SlideShare uma empresa Scribd logo
METODOLOGIA DA PESQUISA I
Professor. Me. Raul da Silveira Santos
O PESQUISADOR E SUAS QUALIFICAÇÕES
Alguns atributos pessoais são desejáveis para você ser um bom
pesquisador. Para Gil (1999), um bom pesquisador precisa, além do
conhecimento do assunto, ter curiosidade, criatividade, integridade
intelectual e sensibilidade social. São igualmente importantes a
humildade para ter atitude autocorretiva, a imaginação disciplinada, a
perseverança, a paciência e a confiança na experiência.
MAS O QUE É PESQUISA?
Pesquisar significa procurar respostas para indagações propostas?
Minayo (1993, p.23), considera a pesquisa como “atividade básica das
ciências na sua indagação e descoberta da realidade. É uma atitude e
uma prática teórica de constante busca que define um processo
intrinsecamente inacabado e permanente. É uma atividade de
aproximação sucessiva da realidade que nunca se esgota, fazendo uma
combinação particular entre teoria e dados.
CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS (ABORDAGEM)
Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável, o que significa traduzir
em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de recursos
e de técnicas estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão, coeficiente de
correlação, análise de regressão, etc.).
Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o
sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito
que não pode ser traduzido em números. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de
significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de
métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados. É
descritiva. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. O processo e seu
significado são os focos principais de abordagem
QUANTO AOS FINS, A PESQUISA PODE SER:
A investigação exploratória é realizada em área na qual há pouco
conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem,
não comporta hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da
pesquisa. É, normalmente, o primeiro passo para quem não conhece
suficientemente o campo que pretende abordar.
A pesquisa descritiva expõe características de determinada população ou de
determinado fenômeno. Pode também estabelecer correlações entre
variáveis e definir sua natureza. Não tem compromisso de explicar os
fenômenos que descreve, embora sirva de base para tal explicação.
A investigação explicativa tem como principal objetivo justificar os motivos. Visa,
portanto, esclarecer quais fatores contribuem, de alguma forma, para a ocorrência de
determinado fenômeno. Por exemplo: as raízes do sucesso ou não de determinado
acontecimento. Pressupõe pesquisa descritiva como base para suas explicações.
A investigação intervencionista tem como principal objetivo interpor-se, interferir na
realidade estudada, para modificá-la. Não se satisfaz, portanto, em apenas explicar.
Distingue-se da pesquisa aplicada pelo compromisso de não somente propor
resoluções de problemas, mas também de resolvê-los efetiva e participando.
Pesquisa de campo é investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu um
fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-lo. Pode incluir entrevistas, aplicação de
questionários, testes e observação participante ou não. Exemplo: levantar informações com os
estudantes da escola X a percepção que eles têm sobre gestão democrática.
Investigação documental é a realizada em documentos conservados no interior de
órgãos públicos e privados de qualquer natureza, ou com pessoas: registros, anais,
regulamentos, circulares, ofícios, memorandos, balancetes, comunicações informais,
filmes, microfilmes, fotografias, video-tape, informações em disquete, diários, cartas
pessoais a outros.
Pesquisa bibliográfica é o estudo sistematizado desenvolvido com base em material
publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público
em geral. Fornece instrumental analítico para qualquer outro tipo de pesquisa
A pesquisa participante não se esgota na figura do pesquisador. Dela tomam parte
pessoas implicadas no problema sob investigação, fazendo que a fronteira
pesquisador/pesquisado, ao contrário do que ocorre na pesquisa tradicional, seja tênue.
Pesquisa-ação é um tipo particular de pesquisa participante que supõe intervenção participativa
na realidade social. Quanto aos fins é, portanto, intervencionista.
Estudo de caso é o circunscrito a uma ou poucas unidades, entendidas essas como uma pessoa,
uma família, um produto, uma empresa, um órgão público, uma comunidade ou mesmo um país.
