SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Ficha Informativa/Trabalhonº1


    Da queda do Império Romano do Ocidente à criação dos
                       reinos cristãos

A queda do império romano deu-se gradualmente, tendo-se iniciado no séc. V com a queda
da parte ocidental. Roma acabou por cair em 410, com a sua destruição pelos bárbaros, e o
império romano do ocidente acabou por ver o seu término a 476, tendo-se fragmentado em
vários reinos bárbaros. Este acontecimento marca o início da idade média.




A desordem política e a disseminação do cristianismo foram dois fatores que, somados às
Invasões Bárbaras, foram responsáveis pela crise do Império Romano.

Esse processo de ocupação foi realizado pelos bárbaros, povos que eram assim chamados
pelos romanos hunos (século V) dos territórios do Império e não falarem latim.
  Como são os por viverem fora

Habitando as regiões fronteiriças ao Império Romano, os nas margens do Mar
  “Os historiadores antigos mal mencionam os hunos. Eles habitam povos bárbaros foram
penetrando osferocidade supera tudo. um processo lento e gradual. Inicialmente, dado o
  Glacial. Sua territórios de Roma em
colapso da estrutura militar e as constantes guerras civis, os imperadores romanos
realizavam acordos, pelos quaisoos bárbaros Alimentam-se de raízes habitar essas da
  Não cozinham nem temperam que comem. ganharam o direito de silvestres ou regiões.
Em troca, eles defendiam aque aparece, carne esta que esquentam por algum tempo, sobre
  carne do primeiro animal fronteira da invasão de outros povos.
  o dorso de seu cavalo, entre suas próprias pernas. Não possuem abrigo. Entre eles não se
  usam casas, nem túmulos. Não encontraríamos nem mesmo uma cabana. Passam a vida
  percorrendo as montanhas e as florestas. São endurecidos desde o berço contra o frio, a
  tome e a sede. Mesmo em viagem, não entram em habitação sem necessidade absoluta e
  não se crêem nunca em segurança.

No entantoreis nem governantes, mas invadiram as chefes, eleitosimpério romano.
 Não têm pressionados pelos Hunos obedecem a fronteiras do em cada circunstância.
 Quando se lançam ao combate, soltam no ar uma gritaria terrível.”
ProfªCarla teixeira                                                               Página 1
     Amiano Marcelino. Res gestae. Transcrito por Courcelle, Pierre. História literária
             das grandes invasões germânicas. Petrópolis, Vozes, 1955, pp. 151-152
Ficha Informativa/Trabalhonº1




Os bárbaros dividiam-se em vários reinos.A maioria destes povos organizavam-se em
aldeias rurais, compostas por
habitações rústicas feitas de
barro e galhos de árvores.
Praticavam o cultivo de cereais
como, por exemplo, o trigo, o
feijão, a cevada e a ervilha.
Criavam gado para obter o couro,
a carne e o leite. Dedicavam-se
também às guerras como forma
de saquear riquezas e alimentos.
Nos momentos de batalhas
importantes,    escolhiam     um
guerreiro valente e forte e
faziam dele seu líder militar.
Praticavam uma religião politeísta, pois adoravam deuses representantes das forças da
natureza.




            Responde no teu caderno às seguintes questões:

1-Define o conceito de Bárbaro.

ProfªCarla teixeira                                                          Página 2
Ficha Informativa/Trabalhonº1


2-Exemplifica de que modo os Bárbaros se integraram nas regiões invadidas.

3-Caracteriza os Hunos.

4-Descreve o modo de vida dos Bárbaros.




