SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
A Inquisição


A Inquisição foi criada pelo Papa Gregório IX em 20 de abril de 1233, e
tinha o caráter de instituição judicial cujos objetivos eram localizar,
processar e sentenciar pessoas culpadas de heresia. Restaurada pelo
Papa Paulo III, em 1542,a Inquisição vigiava, perseguia e condenava
aqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões. Exercia
também uma severa vigilância sobre o comportamento moral dos fiéis e
censurava toda a produção cultural bem como resistia fortemente a
todas as inovações científicas. Na verdade, a Igreja receava que as
ideias inovadoras conduzissem os crentes à dúvida religiosa e à
contestação da autoridade do Papa.                Leitura do doc da pág 119
Em Portugal, a Inquisição
                                 foi introduzida em 1536,
                                 no reinado de D. João III,
                                 e as suas principais
                                 vítimas      foram     os
                                 cristãos-novos, isto é,
                                 os descendentes dos
                                 judeus convertidos ao
                                 Cristianismo durante o
                                 reinado de D. Manuel I.




                                                              sambenito



Pedro Berruguete [1450 – 1503]
Auto-de-fé; Museu do Prado
Em muitos casos as perseguições e as condenações não eram motivadas por
razões religiosas, mas sim por razões económicas. É que os bens dos
condenados passavam a pertencer à Inquisição e muitos cristãos-novos eram
ricos burgueses.
Quando não havia certeza sobre a culpabilidade do acusado, mas sendo
provável que o mesmo realizara o crime que lhe era imputado, o Tribunal, por
maioria dos seus membros, podia recomendar a tortura como meio de ser obtida
a confissão.




                                                    Leitura do doc da pág 120
 A tortura era um recurso utilizado para extrair confissões dos
  acusados de pequenos delitos, até crimes mais graves. Diversos
  métodos de tortura foram desenvolvidos ao longo dos anos. Os
  métodos de tortura mais agressivos eram reservados àqueles que
  provavelmente seriam condenados à morte.
Diversos métodos de tortura foram
desenvolvidos ao longo dos anos
Cadeira inquisitória


 Empregada em interrogatórios
 pelo inquisidor. O réu sentava nu
 e com o mínimo de movimento, as
 agulhas penetravam-lhe o corpo,
 provocando efeitos terríveis. A
 cadeira, às vezes, era aquecida
 até ficar em brasa. Esta ao lado
 tem 1.606 pontas de madeira e 23
 de ferro.
A dama de Ferro:

É     uma    espécie    de
sarcófago com espinhos
metálicos na face interna
das      portas.     Estes
espinhos não atingiam os
órgãos vitais da vítima,
mas feriam gravemente.
Mesmo sendo um método
de tortura, era comum
que as vítimas fossem
deixadas lá por vários
dias, até que morressem.
Mesa de evisceração

Conhecida também
de esquartejamento
manual.O condenado
era colocado deitado,
preso pelas juntas e
eviscerado vivo pelo
carrasco. Abria-lhe o
estômago com uma
lâmina, prendia com
pequenos pregos as
vísceras e, com a
roda, lentamente ia
puxando os ganchos.
Os órgãos iam saindo
do corpo durante
horas, até morrer.
Roda de
Despedaçamento
Este instrumento produzia um
sistema de morte horrível. Sob
a roda colocava-se brasas, e o
carrasco, girando a roda cheia
de pontas, fazia com que o
condenado morresse
praticamente assado. Esteve
em uso no período de 1100 a
1700.
Balcão de estiramento

