SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
Baixar para ler offline
WORKSHOP
COMO LIDAR COM DOENTES DIFÍCEIS
GESTÃO DE CONFLITOS
DOENTES DIFÍCEIS
◾ “...Aqueles cuja visualização do nome na agenda provoca uma
sensação de frustração ou desgosto...” (Luísa Silva, USF Matosinhos)
◾ Aqueles com os quais o profissional de saúde tem dificuldade em
estabelecer uma relação eficaz.
◾ Comportamento/condição médica do doente colide com as
caraterísticas clínicas e pessoais do profissional de saúde
DOENTES DIFÍCEIS
◾ Setting (ambiente físico, o protocolo de funcionamento das consultas - tempo/horário)
◾ Relação terapêutica que se estabelece
◾ O + importante veículo terapêutico
◾ Caraterísticas do doente  Transferência
◾ Caraterísticas do profissional de saúde  Contratransferência
◾ Encontro profissional de saúde -doente  encontro de 2 histórias
O QUE OS TORNA DIFÍCEIS – VARIÁVEIS
TRANSFERÊNCIA
◾ O que o doente projeta no profissional de saúde/na relação terapêutica
◾ Sentimentos/comportamentos, reações que dirige ao profissional de saúde (+ ou -)
◾ Fundamentados nas experiências que teve na sua vida (ex.: infância) repetição padrão
◾ Padrões de interação do doente – mundo no seu quotidiano repetir-se-ão de forma muito
semelhante no ambiente clínico
CONTRATRANSFERÊNCIA
◾ Transferência do profissional de saúde para doente  Reação inconsciente à
transferência do doente
◾ Totalidade das emoções, sentimentos, comportamentos que o doente faz surgir no médico
◾ Como obstáculo à relação
◾ Como instrumento de compreensão do doente  o que o paciente induz nos outros
◾ Dificuldade/resistência em pensar sobre a contratransferência
◾ Vivências do terapeuta (passado); sua autoestima; identificação com/no paciente
CONTRATRANSFERÊNCIA
◾ Positiva: Empatia;Afetivos, responsivos, contentores
◾ Negativa: Ódio, deceção, hostilidade, desespero, insegurança, fracasso, ameaça
Doente difícil
◾ Quanto melhor nos conhecermos  + cientes dos nossos sentimentos para com os
doentes  menos provável agir sobre eles
AUTOCONHECIMENTO
◾ Quanto melhor nos conhecermos, mais facilmente compreendemos o porquê e
o para quê de determinados comportamentos e atitudes (de nós próprios e dos
outros).
CONFLITO
◾ O conflito faz parte da nossa vivência enquanto seres sociasi em contante
interacção com os outros.
◾ A Saúde é uma área de trabalho susceptível ao surgimento de conflitos.
CONFLITO
◾ O conflito pode ser determinados como uma divergência de perspectivas geradoras
de tensão.
Observe as imagens…
O que vê?
NÍVEIS DE CONFLITO
◾ Intrapessoal
◾ Interpessoal
◾ Intragrupal
◾ Intergrupal
◾ “Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos.”
Anaïs Nin
Os nossos pensamentos, sentimentos e acções decorrem da nossa realidade
subjectiva;
Não é uma situação por si só que determina o que sentimos ou a forma como agimos,
mas sim, o modo como interpretamos essas mesmas situações.
PERSPEC TIVA AC TUAL
As perspectivas atuais encaram o conflito como sendo inevitável e um elemento vital
para a mudança;
É necessário canalizar os conflitos para canais construtivos e saber geri-los
adequadamente de modo a estabelecer relações cada vez mais cooperativas.
COMUNICAÇÃO
 A comunicação é o processo básico na gestão de conflitos!
COMUNICAÇÃO
 Nenhum ser é indiferente ao outro, quando está em relação com ele;
 A maneira como nos comportamentos afecta a maneira como os outros se
comportam.
“Agressividade gera Agressividade”
ESTILOS DE COMUNICAÇÃO
 As características comunicacionias podem ser classificadas como:
Estilo passivo,
Estilo agressivo,
Estilo manipulador,
Estilo assertivo.
PASSIVO
Efeitos nos outros: Efeitos no próprio:
Pena;
Indiferença;
Evitamento;
Irritação;
Culpabilidade;
Exploração.
Frustração;
Revolta;
Agressividade;
Depressão;
Perda de auto-estima.
É uma forma pouco eficaz no relacionamento interpessoal,pela anulação de si próprio.
AGRESSIVO
Exprime de forma hostil as suas preferências, tentando levar os outros a obedecer-
lhe, não respeitando os seus direitos;
tende a manifestar uma atitude de ataque.
Efeitos nos outros: Efeitos no próprio:
 Temor;
 Inibição;
 Agressividade;
 Cólera;
 Frustração;
 Humilhação;
 Depressão.
Sentimento de poder;
Culpa;
Frustração;
Depressão.
É uma forma pouco eficaz no relacionamento interpessoal,pela imposição.
MANIPULADOR
Procura a realização dos seus objectivos usando as relações interpessoais de
forma táctica;
 Utiliza a simulação como instrumento (nega factos, inventa histórias …);
 É especialista em rumores;
 Asua arma preferida é a culpabilidade;
 Faz chantagem moral.
ASSERTIVO
Características: Comportamentos:
Controlo
Coragem
Ponderação
Tranquilidade
Empatia
Empenho
Sociabilidade
Tolerância
 Saber esperar
 Conseguir lidar com o não se sentir aceite
 Saber dizer que não
 Conseguir pedir ajuda
 Apresentar uma queixa
 Tomar decisões reflectidas
 Exprimir uma opinião
 Saber pedir desculpa
 Conseguir desculpar os outros
 Saber elogiar os outros
 Conseguir agradecer
 Saber cooperar
 Saber negociar
 Aceitar que os outros pensem de maneira diferente
 Aceitar críticas
 Respeitar os outros
 Respeitar-se a si próprio
ASSERTIVO
◾Comunicar de forma assertiva é dizer aos outros:
◾ “Eis o que o eu penso, eis o que eu sinto. É este o meu ponto de vista. Porém,
estou pronto para te ouvir e compreender o que pensas, o que sentes e qual o teu
ponto de vista.”
GESTÃO DE CONFLITOS
“...Gerir conflitos é chegar a um acordo satisfatório para os envolvidos onde
ambos os lados foram ouvidos e respeitados.”
GESTÃO DE CONFLITOS
 Nenhum ser é indiferente ao outro, quando está em relação com ele;
 A maneira como nos comportamentos afecta a maneira como os outros se
comportam.
“Agressividade gera Agressividade”
GESTÃO DE CONFLITOS
◾ Se desejarmos que as pessoas com quem nos relacionamos modifiquem o seu
comportamento, temos de agir no sentido de modificarmos nós próprios, o
nosso comportamento, quando com elas nos relacionamos;
GESTÃO DE CONFLITOS
Comunicação eficaz;
Comunicação assertiva;
Escuta activa;
Ouvir atentamente, reformular e clarificar;
Avaliar a contextualização do conflito;