                                O papel da Igreja

Com a queda do Império Romano do Ocidente em 476, a igreja cristã passou a ser a única
ponte entre o mundo antigo e o mundo medieval, a Igreja tornou-se a única instituição da
Antiguidade a manter-se intacta após a queda de Roma. Foi a Igreja que manteve a cultura
e a lei romana preservada mesmo com a queda do Império. A Igreja reforçou o seu estilo
pastoral, incentivando as peregrinações aos lugares santos ( Terra Santa, Compostela e
Galiza) e organizou as cruzadas, importantes movimentos religiosos e militares geradores
da reaproximação da Europa com o mundo oriental e com África




É nesta altura que os mosteiros vão ter um papel muito importante. Os mosteiros
medievais estavam quase todos instalados em zonas isoladas, no alto das montanhas ou em
vales e clareiras de florestas, embora alguns existissem no seio das cidades. Eram
concebidos como pequenos mundos autónomos e auto-suficientes virados para o seu
interior e fechados ao exterior por muralhas e portas. O mosteiro organizava-se com


ProfªCarla teixeira                                                               Página 3
Ficha Informativa/Trabalhonº1

várias dependências de carácter funcional, que permitiam a sua auto-suficiência, tais como:
refeitórios, cozinha, dispensa, adegas, estábulos, oficinas, etc. Se é certo que o mosteiro,
constituía um centro de oração o seu papel na vida económica e cultural não pode ser
ignorado. De facto, o mosteiro transformou-se num centro de dinamização da economia
(difusores de técnicas e práticas agrícolas inovadoras, incentivadores do artesanato e do
comércio, etc.), em avançados centros de produção cultural na teologia, nas letras e nas
ciências e em escolas de nomeada. Exerceram assim um papel civilizacional.

Entre os mosteiros destacou-se o de Monte Cassino, na Itália, fundada por São Bento, em
525. Surgem outras ordens como a dos franciscanos, dominicanos, agostinianos e
                                     carmelitas, que também possuíam mosteiros e
                                     seguiam as orientações gerais da ordem beneditina.
                                     Aos seis anos a criança era encaminhada aos
                                     mosteiros com a finalidade de ser educada para a
                                     vida religiosa.




                                       No século XI desenvolveu-se as escolas catedrais,



cujos professores eram os próprio
monges, bispos e sacerdotes, que se
destacavam na pregação da doutrina
católica cristã.O ensino continha
matérias predominantemente
teológicas e em segundo plano a cultura
humanista em geral. Esta educação
evitava despertar inquietação
intelectual ou desenvolver a
criatividade. Evitava-se que os homens
questionassem o mundo.A principal atitude estimulada era a obediência, o respeito à
hierarquia religiosa e a aceitação conformista diante dos ensinamentos dos superiores.

Aquilo que não era compreendido deveria ser aceito como um mistério divino.

 “A ociosidade é inimiga da alma. Por isso os irmãos devem estar ocupados
determinadas horas no trabalho manual e outras serão destinadas à leitura
das coisas sagradas.(...)    Aquele que aceita a dignidade do abade deve
governar os seus discípulos por um duplo ensinamento: deverá inculcar-lhe o
que é bom e são, mais pelos actos do que por palavras. Tudo deve ser feito
segundo a vontade do abade.(...)
ProfªCarla teixeira                                                                Página 4
Ficha Informativa/Trabalhonº1

    Se (o irmão) possuir alguma coisa , ou será distribuída pelos pobres ou
será doada ao mosteiro, sem qualquer reserva.

    O mosteiro deve, sempre que possível, estar disposto de maneira que aí
se encontre tudo o que é necessário(...).Que todos os ofícios estejam aí
representados de modo a que os monges não tenham necessidade de saírem
fora dele; isso seria perigoso para as suas almas.”

                                                                       Regra de S. Bento

1-Quais as actividades a que se dedicavam os monges?

2-Por que S. Bento considerava a ociosidade inimiga da alma?

3-A quem os monges deviam obediência?

4-Qual é a função do abade?

5-Por que é que o mosteiro era tão importante?