Instrumento para
desmembramento dos
ombros e as
articulações do
condenado, seguido
pelo desmembramento
da coluna vertebral e
então pelo rompimento
dos músculos, abdome
e peito. Antes desses
efeitos mortais, porém,
o corpo da vítima se
alongava até trinta
centímetros.
 As       pessoas        viviam
  amedrontadas e sabiam que
  podiam ser denunciadas a
  qualquer momento sem que
  houvesse     necessariamente
  razão para isso. Quando
  alguém     era     denunciado,
  levavam-no preso e, muitas
  vezes, era torturado até
  confessar.      Alguns     dos
  suspeitos      chegavam      a
  confessar-se culpados só
  para acabar com a tortura.
  No caso do acusado não se
  mostrar arrependido ou de
  ser     reincidente,       era
  condenado, em cerimónias
  chamadas autos-da-fé, a
  morrer na fogueira.
As sentenças do Tribunal eram lidas e executadas em Cerimónias
                     públicas - Autos de Fé
Os autos de Fé eram
     espectáculos
   cuidadosamente
encenados que tinham
   como finalidade
 comover as massas.
     Os gritos dos
     condenados
provocavam o júbilo da
      assistência.
Exclamações de alegria
  acompanhavam as
        sessões
Toda a atmosfera criada tinha como objectivo levar à confissão pelo
medo e pelo terror. A morte pelo fogo era um acto de fé para salvar uma
                            alma condenada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As perseguições do catolicismo contra a bíblia
As perseguições do catolicismo contra a bíbliaAs perseguições do catolicismo contra a bíblia
As perseguições do catolicismo contra a bíbliaREFORMADOR PROTESTANTE
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aulaPIB Penha
 
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aulaPIB Penha
 
5 perseguições e defesa da fé-5ª aula
5  perseguições e defesa da fé-5ª aula5  perseguições e defesa da fé-5ª aula
5 perseguições e defesa da fé-5ª aulaPIB Penha
 
3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma3 A Contra Reforma
3 A Contra ReformaHist8
 
9 a idade média as cruzadas - 9ª aula
9   a idade média as cruzadas - 9ª aula9   a idade média as cruzadas - 9ª aula
9 a idade média as cruzadas - 9ª aulaPIB Penha
 
Catolicismo romano à luz das escrituras
Catolicismo romano à luz das escriturasCatolicismo romano à luz das escrituras
Catolicismo romano à luz das escriturasREFORMADOR PROTESTANTE
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja IISérgio Miguel
 
Juramento dos jesutas (completo)
Juramento dos jesutas (completo)Juramento dos jesutas (completo)
Juramento dos jesutas (completo)Deyvson Barros
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja ImperialAdriano Pascoa
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católicaprofhistoria
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismoprelcio
 
O catolicismo romano através dos tempos
O catolicismo romano através dos temposO catolicismo romano através dos tempos
O catolicismo romano através dos temposREFORMADOR PROTESTANTE
 

Mais procurados (20)

As perseguições do catolicismo contra a bíblia
As perseguições do catolicismo contra a bíbliaAs perseguições do catolicismo contra a bíblia
As perseguições do catolicismo contra a bíblia
 
Livro Os valdenses
Livro  Os valdensesLivro  Os valdenses
Livro Os valdenses
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
 
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
 
5 perseguições e defesa da fé-5ª aula
5  perseguições e defesa da fé-5ª aula5  perseguições e defesa da fé-5ª aula
5 perseguições e defesa da fé-5ª aula
 
O espirito do catolicismo romano
O espirito do catolicismo romanoO espirito do catolicismo romano
O espirito do catolicismo romano
 
3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma3 A Contra Reforma
3 A Contra Reforma
 
9 a idade média as cruzadas - 9ª aula
9   a idade média as cruzadas - 9ª aula9   a idade média as cruzadas - 9ª aula
9 a idade média as cruzadas - 9ª aula
 
Catolicismo romano à luz das escrituras
Catolicismo romano à luz das escriturasCatolicismo romano à luz das escrituras
Catolicismo romano à luz das escrituras
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma Protestante
Reforma  ProtestanteReforma  Protestante
Reforma Protestante
 
Catolicismo romano brain schwertley
Catolicismo romano   brain schwertleyCatolicismo romano   brain schwertley
Catolicismo romano brain schwertley
 
Documentário o estado do vaticano.
Documentário o estado do vaticano.Documentário o estado do vaticano.
Documentário o estado do vaticano.
 