Colocar questões em vez de afirmações;
Não decidir imediatamente;
Apresentar propostas.
WORKSHOP
DOENTES DIFÍCEIS
PERSONALIDADES DISFUNCIONAIS
ANTISSOCIAIS
ANTISSOCIAIS
◾ Baixo Limiar de tolerância à frustração
◾ Sedutores; Manipuladores
◾ Indisciplinados; Impulsivos; Agressivos
◾ Dificuldade no cumprimento de regras; Desrespeito; Indiferença
◾ Queixam-se dos outros/racionalizações plausíveis para seus comportamentos
ANTISSOCIAIS
◾ + Próximos do principio do prazer
◾ Sem medo; Sem culpa
◾ Única gratificação que procura está ligada a funções
corporais (beber, comer, drogas, álcool, sexo)
ANTISSOCIAIS
3 Instrumentos para atingirem objetivos:
Sedução
Manipulação
Agressão
3 Portas de entrada:
Vaidade
Culpa
Medo
 Linguagem simples, clara, direta, precisa, objetiva
 Reduzindo à expressão mínima a possibilidade de sedução, manipulação e agressão
 Olhar nos olhos mas de forma neutra e firme (sem culpa, sem vergonha...)
ESQUIZOFRENIA “DESCOMPENSADA”
ESQUIZOFRENIA “DESCOMPENSADA”
◾ Importante entrevista com o doente e familiar (separados e em conjunto, se possível)
COM O DOENTE
◾ Não olhar nos olhos mas:
◾ Manter a calma, a empatia
◾ Manter-se sempre atento e vigilante
◾ Não argumentar a atividade alucinatória/delirante
◾ Ser ativo na comunicação
◾ Ser contentor/securizante
◾ Ser neutro em termos afetivos (não sentir medo, revolta, repulsa...)
EPISÓDIO MANÍACO
EPISÓDIO MANÍACO
◾ Importante entrevista com o doente e familiar (separados e em conjunto, se possível)
COM O DOENTE
◾ Manter a calma, a empatia, o respeito
◾ Não argumentar a atividade alucinatória/delirante
◾ Ser contentor
◾ O sono é o principal aliado para controlar a fase de euforia/mania
◾ Quanto < nº h de sono > estado confusional e agitação
Ex: Lorazepam 2,5mg a 7,5mg ao deitar + olanzapina 10-20mg ao deitar
Ciamemazina 100mg (25-200mg ao deitar em SOS)
HIPOCONDRIA
HIPOCONDRIA
◾ Hipervigilantes com os sinais do corpo
◾ Não distinguem sinais inofensivos vs importantes
◾ Medo da morte, da doença e do sofrimento  INTENSO
◾ Visão pessimista e negativista da vida
◾ Ansiedade excessiva  tensão permanente
HIPOCONDRIA
◾ A relação médico-doente fica reforçada se: confiança no médico, se o vir como
autoridade e se a sua postura/opinião for securizante
◾ Informação deve ser: objetiva, criteriosa, detalhada e ao mesmo tempo simples e clara
Mínimo de ambiguidades e ambivalências
 Médico deve ser criterioso na requisição de exames  em muitos pode ser terapêutico
IMPERAR O BOM SENSO
Permanente desmistificação da doença
IDEAÇÃO SUICÍDA
IDEAÇÃO SUICIDA
 Avaliação do Risco e Objetivo do ato (chamada de atenção, castigo, vingança...)
 Deteção das motivações, problemáticas e dos fatores que ajudaram à tomada de decisão
e procura conjunta de soluções
 Comorbilidade(s) associada(s)
IDEAÇÃO SUICIDA
 Perfil do suicida
 Homem (4x) de 45 A
 Branco (2-3x)
 Solteiro (2x)/divorciados (3x)/viúvo
 Desempregado
 Baixo suporte sociofamiliar
 Hx familiar de suicídio
 P. Mental (95%)  80% depressão
(<30 A abuso substâncias e PPAs)
 Mulheres TS 3x > do que homens
 Jovens 3ª > causa de morte 15 -24A,
(depois de acidentes e homicídios)
 >ia 35-64A
 Homossexualidade
 Dça física  influencia 1/2 suicídios
 Dça psiquiátrica 3-12x > risco
IDEAÇÃO SUICIDA
 Reforço das experiências e dos aspetos positivos da vida
 Partilha/testemunho de experiências negativas/traumáticas e forma como ultrapassou
 “O que é a vida para si?”; “O que significa a morte para si?”; “Como se define?”
 “Como se iriam sentir as pessoas que realmente gostam de si?”  deteção dos laços
afetivos mais profundos do potencial suicida  desmobilização
ALCOOLISMO
ALCOOLISMO
◾Postura/atitude + ativos e cooperantes do doente e família e maior responsabilização
◾ Averiguar se tem:
 Consciência da problemática
 Interesse em abandonar os consumos
 Motivação
 Alcoolismo 1.º ou 2.º
DEFINIÇÃO - DELIRIUM
◾ No Corpus Hipocrático, delirium é "phrenitis”➔ "inflamação"
dos phrenes ➔ locus da alma e da inteligência ➔ inflamação
aguda da mente e do corpo sem que se possa indicar
uma disf(x) concreta de um locus ou órgão
◾ Febre usada como um critério para distinguir as alterações
mentais secundárias à doença física de outras condições
DEFINIÇÃO - DELIRIUM
◾ O termo delirium deriva do latim “delirare”, que significa, literalmente,
“estar fora do lugar”. No sentido figurado é “estar insano, confuso, fora de si”
◾ O léxico delirium terá sido introduzido na literatura médica por Celso (I d.C.)
◾ Celso: “Principiarei pela insanidade abordando primeiro aquela forma aguda e associada à febre. Os
gregos chamam-lhe phrenesis (phrenite)... Por vezes, durante um paroxismo febril, os doentes
ficam delirantes e dizem coisas sem sentido... não é, contudo, sempre igualmente perigoso; sendo
geralmente de curta duração e, quando o paroxismo (febril) se alivia, a mente regressa rapidamente.
Existem várias formas de insanidade: alguns estão tristes, outros hilariantes; alguns são facilmente
controláveis e dão-se apenas ao entusiasmo das palavras; outros são rebeldes e agem com violência”
DEFINIÇÃO - DELIRIUM
◾ Soranus (93-138 d.C.) descrição de um paciente que desenvolveu quadro de
“frenite”:
◾ “(...) falta de sono, ou sono continuamente entrecortado por sonhos confusos,
oscilando entre estar quieto ou barulhento, cantando sozinho, ou triste, silencioso,
murmurando, chorando, com estados repentinos de raiva, em que pula da cama,
tendo que ser contido, ameaçando todos, batendo-se, arrancando as próprias roupas,
desesperando-se de medo, não respondendo às perguntas, conversando com os
mortos como se eles lá estivessem (...)”
DELIRIUM
◾ Critérios Delirium- DSM-5:
◾ A- P. atenção (redução da capacidade de dirigir, focar, sustentar ou desviar a atenção) e do nível de consciência
(diminuição da perceção do ambiente)
◾ B- Desenvolve-se num curto período de tempo (geralmente horas a dias), representa uma mudança da linha de
base dos níveis de atenção e consciência, e tende a flutuar em severidade ao longo do dia
◾ C- P. cognitiva adicional (ex.: défice de memória, desorientação, perturbação da linguagem, das capacidades
