SlideShare uma empresa Scribd logo
ABORTO
• DOCENTE: Marluce
•DISCENTES:
•Hana Galvão
•Rosangela Fontes
•Ylla Cohim
DISCIPLINA: BIOÉTICA E
DEONTOLOGIA
NASCER:
•Vir ao mundo;
•Provir, ter origem;
•Começar a brotar;
•Sair do ventre materno;
•Humanar-se;
•Constituir-se, formar-se.
ABORTO:
•Um aborto ou interrupção da
gravidez é a remoção ou expulsão
prematura de um embrião, ou feto
do útero, resultando na sua morte ou
sendo por esta causada.
TIPOS:
 Acidental: O aborto acidental, é aquele que ocorre com a queda
ou mesmo algum acidente relacionado à mãe que acaba por
expulsar o feto, sem a intenção;
 Espontâneo: aborto espontâneo é aquele que ocorre
repentinamente, sendo mais frequente na 3ª semana de gestação;
 Induzindo: aborto induzido pode ocorrer em clinicas clandestinas
ou legalizadas, em casa, com a ajuda de outras pessoas ou a mãe
sozinha, esta prática se constitui por intenção da mãe ou de outras
pessoas e pode acontecer com a ajuda de medicamentos ou com
a introdução de objetos.
ABORTO:
ABORTO INDUZIDO
A sucção ou aspiração;
A dilatação e curetagem;
A dilatação e expulsão;
Injeção de soluções salinas;
Esquartejamento;
Sufocamento;
Pílula do dia seguinte;
• MÉTODOS ABORTIVOS MAIS
COMUNS :
•ABORTO MEDICAMENTOSO:
O aborto medicamentoso ocorre quando agentes
farmacológicos são administrados vaginal ou
oralmente, para provocarem a expulsão do conteúdo
uterino.
ABORTO INDUZIDO
ABORTO:
•MÉTODOS ABORTIVOS MAIS COMUNS :
•Aspiração por vácuo (AV):
A aspiração por vácuo (AV) remove o conteúdo do útero, aplicando sucção
através de uma cânula que é inserida no útero através do cérvix. Outros termos
para aspiração por vácuo incluem: aborto por sucção, curetagem a vácuo,
curetagem por sucção, regulação menstrual (RM) e mini sucção. Segundo a
Organização Mundial de Saúde, a aspiração por vácuo pode ser usada até às
12 ou 15 semanas, dependendo dos instrumentos disponíveis e do treino e
capacidades do provedor.
http://www.youtube.com/watch?
v=-dfekFqMbgA
CÓDIGO PENAL BRASILEIRO E O
ABORTO:
CP – DECRETO LEI Nº2.848 DE 7 DE
DEZEMBRO DE 1940;
 Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por médico:
(Vide ADPF 54)
 Aborto necessário:
 I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante;
Aborto no caso de gravidez resultante de estupro;
 II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido
de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu
representante legal.
ABORTO EM CASO DE RISCO
DE VIDA DA MULHER:
Em caso de risco de vida da mulher, o próprio médico
pode solicitar uma junta médica para atestar a
necessidade do aborto. A interrupção da gravidez será
feita com toda segurança.
Neste tipo de interrupção de gravidez o médico não
precisa do consentimento da gestante, nem do
consentimento do representante legal (em caso de
menor ou doente mental).
ABORTO EM CASO DE
ESTUPRO:
 Em caso de estupro, a mulher deve imediatamente registrar a
ocorrência do crime em uma delegacia, de preferência Delegacia
da Mulher, para que, além de registrar o crime para uma futura
punição do estuprador, receber o Boletim de Ocorrência (BO) e
fazer o Exame de Corpo de Delito, que comprova a agressão
sexual sofrida.
 Existem hospitais referência para interrupção da gravidez
resultante de estupro. Entretanto, todas as unidades de saúde que
tenham serviços de ginecologia e obstetrícia constituídos, de
acordo com a Norma Técnica do Ministério do Saúde, deverão
estar capacitadas para o atendimento a esses casos.
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS
OBRIGATÓRIOS;
1. Autorização da grávida - ou, em caso de incapacidade, de seu
representante legal -, para a realização do abortamento, firmada em
documento de seu próprio punho, na presença de duas testemunhas
- exceto pessoas integrantes da equipe do hospital -, que será
anexada ao prontuário médico.
2. Informação à mulher - ou a seu representante legal -, de que ela
poderá ser responsabilizada criminalmente caso as declarações
constantes no Boletim de Ocorrência (BO) forem falsas.
3. Registro em prontuário médico, e de forma separada, das consultas,
da equipe multidisciplinar e da decisão por ela adotada, assim como
dos resultados de exames clínicos ou laboratoriais.
4. Cópia do Boletim de Ocorrência.
