SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Durante todo o período de reclusão , Maria Teresa nunca
soube o que realmente havia acontecido com sua família.
Tudo o que sabia era que o seu pai estava morto e sentiu-se
completamente isolada e infeliz. Foram encontradas na sua
cela na prisão as seguintes inscrições: "Maria Teresa é a
criatura a mais infeliz no mundo. Não pode obter nenhuma
notícia de sua mãe, embora lhe tenha pedido mil vezes. (…)
Viva, minha boa mãe! quem eu amo tanto, mas de quem eu
posso não ouvir som algum. Oh, meu pai! olhe para mim daí
do céu, a vida é tão cruel. Oh, meu Deus! perdoe aqueles que
fizeram a minha família morrer."
Foi permitida a saída da princesa da França após o reinado
do terror.
Partiu para Viena, onde foi recebida na corte de seu
primo Francisco II. Anos depois casou-se com o seu
primo Luís António d'Artois, duque d'Angoulême, filho do
conde d'Artois e futuro Carlos X, e passou a ser conhecida
como duquesa d'Angoulême.
Faleceu em 19 de outubro de 1851.
Segundo filho varão do rei Luís XVI e de Maria
                        Antonieta de Áustria, ao morrer o seu irmão Luís José
                        em 1789, converteu-se no Delfim de França e herdeiro
                        da Coroa. Em 1792, foi encarcerado com os seus pais,
                         a sua irmã Maria Teresa Carlota e sua tia a princesa
                        Isabel .
                        Ao ser guilhotinado Luís XVI (em 21 de
                        janeiro de 1793), os monárquicos proclamaram-no rei
                        de França com o nome de Luís XVII, porém os
                        revolucionários mantiveram-no prisioneiro em
                        condições sub-humanas, e morreu na prisão a 10 de
                        agosto de 1795. Durante a maior parte deste tempo foi
                        confinado numa solitária imunda e escura. O menino
                        finalmente morreu de tuberculose em 1795, com o
                        corpo coberto de feridas e sarna ( diz-se que morreu
                        emparedado)
Luís XVII (1785-1795)
                        Em 1814, quando da restauração da monarquia na
                        França, o seu tio, o conde de Provença, toma o nome
                        de Luís XVIII como homenagem à memória de seu
                        sobrinho, o menino rei que jamais chegou a reinar.
delfim Luís José Xavier Francisco (1781-
1789),morreu com tuberculose, antes da
revolução




                  Maria Sofia Helena Beatriz , morreu
                  antes de fazer 1 ano(1786-1787).
CHALOTTE CORDAY
AMANTE E ASSASSINA DE
  JEAN PAUL MARAT
•“Chegou a hora da igualdade
passar a foice por todas as cabeças.
Portanto, legisladores, vamos
colocar o terror na ordem do dia.”




      Durante o governo de Robespierre
        foram mortos cerca de 40 mil
                  pessoas
François Bouchot
O golpe de 18 Brumário
Museu Nacional do Palácio de Versalhes




Os desentendimentos entre os membros do Directório criaram as condições para um golpe de
Estado. No 18 Brumário do ano VIII da era republicana (9 de Novembro de 1799), Napoleão
Bonaparte faz um golpe de Estado.
Como primeiro-cônsul, Napoleão Bonaparte não tardou a apoderar-se do poder. Ainda 1802,
depois de um plebiscito, adopta o título de cônsul vitalício e em 1804 é proclamado imperador
dos franceses, coroando-se a si próprio.




Jacques-Louis David
Coroação de Napoleão Bonaparte como Imperador dos Franceses
Museu do Louvre
No plano externo, o imperador francês promove uma
       política expansionista, enfrentando sucessivas
    coligações dos estados europeus que se sentiam
                                         ameaçados.
François Gerard (1770-1837)
          Batalha de Austerlitz (1805)
Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Em 1812, a Campanha da Rússia é um desastre. Dos cerca de
600 000 soldados invasores, apenas regressam c. de 100 000.
Muitos desertam, outros morrem de fome e frio. Chegados a
Moscovo, encontram a cidade abandonada e a arder. A
retirada faz-se em condições lastimáveis. O exército russo
persegue os franceses, as temperaturas ultrapassam os 30
graus negativos.