Juramento dos jesutas (completo)
Juramento dos jesutas (completo)Juramento dos jesutas (completo)
Juramento dos jesutas (completo)
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismo
 
O catolicismo romano através dos tempos
O catolicismo romano através dos temposO catolicismo romano através dos tempos
O catolicismo romano através dos tempos
 

Destaque

A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoCarla Teixeira
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barrocaangeldenis21
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamengalucfabbr
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaCristiane Seibt
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINACarlos Benjoino Bidu
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura FlamengaAntonio
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolíticoRainha Maga
 

Destaque (20)

A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 

Semelhante a A contra reforma parte 2

A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3Carla Teixeira
 
Inquisição
InquisiçãoInquisição
InquisiçãoTorah
 
Slides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoSlides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoColegio GGE
 
Slides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoSlides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoColegio GGE
 
Instrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religião
Instrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religiãoInstrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religião
Instrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religiãoAdail Silva
 
A tortura e a inquisição
A tortura e a inquisição  A tortura e a inquisição
A tortura e a inquisição Rogerio Sena
 
Esclarecimento sobre o tribunal do santo ofício
Esclarecimento sobre o tribunal do santo ofícioEsclarecimento sobre o tribunal do santo ofício
Esclarecimento sobre o tribunal do santo ofícioDouglas Sandy Bonafé
 
Trabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiaTrabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiabravobastos
 
Fundamentos do direito e da justiça na idade média
Fundamentos do direito e da justiça na idade médiaFundamentos do direito e da justiça na idade média
Fundamentos do direito e da justiça na idade médiaIvan Souza Santos
 
Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...
Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...
Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...RICARDO CARDOSO
 
A Inquisição
A InquisiçãoA Inquisição
A InquisiçãoGateira
 
A verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romana
A verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romanaA verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romana
A verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romanaREFORMADOR PROTESTANTE
 

Semelhante a A contra reforma parte 2 (20)

A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
 
Inquisição
InquisiçãoInquisição
Inquisição
 
Slides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoSlides santa inquisição
Slides santa inquisição
 
Slides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoSlides santa inquisição
Slides santa inquisição
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
 
Instrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religião
Instrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religiãoInstrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religião
Instrumentos de tortura usados pela inquisição em nome da religião
 
Santa Inquisição
Santa InquisiçãoSanta Inquisição
Santa Inquisição
 
A tortura e a inquisição
A tortura e a inquisição  A tortura e a inquisição
A tortura e a inquisição
 
A inquisição
A inquisiçãoA inquisição
A inquisição
 
Esclarecimento sobre o tribunal do santo ofício
Esclarecimento sobre o tribunal do santo ofícioEsclarecimento sobre o tribunal do santo ofício
Esclarecimento sobre o tribunal do santo ofício
 
Trabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRiaTrabalho De HistóRia
Trabalho De HistóRia
 
Fundamentos do direito e da justiça na idade média
Fundamentos do direito e da justiça na idade médiaFundamentos do direito e da justiça na idade média
Fundamentos do direito e da justiça na idade média
 
Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...
Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...
Historia de israel aula 26 e 27 os judeus na idade média [modo de compatibili...
 
Contrarreforma2
Contrarreforma2Contrarreforma2
Contrarreforma2
 
Contra reforma
Contra reformaContra reforma
Contra reforma
 
Contrarreforma2
Contrarreforma2Contrarreforma2
Contrarreforma2
 
Inquisição
InquisiçãoInquisição
Inquisição
 
A Inquisição
A InquisiçãoA Inquisição
A Inquisição
 
A InquisiçãO
A InquisiçãOA InquisiçãO
A InquisiçãO
 
A verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romana
A verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romanaA verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romana
A verdadeira face da conhecida igreja católica apostólica romana
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoCarla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salãoCarla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoCarla Teixeira
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3Carla Teixeira
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (19)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
 