ABORTO CONSIDERADO
CRIME :
O Código Penal Brasileiro estabelece que o
aborto é crime quando praticado:
 pela própria gestante;
 a pedido da gestante;
 sem o consentimento da gestante.
Penas:
 detenção de 1 a 3 anos, para a mulher que faz o aborto em si
mesma ou consente que outra pessoa o faça;
 reclusão de 3 a 10 anos, para a pessoa que faz o aborto em uma
mulher, sem seu consentimento;
 reclusão de até 10 anos, para a pessoa que faz o aborto com o
consentimento da gestante menor de 14 anos, da alienada ou da
débil mental, ou ainda se o consentimento é obtido mediante
fraude, grave ameaça ou violência.
•Penas:
•As penas são aumentadas de um
terço, se a gestante sofrer lesão
corporal de natureza grave e são
duplicadas, se morrer por causa da
lesão (crime de homicídio).
•Violência física, como pontapé na
barriga da mulher grávida,
provocando aborto, é considerada
crime de lesão corporal de natureza
gravíssima.
ABORTO CONSIDERADO
CRIME :
ABORTO:
Porém, há um movimento a favor da interrupção da
gravidez quando o feto for incompatível com a vida.
Esse grupo propôs projetos de lei que autorizam o
aborto quando o nascituro apresenta uma anomalia
grave e incurável implicando na impossibilidade de vida
extra-uterina, por exemplo, em casos de anencefalia,
agenesia bilateral renal e/ou pulmonar.
RELIGIÃO E ABORTO :
IGREJA CATÓLICA E EVANGÉLICOS:
 O catolicismo, desde o século IV, condena o aborto em qualquer
estado e em qualquer circunstâncias, permanecendo esta até hoje
como opinião e posição oficial da igreja católica.
 A Igreja Católica e Evangélicos considera que a alma é incutida
no novo ser no momento da fecundação, pelo que proíbe o aborto
em qualquer fase, pois consideram que o ser já tem alma. A punição
para quem faz o aborto é a excomunhão( Igreja Católica) e expulsão
( Evangélicos)
 "O aborto é um homicídio voluntário ao qual corresponde a pena de
morte.“ - Gregório XIV, Papa, em 1591
ISLAMISMO:
Os líderes islâmicos em geral mostram-se
desfavoráveis ao aborto, mas recentemente
alguns emitiram opiniões menos
conservadoras. Só depois de "vestidos" com
carne e osso nos tornamos humanos. Só a
partir desse momento é que haveria uma
punição (assassinato), segundo os juristas
muçulmanos de há 1500 atrás, o que, com o
debate actual, é novamente discutido.
RELIGIÃO E ABORTO :
JUDAÍSMO:
 Já no século II se considerava a vida da mãe como mais
sagrada que a do feto. Em 1969, o rabino David Feldman, ao
prestar depoimento num processo instaurado em Nova Iorque,
em que se debatia a inconstitucionalidade das leis desse
Estado contra o aborto, afirmou que, do ponto de vista judaico,
se o aborto não é desejável, também não é considerado um
assassinato, e que em todos os casos é a saúde da mulher
que prevalece, tanto no que se refere ao equilíbrio físico como
psíquico. Para os judeus, tal como para os islamitas, o feto só
se transforma num ser humano quando nasce.
RELIGIÃO E ABORTO :
BUDISMO E O HINDUÍSMO;
 Para essas religiões, o ponto essencial da questão está na
forma como encaram o sémen, considerado o veículo
transmissor da vida. Isto significa que é no momento da
concepção óvulo-espermatozóide que se dá o início da vida.
 Conclui-se, pelas visões diferenciadas dos corpos masculino
e feminino, que essas religiões defendem que o homem é o
portador da vida e a mulher portadora de um corpo cuja
única finalidade é proteger o feto. Ambas as religiões
defendem uma visão machista, onde o homem é quem tem
o direito de decidir pela continuidade ou não da gestação.
RELIGIÃO E ABORTO :
Aborto
PAÍSES E ABORTO
 Veja abaixo, países que não permitem o aborto, exceto quando
há risco para a vida da mãe (primeiro quadro), países que
permitem o aborto, mas com restrições (segundo quadro) e
países que permitem o aborto (terceiro quadro).
BIOÉTICA X ABORTO:
Na discussão bioética do aborto, duas
correntes com bases muitos distintas: de um
lado os defensores da autonomia do indivíduo
e por conseguinte a autonomia da vida
reprodutiva; e de outro lado temos os
defensores da heteronomia da vida, do
sentido filosófico da existência, da visão
sagrada e intocável da vida.
BIOÉTICA X ABORTO:
 Maior exemplo de contradições existentes em países como o