Denis-Auguste-Marie Raffet (1804-1860)
Campanha da Rússia
Museu do Louvre
No mar, a Inglaterra impunha o seu poderio naval




Auguste Mayer (1805-1890)
Batalha de Trafalgar (1805)
Museu da Marinha; Paris
Então, Napoleão Bonaparte ordenou o Bloqueio
Continental a todos os países europeus para fecharem
os seus portos ao comércio com a Inglaterra.
Anos   Principais
       Acontecimentos
1806   Bloqueio Continental à
       Inglaterra
       Recusa de Portugal em
       Obedecer ao Bloqueio

1807   1ª Invasão Francesa por
       Junot
       Fuga da Família real para
       o Brasil e o governo do
       reino é entregue a uma
       Assembleia de Regência
1808   Desembarque das tropas
       inglesas em Portugal
1809   2ª Invasão Francesa-
       Soult
1810   3ª Invasão- Massena

1811   Retirada dos franceses
Videos - Sem
perder a majestade
Jean-Louis-Ernest Meissonier (1815-1891)
Campanha de França de 1814
Museu d'Orsay                                   As tropas da coligação antifrancesa invadem a
                                                França. Napoleão vê-se forçado à rendição e é
                                           enviado para o exílio, na ilha mediterrânica de Elba.
                                                                     A monarquia é restaurada.
Conseguirá, no entanto, escapar do exílio,
regressando a Paris: é o governo dos cem dias.
Em 18 de Junho de 1815 é finalmente derrotado em Waterloo, na actual Bélgica, pelas forças da
Coligação comandadas por Arthur Welleslley, o duque de Wellington.




                                                                                  Francisco de Goya
                                                                     Retrato do duque de Wellington
                                                                            National Gallery Londres




Clément-Auguste Andrieux (1829-1880)
Waterloo
Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Napoleão é enviado para a ilha de Santa
Helena. Aqui morrerá, em 1821. Em 1840,
o corpo foi exumado e trasladado para
Paris, sendo depositado num sarcófago
especialmente desenhado no edifício do
Les Invalides.
Os representantes das potências
vencedoras(AUS – RUS – PRUS – ING)
reúnem-se no Congresso de Viena, em 1815, e
redesenham o mapa político da Europa de
acordo com os seus interesses. O objectivo
principal foi a restauração do Antigo
Regime.
Princípios básicos:
     LEGITIMIDADE – retorno de velhas
     dinastias absolutistas ao poder.
     EQUILÍBRIO EUROPEU – divisão
     territorial no continente e no restante do
     mundo.
     FRANÇA-fronteiras anteriores à
     Revolução Francesa.
Revolução francesa parte 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Ueber Vale
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
segundocol
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
BarbaraSilveira9
 
Napoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de vienaNapoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de viena
Profdaltonjunior
 
Período napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º CPeríodo napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º C
Victoria Reis
 

Mais procurados (20)

A vida de napoleão
A vida de napoleãoA vida de napoleão
A vida de napoleão
 
Império napoleônico
Império napoleônicoImpério napoleônico
Império napoleônico
 
Napoleao bonaparte 12
Napoleao bonaparte 12Napoleao bonaparte 12
Napoleao bonaparte 12
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Napoleão
NapoleãoNapoleão
Napoleão
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
02 romantismo
02 romantismo02 romantismo
02 romantismo
 
O período napoleônico
O período napoleônicoO período napoleônico
O período napoleônico
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
 
Império Napoleônico
Império NapoleônicoImpério Napoleônico
Império Napoleônico
 
Luís XIV
Luís XIVLuís XIV
Luís XIV
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
Napoleão no poder
Napoleão no poderNapoleão no poder
Napoleão no poder
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Napoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de vienaNapoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de viena
 
Período napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º CPeríodo napoleônico 2º C
Período napoleônico 2º C
 

Destaque

Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
Carla Teixeira
 
A sociedade do antigo regime parte 2
A sociedade do antigo regime  parte 2A sociedade do antigo regime  parte 2
A sociedade do antigo regime parte 2
Carla Teixeira
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
Carla Teixeira
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regime
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
Carla Teixeira
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1
Carla Teixeira
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
Carla Teixeira
 

Destaque (20)

Ficha 4 módulo 4
Ficha 4  módulo 4Ficha 4  módulo 4
Ficha 4 módulo 4
 
A cultura do mosteiro
A cultura do mosteiroA cultura do mosteiro
A cultura do mosteiro
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
 
