SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
A Importância da
Tolerância à
Frustração nos
Transtornos de
Humor
APTANúcleo de Mútua Ajuda às Pessoas
com Transtornos Afetivos
Psicóloga Roberta Ladislau
O que é a tolerância à frustração?
 A frustração está relacionada à satisfação de
alguma necessidade emocional.
 A tolerância à frustração é a atitude da pessoa
suportar frustração sem perder sua adaptação
psicológica, em outras palavras, sem recorrer
a tipos de respostas inadequadas.
Ferreira & Capitão, 2010.
Transtornos de humor e frustração
 Distorções na interpretação: olhar negativo
 Rigidez de pensamento
 Autocrítica excessiva
 Baixa auto-estima
 Agressividade
 Sentimento intenso: angústia
 Comportamento reativo e impulsivo
 Histórico de muitas frustrações
Quais as fontes de frustração?
 Nós mesmos
– E se eu não conseguir?
– Quem vai querer ficar com alguém como eu?
– Tenho de ser amado e aceito pelas pessoas
– É terrível para mim quando as coisas não seguem
pelo caminho que eu gostaria
– É mais fácil evitar afrontar certas dificuldades e
responsabilidades da vida...
Quais as fontes de frustração?
 Os outros
– As críticas: como fazê-las?
– A família: o controle, a invasão
– A opinião do outro:
• É difícil atender as expectativas dos meus pais...
• O que que os outros vão pensar?
• As pessoas deveriam funcionar melhor
 Situações adversas – enfrentamento,
amadurecimento
As consequências....
 Vergonha
 Arrependimento
 Sofrimento
 Baixa auto-estima
 Depressão
 Conflitos interpessoais – inserção do outro
Como administrar a frustração?
 Diminuindo a EXPECTATIVA!
 Expectativa:
= O que eu espero dessa pessoa/situação?
= Eu devo esperar isso? (re-dimensionar)
= Qual é a minha necessidade emocional?
Como administrar a frustração?
 Autoconhecimento – emoções, pensamentos e
comportamentos
– fuga da dor, incluindo os mecanismos de defesa, as
negações, compensações, etc,
– Diferença entre personalidade e transtorno do humor
 Auto-observação – emoções, pensamentos e
comportamentos
– Manutenção ou rompimento de padrões?
 Autoinstrução adequada
 Observação e descrição da situação/contexto
Caballo, 2012.
Como administrar a frustração?
 “Meu familiar me diz coisas horríveis. Se acha
no direito de se meter na minha vida porque
sou bipolar.”
Desrespeito Desconfiança Desconsideração
Conduta
invasiva
Padrão
Como administrar a frustração?
 Considere a possibilidade de:
 Dizer “não” ou assumir uma posição: todos tem o
direito de discordar com respeito.
 Pedir que o outro mude o comportamento:
“Gostaria que você agisse dessa maneira nessa
situação.”
 Defender os próprios direitos: a sua opinião é
válida e tem que ser tratada com respeito.
 Expressar o seu sentimento.
Caballo, 2012.
Como administrar a frustração?
 Autocontrole:
 É a capacidade de controlar as emoções e desejos.
 É a capacidade de gestão de uma pessoa para seu
futuro.
 Escolha
 Priorização
 Análise de consequências
Como administrar a frustração?
 Você pode escolher:
 Assumir sua responsabilidade na situação;
 Quais pensamentos são mais produtivos;
 Qual a melhor consequência;
 Ser justo na sua análise;
 Aprender com a situação;
 Qual será o impacto das experiências em você;
 Permanecer do jeito que está ou mudar!
Como administrar a frustração?
Frustração
Conduta
Impulsiva
Conduta
Autocontrolada
Gritar com
o outro
Consequência
imediata: alívio
imediato da angústia
Conflito e frustração
Como você
e o outro se
sentiriam
nessa
situação?
Se acalmar e
analisar a situação
Consequência a
médio/longo prazo:
resolver o problema
E aqui?
Como administrar a frustração?
Manter-se sereno e apto
para escutar o outro é
um grande passo para
resolver as necessidades
emocionais de forma
adaptativa.
14
Autocontrole
Controlar as emoções
significa executar um
processo cognitivo
complexo relacionado à
regulação do
comportamento.
Ladislau, 2009.
Como administrar a frustração?
“defender os direitos pessoais e de expressar
pensamentos, sentimentos e crenças de
forma honesta, direta e apropriada, sem
violar os direitos da outra pessoa” (p.7).
Lange & Jakubowski (1976), citado por Falcone (2000, p. 2) e por Bandeira, Quaglia,
Bachetti, Ferreira & Souza (2005, p. 112)
Comunicação assertiva
O Comportamento Assertivo
 É um tipo de habilidade
social envolvida no processo
de comunicação com o
outro.
 A linguagem e a fala fazem o
papel mediador da
comunicação, ao invés da
agressão.
 Escutamos e somos
escutados.
16
Comunicação assertiva
A Importância do Comportamento Assertivo
 Facilidade na solução de problemas
interpessoais,
 Aumento da autoeficácia e da autoestima e
 Melhora na qualidade dos relacionamentos.
Leme (2004); Damásio, citado por Darwich (2005) 17
Por que se comportar assim?
A Importância do Comportamento
Assertivo
 Avaliar se as informações são favoráveis a sua
colocação ou não.
 A análise da situação tem uma grande carga
subjetiva, pois está enviesado pelas crenças,
estereótipos e traços de personalidade do
indivíduo. Esses fatores influenciarão tanto na
percepção dos estímulos quanto no julgamento
deles.
Del Prette & Del Prette (2003) 18
19
Conflito
Sim
Identificar os
estímulos ambientais
Devo me posicionar?
Categorizar e julgar
Não
Conversar
Organizar o
pensamento
Observar a reação
do outro
Auto-regulação
Ser empático
Identificar as
informações
Analisá-las
Controlar a
emoção
Ladislau, 2009.
Por que se esforçar tanto?
Recuperar o bem estar
da pessoa através do
controle dos sintomas,
estabilizando o humor e
devolvendo-lhe a
funcionalidade.
Abrata - SP
Muito obrigada!
robertaladislau@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
O que é bully
O que é bullyO que é bully
O que é bully
yasmin150
 

