode estar ocorrendo inversão de gradiente ou incoordenação
de primeiro grau idiopáticos. Deve-se adotar medidas ocitócicas, visto que a ocitocina sensibiliza o
marcapasso uterino.
Distocia Funcional
Classificação e Conduta
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia do Trajeto
Distocias Ósseas
Deve-se à presença de anormalidades ósseas ou de partes moles, o que gera um
estreitamento do canal de parto e dificulta ou até impede a evolução normal do trabalho
de parto e a passagem do feto.
São anormalidades no formato, no tamanho ou nas angulações da pelve, o que torna
difícil ou até impede o parto por via vaginal. A pelvimetria na admissão não é
recomendada pela OMS. A prova do trabalho de parto deve ser estimulada, uma vez que
ocorrem fenômenos plásticos no trabalho de parto - amoldamento das calotas cranianas
do feto e aumento dos diâmetros pélvicos maternos – que alteram as relações entre
pelve e apresentação fetal.
Febrasgo, 2017; OMS 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocias de Partes Moles
• Vulva e períneo: varizes, estenose ou edema de vulva, condiloma acuminado de grande
extensão. Normalmente não impedem o parto, mas podem gerar mais sangramentos
vaginais e/ou infecções pós-parto;
• Vagina: septos vaginais (transversos ou longitudinais);
• Colo: hipertrofia, estenose cervical pós-cirúrgica (conização, cerclagem) ou cicatricial e
edema de colo;
• Tumores prévios: interpõem-se à apresentação fetal, como miomas ou neoplasias de
colo uterino.
São alterações do canal de parto que impedem a progressão do trabalho de parto,
excetuando-se as distocias ósseas, a saber:
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
OMS, 2018.
São as anormalidades que ocorrem no trabalho de parto
atribuídas ao feto e às relações materno-fetais.
Distocias do Objeto
Tamanho Fetal
O tamanho do feto pode prejudicar uma boa evolução do trabalho de parto quando este
for estimado em mais de 4000 g ou quando, mesmo não tendo um peso aumentado, a
bacia materna não apresenta diâmetros que permitam a sua passagem, ao que se
denomina desproporção cefalopélvica (DCP). O diagnóstico de de DCP normalmente é feito
quando a prova de trabalho de parto incorrer em parada secundária de dilatação pelo
partograma.
As mulheres devem ser encorajadas a manter posições verticalizadas durante o trabalho de
parto, encorajadas a deambulação caso seja confortável e à livre movimentação, para
facilitar a rotação e descida da apresentação, além de aumentar a mobilidade pélvica.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia de Biacromial
• Associa-se frequentemente a obesidade materna, ao pós-datismo e à diabetes
gestacional.
• Pode causar graves consequências:
- à parturiente –> como lacerações, atonia uterina, rotura uterina ou disjunção da sínfise
púbica.
- ao feto –> lesões de plexo braquial, fratura de clavícula ou úmero, podendo evoluir para óbito
intraparto ou neonatal.
Febrasgo, 2017.
Trata-se de complicação grave que pode ocorrer no trabalho de parto, quando a
apresentação é cefálica e, após o desprendimento do pólo cefálico, os ombros não se
soltam e não há outros fatores que impeçam seu desprendimento.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
• Ocorre quando o desprendimento do ombro anterior não ocorre dentro de 60 segundos
após a saída do polo cefálico.
• O peso fetal é particularmente importante quando associado ao diabetes materno,
conforme a tabela abaixo. No entanto, metade dos casos ocorre em conceptos com peso
normal ao nascimento:
Distocia de Biacromial
Amorim, 2013.
Incidência global por faixa de peso fetal
0,6 a 1,4% (2.500 a 4.000g)
5 a 9% (4.000 a 4.500g)
Relação com peso fetal e diabetes materno
Peso > 4.000g sem diabetes: 5%
Peso > 4.000g com diabetes: 15%
Peso > 4.500g sem diabetes: 10%
Peso > 4.500g com diabetes: 42%
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Apesar dos fatores de risco, é um
evento imprevisível e todos
profissionais que atuam em sala de
parto devem saber agir de maneira
ágil e organizada.
Distocia de Biacromial
• O diagnóstico clínico é firmado quando, logo após o desprendimento da
cabeça fetal, ela se retrai sobre o períneo e permanece colada à vulva, como
se estivesse sendo puxada por uma mola, não se abaixa e a rotação externa
não ocorre ou não se completa (sinal da tartaruga).
• Gradativamente, a face do concepto vai se tornando cianótica e
edemaciada.
Amorim, 2013 e Febrasgo, 2017.
Fatores de risco
• Obesidade materna
• Diabetes descompensada
• Macrossomia fetal
• Parto instrumental
• Uso de ocitocina
• Restrição da parturiente ao leito
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
As injúrias observadas incluem:
• Lesão do plexo braquial (traumatismo clássico)
• Fratura espontânea da clavícula
• Fraturas e deslocamentos do úmero
• Trauma facial
• Asfixia perinatal
• Morte fetal
Distocia de Ombros e Morbidade Neonatal
RCOG, 2012.
A Morbidade Neonatal pode ocorrer
em aproximadamente 20% dos
casos de distocia de ombros.
85% dos neonatos com paralisia braquial identificada
ao nascimento apresenta sintomas transitórios e se
recupera dentro do 1º ano de vida.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
• Hemorragia materna relacionada com hipotonia uterina
• Lacerações do canal do parto ou rotura do útero
• Diátese de sínfise