A sociedade do antigo regime parte 2
A sociedade do antigo regime  parte 2A sociedade do antigo regime  parte 2
A sociedade do antigo regime parte 2
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
Ficha 2 módulo 4
Ficha 2  módulo 4Ficha 2  módulo 4
Ficha 2 módulo 4
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Absolutismo 1
Absolutismo 1Absolutismo 1
Absolutismo 1
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regime
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
A cultura do palco ficha 1
A cultura do palco  ficha 1A cultura do palco  ficha 1
A cultura do palco ficha 1
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
 

Semelhante a Revolução francesa parte 3

2˚ napoleão ao congresso de viena
2˚ napoleão ao congresso de viena2˚ napoleão ao congresso de viena
2˚ napoleão ao congresso de viena
Kerol Brombal
 
Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5
Yara Ribeiro
 
19ºabsolutismo francês
19ºabsolutismo francês19ºabsolutismo francês
19ºabsolutismo francês
Ajudar Pessoas
 
Em Novembro Aconteceu
Em Novembro AconteceuEm Novembro Aconteceu
Em Novembro Aconteceu
gueste96f64
 

Semelhante a Revolução francesa parte 3 (20)

revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
2˚ napoleão ao congresso de viena
2˚ napoleão ao congresso de viena2˚ napoleão ao congresso de viena
2˚ napoleão ao congresso de viena
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5
 
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaG5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
 
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era NapoleônicaG5 - 2M5 - Era Napoleônica
G5 - 2M5 - Era Napoleônica
 
Linha do tempo das Revoluções
Linha do tempo das RevoluçõesLinha do tempo das Revoluções
Linha do tempo das Revoluções
 
o domínio de napoleão na europa
o domínio de napoleão na europao domínio de napoleão na europa
o domínio de napoleão na europa
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
 
19ºabsolutismo francês
19ºabsolutismo francês19ºabsolutismo francês
19ºabsolutismo francês
 
Napoleao
NapoleaoNapoleao
Napoleao
 
Em Novembro Aconteceu
Em Novembro AconteceuEm Novembro Aconteceu
Em Novembro Aconteceu
 
Em Novembro Aconteceu
Em Novembro AconteceuEm Novembro Aconteceu
Em Novembro Aconteceu
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
 
a era napolenica-.pptx
a era napolenica-.pptxa era napolenica-.pptx
a era napolenica-.pptx
 

