SlideShare uma empresa Scribd logo
  1	
  
UNIVERSIDADE DE SOROCABA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO (MESTRADO)
EM COMUNICAÇÃO E CULTURA
FICHAMENTO: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais.
São Paulo: Hucitec, 1999.
PROFESSORA: Professora Doutora Maria Ogécia Drigo.
ALUNO: Luiz Guilherme Leite Amaral. E-mail: luiz.amaral.mestrado@gmail.com
p. 10 Durkheim, mais que os outros, também inventou maneiras de estudar
as questões que suas teorias levantavam. Seu estudo sobre o suicídio
foi o pioneiro na utilização de dados estatísticos oficialmente coletados
para o estudo de questões sociológicas.
p. 11 Um metodólogo era alguém que sabia muita matemática, enchia
páginas com fórmulas que outros sociólogos não conseguiam
interpretar e legislava sobre os métodos apropriados de coletar dados,
processá-los e analisá-los, e sobre os métodos apropriados de
apresentação dos resultados.
p. 13 (...) o sociólogo ativo não somente pode como deve improvisar as
soluções que funcionam onde ele está e resolve os problemas que ele
quer resolver.
p. 20 Portanto, a atividade da ciência como máquina tem muito a
recomendá-la, eliminando todo tipo de tendências incontroladas.
p. 21-22 O ponto central aqui não é que os métodos recomendados pelo
metodólogos são ruins porque produzem relativamente poucos livros
vencedores de prêmios. (Um boato persistente sugere que o
preconceito colaborou para manter este número baixo). Quero dizer
  2	
  
apenas que alguns métodos que eles geralmente não discutem ou
recomendam também produzem trabalhos de alta qualidade.
p. 23 Quando os metodólogos aplicarem seu talento ao espectro pleno dos
problemas que nos afligem, fazendo uso de um espectro pleno de
técnicas analíticas, a metodologia atingirá, para os sociólogos que
fazem pesquisa, aquela utilidade que sempre deveria ter tido.
p. 23 A pura descrição técnica constitui-se na primeira e mais primitiva
forma de texto metodológico em sociologia. Tais textos, na verdade,
não são mais do que tratados sobre "como fazer", descrevendo o que
homens práticos da nossa disciplina consideram formas úteis de fazer
pesquisa.
p. 24 O problema, ao contrário, tem sido visto como de ordem prática, algo
em relação ao qual alguma coisa precisa ser feita para que a pesquisa
possa ir adiante.
p. 24 Os professores dizem a seus alunos de pós-graduação como lidar com o
problema, considerando a coisa toda como parte da "arte da
sociologia".
p. 24-25 Os textos analíticos procuram descobrir a lógica inerente à prática
convencional, a fim de reduzir aquela prática a um conjunto
defensável de regras de procedimento.
p. 27 É certamente verdade, como veremos, que muitos problemas
importantes realmente não são abordados nos textos atuais de
metodologia.
p. 28 Estes problemas são igualmente permeáveis à análise, mas a análise
não deve confiar apenas na lógica da análise de variáveis ou na teoria
da probabilidade e abordagens similares. Deve-se, ao invés disso,
incorporar as descobertas da própria sociologia, tornando os aspectos
sociológicos e interacionais do método parte do material submetido à
revisão analítica e lógica.
  3	
  
