SlideShare uma empresa Scribd logo
Estados de EGO,
dISSOCIAÇÃO E
tRAUMA
André Monteiro, PhD
Defesas-transtorno = princípio das quantidades
Prazer em me conhecer
Olhe para dentro. Observe como se senta em sua cadeira e que você é
adulto, tem fronteiras e habilidades profissionais. Reconheça como você
tem uma perspectiva mais ampla das coisas. Pense em como você age
com seus pacientes, faz compras, paga contas, dirige o carro e comporta-
se como adulta em seus relacionamentos.
Agora mergulhe um pouco mais, e ainda neste papel de adulto
competente, encontre a criança dentro de você. Observe como ela capta
sua curiosidade, a necessidade dela de receber amor e aprovação e, para
muitas de vocês, já que escolheram esta profissão, a necessidade de
observar e cuidar dos outros.
Quando tiver encontrado essa parte aí dentro, olhe para ela e sinta seu
olhar. observe se essa criança precisa de seu cuidado, de ser alimentada,
protegida, de dormir e de ser amada, ser mantida perto de outras
pessoas amáveis e tudo o que uma pessoa precisa.
Você se compromete a cuidar dessa criança dentro de você? e de manter
essa criança afastada de situações em que você precisa estar e agir como
adulta?
Agora quero que se imagine vivenciando um dia normal, lidando com
coisas de adulto e protegendo essa criança. Assegure-se de que essa
criança esteja cuidada, alimentada, hidratada, com sono repousante e
entretida. Assegure-se de que essa adulta mantenha a criança afastada
dos contextos que demandam comportamento adulto.
Vivencie esse dia deixando que sua parte adulta decida quais fronteiras
devem ser mantidas em relação a seu trabalho, suas famílias e as
necessidades dos outros.
Quando estiver pronta, abrace essa criança interior, sinta o coração dela
batendo em seu coração e os pulmões dela respirando com você.
Retorne integralmente ao seu ambiente.
Passos = Mudamos de estado fechando os olhos; acessamos a parte
adulta funcional, incluindo um papel adulto; acessamos um estado
criança e normalizamos suas funções; conectamos os dois estados;
colocamos a parte adulta no comando e atribuímos a responsabilidade
pelo estado criança; para algumas de vocês proporcionamos uma visão
de autocuidado e de limites; e integramos parcialmente a parte interior,
antes de retornar para o aqui e agora. Para algumas de vocês pode ter
sido mais fácil lidar com essa criança do que para outras.
Estados de Ego recursados
Partes adultas, parentais, profissionais, sexuais, intelectuais,
orientadas para o presente;
Partes nutridoras de autocuidado e cuidado com os outros, a partir de
modelos de cuidado;
Partes protetoras, que estabelecem limites, assertivas, habilidade para
enfrentar conflitos, sabedoras de quando lutar (e quando fugir);
Partes mais espirituais, que transcendem o momento e organizam a
identidade de base;
Partes com habilidades específicas, técnicas, para funcionamento
diário
Estados de Ego disfuncionais
Partes não alinhadas com comportamentos adaptativos, emoçoes e
conceitos sobre o presente (podem ser mais dissociativas);
Estados protetores, mobilizados: hiperalertas, apavorados e prontos
para fugir, raivosos e prontos para lutar, inadequados ao presente;
Estados imobilizados:desamparado/ desesperançado, inerte,
deprimido, cheios de vergonha;
Introjetos - inspirados pelos cuidadores disfuncionais ou por
abusadores
Estados inexistentes
Estados de ego disfuncionais não
dissociados
Pânico diante de apresentação pública:
Que idade tem essa criança que está com medo de passar por essa
experiência?
O que sua parte adulta sabe que essa criança não sabe?
Que parte sabe mais sobre essa apresentação?
Então qual parte você vai mandar para a apresentação?
O que fazemos com a parte criança?
Mitos sobre pacientes dissociativos
1
Sintomas dissociativos significam um transtorno grave –
quem nunca se perdeu emocionalmente dentro de um
romance ou filme; sonhar acordado enquanto dirige – não
se lembrar de parte do caminho; ter um branco e não se
lembrar de nome familiar ou distrair-se com parte da
conversa; ficar na dúvida se memória foi sonho ou vivida;
sentir-se observador enquanto algo acontece; sentir que
o tempo não passa, ou passou depressa demais.
2
Transtornos dissociativos são raros – estima-se que
múltiplos sejam 1% da população. Mas e diagnósticos
incorretos (depressão, ansiedade, bipolaridade, psicose,
borderline), que não respondem a medicação.
3
Fácil identificar uma pessoa com transtorno dissociativo
– em geral inteligentes, criativos, corajosos, articulados e
agradáveis. Podem ser profissionais bem-sucedidos,
relacionamentos estáveis, criam filhos e mantêm
trabalhos de grande responsabilidade.
Alguns pacientes se acostumam a viver com
dissociação (resignação), ou acham que todos têm
o mesmo funcionamento (vozes internas,
sensações de despersonalização, desrealização –
tudo é um teatro!
Switching dentro do conforto do consultório e
confiança do terapeuta. Às vezes switching é sutil
(mudança de voz, respiração, linguagem,
comportamento).
Mantêm-se em guarda para evitar detecção, com
estratégias compensatórias – mudança mais
drástica com bebida, mais facilidade em serem
hipnotizados (mudanças de estado emocional)
4
A maioria das memórias de abuso são criadas na terapia -
sobreviventes às vezes têm amnesia parcial de aspectos
do abuso (não se lembrar de detalhes), mas lembram-se
do sentido geral.
5
Uma pessoa verdadeiramente abusada, jamais esqueceria
– pressão para ficar em silêncio pode criar o hábito de
ativar amnésia, principalmente se existe ameaça ao bem-
estar da pessoa/ algum ente querido, despertando receio
e reconhecimento de que não há a quem recorrer; ou
recebe info de que isso é natural, isso não é abuso.
Ênfase em reduzir severidade dos sintomas
dissociativos, em vez de buscar por memórias
específicas
Com frequência existem momentos de lembrança,
alternados com esquecimentos: lembrando-se de
esquecer e esquecendo-se de lembrar.
Pelo medo, muitas vezes são registradas na
amígdala (memória límbica), não memória com
narrativa coerente: não são recuperadas e sim
intrusivas.
Fatores que predispõem à amnésia: a. Natureza do
evento traumático, b. Sua frequência, c. Idade da
criança
5 sintomas básicos
2. Despersonalização – sentir-se destacado de si, observando-se como
se fosse outra pessoa, desligado de suas emoções, como um robô;
3. Desrealização – senso de que ambiente é irreal, artificial, estranho,
envolvendo pessoas que eram familiares para você;
4. Confusão de identidade – incerteza, conflito sobre quem você é e
qual seu papel
5. Alteração da identidade – mudanças no comportamento, com
vivência mais infantil, com falar com voz diferente, perda de
autocontrole
1. Amnésia;
Origens dos Estados de Ego
1) Diferenciação normal – criança desenvolve repertório comportamental
em relação ao ambiente, membros da família, expectativas do grupo de
referência.
Neste processo observamos diferentes Estados de Ego (Watkins e
Watkins, 1997); papéis x personagens (Berne, 1996)
2) Introjeção de outros significativos e a formação de modelos
interacionais, com o desenvolvimento de papéis sociais, habilidades e
estilos interacionais – repetições no futuro. Mais promessas:
“Não vou criar meus filhos do mesmo jeito como fui criado – nunca vou me
envolver emocionalmente com alguém como minha mãe, pai, cônjuge!”
3) Reação a trauma e/ ou abandono/negligência – criança fica congelada no
tempo-trauma
Possível reativação no futuro, sob estresse extremo, hipnose ou
intervenções terapêuticas mais profundas
4) Todos os anteriores
=> Qual nosso grau de consciência?
Ativando recurso de parte curiosa - jogo
Despertando parte curiosa traumatizada –
plateaus clínicos
Responsabilidade/ defeito – sou burro/ vergonha – como você não sabe
isso? Faço tudo errado, não mereço
Segurança/ vulnerabilidade – se eu perguntar, vou ser agredido,
humilhado; estou em perigo constante
Poder/ controle/ escolha – não tenho poder, o controle está no outro, não
tenho escolha (de saber)
A parte com vinculação segura – explorador natural
Despertando a curiosidade - Recursando
E se essa parte perguntar sem medo de repreensão? Perguntar 1. A um
colega. Depois em algum momento durante o curso – pergunta mindful –
cada um sabe se a pergunta é terapêutica;
Ou se 2. Essa parte pergunta só para ser vista? Encontrar um nutridor
interno
Precursores da parte curiosa embotada - reduzir curiosidade para se
encaixar ou evitar abuso – não consigo me defender
Quem não carrega um pouco de perturbação social?
Trauma e Dissociação
Multiplicidade e dissociação – fenômenos complementares
Abuso e trauma
Trauma como sinônimo de dissociação  
Partes dissociativas e manifestação dissociativa perturbações no
comportamento, afeto, somático e conhecimento (CASC)
TEPT é fenômeno dissociativo
Indivíduo e Sistema
Indivíduo – self – unidade?
Sistema de partes fechado (tempo do trauma) – as partes não interagem
com outros sistemas – passado perpetua-se no presente
Sistema mais aberto – interação mais fluida com outros sistemas no
presente, mas com exclusão do sistema interno
Paciente dissociativo como resultante de conflito entre sistema fechado
interno e sistema aberto
Objetivos terapêuticos – maior flexibilidade do sistema fechado,
abrindo-se para presente
Cliente complexo - Sistema fechado de partes
Composição enigmática – alguns conhecemos mais, outros menos,
outros não ainda
Paciente com Níveis Diferentes de consciência interna e externa –
dificuldades de “realizar” e personificar
Todo trauma provoca certo nível de dissociação = incapacidade de
integrar o que foi vivido
Terapeuta diante dessa multiplicidade – considerar a conceitualização
dos casos (TEPT simples – foco em memórias)
Partes inteiras (EE), introjetos e fragmentos
Sentimento interior de vazio, isolamento
Começando com as linguagens das partes
Risco de dissociação iatrogênica
Extensão - sutilezas na vida diária e na prática clínica
Variáveis culturais – expectativas (homens/ mulheres/ velhos/
negros/ loiras/ ricos/ inteligentes)
Diagnóstico excessivo ou deficiente – sofrimento desnecessário por
tratamento indevido
Modus operandi de olhar para os clientes – graus diferentes de
integração – recorte paradigmático
TEPT simples e Monitoramento contínuo
pela linguagem de partes – grilo falante
Sinto como se uma parte minha relutasse
Não estou completamente convencido
Tenho essa vozinha aqui dentro que me diz…
Minha intuição me diz…
Não controlo Minha emoção
Essa dor
Essa voz dentro de mim
Esses pensamentos
ÀS vezes tenho uma vontade…
Fase 1- História Clínica
Criar segurança interna e externa, reduzir sintomas, estabilizar
funcionamento na vida diária, forjar primórdios de aliança terapêutica,
conter inundação de memórias traumáticas; estabelecer avaliação
precoce do sistema de partes – mapa interior;
Consequência maior de trauma crônico => capacidade integrativa
deficiente, pacientes sem base para tolerar exposição a memórias
traumáticas no início da terapia.
Ênfase no relacional com terapeuta e partes – identificar e elaborar
defesas.
Pacientes podem chegar com negação de histórico traumático, fobia a
vivência interior, ou o oposto, com descrições pormenorizadas com
detalhes perturbadores, mas sem envolvimento – aconteceu com o
outro (hipo)
Ou ainda impulsividade e oscilação entre partes (hiper)
Há conflito interno, por meio do imperativo de exposição ou de
contenção.
Tentativa de modulação – entrelaçamento cog.: “Como saberia se seu
compartilhar comigo foi excessivo? Se você precisa de mais tempo? De
mais confiança?”
Vontade de proporcionar não
significa capacidade de receber
cuidado.
Psicoeducação em relação a fobias internas
Vamos trabalhar dentro da janela de tolerância e explorar os aspectos
positivos da evitação? Esclarecer:
– “Se há muitas vozes em desespero, talvez tenham medo de se sentirem
abandonadas”;
– “Se elas querem falar todas ao mesmo tempo, talvez não se sintam
ouvidas”;
- “Quando não se sente nada, talvez seja mais fácil monitorar o
ambiente? Comunicar controle ao interior?”;
-”Se dão ordens o tempo todo talvez tenham receio de que você
fraqueje?” Tentam te proteger de pessoas más, abusivas? Preservar
alguma parte mais pura, ingênua?”;
- Quando se é um encouraçado, menos risco de se machucar?”;
- “Quando pessoas são boas, só doam, não devem receber”;
- “Se há divergência de expectativas: sexo ou carinho”
O que acontece quando você apenas ‘pensa a respeito’ de ficar mais
perto dessa ideia? E se pudermos sentir isso por um tempo, mas em
seguida deixarmos de lado? (Knipe, 2014)
Emoção x percepção precisa do perigo
Mindfulness
Fase 1/ Fase 2
Aprender a ficar em Self
Identificar mesclagens de parte com self e aprender a desmesclar
Identificar conflitos internos e proporcionar intermediação
Quem (não) lida com as vivências do passado?
Como contar aos outros o que houve depois de finalizado trabalho
(salvamento de alguma parte e integração, primeiros socorros ou
companhia provisória de cuidador)
Lugar seguro – base segura para um cuidador bom o
suficiente
Onde encontrar essas partes? ฀
Estruturação especial – às vezes é possível
Ponto de encontro – formulação prévia
1. Inicie com os olhos fechados ou abertos, como preferir;
2. Que espaço corresponde a onde você se encontra aqui e agora em sua
vida? Observe o espaço sem julgamento, apenas para encontrar um
ponto de ancoragem, um ponto para retornar que seja externo ao ponto
de encontro;
3. E se você se conectasse com outro espaço, que corresponda a um
espaço interno de encontro, um lugar onde outras partes de você, caso
queiram se apresentar, possam fazê-lo.
Focalize esse espaço; Pode até mesmo ser o espaço inicial. Não há regras
prévias.
Se ficar muito difícil de conectar-se a ele, pode fechar os olhos, mas
mantenha o foco – observe o lugar – cada um tem seu próprio ritmo;
4. Convide as partes e apenas observe, sem julgamento.
5. Se nada aparente ocorrer, não há problema. Apenas observe como se
sente.
6. Se uma parte aparecer, agradeça-a pela presença e veja o que
acontece, com curiosidade. E se incluisse o protetor?
7. E fazer um desenho desse lugar?
Primeiros encontros
Empregar ou não essa abordagem – agir diretamente ou manter um
olhar dissociativo para o caso
Psicoeducação – como falar com paciente? Busca por indícios no
discurso
Não se destroem partes
Paciência com o processo
Linguagem dissociativa – eu sinto/ eu sou? Ela sente
Cognição negativa – caminho racional para as partes
Partes dissociativas na fase 1
Reconhecimento e aceitação de partes dissociativas
Estabelecer e melhorar comunicação, cooperação e compaixão
Partes crianças podem ressurgir e pedir por salvamento – engajar o
adulto (ou parte de melhor funcionamento) para ser responsável pelas
partes – armadilha para o terapeuta
Reduzir medo do perpetrador - partes que simulam / monstros/
autodestrutivas/ enfurecidas / envergonhadas
Curiosidade: qual seu propósito?
Quando foram adaptativas? Busca por colaboração
Dissociação e EMDR
Diferença entre reprocessamento de passado e dinâmica de Sistema
dissociativo – identificação de ritmo do paciente
Insistência em reprocessamento rápido – que tal começar pelo pior e
acabar logo com isso?
Estabilização mesclada com reprocessamento – parceria para todo o
tratamento – como ficam as 8 fases?