Brasil que tratam do aborto como crime, mas autorizam a prática
do aborto em situações de estupro sem questionar a saúde ou os
direitos do feto.
 Por outro lado, não autoriza (em regra) o aborto em casos de risco
para o próprio feto (como, por exemplo, deformidades graves).
 A temática sobre o aborto é recheada de influências sócio-
culturais e morais de cada sociedade e tempo histórico e se
mostra como um desafio para os pesquisadores sobre o assunto.
O PAPEL ÉTICO DO ENFERMEIRO:
O Código de Ética dos Profissionais de
Enfermagem (CEPE) dispõe em seu Cap. V, Art. 45
sobre a proibição dos mesmos em provocar aborto
ou cooperar em prática destinada a interromper a
gestação.
Quando o aborto é legalmente autorizado, nesses
casos previstos em lei, o profissional de
enfermagem deverá decidir, de acordo com a sua
consciência, sobre a sua participação ou não no ato
abortivo, de acordo com o Cap. V, parágrafo único
do CEPE.
A enfermagem desempenha um papel importante, pois
é ela que acompanha e está envolvida em todo o
processo de cuidado e atenção prestado a esta mulher
podendo prover o acolhimento e o cuidado respeitoso
que essas necessitam .Sendo assim, o profissional de
enfermagem deve assumir um posicionamento que
contemple além das necessidades biológicas, os
aspectos psicológicos e sociais desta mulher, sem
expor seus próprios julgamentos e preconceitos.
O PAPEL ÉTICO DO ENFERMEIRO:
CURIOSIDADES:
 Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) Cerca de 3
milhões de adolescentes de 15 a 19 anos fazem abortos inseguros
todos os anos.
 Segundo estimativa da OMS, no Brasil, 31% das gestações
terminam em abortamento e anualmente ocorrem mais de 1 milhão
abortamentos espontâneos e inseguros.
 Na Alemanha nazista o aborto era proibido por que era dever da
mulher fornecer filhos para o III Reich
 Os gregos permitiam o aborto, mas os romanos o puniam com
pena de morte.
 O primeiro país a permitir aborto no prazo de 28 semanas foi a
Inglaterra, tornando-se atração turística para feministas.
Aborto
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Diante disso, acredita-se que as profissionais
enfermeiras devem estar constantemente buscando a
atualização e permeando a sua assistência não só no
fazer técnico, mas também que se contemplem os
aspectos éticos científicos. No caso do atendimento a
mulher em processo de abortamento, requer que a
enfermeira reflita sobre sua conduta e se desapegue de
valores e crenças pessoas para que possa oferecer um
atendimento holístico e de forma humanizada, livre de
pré-julgamentos e condenações.
O cuidar é um ato complexo, que deve ser
realizado considerando que a pessoa que recebe este
cuidado é digna de tê-lo de maneira respeitosa. Os
princípios bioéticos auxiliam a enfermeira a ter em
mente estas considerações e agir de acordo com elas,
fazendo com que o cuidado não se torne apenas uma
aplicação de técnicas de enfermagem, mas sim, uma
prática que considere a integralidade da paciente.
http://www.youtube.com/watch?
v=4AGGA1Nn2vw
REFERENCIAS
 BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de
Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Atenção
Humanizada ao Abortamento: norma técnica / Ministério da Saúde, Secretaria
de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas –
Brasília: Ministério da Saúde, 2005.
 BEAUCHAMP, T.I.; CHILDRESS J.F. Princípios de Ética Biomédica. 4. ed. São
Paulo: Loyola. 2002.
 FRENANDES, R. A. Q.; NARCHI, N. Z. Enfermagem e Saúde da Mulher. Rio de
Janeiro: Manole, 2007. p. 344.
 ROCHA, I.B. M; BARBOSA R. M. Aborto no Brasil e países do Cone Sul:
panorama da situação e dos estudos acadêmicos. Campinas: Unicamp, 2009.
 Brasil, Conselho Federal de Enfermagem. Resolução 240 de 2000. Aprova o
código de ética dos profissionais de enfermagem e dá outras providências.
http://www.portalcofen.com.br/ (Acessado em 17 de outubro de 2013)
 Brunner LS, Suddarth DS. Tratado de Enfermagem Médico - Cirúrgica. 10.ed.
Vol1. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ana Santos
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
Maria Stella
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
jekinha
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
guestbacc08
 