visuo- espaciais) ou da perceção
◾ D- As perturbações dos critérios A e C não são melhor explicadas por outra perturbação neurocognitiva, nem
ocorrem no contexto de uma redução severa do estado de consciência, tal como o coma
◾ E- Há evidência de que é consequência fisiológica direta de outra condição médica, intoxicação ou abstinência de
uma substância (droga de abuso ou medicação), exposição a toxina, ou devido a múltiplas etiologias
DELIRIUM
◾ Subdividido em 4 categorias etiológicas: devido a uma condição médica; induzido por substância (efeitos
adversos/intoxicação/abstinência); devido a múltiplas etiologias; sem outra especificação
◾ Pode ser caraterizado em 3 subtipos:
◾ Hiperativo com hipervigilância, inquietação, agitação e sintomas psicóticos ➔ menos frequente
◾ Hipoativo (+ comum; pior prognóstico) com lentificação, apatia e sonolência excessiva ➔ atraso diagnostico
◾ Misto (com caraterísticas de ambos os subtipos anteriores)
◾ Podem ocorrer no delirium alterações comportamentais no período vespertino ou noturno (sundowning)
DELIRIUM
◾ As taxas de incidência + altas:
- Unidades de cuidados intensivos (30 a 70%)
- Cuidados paliativos (28 a 88%)
◾ Pós-operatório (cerca de 37%, podendo aproximar-se dos 62% em idosos)
◾ Nas últimas semanas a horas de vida, as taxas de prevalência de delirium podem chegar aos 88%
◾ Risco de mortalidade ~ 2X maior relativamente aos que não o desenvolvem
◾ Associado a aumento da morbidade, do tempo de internamento, da necessidade de ventilação
mecânica e a um maior declínio cognitivo e funcional
DELIRIUM
◾ Subdiagnosticado em cerca de 70% dos casos
◾ Os idosos: grupo populacional mais vulnerável, sem consenso sobre a predileção pelo género
◾ Prevalência de 1-2%, taxa que aumenta para 13-14% naqueles com mais de 85 anos
◾ Afeta cerca de 20% dos pacientes idosos à admissão hospitalar (serviço de urgência) e até cerca de 40- 50% dos
idosos internados
◾ Na maioria dos casos, o estado confusional é atribuído incorretamente à demência, depressão ou interpretado
apenas como uma intercorrência esperada em doentes idosos em estado crítico
FATORES DE RISCO - DELIRIUM
DELIRIUM
◾ O diagnóstico de delirium é eminentemente clínico
◾ A HC detalhada e o exame físico minucioso desencadeiam o processo inicial de avaliação
◾ Analisar a existência de mudança em relação à funcionalidade e ao nível cognitivo prévio do paciente
◾ O exame físico deve incluir o exame neurológico detalhado
◾ A avaliação dos sinais vitais e sua monitorização
◾ Análise da medicação habitual, bem como mudanças recentes de fármacos ou dosagem
◾ O uso de álcool ou outras substâncias
Confusion Assessment Method (CAM), traduzido e validado para a população
portuguesa
◾ Estado confusional agudo com flutuação
◾ Défice de atenção marcada
◾ Pensamento e discurso desorganizados
◾ Alteração do nível de consciência
◾ Considera-se delirium se existirem os itens “A” e “B” + “C” e/ou “D”
DELIRIUM- Tratamento
◾ Para o tratamento do delirium é necessário:
- Identificar a(s) causa(s) subjacente(s) do delirium
- Iniciar intervenções imediatas para condições médicas urgentes
- Fornecer tratamentos que abordem a etiologia subjacente
- Avaliar e garantir a segurança do paciente
- Avaliar o estado psiquiátrico do paciente e monitorizá-lo
◾ Tratamento:
- NÃO Farmacológico
- Farmacológico
DELIRIUM- Tratamento
◾ As medidas ambientais, de apoio e reorientação individual aplicadas independentemente da etiologia
◾ Projetadas para reduzir ou eliminar fatores ambientais que exacerbam o delirium
◾ O tratamento não farmacológico visa o fornecimento de um nível ideal de:
- Estímulo ambiental (ex.: ambiente mais familiar e tranquilo possível, limitar as
- mudanças de quarto/cama, cuidados prestados pela mesma equipa)
◾ Redução de estímulos sensoriais (ex.: iluminação de baixo nível à noite, ruído mínimo permite um período
ininterrupto de sono durante a noite; minimizar estímulos dolorosos - cateteres, sondas; corrigir défices
sensoriais)
DELIRIUM- Tratamento
◾ Reorientação: (ex: todos os que entram em contato com o doente devem fornecer referenciais de
orientação, o que implica relembrar o local onde está, a data, a hora e o que vai acontecer com ele e à
sua volta. Encorajar o uso de objetos pessoais)
DELIRIUM- Tratamento
◾ A “intemporalidade” da UCI parece contribuir para a desorganização dos ciclos de
sono-vigília, agravando a fadiga e estado confusional
◾ O delirium pode ser agravado por deficiências sensoriais, incluindo diminuição da
acuidade visual e hipoacusia. Ao fornecer/devolver os óculos ou o aparelho auditivo
de um paciente, pode-se reduzir substancialmente as manifestações do delirium
◾ Cerca de 30% dos episódios de delirium ➔ prevenidos e tratados com estratégias
NÃO farmacológicas
TRATAMENTO – FARMACOLÓCICO
► NÃO existe nenhum medicamento aprovado pela Food and Drug Administration para o seu tratamento37
FÁRMACO 25, 30-35 DOSES Notas
Haloperidol 0.25 – 5 mg (PO, IM, EV);
pode repetir-se de 4/4h
1 a 2 mg a cada 4 horas, titulação para doses mais altas em
pacientes que continuem agitados.
0,25–0,50 mg a cada 4 horas, têm sido sugeridas para
pacientes idosos
Risperidona 0,25 – 0,5 mg PO, 2x/dia
(dose inicial)
Se contra-indicações, efeitos laterais ou ineficácia por parte
do haloperidol, sobretudo a olanzapina
Aripiprazol é menos eficaz a controlar os sintomas do
delirium hiperativo, sendo necessário uma dose superior do
fármaco
No delirium hipoativo, a dose de haloperidol necessária
parece ser menor e o aripiprazol parece ser mais eficaz
Olanzapina 2,5 – 5 mg /dia
(dose inicial)
Quetiapina 12,5 – 25 mg 2x/dia
(dose inicial)
Lorazepam 0,5 – 1 mg PO
pode repetir-se de 4/4h
Abstinência de drogas ou álcool; Demência de Corpos de
Lewy ou como tratamento de 2ªlinha após ineficácia dos
antipsicóticos
CI no delirium da encefalopatia hepática e devem ser
evitadas em doentes com insuficiência respiratória
WORKSHOP
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a COMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdf

Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeEduardo Moreira
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaPatrícia Müller
 
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docxcartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docxAuriceliaRosa
 
Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfKellyCristianyRodrig
 
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSJocilaine Moreira
 
A Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de SucessoA Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de SucessoHuman Pro Solutions
 
Boletim coaching junho 2015
Boletim coaching   junho 2015Boletim coaching   junho 2015
Boletim coaching junho 2015Myrthes Lutke
 
Psioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptx
Psioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptxPsioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptx
Psioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptxHenriette Russo
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalLeandro Lopes
 
HABILIDADES_SOCIAIS.pptx
HABILIDADES_SOCIAIS.pptxHABILIDADES_SOCIAIS.pptx
HABILIDADES_SOCIAIS.pptxLéia Mayer
 
A Baixa Auto Estima No Cotidiano
A Baixa Auto Estima No CotidianoA Baixa Auto Estima No Cotidiano
A Baixa Auto Estima No CotidianoThiago de Almeida
 
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptCOMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptGernciadeSupervisoEd
 
Saia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TI
Saia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TISaia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TI
Saia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TIilegra
 

Semelhante a COMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdf (20)

Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
 
Barreirascomunicao
Barreirascomunicao Barreirascomunicao
Barreirascomunicao
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
Reunião COMJOVEM SP - Palestra: Inteligência Emocional - O Segredo do Sucesso!
Reunião COMJOVEM SP - Palestra: Inteligência Emocional - O Segredo do Sucesso!Reunião COMJOVEM SP - Palestra: Inteligência Emocional - O Segredo do Sucesso!
Reunião COMJOVEM SP - Palestra: Inteligência Emocional - O Segredo do Sucesso!
 