Identificação dos padrões de defesas dissociativas
Fases do Protocolo
Construindo abordagem sobre possível dissociação – escuta por
expressões dissociativas – ex. uma parte minha/ uma voz dentro de
mim/ um lado meu.
Precauções com perguntas diretas - Ex. “já pode se despedir do seu pai?”
2 semanas para responder; Dificuldade para dormir – “Não consigo nem
pensar sobre o passado”.
Psicoeducação (não destruição, estabelecer ritmo, tentativas de ajuda)
e emprego de linguagem dissociativa.
Formalização de um registro de Sistema de partes – plano de
tratamento baseado nos plateaus clínicos; princípios de Pierre Janet.
Retomada contínua de mudança de estado – usando a capacidade
dissociativa como estratégia de defesa para lidar com dissociação –
como usar contêiner e formas de se distanciar da experiência.
Checagem continuada do Sistema de partes.
Monitoramento continuado por reações de partes não ouvidas.
Mapeamento contínuo do Sistema interno – novas partes?
Fase 1 - levantamento da história clínica
Fase 2 - processo continuado
Processos de alienação – como restabelecer
conexão entre Self e partes
Contato afetivo com criança interior costuma ser mais comum em
casos de TEPT simples – congelamento de cena que não comprometeu
self (culpa/vergonha)
Responsabilidade indevida normalmente alcança culpa/vergonha – o
que foi feito e o que foi vivido
Fase 2 – preparação continuada do paciente
Partes apresentam necessidades distintas de estabilização, em
especial as partes emocionais que vivenciam o tempo do trauma
A PAN deve ser estabilizada para reduzir a fobia de contato com as Pes
Podemos recorrer à dissociação terapêutica para que o dissociação
automatizada seja reaprendida de modo voluntário
Apoio de um protetor para partes alienadas
Como poderia ser sua parte adulta ser a protetora das demais partes
internas? E se nunca foi acompanhado ou protegido?
Que tal reconhecermos que neste momento não é possível uma
aproximação com essa parte? Posso reconhecer que não estou pronto
para isso e tudo bem.
Quem sabe se pudéssemos comunicar um pouco disso para essa parte
interior: reconheço que você precisa de apoio, mas não estou em
condições de fazer isso no momento.
Não é um problema seu. Sou eu que preciso reconhecer meus limites.
Isso vai ser bom para mim e para você (ao menos no médio prazo). Não
vai ser bom se eu fingir que tudo está bem.
Agora que podemos reconhecer nossos limites, Que tal convidar uma
companhia de apoio temporário para essa parte? Para que essa parte não
precise ficar sozinha enquanto cuidamos do adulto?
Protetor para partes alienadas/ vulneráveis
Quem você escolhe? Pode ser real ou imaginário, singular ou plural -
Observe os detalhes de sua escolha e diga o que deseja dessa
personagem.
Agora, que tal conversar sobre esse plano com essa parte interior e ver
se ela concorda com essa companhia provisória? Se achar
conveniente, faça instalação da figura escolhida. A parte interna
escolhe onde o protetor deve ficar – às vezes não pode ficar perto, por
desconfiança interna.
Pressuposto de emoções e como ajudar a
conter
Acreditar que qualquer dor, solidão, vergonha, transbordamento
emocional, apreensão ou ameaça que sentir é uma comunicação de
partes infantis dissociadas;
Conduta clínica diante da emoção – de onde vem?
Em vez de aguardar que partes sejam disparadas, ou que paciente se
sinta inundada por emoções, a prática do círculo de meditação ajuda a
criar confiança e reassegura o interior de que alguém se importa.
Círculo de meditação para as partes
Intervenção ajuda a encorajar a meditação diária – atitude mindful de
não-julgamento ou agressão pessoal
Tratamento importante para sistema traumatizado;
Promoção de consciência interna das partes que podem preservar
melhor a parte responsável por administrar a vida diária;
Aumento da autocompaixão por partes feridas
Círculo de meditação – atividade extra
consulta – estabilização - instruções básicas
Escolha o mesmo horário do dia e encontre um lugar calmo para se
acomodar
Relaxe ou feche os olhos e faça o seguinte anúncio interno:
"Quero que cada parte minha venha para o círculo de meditação" – isso
não é para julgar ou controlar essas partes.
"Quero conhecê-las e entender melhor o que as incomoda, para tentar
ajudá-las melhor e a mim também"
Círculo de meditação – atitude
Tudo o que observar – idades, expressões faciais, roupagem, linguagem não
verbal – oferece informação sobre elas;
Seu trabalho é ser curiosa sobre o que elas precisam, esperam ou receiam;
Às vezes não há imagem clara, apenas sensação de partes se aproximando
– pode validar essa reação:
“imagino que algumas ou todas estejam com receio de que isso seja uma
armadilha, ou de que vão se machucar se baixar a guarda – tudo bem:
vamos nos conhecer aos poucos"
Convide-as a ocupar o lugar que julgarem mais conveniente/ confortável
Fique com elas por um tempo – isso pode ser o suficiente – há algo que
queiram compartilhar?
Tente ser uma boa ouvinte – tente realmente entender o que dizem sobre
si mesmas.
Leve suas necessidades e sentimentos a sério – se houver queixa de que se
sentem abandonadas, tente reconhecer alguma verdade no que dizem.
Tente atribuir a mesma oportunidade a partes diferentes, mesmo se não
se sentir tocada por alguma delas - Esses sentimentos podem ser os de
uma criança que ainda se sente traumatizada – e fica mais defensiva;
Tente manter o foco no presente: “percebam que no aqui e agora estou
aqui e não estou abandonando ninguém”;
Ninguém confia em ninguém de imediato; algumas partes podem ficar
em silêncio ou mostrarem-se hostis – não há problema – tudo é uma
questão de ritmo.
Círculo de meditação – expectativa
A cada dia que nos encontrarmos vocês podem me falar um pouco mais
sobre seus medos e o que posso fazer para nos ajudar – não há pressa
A cada dia podem me dizer do que gostariam. Não posso prometer nada,
mas posso tentar ouvir internamente, com atenção sim posso;
Evoluir e expandir papéis
Tipos de Partes
Internal Family System – Richard Schwartz
Dissociação Estrutural – Van der Hart, Boon e Steele
Protetores – gerentes e bombeiros
Exilados
Crianças, adolescentes e adultos
PAN – aparentemente normal, mas não muito
PE – personalidade emocional de mais ou de menos
Racional vs emocional
PAN como parte que regula
mundo externo – fóbica de
partes internas – é também
uma parte dissociada
Parte emocional – existe em
tempo do trauma, isolada e
abandonada – com medo do
mundo externo, que no fundo não
mudou
Dissociação como reação protetora –
como entendermos qual a proteção,
Segundo lógica interna. ฀Ex. Melhor
eu me cortar e controlar a dor, do que
alguém me machucar de novo, sem
que eu tenha controle
Passado afeta presente e mistura-se com ele
Mesmo quando o paciente não consegue recordar-se de uma vivência
traumática, ou tem apenas lembrança fragmentada – há repercussões na
qualidade de vida hoje:
Indícios: Sei que a culpa não foi minha, mas sinto como se fosse; não sou
normal; sou complicado; não sei quem sou, sou alguém?;
Sei que estou seguro, mas me sinto vulnerável; Sinto como se tudo
estivesse acontecendo de novo;
Sou descontrolado, não tenho escolhas, sou impotente para agir; sou
uma fraude; tudo é um grande teatro;
Agenda de partes nem sempre converge – cada uma segue um caminho,
mas todas querem sobreviver e buscar o melhor
Fase 3 e fase 2
Distinção entre reprocessamento de trauma e reprocessamento de
defesas, de partes (reprocessamento em fase 2 e estabilização em fase
4)
Ou ainda de traumas preservados pelas pes
Identificação de momentos de acesso x montagem formal de ices
Princípio ABC do EMDR
Fase 4
Uso do protetor / Self adulto como co-terapeuta – redefinição do
Sistema terapêutico
Ação do Self com parte x terapeuta com parte – comunicação indireta ou
direta (riscos de descompensação, mas de presença terapêutica como
elemento co-regulador de emoção
Reprocessamento de parte x protocolo clássico para reprocessamento
de trauma
Reprocessamento da ponta do dedo (D. Mosquera)
“Siga com isso, mas fique comigo!” (D. Laliotis)
Contínuo de reprocessamento
DIR: de qual capacidade necessito para lidar melhor com partes
interiors
Protocolo dos 3c – (C. Condor)
Protocolo Flash (nem vá lá) (P. Manfield)
Back of the head scale – vá lá, mas volte já (j. Knipe)
Fases 3/4: Fragmentação do alvo฀
=> Processo de ampliação gradual do foco para o filme todo, até o futuro
=> reprocessamento periférico – de fora para dentro
Protocolo Flash
EM (D minúsculo) – foco na parte
Emd (f. Shapiro) – foco na imagem – foco dessensibilizado =>
integração de Self
Emd (r minúsculo) (e. Shapiro)
Protocolo Assyst (I. Jarero)
Fase 5
Atividade típica do pan – reorientação ao presente e reativação
cognitiva com mudança de estado –
Procurar por cognições específicas para cada parte (o que cada uma
precisa pensar sobre si positivamente)
Recuperação do adulto (como a CP aplica-se ao conjunto interno e à
identidade geral?)
Finalização de reprocessamento ascendente
CPs importantes – posso existir, posso ser eu, estou bem como sou,
sou suficientemente eu, eu pertenço, eu estou vivo, tenho importância
Fase 5: exercício prático – crenças positivas do
presente x Promessas de infância
Quais promessas se encontram atrás das crenças e movimentam
nossas ações? Exs.:
Sou trabalhador (Vou ser mais rico que meu pai, que faliu),
Sou uma boa pessoa (vou cuidar dos outros para ser valorizada,
amada),
Sou expansiva (vou ser bem extrovertida, para distrair os outros de
sua tristeza),
Sou assertiva (ninguém vai me maltratar, nem a minha mãe),
Estou bem como sou (não vou me envolver emocionalmente com
ninguém, para não ficar dependente)
Parte interna reconhecida como tesouro protegido contra
trauma – difícil acesso, tanto quanto as partes que
guardam trauma
Fase 6
Reprocessamento de memórias implícitas
Ativação de partes primitivas dissociadas que ainda não apareceram
ou que não sabem falar – escuta para além das palavras – certas Partes
congeladas podem estar presas em terror sem palavras
Finalização que pode ser novo início – acesso a conteúdo pré-verbal –
reações mais catárticas
Checagem com Sistema interno – algo mais/ alguém mais?
Encontrar o quê? Vivências de invisibilidade
Muitos pacientes encontraram conforto na inexistência – vinculação
evitativa
Vivências de rejeição profunda (persona non grata)
voltar a existir pode trazer perigo de ser atacado – não existir traz o
conforto de um Sistema vagal dorsal, vivenciado interiormente
Estado defensivo
PAN deve ser recrutado para aclarar às partes invisíveis sobre a
passagem do tempo – passeio pela vida adulta presente
Fase 7
Como compartilhar o trabalho com o sistema interno?
Falando através (R. Kluft)
Necessidade de repetição na fase 8 para que outros possam ouvir, ou
certificar-se de que houve integração
normalizar o bizarro
Devolver poder ao Self adulto
O que fazer com partes ainda inaceitáveis?
Busca por auxiliar de enfermagem pós-sessão – troca de curativos
Piscina de cura – desintoxicação de mortos e feridos
Fase 8
Ver se paciente fala espontaneamente a respeito da última sessão
Relacionamentos internos não-trabalhados são pouco responsivos a
mudanças
Receio de integração – perda de parte/ luto pelo não vivido
Integração parcial – a ser negociada
O que foi trabalhado por parte emocional ser revisto pelo discurso
com pan – discurso de dissociação x meta cognição?
Protocolo das 3 Etapas
Passado
Habitat das PE
Em geral fracionado em fusos horários
Por vezes não alcançado pelo presente
Por vezes misturado com o presente
Onde reside o terror sem palavras ou para além das palavras –
lembranças mantidas em memória de procedimento
Presente
Habitat da pan - funcional
Luta para permanecer no presente ou para evitar o passado – custo
emocional elevado
Lembrando-se de esquecer e esquecendo-se de lembrar
Invadido por pes/ defendido contra elas
O presente não existe ou eu não existo – desrealização e
despersonalização
Futuro
Em geral, não existe, ou idealizado
Maior parte do trabalho é em presente e passado
Futuro pode ser na antecipação da integração
Projeções para lidar com defesas evitativas
Rituais de integração (video) – quem precisa de preparo – parte ou
self?
Apego ao terapeuta – figura e regulação relacional
Transtornos Dissociativos já foram chamados
de “síndromes de não-realização” (Janet) e de
“transtorno de realidades múltiplas” (Kluft).
Cada parte dissociativa do cliente preserva percepção única da
realidade, que pode contradizer a realidade de outras partes, com o self
ignorando inconsistências agudas – jeito infantil e jeito adulto de
avaliar; racional x emocional.
partes podem disparar simultaneamente um sistema de apego e um
sistema de luta ou fuga, com sentimentos de angústia – estilo de apego
desorganizado como expressão típica de dissociação
A realidade das partes pode promover reações de muito ou de muito
pouco, como uma sensação de não-realização.
Essas vivências paradoxais são a marca distintiva da inabilidade de
“realizar” o trauma (steele et al. 2017)
Fases de tratamento de paciente com trauma
complexo, Segundo Pierre Janet
Estabilização – com cada parte e com o todo? Busca continuada de
autorização para trabalhar
Enfrentamento – sempre intercalado com estabilização – estamos
caminhando demais, de menos ou na medida certa
Integração – celebrar a conquista, mas sem esquecer o luto pelo
que se perdeu;
1
2
3
(Integrar como incorporar ou como redefinir tarefas – fobia de integração
das partes = receio de desestruturação/ intimidade)
Partes dissociavas na fase 2
Nem todas as partes têm acesso a trauma (ou a recursos) = déficits de
auto regulação
Antes de lidar com reprocessamento de uma memória, podemos
necessitar de:
- Permissão de partes, especialmente dos leões de chácara;
- Definição de quem deve participar e de quem deve ser poupado do
processo;
- O que fazer com as crianças, enquanto reprocessamento ocorre;
- Como compartilhar os resultados do reprocessamento com outras
partes que não participaram do processo
Enfrentamento
Primeiros socorros - salvamento de parte impotente e congelada – Self
atual como advogado de parte do passado
Retirar parte agredida da cena – levar ao lugar Seguro/ instalar
vigilante – tempo para
Palavras não ditas e gesto não finalizado
Se não for possível concluir enfrentamento, Qual pode ser o próximo
passo? o que seria suficientemente bom?
O que a parte precisa saber do adulto para seguir adiante?
O que parte deve/ pode deixar para trás? Carrega o que não lhe
pertence (responsabilidade indevida)
companhia provisória de cuidador, se self não dá conta –
provavelmente ainda mesclado
Agradecimento pelas partes que atuaram nesta fase
Partes dissociavas na fase 3
- Aceitar e fazer luto do passado, presente e futuro
- Superar fobias de uma vida íntima e sexualizada; fazer as pazes com o
corpo
- Assumir riscos de uma vida nova; mais imprevisível
- Estabelecer novos relacionamentos, mais adultos
- Estabelecer objetivos e encontrar propósito de vida
- Encontrar lugar interno para figura do terapeuta e manutenção de
atitudes de autocuidado
- Manter abertos os canais de comunicação com as partes
Cognições positivas e padrões
de autocuidado
Acordos pós-enfrentamento
Redefinição de papéis das partes – parte crítica confiar mais no self