A contra reforma parte 2

  • 1. A Inquisição A Inquisição foi criada pelo Papa Gregório IX em 20 de abril de 1233, e tinha o caráter de instituição judicial cujos objetivos eram localizar, processar e sentenciar pessoas culpadas de heresia. Restaurada pelo Papa Paulo III, em 1542,a Inquisição vigiava, perseguia e condenava aqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões. Exercia também uma severa vigilância sobre o comportamento moral dos fiéis e censurava toda a produção cultural bem como resistia fortemente a todas as inovações científicas. Na verdade, a Igreja receava que as ideias inovadoras conduzissem os crentes à dúvida religiosa e à contestação da autoridade do Papa. Leitura do doc da pág 119
  • 2. Em Portugal, a Inquisição foi introduzida em 1536, no reinado de D. João III, e as suas principais vítimas foram os cristãos-novos, isto é, os descendentes dos judeus convertidos ao Cristianismo durante o reinado de D. Manuel I. sambenito Pedro Berruguete [1450 – 1503] Auto-de-fé; Museu do Prado
  • 3. Em muitos casos as perseguições e as condenações não eram motivadas por razões religiosas, mas sim por razões económicas. É que os bens dos condenados passavam a pertencer à Inquisição e muitos cristãos-novos eram ricos burgueses. Quando não havia certeza sobre a culpabilidade do acusado, mas sendo provável que o mesmo realizara o crime que lhe era imputado, o Tribunal, por maioria dos seus membros, podia recomendar a tortura como meio de ser obtida a confissão. Leitura do doc da pág 120
  • 4.  A tortura era um recurso utilizado para extrair confissões dos acusados de pequenos delitos, até crimes mais graves. Diversos métodos de tortura foram desenvolvidos ao longo dos anos. Os métodos de tortura mais agressivos eram reservados àqueles que provavelmente seriam condenados à morte.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Diversos métodos de tortura foram desenvolvidos ao longo dos anos
  • 13.
  • 14. Cadeira inquisitória Empregada em interrogatórios pelo inquisidor. O réu sentava nu e com o mínimo de movimento, as agulhas penetravam-lhe o corpo, provocando efeitos terríveis. A cadeira, às vezes, era aquecida até ficar em brasa. Esta ao lado tem 1.606 pontas de madeira e 23 de ferro.
  • 15. A dama de Ferro: É uma espécie de sarcófago com espinhos metálicos na face interna das portas. Estes espinhos não atingiam os órgãos vitais da vítima, mas feriam gravemente. Mesmo sendo um método de tortura, era comum que as vítimas fossem deixadas lá por vários dias, até que morressem.
  • 16. Mesa de evisceração Conhecida também de esquartejamento manual.O condenado era colocado deitado, preso pelas juntas e eviscerado vivo pelo carrasco. Abria-lhe o estômago com uma lâmina, prendia com pequenos pregos as vísceras e, com a roda, lentamente ia puxando os ganchos. Os órgãos iam saindo do corpo durante horas, até morrer.
  • 17. Roda de Despedaçamento Este instrumento produzia um sistema de morte horrível. Sob a roda colocava-se brasas, e o carrasco, girando a roda cheia de pontas, fazia com que o condenado morresse praticamente assado. Esteve em uso no período de 1100 a 1700.
  • 18. Balcão de estiramento Instrumento para desmembramento dos ombros e as articulações do condenado, seguido pelo desmembramento da coluna vertebral e então pelo rompimento dos músculos, abdome e peito. Antes desses efeitos mortais, porém, o corpo da vítima se alongava até trinta centímetros.
  • 19.  As pessoas viviam amedrontadas e sabiam que podiam ser denunciadas a qualquer momento sem que houvesse necessariamente razão para isso. Quando alguém era denunciado, levavam-no preso e, muitas vezes, era torturado até confessar. Alguns dos suspeitos chegavam a confessar-se culpados só para acabar com a tortura. No caso do acusado não se mostrar arrependido ou de ser reincidente, era condenado, em cerimónias chamadas autos-da-fé, a morrer na fogueira.
  • 20. As sentenças do Tribunal eram lidas e executadas em Cerimónias públicas - Autos de Fé
  • 21. Os autos de Fé eram espectáculos cuidadosamente encenados que tinham como finalidade comover as massas. Os gritos dos condenados provocavam o júbilo da assistência. Exclamações de alegria acompanhavam as sessões
  • 22. Toda a atmosfera criada tinha como objectivo levar à confissão pelo medo e pelo terror. A morte pelo fogo era um acto de fé para salvar uma alma condenada