A Eutanásia
A EutanásiaA Eutanásia
A Eutanásia
marleneves
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Nokas Silva
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
Aborto slides
Aborto slidesAborto slides
Legalização do aborto observatório (1)
Legalização do aborto   observatório (1)Legalização do aborto   observatório (1)
Legalização do aborto observatório (1)
jadertheophilo
 
Aborto
AbortoAborto
Ists
IstsIsts
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
José Alexandre Pires de Almeida
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Isabel Lopes
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
O Aborto
O AbortoO Aborto
O Aborto
Rita Galrito
 

Mais procurados (20)

Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
A Eutanásia
A EutanásiaA Eutanásia
A Eutanásia
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Aborto slides
Aborto slidesAborto slides
Aborto slides
 
Legalização do aborto observatório (1)
Legalização do aborto   observatório (1)Legalização do aborto   observatório (1)
Legalização do aborto observatório (1)
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
 
O Aborto
O AbortoO Aborto
O Aborto
 

Semelhante a Aborto

Anna trab aborto
Anna trab abortoAnna trab aborto
Anna trab aborto
spynight
 
Anna trab aborto
Anna trab abortoAnna trab aborto
Anna trab aborto
spynight
 
Respeitemos a vida. aborto não!
Respeitemos a vida. aborto não!Respeitemos a vida. aborto não!
Respeitemos a vida. aborto não!
Helio Cruz
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
Jéssica Araujo
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
renata viana
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
Ana Santos
 
Pamella gemma zilio a exclusão da ilicitude no aborto eugênico
Pamella gemma zilio   a exclusão da ilicitude no aborto eugênicoPamella gemma zilio   a exclusão da ilicitude no aborto eugênico
Pamella gemma zilio a exclusão da ilicitude no aborto eugênico
Yara Souto Maior
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
rbgalvao
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
SourcerRagna
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
CriseGreg
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
Yaneh Viana
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
Tatyana Rodrigues
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
AbortoAborto
Aborto
poliana8paes
 