Fisioterapia – o que deve ser praticado?
receber afeto, carinho;
dizer não, estabelecer limites adequados, assertividade;
capacidade de se conter e de apenas observar
Fase 3 - Integração ou unificação?
Qual é a capacidade integrativa do paciente?
Se pacientes têm muitas partes, isso significa um jeito mais fragmentado
de estar no presente (menos tolerância a estímulos internos e externos),
de regular emoções e de integrar a autobiografia.
Algumas partes aparecem mais tarde na terapia, quando houver
confiança suficiente.
Novas defesas podem aparecer – receio do desconhecido, de que
integração das partes pode significar nova perda de identidade.
Receio da intimidade interior e interpessoal.
Realização do tempo perdido – luto pelo que não houve (oportunidades
perdidas – profissionais, afetivas, ideais).
Redefinição da biografia pessoal e realização do tempo limitado por vir.
.
Elaborar vazio e silêncio interior – receios de solidão – muitas vezes
partes foram criadas para combater negligência/ abandono externo de
cuidadores.
Ser ou não ser?
Co-Regulando estados emocionais
Quando há integração relativa, estados são normalmente conectados e
coesivos (eles não têm o senso de self autônomo);
Quando há mais dissociação, as necessidades de cada parte se acentuam
e cada uma tem mais senso de “eu sou”, considerando outras partes como
“não sou eu”.
“Não é possível que aquela criança interior em sofrimento/ chata/ feia/
carente seja eu!”
Ser ou não ser?
Partes Abusivas com desejos condenáveis não podem pertencer a mim!
=> mais divergência (dissociação) e menos pontes internas.
Algumas partes nunca interagem com o mundo exterior
“Se eu me livrar daquele monstro, daquele medo, do pânico, vou ficar
bem!”
Adulto poder fazer as pazes com as partes
Perda do eu ideal
Progressão dos temas clínicos
Responsabilidade / defeito
Segurança / vulnerabilidade
Poder / controle / escolhas
Pertencimento / conexão
Manter partes diferentes por quê?
Em termos práticos, a divisão interna previne o todo de enfrentar a
realidade = não-realização.
Podemos tomar fobias como alvo ou
tomar consciência de quais são as fobias subjacentes = medo de
vivência interna, de outras partes dissociativas e de memórias
traumáticas, e como cada variável ameaça o todo com instabilidade e
imprevisibilidade.
Uma parte pode ter sentimentos em relação a outras partes – “quero
ser popular como você é!”
Quadro de referência Sistêmico
Partes são subsistemas de uma personalidade total, com mais ou menos
autonomia;
Manter uma abordagem relacional com emdr: Incluir todas as partes
dissociativas na terapia – todos os pontos de vista contraditórios, sem
verdade única;
manter cada parte em sua janela de tolerância, com engajamento social
vagal ventral, em vez de defesas mais primitivas
Trabalhar sistemicamente, mesmo se aparentemente nenhuma parte
estiver presente;
se há conflito, ambivalência (quero e não quero)elas estão lá!
Resumo dos Princípios
A cada sessão o terapeuta deve conectar a queixa apresentada a
uma parte; se o paciente se mostra ansioso, o terapeuta
reenquadra a ansiedade como medo ou nervosismo de uma parte
(criança?) – e expressa empatia pela parte, em vez de empatia pelo
cliente.
Isso reduz o risco de reforçar o desamparo do adulto que repete a
história e ajuda-o a desenvolver uma atitude mais curiosa e
mindful em relação à parte estressada.
1
2
Em seguida, modifique os pronomes, de modo que “você” designe
o self adulto do cliente e “ele” ou “ela” descrevem uma parte – “sim,
essa parte sua parece que está com medo, não é?”
Busca por disparadores – “Você identifica o que disparou a reação
dessa parte sua? Ou você apenas se deu conta disso por acaso, de
uma hora para outra?”
Estabelecendo diálogos internos
Resumo dos Princípios
Evoque a curiosidade da parte que se debate:
“Qual a idade dela? Essas emoções dela são familiares? Já ouviu
esses pensamentos vindo dela?”
o que pode estar acontecendo na vida do cliente para justificar
essa reação?
No começo da terapia Não se tenta forçar uma conexão entre a
parte e a história de infância ou o contexto traumático.
A ênfase inicial é entre a parte adulta atual e a parte do passado.
3
Use linguagem e tons de voz que sejam compreensíveis por partes
de diferentes idades4
Cuidado com outras partes serem disparadas pelo foco na
vulnerabilidade – parte fica em silêncio ou muda de assunto5
Observe e comente sobre as reações de partes – Observe como
parece haver uma reação protetora com relação ao que estamos
fazendo – talvez estejamos caminhando depressa demais? Confira
aí dentro"
6
Se porta-voz de todas as partes – "lembre-se de que todas as
partes são bem-vindas aqui”7
Relembrar que manifestações podem vir das partes: “se esta
crença/ sentimento/ impulso/ imagem fosse a comunicação de
uma parte, o que ela tenta dizer?”
8
9
Convide paciente a conferir suas observações (terapeuta) com as
partes
Tipos de expressão dissociativa
Defesas dissociativas – fobia ao mundo interno, a pensar (realizar,
integrar), de partes, do passado, de memórias traumáticas, da terapia
e de mudança
Tept complexo
Despersonalização e Desrealização
Transtorno dissociativo não Especificado
Transtorno dissociativo de identidade
Mesclagem (R. Schwartz)
Quando nos percebemos disparados, nossas partes dissociadas ativam-
se e seus sentimentos inundam nossos corpos com emoções e impulsos
para agir ou reagir que não nos pertencem;
Para trabalhar as partes precisamos desmesclar partes do self adulto –
de modo mindful (sem julgamento);
Separar as reações intensas das partes até termos a sensação De self
Estar de volta e de pes também continuarem presentes, mas distintas
de nós.
Passos para desmesclagem
1
Suponha que todo e qualquer sentimento, pensamento ou
sensação física seja uma comunicação de partes – mesmo se não
tiver certeza;
2
Descreva os sentimentos de pensamentos como reação de 3a
pessoa: elas estão chateadas, elas estão passando por um
momento difícil, elas estão sobrecarregadas.
Observe o que ocorre quando fala sobre as partes e se refere ao
sentimento delas;
3
Crie um pouco mais de separação em relação a elas, apenas o
suficiente para que consiga sentir os sentimentos delas com
menos intensidade e consiga se sentir também.
Mude a postura física, estique as costas, boceje, faça exercícios
faciais e continue a repetir:
"Elas estão se sentindo _________"
Sinais de comunicação de mesclagem
4
Use a sabedoria de sua mente adulta, sua parte que é uma amiga
compassiva, uma profissional organizada, para ter uma conversa
de apoio com seja lá quem estiver perturbado.
Reconheça que a parte ou partes estão sobrecarregadas,
envergonhadas ou tristes.
Imagine: se esses fossem medos de seus amigos, clientes, etc,
como responderia a eles? O que diria a eles?
Pergunte: “do que necessitam para sentirem um pouco menos de
medo?/ desconforto?"
Elas estão falando contigo ao comunicar o que sentem.
O mesmo vale para quando você se sente deprimida, com vergonha,
raiva ou auto crítica.
Quando se sentir assim, apenas repita o passo 1
Flashforward: o que de pior pode acontecer se conseguir me
desmesclar dessa parte?
Reações à desmesclagem
Observe atentamente as respostas:
O que está fazendo ajuda a menininha ou a deixa mais irritada? Para
sentir-se com menos solidão, menos raiva, menos tristeza, menos
culpa, ela precisa de quê?
Elas gostam quando você escuta e demonstra atenção?
De que você precisa para lidar com elas? Lidar com seu medo, tristeza,
solidão, raiva, culpa?
Qual seu percentual de necessidade, em comparação com o
percentual das partes internas?
Vantagens da mesclagem e temas clínicos
Responsabilidade/ defeito – se sou infantil, as pessoas veem meu
defeito escolhido – se me desmesclar, podem se dar conta de que
sou uma fraude;
Segurança/ vulnerabilidade – se estou misturado, alguém tem que
cuidar de mim – se viro adulto, talvez não seja capaz de me
defender/ pedir ajuda;
Poder/ controle/ escolhas – se estou misturado, não preciso fazer
escolhas adultas, não tenho que reconhecer minhas necessidades
não atendidas – e correr o risco de perder o controle.
Quem regula quem?
Terapeutas deveriam prestar atenção à própria vivência somática
quando estiverem com o paciente = mindful e presents – estou com
você e comigo ao mesmo tempo
focalizar a ativação de vivências positivas na terapia,
ajudar o paciente a ter uma vivência positiva de ser compreendido,
de tolerar seu sofrimento,
Identificar quais mudanças afetam o sofrimento (testemunho),
reconhecer que não podemos salvá-los
Sugestões de cima para baixo para
฀terapeutas se regularem
Meu paciente está com raiva de mim => meu cliente sente-se rejeitado
e incompreendido
Estou com raiva ou com medo? E se eu der um passo atrás e encontrar
um pouco mais de espaço?
O paciente viveu sem mim e irá viver sem mim depois – não consigo
salvar ninguém – posso ser uma boa companhia, compreensiva
Não sei as respostas; talvez seja melhor me calar por um tempo, sem
defesas, sem desculpas
Essa perturbação do paciente está realmente relacionada a mim ou
talvez tenhamos acertado algo importante e contribuí para disparar
isso/
Esse desentendimento/ crise não estava presente até agora – estamos
passando para além das convenções sociais; agora a terapia está
ficando mais profunda, mais significativa
O paciente (parte adulta do paciente) é o único responsável por sua
segurança
Sugestões de baixo para cima para
฀terapeutas se regularem
Relaxe os músculos, Sente-se ereto
Lembre-se de expirar; Mantenha o queixo para cima
Movimente os pés no chão e reajuste a postura
Solte a tensão da barriga
Fique consciente da cadeira que apoia as pernas e costas
Suavize os olhos
Mude levemente o padrão de respiração – o paciente acompanha?
Sugestões de Imaginação para
฀terapeutas se regularem
Imagine uma luz curadora fluindo através de você, removendo as
impurezas e a tensão do momento
Tente identificar onde você deixou seu protetor
Lembre-se de todos à volta: mentores, terapeuta, supervisor, colegas
– o que cada um deles diria se estivesse sentado aqui?: quando estiver
prestes a fazer algo, aguarde um pouco mais…
Lembre-se de seus ancestrais, que permitiram você estar aqui – e
agradeça
O ritmo para todos nós
Quanto tempo e como proceder, de modo que paciente fique grounded,
com contenção suficiente para finalizar sessão no horário, orientada ao
presente – a regra dos terços:
1/3 Checar e preparar para sessão
2/3
Mergulhar – reprocessar o relacionamento com uma parte,
uma memória, um sintoma, O self, o terapeuta, o mundo,
novas realidades
3/3 Voltar à superfície – flutuar ao adulto aqui e agora
Pequenos passos
Baixar expectativas – pacientes não dão conta de nossa
esperança/entusiasmo
Não podem arriscar desapontar o terapeuta (menos é mais)
Antes de lidar com reprocessamento integral, podemos tentar obter
certa cooperação entre partes +
autorização para fazer qualquer coisa = Acordo Interno para trabalhar
um sintoma ou memória
Dar tempo para se acostumar a vivência positiva – ficar familiarizado
com o sentir-se bem
Ir mais depressa aumenta risco de crise e reações de defesa.
Mais aspectos do tratamento
Trate todas as partes igualmente e lembre-se que são partes de uma
pessoa, não pessoas diferentes em um corpo
Nunca concorde em livrar-se de uma parte – ela sempre tem um
propósito vital (embora elas possam naturalmente se fundir ou
desaparecer),
partes não assumidas têm que primeiro ser toleradas e eventualmente
aceitas, com compaixão, antes de ter seus traumas reprocessados.
Diferenciar desaprovação de comportamentos de desaprovação de
partes do self;
Se terapeuta fica defensivo, comete um engano, reconhecer
abertamente,
mesmo se não houve equívoco (!) – não foi minha intenção fazer isso –
modelo de como consertar relacionamento – restauração de apego
Seguro.
Proceder com compaixão
Em trauma relacional há pouco ou nenhum
registro de compaixão, pacientes podem
agir de modo psicopático – aprendizagem
procedural;
Necessitam praticar para vencer a
resistência de sentir, lembrar, parar
autolesão e começar colaboração com
partes;
Lembrete - Resistência é proteção contra
algo que a pessoa não consegue lidar
Ajudar pacientes a superar barreiras, para melhor
comunicação interna e mais colaboração฀
Passos a seguir
Psicoeducação – normalize a vivência com partes –
redefinir comportamentos destrutivos como tentativas de resolver
situações difíceis;
Adaptar-se à linguagem ao cliente – como eles se referem a suas
partes? (meus fragmentos, minhas vozes, minha intuição, meus
instintos, minhas partes etc);
Comece com o adulto (versão oficial mais próxima) e use isso como
referência;
Todos têm objetivos em comum – querem se sentir melhor, se dar bem
na vida, conferir quais seriam objetivos em comum para a pessoa –
alguns podem ter suas próprias agendas/ estratégias defensivas
Contactando partes
Falando através – Kluft (1982) “à medida que conversamos, pode
permitir que todas suas partes escutem e participem…”
A parte adulta como mediadora com outras partes vs
Falando diretamente com as partes
Pedir para comunicar indiretamente, por meio de escrita ou desenhos
Resistência: sua, minha ou nossa?
Definição (janet, 1904) – evitação fóbica do que o paciente acredita ser
intenso demais para realizar;
Pode ser focado, ou em relação a mudança em geral;
Resistência como fisiologia – defesas animais congeladas no tempo
(pedido de ajuda/apego, fuga, luta, congelamento ou prostração);
Quando clientes estão orientados para o presente e reduzem hiper ou
hipoativação, sentem-se seguros - reações extremadas tendem a se
dissipar.
Exemplos
Se me lembrar, vou enlouquecer (memórias traumáticas)
Se mostrar minha fragilidade, você irá me controlar (apego)
este relacionamento pode se tornar sexualizado se eu não me controlar
(fronteiras/ não vou conseguir dizer “não”)
Se você souber o que realmente penso, vai me desprezar, vai me
abandonar (perda do apego)
Se me aproximar dessa criança interior, nunca mais vou parar de chorar
(partes internas)
Se mudar, terei que tomar uma attitude e não dou conta disso (mudança
adaptativa)
Contratransferência?
Sentir pena do paciente – querer curar/ salvar de qualquer maneira;
Sentir-se focado por excesso de traumas e sucessão aparentemente
infinita de partes;
Favorecer certas partes em relação a outras, mais resistentes;
Sentimentos negativos Crônicos sobre o paciente (falta de progresso,
desesperança);
Tratar as partes dissociativas como pessoas diferentes
Medo de certas partes – parte que imita perpetrador (fantasias
pedófilas), parte raivosa ou hostil (homicida), parte sexualizada
(sedutora), vítima sempre desamparada (suicida) (automutilante);
Espera por elogios de certas partes – necessidade de ser necessário;
Medo de caráter invasivo de certas partes;
Quais são minhas partes sendo disparadas?
Preciso de supervisão ou de terapia?
Esse conteúdo foi produzido pelo
Dr. André M Monteiro. Reprodução
e venda proibidas. Todos os
direitos reservados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ebook Workshop Transmissão Transgeracional do Trauma
Ebook Workshop Transmissão Transgeracional do TraumaEbook Workshop Transmissão Transgeracional do Trauma
Ebook Workshop Transmissão Transgeracional do Trauma
Espaço da Mente
 