• Infecção puerperal
Distocia de Ombros e Morbidade Materna
RCOG, 2012.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
• A pressão isolada do fundo uterino, manobra de Kristeller, bem como a tração da cabeça
fetal são procedimentos formalmente CONTRAINDICADOS!
–> pioram a situação, aumentam o risco de lesões maternas e fetais e agravam a
impactação púbica do ombro fetal.
• As manobras deverão ser executadas em ordem crescente de trauma potencial.
Distocia de Ombros – Condutas
Trabalho em equipe é fundamental!
Resolução em até 7 minutos!
RCOG, 2012.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia de Ombros – Condutas
Amorim, 2013.
-> ALEERTA – desenvolvido pelo programa do ALSO
(Advanced Life Suport of Obstetrics)
• É o mais tradicional mneumônico, valioso e
adequado para a maioria das maternidades.
• No entanto, considera que a mulher está decúbito
dorsal na hora do parto e propõe manobras
internas antes da mudança de posição, por
exemplo. Além disso, considera a realização de
episiotomia. No entanto, a distocia de ombros não
tem relação com o períneo, mas com impactação
óssea.
-> A SAÍDA – Mneumônico
proposto para uso em mulheres
que estão em posições verticais
ou que não estão restritas em
uma maca ou mesa cirúrgica.
- Nessa proposta, as manobras
menos invasivas são
priorizadas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia de Ombros – Condutas
A Chamar Ajuda, avisar a parturiente, pediatra e anestesista a postos
L Levantar os membros inferiores em hiperflexão (manobra de McRoberts)
E Pressão suprapúbica externa (manobra de Rubin I)
E Considerar Episiotomia
R Remover o braço posterior
T
Toque para manobras internas:
• Manobra de Rubin II
• Manobra de Woods
• Manobra de parafuso invertido
A Alterar a posição: paciente em quatro apoios (manobra de Gaskin)
Protocolo ALEERTA
ALSO, 2010.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Na manobra de McRoberts, a hiperflexão
das coxas sobre o abdome altera as relações
da pelve com a coluna lombar.
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
L
Condutas ALEERTA
Levantar os membros inferiores
A Alerta
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
McRoberts + Rubin I
Pressão suprapúbica – constante e
“pulsada"
Soluciona 60% dos casos
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
E
Condutas ALEERTA
Pressão suprapúbica externa (manobra de Rubin I)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
E
Condutas ALEERTA Rubin II - uma mão introduzida na vagina alcança o ombro
fetal anterior (a face posterior do ombro anterior)e o empurra
em direção à superfície anterior do tórax.
Rubin II + manobra do saca-rolhas de Woods (tem como
objetivo extrair o feto como se obstetra estivesse atarraxando
e desatarraxando um parafuso ou usando um saca-rolhas.
Nesta manobra, dois dedos atuam sobre a face anterior do
ombro posterior do concepto que é rodado no sentido do seu
dorso, liberando o ombro anterior impactado).
Manobra do saca-rolhas de Woods reversa - dois dedos atuam
sobre a face posterior do ombro posterior do concepto que é
rodado no sentido anterior do tórax, liberando o ombro anterior
impactado).
Episiotomia ampla para
as manobras internas
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
Condutas ALEERTA
Rubin II - uma mão introduzida na vagina alcança o ombro fetal anterior (a face
posterior do ombro anterior)e o empurra em direção à superfície anterior do tórax.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
Condutas ALEERTA
Manodedos atuam sobre a face anterior
do ombro posterior do concepto que é
rodado no sentido do seu dorso,
liberando o ombro anterior impactado).
bra do saca-rolhas de Woods: dois
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
R
Condutas ALEERTA
Remoção do braço posterior (manobra de Jacquemier) –
A.intrudução da mão no canal vaginal ao longo do úmero
posterior, deslocando o braço do feto contra o tórax
(B), mantendo-o flexionado no cotovelo.
C.Segurando a mão, estende-se o braço ao longo da face,
retirando o braço posterior pela vagina, que será utilizado
para girar o feto.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics)
A
Condutas ALEERTA
Alterar posiçao materna,
repetindo as manobras internas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Distocia de Ombros – Condutas
A
Avisar a parturiente, chamar ajuda, avisar a parturiente, pediatra e anestesista a
postos, aumentar o agachamento (Mc Roberts modificada)
S Pressão suprapúbica externa (manobra de Rubin I)
A Alterar a posição: quatro apoios
I
Manobras internas:
• Manobra de Rubin II
• Manobra de Woods
• Manobra de parafuso invertido
D Desprender o ombro posterior
A Avaliar manobras de resgate
Protocolo A SAÍDA
Amorim, 2013
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Amorim, 2013.
Condutas A SAÍDA
A Aumentar o agachamento
Para mulheres que estão acocoradas ou
sentadas na banqueta de parto, aumentar
o agachamento (joelhos em direção ao
tórax) já aumenta a pelve funcional e
facilita a rotação interna do ombro anterior
(Mc Roberts Modificada)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Condutas A SAÍDA
S Pressão Suprapúbica
Deve ser realizado do lado do dorso fetal,
com a finalidade de ajudar na rotação do
ombro anterior.
Deve ser feita a pressão por 30 segundos
