SlideShare uma empresa Scribd logo
Doença Hipertensiva Específica da
Gravidez (DHEG)
Pré-eclampsia/Eclampsia
Enfermeira Professora: Adriana Rodrigues do Carmo
 Introdução
 Dados epidemiológicos
 Pré-eclampsia leve/grave/eclampsia
 Classificação da pré-eclâmpsia e hipertensão relacionada à gravidez
 Critério de diagnóstico para pré-eclampsia
 Critérios para interrupção da gestação
 Conduta
 Investigação
 Diagnóstico e Planejamento de Enfermagem
Introdução
• A DHEG é a doença mais importante em Obstetrícia, incidindo em
cerca de 10% das primíparas.
• É a maior causa de mortalidade materna e perinatal.
• A mortalidade materna no Brasil é problema de saúde pública.
Segundo o Fundo de População da ONU (2003) atinge 74,5 por
100.000 nascidos vivos. É a 4ª pior da América Latina, inferior
apenas ao Haiti, Bolívia e Peru.
Dados Epidemiológicos
0
1000
2000
3000
4000
5000
6000
7000
Lista Morbidade DHEG
Período:2011
Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
Categoria CID-10: O15
Eclampsia Óbitos maternos
Período: 2011
Pré-eclampsia leve
Síndrome multissistêmica
Pressão Arterial
Proteinúria da 20 semana de gestação
até 12 semanas após o parto
Podendo incluir outros sintomas associados como:
Edema;
Distúrbios Visuais;
Cefaléia e
Dor epigástrica
Pré-eclampsia grave
Caracteriza-se quando um ou mais, dos critérios a seguir, estiverem presentes:
PA ≥ 160/110 mmHg em duas ocasiões espaçadas em 4h, com proteinúria;
Oligúria < 500 ml/24h;
Distúrbios cerebrais ou visuais;
Edema de pulmão ou cianose;
Dor epigástrica ou no quadrante superior direito;
Síndrome HELLP (Hemólise, Enzimas hepáticas elevadas e Trombocitopenia)
Crescimento intra-uterino restrito (CIR) grave e/ou oligodramnia.
Eclampsia
Presença de convulsão em mulheres com
Pré-eclampsia leve ou grave.
 A convulsão também pode ser causada por outros fatores, e é chamada de
não eclamptogênica.
Classificação da pré-eclâmpsia e
hipertensão relacionada à gravidez
Mulheres grávidas
PA: >140/90 mmHg
≥ 20 semanas
de gestação?Sim NãoProteinúria? Proteinúria?
Sim Não Nova ou
aumentada
Não ou
estável
Hipertensão
gestacional
PA: >160/110mmHg?
Proteinúria: > 5g/24h?
Pré-eclampsia
grave
Pré-eclampsia
leve
Pré-eclampsia
sobreposta à
hipertensão
Hipertensão
crônica
Sim
Não
Convulsões
Eclampsia
Critério de diagnóstico para
pré-eclampsia
PA Sistólica
(mmHg)
PA Diastólica
(mmHg)
Proteinúria
(g/24h)
Pré-eclampsia
leve
>140 > 90 > 0,3 Duas aferições
com, pelo
menos, 4 horas
de intervalo.
Pré-eclampsia
grave
>160 >110 > 5,0
Leve ou Grave
Critérios para interrupção da gestação
Gestante com DHEG
Avaliar vitalidade fetal > 28 semanas:
Movimentos fetais, cardiotocografia, perfil biofísico fetal
Não
comprometida
Comprometida
Avaliação
Fetal
Interromper a
gestação
Reavaliações:
Semanais se pré-termo,
2 a 3 x por semana, se a termo
Avaliação
Fetal
Não
comprometida
Aguardar trabalho
de parto
Comprometida
Conduta
Pré-
eclampsia
leve
Com PA ≥ 100 mmHg avaliar internação e uso de hipotensores;
• Obs: Entre 26 e 34 semanas, usar corticóide quando indicada a
interrupção da gestação.
Pré-
eclampsia
grave
Controle PA:
• Hidralazina – 5 mg, IV – repetida a cada 20 minutos até o máximo de 50
mg; ou
• Nifedipina – diluir 1 cápsula em 10 ml de água destilada e dar 5 gotas
sublingual, a cada 5 minutos;
• Controle rigoroso da PA a cada 10 minutos.
Iminência de eclâmpsia:
• Sulfato de magnésio hepta-hidratado;
• Dose de ataque: 4 g, EV lento, ±10 min, a 20%;
• Dose de manutenção: 2 g, EV, a cada 2 horas, a 20%.
Conduta
Eclampsia
Esquema de ZUSPAN (venoso)
Dose de Ataque: Sulfato de Magnésio (SM) a 20% - 5 g = 25 ml IV lento
Dose de Manutenção: SM1 a 2 g / hora. Em bomba infusora pode-se fazer
assim: SM a 50% 20 ml + 480 ml de soro glicosado a 5%, correr 50 a 100
ml / hora.
Esquema de PRITCHARD ( intramuscular)
Dose de Ataque: SM a 20% - 4 g = 20 ml IV lento
SM à 50% - 10 g = 20 ml IM
Dose de manutenção: SM a 50% - 5g = 10 ml IM de 4/4 horas
Conduta
Nos dois esquemas existe o risco de parada respiratória,
provocada pela hipermagnesemia. Esse efeito tóxico deve ser
controlado através da manutenção dos seguintes sinais clínicos:
1. freqüência respiratória [maior ou igual a] 16 irpm,
2. diurese [maior ou igual a] 25 ml / hora,
3. reflexo patelar presente.
A terapêutica corretora do efeito tóxico é a aplicação
intravenosa de 1 grama de gluconato de cálcio a 10% (= 10 ml),
que deve ser mantido na cabeceira do leito para casos de
emergência.
Conduta
Após estabilização do quadro, interromper a
gestação pela via mais rápida.
Investigação
Coleta de dados
 Anamnese coletando dados que possam incluir a gestante no grupo de
risco para a DHEG, como: nuliparidade, gemelaridade, obesidade,
hipertensão prévia, história familiar, diabetes gestacional, doença renal,
Exame físico atentando-se para edema em membros superiores e
inferiores, até mesmo anasarca;
 Sinais vitais;
 Revisão do prontuário com evolução de Enfermagem e obstétrica;
 Exames complementares, incluindo EAS para pesquisa de Proteínas;
Diagnóstico de Enfermagem
 Risco de infecção relacionado aos procedimentos invasivos,
 Dor aguda, relacionada a agentes lesivos (biológicos, físicos, psicológicos),
 Volume de líquidos excessivo relacionado à retenção em função da DHEG,
 Baixa auto-estima situacional relacionada a gravidez,
 Privação do sono relacionada à ansiedade, à mudança de ambiente e ao
desconforto físico,
 Risco de função hepática prejudicada relacionada à complicação da DHEG,
 Eliminação urinária prejudicada relacionada às alterações da gravidez e
complicações da DHEG,
 Ansiedade relacionada à mudança no estado de saúde.
Diagnóstico de Enfermagem e
Planejamento
Diagnóstico Planejamento
Volume de
líquidos
excessivo
relacionado à
retenção em
função da DHEG
Avaliar a localização e extensão do edema,
Pesar diariamente a paciente,
Manter registro preciso da ingestão e da eliminação,
Monitorar o estado de hidratação (mucosas úmidas adequação
das pulsações e pressão sanguínea ortostática),
Monitorar sinais vitais,
Monitorar valores séricos e urinários de eletrólitos e proteínas,
Monitorar indicadores de sobrecarga/retenção de líquidos
(crepitação, distensão de veia jugular),
Monitorar busca de manifestações neuromusculares de
hipermagnesemia (fraqueza ao afastar reflexos dolorosos
profundos, paralisia muscular e musculatura flácida).
Diagnóstico Planejamento
Risco de função
hepática prejudicada
relacionada à
complicação da
DHEG
Monitorar resultados de exames laboratoriais de função
hepática (TGO, TGP, bilirrubina),
Identificar sinais e sintomas de complicações hepáticas (dor no
hipocôndrio direito, palidez, icterícia),
Orientar dieta normossódica e hiperproteica,
Promover repouso.
Diagnóstico Planejamento
Eliminação urinária
prejudicada
relacionada a
alterações fisiológicas
da gravidez e
complicações da
DHEG.
Monitorar ingestão e eliminação de líquidos,
Realizar sondagem conforme prescrição médica,
Orientar a paciente/família a registrar o débito urinário,
Monitorar a eliminação urinária, incluindo a frequência, a
consistência, o odor, o volume e a cor,
Monitorar sinais e sintomas de retenção urinária
Diagnóstico de Enfermagem e
Planejamento
Referências
• MONTENEGRO, Rezende. Obstetrícia fundamental. 10 ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2006.
• MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde Atenção ao pré-natal, parto e
puerpério: protocolo Viva Vida. 2 ed. Belo Horizonte: SAS/SES, 2006. 84 p.
• AGUIAR, M. et All. Sistematização da Assistência de Enfermagem a paciente
com síndrome hipertensiva especifica da gestação. Rev. Rene. Fortaleza, v. 11, n.
4, p. 66-75, out./dez.2010.
• North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de enfermagem da
NANDA: definições e classificação 2009-2011. Porto Alegre: Artmed; 2009.
• http://www.aacc.org/publications/cln/2010/February/Pages/series0210.aspx# com
acesso em 24/02/2012 às 14:30h.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré natal
Pré natalPré natal
DHEG
DHEGDHEG
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
Maycon Silva
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
Lucrécia De Matos Silva
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
Jonathan Sampaio
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Caroline Reis Gonçalves
 