Tem caráter de profundidade e detalhamento. Pode ou não ser realizado no campo.
Os tipos de pesquisa não são mutuamente exclusivos. Por exemplo: uma pesquisa pode ser, ao
mesmo tempo, bibliográfica, documental, de campo e estudo de caso?
MÉTODOS CIENTÍFICOS
QUAL O CONCEITO?
Método é o "caminho pelo qual se chega a determinado resultado, ainda que esse
caminho não tenha sido fixado de antemão de modo refletido e deliberado“ (Hegenberg,
1976:11-115).
Método é a forma de proceder ao longo de um caminho. Na ciência os métodos
constituem os instrumentos básicos que ordenam de início o pensamento em sistemas,
traçam de modo ordenado a forma de proceder do cientista ao longo de um percurso para
alcançar um objetivo" (Trujillo, 1974:24);
Método é "um conjunto de procedimentos por intermédio dos quais (a) se propõe os
problemas científicos e (b) colocam-se à prova as hipóteses científicas" (Bunge, 1974a:55).
MÉTODO POSITIVISMO
O Positivismo é uma corrente filosófica que surgiu na França no início do século XIX. Ela
defende a ideia de que o conhecimento científico seria a única forma de conhecimento
verdadeiro.
Exemplo 1: uma pesquisa positivista no âmbito da educação poderia ser o estudo de
políticas públicas que apenas avaliam os resultados das ações implementadas, não fazendo
análise qualitativa na busca pelas causas e origens dos resultados.
MÉTODO DEDUTIVO
Método proposto pelos racionalistas Descartes, Spinoza e Leibniz que pressupõe que só a razão é
capaz de levar ao conhecimento verdadeiro. O raciocínio dedutivo tem o objetivo de explicar o
conteúdo das premissas. Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente, de
análise do geral para o particular, chega a uma conclusão.
Exemplo 1: Todo homem é mortal (premissa maior). Pedro é homem (premissa menor).
Logo, Pedro é mortal (conclusão).
Exemplo 2: Premissa 1: Os suspeitos do crime estavam na sala entre as 13 e 14
horas. Premissa 2: João não estava na sala entre as 13 e 14 horas. Conclusão: Logo, João
não é um dos suspeitos do crime.
MÉTODO INDUTIVO
Método proposto pelos empiristas Bacon, Hobbes, Locke e Hume. Considera que o
conhecimento é fundamentado na experiência, não levando em conta princípios
preestabelecidos. No raciocínio indutivo a generalização deriva de observações de casos da
realidade concreta. As constatações particulares levam à elaboração de generalizações.
Exemplo 1: Antônio é mortal. João é mortal. Paulo é mortal. Carlos é mortal. Ora, Antônio, João,
Paulo... e Carlos são homens. Logo, (todos) os homens são mortais.
Exemplo 2: Todos os cães que foram observados tinham coração. Logo, todos os cães têm um
coração.
MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO
Consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio: “quando os conhecimentos disponíveis sobre
determinado assunto são insuficientes para a explicação de um fenômeno, surge o problema.
Para tentar explicar a dificuldades expressas no problema, são formuladas conjecturas ou
hipóteses.
Das hipóteses formuladas, deduzem-se consequências que deverão ser testadas ou falseadas.
Falsear significa tornar falsas as consequências deduzidas das hipóteses.
MÉTODO DIALÉTICO
Fundamenta-se na dialética proposta por Hegel, na qual as contradições se transcendem dando
origem a novas contradições que passam a requerer solução. É um método de interpretação
dinâmica e totalizante da realidade. Considera que os fatos não podem ser considerados fora de
um contexto social, político, econômico.
Usa-se esse método nas pesquisas sociais, com o objetivo de interpretar, de forma qualitativa,
alguns fenômenos sociais, através de seus princípios, leis e categorias de análise.
Exemplo 1: João não existe sem o homem, o homem não existe sem João; a Revolução Cubana
não existe sem a revolução, a revolução não existe sem a Revolução Cubana. Tudo está em
movimento
MÉTODO FENOMENOLÓGICO
O método fenomenológico não é dedutivo nem indutivo. Preocupa-se com a descrição
direta da experiência tal como ela é. A realidade é construída socialmente e entendida como
o compreendido, o interpretado, o comunicado. Então, a realidade não é única: existem
tantas quantas forem as suas interpretações e comunicações. O sujeito/ator é
reconhecidamente importante no processo de construção do conhecimento.
Exemplo 1: se alguém está olhando para um copo de suco, um fenomenólogo estaria
interessado em descrever como o copo aparece para essa pessoa: sua forma, cor, textura,
peso etc.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a metodologia de pesquisa I

Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete BragaMetodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Francinete Santos
 
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto Nhatirre
 
A pesqusia cientifica
A pesqusia cientificaA pesqusia cientifica
A pesqusia cientifica
Samuel Robaert
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
Ricardo Americo
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
Ricardo Americo
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
Alcione Luiza
 
1 ciência e conhecimento
1 ciência e conhecimento1 ciência e conhecimento
1 ciência e conhecimento
Lucimar Teixeira Rodrigues
 
Apontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia CientíficaApontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia Científica
Carla Ferreira
 
Uso de conhecimento
Uso de conhecimentoUso de conhecimento
Alberto Nhatirre
Alberto NhatirreAlberto Nhatirre
Alberto Nhatirre
Alberto Nhatirre
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Fábio Miguel
 
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptxMetodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Sinara Duarte
 
Aula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptx
Aula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptxAula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptx
Aula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptx
itamaremerson
 
Aula 1 Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...
Aula 1  Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...Aula 1  Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...
Aula 1 Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...
Cleide Magáli dos Santos
 
Apostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científicaApostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científica
Projovem Urbano
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
Jose Ribamar
 
Pesquisa Participante
Pesquisa ParticipantePesquisa Participante
Pesquisa Participante
Beth Amorim
 

Semelhante a metodologia de pesquisa I (20)

Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete BragaMetodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
Metodologia da Pesquisa Profa Francinete Braga
 
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
 
A pesqusia cientifica
A pesqusia cientificaA pesqusia cientifica
A pesqusia cientifica
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
 
Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3Projetos Experimentais I - Aula 3
Projetos Experimentais I - Aula 3
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
 
Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03 Projetos Experimentais I - aula 03
Projetos Experimentais I - aula 03
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
 
1 ciência e conhecimento
1 ciência e conhecimento1 ciência e conhecimento
1 ciência e conhecimento
 
Apontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia CientíficaApontamentos sobre Metodologia Científica
Apontamentos sobre Metodologia Científica
 
Uso de conhecimento
Uso de conhecimentoUso de conhecimento
Uso de conhecimento
 
Alberto Nhatirre
Alberto NhatirreAlberto Nhatirre
Alberto Nhatirre
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptxMetodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
Metodologia do Trabalho Científico slides unidade 1.pptx
 
Aula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptx
Aula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptxAula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptx
Aula 1 - Metodologia_Método Cientifíco (2).pptx
 
Aula 1 Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...
Aula 1  Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...Aula 1  Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...
Aula 1 Metodologia e Técnicas de pesquisa...A ruptura do senso comum e...
 
Apostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científicaApostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científica
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Pesquisa Participante
Pesquisa ParticipantePesquisa Participante
Pesquisa Participante
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 

metodologia de pesquisa I

  • 1. METODOLOGIA DA PESQUISA I Professor. Me. Raul da Silveira Santos
  • 2. O PESQUISADOR E SUAS QUALIFICAÇÕES Alguns atributos pessoais são desejáveis para você ser um bom pesquisador. Para Gil (1999), um bom pesquisador precisa, além do conhecimento do assunto, ter curiosidade, criatividade, integridade intelectual e sensibilidade social. São igualmente importantes a humildade para ter atitude autocorretiva, a imaginação disciplinada, a perseverança, a paciência e a confiança na experiência.
  • 3. MAS O QUE É PESQUISA? Pesquisar significa procurar respostas para indagações propostas? Minayo (1993, p.23), considera a pesquisa como “atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta da realidade. É uma atitude e uma prática teórica de constante busca que define um processo intrinsecamente inacabado e permanente. É uma atividade de aproximação sucessiva da realidade que nunca se esgota, fazendo uma combinação particular entre teoria e dados.
  • 4. CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS (ABORDAGEM) Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável, o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise de regressão, etc.). Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados. É descritiva. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. O processo e seu significado são os focos principais de abordagem
  • 5. QUANTO AOS FINS, A PESQUISA PODE SER: A investigação exploratória é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa. É, normalmente, o primeiro passo para quem não conhece suficientemente o campo que pretende abordar. A pesquisa descritiva expõe características de determinada população ou de determinado fenômeno. Pode também estabelecer correlações entre variáveis e definir sua natureza. Não tem compromisso de explicar os fenômenos que descreve, embora sirva de base para tal explicação.
  • 6. A investigação explicativa tem como principal objetivo justificar os motivos. Visa, portanto, esclarecer quais fatores contribuem, de alguma forma, para a ocorrência de determinado fenômeno. Por exemplo: as raízes do sucesso ou não de determinado acontecimento. Pressupõe pesquisa descritiva como base para suas explicações. A investigação intervencionista tem como principal objetivo interpor-se, interferir na realidade estudada, para modificá-la. Não se satisfaz, portanto, em apenas explicar. Distingue-se da pesquisa aplicada pelo compromisso de não somente propor resoluções de problemas, mas também de resolvê-los efetiva e participando.
  • 7. Pesquisa de campo é investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu um fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-lo. Pode incluir entrevistas, aplicação de questionários, testes e observação participante ou não. Exemplo: levantar informações com os estudantes da escola X a percepção que eles têm sobre gestão democrática. Investigação documental é a realizada em documentos conservados no interior de órgãos públicos e privados de qualquer natureza, ou com pessoas: registros, anais, regulamentos, circulares, ofícios, memorandos, balancetes, comunicações informais, filmes, microfilmes, fotografias, video-tape, informações em disquete, diários, cartas pessoais a outros.
  • 8. Pesquisa bibliográfica é o estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público em geral. Fornece instrumental analítico para qualquer outro tipo de pesquisa A pesquisa participante não se esgota na figura do pesquisador. Dela tomam parte pessoas implicadas no problema sob investigação, fazendo que a fronteira pesquisador/pesquisado, ao contrário do que ocorre na pesquisa tradicional, seja tênue.
  • 9. Pesquisa-ação é um tipo particular de pesquisa participante que supõe intervenção participativa na realidade social. Quanto aos fins é, portanto, intervencionista. Estudo de caso é o circunscrito a uma ou poucas unidades, entendidas essas como uma pessoa, uma família, um produto, uma empresa, um órgão público, uma comunidade ou mesmo um país. Tem caráter de profundidade e detalhamento. Pode ou não ser realizado no campo. Os tipos de pesquisa não são mutuamente exclusivos. Por exemplo: uma pesquisa pode ser, ao mesmo tempo, bibliográfica, documental, de campo e estudo de caso?