Processo emdr
Processo emdrProcesso emdr
Protocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia Seijo
Protocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia SeijoProtocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia Seijo
Protocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia Seijo
Espaço da Mente
 
A Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-Tapia
A Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-TapiaA Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-Tapia
A Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-Tapia
Espaço da Mente
 
Protocolo EMD - Etapas do Procedimento
Protocolo EMD - Etapas do ProcedimentoProtocolo EMD - Etapas do Procedimento
Protocolo EMD - Etapas do Procedimento
Espaço da Mente
 
Material de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo I
Material de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo IMaterial de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo I
Material de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo I
Espaço da Mente
 
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por LucimaraEbook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
Espaço da Mente
 
Ebook Plano de Tratamento
Ebook Plano de TratamentoEbook Plano de Tratamento
Ebook Plano de Tratamento
Espaço da Mente
 
Transmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhD
Transmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhDTransmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhD
Transmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhD
Espaço da Mente
 
Regulacao emocional - Material de Apoio
Regulacao emocional - Material de ApoioRegulacao emocional - Material de Apoio
Regulacao emocional - Material de Apoio
Espaço da Mente
 
A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila
Nucleo Nacional
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Espaço da Mente
 
Formulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCFormulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCC
Michele Santos
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Material de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo II
Material de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo IIMaterial de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo II
Material de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo II
Espaço da Mente
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Toc   neurofisiologia - Simone W. L.Toc   neurofisiologia - Simone W. L.
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Simone Wanderley Lustosa Landen
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Sarah Karenina
 

Mais procurados (20)

Ebook Workshop Transmissão Transgeracional do Trauma
Ebook Workshop Transmissão Transgeracional do TraumaEbook Workshop Transmissão Transgeracional do Trauma
Ebook Workshop Transmissão Transgeracional do Trauma
 
Processo emdr
Processo emdrProcesso emdr
Processo emdr
 
Protocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia Seijo
Protocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia SeijoProtocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia Seijo
Protocolo EMD para Transtornos Alimentares por Natalia Seijo
 
A Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-Tapia
A Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-TapiaA Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-Tapia
A Proposal for an EMDR Reverse Protocol - Robbie Adler-Tapia
 
Protocolo EMD - Etapas do Procedimento
Protocolo EMD - Etapas do ProcedimentoProtocolo EMD - Etapas do Procedimento
Protocolo EMD - Etapas do Procedimento
 
Material de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo I
Material de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo IMaterial de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo I
Material de apoio: Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo I
 
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por LucimaraEbook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
 
Ebook Plano de Tratamento
Ebook Plano de TratamentoEbook Plano de Tratamento
Ebook Plano de Tratamento
 
Transmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhD
Transmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhDTransmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhD
Transmissão Transgeracional do Trauma com André Monteiro PhD
 
Regulacao emocional - Material de Apoio
Regulacao emocional - Material de ApoioRegulacao emocional - Material de Apoio
Regulacao emocional - Material de Apoio
 
A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila A preveno da recada apostila
A preveno da recada apostila
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
 
Formulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCCFormulação de Caso - TCC
Formulação de Caso - TCC
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
Material de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo II
Material de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo IIMaterial de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo II
Material de Apoyo - Transtornos de la Alimentación - Modulo II
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Toc   neurofisiologia - Simone W. L.Toc   neurofisiologia - Simone W. L.
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
 

Semelhante a Ebook Estados de Ego

Reinventando você
Reinventando vocêReinventando você
Reinventando você
marisadeabeu
 
Reinventando você
Reinventando vocêReinventando você
Reinventando você
marisadeabeu
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
Fred Clementino
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
MarceloInacio18
 
Trauma
TraumaTrauma
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
Patrícia Müller
 
Esquema inicias desaptativos
Esquema inicias desaptativosEsquema inicias desaptativos
Esquema inicias desaptativos
Tiago Malta
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
Ângelo Rafael
 
Sessão qta pequenotes
Sessão qta pequenotesSessão qta pequenotes
Sessão qta pequenotes
Patrícia Ferreira
 
A importância da tolerância à frustração nos transtornos
A importância da tolerância à frustração nos transtornosA importância da tolerância à frustração nos transtornos
A importância da tolerância à frustração nos transtornos
aptadf
 
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semanaSandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Complexo Educacional FMU
 
setembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessária
setembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessáriasetembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessária
setembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessária
Francinilda Lima
 
Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
Gilberto de Jesus
 
A forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentosA forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentos
David Oliveira
 
00335 a força dos sentimentos
00335   a força dos sentimentos00335   a força dos sentimentos
00335 a força dos sentimentos
maria adenilda Denne
 
A forçaa dos sentimentos
A forçaa dos sentimentosA forçaa dos sentimentos
A forçaa dos sentimentos
Eduardo Pavin
 
A forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentosA forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentos
Jéssica Petersen
 
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptCOMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
GernciadeSupervisoEd
 

Semelhante a Ebook Estados de Ego (20)

Reinventando você
Reinventando vocêReinventando você
Reinventando você
 
Reinventando você
Reinventando vocêReinventando você
Reinventando você
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Trauma
TraumaTrauma
Trauma
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
Esquema inicias desaptativos
Esquema inicias desaptativosEsquema inicias desaptativos
Esquema inicias desaptativos
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
 