O aborto
O abortoO aborto
O aborto
100ideias
 
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tccOs aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Ojr Bentes
 
Assistência de enf nos ciclos da vida.pptx
Assistência de enf nos ciclos da vida.pptxAssistência de enf nos ciclos da vida.pptx
Assistência de enf nos ciclos da vida.pptx
TamiresTeixeira25
 
Aborto legal e seguro 28 de setembro 2004
Aborto legal e seguro   28 de setembro 2004Aborto legal e seguro   28 de setembro 2004
Aborto legal e seguro 28 de setembro 2004
Luana Jacob
 
Trabalho katinha
Trabalho katinhaTrabalho katinha
Trabalho katinha
Malu Campos
 
O aborto sob a ótica espírita
O aborto sob a ótica espíritaO aborto sob a ótica espírita
O aborto sob a ótica espírita
Val Ruas
 

Semelhante a Aborto (20)

Anna trab aborto
Anna trab abortoAnna trab aborto
Anna trab aborto
 
Anna trab aborto
Anna trab abortoAnna trab aborto
Anna trab aborto
 
Respeitemos a vida. aborto não!
Respeitemos a vida. aborto não!Respeitemos a vida. aborto não!
Respeitemos a vida. aborto não!
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
 
Pamella gemma zilio a exclusão da ilicitude no aborto eugênico
Pamella gemma zilio   a exclusão da ilicitude no aborto eugênicoPamella gemma zilio   a exclusão da ilicitude no aborto eugênico
Pamella gemma zilio a exclusão da ilicitude no aborto eugênico
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
O aborto
O abortoO aborto
O aborto
 
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tccOs aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
 
Assistência de enf nos ciclos da vida.pptx
Assistência de enf nos ciclos da vida.pptxAssistência de enf nos ciclos da vida.pptx
Assistência de enf nos ciclos da vida.pptx
 
Aborto legal e seguro 28 de setembro 2004
Aborto legal e seguro   28 de setembro 2004Aborto legal e seguro   28 de setembro 2004
Aborto legal e seguro 28 de setembro 2004
 
Trabalho katinha
Trabalho katinhaTrabalho katinha
Trabalho katinha
 
O aborto sob a ótica espírita
O aborto sob a ótica espíritaO aborto sob a ótica espírita
O aborto sob a ótica espírita
 

Mais de Ylla Cohim

Anemia Falciforme
Anemia Falciforme Anemia Falciforme
Anemia Falciforme
Ylla Cohim
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
PPLS/ PES
PPLS/ PESPPLS/ PES
PPLS/ PES
Ylla Cohim
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 

Mais de Ylla Cohim (6)

Anemia Falciforme
Anemia Falciforme Anemia Falciforme
Anemia Falciforme
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
PPLS/ PES
PPLS/ PESPPLS/ PES
PPLS/ PES
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Aborto