de forma contínua e, se não funcionar, por
mais 30 segundos de forma intermitente.
De acordo com a literatura e a experiência
dos autores, essas duas primeiras
manobras resolvem 80% das distócias
Amorim, 2013.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Condutas A SAÍDA
A Alterar a posição – quatro apoios
A posição de Gaskin (quatro apoios) é por si
só eficaz em reduzir a distocia em mais de
80% dos casos. Nessa postura, os diâmetros
pélvicos aumentam, facilitando o
desprendimento.
Outra possibilidade é adotar a “posição de
largada na corrida”, com uma perna à
frente (preferencialmente a do dorso fetal).
Amorim, 2013.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Condutas A SAÍDA
Í Manobras internas
Só após realizadas as manobras externas é
que parte-se para as internas (mais invasivas e
arriscadas para mulher e o bebê). São
realizadas com a mulher de quatro apoios, na
mesma sequência do mneumônico ALEERTA:
1. Manobra de Rubin II
2. Manobra de Wood
3. Manobra de Parafuso invertido
Amorim, 2013.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Condutas A SAÍDA
D Desprendimento do braço posterior
Realizada na posição de quatro apoios, o braço anterior
será o braço voltado para o sacro materno. É a mesma
manobra Jacquemier do mnumônico ALEERTA, mas
realizada após as manobras menos invasivas e com a
mulher em outra posição que permite melhor
visualização, maior abertura pélvica e mais mobilidade
do sacro.
A Avaliar manobras de resgate
Amorim, 2013.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Manobras de Resgate
Manobra de Zavanelli – recolocar a cabeça fetal na vagina e proceder a operação
cesariana. Este procedimento é considerado extremamente difícil por muitos
observadores e pode associar-se a lesões graves na mãe e/ou no concepto.
Fratura intencional da clavícula - deve ser encarados como exceção.
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Não são tão frequentes no trabalho de
parto quanto as distocias já citadas.
Anormalidades de Situação e Apresentação
Anormalidade Diagnóstico Conduta
Situação
Transversa
A palpação abdominal não evidencia polo
fetal ocupando o fundo uterino; no toque
vaginal não há parte fetal apresentada
Normalmente opta-se pela cesariana.
Apresentação
Pélvica
Ao toque vaginal, pode-se tocar a
apresentação pélvica
A via vaginal só deve ocorrer se for planejada e
com consentimento da parturiente após
esclarecimentos de riscos maternos e fetais. Na
maioria dos casos opta-se por cesárea eletiva.
Apresentação de
Face
Indica deflexão máxima do pólo cefálico
(3º grau)
O parto é possível na variedade de posição
mentoanterior; se o mento estiver voltado para o
sacro, o parto vaginal dependerá da rotação
interna para mentoanterior.
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Não são tão frequentes no trabalho de
parto quanto as distocias já citadas.
Anormalidades de Situação e Apresentação
Anormalidade Diagnóstico Conduta
Apresentação de
Fronte
Indica deflexão de 2º grau, cujo
ponto de referência é o naso
Pode-se tentar prova de trabalho de parto, pois pode
fletir ou defletir mais, porém não se deve insistir por
muito tempo na tentativa
Apresentação
Composta
Um ou mais membros se
insinuam juntamente com o pólo
cefálico na pelve materna;
associado a prolapsos de cordão
Deve-se observar a evolução durante o trabalho de
parto; em casos de prolapso de cordão ou se não
houver redução do membro, indica-se cesariana.
Variedade de
posição
occipitoposterior
ou
occipitotransversa
Evidenciado facilmente no toque
vaginal, podendo-se tocar bossa
(nesses casos, tentar tocar nariz
e orelhas)
O período expulsivo não deve exceder uma hora de
duração, podendo utilizar-se o fórcipe de Kielland para
extração fetal
Febrasgo, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
Embora não sejam tão frequentes, as distocias intraparto
representam grande risco para a mulher e seu bebê. Para que
ela seja identificada e tratada precocemente, é fundamental
que os profissionais de saúde estejam treinados e habilitados
para intervir quando necessário.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS
INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR
• Ehsanipoor RM, Satn AJ. Labor: overview of normal and abnormal progression. Uptodate, 2022
• Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. Shoulder dystocia.Protocols for High Risk Pregnancies. London. 2012;(2):18.
• Amorim MMR, Duarte AC, Andreucci CB, Knobel R, Takemoto ML . Distocia de ombro: proposta de um novo algorítmo para conduta em partos
em posições não supinas FEMINA | Maio/Junho 2013 | vol 41 | no 3
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias
em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de
Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde,
2017.
• WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018. Licence: CC BY-NC-SA
3.0 IGO.
Referências
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
Material de 27 de maio de 2022
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Caroline Reis Gonçalves
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Caroline Reis Gonçalves
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
Maycon Silva
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
tvf
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
SMS - Petrópolis
 