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docxcartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
cartilha-5-inteligencia-emocional-no-trabalho.docx
 
Apoio Emocional
Apoio EmocionalApoio Emocional
Apoio Emocional
 
Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdf
 
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOSÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
ÉTICA PARA O CUIDADOR DE IDOSOS
 
A Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de SucessoA Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
A Comunicação e os Relacionamentos de Sucesso
 
Boletim coaching junho 2015
Boletim coaching   junho 2015Boletim coaching   junho 2015
Boletim coaching junho 2015
 
Aula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de gruposAula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de grupos
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Psioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptx
Psioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptxPsioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptx
Psioeducação para o Autoconhecimento Luiciane.pptx
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
HABILIDADES_SOCIAIS.pptx
HABILIDADES_SOCIAIS.pptxHABILIDADES_SOCIAIS.pptx
HABILIDADES_SOCIAIS.pptx
 
A Baixa Auto Estima No Cotidiano
A Baixa Auto Estima No CotidianoA Baixa Auto Estima No Cotidiano
A Baixa Auto Estima No Cotidiano
 
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptCOMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
 
Saia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TI
Saia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TISaia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TI
Saia da bolha: use sua capacidade de interagir no mundo da TI
 

Mais de Gabinete De Psicologia (8)

Vinculação- penafiel.pdf
Vinculação- penafiel.pdfVinculação- penafiel.pdf
Vinculação- penafiel.pdf
 
Toxicodependências.pdf
Toxicodependências.pdfToxicodependências.pdf
Toxicodependências.pdf
 
Recusa_Escola.pdf
Recusa_Escola.pdfRecusa_Escola.pdf
Recusa_Escola.pdf
 
Preparação Parto.pdf
Preparação Parto.pdfPreparação Parto.pdf
Preparação Parto.pdf
 
01.Educacao_para_a_morte.pdf
01.Educacao_para_a_morte.pdf01.Educacao_para_a_morte.pdf
01.Educacao_para_a_morte.pdf
 
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
 
04.Artigo_A_Conferencia_familiar.pdf
04.Artigo_A_Conferencia_familiar.pdf04.Artigo_A_Conferencia_familiar.pdf
04.Artigo_A_Conferencia_familiar.pdf
 
Artigo dislexia
Artigo dislexiaArtigo dislexia
Artigo dislexia
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