Mais procurados (20)

Comunicação não-violenta
Comunicação não-violentaComunicação não-violenta
Comunicação não-violenta
 
Como lidar com as frustrações da vida
Como lidar com as frustrações da vidaComo lidar com as frustrações da vida
Como lidar com as frustrações da vida
 
Saúde emocional da mulher
Saúde emocional da mulherSaúde emocional da mulher
Saúde emocional da mulher
 
Técnicas de relaxamento
Técnicas de relaxamentoTécnicas de relaxamento
Técnicas de relaxamento
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
 
Dependência a internet, modelo de Young,K.
Dependência a internet, modelo de Young,K.Dependência a internet, modelo de Young,K.
Dependência a internet, modelo de Young,K.
 
Violência contra a mulher
Violência contra a mulherViolência contra a mulher
Violência contra a mulher
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Comunicação Não Violenta: Roda de Conversa
Comunicação Não Violenta: Roda de ConversaComunicação Não Violenta: Roda de Conversa
Comunicação Não Violenta: Roda de Conversa
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
O que é bully
O que é bullyO que é bully
O que é bully
 
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violentaComunicando com efetividade com Comunicação não violenta
Comunicando com efetividade com Comunicação não violenta
 
O Corpo Fala
O Corpo FalaO Corpo Fala
O Corpo Fala
 
Gestão conflitos
Gestão conflitosGestão conflitos
Gestão conflitos
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Comunicação Não Violenta
Comunicação Não ViolentaComunicação Não Violenta
Comunicação Não Violenta
 

Destaque

Como Lidar com as Frustrações - Sêneca
Como Lidar com as Frustrações - SênecaComo Lidar com as Frustrações - Sêneca
Como Lidar com as Frustrações - Sêneca
Valéria Ribeiro
 
Amor é enígma - Arthur da Távola
Amor é enígma - Arthur da TávolaAmor é enígma - Arthur da Távola
Amor é enígma - Arthur da Távola
Mima Badan
 
Ilusão o principal ingrediente da frustração
Ilusão o principal ingrediente da frustraçãoIlusão o principal ingrediente da frustração
Ilusão o principal ingrediente da frustração
vanderleicruz
 
Gianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo I
Gianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo IGianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo I
Gianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo I
Carina Lopes
 
Ana Catariba Fernandes - As cores
Ana Catariba Fernandes  - As coresAna Catariba Fernandes  - As cores
Ana Catariba Fernandes - As cores
Carina Lopes
 
gestão de comunicação
gestão de comunicaçãogestão de comunicação
gestão de comunicação
Sergio Padua
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
psimais
 
Tipos de reuniões
Tipos de reuniõesTipos de reuniões
Tipos de reuniões
Fdtensino
 
Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)
Patrícia Morais
 

Destaque (20)

Frustracao e conflito
Frustracao e conflitoFrustracao e conflito
Frustracao e conflito
 
Desenvolvimento pessoal: Lidar com a frustração
Desenvolvimento pessoal: Lidar com a frustraçãoDesenvolvimento pessoal: Lidar com a frustração
Desenvolvimento pessoal: Lidar com a frustração
 
Como Lidar com as Frustrações - Sêneca
Como Lidar com as Frustrações - SênecaComo Lidar com as Frustrações - Sêneca
Como Lidar com as Frustrações - Sêneca
 