Hipertensão na gestação
Hipertensão na gestaçãoHipertensão na gestação
Hipertensão na gestação
Michella Przybycien
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Caroline Reis Gonçalves
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 

Mais procurados (20)

Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
DHEG
DHEGDHEG
DHEG
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Hipertensão na gestação
Hipertensão na gestaçãoHipertensão na gestação
Hipertensão na gestação
 
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricasPrimeiro atendimento em urgências obstétricas
Primeiro atendimento em urgências obstétricas
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 

Destaque

Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Patologias gestacionais
Patologias gestacionaisPatologias gestacionais
Patologias gestacionais
Morgana Oliveira
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
Ana Cdergvgbgdd
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
Josiana E Rafael
 
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperioManual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
Mirian Paiva
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
CDuque - freelancer Student Mentoring & Coaching
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Sindrome de Hellp.
Sindrome de Hellp.Sindrome de Hellp.
Sindrome de Hellp.
Edgar Acosta
 
Síndrome de Hellp e Caxumba
Síndrome de Hellp e CaxumbaSíndrome de Hellp e Caxumba
Síndrome de Hellp e Caxumba
Andréa Rodrigues
 
Sindrome de HELLP
Sindrome de HELLPSindrome de HELLP
Sindrome de HELLP
EdgardoLeonor
 
Sindrome de HELLP
Sindrome de HELLPSindrome de HELLP
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaidesPuerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Francikelly Gonçalves
 
Síndrome Hellp
Síndrome HellpSíndrome Hellp
Síndrome Hellp
casinoroyal
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Juan Figueiredo
 
Saúde bucal em gestantes
Saúde bucal em gestantesSaúde bucal em gestantes
Saúde bucal em gestantes
PET - Odontologia UFPR
 
Saude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebeSaude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebe
barbaralourenco
 
Hormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualHormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrual
Miryan Carneiro
 
Sindrome hellp 1
Sindrome hellp 1Sindrome hellp 1
Sindrome hellp 1
Karina Santiago Cruz
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
LASM_UIT
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal

Destaque (20)

Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Patologias gestacionais
Patologias gestacionaisPatologias gestacionais
Patologias gestacionais
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
 
Casos clínicos e questões
Casos clínicos e questõesCasos clínicos e questões
Casos clínicos e questões
 
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperioManual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Sindrome de Hellp.
Sindrome de Hellp.Sindrome de Hellp.
Sindrome de Hellp.
 
Síndrome de Hellp e Caxumba
Síndrome de Hellp e CaxumbaSíndrome de Hellp e Caxumba
Síndrome de Hellp e Caxumba
 
Sindrome de HELLP
Sindrome de HELLPSindrome de HELLP
Sindrome de HELLP
 
Sindrome de HELLP
Sindrome de HELLPSindrome de HELLP
Sindrome de HELLP
 
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaidesPuerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
 
Síndrome Hellp
Síndrome HellpSíndrome Hellp
Síndrome Hellp
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
 
Saúde bucal em gestantes
Saúde bucal em gestantesSaúde bucal em gestantes
Saúde bucal em gestantes
 
Saude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebeSaude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebe
 
Hormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualHormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrual
 
Sindrome hellp 1
Sindrome hellp 1Sindrome hellp 1
Sindrome hellp 1
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 