Sessão qta pequenotes
Sessão qta pequenotesSessão qta pequenotes
Sessão qta pequenotes
 
A importância da tolerância à frustração nos transtornos
A importância da tolerância à frustração nos transtornosA importância da tolerância à frustração nos transtornos
A importância da tolerância à frustração nos transtornos
 
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semanaSandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
Sandra Godoi - BM06 - 9/10 semana
 
setembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessária
setembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessáriasetembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessária
setembro amarelo- saúde mental. Uma conversa necessária
 
Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
 
A forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentosA forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentos
 
00335 a força dos sentimentos
00335   a força dos sentimentos00335   a força dos sentimentos
00335 a força dos sentimentos
 
A forçaa dos sentimentos
A forçaa dos sentimentosA forçaa dos sentimentos
A forçaa dos sentimentos
 
A forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentosA forca dos_sentimentos
A forca dos_sentimentos
 
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptCOMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
 

Mais de Espaço da Mente

Conceitualização de Casos Complexos
Conceitualização de Casos ComplexosConceitualização de Casos Complexos
Conceitualização de Casos Complexos
Espaço da Mente
 
Protocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina Zampieri
Protocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina ZampieriProtocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina Zampieri
Protocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina Zampieri
Espaço da Mente
 
Protocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina Zampieri
Protocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina ZampieriProtocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina Zampieri
Protocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina Zampieri
Espaço da Mente
 
Caixa de areia - Slides curso Caixa de Areia e EMDR
Caixa de areia  - Slides curso Caixa de Areia e EMDRCaixa de areia  - Slides curso Caixa de Areia e EMDR
Caixa de areia - Slides curso Caixa de Areia e EMDR
Espaço da Mente
 
DES - Dissociative Expériences Scale
DES - Dissociative Expériences ScaleDES - Dissociative Expériences Scale
DES - Dissociative Expériences Scale
Espaço da Mente
 
Ebook Via WEB
Ebook Via WEBEbook Via WEB
Ebook Via WEB
Espaço da Mente
 
A comunicação no universo digital
A comunicação no universo digitalA comunicação no universo digital
A comunicação no universo digital
Espaço da Mente
 
O poder das crenças - Material de apoio
O poder das crenças - Material de apoioO poder das crenças - Material de apoio
O poder das crenças - Material de apoio
Espaço da Mente
 
Questionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDR
Questionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDRQuestionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDR
Questionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDR
Espaço da Mente
 
Fluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDR
Fluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDRFluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDR
Fluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDR
Espaço da Mente
 
Ficha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDR
Ficha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDRFicha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDR
Ficha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDR
Espaço da Mente
 
Circulo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online Ikigai
Circulo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online IkigaiCirculo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online Ikigai
Circulo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online Ikigai
Espaço da Mente
 
Atualizações teóricas do Curso de Flash
Atualizações teóricas do Curso de FlashAtualizações teóricas do Curso de Flash
Atualizações teóricas do Curso de Flash
Espaço da Mente
 
Círculos Viciosos
Círculos ViciososCírculos Viciosos
Círculos Viciosos
Espaço da Mente
 
Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo II
Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo IITranstornos Alimentares e EMDR - Módulo II
Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo II
Espaço da Mente
 
Cozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NY
Cozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NYCozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NY
Cozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NY
Espaço da Mente
 
FISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo Zuardi
FISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo ZuardiFISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo Zuardi
FISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo Zuardi
Espaço da Mente
 
Two method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR Jongh
Two method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR JonghTwo method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR Jongh
Two method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR Jongh
Espaço da Mente
 
EMDR Case Formulation Tool - Ines Santos
EMDR Case Formulation Tool - Ines SantosEMDR Case Formulation Tool - Ines Santos
EMDR Case Formulation Tool - Ines Santos
Espaço da Mente
 
EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...
EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...
EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...
Espaço da Mente
 

Mais de Espaço da Mente (20)

Conceitualização de Casos Complexos
Conceitualização de Casos ComplexosConceitualização de Casos Complexos
Conceitualização de Casos Complexos
 
Protocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina Zampieri
Protocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina ZampieriProtocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina Zampieri
Protocolo Casal com Modelo Testemunha Compassiva - Dra Tina Zampieri
 
Protocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina Zampieri
Protocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina ZampieriProtocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina Zampieri
Protocolo Estimulação Conjugada - Ficha de Trabalho - Dra Tina Zampieri
 
Caixa de areia - Slides curso Caixa de Areia e EMDR
Caixa de areia  - Slides curso Caixa de Areia e EMDRCaixa de areia  - Slides curso Caixa de Areia e EMDR
Caixa de areia - Slides curso Caixa de Areia e EMDR
 
DES - Dissociative Expériences Scale
DES - Dissociative Expériences ScaleDES - Dissociative Expériences Scale
DES - Dissociative Expériences Scale
 
Ebook Via WEB
Ebook Via WEBEbook Via WEB
Ebook Via WEB
 
A comunicação no universo digital
A comunicação no universo digitalA comunicação no universo digital
A comunicação no universo digital
 
O poder das crenças - Material de apoio
O poder das crenças - Material de apoioO poder das crenças - Material de apoio
O poder das crenças - Material de apoio
 
Questionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDR
Questionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDRQuestionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDR
Questionário ACE - Adverse Childhood Experiences - Formação EMDR
 
Fluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDR
Fluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDRFluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDR
Fluxograma da ficha de trabalho - Formação em EMDR
 
Ficha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDR
Ficha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDRFicha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDR
Ficha de trabalho e avaliação de reprocessamento - Formação em EMDR
 
Circulo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online Ikigai
Circulo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online IkigaiCirculo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online Ikigai
Circulo Ikigai por Renata Mayumi Onogi - Curso Online Ikigai
 
Atualizações teóricas do Curso de Flash
Atualizações teóricas do Curso de FlashAtualizações teóricas do Curso de Flash
Atualizações teóricas do Curso de Flash
 
Círculos Viciosos
Círculos ViciososCírculos Viciosos
Círculos Viciosos
 
Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo II
Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo IITranstornos Alimentares e EMDR - Módulo II
Transtornos Alimentares e EMDR - Módulo II
 
Cozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NY
Cozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NYCozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NY
Cozolino, L (2020), Pocket guide to neuroscience for clinicians, NY
 
FISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo Zuardi
FISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo ZuardiFISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo Zuardi
FISIOLOGIA DO ESTRESSE E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE - Antonio Waldo Zuardi
 
Two method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR Jongh
Two method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR JonghTwo method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR Jongh
Two method approach: A case conceptualization Model in the context of EMDR Jongh
 
EMDR Case Formulation Tool - Ines Santos
EMDR Case Formulation Tool - Ines SantosEMDR Case Formulation Tool - Ines Santos
EMDR Case Formulation Tool - Ines Santos
 
EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...
EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...
EMDR and the Adaptive Information Processing Model: Integrative Treatment and...
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Ebook Estados de Ego