10 dicas para superar as frustrações
10 dicas para superar as frustrações10 dicas para superar as frustrações
10 dicas para superar as frustrações
 
Amor é enígma - Arthur da Távola
Amor é enígma - Arthur da TávolaAmor é enígma - Arthur da Távola
Amor é enígma - Arthur da Távola
 
Ilusão o principal ingrediente da frustração
Ilusão o principal ingrediente da frustraçãoIlusão o principal ingrediente da frustração
Ilusão o principal ingrediente da frustração
 
Conflito
ConflitoConflito
Conflito
 
João Rocha
João RochaJoão Rocha
João Rocha
 
Gianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo I
Gianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo IGianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo I
Gianluca - Proposta de trabalho 3 - Módulo I
 
Ana Catariba Fernandes - As cores
Ana Catariba Fernandes  - As coresAna Catariba Fernandes  - As cores
Ana Catariba Fernandes - As cores
 
Apresentação CA
Apresentação  CAApresentação  CA
Apresentação CA
 
gestão de comunicação
gestão de comunicaçãogestão de comunicação
gestão de comunicação
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Irena Send..
Irena Send..Irena Send..
Irena Send..
 
ESTRESSE
ESTRESSEESTRESSE
ESTRESSE
 
Estilo Predominante de Comunicacao
Estilo Predominante de ComunicacaoEstilo Predominante de Comunicacao
Estilo Predominante de Comunicacao
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertivaComunicação interpessoal comunicação assertiva
Comunicação interpessoal comunicação assertiva
 
Tipos de reuniões
Tipos de reuniõesTipos de reuniões
Tipos de reuniões
 
Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)Risco psicossocial (stress)
Risco psicossocial (stress)
 

Semelhante a A importância da tolerância à frustração nos transtornos

Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Gislene Isquierdo
 
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Fernanda Freitas
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
enfanhanguera
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
enfanhanguera
 
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docxcartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
AuriceliaRosa
 

Semelhante a A importância da tolerância à frustração nos transtornos (20)

Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina  2.2
Desenvolvimento de Lideranças - Arquidiocese de Londrina 2.2
 
COMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdf
COMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdfCOMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdf
COMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdf
 
Lidando com a agressividade do outro
Lidando com a agressividade do outroLidando com a agressividade do outro
Lidando com a agressividade do outro
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Motivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocionalMotivação e inteligência emocional
Motivação e inteligência emocional
 
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
Osegredoparaserelacionarcompessoasdifceis 120527184553-phpapp01
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
 
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceisO segredo para se relacionar com pessoas difíceis
O segredo para se relacionar com pessoas difíceis
 
Afectividade
AfectividadeAfectividade
Afectividade
 
Apresentação.pdf
Apresentação.pdfApresentação.pdf
Apresentação.pdf
 
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docxcartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
 
As Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência EmocionalAs Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência Emocional
 
Apoio Emocional
Apoio EmocionalApoio Emocional
Apoio Emocional
 
Boletim coaching junho 2015
Boletim coaching   junho 2015Boletim coaching   junho 2015
Boletim coaching junho 2015
 
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalhoPalestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
Palestra inteligência emocional no combate ao stress no trabalho
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
inteligência emocional VER 8.ppt questões sobre
inteligência emocional VER 8.ppt questões sobreinteligência emocional VER 8.ppt questões sobre
inteligência emocional VER 8.ppt questões sobre
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresaAnálise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
Análise transacional para o desenvolvimento pessoal e/ou da empresa
 