Semelhante a Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)

Hipertensaogesta2018
Hipertensaogesta2018Hipertensaogesta2018
Hipertensaogesta2018
Luzia Muananda
 
Patologia obstetricia 2016
Patologia obstetricia  2016Patologia obstetricia  2016
Patologia obstetricia 2016
angelalessadeandrade
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
VitriaMaria56
 
Resumos 2
Resumos 2Resumos 2
Protocolo Obstetricia
Protocolo Obstetricia Protocolo Obstetricia
Protocolo Obstetricia
Centro Universitário Ages
 
DDP
DDP DDP
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
Nayara Wanderley
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
Thiago Henrique
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
MariaRuthBacelar1
 
Patologia obstetricia 2014
Patologia obstetricia  2014Patologia obstetricia  2014
Patologia obstetricia 2014
angelalessadeandrade
 
Artigo dmg
Artigo dmgArtigo dmg
Artigo dmg
Helton Everton
 
Hipertensão arterial na gravidez e tpn.pptx
Hipertensão arterial na gravidez e tpn.pptxHipertensão arterial na gravidez e tpn.pptx
Hipertensão arterial na gravidez e tpn.pptx
denZenilim
 
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.pptDOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
OsvaldoLookho1
 
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Dengue gravidez
Dengue   gravidezDengue   gravidez
Dengue gravidez
adrianomedico
 
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
hospitalaresarquivos
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
Eluisa Silva
 
EUM
EUMEUM

Semelhante a Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg) (20)

Hipertensaogesta2018
Hipertensaogesta2018Hipertensaogesta2018
Hipertensaogesta2018
 
Patologia obstetricia 2016
Patologia obstetricia  2016Patologia obstetricia  2016
Patologia obstetricia 2016
 
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptxAssistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
Assistência pré-natal de baixo e alto risco-1.pptx
 
Resumos 2
Resumos 2Resumos 2
Resumos 2
 
Protocolo Obstetricia
Protocolo Obstetricia Protocolo Obstetricia
Protocolo Obstetricia
 
DDP
DDP DDP
DDP
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdfIntercorrências Clinicas na gestação.pdf
Intercorrências Clinicas na gestação.pdf
 
Patologia obstetricia 2014
Patologia obstetricia  2014Patologia obstetricia  2014
Patologia obstetricia 2014
 
Artigo dmg
Artigo dmgArtigo dmg
Artigo dmg
 
Hipertensão arterial na gravidez e tpn.pptx
Hipertensão arterial na gravidez e tpn.pptxHipertensão arterial na gravidez e tpn.pptx
Hipertensão arterial na gravidez e tpn.pptx
 
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.pptDOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
DOENÇA HIPERTENSIVA NA GRAVIDEZ e suas complicacoes.ppt
 
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
 
Dengue gravidez
Dengue   gravidezDengue   gravidez
Dengue gravidez
 
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
 
Gravidez nos CSP
Gravidez nos CSPGravidez nos CSP
Gravidez nos CSP
 
EUM
EUMEUM
EUM
 

Mais de SMS - Petrópolis

Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
SMS - Petrópolis
 
Sexualidade e Adolescência
Sexualidade e AdolescênciaSexualidade e Adolescência
Sexualidade e Adolescência
SMS - Petrópolis
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
SMS - Petrópolis
 
Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03
SMS - Petrópolis
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
SMS - Petrópolis
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
SMS - Petrópolis
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Estudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: EscabioseEstudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: Escabiose
SMS - Petrópolis
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
SMS - Petrópolis
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
SMS - Petrópolis
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
SMS - Petrópolis
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
SMS - Petrópolis
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
SMS - Petrópolis
 

Mais de SMS - Petrópolis (13)

Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Sexualidade e Adolescência
Sexualidade e AdolescênciaSexualidade e Adolescência
Sexualidade e Adolescência
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Estudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: EscabioseEstudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: Escabiose
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 

Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)