p. 32 (...) uma característica da estrutura de qualquer organização
estratificada é que os representantes comuns da sociedade
rotineiramente atribuem maior credibilidade à história contada por
aqueles que a administram do que às histórias daqueles que estão nos
níveis inferiores na hierarquia.
p. 33 A estratégia básica de uma análise sociológica de um problema
metodológico, assim, consiste em ver a atividade científica cujas
características metodológicas estão sob investigação exatamente como
veríamos qualquer tipo de organização da atividade humana.
p. 38 Como a ciência, supostamente uma operação autocorretiva, se
organiza institucionalmente de tal forma que sistematicamente as
correções não são feitas?
p. 42 O pressuposto da probabilidade igual de publicação é importante
precisamente porque, como demonstram os números de Sterling, é
sistematicamente violado. Quaisquer que sejam os demais fatores que
possam facilitar ou dificultar a publicação de um artigo, o fato de seus
resultados serem positivos ou negativos é claramente uma
característica crucial que afeta o destino das publicações.
p. 45 O papel do raciocínio por analogia como meio de sugerir hipóteses
exige explicação, a qual poderia trazer à consciência vários
procedimentos que podem ser reproduzidos, os quais são usados por
muitos hoje em dia sem que eles saibam muito bem o que estão
fazendo.
p. 45 (...) uma boa hipótese é aquela cujas variáveis estão presentes na
situação em estudo, ou, se for isto o que se busca, variam o suficiente
para que a influência dos valores diferentes que elas podem assumir
seja suficiente para demonstrar um efeito. Uma boa hipótese, mais
uma vez, é aquela que parece organizar muitos dados, aquela à qual
podemos vincular outras sub-hipóteses que fazem uso de outras
  4	
  
parcelas dos nossos dados, deste modo aglutinando as várias hipóteses
que alimentamos em um sentido mais amplo. Uma boa hipótese é
aquela que não entra em choque com quaisquer dos fatos que temos à
nossa disposição.
p. 64 Um motivo pelo qual as pessoas se preocupam com a possibilidade de
as conclusões dos estudos de campo não serem confiáveis é que os
agentes de campo às vezes surgem com caracterizações bastante
diferentes de instituições, organizações ou comunidades idênticas ou
supostamente semelhantes.
p. 67 Erroneamente pressupomos que os observadores têm que estar
estudando a mesma coisa porque supomos que apenas uma estrutura
social está presente numa organização ou comunidade. (...) Porém, a
estrutura global contém unidades menores, e a diferença entre dois
estudos de campo dentro da mesma coisa pode residir na ênfase
diferenciada dada a uma ou outra destas unidades menores.
p. 68 Em geral, não devemos esperar resultados idênticos quando dois
observadores estudam a mesma organização a partir de diferentes
pontos de vista, ou quando estudam subestruturas diferentes dentro de
uma organização maior.
p. 73 De modo semelhante, os pesquisadores que fazem "surveys"
descobriram que os atributos sociais, assim como as atitudes e crenças
de entrevistadores de "surveys", afetam as respostas que seus
informantes dão. As pessoas respondem a perguntas sobre raça de
maneira diferente quando os entrevistadores são de uma cor ou outra,
e, da mesma forma, respondem de forma diferente a perguntas sobre
sexo e doença mental em função da idade e do sexo do entrevistador.
Os entrevistadores obtêm as respostas que esperam obter, do mesmo
modo que os experimentadores obtêm as reações que esperavam obter.
p. 79 Os valores de qualquer grupo social são um ideal do qual o
  5	
  
comportamento real pode às vezes se aproximar, mas raramente
incorpora integralmente. (...) Os indivíduos podem ser realistas,
aceitar os valores ardentemente e de todo coração, sentido que todos
pode e devem segui-los e que são não só "certos" e "práticos". Ou ser
cínicos, concebendo os valores como absolutamente não-práticos e
impossíveis de serem seguidos (...).
p. 87 A característica organizacional é a interligação da vida organizacional.
O princípio da civilidade cotidiana é a falta de disposição das pessoas
para mentir ou dissimular quando há perigo de serem descobertas.
p. 91 O pesquisador de campo, devido ao fato de que tem contato contínuo
com aqueles que estuda, pode coletar dados deles através de variados
procedimentos, em diversos ambientes e em diferentes estados de
espírito, esta variedade permite que ele faça cruzamentos de suas
conclusões para verificação e volte a testá-las repetidamente, de modo
a pode ter certeza de que seus dados não são um produto de um
procedimento específico ou de alguma situação ou relação particular.
p. 103 Para entender porque alguém tem o comportamento que tem, é
preciso compreender como lhe parecia tal comportamento, com o que
pensava que tinha que confrontar, que alternativas via se abrirem para
si; é possível entender os efeitos das estruturas de oportunidade, das
subculturas delinquentes e das normas sociais, assim como de outras
explicações comumente evocadas para explicar o comportamento,
apenas encarando-as a partir do ponto de vista dos atores.
p. 103 O esquema de pesquisa não amadureceu a partir de uma teoria
axiomática bem desenvolvida, mas, em vez disso, de uma visão da
característica de cidades e de vida urbana que permeava muitas das
pesquisas realizadas em Chicago no excitante período depois da
chegada de Robert E. Park, em 1916.
p. 107 Podemos decidir aceitar uma teoria se ela explica, digamos, 95 por
cento dos casos abrangidos sob sua jurisdição. Muitos cientistas de
reputação o fazem. Em contraste, é possível argumentar que uma
  6	
  