                                                 Os guardiães da escrita

                                         .A depressão cultural provocada pela queda do
                                         Império Romano do Ocidente, provocou um
                                         retorno ao analfabetismo e a uma cultura popular
                                         não escolarizada e não escrita, onde predominou
                                         a tradição oral. Todavia mantiveram-se alguns
                                         focos culturais activos, distantes uns dos outros
                                         nas regiões mediterrânicas e britânicas. Contudo
                                         os homens que animavam estes centros de
                                         produção cultural são uma minoria ínfima no
conjunto da população. No total, umas centenas de pessoas, apenas seriam capazes de ler e
escrever, e muito menor os que sabiam organizar e sintetizar ideias. Assim acentuou-se por
todo o Ocidente uma notória disparidade cultural entre a cultura latina ( escrita em Latim),
cada vez mais restrita ao âmbito e a cultura das massas, medíocre, barbarizada, oral.
O papel de guardiães do saber escrito cabe igualmente aos monges pelo trabalho exercido
nos scriptoria ( escritórios), conventuais, espécie de oficinas de escrita, onde
pacientemente, alguns monges especializados (escribas e copistas) escreviam documentos e
registos do mosteiro e se entregavam à tarefa de copiar, à mão, os livros religiosos e os
grandes clássicos, muitas vezes ricamente ilustrados com iluminuras ou miniaturas. Esta
acção foi extremamente valiosa numa época em que não havia outros processos de edição
ou reprodução de livros, nem oficinas privadas que disso se encarregassem. Assim, foi o
esforço destes copistas que trouxe até nós o conhecimento e o pensamento dos Antigos. A
arte de escrever, restrita a uma elite, foi então extremamente aperfeiçoada. Devido às


ProfªCarla teixeira                                                                Página 5
Ficha Informativa/Trabalhonº1

dificuldades de comunicação da época e ao isolamento dos mosteiros, desenvolveram-se
caligrafias e alfabetos diferenciados. O domínio da arte da escrita e do saber engrandeceu
o papel dos eclesiásticos na sociedade e conferiu-lhe durante muito tempo, pelo menos até
ao advento da burguesia (Séculos XII-XIII), o monopólio dos cargos públicos e das
chancelarias régias, valorizando-os aos olhos do monarca




6-Na tua opinião, a se deve a importância dos monges copistas?




ProfªCarla teixeira                                                              Página 6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedralVítor Santos
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaAna Barreiros
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioAna Barreiros
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosVítor Santos
 
Cultura da Catedral - Arquitectura Gótica
Cultura da Catedral - Arquitectura GóticaCultura da Catedral - Arquitectura Gótica
Cultura da Catedral - Arquitectura GóticaCarlos Vieira
 
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalinaMódulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalinaCarla Freitas
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1Carla Teixeira
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCarlos Vieira
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaCarla Freitas
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a artecattonia
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 
Módulo 6 caso prático 2 real edifício de mafra
Módulo 6   caso prático 2 real edifício de mafraMódulo 6   caso prático 2 real edifício de mafra
Módulo 6 caso prático 2 real edifício de mafraCarla Freitas
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismocattonia
 
Módulo 9 arte e função
Módulo 9   arte e funçãoMódulo 9   arte e função
Módulo 9 arte e funçãocattonia
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romanaCarla Freitas
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaCarla Freitas
 

Mais procurados (20)

01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunos
 
Cultura da Catedral - Arquitectura Gótica
Cultura da Catedral - Arquitectura GóticaCultura da Catedral - Arquitectura Gótica
Cultura da Catedral - Arquitectura Gótica
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalinaMódulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Módulo 6 caso prático 2 real edifício de mafra
Módulo 6   caso prático 2 real edifício de mafraMódulo 6   caso prático 2 real edifício de mafra
Módulo 6 caso prático 2 real edifício de mafra
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Módulo 9 arte e função
Módulo 9   arte e funçãoMódulo 9   arte e função
Módulo 9 arte e função
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
 

Destaque

A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1Carla Teixeira
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1Carla Teixeira
 