  • 1. Doença Hipertensiva Específica da Gravidez (DHEG) Pré-eclampsia/Eclampsia Enfermeira Professora: Adriana Rodrigues do Carmo  Introdução  Dados epidemiológicos  Pré-eclampsia leve/grave/eclampsia  Classificação da pré-eclâmpsia e hipertensão relacionada à gravidez  Critério de diagnóstico para pré-eclampsia  Critérios para interrupção da gestação  Conduta  Investigação  Diagnóstico e Planejamento de Enfermagem
  • 2. Introdução • A DHEG é a doença mais importante em Obstetrícia, incidindo em cerca de 10% das primíparas. • É a maior causa de mortalidade materna e perinatal. • A mortalidade materna no Brasil é problema de saúde pública. Segundo o Fundo de População da ONU (2003) atinge 74,5 por 100.000 nascidos vivos. É a 4ª pior da América Latina, inferior apenas ao Haiti, Bolívia e Peru.
  • 3. Dados Epidemiológicos 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 7000 Lista Morbidade DHEG Período:2011 Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 Categoria CID-10: O15 Eclampsia Óbitos maternos Período: 2011
  • 4. Pré-eclampsia leve Síndrome multissistêmica Pressão Arterial Proteinúria da 20 semana de gestação até 12 semanas após o parto Podendo incluir outros sintomas associados como: Edema; Distúrbios Visuais; Cefaléia e Dor epigástrica
  • 5. Pré-eclampsia grave Caracteriza-se quando um ou mais, dos critérios a seguir, estiverem presentes: PA ≥ 160/110 mmHg em duas ocasiões espaçadas em 4h, com proteinúria; Oligúria < 500 ml/24h; Distúrbios cerebrais ou visuais; Edema de pulmão ou cianose; Dor epigástrica ou no quadrante superior direito; Síndrome HELLP (Hemólise, Enzimas hepáticas elevadas e Trombocitopenia) Crescimento intra-uterino restrito (CIR) grave e/ou oligodramnia.
  • 6. Eclampsia Presença de convulsão em mulheres com Pré-eclampsia leve ou grave.  A convulsão também pode ser causada por outros fatores, e é chamada de não eclamptogênica.
  • 7. Classificação da pré-eclâmpsia e hipertensão relacionada à gravidez Mulheres grávidas PA: >140/90 mmHg ≥ 20 semanas de gestação?Sim NãoProteinúria? Proteinúria? Sim Não Nova ou aumentada Não ou estável Hipertensão gestacional PA: >160/110mmHg? Proteinúria: > 5g/24h? Pré-eclampsia grave Pré-eclampsia leve Pré-eclampsia sobreposta à hipertensão Hipertensão crônica Sim Não Convulsões Eclampsia
  • 8. Critério de diagnóstico para pré-eclampsia PA Sistólica (mmHg) PA Diastólica (mmHg) Proteinúria (g/24h) Pré-eclampsia leve >140 > 90 > 0,3 Duas aferições com, pelo menos, 4 horas de intervalo. Pré-eclampsia grave >160 >110 > 5,0 Leve ou Grave
  • 9. Critérios para interrupção da gestação Gestante com DHEG Avaliar vitalidade fetal > 28 semanas: Movimentos fetais, cardiotocografia, perfil biofísico fetal Não comprometida Comprometida Avaliação Fetal Interromper a gestação Reavaliações: Semanais se pré-termo, 2 a 3 x por semana, se a termo Avaliação Fetal Não comprometida Aguardar trabalho de parto Comprometida
  • 10. Conduta Pré- eclampsia leve Com PA ≥ 100 mmHg avaliar internação e uso de hipotensores; • Obs: Entre 26 e 34 semanas, usar corticóide quando indicada a interrupção da gestação. Pré- eclampsia grave Controle PA: • Hidralazina – 5 mg, IV – repetida a cada 20 minutos até o máximo de 50 mg; ou • Nifedipina – diluir 1 cápsula em 10 ml de água destilada e dar 5 gotas sublingual, a cada 5 minutos; • Controle rigoroso da PA a cada 10 minutos. Iminência de eclâmpsia: • Sulfato de magnésio hepta-hidratado; • Dose de ataque: 4 g, EV lento, ±10 min, a 20%; • Dose de manutenção: 2 g, EV, a cada 2 horas, a 20%.
  • 11. Conduta Eclampsia Esquema de ZUSPAN (venoso) Dose de Ataque: Sulfato de Magnésio (SM) a 20% - 5 g = 25 ml IV lento Dose de Manutenção: SM1 a 2 g / hora. Em bomba infusora pode-se fazer assim: SM a 50% 20 ml + 480 ml de soro glicosado a 5%, correr 50 a 100 ml / hora. Esquema de PRITCHARD ( intramuscular) Dose de Ataque: SM a 20% - 4 g = 20 ml IV lento SM à 50% - 10 g = 20 ml IM Dose de manutenção: SM a 50% - 5g = 10 ml IM de 4/4 horas