teoria que não explica todos os casos é incompleta, que há outros
fatores em operação, além daqueles que a teoria especifica, que
produzem o resultado que pretendemos explicar. Trata-se
fundamentalmente de uma questão de estratégia.
p. 117 O termo "estudo de caso" vem de uma tradição de pesquisa médica e
psicológica, onde se refere a uma análise detalhada de um caso
individual que explica a dinâmica e a patologia de uma doença dada; o
método supõe que se pode adquirir conhecimento do fenômeno
adequadamente a partir da exploração intensa de um caso único.
p. 118 Por objetivar compreender todo o comportamento do grupo, o estudo
de caso não pode ser concebido segundo uma mentalidade única para
testar proposições gerais. Em contraste com o experimento de
laboratório, o qual é concebido para testar uma ou poucas proposições
intimamente relacionadas tão rigorosa e precisamente quanto possível,
o estudo de caso tem que ser preparado para lidar com uma grande
variedade de problemas teóricos e descritivos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de PesquisaMetodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Karlandrade26
 
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhosoTecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Rosane Domingues
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e Observação
Ge Homrich
 
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x AplicadaPesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Hilma Khoury
 
Aula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de DadosAula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de Dados
Ghiordanno Bruno
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
vamcris
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
andre pereira
 
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfSlides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Natan Baptista
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
guestc028f7
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
João Paulo Rodrigues
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
Diego Ventura
 
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosTipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Francislaine Souza
 
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e FormulárioTécnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Universidade Federal do Ceará
 
O que é pesquisa
O que é pesquisaO que é pesquisa
O que é pesquisa
Cláudia Rodrigues
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
mmartinatti
 
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos CientíficosMetodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Hamilton Nobrega
 
Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)
Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)
Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)
Cleide Magáli dos Santos
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
Paulo Silva
 
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científicaIntrodução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Cassio Meira Jr.
 

Mais procurados (20)

Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de PesquisaMetodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
 
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhosoTecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
 
Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e Observação
 
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x AplicadaPesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
Pesquisa Quantitativa x Qualitativa. Pesquisa Básica x Aplicada
 
Aula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de DadosAula 06 - Busca em Base de Dados
Aula 06 - Busca em Base de Dados
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Resenha critica
Resenha criticaResenha critica
Resenha critica
 
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfSlides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
 
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosTipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
 
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e FormulárioTécnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
Técnicas de Pesquisa: Entrevista, Questionário e Formulário
 
O que é pesquisa
O que é pesquisaO que é pesquisa
O que é pesquisa
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
 
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos CientíficosMetodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
Metodologia e Regras de Apresentação de Trabalhos Científicos
 
Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)
Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)
Aula - Metodologia, Método e Técnicas (conceitos básicos)
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
 
Introdução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científicaIntrodução à metodologia da pesquisa científica
Introdução à metodologia da pesquisa científica
 