  • 10. MÉTODOS CIENTÍFICOS QUAL O CONCEITO? Método é o "caminho pelo qual se chega a determinado resultado, ainda que esse caminho não tenha sido fixado de antemão de modo refletido e deliberado“ (Hegenberg, 1976:11-115). Método é a forma de proceder ao longo de um caminho. Na ciência os métodos constituem os instrumentos básicos que ordenam de início o pensamento em sistemas, traçam de modo ordenado a forma de proceder do cientista ao longo de um percurso para alcançar um objetivo" (Trujillo, 1974:24); Método é "um conjunto de procedimentos por intermédio dos quais (a) se propõe os problemas científicos e (b) colocam-se à prova as hipóteses científicas" (Bunge, 1974a:55).
  • 11. MÉTODO POSITIVISMO O Positivismo é uma corrente filosófica que surgiu na França no início do século XIX. Ela defende a ideia de que o conhecimento científico seria a única forma de conhecimento verdadeiro. Exemplo 1: uma pesquisa positivista no âmbito da educação poderia ser o estudo de políticas públicas que apenas avaliam os resultados das ações implementadas, não fazendo análise qualitativa na busca pelas causas e origens dos resultados.
  • 12. MÉTODO DEDUTIVO Método proposto pelos racionalistas Descartes, Spinoza e Leibniz que pressupõe que só a razão é capaz de levar ao conhecimento verdadeiro. O raciocínio dedutivo tem o objetivo de explicar o conteúdo das premissas. Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente, de análise do geral para o particular, chega a uma conclusão. Exemplo 1: Todo homem é mortal (premissa maior). Pedro é homem (premissa menor). Logo, Pedro é mortal (conclusão). Exemplo 2: Premissa 1: Os suspeitos do crime estavam na sala entre as 13 e 14 horas. Premissa 2: João não estava na sala entre as 13 e 14 horas. Conclusão: Logo, João não é um dos suspeitos do crime.
  • 13. MÉTODO INDUTIVO Método proposto pelos empiristas Bacon, Hobbes, Locke e Hume. Considera que o conhecimento é fundamentado na experiência, não levando em conta princípios preestabelecidos. No raciocínio indutivo a generalização deriva de observações de casos da realidade concreta. As constatações particulares levam à elaboração de generalizações. Exemplo 1: Antônio é mortal. João é mortal. Paulo é mortal. Carlos é mortal. Ora, Antônio, João, Paulo... e Carlos são homens. Logo, (todos) os homens são mortais. Exemplo 2: Todos os cães que foram observados tinham coração. Logo, todos os cães têm um coração.
  • 14. MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO Consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio: “quando os conhecimentos disponíveis sobre determinado assunto são insuficientes para a explicação de um fenômeno, surge o problema. Para tentar explicar a dificuldades expressas no problema, são formuladas conjecturas ou hipóteses. Das hipóteses formuladas, deduzem-se consequências que deverão ser testadas ou falseadas. Falsear significa tornar falsas as consequências deduzidas das hipóteses.
  • 15. MÉTODO DIALÉTICO Fundamenta-se na dialética proposta por Hegel, na qual as contradições se transcendem dando origem a novas contradições que passam a requerer solução. É um método de interpretação dinâmica e totalizante da realidade. Considera que os fatos não podem ser considerados fora de um contexto social, político, econômico. Usa-se esse método nas pesquisas sociais, com o objetivo de interpretar, de forma qualitativa, alguns fenômenos sociais, através de seus princípios, leis e categorias de análise. Exemplo 1: João não existe sem o homem, o homem não existe sem João; a Revolução Cubana não existe sem a revolução, a revolução não existe sem a Revolução Cubana. Tudo está em movimento
  • 16. MÉTODO FENOMENOLÓGICO O método fenomenológico não é dedutivo nem indutivo. Preocupa-se com a descrição direta da experiência tal como ela é. A realidade é construída socialmente e entendida como o compreendido, o interpretado, o comunicado. Então, a realidade não é única: existem tantas quantas forem as suas interpretações e comunicações. O sujeito/ator é reconhecidamente importante no processo de construção do conhecimento. Exemplo 1: se alguém está olhando para um copo de suco, um fenomenólogo estaria interessado em descrever como o copo aparece para essa pessoa: sua forma, cor, textura, peso etc.