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Cardiotocografia
CardiotocografiaCardiotocografia
Cardiotocografia
Leandro Feijó Sonnberger
 
Sangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro TrimestreSangramento no Primeiro Trimestre
Estatica fetal e relações útero fetais
Estatica fetal e relações útero fetaisEstatica fetal e relações útero fetais
Estatica fetal e relações útero fetais
Raquelamanna
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
Ministério da Saúde
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
Fernando de Oliveira Dutra
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
Maria de Fatima Sakamoto
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
allysson danilo
 

Mais procurados (20)

Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
 
Cardiotocografia
CardiotocografiaCardiotocografia
Cardiotocografia
 
Sangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro TrimestreSangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro Trimestre
 
Estatica fetal e relações útero fetais
Estatica fetal e relações útero fetaisEstatica fetal e relações útero fetais
Estatica fetal e relações útero fetais
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
 

Semelhante a Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir

distocias.pptx
distocias.pptxdistocias.pptx
distocias.pptx
DokiNorkis
 
Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?Parto Espontâneo: por que esperar?
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
MykaCordeiro
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
tvf
 
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
DNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇAS
DNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇASDNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇAS
DNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇAS
ssuser5b3ebd1
 
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago VargasGastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
fetalufpr
 
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicialDiagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxAULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Avaliação do bem-estar fetal intraparto
Avaliação do bem-estar fetal intrapartoAvaliação do bem-estar fetal intraparto
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Gustavo Henrique
 
Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...
Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...
Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Enfº Ícaro Araújo
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
DDP
DDP DDP
Parto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdfParto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdf
bianca375788
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL

Semelhante a Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir (20)

distocias.pptx
distocias.pptxdistocias.pptx
distocias.pptx
 
Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
 
DNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇAS
DNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇASDNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇAS
DNPM DESENVOLVIMENTO NEUROPISICOMOTOR EM CRIANÇAS
 
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago VargasGastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
 
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicialDiagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
Diagnóstico da gestação viável e das complicações da gravidez inicial
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxAULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
 
Avaliação do bem-estar fetal intraparto
Avaliação do bem-estar fetal intrapartoAvaliação do bem-estar fetal intraparto
Avaliação do bem-estar fetal intraparto
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
 
Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...
Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...
Estratégias Farmacológicas para Controle da Dor e do Estresse na Intubação Tr...
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 
DDP
DDP DDP
DDP
 