A importância da tolerância à frustração nos transtornos

  • 1. A Importância da Tolerância à Frustração nos Transtornos de Humor APTANúcleo de Mútua Ajuda às Pessoas com Transtornos Afetivos Psicóloga Roberta Ladislau
  • 2. O que é a tolerância à frustração?  A frustração está relacionada à satisfação de alguma necessidade emocional.  A tolerância à frustração é a atitude da pessoa suportar frustração sem perder sua adaptação psicológica, em outras palavras, sem recorrer a tipos de respostas inadequadas. Ferreira & Capitão, 2010.
  • 3. Transtornos de humor e frustração  Distorções na interpretação: olhar negativo  Rigidez de pensamento  Autocrítica excessiva  Baixa auto-estima  Agressividade  Sentimento intenso: angústia  Comportamento reativo e impulsivo  Histórico de muitas frustrações
  • 4. Quais as fontes de frustração?  Nós mesmos – E se eu não conseguir? – Quem vai querer ficar com alguém como eu? – Tenho de ser amado e aceito pelas pessoas – É terrível para mim quando as coisas não seguem pelo caminho que eu gostaria – É mais fácil evitar afrontar certas dificuldades e responsabilidades da vida...
  • 5. Quais as fontes de frustração?  Os outros – As críticas: como fazê-las? – A família: o controle, a invasão – A opinião do outro: • É difícil atender as expectativas dos meus pais... • O que que os outros vão pensar? • As pessoas deveriam funcionar melhor  Situações adversas – enfrentamento, amadurecimento
  • 6. As consequências....  Vergonha  Arrependimento  Sofrimento  Baixa auto-estima  Depressão  Conflitos interpessoais – inserção do outro
  • 7. Como administrar a frustração?  Diminuindo a EXPECTATIVA!  Expectativa: = O que eu espero dessa pessoa/situação? = Eu devo esperar isso? (re-dimensionar) = Qual é a minha necessidade emocional?
  • 8. Como administrar a frustração?  Autoconhecimento – emoções, pensamentos e comportamentos – fuga da dor, incluindo os mecanismos de defesa, as negações, compensações, etc, – Diferença entre personalidade e transtorno do humor  Auto-observação – emoções, pensamentos e comportamentos – Manutenção ou rompimento de padrões?  Autoinstrução adequada  Observação e descrição da situação/contexto Caballo, 2012.
  • 9. Como administrar a frustração?  “Meu familiar me diz coisas horríveis. Se acha no direito de se meter na minha vida porque sou bipolar.” Desrespeito Desconfiança Desconsideração Conduta invasiva Padrão
  • 10. Como administrar a frustração?  Considere a possibilidade de:  Dizer “não” ou assumir uma posição: todos tem o direito de discordar com respeito.  Pedir que o outro mude o comportamento: “Gostaria que você agisse dessa maneira nessa situação.”  Defender os próprios direitos: a sua opinião é válida e tem que ser tratada com respeito.  Expressar o seu sentimento. Caballo, 2012.
  • 11. Como administrar a frustração?  Autocontrole:  É a capacidade de controlar as emoções e desejos.  É a capacidade de gestão de uma pessoa para seu futuro.  Escolha  Priorização  Análise de consequências
  • 12. Como administrar a frustração?  Você pode escolher:  Assumir sua responsabilidade na situação;  Quais pensamentos são mais produtivos;  Qual a melhor consequência;  Ser justo na sua análise;  Aprender com a situação;  Qual será o impacto das experiências em você;  Permanecer do jeito que está ou mudar!
  • 13. Como administrar a frustração? Frustração Conduta Impulsiva Conduta Autocontrolada Gritar com o outro Consequência imediata: alívio imediato da angústia Conflito e frustração Como você e o outro se sentiriam nessa situação? Se acalmar e analisar a situação Consequência a médio/longo prazo: resolver o problema E aqui?
  • 14. Como administrar a frustração? Manter-se sereno e apto para escutar o outro é um grande passo para resolver as necessidades emocionais de forma adaptativa. 14 Autocontrole Controlar as emoções significa executar um processo cognitivo complexo relacionado à regulação do comportamento. Ladislau, 2009.
  • 15. Como administrar a frustração? “defender os direitos pessoais e de expressar pensamentos, sentimentos e crenças de forma honesta, direta e apropriada, sem violar os direitos da outra pessoa” (p.7). Lange & Jakubowski (1976), citado por Falcone (2000, p. 2) e por Bandeira, Quaglia, Bachetti, Ferreira & Souza (2005, p. 112) Comunicação assertiva
  • 16. O Comportamento Assertivo  É um tipo de habilidade social envolvida no processo de comunicação com o outro.  A linguagem e a fala fazem o papel mediador da comunicação, ao invés da agressão.  Escutamos e somos escutados. 16 Comunicação assertiva
  • 17. A Importância do Comportamento Assertivo  Facilidade na solução de problemas interpessoais,  Aumento da autoeficácia e da autoestima e  Melhora na qualidade dos relacionamentos. Leme (2004); Damásio, citado por Darwich (2005) 17 Por que se comportar assim?
  • 18. A Importância do Comportamento Assertivo  Avaliar se as informações são favoráveis a sua colocação ou não.  A análise da situação tem uma grande carga subjetiva, pois está enviesado pelas crenças, estereótipos e traços de personalidade do indivíduo. Esses fatores influenciarão tanto na percepção dos estímulos quanto no julgamento deles. Del Prette & Del Prette (2003) 18
  • 19. 19 Conflito Sim Identificar os estímulos ambientais Devo me posicionar? Categorizar e julgar Não Conversar Organizar o pensamento Observar a reação do outro Auto-regulação Ser empático Identificar as informações Analisá-las Controlar a emoção Ladislau, 2009.
  • 20. Por que se esforçar tanto? Recuperar o bem estar da pessoa através do controle dos sintomas, estabilizando o humor e devolvendo-lhe a funcionalidade. Abrata - SP