A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1Carla Teixeira
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civilCarla Teixeira
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadasCarla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3Carla Teixeira
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1Carla Teixeira
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Carla Teixeira
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaCarla Teixeira
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1Carla Teixeira
 

Destaque (20)

Ficha 2 módulo 4
Ficha 2  módulo 4Ficha 2  módulo 4
Ficha 2 módulo 4
 
A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
 
Ficha 4 módulo 4
Ficha 4  módulo 4Ficha 4  módulo 4
Ficha 4 módulo 4
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Ficha 3 módulo 4
Ficha 3  módulo 4Ficha 3  módulo 4
Ficha 3 módulo 4
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
 
Ficha 3 islamismo
Ficha 3  islamismoFicha 3  islamismo
Ficha 3 islamismo
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
 
Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1
 

Semelhante a Da queda do Império Romano aos reinos cristãos

A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...CAHRA
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosIsidro Santos
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade médiaguiurey
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaçoAna Barreiros
 
A cultura do mosteiro/Arte
A cultura do mosteiro/ArteA cultura do mosteiro/Arte
A cultura do mosteiro/ArtePatrícia Faria
 
A IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptx
A IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptxA IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptx
A IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptxIrisneideMaximo2
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja IISérgio Miguel
 
Oriente Médio - Inicio
Oriente Médio - InicioOriente Médio - Inicio
Oriente Médio - InicioCarol Pires
 

Semelhante a Da queda do Império Romano aos reinos cristãos (20)

A cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º anoA cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º ano
 
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
HCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 ApontamentosHCA Módulo 3 Apontamentos
HCA Módulo 3 Apontamentos
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
A cultura do mosteiro/Arte
A cultura do mosteiro/ArteA cultura do mosteiro/Arte
A cultura do mosteiro/Arte
 
Historia vol 3
Historia vol 3Historia vol 3
Historia vol 3
 
A IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptx
A IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptxA IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptx
A IGREJA CATÓLICA NA EUROPA MEDIEVAL.pptx
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
Oriente Médio - Inicio
Oriente Médio - InicioOriente Médio - Inicio
Oriente Médio - Inicio
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Da queda do Império Romano aos reinos cristãos