Parto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdfParto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdf
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR O pronto diagnóstico e a adequada condução das distocias intraparto são determinantes para garantir o bem estar materno e fetal.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Objetivos dessa apresentação: • Definir e caracterizar os diferentes tipos de distocia; • Relacionar a distocia intraparto com possíveis desfechos maternos e neonatais; • Apresentar as condutas recomendadas para resolução de distocias.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia Pode-se definir distocia como qualquer perturbação no bom andamento do parto em que estejam implicadas alterações em um dos três fatores fundamentais que participam do parto: • Força motriz ou contratilidade uterina (distocia funcional) • Objeto (distocia fetal) • Trajeto - bacia e partes moles (distocia do trajeto) Definição Febrasgo, 2017.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia Serão apresentadas as definições tradicionais utilizadas pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) das distócias obstétricas; “no entanto, em que se pese as tentativas de classificar e definir essas distócias, a determinação da duração “correta” de um trabalho de parto - bem como a medida de seu progresso e a avaliação de fatores fetais, uterinos ou pélvicos - é uma ciência inexata, que tem sido extensivamente revisitada nas últimas décadas” Ehsanipoor e Satin 2022.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia BRASIL, 2017. É importante também considerar, ao se diagnosticar uma distocia: • Ambiente onde a mulher está sendo assistida • Atitude da mulher - se postura mais ativa ou não • Estado emocional da mulher • O tipo de apoio e suporte físico e emocional que ela estiver recebendo • Paridade • Dilatação e mudanças cervicais, além da altura da apresentação • Contrações uterinas • Necessidade de referencia ou solicitação de assistência profissional apropriada
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia Funcional Caracterizada como a alteração na força motriz durante o trabalho de parto. Pode estar presente em até 37% das nulíparas com gestações de baixo risco. Utiliza-se a Classificação de Goff para descrever as Distócias funcionais: • Distocia por hipoatividade uterina • Distócia por hiperatividade uterina • Distocia por hipertonia • Distocia por hipotonia uterina • Distocia de dilatação Febrasgo, 2017.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia por hipoatividade uterina Os elementos da contração encontram-se abaixo do normal, gerando um parto lento. Para classificar o parto como lento, não é recomendado considerar a evolução da dilatação do colo uterino de 1 cm/h. As definições atuais para avaliar a progressão do trabalho de parto são: • Fase latente: caracteriza-se por contrações dolorosas, irregulares, com alterações variáveis na cérvice e dilatação inferior a 5 cm. Tem duração indeterminada, devendo-se evitar internação nessa fase para que não se avalie como progressão lenta um trabalho de parto que não iniciou efetivamente. Não se recomenda uso de ocitocina ou amniotomia para acelerar a fase latente. Distocia Funcional Classificação e Conduta Febrasgo, 2017; OMS 2018.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR ➢ Fase ativa: caracteriza-se por contrações dolorosas, regulares, com aumento da velocidade de dilatação a partir e 5 cm. • Considera-se a necessidade de intervenção nessa fase quando não há progressão da dilatação cervical por pelo menos 4 horas com contrações adequadas ou melo menos 6 horas sem mudança cervical e administração de ocitocina com contrações inadequadas. • Pode-se utilizar também a amniotomia na tentativa de corrigir uma distócia funcional, se as membranas estiverem íntegras. Nesse caso, espera-se evolução da dilatação após duas horas do procedimento. OMS 2018; Ehsanipoor e Santin, 2022. Distocia Funcional Classificação e Conduta Todas as intervenções devem ser explicadas e consentidas pela parturiente.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia por hiperatividade uterina • Os elementos da contração estão acima do normal, porém não geram necessariamente um parto rápido. • Hiperatividade com obstrução, como devido à desproporção cefalopélvica, tumor de trajeto prévio, ou sinéquia do colo uterino; • Hiperatividade sem obstrução – a hiperatividade é intrínseca, levando a um parto rápido, ao que se conceitua um parto em 3 horas ou menos – desde o início do trabalho de parto até o nascimento e dequitação. Distocia Funcional Classificação e Conduta Febrasgo, 2017.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia por hipertonia • Gera um parto lento, causado normalmente por: • Uso indevido de ocitocina – causa mais frequente de hipertonia. Deve-se suspender seu uso imediatamente. • Sobredistensão uterina – por gemelidade ou polidramnia, por exemplo. Deve-se tentar amniodrenagem ou rotura de uma das bolsas amnióticas, se clinicamente possível e consentido. Distocia por hipotonia uterina • Não possui relevância clínica durante a dilatação ou no período expulsivo, mas pode acarretar em uma dequitação retardada. Deve ser corrigida com medidas ocitócicas. Distocia Funcional Classificação e Conduta OMS, 2018; Febrasgo, 2017.