SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
A queda do Império Romano e o início da Idade Média
 
 
Crise  ecoa:  Divisão do Império Romano em 2 partes: Império Romano do Ocidente e Império Romano do Oriente
As Invasões Bárbaras
No séc. II, os romanos chamavam bárbaros ou germanos aos povos que viviam fora das fronteiras do Império  e não falavam a língua latina.
 
 
 
A partir do séc. IV, aproveitando as debilidades e desentendimentos entre os romanos, e pressionados pelos ataques dos Hunos a Leste, estes povos transpõem as fronteiras do Império e entregam-se ao saque.
 
 
 
Após as invasões bárbaras, a Igreja de Roma era a única instituição bem organizada em toda a Cristandade. O clero formava um grupo com prestígio e autoridade. O papa era a autoridade máxima da Igreja. Nesta imagem, o papa Leão III coroa o imperador Carlos Magno, no Natal de 800. Os cardeais
 
O Ensino
 
Os Monges-Copistas
Assistência a doentes, peregrinos e mendigos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românicaAna Barreiros
 
Exame mod 3 2 taar - proposta de correção
Exame mod 3  2 taar - proposta de correçãoExame mod 3  2 taar - proposta de correção
Exame mod 3 2 taar - proposta de correçãoteresagoncalves
 
2.da era cristã ao período bizantino
2.da era cristã ao período bizantino2.da era cristã ao período bizantino
2.da era cristã ao período bizantinoAna Barreiros
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesIsidro Santos
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaCarla Freitas
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedralVítor Santos
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaçoAna Barreiros
 
Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCarlos Vieira
 
Cultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte OtonianaCultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte OtonianaCarlos Vieira
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana iAna Barreiros
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regularCarla Freitas
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romanaCarla Freitas
 
Arte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxArte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxJuditeBarbosa1
 
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Lila Donato
 
Invasões Barbaras
Invasões BarbarasInvasões Barbaras
Invasões Barbarasluisaprof
 
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e MoçárabeMódulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e MoçárabeCarla Freitas
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiroCarla Teixeira
 

Mais procurados (20)

Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Exame mod 3 2 taar - proposta de correção
Exame mod 3  2 taar - proposta de correçãoExame mod 3  2 taar - proposta de correção
Exame mod 3 2 taar - proposta de correção
 
2.da era cristã ao período bizantino
2.da era cristã ao período bizantino2.da era cristã ao período bizantino
2.da era cristã ao período bizantino
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
Cultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte OtonianaCultura do Mosteiro - Arte Otoniana
Cultura do Mosteiro - Arte Otoniana
 
Gotico em Portugal
Gotico em PortugalGotico em Portugal
Gotico em Portugal
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Arte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxArte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptx
 
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1
 
Invasões Barbaras
Invasões BarbarasInvasões Barbaras
Invasões Barbaras
 
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e MoçárabeMódulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
Módulo 3 - Arte Islâmica e Moçárabe
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
 

Destaque

A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civilCarla Teixeira
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1Carla Teixeira
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeCarla Teixeira
 
A cultura do palco ficha 2
A cultura do palco  ficha 2A cultura do palco  ficha 2
A cultura do palco ficha 2Carla Teixeira
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaCarla Teixeira
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadasCarla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salãoCarla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3Carla Teixeira
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Carla Teixeira
 

Destaque (20)

A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Absolutismo 1
Absolutismo 1Absolutismo 1
Absolutismo 1
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regime
 
Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
 
Barroco 2
Barroco 2Barroco 2
Barroco 2
 
A cultura do palco ficha 2
A cultura do palco  ficha 2A cultura do palco  ficha 2
A cultura do palco ficha 2
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
 
Ficha 3 islamismo
Ficha 3  islamismoFicha 3  islamismo
Ficha 3 islamismo
 
Ficha 3 módulo 4
Ficha 3  módulo 4Ficha 3  módulo 4
Ficha 3 módulo 4
 
Ficha 2 módulo 4
Ficha 2  módulo 4Ficha 2  módulo 4
Ficha 2 módulo 4
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
 

Semelhante a A cultura do mosteiro

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
Alta idade média ok
Alta idade média   okAlta idade média   ok
Alta idade média okhillary2011
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade médiaKerol Brombal
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)Giorgia Marrone
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anosÍris Ferreira
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade médiaKerol Brombal
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbarasKerol Brombal
 
A Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXA Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXhistoriajovem2011
 
Revisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade Média
Revisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade MédiaRevisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade Média
Revisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade Médiacaldarte
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade médiaJonatas Carlos
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Fatima Freitas
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
A Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXA Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXPatrícia Morais
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaFatima Freitas
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antigahistoriando
 

Semelhante a A cultura do mosteiro (20)

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
Alta idade média ok
Alta idade média   okAlta idade média   ok
Alta idade média ok
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
A alta idade média
A alta idade médiaA alta idade média
A alta idade média
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Idade Média 2ª parte
Idade Média 2ª parteIdade Média 2ª parte
Idade Média 2ª parte
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anos
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
 
A Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXA Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IX
 
Revisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade Média
Revisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade MédiaRevisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade Média
Revisão de conteúdo do 2º ano do ensino médio sobre o período da Idade Média
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
A Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXA Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IX
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antiga
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 

A cultura do mosteiro

  • 1. A queda do Império Romano e o início da Idade Média
  • 2.  
  • 3.  
  • 4. Crise ecoa: Divisão do Império Romano em 2 partes: Império Romano do Ocidente e Império Romano do Oriente
  • 6. No séc. II, os romanos chamavam bárbaros ou germanos aos povos que viviam fora das fronteiras do Império e não falavam a língua latina.
  • 7.  
  • 8.  
  • 9.  
  • 10. A partir do séc. IV, aproveitando as debilidades e desentendimentos entre os romanos, e pressionados pelos ataques dos Hunos a Leste, estes povos transpõem as fronteiras do Império e entregam-se ao saque.
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14. Após as invasões bárbaras, a Igreja de Roma era a única instituição bem organizada em toda a Cristandade. O clero formava um grupo com prestígio e autoridade. O papa era a autoridade máxima da Igreja. Nesta imagem, o papa Leão III coroa o imperador Carlos Magno, no Natal de 800. Os cardeais
  • 15.  
  • 17.  
  • 19. Assistência a doentes, peregrinos e mendigos
  • 20.  

Notas do Editor

  1. O ensino era controlado pelo clero, uma vez que era o único grupo social que sabia ler e escrever. A imagem é bem elucidativa quanto ao tipo de ensino – o Mestre, à esquerda, e os jovens aprendizes, à direita, rodeados por muitos livros expostos em escaparates. O professor deverá explicitar não só o tipo de ensino – dirigista e baseado na memorização, como também os métodos pedagógicos aplicados (em muitos casos violentos) e compará-los com os actuais.
  2. Neste diapositivo, o professor poderá deter-se sobre a importância do livro na Idade Média e relacioná-la com o próprio prestígio social do clero. Falar do Livro medieval é falar sobretudo dos Textos Sagrados, isto é, a Bíblia (o Velho e o Novo Testamento) e da sua popularidade junto dos privilegiados. Mas… qual a importância do Livro para um nobre, por exemplo, se ele não sabia ler? Mais importante que ler o livro era tê-lo, uma vez que ele era manuscrito, feito em pergaminho e profusamente decorado (com iluminuras e até pedras preciosas), facto que tornava o livro um verdadeiro tesouro. Possui-lo era uma forma de provar a capacidade financeira do encomendador. A primeira imagem descreve o trabalho dos monges-copistas na árdua e longa tarefa de copiar os livros e de os iluminar. A dependência onde se realizava este trabalho era no scriptorium . A segunda imagem representa uma iluminura. O professor deverá explorá-la quanto às cores utilizadas, bem como os temas representados. Dever-se-á referir também que já que a maior parte das pessoas, incluindo os nobres, não sabiam ler nem escrever, também as iluminuras tinham um forte papel doutrinal. Finalmente, e apenas por curiosidade o professor poderá falar do lugar de destaque que a Bíblia tinha na Igreja – aberto ou fechado, na mesa do altar, ladeado por velas cuja luz reflectida nas pedras preciosas embutidas na capa de couro, ou nas iluminuras originavam um colorido e luminoso efeito cenográfico.
  3. Outra das funções dos monges era a assistência aos doentes, peregrinos e mendigos, uma vez que os mosteiros faziam parte do roteiro das grandes peregrinações, como Santiago de Compostela. Na primeira imagem, pode-se ver um doente ou muribundo que poderá estar a receber ou a extrema unção ( confissão, absolvição os pecados e comunhão) ou a ser medicado. Relativamente a este último tema, o professor poderá apresentar algumas curiosidades sobre os medicamentos e as mezinhas caseiras feitas com mel, ervas variadas e até mesmo aguardente. A segunda imagem que surge representa alguns peregrinos de Santiago de Compostela. O professor deverá falar da importância de Santiago de Compostela, como o principal centro de peregrinação da Europa, que originava grandes movimentações populacionais. No entanto, deve-se falar dos perigos que os peregrinos estavam sujeitos, como por exemplo os assaltos, mas também o encontro cultural que estava por detrás deste movimento religioso e sazonal, cujos símbolos eram a concha, o cajado e a cabaça.
  4. Este diapositivo finaliza a apresentação deste tema, no entanto o professor poderá explicá-la, uma vez que se trata da reprodução de uma página de um livro de salmos, com pauta musical, para serem cantados. No apresentação, o professor poderá criar uma pequena ficha de consolidação dos conhecimentos, para testar se os alunos adquiriram ou não os conteúdos propostos e apresentados no powerpoint.