COMO LIDAR DOENTES DIFICEIS.GESTÃO CONFLITOS(1) [Reparado].pdf

  • 1. WORKSHOP COMO LIDAR COM DOENTES DIFÍCEIS GESTÃO DE CONFLITOS
  • 2. DOENTES DIFÍCEIS ◾ “...Aqueles cuja visualização do nome na agenda provoca uma sensação de frustração ou desgosto...” (Luísa Silva, USF Matosinhos) ◾ Aqueles com os quais o profissional de saúde tem dificuldade em estabelecer uma relação eficaz. ◾ Comportamento/condição médica do doente colide com as caraterísticas clínicas e pessoais do profissional de saúde
  • 4. ◾ Setting (ambiente físico, o protocolo de funcionamento das consultas - tempo/horário) ◾ Relação terapêutica que se estabelece ◾ O + importante veículo terapêutico ◾ Caraterísticas do doente  Transferência ◾ Caraterísticas do profissional de saúde  Contratransferência ◾ Encontro profissional de saúde -doente  encontro de 2 histórias O QUE OS TORNA DIFÍCEIS – VARIÁVEIS
  • 5. TRANSFERÊNCIA ◾ O que o doente projeta no profissional de saúde/na relação terapêutica ◾ Sentimentos/comportamentos, reações que dirige ao profissional de saúde (+ ou -) ◾ Fundamentados nas experiências que teve na sua vida (ex.: infância) repetição padrão ◾ Padrões de interação do doente – mundo no seu quotidiano repetir-se-ão de forma muito semelhante no ambiente clínico
  • 6. CONTRATRANSFERÊNCIA ◾ Transferência do profissional de saúde para doente  Reação inconsciente à transferência do doente ◾ Totalidade das emoções, sentimentos, comportamentos que o doente faz surgir no médico ◾ Como obstáculo à relação ◾ Como instrumento de compreensão do doente  o que o paciente induz nos outros ◾ Dificuldade/resistência em pensar sobre a contratransferência ◾ Vivências do terapeuta (passado); sua autoestima; identificação com/no paciente
  • 7. CONTRATRANSFERÊNCIA ◾ Positiva: Empatia;Afetivos, responsivos, contentores ◾ Negativa: Ódio, deceção, hostilidade, desespero, insegurança, fracasso, ameaça Doente difícil ◾ Quanto melhor nos conhecermos  + cientes dos nossos sentimentos para com os doentes  menos provável agir sobre eles
  • 8.
  • 9. AUTOCONHECIMENTO ◾ Quanto melhor nos conhecermos, mais facilmente compreendemos o porquê e o para quê de determinados comportamentos e atitudes (de nós próprios e dos outros).
  • 10. CONFLITO ◾ O conflito faz parte da nossa vivência enquanto seres sociasi em contante interacção com os outros. ◾ A Saúde é uma área de trabalho susceptível ao surgimento de conflitos.
  • 11. CONFLITO ◾ O conflito pode ser determinados como uma divergência de perspectivas geradoras de tensão.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. NÍVEIS DE CONFLITO ◾ Intrapessoal ◾ Interpessoal ◾ Intragrupal ◾ Intergrupal
  • 17. ◾ “Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos.” Anaïs Nin
  • 18. Os nossos pensamentos, sentimentos e acções decorrem da nossa realidade subjectiva; Não é uma situação por si só que determina o que sentimos ou a forma como agimos, mas sim, o modo como interpretamos essas mesmas situações.
  • 19. PERSPEC TIVA AC TUAL As perspectivas atuais encaram o conflito como sendo inevitável e um elemento vital para a mudança; É necessário canalizar os conflitos para canais construtivos e saber geri-los adequadamente de modo a estabelecer relações cada vez mais cooperativas.
  • 20. COMUNICAÇÃO  A comunicação é o processo básico na gestão de conflitos!
  • 21. COMUNICAÇÃO  Nenhum ser é indiferente ao outro, quando está em relação com ele;  A maneira como nos comportamentos afecta a maneira como os outros se comportam. “Agressividade gera Agressividade”
  • 22. ESTILOS DE COMUNICAÇÃO  As características comunicacionias podem ser classificadas como: Estilo passivo, Estilo agressivo, Estilo manipulador, Estilo assertivo.
  • 23. PASSIVO Efeitos nos outros: Efeitos no próprio: Pena; Indiferença; Evitamento; Irritação; Culpabilidade; Exploração. Frustração; Revolta; Agressividade; Depressão; Perda de auto-estima. É uma forma pouco eficaz no relacionamento interpessoal,pela anulação de si próprio.
  • 24. AGRESSIVO Exprime de forma hostil as suas preferências, tentando levar os outros a obedecer- lhe, não respeitando os seus direitos; tende a manifestar uma atitude de ataque. Efeitos nos outros: Efeitos no próprio:  Temor;  Inibição;  Agressividade;  Cólera;  Frustração;  Humilhação;  Depressão. Sentimento de poder; Culpa; Frustração; Depressão. É uma forma pouco eficaz no relacionamento interpessoal,pela imposição.
  • 25. MANIPULADOR Procura a realização dos seus objectivos usando as relações interpessoais de forma táctica;  Utiliza a simulação como instrumento (nega factos, inventa histórias …);  É especialista em rumores;  Asua arma preferida é a culpabilidade;  Faz chantagem moral.
  • 26. ASSERTIVO Características: Comportamentos: Controlo Coragem Ponderação Tranquilidade Empatia Empenho Sociabilidade Tolerância  Saber esperar  Conseguir lidar com o não se sentir aceite  Saber dizer que não  Conseguir pedir ajuda  Apresentar uma queixa  Tomar decisões reflectidas  Exprimir uma opinião  Saber pedir desculpa  Conseguir desculpar os outros  Saber elogiar os outros  Conseguir agradecer  Saber cooperar  Saber negociar  Aceitar que os outros pensem de maneira diferente  Aceitar críticas  Respeitar os outros  Respeitar-se a si próprio
  • 27. ASSERTIVO ◾Comunicar de forma assertiva é dizer aos outros: ◾ “Eis o que o eu penso, eis o que eu sinto. É este o meu ponto de vista. Porém, estou pronto para te ouvir e compreender o que pensas, o que sentes e qual o teu ponto de vista.”
  • 28. GESTÃO DE CONFLITOS “...Gerir conflitos é chegar a um acordo satisfatório para os envolvidos onde ambos os lados foram ouvidos e respeitados.”
  • 29. GESTÃO DE CONFLITOS  Nenhum ser é indiferente ao outro, quando está em relação com ele;  A maneira como nos comportamentos afecta a maneira como os outros se comportam. “Agressividade gera Agressividade”
  • 30. GESTÃO DE CONFLITOS ◾ Se desejarmos que as pessoas com quem nos relacionamos modifiquem o seu comportamento, temos de agir no sentido de modificarmos nós próprios, o nosso comportamento, quando com elas nos relacionamos;