  • 1. Ficha Informativa/Trabalhonº1 Da queda do Império Romano do Ocidente à criação dos reinos cristãos A queda do império romano deu-se gradualmente, tendo-se iniciado no séc. V com a queda da parte ocidental. Roma acabou por cair em 410, com a sua destruição pelos bárbaros, e o império romano do ocidente acabou por ver o seu término a 476, tendo-se fragmentado em vários reinos bárbaros. Este acontecimento marca o início da idade média. A desordem política e a disseminação do cristianismo foram dois fatores que, somados às Invasões Bárbaras, foram responsáveis pela crise do Império Romano. Esse processo de ocupação foi realizado pelos bárbaros, povos que eram assim chamados pelos romanos hunos (século V) dos territórios do Império e não falarem latim. Como são os por viverem fora Habitando as regiões fronteiriças ao Império Romano, os nas margens do Mar “Os historiadores antigos mal mencionam os hunos. Eles habitam povos bárbaros foram penetrando osferocidade supera tudo. um processo lento e gradual. Inicialmente, dado o Glacial. Sua territórios de Roma em colapso da estrutura militar e as constantes guerras civis, os imperadores romanos realizavam acordos, pelos quaisoos bárbaros Alimentam-se de raízes habitar essas da Não cozinham nem temperam que comem. ganharam o direito de silvestres ou regiões. Em troca, eles defendiam aque aparece, carne esta que esquentam por algum tempo, sobre carne do primeiro animal fronteira da invasão de outros povos. o dorso de seu cavalo, entre suas próprias pernas. Não possuem abrigo. Entre eles não se usam casas, nem túmulos. Não encontraríamos nem mesmo uma cabana. Passam a vida percorrendo as montanhas e as florestas. São endurecidos desde o berço contra o frio, a tome e a sede. Mesmo em viagem, não entram em habitação sem necessidade absoluta e não se crêem nunca em segurança. No entantoreis nem governantes, mas invadiram as chefes, eleitosimpério romano. Não têm pressionados pelos Hunos obedecem a fronteiras do em cada circunstância. Quando se lançam ao combate, soltam no ar uma gritaria terrível.” ProfªCarla teixeira Página 1 Amiano Marcelino. Res gestae. Transcrito por Courcelle, Pierre. História literária das grandes invasões germânicas. Petrópolis, Vozes, 1955, pp. 151-152
  • 2. Ficha Informativa/Trabalhonº1 Os bárbaros dividiam-se em vários reinos.A maioria destes povos organizavam-se em aldeias rurais, compostas por habitações rústicas feitas de barro e galhos de árvores. Praticavam o cultivo de cereais como, por exemplo, o trigo, o feijão, a cevada e a ervilha. Criavam gado para obter o couro, a carne e o leite. Dedicavam-se também às guerras como forma de saquear riquezas e alimentos. Nos momentos de batalhas importantes, escolhiam um guerreiro valente e forte e faziam dele seu líder militar. Praticavam uma religião politeísta, pois adoravam deuses representantes das forças da natureza. Responde no teu caderno às seguintes questões: 1-Define o conceito de Bárbaro. ProfªCarla teixeira Página 2
  • 3. Ficha Informativa/Trabalhonº1 2-Exemplifica de que modo os Bárbaros se integraram nas regiões invadidas. 3-Caracteriza os Hunos. 4-Descreve o modo de vida dos Bárbaros. O papel da Igreja Com a queda do Império Romano do Ocidente em 476, a igreja cristã passou a ser a única ponte entre o mundo antigo e o mundo medieval, a Igreja tornou-se a única instituição da Antiguidade a manter-se intacta após a queda de Roma. Foi a Igreja que manteve a cultura e a lei romana preservada mesmo com a queda do Império. A Igreja reforçou o seu estilo pastoral, incentivando as peregrinações aos lugares santos ( Terra Santa, Compostela e Galiza) e organizou as cruzadas, importantes movimentos religiosos e militares geradores da reaproximação da Europa com o mundo oriental e com África É nesta altura que os mosteiros vão ter um papel muito importante. Os mosteiros medievais estavam quase todos instalados em zonas isoladas, no alto das montanhas ou em vales e clareiras de florestas, embora alguns existissem no seio das cidades. Eram concebidos como pequenos mundos autónomos e auto-suficientes virados para o seu interior e fechados ao exterior por muralhas e portas. O mosteiro organizava-se com ProfªCarla teixeira Página 3
