Ficha de trabalho nº 1

9.425 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.974
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ficha de trabalho nº 1

  1. 1. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 O século XVIII foi marcado pelo crescimento demográfico, expansão docomércio colonial, maior dinamismo produtivo interno, associado aoaperfeiçoamento/invenção científico-técnico – haveriam de conduzir, no final desteperíodo de tempo e a partir da Inglaterra, ao arranque de uma das revoluções maissignificativas da História, como conhecida como Revolução Industrial. Esta época deu origem a um desenvolvimento das classes populares e fiz crescera burguesia. Esta, esteve extraordinariamente activa a todos os campos deactividade, impregnando-os com o individualismo, pragmatismo e racionalismo quesão apanágio da sua mentalidade. Associavam-se à aristocracia através decasamentos e nos hábitos de vida. Em conjunto, nobres e alta burguesia formaramas elites do Antigo Regime e, tiveram, nesta época, a sua “Idade de Ouro”,beneficiados pelo enriquecimento geral da época. Os nobres, nos seus palacetescitadinos ou nos seus castelos de campo, (modelos copiados do Palácio deVersalhes) desenvolveram um estilo de vida requintado, como nas próprias cortes(bailes, banquetes, caçadas, passeios, e saraus).Nas mansões da aristocracia ou da burguesia, o salão passou a ser o centro da vidasocial, dependência nobre, de amplas dimensões, faustosamente decorado emobilado. Aí se reunia a família após as refeições e tarefas do dia; ai se recebiamas visitas mais solenes; e aí também se faziam reuniões mais alargadas por ocasiãode alguma festividade, banquete, baile ou outra efeméride. O crescente interessedas elites pelas coisas do espírito tornou usuais as reuniões elegantes, realizadasna privacidade dos palácios, que tinham como atracção principal a apresentação depersonalidades em voga: músicos, cantores de ópera, escritores, filósofos ecientistas.Assim, estes espaços privados e íntimos tornaram-se os centros da vida social,cultural e artística, exercendo acção importante na divulgação das novidadesintelectuais e políticas, foi ai, que as ideias iluministas, aquelas que mais tardeconduziram à Revolução Francesa, conheceram os seus primeiros passos.Profª Carla Teixeira Página 1
  2. 2. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 A Revolução científicaNos século XVII e XVIII verificou-se, na Europa, um tão grande eimportante desenvolvimento científico, sobretudo nos domínios da Matemática,da Astronomia, da Física, da Química e da Medicina, que se pode falar de umaverdadeira Revolução Científica.Na origem desta revolução encontra-se o chamado Método Experimental ouCientífico que se baseia em cinco etapas:observação;§ levantamento de um problema;§ formulação de uma hipótese;§ experimentação;§ conclusão e generalização (leis gerais).É no séc. XVII que se afirma um novo paradigma científico que tenta explicar oMundo e os mistérios do universo através do critério da Razão, por oposição aopensamento mitológico e ao paradigma religioso.Este processo, que prolonga a renovação renascentista, inicia-se a partir dos finaisdo séc. XVI, devendo destacar-se figuras como Galileu Galilei, Francis Bacon, RenéDescartes ou Isaac Newton, entre muitos outros.Uma das maiores figuras deste tempo foi Galileu Galilei.Profª Carla Teixeira Página 2
  3. 3. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Galileu Galilei nasceu em 15 de Fevereiro de 1564 na cidade de Pisa. Filho de Vicenzo Galilei e de Giulia Ammannati, herdou do pai um grande gosto pela música e uma enorme aptidão para a matemática, e da mãe um carácter forte e persistente. os 17 anos ingressou na Universidade de Pisa, para estudar Medicina, e aí permaneceu durante quatro anos, tendo abandonado em 1585 para se dedicar ao estudo da física, da astronomia e da matemática. A ciência moderna tem em Galileu , um dos seus pais. Galileu revolucionou a ciência, separando-a da magia. Esta união era comum até então, principalmente