SlideShare uma empresa Scribd logo
A Cultura monástica, cortesã e popular
Literatura na Idade Média ,[object Object]
O Sistema Feudal e a Literatura ,[object Object]
A CULTURA MONÁSTICA
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A Cultura Cortesã Numa época em que o livro era, ainda, raro e caro, a transmissão da cultura e até mesmo da literatura escrita que então começava a aparecer, fazia-se sobretudo, por via oral.
A  cultura cortesã desenvolveu-se nas cortes régias. As principais manifestações da cultura cortesã eram as representações teatrais, a poesia trovadoresca, os romances de cavalaria e os livros de montaria, a música, os torneios, as festas e os banquetes.
 
O trovador era o artista de origem nobre  que, geralmente acompanhado de instrumentos musicais, como o  alaúde  ou a  cistre , compunha e entoava cantigas .
Os jograis eram os artistas profissionais de origem , que tanto atuava nas praças públicas, divertindo o público, assim como nos palácios senhoriais, com suas  sátiras ,  mágicas ,  acrobacias ,  mímica . Eram "homens de condição inferior que ora cantavam música e poesia alheias, ora eles próprios compunham, para tirarem proveito da sua arte".
 
Segundo o código do amor cortês, um trovador deveria expressar seus elogios e súplicas a uma mulher da nobreza, casada, que tivesse uma posição social reconhecida. Essa posição social era necessária para que fosse criada, nos textos literários, uma estrutura lírica equivalente à da relação de vassalagem .
Os termos que definiam as relações feudais foram transpostos para as cantigas, caracterizando a linguagem do Trovadorismo: a mulher era a senhora, o homem era o seu servidor (servo); prezava-se a generosidade, a lealdade e, acima de tudo, a cortesia.
O amor era visto como uma forma de sublimação dos desejos que transformava o trovador num homem cortês. A dama era vista sob uma perspectiva idealizada, de perfeição absoluta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
filomena morais
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
A vida quotidiana da sociedade medieval
A vida quotidiana da sociedade medievalA vida quotidiana da sociedade medieval
A vida quotidiana da sociedade medieval
Sara Marques
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
cattonia
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosAvida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Manuela Cavaco
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Ana Barreiros
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Susana Simões
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
Cátia Botelho
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
Carla Teixeira
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Andrea Dressler
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
José Ferreira
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Rui Neto
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
A vida quotidiana da sociedade medieval
A vida quotidiana da sociedade medievalA vida quotidiana da sociedade medieval
A vida quotidiana da sociedade medieval
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosAvida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIV
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 

Semelhante a A cultura monástica, cortesã e popular parte 1

A literatura na idade média e o humanismo
A literatura na idade média e o humanismoA literatura na idade média e o humanismo
A literatura na idade média e o humanismo
Carolina Loçasso Pereira
 
CRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVAL
CRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVALCRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVAL
CRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVAL
casa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Muna Omran
 
Literatura Idade Média
Literatura Idade Média Literatura Idade Média
Literatura Idade Média
Muna Omran
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
Joana Filipa Rodrigues
 
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriaisCultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Escola Luis de Freitas Branco
 
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesaA Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
Tatiana Azenha
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Miriam Zelmikaitis
 
Trovadorismo(3F)
Trovadorismo(3F)Trovadorismo(3F)
Trovadorismo(3F)
Zenia Ferreira
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Zenia Ferreira
 
Literatura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptx
Literatura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptxLiteratura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptx
Literatura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptx
FabianeDeMeloCortez
 
Plano de aula - Carlos
Plano de aula - CarlosPlano de aula - Carlos
Plano de aula - Carlos
Carlos Batanoli Hallberg
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Trovadorismo 03
Trovadorismo 03Trovadorismo 03
Trovadorismo 03
Dani Bertollo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Péricles Penuel
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
Joao Vitor Ckp
 
NOVELAS DE CAVALARIA
NOVELAS DE CAVALARIANOVELAS DE CAVALARIA
NOVELAS DE CAVALARIA
Karina Lima
 
Apresentação - Colégio Educare
Apresentação - Colégio EducareApresentação - Colégio Educare
Apresentação - Colégio Educare
PortalEducare
 
