SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
A vitória do Estados Unidos da América fez com que todos os
 países ambicionassem a liberdade, o respeito e a igualdade.

A França não foi excepção, e as crises que esta atravessava
 devido às políticas do Antigo Regime durante o século XVIII,
    foi um dos grandes factores causadores das corajosas
                     revoluções populares.




                                                                Video
“A  Grã-Bretanha forneceu o modelo para os caminhos de
ferro e fábricas, o motor económico que rompeu com as
estruturas tradicionais do mundo não-europeu.
Mas foi a França que fez a revolução , a ponto de bandeiras
tricolores de um tipo ou de outro terem-se tornado o
emblema de praticamente todas as nações emergentes, e a
política europeia (ou mesmo mundial) entre 1789 e 1917 foi
em grande parte a luta a favor e contra os princípios de 1789,
ou os ainda mais incendiários de 1793.
A França forneceu o vocabulário e os temas da política
liberal e radical-democrática para a maior parte do mundo.
A França deu o primeiro grande exemplo, o conceito e o
vocabulário do nacionalismo.
A França forneceu os códigos legais, o modelo de
organização técnica e científica e o sistema métrico de
medidas para a maioria dos países.”
            (HOBSBAWM, E.J . A Era das Revoluções, p.71)
“Quem, portanto, ousaria dizer que o Terceiro
Estado não tem em si tudo o que é necessário para
formar uma nação completa? Ele é o homem forte e
robusto que tem um dos braços ainda acorrentado. Se
suprimíssemos a ordem privilegiada, a nação não
seria algo de menos e sim alguma coisa mais. Assim, o
que é o Terceiro Estado? Tudo, mas um tudo livre e
florescente. Nada pode caminhar sem ele, tudo iria
infinitamente melhor sem os outros.”
              (E. J. Sieyès. Qu’est-ce que le Triers Êtat.)
Enquanto na América se
              afirmavam os novos valores da
              Liberdade , no Velho Continente, e
              particularmente em França, o
              Antigo Regime resistia aos ventos
              da mudança.




Joseph Siffred Duplessis
Retrato de Luís XVI com os trajes da coroação
Museu do Palácio de Versalhes
1777
stribuição da propriedade pelos grupos sociais
No último quartel do séc. XVIII, viveram-se tempos difíceis em França. Aumentavam os preços
dos géneros alimentares, pairava a insegurança do desemprego, as manufacturas pagavam
salários baixos pois não suportavam a concorrência dos têxteis ingleses, os trabalhadores
revoltavam-se. Verificaram-se vários tumultos populares. A violência saiu à rua.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
LianaSuzuki
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Maria Gomes
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesa
profalced04
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
Vagner Roberto
 
Revolucao francesa e era napoleônica
Revolucao francesa e era napoleônicaRevolucao francesa e era napoleônica
Revolucao francesa e era napoleônica
Maria Flores Flores
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
Lela Leite
 

Mais procurados (20)

RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
 
Slides revolução francesa
Slides revolução francesaSlides revolução francesa
Slides revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789A Revolução Francesa de 1789
A Revolução Francesa de 1789
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolucao francesa e era napoleônica
Revolucao francesa e era napoleônicaRevolucao francesa e era napoleônica
Revolucao francesa e era napoleônica
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 

Destaque

Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
angeldenis21
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
Carlos Benjoino Bidu
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
Antonio
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
Rainha Maga
 

Destaque (20)

Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 

Semelhante a Revolução francesa módulo 7

Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2
Zeze Silva
 
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptxHISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptx
JosySilva868546
 

Semelhante a Revolução francesa módulo 7 (20)

REVOLUÇÃO FRANCESA.ppt
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptREVOLUÇÃO FRANCESA.ppt
REVOLUÇÃO FRANCESA.ppt
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2
 
Questões discursivas pism ii
Questões discursivas pism iiQuestões discursivas pism ii
Questões discursivas pism ii
 
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europaOs movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
 
A Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.pptA Revolução Francesa.ppt
A Revolução Francesa.ppt
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Iris
IrisIris
Iris
 
Iris
IrisIris
Iris
 
Iris
IrisIris
Iris
 
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptxHISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_29.pptx
 
Processo de Independência da América
Processo de Independência da AméricaProcesso de Independência da América
Processo de Independência da América
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
atividades para 2 ano IV bimestre 3.docx
atividades para 2 ano IV bimestre 3.docxatividades para 2 ano IV bimestre 3.docx
atividades para 2 ano IV bimestre 3.docx
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
 
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848
 
Iris
IrisIris
Iris
 
Td 8 história i
Td 8   história iTd 8   história i
Td 8 história i
 
Revoluções
RevoluçõesRevoluções
Revoluções
 

Mais de Carla Teixeira

Mais de Carla Teixeira (19)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
 

Revolução francesa módulo 7

  • 1.
  • 2.
  • 3. A vitória do Estados Unidos da América fez com que todos os países ambicionassem a liberdade, o respeito e a igualdade. A França não foi excepção, e as crises que esta atravessava devido às políticas do Antigo Regime durante o século XVIII, foi um dos grandes factores causadores das corajosas revoluções populares. Video
  • 4. “A Grã-Bretanha forneceu o modelo para os caminhos de ferro e fábricas, o motor económico que rompeu com as estruturas tradicionais do mundo não-europeu. Mas foi a França que fez a revolução , a ponto de bandeiras tricolores de um tipo ou de outro terem-se tornado o emblema de praticamente todas as nações emergentes, e a política europeia (ou mesmo mundial) entre 1789 e 1917 foi em grande parte a luta a favor e contra os princípios de 1789, ou os ainda mais incendiários de 1793. A França forneceu o vocabulário e os temas da política liberal e radical-democrática para a maior parte do mundo. A França deu o primeiro grande exemplo, o conceito e o vocabulário do nacionalismo. A França forneceu os códigos legais, o modelo de organização técnica e científica e o sistema métrico de medidas para a maioria dos países.” (HOBSBAWM, E.J . A Era das Revoluções, p.71)
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. “Quem, portanto, ousaria dizer que o Terceiro Estado não tem em si tudo o que é necessário para formar uma nação completa? Ele é o homem forte e robusto que tem um dos braços ainda acorrentado. Se suprimíssemos a ordem privilegiada, a nação não seria algo de menos e sim alguma coisa mais. Assim, o que é o Terceiro Estado? Tudo, mas um tudo livre e florescente. Nada pode caminhar sem ele, tudo iria infinitamente melhor sem os outros.” (E. J. Sieyès. Qu’est-ce que le Triers Êtat.)
  • 9. Enquanto na América se afirmavam os novos valores da Liberdade , no Velho Continente, e particularmente em França, o Antigo Regime resistia aos ventos da mudança. Joseph Siffred Duplessis Retrato de Luís XVI com os trajes da coroação Museu do Palácio de Versalhes 1777
  • 10. stribuição da propriedade pelos grupos sociais
  • 11. No último quartel do séc. XVIII, viveram-se tempos difíceis em França. Aumentavam os preços dos géneros alimentares, pairava a insegurança do desemprego, as manufacturas pagavam salários baixos pois não suportavam a concorrência dos têxteis ingleses, os trabalhadores revoltavam-se. Verificaram-se vários tumultos populares. A violência saiu à rua.