durante o período em que as explicações científicas eram baseadas em imposições religiosas. Com esta revolução, a metodologia científica mudou de 2 oque é”, para “como é”. Através do aperfeiçoamento do telescópio conseguiu observar melhor o universo, fazendo com isso diversas explorações do céu, trazendo informações totalmente novas para a época. Conseguiu descobrir as manchas solares, as montanhas da lua, alguns satélites de Júpiter e as várias estrelas da Via Láctea. Mas talvez o seu estudo que mais tenha tido divulgação foi a divulgação da Teoria Heliocêntrica. Em 1632, Galileu publicou “Dialogo Sopra i Due Massimi Sistemi del Mondo”, onde produzia uma conversa entre três personagens: Salviati, Sagredo e Simplicius. Nesta obra, Galileu afirmou que a terra girava em torno do sol, o que contrariava a teoria aceite pela Igreja Católica. Os Diálogos foram proibidos e Galileu foi interrogado diversas vezes. Apesar das ameaças de tortura, Galileu manteve as suas convicções sobre a teoria heliocêntrica, que segundo o Santo Ofício de Roma, era incompatível com a Sagrada Escritura. Galileu foi obrigado a negar a publicamente a teoria copernicana e condenado a viver em prisão domiciliária. Diz a lenda que, quando foi julgado por heresia, em 1633, e forçado a abjurar a sua crença de que a Terra se movia à volta do Sol, Galileu teria murmurado: "Eppur si muove" ("No entanto move-se"). Morreu em 8 de Janeiro de 1642 em Arcetri, completamente cegoProfª Carla Teixeira Página 3
  4. 4. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Iluminismo:No século XVIII, a elite intelectual europeia julgava-se a caminho de um futuromelhor. Os brilhantes resultados obtidos pelo experimentalismo tinham conduzidoà convicção de que o raciocínio humano era um dom prodigioso, com potencialidadesquase ilimitadas.O século XVIII é, por excelência, na Europa, o «século das Luzes». Comomovimento cultural, o iluminismo expressava uma nova forma de conceber o serhumano, conferindo um inegável valor às faculdades intelectuais do homem.A crença no valor da Razão como motor do progresso rapidamenteextravasou o campo científico para se aplicar à reflexão sobre ofuncionamento das sociedades em geral.Acreditava-se que a Razão seria a Luzque igualaria a Humanidade. A razão crítica seria a principal responsável pelacondução do espírito em direcção às grandes verdades, que fariam do homemum ser autónomo, pensante e actuante. Havia também, nesta época, um grande interesse pela educação e pela cultura,que foi uma consequência da propagação do pensamento Iluminista. Os filósofosiluministas (humanistas e racionalistas), consideravam a Ciência e todo oconhecimento racional como motores do Progresso e construtores da Felicidade,supremo objectivo da Humanidade. Consideravam, também, que só pela educaçãoseria possível levar os homens a entender os erros em que viviam.Princípios defendidos pelos iluministas: • Crença no valor da Razão( pensamento crítico) como forma de libertação do homem da ignorância • Defesa da educação como forma de libertação das mentes , considerando-a como essencial ao progresso de um paísProfª Carla Teixeira Página 4
  5. 5. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 • Defesa da tolerância,igualdade social, progresso e bem estar como forma de atingir a felicidade. Responde às seguintes questões:1-Observa a figura e lê a frase:“O salão era o centro da vida social e cultural”Profª Carla Teixeira Página 5
  6. 6. Ficha Informativa/ Trabalho nº 11-Explica a importância do salão no século XVIII._______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2-Explica a importância de Galileu para o progresso científico.____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________3-Lê os documentos:A razão está para o filósofo tal como a graça está para o cristão. A graça obriga ocristão a agir; a razão obriga o filósofo... Ele gosta de saber os mais pequenosdetalhes e de aprofundar tudo o que de mal se adivinha; assim, olha como sendo umprincípio totalmente oposto ao progresso das luzes do espírito o facto de se limitarsomente à meditação e de acreditar que o homem não encontra a verdade senão nofundo de si próprio. (...) O espírito filosófico é um espírito de observação e dejustiça que relaciona tudo com os seus verdadeiros princípios (...).O filósofo é, em suma, um homem honesto que age em todas as circunstâncias pelarazão e que junta a um espírito de reflexão e de justiça, os costumes e as qualidadessociáveis. DiderotProfª Carla Teixeira Página 6