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia de dilatação Seu diagnóstico é feito por eliminação. São casos em que a atividade uterina e o tônus são normais, mas a evolução ainda assim não é favorável. O quadro clínico pode se apresentar de duas formas: • Com parturiente ansiosa – a liberação de catecolaminas na circulação decorrente do estresse pode levar à incoordenação uterina. São recomendadas técnicas de relaxamento (respiração, música, atenção plena e outras técnicas), técnicas manuais (massagens, compressas de calor), suporte contínuo no trabalho de parto, além de analgesia medicamentosa (regional, inalatória, endovenosa). • Quando não se trata de ansiedade, pode estar ocorrendo inversão de gradiente ou incoordenação de primeiro grau idiopáticos. Deve-se adotar medidas ocitócicas, visto que a ocitocina sensibiliza o marcapasso uterino. Distocia Funcional Classificação e Conduta Febrasgo, 2017.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia do Trajeto Distocias Ósseas Deve-se à presença de anormalidades ósseas ou de partes moles, o que gera um estreitamento do canal de parto e dificulta ou até impede a evolução normal do trabalho de parto e a passagem do feto. São anormalidades no formato, no tamanho ou nas angulações da pelve, o que torna difícil ou até impede o parto por via vaginal. A pelvimetria na admissão não é recomendada pela OMS. A prova do trabalho de parto deve ser estimulada, uma vez que ocorrem fenômenos plásticos no trabalho de parto - amoldamento das calotas cranianas do feto e aumento dos diâmetros pélvicos maternos – que alteram as relações entre pelve e apresentação fetal. Febrasgo, 2017; OMS 2018
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocias de Partes Moles • Vulva e períneo: varizes, estenose ou edema de vulva, condiloma acuminado de grande extensão. Normalmente não impedem o parto, mas podem gerar mais sangramentos vaginais e/ou infecções pós-parto; • Vagina: septos vaginais (transversos ou longitudinais); • Colo: hipertrofia, estenose cervical pós-cirúrgica (conização, cerclagem) ou cicatricial e edema de colo; • Tumores prévios: interpõem-se à apresentação fetal, como miomas ou neoplasias de colo uterino. São alterações do canal de parto que impedem a progressão do trabalho de parto, excetuando-se as distocias ósseas, a saber: Febrasgo, 2017.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR OMS, 2018. São as anormalidades que ocorrem no trabalho de parto atribuídas ao feto e às relações materno-fetais. Distocias do Objeto Tamanho Fetal O tamanho do feto pode prejudicar uma boa evolução do trabalho de parto quando este for estimado em mais de 4000 g ou quando, mesmo não tendo um peso aumentado, a bacia materna não apresenta diâmetros que permitam a sua passagem, ao que se denomina desproporção cefalopélvica (DCP). O diagnóstico de de DCP normalmente é feito quando a prova de trabalho de parto incorrer em parada secundária de dilatação pelo partograma. As mulheres devem ser encorajadas a manter posições verticalizadas durante o trabalho de parto, encorajadas a deambulação caso seja confortável e à livre movimentação, para facilitar a rotação e descida da apresentação, além de aumentar a mobilidade pélvica.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia de Biacromial • Associa-se frequentemente a obesidade materna, ao pós-datismo e à diabetes gestacional. • Pode causar graves consequências: - à parturiente –> como lacerações, atonia uterina, rotura uterina ou disjunção da sínfise púbica. - ao feto –> lesões de plexo braquial, fratura de clavícula ou úmero, podendo evoluir para óbito intraparto ou neonatal. Febrasgo, 2017. Trata-se de complicação grave que pode ocorrer no trabalho de parto, quando a apresentação é cefálica e, após o desprendimento do pólo cefálico, os ombros não se soltam e não há outros fatores que impeçam seu desprendimento.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR • Ocorre quando o desprendimento do ombro anterior não ocorre dentro de 60 segundos após a saída do polo cefálico. • O peso fetal é particularmente importante quando associado ao diabetes materno, conforme a tabela abaixo. No entanto, metade dos casos ocorre em conceptos com peso normal ao nascimento: Distocia de Biacromial Amorim, 2013. Incidência global por faixa de peso fetal 0,6 a 1,4% (2.500 a 4.000g) 5 a 9% (4.000 a 4.500g) Relação com peso fetal e diabetes materno Peso > 4.000g sem diabetes: 5% Peso > 4.000g com diabetes: 15% Peso > 4.500g sem diabetes: 10% Peso > 4.500g com diabetes: 42%
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Apesar dos fatores de risco, é um evento imprevisível e todos profissionais que atuam em sala de parto devem saber agir de maneira ágil e organizada. Distocia de Biacromial • O diagnóstico clínico é firmado quando, logo após o desprendimento da cabeça fetal, ela se retrai sobre o períneo e permanece colada à vulva, como se estivesse sendo puxada por uma mola, não se abaixa e a rotação externa não ocorre ou não se completa (sinal da tartaruga). • Gradativamente, a face do concepto vai se tornando cianótica e edemaciada. Amorim, 2013 e Febrasgo, 2017. Fatores de risco • Obesidade materna • Diabetes descompensada • Macrossomia fetal • Parto instrumental • Uso de ocitocina • Restrição da parturiente ao leito