  • 31. GESTÃO DE CONFLITOS Comunicação eficaz; Comunicação assertiva; Escuta activa; Ouvir atentamente, reformular e clarificar; Avaliar a contextualização do conflito; Colocar questões em vez de afirmações; Não decidir imediatamente; Apresentar propostas.
  • 34. ANTISSOCIAIS ◾ Baixo Limiar de tolerância à frustração ◾ Sedutores; Manipuladores ◾ Indisciplinados; Impulsivos; Agressivos ◾ Dificuldade no cumprimento de regras; Desrespeito; Indiferença ◾ Queixam-se dos outros/racionalizações plausíveis para seus comportamentos
  • 35. ANTISSOCIAIS ◾ + Próximos do principio do prazer ◾ Sem medo; Sem culpa ◾ Única gratificação que procura está ligada a funções corporais (beber, comer, drogas, álcool, sexo)
  • 36. ANTISSOCIAIS 3 Instrumentos para atingirem objetivos: Sedução Manipulação Agressão 3 Portas de entrada: Vaidade Culpa Medo  Linguagem simples, clara, direta, precisa, objetiva  Reduzindo à expressão mínima a possibilidade de sedução, manipulação e agressão  Olhar nos olhos mas de forma neutra e firme (sem culpa, sem vergonha...)
  • 38. ESQUIZOFRENIA “DESCOMPENSADA” ◾ Importante entrevista com o doente e familiar (separados e em conjunto, se possível) COM O DOENTE ◾ Não olhar nos olhos mas: ◾ Manter a calma, a empatia ◾ Manter-se sempre atento e vigilante ◾ Não argumentar a atividade alucinatória/delirante ◾ Ser ativo na comunicação ◾ Ser contentor/securizante ◾ Ser neutro em termos afetivos (não sentir medo, revolta, repulsa...)
  • 40. EPISÓDIO MANÍACO ◾ Importante entrevista com o doente e familiar (separados e em conjunto, se possível) COM O DOENTE ◾ Manter a calma, a empatia, o respeito ◾ Não argumentar a atividade alucinatória/delirante ◾ Ser contentor ◾ O sono é o principal aliado para controlar a fase de euforia/mania ◾ Quanto < nº h de sono > estado confusional e agitação Ex: Lorazepam 2,5mg a 7,5mg ao deitar + olanzapina 10-20mg ao deitar Ciamemazina 100mg (25-200mg ao deitar em SOS)
  • 42. HIPOCONDRIA ◾ Hipervigilantes com os sinais do corpo ◾ Não distinguem sinais inofensivos vs importantes ◾ Medo da morte, da doença e do sofrimento  INTENSO ◾ Visão pessimista e negativista da vida ◾ Ansiedade excessiva  tensão permanente
  • 43. HIPOCONDRIA ◾ A relação médico-doente fica reforçada se: confiança no médico, se o vir como autoridade e se a sua postura/opinião for securizante ◾ Informação deve ser: objetiva, criteriosa, detalhada e ao mesmo tempo simples e clara Mínimo de ambiguidades e ambivalências  Médico deve ser criterioso na requisição de exames  em muitos pode ser terapêutico IMPERAR O BOM SENSO Permanente desmistificação da doença
  • 45. IDEAÇÃO SUICIDA  Avaliação do Risco e Objetivo do ato (chamada de atenção, castigo, vingança...)  Deteção das motivações, problemáticas e dos fatores que ajudaram à tomada de decisão e procura conjunta de soluções  Comorbilidade(s) associada(s)
  • 46. IDEAÇÃO SUICIDA  Perfil do suicida  Homem (4x) de 45 A  Branco (2-3x)  Solteiro (2x)/divorciados (3x)/viúvo  Desempregado  Baixo suporte sociofamiliar  Hx familiar de suicídio  P. Mental (95%)  80% depressão (<30 A abuso substâncias e PPAs)  Mulheres TS 3x > do que homens  Jovens 3ª > causa de morte 15 -24A, (depois de acidentes e homicídios)  >ia 35-64A  Homossexualidade  Dça física  influencia 1/2 suicídios  Dça psiquiátrica 3-12x > risco
  • 47. IDEAÇÃO SUICIDA  Reforço das experiências e dos aspetos positivos da vida  Partilha/testemunho de experiências negativas/traumáticas e forma como ultrapassou  “O que é a vida para si?”; “O que significa a morte para si?”; “Como se define?”  “Como se iriam sentir as pessoas que realmente gostam de si?”  deteção dos laços afetivos mais profundos do potencial suicida  desmobilização
  • 49. ALCOOLISMO ◾Postura/atitude + ativos e cooperantes do doente e família e maior responsabilização ◾ Averiguar se tem:  Consciência da problemática  Interesse em abandonar os consumos  Motivação  Alcoolismo 1.º ou 2.º
  • 50. DEFINIÇÃO - DELIRIUM ◾ No Corpus Hipocrático, delirium é "phrenitis”➔ "inflamação" dos phrenes ➔ locus da alma e da inteligência ➔ inflamação aguda da mente e do corpo sem que se possa indicar uma disf(x) concreta de um locus ou órgão ◾ Febre usada como um critério para distinguir as alterações mentais secundárias à doença física de outras condições
  • 51. DEFINIÇÃO - DELIRIUM ◾ O termo delirium deriva do latim “delirare”, que significa, literalmente, “estar fora do lugar”. No sentido figurado é “estar insano, confuso, fora de si” ◾ O léxico delirium terá sido introduzido na literatura médica por Celso (I d.C.) ◾ Celso: “Principiarei pela insanidade abordando primeiro aquela forma aguda e associada à febre. Os gregos chamam-lhe phrenesis (phrenite)... Por vezes, durante um paroxismo febril, os doentes ficam delirantes e dizem coisas sem sentido... não é, contudo, sempre igualmente perigoso; sendo geralmente de curta duração e, quando o paroxismo (febril) se alivia, a mente regressa rapidamente. Existem várias formas de insanidade: alguns estão tristes, outros hilariantes; alguns são facilmente controláveis e dão-se apenas ao entusiasmo das palavras; outros são rebeldes e agem com violência”
  • 52. DEFINIÇÃO - DELIRIUM ◾ Soranus (93-138 d.C.) descrição de um paciente que desenvolveu quadro de “frenite”: ◾ “(...) falta de sono, ou sono continuamente entrecortado por sonhos confusos, oscilando entre estar quieto ou barulhento, cantando sozinho, ou triste, silencioso, murmurando, chorando, com estados repentinos de raiva, em que pula da cama, tendo que ser contido, ameaçando todos, batendo-se, arrancando as próprias roupas, desesperando-se de medo, não respondendo às perguntas, conversando com os mortos como se eles lá estivessem (...)”