  7. 7. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1As nossas esperanças sobre o estado futuro da espécie humana podem reduzir-se aestes pontos importantes: a destruição da desigualdade entre os homens e,finalmente, o seu aperfeiçoamento.Chegará o momento em que o sol só iluminará homens livres que apenas obedecerão àrazão; em que os tiranos e os escravos... já não existirão.Por uma escolha feliz, não só dos próprios conhecimentos mas também dos métodosde os ensinar; pode instruir-se a massa inteira dum povo acerca de tudo o que oshomens têm necessidade de saber sobre economia, administração, indústria edireito... para serem senhores de si próprios.A igualdade de Instrução corrigiria a desigualdade das aptidões, assim como umalegislação preventiva diminuiria a desigualdade das riquezas, aceleraria o progressodas ciências e das artes, multiplicando os artistas num meio que lhes fosse favorável.O efeito seria um aumento de bem-estar para todos. Condorcet3.1-Indica os princípios iluministas defendidos nos documentos. Justifica comexpressões.____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Profª Carla Teixeira Página 7
  8. 8. Ficha Informativa/ Trabalho nº 14-Lê os documentos com as ideias defendidas por Rousseau , Montesquieu eVoltaire. (...) sendo todo o homem livre e senhor de si próprio, ninguém pode sob qualquer pretexto submetê-lo contra a sua vontade. Decidir que um filho de escravo nasça escravo, é decidir que ele não nasça homem. (...) O cidadão aceita todas as leis, mesmo aquelas que o contrariam e mesmo aquelas que o castigam quando ele violar alguma. A escolha consciente de todos os membros do estado é a vontade geral; é essa que deve prevalecer. (…) É este o problema fundamental a que o contrato social dá solução. (...) O governo recebe do soberano as ordens que ele dá ao povo, e para que o Estado esteja num bom equilíbrio é preciso, com todas as compensações, que haja uma igualdade entre o produto ou o poder do governo tomado em si próprio e o produto ou o poder dos cidadãos, que são soberanos por um lado e súbditos por outro. Jean-Jacques Rousseau, o Contrato Social, 1762 Não é ao homem que eu me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres de todos os mundos e de todos os tempos... Tu não nos deste um coração para odiar e mãos para matarem: faz com que nos ajudemos a suportar mutuamente o fardo de uma vida penosa e passageira; que as pequenas diferenças, entre as vestes que cobrem os nossos pobres corpos, entre os nossos costumes ridículos, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas as nossas opiniões insensatas, que distinguem os átomos chamados homens, não sejam sinal de ódio e perseguição; que todos aqueles que acendem círios em pleno meio-dia para te louvar, suportem os que se contentam com a luz do teu sol; os que se cobrem com um pano branco para dizerem que é necessário amar-te, não detestem os que dizem a mesma coisa sob um manto de lã negra... Voltaire, in Traité sur Ia Tolérance, 1763Profª Carla Teixeira Página 8
  9. 9. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1 Quando na mesma pessoa ou no mesmo órgão políticos o poder legislativo está reunido com o poder executivo não há liberdade. Também não há liberdade se o poder judicial não estiver separado dos poderes legislativo e executivo. Montesquieu, O espírito das Leis4-Preenche o quadro:Nome do filósofo Obra Princípios defendidos Contrato Social Montesquieu Tratado sobre a TolerânciaProfª Carla Teixeira Página 9
  10. 10. Ficha Informativa/ Trabalho nº 1Profª Carla Teixeira Página 10

×