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR As injúrias observadas incluem: • Lesão do plexo braquial (traumatismo clássico) • Fratura espontânea da clavícula • Fraturas e deslocamentos do úmero • Trauma facial • Asfixia perinatal • Morte fetal Distocia de Ombros e Morbidade Neonatal RCOG, 2012. A Morbidade Neonatal pode ocorrer em aproximadamente 20% dos casos de distocia de ombros. 85% dos neonatos com paralisia braquial identificada ao nascimento apresenta sintomas transitórios e se recupera dentro do 1º ano de vida.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR • Hemorragia materna relacionada com hipotonia uterina • Lacerações do canal do parto ou rotura do útero • Diátese de sínfise • Infecção puerperal Distocia de Ombros e Morbidade Materna RCOG, 2012.
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR • A pressão isolada do fundo uterino, manobra de Kristeller, bem como a tração da cabeça fetal são procedimentos formalmente CONTRAINDICADOS! –> pioram a situação, aumentam o risco de lesões maternas e fetais e agravam a impactação púbica do ombro fetal. • As manobras deverão ser executadas em ordem crescente de trauma potencial. Distocia de Ombros – Condutas Trabalho em equipe é fundamental! Resolução em até 7 minutos! RCOG, 2012.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia de Ombros – Condutas Amorim, 2013. -> ALEERTA – desenvolvido pelo programa do ALSO (Advanced Life Suport of Obstetrics) • É o mais tradicional mneumônico, valioso e adequado para a maioria das maternidades. • No entanto, considera que a mulher está decúbito dorsal na hora do parto e propõe manobras internas antes da mudança de posição, por exemplo. Além disso, considera a realização de episiotomia. No entanto, a distocia de ombros não tem relação com o períneo, mas com impactação óssea. -> A SAÍDA – Mneumônico proposto para uso em mulheres que estão em posições verticais ou que não estão restritas em uma maca ou mesa cirúrgica. - Nessa proposta, as manobras menos invasivas são priorizadas.
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia de Ombros – Condutas A Chamar Ajuda, avisar a parturiente, pediatra e anestesista a postos L Levantar os membros inferiores em hiperflexão (manobra de McRoberts) E Pressão suprapúbica externa (manobra de Rubin I) E Considerar Episiotomia R Remover o braço posterior T Toque para manobras internas: • Manobra de Rubin II • Manobra de Woods • Manobra de parafuso invertido A Alterar a posição: paciente em quatro apoios (manobra de Gaskin) Protocolo ALEERTA ALSO, 2010.
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Na manobra de McRoberts, a hiperflexão das coxas sobre o abdome altera as relações da pelve com a coluna lombar. ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) L Condutas ALEERTA Levantar os membros inferiores A Alerta
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR McRoberts + Rubin I Pressão suprapúbica – constante e “pulsada" Soluciona 60% dos casos ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) E Condutas ALEERTA Pressão suprapúbica externa (manobra de Rubin I)
  • 26. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) E Condutas ALEERTA Rubin II - uma mão introduzida na vagina alcança o ombro fetal anterior (a face posterior do ombro anterior)e o empurra em direção à superfície anterior do tórax. Rubin II + manobra do saca-rolhas de Woods (tem como objetivo extrair o feto como se obstetra estivesse atarraxando e desatarraxando um parafuso ou usando um saca-rolhas. Nesta manobra, dois dedos atuam sobre a face anterior do ombro posterior do concepto que é rodado no sentido do seu dorso, liberando o ombro anterior impactado). Manobra do saca-rolhas de Woods reversa - dois dedos atuam sobre a face posterior do ombro posterior do concepto que é rodado no sentido anterior do tórax, liberando o ombro anterior impactado). Episiotomia ampla para as manobras internas
  • 27. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) Condutas ALEERTA Rubin II - uma mão introduzida na vagina alcança o ombro fetal anterior (a face posterior do ombro anterior)e o empurra em direção à superfície anterior do tórax.
  • 28. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) Condutas ALEERTA Manodedos atuam sobre a face anterior do ombro posterior do concepto que é rodado no sentido do seu dorso, liberando o ombro anterior impactado). bra do saca-rolhas de Woods: dois
  • 29. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) R Condutas ALEERTA Remoção do braço posterior (manobra de Jacquemier) – A.intrudução da mão no canal vaginal ao longo do úmero posterior, deslocando o braço do feto contra o tórax (B), mantendo-o flexionado no cotovelo. C.Segurando a mão, estende-se o braço ao longo da face, retirando o braço posterior pela vagina, que será utilizado para girar o feto.
  • 30. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR ALEERTA é um Mnemônico do ALSO (Advanced Life Support in Obstetrics) A Condutas ALEERTA Alterar posiçao materna, repetindo as manobras internas.
  • 31. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Distocia de Ombros – Condutas A Avisar a parturiente, chamar ajuda, avisar a parturiente, pediatra e anestesista a postos, aumentar o agachamento (Mc Roberts modificada) S Pressão suprapúbica externa (manobra de Rubin I) A Alterar a posição: quatro apoios I Manobras internas: • Manobra de Rubin II • Manobra de Woods • Manobra de parafuso invertido D Desprender o ombro posterior A Avaliar manobras de resgate Protocolo A SAÍDA Amorim, 2013