  • 4. Ficha Informativa/Trabalhonº1 várias dependências de carácter funcional, que permitiam a sua auto-suficiência, tais como: refeitórios, cozinha, dispensa, adegas, estábulos, oficinas, etc. Se é certo que o mosteiro, constituía um centro de oração o seu papel na vida económica e cultural não pode ser ignorado. De facto, o mosteiro transformou-se num centro de dinamização da economia (difusores de técnicas e práticas agrícolas inovadoras, incentivadores do artesanato e do comércio, etc.), em avançados centros de produção cultural na teologia, nas letras e nas ciências e em escolas de nomeada. Exerceram assim um papel civilizacional. Entre os mosteiros destacou-se o de Monte Cassino, na Itália, fundada por São Bento, em 525. Surgem outras ordens como a dos franciscanos, dominicanos, agostinianos e carmelitas, que também possuíam mosteiros e seguiam as orientações gerais da ordem beneditina. Aos seis anos a criança era encaminhada aos mosteiros com a finalidade de ser educada para a vida religiosa. No século XI desenvolveu-se as escolas catedrais, cujos professores eram os próprio monges, bispos e sacerdotes, que se destacavam na pregação da doutrina católica cristã.O ensino continha matérias predominantemente teológicas e em segundo plano a cultura humanista em geral. Esta educação evitava despertar inquietação intelectual ou desenvolver a criatividade. Evitava-se que os homens questionassem o mundo.A principal atitude estimulada era a obediência, o respeito à hierarquia religiosa e a aceitação conformista diante dos ensinamentos dos superiores. Aquilo que não era compreendido deveria ser aceito como um mistério divino. “A ociosidade é inimiga da alma. Por isso os irmãos devem estar ocupados determinadas horas no trabalho manual e outras serão destinadas à leitura das coisas sagradas.(...) Aquele que aceita a dignidade do abade deve governar os seus discípulos por um duplo ensinamento: deverá inculcar-lhe o que é bom e são, mais pelos actos do que por palavras. Tudo deve ser feito segundo a vontade do abade.(...) ProfªCarla teixeira Página 4
  • 5. Ficha Informativa/Trabalhonº1 Se (o irmão) possuir alguma coisa , ou será distribuída pelos pobres ou será doada ao mosteiro, sem qualquer reserva. O mosteiro deve, sempre que possível, estar disposto de maneira que aí se encontre tudo o que é necessário(...).Que todos os ofícios estejam aí representados de modo a que os monges não tenham necessidade de saírem fora dele; isso seria perigoso para as suas almas.” Regra de S. Bento 1-Quais as actividades a que se dedicavam os monges? 2-Por que S. Bento considerava a ociosidade inimiga da alma? 3-A quem os monges deviam obediência? 4-Qual é a função do abade? 5-Por que é que o mosteiro era tão importante? Os guardiães da escrita .A depressão cultural provocada pela queda do Império Romano do Ocidente, provocou um retorno ao analfabetismo e a uma cultura popular não escolarizada e não escrita, onde predominou a tradição oral. Todavia mantiveram-se alguns focos culturais activos, distantes uns dos outros nas regiões mediterrânicas e britânicas. Contudo os homens que animavam estes centros de produção cultural são uma minoria ínfima no conjunto da população. No total, umas centenas de pessoas, apenas seriam capazes de ler e escrever, e muito menor os que sabiam organizar e sintetizar ideias. Assim acentuou-se por todo o Ocidente uma notória disparidade cultural entre a cultura latina ( escrita em Latim), cada vez mais restrita ao âmbito e a cultura das massas, medíocre, barbarizada, oral. O papel de guardiães do saber escrito cabe igualmente aos monges pelo trabalho exercido nos scriptoria ( escritórios), conventuais, espécie de oficinas de escrita, onde pacientemente, alguns monges especializados (escribas e copistas) escreviam documentos e registos do mosteiro e se entregavam à tarefa de copiar, à mão, os livros religiosos e os grandes clássicos, muitas vezes ricamente ilustrados com iluminuras ou miniaturas. Esta acção foi extremamente valiosa numa época em que não havia outros processos de edição ou reprodução de livros, nem oficinas privadas que disso se encarregassem. Assim, foi o esforço destes copistas que trouxe até nós o conhecimento e o pensamento dos Antigos. A arte de escrever, restrita a uma elite, foi então extremamente aperfeiçoada. Devido às ProfªCarla teixeira Página 5
  • 6. Ficha Informativa/Trabalhonº1 dificuldades de comunicação da época e ao isolamento dos mosteiros, desenvolveram-se caligrafias e alfabetos diferenciados. O domínio da arte da escrita e do saber engrandeceu o papel dos eclesiásticos na sociedade e conferiu-lhe durante muito tempo, pelo menos até ao advento da burguesia (Séculos XII-XIII), o monopólio dos cargos públicos e das chancelarias régias, valorizando-os aos olhos do monarca 6-Na tua opinião, a se deve a importância dos monges copistas? ProfªCarla teixeira Página 6