  • 2. • DOCENTE: Marluce •DISCENTES: •Hana Galvão •Rosangela Fontes •Ylla Cohim DISCIPLINA: BIOÉTICA E DEONTOLOGIA
  • 3. NASCER: •Vir ao mundo; •Provir, ter origem; •Começar a brotar; •Sair do ventre materno; •Humanar-se; •Constituir-se, formar-se.
  • 4. ABORTO: •Um aborto ou interrupção da gravidez é a remoção ou expulsão prematura de um embrião, ou feto do útero, resultando na sua morte ou sendo por esta causada.
  • 5. TIPOS:  Acidental: O aborto acidental, é aquele que ocorre com a queda ou mesmo algum acidente relacionado à mãe que acaba por expulsar o feto, sem a intenção;  Espontâneo: aborto espontâneo é aquele que ocorre repentinamente, sendo mais frequente na 3ª semana de gestação;  Induzindo: aborto induzido pode ocorrer em clinicas clandestinas ou legalizadas, em casa, com a ajuda de outras pessoas ou a mãe sozinha, esta prática se constitui por intenção da mãe ou de outras pessoas e pode acontecer com a ajuda de medicamentos ou com a introdução de objetos. ABORTO:
  • 6. ABORTO INDUZIDO A sucção ou aspiração; A dilatação e curetagem; A dilatação e expulsão; Injeção de soluções salinas; Esquartejamento; Sufocamento; Pílula do dia seguinte;
  • 7. • MÉTODOS ABORTIVOS MAIS COMUNS : •ABORTO MEDICAMENTOSO: O aborto medicamentoso ocorre quando agentes farmacológicos são administrados vaginal ou oralmente, para provocarem a expulsão do conteúdo uterino. ABORTO INDUZIDO
  • 8. ABORTO: •MÉTODOS ABORTIVOS MAIS COMUNS : •Aspiração por vácuo (AV): A aspiração por vácuo (AV) remove o conteúdo do útero, aplicando sucção através de uma cânula que é inserida no útero através do cérvix. Outros termos para aspiração por vácuo incluem: aborto por sucção, curetagem a vácuo, curetagem por sucção, regulação menstrual (RM) e mini sucção. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a aspiração por vácuo pode ser usada até às 12 ou 15 semanas, dependendo dos instrumentos disponíveis e do treino e capacidades do provedor.
  • 10. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO E O ABORTO: CP – DECRETO LEI Nº2.848 DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940;  Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por médico: (Vide ADPF 54)  Aborto necessário:  I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante; Aborto no caso de gravidez resultante de estupro;  II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.
  • 11. ABORTO EM CASO DE RISCO DE VIDA DA MULHER: Em caso de risco de vida da mulher, o próprio médico pode solicitar uma junta médica para atestar a necessidade do aborto. A interrupção da gravidez será feita com toda segurança. Neste tipo de interrupção de gravidez o médico não precisa do consentimento da gestante, nem do consentimento do representante legal (em caso de menor ou doente mental).
  • 12. ABORTO EM CASO DE ESTUPRO:  Em caso de estupro, a mulher deve imediatamente registrar a ocorrência do crime em uma delegacia, de preferência Delegacia da Mulher, para que, além de registrar o crime para uma futura punição do estuprador, receber o Boletim de Ocorrência (BO) e fazer o Exame de Corpo de Delito, que comprova a agressão sexual sofrida.  Existem hospitais referência para interrupção da gravidez resultante de estupro. Entretanto, todas as unidades de saúde que tenham serviços de ginecologia e obstetrícia constituídos, de acordo com a Norma Técnica do Ministério do Saúde, deverão estar capacitadas para o atendimento a esses casos.
  • 13. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS OBRIGATÓRIOS; 1. Autorização da grávida - ou, em caso de incapacidade, de seu representante legal -, para a realização do abortamento, firmada em documento de seu próprio punho, na presença de duas testemunhas - exceto pessoas integrantes da equipe do hospital -, que será anexada ao prontuário médico. 2. Informação à mulher - ou a seu representante legal -, de que ela poderá ser responsabilizada criminalmente caso as declarações constantes no Boletim de Ocorrência (BO) forem falsas. 3. Registro em prontuário médico, e de forma separada, das consultas, da equipe multidisciplinar e da decisão por ela adotada, assim como dos resultados de exames clínicos ou laboratoriais. 4. Cópia do Boletim de Ocorrência.