  • 32. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Amorim, 2013. Condutas A SAÍDA A Aumentar o agachamento Para mulheres que estão acocoradas ou sentadas na banqueta de parto, aumentar o agachamento (joelhos em direção ao tórax) já aumenta a pelve funcional e facilita a rotação interna do ombro anterior (Mc Roberts Modificada)
  • 33. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Condutas A SAÍDA S Pressão Suprapúbica Deve ser realizado do lado do dorso fetal, com a finalidade de ajudar na rotação do ombro anterior. Deve ser feita a pressão por 30 segundos de forma contínua e, se não funcionar, por mais 30 segundos de forma intermitente. De acordo com a literatura e a experiência dos autores, essas duas primeiras manobras resolvem 80% das distócias Amorim, 2013.
  • 34. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Condutas A SAÍDA A Alterar a posição – quatro apoios A posição de Gaskin (quatro apoios) é por si só eficaz em reduzir a distocia em mais de 80% dos casos. Nessa postura, os diâmetros pélvicos aumentam, facilitando o desprendimento. Outra possibilidade é adotar a “posição de largada na corrida”, com uma perna à frente (preferencialmente a do dorso fetal). Amorim, 2013.
  • 35. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Condutas A SAÍDA Í Manobras internas Só após realizadas as manobras externas é que parte-se para as internas (mais invasivas e arriscadas para mulher e o bebê). São realizadas com a mulher de quatro apoios, na mesma sequência do mneumônico ALEERTA: 1. Manobra de Rubin II 2. Manobra de Wood 3. Manobra de Parafuso invertido Amorim, 2013.
  • 36. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Condutas A SAÍDA D Desprendimento do braço posterior Realizada na posição de quatro apoios, o braço anterior será o braço voltado para o sacro materno. É a mesma manobra Jacquemier do mnumônico ALEERTA, mas realizada após as manobras menos invasivas e com a mulher em outra posição que permite melhor visualização, maior abertura pélvica e mais mobilidade do sacro. A Avaliar manobras de resgate Amorim, 2013.
  • 37. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Manobras de Resgate Manobra de Zavanelli – recolocar a cabeça fetal na vagina e proceder a operação cesariana. Este procedimento é considerado extremamente difícil por muitos observadores e pode associar-se a lesões graves na mãe e/ou no concepto. Fratura intencional da clavícula - deve ser encarados como exceção. Febrasgo, 2017.
  • 38. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Não são tão frequentes no trabalho de parto quanto as distocias já citadas. Anormalidades de Situação e Apresentação Anormalidade Diagnóstico Conduta Situação Transversa A palpação abdominal não evidencia polo fetal ocupando o fundo uterino; no toque vaginal não há parte fetal apresentada Normalmente opta-se pela cesariana. Apresentação Pélvica Ao toque vaginal, pode-se tocar a apresentação pélvica A via vaginal só deve ocorrer se for planejada e com consentimento da parturiente após esclarecimentos de riscos maternos e fetais. Na maioria dos casos opta-se por cesárea eletiva. Apresentação de Face Indica deflexão máxima do pólo cefálico (3º grau) O parto é possível na variedade de posição mentoanterior; se o mento estiver voltado para o sacro, o parto vaginal dependerá da rotação interna para mentoanterior. Febrasgo, 2017.
  • 39. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Não são tão frequentes no trabalho de parto quanto as distocias já citadas. Anormalidades de Situação e Apresentação Anormalidade Diagnóstico Conduta Apresentação de Fronte Indica deflexão de 2º grau, cujo ponto de referência é o naso Pode-se tentar prova de trabalho de parto, pois pode fletir ou defletir mais, porém não se deve insistir por muito tempo na tentativa Apresentação Composta Um ou mais membros se insinuam juntamente com o pólo cefálico na pelve materna; associado a prolapsos de cordão Deve-se observar a evolução durante o trabalho de parto; em casos de prolapso de cordão ou se não houver redução do membro, indica-se cesariana. Variedade de posição occipitoposterior ou occipitotransversa Evidenciado facilmente no toque vaginal, podendo-se tocar bossa (nesses casos, tentar tocar nariz e orelhas) O período expulsivo não deve exceder uma hora de duração, podendo utilizar-se o fórcipe de Kielland para extração fetal Febrasgo, 2017.
  • 40. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR Embora não sejam tão frequentes, as distocias intraparto representam grande risco para a mulher e seu bebê. Para que ela seja identificada e tratada precocemente, é fundamental que os profissionais de saúde estejam treinados e habilitados para intervir quando necessário.
  • 41. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR • Ehsanipoor RM, Satn AJ. Labor: overview of normal and abnormal progression. Uptodate, 2022 • Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. Shoulder dystocia.Protocols for High Risk Pregnancies. London. 2012;(2):18. • Amorim MMR, Duarte AC, Andreucci CB, Knobel R, Takemoto ML . Distocia de ombro: proposta de um novo algorítmo para conduta em partos em posições não supinas FEMINA | Maio/Junho 2013 | vol 41 | no 3 • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017. • WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO. Referências
  • 42. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ATENÇÃO ÀS MULHERES Material de 27 de maio de 2022 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres DIAGNÓSTICO DAS DISTOCIAS INTRAPARTO E QUANDO INTERVIR