Mais de Carla Teixeira

O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 

Revolução francesa parte 3

  • 1. Durante todo o período de reclusão , Maria Teresa nunca soube o que realmente havia acontecido com sua família. Tudo o que sabia era que o seu pai estava morto e sentiu-se completamente isolada e infeliz. Foram encontradas na sua cela na prisão as seguintes inscrições: "Maria Teresa é a criatura a mais infeliz no mundo. Não pode obter nenhuma notícia de sua mãe, embora lhe tenha pedido mil vezes. (…) Viva, minha boa mãe! quem eu amo tanto, mas de quem eu posso não ouvir som algum. Oh, meu pai! olhe para mim daí do céu, a vida é tão cruel. Oh, meu Deus! perdoe aqueles que fizeram a minha família morrer." Foi permitida a saída da princesa da França após o reinado do terror. Partiu para Viena, onde foi recebida na corte de seu primo Francisco II. Anos depois casou-se com o seu primo Luís António d'Artois, duque d'Angoulême, filho do conde d'Artois e futuro Carlos X, e passou a ser conhecida como duquesa d'Angoulême. Faleceu em 19 de outubro de 1851.
  • 2. Segundo filho varão do rei Luís XVI e de Maria Antonieta de Áustria, ao morrer o seu irmão Luís José em 1789, converteu-se no Delfim de França e herdeiro da Coroa. Em 1792, foi encarcerado com os seus pais, a sua irmã Maria Teresa Carlota e sua tia a princesa Isabel . Ao ser guilhotinado Luís XVI (em 21 de janeiro de 1793), os monárquicos proclamaram-no rei de França com o nome de Luís XVII, porém os revolucionários mantiveram-no prisioneiro em condições sub-humanas, e morreu na prisão a 10 de agosto de 1795. Durante a maior parte deste tempo foi confinado numa solitária imunda e escura. O menino finalmente morreu de tuberculose em 1795, com o corpo coberto de feridas e sarna ( diz-se que morreu emparedado) Luís XVII (1785-1795) Em 1814, quando da restauração da monarquia na França, o seu tio, o conde de Provença, toma o nome de Luís XVIII como homenagem à memória de seu sobrinho, o menino rei que jamais chegou a reinar.
  • 3. delfim Luís José Xavier Francisco (1781- 1789),morreu com tuberculose, antes da revolução Maria Sofia Helena Beatriz , morreu antes de fazer 1 ano(1786-1787).
  • 4. CHALOTTE CORDAY AMANTE E ASSASSINA DE JEAN PAUL MARAT
  • 5. •“Chegou a hora da igualdade passar a foice por todas as cabeças. Portanto, legisladores, vamos colocar o terror na ordem do dia.” Durante o governo de Robespierre foram mortos cerca de 40 mil pessoas
  • 6. François Bouchot O golpe de 18 Brumário Museu Nacional do Palácio de Versalhes Os desentendimentos entre os membros do Directório criaram as condições para um golpe de Estado. No 18 Brumário do ano VIII da era republicana (9 de Novembro de 1799), Napoleão Bonaparte faz um golpe de Estado.
  • 7. Como primeiro-cônsul, Napoleão Bonaparte não tardou a apoderar-se do poder. Ainda 1802, depois de um plebiscito, adopta o título de cônsul vitalício e em 1804 é proclamado imperador dos franceses, coroando-se a si próprio. Jacques-Louis David Coroação de Napoleão Bonaparte como Imperador dos Franceses Museu do Louvre
  • 8. No plano externo, o imperador francês promove uma política expansionista, enfrentando sucessivas coligações dos estados europeus que se sentiam ameaçados.
  • 9. François Gerard (1770-1837) Batalha de Austerlitz (1805) Museu Nacional do Palácio de Versalhes
  • 10. Em 1812, a Campanha da Rússia é um desastre. Dos cerca de 600 000 soldados invasores, apenas regressam c. de 100 000. Muitos desertam, outros morrem de fome e frio. Chegados a Moscovo, encontram a cidade abandonada e a arder. A retirada faz-se em condições lastimáveis. O exército russo persegue os franceses, as temperaturas ultrapassam os 30 graus negativos. Denis-Auguste-Marie Raffet (1804-1860) Campanha da Rússia Museu do Louvre
  • 11. No mar, a Inglaterra impunha o seu poderio naval Auguste Mayer (1805-1890) Batalha de Trafalgar (1805) Museu da Marinha; Paris
  • 12. Então, Napoleão Bonaparte ordenou o Bloqueio Continental a todos os países europeus para fecharem os seus portos ao comércio com a Inglaterra.
  • 13.
  • 14. Anos Principais Acontecimentos 1806 Bloqueio Continental à Inglaterra Recusa de Portugal em Obedecer ao Bloqueio 1807 1ª Invasão Francesa por Junot Fuga da Família real para o Brasil e o governo do reino é entregue a uma Assembleia de Regência 1808 Desembarque das tropas inglesas em Portugal 1809 2ª Invasão Francesa- Soult 1810 3ª Invasão- Massena 1811 Retirada dos franceses
  • 15. Videos - Sem perder a majestade
  • 16. Jean-Louis-Ernest Meissonier (1815-1891) Campanha de França de 1814 Museu d'Orsay As tropas da coligação antifrancesa invadem a França. Napoleão vê-se forçado à rendição e é enviado para o exílio, na ilha mediterrânica de Elba. A monarquia é restaurada.
  • 17. Conseguirá, no entanto, escapar do exílio, regressando a Paris: é o governo dos cem dias.
  • 18. Em 18 de Junho de 1815 é finalmente derrotado em Waterloo, na actual Bélgica, pelas forças da Coligação comandadas por Arthur Welleslley, o duque de Wellington. Francisco de Goya Retrato do duque de Wellington National Gallery Londres Clément-Auguste Andrieux (1829-1880) Waterloo Museu Nacional do Palácio de Versalhes
  • 19. Napoleão é enviado para a ilha de Santa Helena. Aqui morrerá, em 1821. Em 1840, o corpo foi exumado e trasladado para Paris, sendo depositado num sarcófago especialmente desenhado no edifício do Les Invalides.
  • 20. Os representantes das potências vencedoras(AUS – RUS – PRUS – ING) reúnem-se no Congresso de Viena, em 1815, e redesenham o mapa político da Europa de acordo com os seus interesses. O objectivo principal foi a restauração do Antigo Regime. Princípios básicos: LEGITIMIDADE – retorno de velhas dinastias absolutistas ao poder. EQUILÍBRIO EUROPEU – divisão territorial no continente e no restante do mundo. FRANÇA-fronteiras anteriores à Revolução Francesa.