  • 14. ABORTO CONSIDERADO CRIME : O Código Penal Brasileiro estabelece que o aborto é crime quando praticado:  pela própria gestante;  a pedido da gestante;  sem o consentimento da gestante. Penas:  detenção de 1 a 3 anos, para a mulher que faz o aborto em si mesma ou consente que outra pessoa o faça;  reclusão de 3 a 10 anos, para a pessoa que faz o aborto em uma mulher, sem seu consentimento;  reclusão de até 10 anos, para a pessoa que faz o aborto com o consentimento da gestante menor de 14 anos, da alienada ou da débil mental, ou ainda se o consentimento é obtido mediante fraude, grave ameaça ou violência.
  • 15. •Penas: •As penas são aumentadas de um terço, se a gestante sofrer lesão corporal de natureza grave e são duplicadas, se morrer por causa da lesão (crime de homicídio). •Violência física, como pontapé na barriga da mulher grávida, provocando aborto, é considerada crime de lesão corporal de natureza gravíssima. ABORTO CONSIDERADO CRIME :
  • 16. ABORTO: Porém, há um movimento a favor da interrupção da gravidez quando o feto for incompatível com a vida. Esse grupo propôs projetos de lei que autorizam o aborto quando o nascituro apresenta uma anomalia grave e incurável implicando na impossibilidade de vida extra-uterina, por exemplo, em casos de anencefalia, agenesia bilateral renal e/ou pulmonar.
  • 17. RELIGIÃO E ABORTO : IGREJA CATÓLICA E EVANGÉLICOS:  O catolicismo, desde o século IV, condena o aborto em qualquer estado e em qualquer circunstâncias, permanecendo esta até hoje como opinião e posição oficial da igreja católica.  A Igreja Católica e Evangélicos considera que a alma é incutida no novo ser no momento da fecundação, pelo que proíbe o aborto em qualquer fase, pois consideram que o ser já tem alma. A punição para quem faz o aborto é a excomunhão( Igreja Católica) e expulsão ( Evangélicos)  "O aborto é um homicídio voluntário ao qual corresponde a pena de morte.“ - Gregório XIV, Papa, em 1591
  • 18. ISLAMISMO: Os líderes islâmicos em geral mostram-se desfavoráveis ao aborto, mas recentemente alguns emitiram opiniões menos conservadoras. Só depois de "vestidos" com carne e osso nos tornamos humanos. Só a partir desse momento é que haveria uma punição (assassinato), segundo os juristas muçulmanos de há 1500 atrás, o que, com o debate actual, é novamente discutido. RELIGIÃO E ABORTO :
  • 19. JUDAÍSMO:  Já no século II se considerava a vida da mãe como mais sagrada que a do feto. Em 1969, o rabino David Feldman, ao prestar depoimento num processo instaurado em Nova Iorque, em que se debatia a inconstitucionalidade das leis desse Estado contra o aborto, afirmou que, do ponto de vista judaico, se o aborto não é desejável, também não é considerado um assassinato, e que em todos os casos é a saúde da mulher que prevalece, tanto no que se refere ao equilíbrio físico como psíquico. Para os judeus, tal como para os islamitas, o feto só se transforma num ser humano quando nasce. RELIGIÃO E ABORTO :
  • 20. BUDISMO E O HINDUÍSMO;  Para essas religiões, o ponto essencial da questão está na forma como encaram o sémen, considerado o veículo transmissor da vida. Isto significa que é no momento da concepção óvulo-espermatozóide que se dá o início da vida.  Conclui-se, pelas visões diferenciadas dos corpos masculino e feminino, que essas religiões defendem que o homem é o portador da vida e a mulher portadora de um corpo cuja única finalidade é proteger o feto. Ambas as religiões defendem uma visão machista, onde o homem é quem tem o direito de decidir pela continuidade ou não da gestação. RELIGIÃO E ABORTO :
  • 22. PAÍSES E ABORTO  Veja abaixo, países que não permitem o aborto, exceto quando há risco para a vida da mãe (primeiro quadro), países que permitem o aborto, mas com restrições (segundo quadro) e países que permitem o aborto (terceiro quadro).
  • 23. BIOÉTICA X ABORTO: Na discussão bioética do aborto, duas correntes com bases muitos distintas: de um lado os defensores da autonomia do indivíduo e por conseguinte a autonomia da vida reprodutiva; e de outro lado temos os defensores da heteronomia da vida, do sentido filosófico da existência, da visão sagrada e intocável da vida.