  • 12. Conduta Nos dois esquemas existe o risco de parada respiratória, provocada pela hipermagnesemia. Esse efeito tóxico deve ser controlado através da manutenção dos seguintes sinais clínicos: 1. freqüência respiratória [maior ou igual a] 16 irpm, 2. diurese [maior ou igual a] 25 ml / hora, 3. reflexo patelar presente. A terapêutica corretora do efeito tóxico é a aplicação intravenosa de 1 grama de gluconato de cálcio a 10% (= 10 ml), que deve ser mantido na cabeceira do leito para casos de emergência.
  • 13. Conduta Após estabilização do quadro, interromper a gestação pela via mais rápida.
  • 14. Investigação Coleta de dados  Anamnese coletando dados que possam incluir a gestante no grupo de risco para a DHEG, como: nuliparidade, gemelaridade, obesidade, hipertensão prévia, história familiar, diabetes gestacional, doença renal, Exame físico atentando-se para edema em membros superiores e inferiores, até mesmo anasarca;  Sinais vitais;  Revisão do prontuário com evolução de Enfermagem e obstétrica;  Exames complementares, incluindo EAS para pesquisa de Proteínas;
  • 15. Diagnóstico de Enfermagem  Risco de infecção relacionado aos procedimentos invasivos,  Dor aguda, relacionada a agentes lesivos (biológicos, físicos, psicológicos),  Volume de líquidos excessivo relacionado à retenção em função da DHEG,  Baixa auto-estima situacional relacionada a gravidez,  Privação do sono relacionada à ansiedade, à mudança de ambiente e ao desconforto físico,  Risco de função hepática prejudicada relacionada à complicação da DHEG,  Eliminação urinária prejudicada relacionada às alterações da gravidez e complicações da DHEG,  Ansiedade relacionada à mudança no estado de saúde.
  • 16. Diagnóstico de Enfermagem e Planejamento Diagnóstico Planejamento Volume de líquidos excessivo relacionado à retenção em função da DHEG Avaliar a localização e extensão do edema, Pesar diariamente a paciente, Manter registro preciso da ingestão e da eliminação, Monitorar o estado de hidratação (mucosas úmidas adequação das pulsações e pressão sanguínea ortostática), Monitorar sinais vitais, Monitorar valores séricos e urinários de eletrólitos e proteínas, Monitorar indicadores de sobrecarga/retenção de líquidos (crepitação, distensão de veia jugular), Monitorar busca de manifestações neuromusculares de hipermagnesemia (fraqueza ao afastar reflexos dolorosos profundos, paralisia muscular e musculatura flácida).
  • 17. Diagnóstico Planejamento Risco de função hepática prejudicada relacionada à complicação da DHEG Monitorar resultados de exames laboratoriais de função hepática (TGO, TGP, bilirrubina), Identificar sinais e sintomas de complicações hepáticas (dor no hipocôndrio direito, palidez, icterícia), Orientar dieta normossódica e hiperproteica, Promover repouso. Diagnóstico Planejamento Eliminação urinária prejudicada relacionada a alterações fisiológicas da gravidez e complicações da DHEG. Monitorar ingestão e eliminação de líquidos, Realizar sondagem conforme prescrição médica, Orientar a paciente/família a registrar o débito urinário, Monitorar a eliminação urinária, incluindo a frequência, a consistência, o odor, o volume e a cor, Monitorar sinais e sintomas de retenção urinária Diagnóstico de Enfermagem e Planejamento
  • 18. Referências • MONTENEGRO, Rezende. Obstetrícia fundamental. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. • MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde Atenção ao pré-natal, parto e puerpério: protocolo Viva Vida. 2 ed. Belo Horizonte: SAS/SES, 2006. 84 p. • AGUIAR, M. et All. Sistematização da Assistência de Enfermagem a paciente com síndrome hipertensiva especifica da gestação. Rev. Rene. Fortaleza, v. 11, n. 4, p. 66-75, out./dez.2010. • North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2009-2011. Porto Alegre: Artmed; 2009. • http://www.aacc.org/publications/cln/2010/February/Pages/series0210.aspx# com acesso em 24/02/2012 às 14:30h.