  • 1. Estados de EGO, dISSOCIAÇÃO E tRAUMA André Monteiro, PhD
  • 3. Prazer em me conhecer Olhe para dentro. Observe como se senta em sua cadeira e que você é adulto, tem fronteiras e habilidades profissionais. Reconheça como você tem uma perspectiva mais ampla das coisas. Pense em como você age com seus pacientes, faz compras, paga contas, dirige o carro e comporta- se como adulta em seus relacionamentos. Agora mergulhe um pouco mais, e ainda neste papel de adulto competente, encontre a criança dentro de você. Observe como ela capta sua curiosidade, a necessidade dela de receber amor e aprovação e, para muitas de vocês, já que escolheram esta profissão, a necessidade de observar e cuidar dos outros. Quando tiver encontrado essa parte aí dentro, olhe para ela e sinta seu olhar. observe se essa criança precisa de seu cuidado, de ser alimentada, protegida, de dormir e de ser amada, ser mantida perto de outras pessoas amáveis e tudo o que uma pessoa precisa. Você se compromete a cuidar dessa criança dentro de você? e de manter essa criança afastada de situações em que você precisa estar e agir como adulta? Agora quero que se imagine vivenciando um dia normal, lidando com coisas de adulto e protegendo essa criança. Assegure-se de que essa criança esteja cuidada, alimentada, hidratada, com sono repousante e entretida. Assegure-se de que essa adulta mantenha a criança afastada dos contextos que demandam comportamento adulto. Vivencie esse dia deixando que sua parte adulta decida quais fronteiras devem ser mantidas em relação a seu trabalho, suas famílias e as necessidades dos outros. Quando estiver pronta, abrace essa criança interior, sinta o coração dela batendo em seu coração e os pulmões dela respirando com você. Retorne integralmente ao seu ambiente.
  • 4. Passos = Mudamos de estado fechando os olhos; acessamos a parte adulta funcional, incluindo um papel adulto; acessamos um estado criança e normalizamos suas funções; conectamos os dois estados; colocamos a parte adulta no comando e atribuímos a responsabilidade pelo estado criança; para algumas de vocês proporcionamos uma visão de autocuidado e de limites; e integramos parcialmente a parte interior, antes de retornar para o aqui e agora. Para algumas de vocês pode ter sido mais fácil lidar com essa criança do que para outras. Estados de Ego recursados Partes adultas, parentais, profissionais, sexuais, intelectuais, orientadas para o presente; Partes nutridoras de autocuidado e cuidado com os outros, a partir de modelos de cuidado; Partes protetoras, que estabelecem limites, assertivas, habilidade para enfrentar conflitos, sabedoras de quando lutar (e quando fugir); Partes mais espirituais, que transcendem o momento e organizam a identidade de base; Partes com habilidades específicas, técnicas, para funcionamento diário Estados de Ego disfuncionais Partes não alinhadas com comportamentos adaptativos, emoçoes e conceitos sobre o presente (podem ser mais dissociativas); Estados protetores, mobilizados: hiperalertas, apavorados e prontos para fugir, raivosos e prontos para lutar, inadequados ao presente;
  • 5. Estados imobilizados:desamparado/ desesperançado, inerte, deprimido, cheios de vergonha; Introjetos - inspirados pelos cuidadores disfuncionais ou por abusadores Estados inexistentes Estados de ego disfuncionais não dissociados Pânico diante de apresentação pública: Que idade tem essa criança que está com medo de passar por essa experiência? O que sua parte adulta sabe que essa criança não sabe? Que parte sabe mais sobre essa apresentação? Então qual parte você vai mandar para a apresentação? O que fazemos com a parte criança?
  • 6. Mitos sobre pacientes dissociativos 1 Sintomas dissociativos significam um transtorno grave – quem nunca se perdeu emocionalmente dentro de um romance ou filme; sonhar acordado enquanto dirige – não se lembrar de parte do caminho; ter um branco e não se lembrar de nome familiar ou distrair-se com parte da conversa; ficar na dúvida se memória foi sonho ou vivida; sentir-se observador enquanto algo acontece; sentir que o tempo não passa, ou passou depressa demais.
  • 7. 2 Transtornos dissociativos são raros – estima-se que múltiplos sejam 1% da população. Mas e diagnósticos incorretos (depressão, ansiedade, bipolaridade, psicose, borderline), que não respondem a medicação. 3 Fácil identificar uma pessoa com transtorno dissociativo – em geral inteligentes, criativos, corajosos, articulados e agradáveis. Podem ser profissionais bem-sucedidos, relacionamentos estáveis, criam filhos e mantêm trabalhos de grande responsabilidade. Alguns pacientes se acostumam a viver com dissociação (resignação), ou acham que todos têm o mesmo funcionamento (vozes internas, sensações de despersonalização, desrealização – tudo é um teatro! Switching dentro do conforto do consultório e confiança do terapeuta. Às vezes switching é sutil (mudança de voz, respiração, linguagem, comportamento). Mantêm-se em guarda para evitar detecção, com estratégias compensatórias – mudança mais drástica com bebida, mais facilidade em serem hipnotizados (mudanças de estado emocional)
  • 8. 4 A maioria das memórias de abuso são criadas na terapia - sobreviventes às vezes têm amnesia parcial de aspectos do abuso (não se lembrar de detalhes), mas lembram-se do sentido geral. 5 Uma pessoa verdadeiramente abusada, jamais esqueceria – pressão para ficar em silêncio pode criar o hábito de ativar amnésia, principalmente se existe ameaça ao bem- estar da pessoa/ algum ente querido, despertando receio e reconhecimento de que não há a quem recorrer; ou recebe info de que isso é natural, isso não é abuso. Ênfase em reduzir severidade dos sintomas dissociativos, em vez de buscar por memórias específicas Com frequência existem momentos de lembrança, alternados com esquecimentos: lembrando-se de esquecer e esquecendo-se de lembrar. Pelo medo, muitas vezes são registradas na amígdala (memória límbica), não memória com narrativa coerente: não são recuperadas e sim intrusivas. Fatores que predispõem à amnésia: a. Natureza do evento traumático, b. Sua frequência, c. Idade da criança
  • 9. 5 sintomas básicos 2. Despersonalização – sentir-se destacado de si, observando-se como se fosse outra pessoa, desligado de suas emoções, como um robô; 3. Desrealização – senso de que ambiente é irreal, artificial, estranho, envolvendo pessoas que eram familiares para você; 4. Confusão de identidade – incerteza, conflito sobre quem você é e qual seu papel 5. Alteração da identidade – mudanças no comportamento, com vivência mais infantil, com falar com voz diferente, perda de autocontrole 1. Amnésia;
  • 10. Origens dos Estados de Ego 1) Diferenciação normal – criança desenvolve repertório comportamental em relação ao ambiente, membros da família, expectativas do grupo de referência. Neste processo observamos diferentes Estados de Ego (Watkins e Watkins, 1997); papéis x personagens (Berne, 1996) 2) Introjeção de outros significativos e a formação de modelos interacionais, com o desenvolvimento de papéis sociais, habilidades e estilos interacionais – repetições no futuro. Mais promessas: “Não vou criar meus filhos do mesmo jeito como fui criado – nunca vou me envolver emocionalmente com alguém como minha mãe, pai, cônjuge!” 3) Reação a trauma e/ ou abandono/negligência – criança fica congelada no tempo-trauma Possível reativação no futuro, sob estresse extremo, hipnose ou intervenções terapêuticas mais profundas 4) Todos os anteriores => Qual nosso grau de consciência?
  • 11. Ativando recurso de parte curiosa - jogo
  • 12. Despertando parte curiosa traumatizada – plateaus clínicos Responsabilidade/ defeito – sou burro/ vergonha – como você não sabe isso? Faço tudo errado, não mereço Segurança/ vulnerabilidade – se eu perguntar, vou ser agredido, humilhado; estou em perigo constante Poder/ controle/ escolha – não tenho poder, o controle está no outro, não tenho escolha (de saber) A parte com vinculação segura – explorador natural Despertando a curiosidade - Recursando E se essa parte perguntar sem medo de repreensão? Perguntar 1. A um colega. Depois em algum momento durante o curso – pergunta mindful – cada um sabe se a pergunta é terapêutica; Ou se 2. Essa parte pergunta só para ser vista? Encontrar um nutridor interno Precursores da parte curiosa embotada - reduzir curiosidade para se encaixar ou evitar abuso – não consigo me defender Quem não carrega um pouco de perturbação social?
  • 13. Trauma e Dissociação Multiplicidade e dissociação – fenômenos complementares Abuso e trauma Trauma como sinônimo de dissociação   Partes dissociativas e manifestação dissociativa perturbações no comportamento, afeto, somático e conhecimento (CASC) TEPT é fenômeno dissociativo Indivíduo e Sistema Indivíduo – self – unidade? Sistema de partes fechado (tempo do trauma) – as partes não interagem com outros sistemas – passado perpetua-se no presente Sistema mais aberto – interação mais fluida com outros sistemas no presente, mas com exclusão do sistema interno Paciente dissociativo como resultante de conflito entre sistema fechado interno e sistema aberto Objetivos terapêuticos – maior flexibilidade do sistema fechado, abrindo-se para presente
  • 14. Cliente complexo - Sistema fechado de partes Composição enigmática – alguns conhecemos mais, outros menos, outros não ainda Paciente com Níveis Diferentes de consciência interna e externa – dificuldades de “realizar” e personificar Todo trauma provoca certo nível de dissociação = incapacidade de integrar o que foi vivido Terapeuta diante dessa multiplicidade – considerar a conceitualização dos casos (TEPT simples – foco em memórias) Partes inteiras (EE), introjetos e fragmentos Sentimento interior de vazio, isolamento
  • 15. Começando com as linguagens das partes Risco de dissociação iatrogênica Extensão - sutilezas na vida diária e na prática clínica Variáveis culturais – expectativas (homens/ mulheres/ velhos/ negros/ loiras/ ricos/ inteligentes) Diagnóstico excessivo ou deficiente – sofrimento desnecessário por tratamento indevido Modus operandi de olhar para os clientes – graus diferentes de integração – recorte paradigmático TEPT simples e Monitoramento contínuo pela linguagem de partes – grilo falante Sinto como se uma parte minha relutasse Não estou completamente convencido Tenho essa vozinha aqui dentro que me diz… Minha intuição me diz… Não controlo Minha emoção Essa dor Essa voz dentro de mim Esses pensamentos ÀS vezes tenho uma vontade…
  • 16. Fase 1- História Clínica Criar segurança interna e externa, reduzir sintomas, estabilizar funcionamento na vida diária, forjar primórdios de aliança terapêutica, conter inundação de memórias traumáticas; estabelecer avaliação precoce do sistema de partes – mapa interior; Consequência maior de trauma crônico => capacidade integrativa deficiente, pacientes sem base para tolerar exposição a memórias traumáticas no início da terapia. Ênfase no relacional com terapeuta e partes – identificar e elaborar defesas. Pacientes podem chegar com negação de histórico traumático, fobia a vivência interior, ou o oposto, com descrições pormenorizadas com detalhes perturbadores, mas sem envolvimento – aconteceu com o outro (hipo) Ou ainda impulsividade e oscilação entre partes (hiper) Há conflito interno, por meio do imperativo de exposição ou de contenção. Tentativa de modulação – entrelaçamento cog.: “Como saberia se seu compartilhar comigo foi excessivo? Se você precisa de mais tempo? De mais confiança?” Vontade de proporcionar não significa capacidade de receber cuidado.
  • 17. Psicoeducação em relação a fobias internas Vamos trabalhar dentro da janela de tolerância e explorar os aspectos positivos da evitação? Esclarecer: – “Se há muitas vozes em desespero, talvez tenham medo de se sentirem abandonadas”; – “Se elas querem falar todas ao mesmo tempo, talvez não se sintam ouvidas”; - “Quando não se sente nada, talvez seja mais fácil monitorar o ambiente? Comunicar controle ao interior?”; -”Se dão ordens o tempo todo talvez tenham receio de que você fraqueje?” Tentam te proteger de pessoas más, abusivas? Preservar alguma parte mais pura, ingênua?”; - Quando se é um encouraçado, menos risco de se machucar?”; - “Quando pessoas são boas, só doam, não devem receber”; - “Se há divergência de expectativas: sexo ou carinho” O que acontece quando você apenas ‘pensa a respeito’ de ficar mais perto dessa ideia? E se pudermos sentir isso por um tempo, mas em seguida deixarmos de lado? (Knipe, 2014) Emoção x percepção precisa do perigo Mindfulness
  • 18. Fase 1/ Fase 2 Aprender a ficar em Self Identificar mesclagens de parte com self e aprender a desmesclar Identificar conflitos internos e proporcionar intermediação Quem (não) lida com as vivências do passado? Como contar aos outros o que houve depois de finalizado trabalho (salvamento de alguma parte e integração, primeiros socorros ou companhia provisória de cuidador) Lugar seguro – base segura para um cuidador bom o suficiente
  • 19. Onde encontrar essas partes? ฀ Estruturação especial – às vezes é possível
  • 20. Ponto de encontro – formulação prévia 1. Inicie com os olhos fechados ou abertos, como preferir; 2. Que espaço corresponde a onde você se encontra aqui e agora em sua vida? Observe o espaço sem julgamento, apenas para encontrar um ponto de ancoragem, um ponto para retornar que seja externo ao ponto de encontro; 3. E se você se conectasse com outro espaço, que corresponda a um espaço interno de encontro, um lugar onde outras partes de você, caso queiram se apresentar, possam fazê-lo. Focalize esse espaço; Pode até mesmo ser o espaço inicial. Não há regras prévias. Se ficar muito difícil de conectar-se a ele, pode fechar os olhos, mas mantenha o foco – observe o lugar – cada um tem seu próprio ritmo; 4. Convide as partes e apenas observe, sem julgamento. 5. Se nada aparente ocorrer, não há problema. Apenas observe como se sente. 6. Se uma parte aparecer, agradeça-a pela presença e veja o que acontece, com curiosidade. E se incluisse o protetor? 7. E fazer um desenho desse lugar?
  • 21. Primeiros encontros Empregar ou não essa abordagem – agir diretamente ou manter um olhar dissociativo para o caso Psicoeducação – como falar com paciente? Busca por indícios no discurso Não se destroem partes Paciência com o processo Linguagem dissociativa – eu sinto/ eu sou? Ela sente Cognição negativa – caminho racional para as partes Partes dissociativas na fase 1 Reconhecimento e aceitação de partes dissociativas Estabelecer e melhorar comunicação, cooperação e compaixão Partes crianças podem ressurgir e pedir por salvamento – engajar o adulto (ou parte de melhor funcionamento) para ser responsável pelas partes – armadilha para o terapeuta Reduzir medo do perpetrador - partes que simulam / monstros/ autodestrutivas/ enfurecidas / envergonhadas Curiosidade: qual seu propósito? Quando foram adaptativas? Busca por colaboração
  • 22. Dissociação e EMDR Diferença entre reprocessamento de passado e dinâmica de Sistema dissociativo – identificação de ritmo do paciente Insistência em reprocessamento rápido – que tal começar pelo pior e acabar logo com isso? Estabilização mesclada com reprocessamento – parceria para todo o tratamento – como ficam as 8 fases? Identificação dos padrões de defesas dissociativas