  • 24. BIOÉTICA X ABORTO:  Maior exemplo de contradições existentes em países como o Brasil que tratam do aborto como crime, mas autorizam a prática do aborto em situações de estupro sem questionar a saúde ou os direitos do feto.  Por outro lado, não autoriza (em regra) o aborto em casos de risco para o próprio feto (como, por exemplo, deformidades graves).  A temática sobre o aborto é recheada de influências sócio- culturais e morais de cada sociedade e tempo histórico e se mostra como um desafio para os pesquisadores sobre o assunto.
  • 25. O PAPEL ÉTICO DO ENFERMEIRO: O Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem (CEPE) dispõe em seu Cap. V, Art. 45 sobre a proibição dos mesmos em provocar aborto ou cooperar em prática destinada a interromper a gestação. Quando o aborto é legalmente autorizado, nesses casos previstos em lei, o profissional de enfermagem deverá decidir, de acordo com a sua consciência, sobre a sua participação ou não no ato abortivo, de acordo com o Cap. V, parágrafo único do CEPE.
  • 26. A enfermagem desempenha um papel importante, pois é ela que acompanha e está envolvida em todo o processo de cuidado e atenção prestado a esta mulher podendo prover o acolhimento e o cuidado respeitoso que essas necessitam .Sendo assim, o profissional de enfermagem deve assumir um posicionamento que contemple além das necessidades biológicas, os aspectos psicológicos e sociais desta mulher, sem expor seus próprios julgamentos e preconceitos. O PAPEL ÉTICO DO ENFERMEIRO:
  • 27. CURIOSIDADES:  Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) Cerca de 3 milhões de adolescentes de 15 a 19 anos fazem abortos inseguros todos os anos.  Segundo estimativa da OMS, no Brasil, 31% das gestações terminam em abortamento e anualmente ocorrem mais de 1 milhão abortamentos espontâneos e inseguros.  Na Alemanha nazista o aborto era proibido por que era dever da mulher fornecer filhos para o III Reich  Os gregos permitiam o aborto, mas os romanos o puniam com pena de morte.  O primeiro país a permitir aborto no prazo de 28 semanas foi a Inglaterra, tornando-se atração turística para feministas.
  • 29. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Diante disso, acredita-se que as profissionais enfermeiras devem estar constantemente buscando a atualização e permeando a sua assistência não só no fazer técnico, mas também que se contemplem os aspectos éticos científicos. No caso do atendimento a mulher em processo de abortamento, requer que a enfermeira reflita sobre sua conduta e se desapegue de valores e crenças pessoas para que possa oferecer um atendimento holístico e de forma humanizada, livre de pré-julgamentos e condenações. O cuidar é um ato complexo, que deve ser realizado considerando que a pessoa que recebe este cuidado é digna de tê-lo de maneira respeitosa. Os princípios bioéticos auxiliam a enfermeira a ter em mente estas considerações e agir de acordo com elas, fazendo com que o cuidado não se torne apenas uma aplicação de técnicas de enfermagem, mas sim, uma prática que considere a integralidade da paciente.
  • 31. REFERENCIAS  BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Atenção Humanizada ao Abortamento: norma técnica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – Brasília: Ministério da Saúde, 2005.  BEAUCHAMP, T.I.; CHILDRESS J.F. Princípios de Ética Biomédica. 4. ed. São Paulo: Loyola. 2002.  FRENANDES, R. A. Q.; NARCHI, N. Z. Enfermagem e Saúde da Mulher. Rio de Janeiro: Manole, 2007. p. 344.  ROCHA, I.B. M; BARBOSA R. M. Aborto no Brasil e países do Cone Sul: panorama da situação e dos estudos acadêmicos. Campinas: Unicamp, 2009.  Brasil, Conselho Federal de Enfermagem. Resolução 240 de 2000. Aprova o código de ética dos profissionais de enfermagem e dá outras providências. http://www.portalcofen.com.br/ (Acessado em 17 de outubro de 2013)  Brunner LS, Suddarth DS. Tratado de Enfermagem Médico - Cirúrgica. 10.ed. Vol1. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.