Literatura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade MédiaLiteratura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade Média
kelvin45170
 
Camões
Camões Camões
Camões
Filipe Ferreira
 

Semelhante a A cultura monástica, cortesã e popular parte 1 (20)

A literatura na idade média e o humanismo
A literatura na idade média e o humanismoA literatura na idade média e o humanismo
A literatura na idade média e o humanismo
 
CRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVAL
CRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVALCRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVAL
CRISTIANO NICKEL - ARTE MEDIEVAL
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura Idade Média
Literatura Idade Média Literatura Idade Média
Literatura Idade Média
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
 
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriaisCultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
 
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesaA Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo(3F)
Trovadorismo(3F)Trovadorismo(3F)
Trovadorismo(3F)
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptx
Literatura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptxLiteratura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptx
Literatura - Escola Literária - TROVADORISMO.pptx
 
Plano de aula - Carlos
Plano de aula - CarlosPlano de aula - Carlos
Plano de aula - Carlos
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Trovadorismo 03
Trovadorismo 03Trovadorismo 03
Trovadorismo 03
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
NOVELAS DE CAVALARIA
NOVELAS DE CAVALARIANOVELAS DE CAVALARIA
NOVELAS DE CAVALARIA
 
Apresentação - Colégio Educare
Apresentação - Colégio EducareApresentação - Colégio Educare
Apresentação - Colégio Educare
 
Literatura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade MédiaLiteratura E Teatro Na Idade Média
Literatura E Teatro Na Idade Média
 
Camões
Camões Camões
Camões
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

A cultura monástica, cortesã e popular parte 1

  • 1. A Cultura monástica, cortesã e popular
  • 2.
  • 3.
  • 5.
  • 6. A Cultura Cortesã Numa época em que o livro era, ainda, raro e caro, a transmissão da cultura e até mesmo da literatura escrita que então começava a aparecer, fazia-se sobretudo, por via oral.
  • 7. A cultura cortesã desenvolveu-se nas cortes régias. As principais manifestações da cultura cortesã eram as representações teatrais, a poesia trovadoresca, os romances de cavalaria e os livros de montaria, a música, os torneios, as festas e os banquetes.
  • 8.  
  • 9. O trovador era o artista de origem nobre que, geralmente acompanhado de instrumentos musicais, como o alaúde ou a cistre , compunha e entoava cantigas .
  • 10. Os jograis eram os artistas profissionais de origem , que tanto atuava nas praças públicas, divertindo o público, assim como nos palácios senhoriais, com suas sátiras , mágicas , acrobacias , mímica . Eram "homens de condição inferior que ora cantavam música e poesia alheias, ora eles próprios compunham, para tirarem proveito da sua arte".
  • 11.  
  • 12. Segundo o código do amor cortês, um trovador deveria expressar seus elogios e súplicas a uma mulher da nobreza, casada, que tivesse uma posição social reconhecida. Essa posição social era necessária para que fosse criada, nos textos literários, uma estrutura lírica equivalente à da relação de vassalagem .
  • 13. Os termos que definiam as relações feudais foram transpostos para as cantigas, caracterizando a linguagem do Trovadorismo: a mulher era a senhora, o homem era o seu servidor (servo); prezava-se a generosidade, a lealdade e, acima de tudo, a cortesia.
  • 14. O amor era visto como uma forma de sublimação dos desejos que transformava o trovador num homem cortês. A dama era vista sob uma perspectiva idealizada, de perfeição absoluta.

Notas do Editor

  1. Ao som de um trovador, o professor e os alunos podem ouvir uma das músicas mais populares na Idade Média, principalmente nos serões dos castelos. Será interessante o professor falar nos temas abordados nestas “Cantigas de Amor” e nas “Cantigas de Amigo”, não esquecendo de mencionar o exemplo português do rei-poeta D. Dinis, o qual escreveu muitas Cantigas , tocadas e cantadas na sua corte. Finalmente e apenas como curiosidade, o professor pode referir o papel da mulher, principalmente da mulher nobre, que raramente aparece e cujas funções se cingem à educação dos filhos, em tenra idade, aos bordados, à oração. Eram raras as situações em que a mulher aparecia em público.