  • 23. Fases do Protocolo Construindo abordagem sobre possível dissociação – escuta por expressões dissociativas – ex. uma parte minha/ uma voz dentro de mim/ um lado meu. Precauções com perguntas diretas - Ex. “já pode se despedir do seu pai?” 2 semanas para responder; Dificuldade para dormir – “Não consigo nem pensar sobre o passado”. Psicoeducação (não destruição, estabelecer ritmo, tentativas de ajuda) e emprego de linguagem dissociativa. Formalização de um registro de Sistema de partes – plano de tratamento baseado nos plateaus clínicos; princípios de Pierre Janet. Retomada contínua de mudança de estado – usando a capacidade dissociativa como estratégia de defesa para lidar com dissociação – como usar contêiner e formas de se distanciar da experiência. Checagem continuada do Sistema de partes. Monitoramento continuado por reações de partes não ouvidas. Mapeamento contínuo do Sistema interno – novas partes? Fase 1 - levantamento da história clínica Fase 2 - processo continuado
  • 24. Processos de alienação – como restabelecer conexão entre Self e partes Contato afetivo com criança interior costuma ser mais comum em casos de TEPT simples – congelamento de cena que não comprometeu self (culpa/vergonha) Responsabilidade indevida normalmente alcança culpa/vergonha – o que foi feito e o que foi vivido Fase 2 – preparação continuada do paciente Partes apresentam necessidades distintas de estabilização, em especial as partes emocionais que vivenciam o tempo do trauma A PAN deve ser estabilizada para reduzir a fobia de contato com as Pes Podemos recorrer à dissociação terapêutica para que o dissociação automatizada seja reaprendida de modo voluntário
  • 25. Apoio de um protetor para partes alienadas Como poderia ser sua parte adulta ser a protetora das demais partes internas? E se nunca foi acompanhado ou protegido? Que tal reconhecermos que neste momento não é possível uma aproximação com essa parte? Posso reconhecer que não estou pronto para isso e tudo bem. Quem sabe se pudéssemos comunicar um pouco disso para essa parte interior: reconheço que você precisa de apoio, mas não estou em condições de fazer isso no momento. Não é um problema seu. Sou eu que preciso reconhecer meus limites. Isso vai ser bom para mim e para você (ao menos no médio prazo). Não vai ser bom se eu fingir que tudo está bem. Agora que podemos reconhecer nossos limites, Que tal convidar uma companhia de apoio temporário para essa parte? Para que essa parte não precise ficar sozinha enquanto cuidamos do adulto? Protetor para partes alienadas/ vulneráveis Quem você escolhe? Pode ser real ou imaginário, singular ou plural - Observe os detalhes de sua escolha e diga o que deseja dessa personagem. Agora, que tal conversar sobre esse plano com essa parte interior e ver se ela concorda com essa companhia provisória? Se achar conveniente, faça instalação da figura escolhida. A parte interna escolhe onde o protetor deve ficar – às vezes não pode ficar perto, por desconfiança interna.
  • 26. Pressuposto de emoções e como ajudar a conter Acreditar que qualquer dor, solidão, vergonha, transbordamento emocional, apreensão ou ameaça que sentir é uma comunicação de partes infantis dissociadas; Conduta clínica diante da emoção – de onde vem? Em vez de aguardar que partes sejam disparadas, ou que paciente se sinta inundada por emoções, a prática do círculo de meditação ajuda a criar confiança e reassegura o interior de que alguém se importa.
  • 27. Círculo de meditação para as partes Intervenção ajuda a encorajar a meditação diária – atitude mindful de não-julgamento ou agressão pessoal Tratamento importante para sistema traumatizado; Promoção de consciência interna das partes que podem preservar melhor a parte responsável por administrar a vida diária; Aumento da autocompaixão por partes feridas
  • 28. Círculo de meditação – atividade extra consulta – estabilização - instruções básicas Escolha o mesmo horário do dia e encontre um lugar calmo para se acomodar Relaxe ou feche os olhos e faça o seguinte anúncio interno: "Quero que cada parte minha venha para o círculo de meditação" – isso não é para julgar ou controlar essas partes. "Quero conhecê-las e entender melhor o que as incomoda, para tentar ajudá-las melhor e a mim também" Círculo de meditação – atitude Tudo o que observar – idades, expressões faciais, roupagem, linguagem não verbal – oferece informação sobre elas; Seu trabalho é ser curiosa sobre o que elas precisam, esperam ou receiam; Às vezes não há imagem clara, apenas sensação de partes se aproximando – pode validar essa reação: “imagino que algumas ou todas estejam com receio de que isso seja uma armadilha, ou de que vão se machucar se baixar a guarda – tudo bem: vamos nos conhecer aos poucos" Convide-as a ocupar o lugar que julgarem mais conveniente/ confortável Fique com elas por um tempo – isso pode ser o suficiente – há algo que queiram compartilhar? Tente ser uma boa ouvinte – tente realmente entender o que dizem sobre si mesmas. Leve suas necessidades e sentimentos a sério – se houver queixa de que se sentem abandonadas, tente reconhecer alguma verdade no que dizem.
  • 29. Tente atribuir a mesma oportunidade a partes diferentes, mesmo se não se sentir tocada por alguma delas - Esses sentimentos podem ser os de uma criança que ainda se sente traumatizada – e fica mais defensiva; Tente manter o foco no presente: “percebam que no aqui e agora estou aqui e não estou abandonando ninguém”; Ninguém confia em ninguém de imediato; algumas partes podem ficar em silêncio ou mostrarem-se hostis – não há problema – tudo é uma questão de ritmo. Círculo de meditação – expectativa A cada dia que nos encontrarmos vocês podem me falar um pouco mais sobre seus medos e o que posso fazer para nos ajudar – não há pressa A cada dia podem me dizer do que gostariam. Não posso prometer nada, mas posso tentar ouvir internamente, com atenção sim posso;
  • 31. Tipos de Partes Internal Family System – Richard Schwartz Dissociação Estrutural – Van der Hart, Boon e Steele Protetores – gerentes e bombeiros Exilados Crianças, adolescentes e adultos PAN – aparentemente normal, mas não muito PE – personalidade emocional de mais ou de menos Racional vs emocional PAN como parte que regula mundo externo – fóbica de partes internas – é também uma parte dissociada
  • 32. Parte emocional – existe em tempo do trauma, isolada e abandonada – com medo do mundo externo, que no fundo não mudou Dissociação como reação protetora – como entendermos qual a proteção, Segundo lógica interna. ฀Ex. Melhor eu me cortar e controlar a dor, do que alguém me machucar de novo, sem que eu tenha controle
  • 33. Passado afeta presente e mistura-se com ele Mesmo quando o paciente não consegue recordar-se de uma vivência traumática, ou tem apenas lembrança fragmentada – há repercussões na qualidade de vida hoje: Indícios: Sei que a culpa não foi minha, mas sinto como se fosse; não sou normal; sou complicado; não sei quem sou, sou alguém?; Sei que estou seguro, mas me sinto vulnerável; Sinto como se tudo estivesse acontecendo de novo; Sou descontrolado, não tenho escolhas, sou impotente para agir; sou uma fraude; tudo é um grande teatro; Agenda de partes nem sempre converge – cada uma segue um caminho, mas todas querem sobreviver e buscar o melhor Fase 3 e fase 2 Distinção entre reprocessamento de trauma e reprocessamento de defesas, de partes (reprocessamento em fase 2 e estabilização em fase 4) Ou ainda de traumas preservados pelas pes Identificação de momentos de acesso x montagem formal de ices Princípio ABC do EMDR
  • 34. Fase 4 Uso do protetor / Self adulto como co-terapeuta – redefinição do Sistema terapêutico Ação do Self com parte x terapeuta com parte – comunicação indireta ou direta (riscos de descompensação, mas de presença terapêutica como elemento co-regulador de emoção Reprocessamento de parte x protocolo clássico para reprocessamento de trauma Reprocessamento da ponta do dedo (D. Mosquera) “Siga com isso, mas fique comigo!” (D. Laliotis) Contínuo de reprocessamento DIR: de qual capacidade necessito para lidar melhor com partes interiors Protocolo dos 3c – (C. Condor) Protocolo Flash (nem vá lá) (P. Manfield) Back of the head scale – vá lá, mas volte já (j. Knipe)
  • 35. Fases 3/4: Fragmentação do alvo฀ => Processo de ampliação gradual do foco para o filme todo, até o futuro => reprocessamento periférico – de fora para dentro Protocolo Flash EM (D minúsculo) – foco na parte Emd (f. Shapiro) – foco na imagem – foco dessensibilizado => integração de Self Emd (r minúsculo) (e. Shapiro) Protocolo Assyst (I. Jarero) Fase 5 Atividade típica do pan – reorientação ao presente e reativação cognitiva com mudança de estado – Procurar por cognições específicas para cada parte (o que cada uma precisa pensar sobre si positivamente) Recuperação do adulto (como a CP aplica-se ao conjunto interno e à identidade geral?) Finalização de reprocessamento ascendente CPs importantes – posso existir, posso ser eu, estou bem como sou, sou suficientemente eu, eu pertenço, eu estou vivo, tenho importância
  • 36. Fase 5: exercício prático – crenças positivas do presente x Promessas de infância Quais promessas se encontram atrás das crenças e movimentam nossas ações? Exs.: Sou trabalhador (Vou ser mais rico que meu pai, que faliu), Sou uma boa pessoa (vou cuidar dos outros para ser valorizada, amada), Sou expansiva (vou ser bem extrovertida, para distrair os outros de sua tristeza), Sou assertiva (ninguém vai me maltratar, nem a minha mãe), Estou bem como sou (não vou me envolver emocionalmente com ninguém, para não ficar dependente)
  • 37. Parte interna reconhecida como tesouro protegido contra trauma – difícil acesso, tanto quanto as partes que guardam trauma
  • 38. Fase 6 Reprocessamento de memórias implícitas Ativação de partes primitivas dissociadas que ainda não apareceram ou que não sabem falar – escuta para além das palavras – certas Partes congeladas podem estar presas em terror sem palavras Finalização que pode ser novo início – acesso a conteúdo pré-verbal – reações mais catárticas Checagem com Sistema interno – algo mais/ alguém mais? Encontrar o quê? Vivências de invisibilidade Muitos pacientes encontraram conforto na inexistência – vinculação evitativa Vivências de rejeição profunda (persona non grata) voltar a existir pode trazer perigo de ser atacado – não existir traz o conforto de um Sistema vagal dorsal, vivenciado interiormente Estado defensivo PAN deve ser recrutado para aclarar às partes invisíveis sobre a passagem do tempo – passeio pela vida adulta presente
  • 39. Fase 7 Como compartilhar o trabalho com o sistema interno? Falando através (R. Kluft) Necessidade de repetição na fase 8 para que outros possam ouvir, ou certificar-se de que houve integração normalizar o bizarro Devolver poder ao Self adulto O que fazer com partes ainda inaceitáveis? Busca por auxiliar de enfermagem pós-sessão – troca de curativos Piscina de cura – desintoxicação de mortos e feridos
  • 40. Fase 8 Ver se paciente fala espontaneamente a respeito da última sessão Relacionamentos internos não-trabalhados são pouco responsivos a mudanças Receio de integração – perda de parte/ luto pelo não vivido Integração parcial – a ser negociada O que foi trabalhado por parte emocional ser revisto pelo discurso com pan – discurso de dissociação x meta cognição?
  • 41. Protocolo das 3 Etapas Passado Habitat das PE Em geral fracionado em fusos horários Por vezes não alcançado pelo presente Por vezes misturado com o presente Onde reside o terror sem palavras ou para além das palavras – lembranças mantidas em memória de procedimento Presente Habitat da pan - funcional Luta para permanecer no presente ou para evitar o passado – custo emocional elevado Lembrando-se de esquecer e esquecendo-se de lembrar Invadido por pes/ defendido contra elas O presente não existe ou eu não existo – desrealização e despersonalização Futuro Em geral, não existe, ou idealizado Maior parte do trabalho é em presente e passado Futuro pode ser na antecipação da integração Projeções para lidar com defesas evitativas Rituais de integração (video) – quem precisa de preparo – parte ou self? Apego ao terapeuta – figura e regulação relacional
  • 42. Transtornos Dissociativos já foram chamados de “síndromes de não-realização” (Janet) e de “transtorno de realidades múltiplas” (Kluft). Cada parte dissociativa do cliente preserva percepção única da realidade, que pode contradizer a realidade de outras partes, com o self ignorando inconsistências agudas – jeito infantil e jeito adulto de avaliar; racional x emocional. partes podem disparar simultaneamente um sistema de apego e um sistema de luta ou fuga, com sentimentos de angústia – estilo de apego desorganizado como expressão típica de dissociação A realidade das partes pode promover reações de muito ou de muito pouco, como uma sensação de não-realização. Essas vivências paradoxais são a marca distintiva da inabilidade de “realizar” o trauma (steele et al. 2017)
  • 43. Fases de tratamento de paciente com trauma complexo, Segundo Pierre Janet Estabilização – com cada parte e com o todo? Busca continuada de autorização para trabalhar Enfrentamento – sempre intercalado com estabilização – estamos caminhando demais, de menos ou na medida certa Integração – celebrar a conquista, mas sem esquecer o luto pelo que se perdeu; 1 2 3 (Integrar como incorporar ou como redefinir tarefas – fobia de integração das partes = receio de desestruturação/ intimidade)
  • 44. Partes dissociavas na fase 2 Nem todas as partes têm acesso a trauma (ou a recursos) = déficits de auto regulação Antes de lidar com reprocessamento de uma memória, podemos necessitar de: - Permissão de partes, especialmente dos leões de chácara; - Definição de quem deve participar e de quem deve ser poupado do processo; - O que fazer com as crianças, enquanto reprocessamento ocorre; - Como compartilhar os resultados do reprocessamento com outras partes que não participaram do processo Enfrentamento Primeiros socorros - salvamento de parte impotente e congelada – Self atual como advogado de parte do passado Retirar parte agredida da cena – levar ao lugar Seguro/ instalar vigilante – tempo para Palavras não ditas e gesto não finalizado Se não for possível concluir enfrentamento, Qual pode ser o próximo passo? o que seria suficientemente bom? O que a parte precisa saber do adulto para seguir adiante? O que parte deve/ pode deixar para trás? Carrega o que não lhe pertence (responsabilidade indevida) companhia provisória de cuidador, se self não dá conta – provavelmente ainda mesclado Agradecimento pelas partes que atuaram nesta fase
  • 45. Partes dissociavas na fase 3 - Aceitar e fazer luto do passado, presente e futuro - Superar fobias de uma vida íntima e sexualizada; fazer as pazes com o corpo - Assumir riscos de uma vida nova; mais imprevisível - Estabelecer novos relacionamentos, mais adultos - Estabelecer objetivos e encontrar propósito de vida - Encontrar lugar interno para figura do terapeuta e manutenção de atitudes de autocuidado - Manter abertos os canais de comunicação com as partes Cognições positivas e padrões de autocuidado