  • 53. DELIRIUM ◾ Critérios Delirium- DSM-5: ◾ A- P. atenção (redução da capacidade de dirigir, focar, sustentar ou desviar a atenção) e do nível de consciência (diminuição da perceção do ambiente) ◾ B- Desenvolve-se num curto período de tempo (geralmente horas a dias), representa uma mudança da linha de base dos níveis de atenção e consciência, e tende a flutuar em severidade ao longo do dia ◾ C- P. cognitiva adicional (ex.: défice de memória, desorientação, perturbação da linguagem, das capacidades visuo- espaciais) ou da perceção ◾ D- As perturbações dos critérios A e C não são melhor explicadas por outra perturbação neurocognitiva, nem ocorrem no contexto de uma redução severa do estado de consciência, tal como o coma ◾ E- Há evidência de que é consequência fisiológica direta de outra condição médica, intoxicação ou abstinência de uma substância (droga de abuso ou medicação), exposição a toxina, ou devido a múltiplas etiologias
  • 54. DELIRIUM ◾ Subdividido em 4 categorias etiológicas: devido a uma condição médica; induzido por substância (efeitos adversos/intoxicação/abstinência); devido a múltiplas etiologias; sem outra especificação ◾ Pode ser caraterizado em 3 subtipos: ◾ Hiperativo com hipervigilância, inquietação, agitação e sintomas psicóticos ➔ menos frequente ◾ Hipoativo (+ comum; pior prognóstico) com lentificação, apatia e sonolência excessiva ➔ atraso diagnostico ◾ Misto (com caraterísticas de ambos os subtipos anteriores) ◾ Podem ocorrer no delirium alterações comportamentais no período vespertino ou noturno (sundowning)
  • 55. DELIRIUM ◾ As taxas de incidência + altas: - Unidades de cuidados intensivos (30 a 70%) - Cuidados paliativos (28 a 88%) ◾ Pós-operatório (cerca de 37%, podendo aproximar-se dos 62% em idosos) ◾ Nas últimas semanas a horas de vida, as taxas de prevalência de delirium podem chegar aos 88% ◾ Risco de mortalidade ~ 2X maior relativamente aos que não o desenvolvem ◾ Associado a aumento da morbidade, do tempo de internamento, da necessidade de ventilação mecânica e a um maior declínio cognitivo e funcional
  • 56. DELIRIUM ◾ Subdiagnosticado em cerca de 70% dos casos ◾ Os idosos: grupo populacional mais vulnerável, sem consenso sobre a predileção pelo género ◾ Prevalência de 1-2%, taxa que aumenta para 13-14% naqueles com mais de 85 anos ◾ Afeta cerca de 20% dos pacientes idosos à admissão hospitalar (serviço de urgência) e até cerca de 40- 50% dos idosos internados ◾ Na maioria dos casos, o estado confusional é atribuído incorretamente à demência, depressão ou interpretado apenas como uma intercorrência esperada em doentes idosos em estado crítico
  • 57. FATORES DE RISCO - DELIRIUM
  • 58. DELIRIUM ◾ O diagnóstico de delirium é eminentemente clínico ◾ A HC detalhada e o exame físico minucioso desencadeiam o processo inicial de avaliação ◾ Analisar a existência de mudança em relação à funcionalidade e ao nível cognitivo prévio do paciente ◾ O exame físico deve incluir o exame neurológico detalhado ◾ A avaliação dos sinais vitais e sua monitorização ◾ Análise da medicação habitual, bem como mudanças recentes de fármacos ou dosagem ◾ O uso de álcool ou outras substâncias
  • 59. Confusion Assessment Method (CAM), traduzido e validado para a população portuguesa ◾ Estado confusional agudo com flutuação ◾ Défice de atenção marcada ◾ Pensamento e discurso desorganizados ◾ Alteração do nível de consciência ◾ Considera-se delirium se existirem os itens “A” e “B” + “C” e/ou “D”
  • 60. DELIRIUM- Tratamento ◾ Para o tratamento do delirium é necessário: - Identificar a(s) causa(s) subjacente(s) do delirium - Iniciar intervenções imediatas para condições médicas urgentes - Fornecer tratamentos que abordem a etiologia subjacente - Avaliar e garantir a segurança do paciente - Avaliar o estado psiquiátrico do paciente e monitorizá-lo ◾ Tratamento: - NÃO Farmacológico - Farmacológico
  • 61. DELIRIUM- Tratamento ◾ As medidas ambientais, de apoio e reorientação individual aplicadas independentemente da etiologia ◾ Projetadas para reduzir ou eliminar fatores ambientais que exacerbam o delirium ◾ O tratamento não farmacológico visa o fornecimento de um nível ideal de: - Estímulo ambiental (ex.: ambiente mais familiar e tranquilo possível, limitar as - mudanças de quarto/cama, cuidados prestados pela mesma equipa) ◾ Redução de estímulos sensoriais (ex.: iluminação de baixo nível à noite, ruído mínimo permite um período ininterrupto de sono durante a noite; minimizar estímulos dolorosos - cateteres, sondas; corrigir défices sensoriais)
  • 62. DELIRIUM- Tratamento ◾ Reorientação: (ex: todos os que entram em contato com o doente devem fornecer referenciais de orientação, o que implica relembrar o local onde está, a data, a hora e o que vai acontecer com ele e à sua volta. Encorajar o uso de objetos pessoais)
  • 63. DELIRIUM- Tratamento ◾ A “intemporalidade” da UCI parece contribuir para a desorganização dos ciclos de sono-vigília, agravando a fadiga e estado confusional ◾ O delirium pode ser agravado por deficiências sensoriais, incluindo diminuição da acuidade visual e hipoacusia. Ao fornecer/devolver os óculos ou o aparelho auditivo de um paciente, pode-se reduzir substancialmente as manifestações do delirium ◾ Cerca de 30% dos episódios de delirium ➔ prevenidos e tratados com estratégias NÃO farmacológicas
  • 64. TRATAMENTO – FARMACOLÓCICO ► NÃO existe nenhum medicamento aprovado pela Food and Drug Administration para o seu tratamento37 FÁRMACO 25, 30-35 DOSES Notas Haloperidol 0.25 – 5 mg (PO, IM, EV); pode repetir-se de 4/4h 1 a 2 mg a cada 4 horas, titulação para doses mais altas em pacientes que continuem agitados. 0,25–0,50 mg a cada 4 horas, têm sido sugeridas para pacientes idosos Risperidona 0,25 – 0,5 mg PO, 2x/dia (dose inicial) Se contra-indicações, efeitos laterais ou ineficácia por parte do haloperidol, sobretudo a olanzapina Aripiprazol é menos eficaz a controlar os sintomas do delirium hiperativo, sendo necessário uma dose superior do fármaco No delirium hipoativo, a dose de haloperidol necessária parece ser menor e o aripiprazol parece ser mais eficaz Olanzapina 2,5 – 5 mg /dia (dose inicial) Quetiapina 12,5 – 25 mg 2x/dia (dose inicial) Lorazepam 0,5 – 1 mg PO pode repetir-se de 4/4h Abstinência de drogas ou álcool; Demência de Corpos de Lewy ou como tratamento de 2ªlinha após ineficácia dos antipsicóticos CI no delirium da encefalopatia hepática e devem ser evitadas em doentes com insuficiência respiratória