  • 46. Acordos pós-enfrentamento Redefinição de papéis das partes – parte crítica confiar mais no self Fisioterapia – o que deve ser praticado? receber afeto, carinho; dizer não, estabelecer limites adequados, assertividade; capacidade de se conter e de apenas observar Fase 3 - Integração ou unificação? Qual é a capacidade integrativa do paciente? Se pacientes têm muitas partes, isso significa um jeito mais fragmentado de estar no presente (menos tolerância a estímulos internos e externos), de regular emoções e de integrar a autobiografia. Algumas partes aparecem mais tarde na terapia, quando houver confiança suficiente. Novas defesas podem aparecer – receio do desconhecido, de que integração das partes pode significar nova perda de identidade. Receio da intimidade interior e interpessoal. Realização do tempo perdido – luto pelo que não houve (oportunidades perdidas – profissionais, afetivas, ideais). Redefinição da biografia pessoal e realização do tempo limitado por vir. . Elaborar vazio e silêncio interior – receios de solidão – muitas vezes partes foram criadas para combater negligência/ abandono externo de cuidadores.
  • 47. Ser ou não ser? Co-Regulando estados emocionais Quando há integração relativa, estados são normalmente conectados e coesivos (eles não têm o senso de self autônomo); Quando há mais dissociação, as necessidades de cada parte se acentuam e cada uma tem mais senso de “eu sou”, considerando outras partes como “não sou eu”. “Não é possível que aquela criança interior em sofrimento/ chata/ feia/ carente seja eu!”
  • 48. Ser ou não ser? Partes Abusivas com desejos condenáveis não podem pertencer a mim! => mais divergência (dissociação) e menos pontes internas. Algumas partes nunca interagem com o mundo exterior “Se eu me livrar daquele monstro, daquele medo, do pânico, vou ficar bem!” Adulto poder fazer as pazes com as partes Perda do eu ideal
  • 49. Progressão dos temas clínicos Responsabilidade / defeito Segurança / vulnerabilidade Poder / controle / escolhas Pertencimento / conexão Manter partes diferentes por quê? Em termos práticos, a divisão interna previne o todo de enfrentar a realidade = não-realização. Podemos tomar fobias como alvo ou tomar consciência de quais são as fobias subjacentes = medo de vivência interna, de outras partes dissociativas e de memórias traumáticas, e como cada variável ameaça o todo com instabilidade e imprevisibilidade. Uma parte pode ter sentimentos em relação a outras partes – “quero ser popular como você é!”
  • 50. Quadro de referência Sistêmico Partes são subsistemas de uma personalidade total, com mais ou menos autonomia; Manter uma abordagem relacional com emdr: Incluir todas as partes dissociativas na terapia – todos os pontos de vista contraditórios, sem verdade única; manter cada parte em sua janela de tolerância, com engajamento social vagal ventral, em vez de defesas mais primitivas Trabalhar sistemicamente, mesmo se aparentemente nenhuma parte estiver presente; se há conflito, ambivalência (quero e não quero)elas estão lá!
  • 51. Resumo dos Princípios A cada sessão o terapeuta deve conectar a queixa apresentada a uma parte; se o paciente se mostra ansioso, o terapeuta reenquadra a ansiedade como medo ou nervosismo de uma parte (criança?) – e expressa empatia pela parte, em vez de empatia pelo cliente. Isso reduz o risco de reforçar o desamparo do adulto que repete a história e ajuda-o a desenvolver uma atitude mais curiosa e mindful em relação à parte estressada. 1 2 Em seguida, modifique os pronomes, de modo que “você” designe o self adulto do cliente e “ele” ou “ela” descrevem uma parte – “sim, essa parte sua parece que está com medo, não é?” Busca por disparadores – “Você identifica o que disparou a reação dessa parte sua? Ou você apenas se deu conta disso por acaso, de uma hora para outra?” Estabelecendo diálogos internos
  • 52. Resumo dos Princípios Evoque a curiosidade da parte que se debate: “Qual a idade dela? Essas emoções dela são familiares? Já ouviu esses pensamentos vindo dela?” o que pode estar acontecendo na vida do cliente para justificar essa reação? No começo da terapia Não se tenta forçar uma conexão entre a parte e a história de infância ou o contexto traumático. A ênfase inicial é entre a parte adulta atual e a parte do passado. 3 Use linguagem e tons de voz que sejam compreensíveis por partes de diferentes idades4 Cuidado com outras partes serem disparadas pelo foco na vulnerabilidade – parte fica em silêncio ou muda de assunto5 Observe e comente sobre as reações de partes – Observe como parece haver uma reação protetora com relação ao que estamos fazendo – talvez estejamos caminhando depressa demais? Confira aí dentro" 6 Se porta-voz de todas as partes – "lembre-se de que todas as partes são bem-vindas aqui”7 Relembrar que manifestações podem vir das partes: “se esta crença/ sentimento/ impulso/ imagem fosse a comunicação de uma parte, o que ela tenta dizer?” 8 9 Convide paciente a conferir suas observações (terapeuta) com as partes
  • 53. Tipos de expressão dissociativa Defesas dissociativas – fobia ao mundo interno, a pensar (realizar, integrar), de partes, do passado, de memórias traumáticas, da terapia e de mudança Tept complexo Despersonalização e Desrealização Transtorno dissociativo não Especificado Transtorno dissociativo de identidade
  • 54. Mesclagem (R. Schwartz) Quando nos percebemos disparados, nossas partes dissociadas ativam- se e seus sentimentos inundam nossos corpos com emoções e impulsos para agir ou reagir que não nos pertencem; Para trabalhar as partes precisamos desmesclar partes do self adulto – de modo mindful (sem julgamento); Separar as reações intensas das partes até termos a sensação De self Estar de volta e de pes também continuarem presentes, mas distintas de nós. Passos para desmesclagem 1 Suponha que todo e qualquer sentimento, pensamento ou sensação física seja uma comunicação de partes – mesmo se não tiver certeza; 2 Descreva os sentimentos de pensamentos como reação de 3a pessoa: elas estão chateadas, elas estão passando por um momento difícil, elas estão sobrecarregadas. Observe o que ocorre quando fala sobre as partes e se refere ao sentimento delas; 3 Crie um pouco mais de separação em relação a elas, apenas o suficiente para que consiga sentir os sentimentos delas com menos intensidade e consiga se sentir também. Mude a postura física, estique as costas, boceje, faça exercícios faciais e continue a repetir: "Elas estão se sentindo _________"
  • 55. Sinais de comunicação de mesclagem 4 Use a sabedoria de sua mente adulta, sua parte que é uma amiga compassiva, uma profissional organizada, para ter uma conversa de apoio com seja lá quem estiver perturbado. Reconheça que a parte ou partes estão sobrecarregadas, envergonhadas ou tristes. Imagine: se esses fossem medos de seus amigos, clientes, etc, como responderia a eles? O que diria a eles? Pergunte: “do que necessitam para sentirem um pouco menos de medo?/ desconforto?" Elas estão falando contigo ao comunicar o que sentem. O mesmo vale para quando você se sente deprimida, com vergonha, raiva ou auto crítica. Quando se sentir assim, apenas repita o passo 1 Flashforward: o que de pior pode acontecer se conseguir me desmesclar dessa parte? Reações à desmesclagem Observe atentamente as respostas: O que está fazendo ajuda a menininha ou a deixa mais irritada? Para sentir-se com menos solidão, menos raiva, menos tristeza, menos culpa, ela precisa de quê? Elas gostam quando você escuta e demonstra atenção? De que você precisa para lidar com elas? Lidar com seu medo, tristeza, solidão, raiva, culpa? Qual seu percentual de necessidade, em comparação com o percentual das partes internas?
  • 56. Vantagens da mesclagem e temas clínicos Responsabilidade/ defeito – se sou infantil, as pessoas veem meu defeito escolhido – se me desmesclar, podem se dar conta de que sou uma fraude; Segurança/ vulnerabilidade – se estou misturado, alguém tem que cuidar de mim – se viro adulto, talvez não seja capaz de me defender/ pedir ajuda; Poder/ controle/ escolhas – se estou misturado, não preciso fazer escolhas adultas, não tenho que reconhecer minhas necessidades não atendidas – e correr o risco de perder o controle.
  • 57. Quem regula quem? Terapeutas deveriam prestar atenção à própria vivência somática quando estiverem com o paciente = mindful e presents – estou com você e comigo ao mesmo tempo focalizar a ativação de vivências positivas na terapia, ajudar o paciente a ter uma vivência positiva de ser compreendido, de tolerar seu sofrimento, Identificar quais mudanças afetam o sofrimento (testemunho), reconhecer que não podemos salvá-los Sugestões de cima para baixo para ฀terapeutas se regularem Meu paciente está com raiva de mim => meu cliente sente-se rejeitado e incompreendido Estou com raiva ou com medo? E se eu der um passo atrás e encontrar um pouco mais de espaço?
  • 58. O paciente viveu sem mim e irá viver sem mim depois – não consigo salvar ninguém – posso ser uma boa companhia, compreensiva Não sei as respostas; talvez seja melhor me calar por um tempo, sem defesas, sem desculpas Essa perturbação do paciente está realmente relacionada a mim ou talvez tenhamos acertado algo importante e contribuí para disparar isso/ Esse desentendimento/ crise não estava presente até agora – estamos passando para além das convenções sociais; agora a terapia está ficando mais profunda, mais significativa O paciente (parte adulta do paciente) é o único responsável por sua segurança
  • 59. Sugestões de baixo para cima para ฀terapeutas se regularem Relaxe os músculos, Sente-se ereto Lembre-se de expirar; Mantenha o queixo para cima Movimente os pés no chão e reajuste a postura Solte a tensão da barriga Fique consciente da cadeira que apoia as pernas e costas Suavize os olhos Mude levemente o padrão de respiração – o paciente acompanha? Sugestões de Imaginação para ฀terapeutas se regularem Imagine uma luz curadora fluindo através de você, removendo as impurezas e a tensão do momento Tente identificar onde você deixou seu protetor Lembre-se de todos à volta: mentores, terapeuta, supervisor, colegas – o que cada um deles diria se estivesse sentado aqui?: quando estiver prestes a fazer algo, aguarde um pouco mais… Lembre-se de seus ancestrais, que permitiram você estar aqui – e agradeça
  • 60. O ritmo para todos nós Quanto tempo e como proceder, de modo que paciente fique grounded, com contenção suficiente para finalizar sessão no horário, orientada ao presente – a regra dos terços: 1/3 Checar e preparar para sessão 2/3 Mergulhar – reprocessar o relacionamento com uma parte, uma memória, um sintoma, O self, o terapeuta, o mundo, novas realidades 3/3 Voltar à superfície – flutuar ao adulto aqui e agora Pequenos passos Baixar expectativas – pacientes não dão conta de nossa esperança/entusiasmo Não podem arriscar desapontar o terapeuta (menos é mais) Antes de lidar com reprocessamento integral, podemos tentar obter certa cooperação entre partes + autorização para fazer qualquer coisa = Acordo Interno para trabalhar um sintoma ou memória Dar tempo para se acostumar a vivência positiva – ficar familiarizado com o sentir-se bem Ir mais depressa aumenta risco de crise e reações de defesa.
  • 61. Mais aspectos do tratamento Trate todas as partes igualmente e lembre-se que são partes de uma pessoa, não pessoas diferentes em um corpo Nunca concorde em livrar-se de uma parte – ela sempre tem um propósito vital (embora elas possam naturalmente se fundir ou desaparecer), partes não assumidas têm que primeiro ser toleradas e eventualmente aceitas, com compaixão, antes de ter seus traumas reprocessados. Diferenciar desaprovação de comportamentos de desaprovação de partes do self; Se terapeuta fica defensivo, comete um engano, reconhecer abertamente, mesmo se não houve equívoco (!) – não foi minha intenção fazer isso – modelo de como consertar relacionamento – restauração de apego Seguro.
  • 62. Proceder com compaixão Em trauma relacional há pouco ou nenhum registro de compaixão, pacientes podem agir de modo psicopático – aprendizagem procedural; Necessitam praticar para vencer a resistência de sentir, lembrar, parar autolesão e começar colaboração com partes; Lembrete - Resistência é proteção contra algo que a pessoa não consegue lidar Ajudar pacientes a superar barreiras, para melhor comunicação interna e mais colaboração฀
  • 63. Passos a seguir Psicoeducação – normalize a vivência com partes – redefinir comportamentos destrutivos como tentativas de resolver situações difíceis; Adaptar-se à linguagem ao cliente – como eles se referem a suas partes? (meus fragmentos, minhas vozes, minha intuição, meus instintos, minhas partes etc); Comece com o adulto (versão oficial mais próxima) e use isso como referência; Todos têm objetivos em comum – querem se sentir melhor, se dar bem na vida, conferir quais seriam objetivos em comum para a pessoa – alguns podem ter suas próprias agendas/ estratégias defensivas Contactando partes Falando através – Kluft (1982) “à medida que conversamos, pode permitir que todas suas partes escutem e participem…” A parte adulta como mediadora com outras partes vs Falando diretamente com as partes Pedir para comunicar indiretamente, por meio de escrita ou desenhos
  • 64. Resistência: sua, minha ou nossa? Definição (janet, 1904) – evitação fóbica do que o paciente acredita ser intenso demais para realizar; Pode ser focado, ou em relação a mudança em geral; Resistência como fisiologia – defesas animais congeladas no tempo (pedido de ajuda/apego, fuga, luta, congelamento ou prostração); Quando clientes estão orientados para o presente e reduzem hiper ou hipoativação, sentem-se seguros - reações extremadas tendem a se dissipar. Exemplos Se me lembrar, vou enlouquecer (memórias traumáticas) Se mostrar minha fragilidade, você irá me controlar (apego) este relacionamento pode se tornar sexualizado se eu não me controlar (fronteiras/ não vou conseguir dizer “não”) Se você souber o que realmente penso, vai me desprezar, vai me abandonar (perda do apego) Se me aproximar dessa criança interior, nunca mais vou parar de chorar (partes internas) Se mudar, terei que tomar uma attitude e não dou conta disso (mudança adaptativa)
  • 65. Contratransferência? Sentir pena do paciente – querer curar/ salvar de qualquer maneira; Sentir-se focado por excesso de traumas e sucessão aparentemente infinita de partes; Favorecer certas partes em relação a outras, mais resistentes; Sentimentos negativos Crônicos sobre o paciente (falta de progresso, desesperança); Tratar as partes dissociativas como pessoas diferentes Medo de certas partes – parte que imita perpetrador (fantasias pedófilas), parte raivosa ou hostil (homicida), parte sexualizada (sedutora), vítima sempre desamparada (suicida) (automutilante); Espera por elogios de certas partes – necessidade de ser necessário; Medo de caráter invasivo de certas partes; Quais são minhas partes sendo disparadas? Preciso de supervisão ou de terapia?
  • 66. Esse conteúdo foi produzido pelo Dr. André M Monteiro. Reprodução e venda proibidas. Todos os direitos reservados.