Destaque

Mills, c. wright. a imaginação sociológica
Mills, c. wright. a imaginação sociológicaMills, c. wright. a imaginação sociológica
Mills, c. wright. a imaginação sociológica
rafaelsrossi
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
Arare Carvalho Júnior
 
Cap 2 parte 2 representações - segredos e truques da pesquisa
Cap 2 parte 2   representações - segredos e truques da pesquisaCap 2 parte 2   representações - segredos e truques da pesquisa
Cap 2 parte 2 representações - segredos e truques da pesquisa
Ligia Lilibee
 
Becker, h. outsiders estudos de sociologia do desvio
Becker, h. outsiders estudos de sociologia do desvioBecker, h. outsiders estudos de sociologia do desvio
Becker, h. outsiders estudos de sociologia do desvio
Tshuvunga Bembele
 
O Crédito e o Sistema Financeiro
O Crédito e o Sistema FinanceiroO Crédito e o Sistema Financeiro
O Crédito e o Sistema Financeiro
Yuri Silver
 
M c exercicios sfn gabarito
M c exercicios sfn gabaritoM c exercicios sfn gabarito
M c exercicios sfn gabarito
simuladocontabil
 
30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica
30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica
30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica
Camilla Mangold
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Metodos e tecnicas  em ciencias sociaisMetodos e tecnicas  em ciencias sociais
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Lucio Braga
 
A pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo SurveyA pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo Survey
Jefferson Baptista Macedo
 
Percepção e educação ambiental
Percepção e educação ambientalPercepção e educação ambiental
Percepção e educação ambiental
Marilda2011
 
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
Pedro Alexandre Cabral
 
Início indústria fonográfica rj
Início indústria fonográfica rjInício indústria fonográfica rj
Início indústria fonográfica rj
Gisele Laura Haddad
 
Carta de Macapá
Carta de MacapáCarta de Macapá
Carta de Macapá
servicosocial
 
Notas de corte sisu 2011
Notas de corte sisu 2011Notas de corte sisu 2011
Notas de corte sisu 2011
Marcelo Aparecido do Lago
 
Economia domèstica
Economia domèsticaEconomia domèstica
Economia domèstica
arnaupj
 
Computacao Invisivel
Computacao InvisivelComputacao Invisivel
Computacao Invisivel
Alexandre Gomes
 
Freight Railways in Brazil
Freight Railways in BrazilFreight Railways in Brazil
Freight Railways in Brazil
Rafael Nunan
 
Apresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do BrasilApresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do Brasil
fabricandoweb
 
Raciocínio baseado em casos
Raciocínio baseado em casosRaciocínio baseado em casos
Raciocínio baseado em casos
Patrick Peyneau
 

Destaque (20)

Mills, c. wright. a imaginação sociológica
Mills, c. wright. a imaginação sociológicaMills, c. wright. a imaginação sociológica
Mills, c. wright. a imaginação sociológica
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
 
Cap 2 parte 2 representações - segredos e truques da pesquisa
Cap 2 parte 2   representações - segredos e truques da pesquisaCap 2 parte 2   representações - segredos e truques da pesquisa
Cap 2 parte 2 representações - segredos e truques da pesquisa
 
Becker, h. outsiders estudos de sociologia do desvio
Becker, h. outsiders estudos de sociologia do desvioBecker, h. outsiders estudos de sociologia do desvio
Becker, h. outsiders estudos de sociologia do desvio
 
O Crédito e o Sistema Financeiro
O Crédito e o Sistema FinanceiroO Crédito e o Sistema Financeiro
O Crédito e o Sistema Financeiro
 
M c exercicios sfn gabarito
M c exercicios sfn gabaritoM c exercicios sfn gabarito
M c exercicios sfn gabarito
 
30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica
30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica
30154 - MILLS, wright. Do artesanato intelectual. in a imaginação sociológica
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Metodos e tecnicas  em ciencias sociaisMetodos e tecnicas  em ciencias sociais
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
 
A pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo SurveyA pesquisa do tipo Survey
A pesquisa do tipo Survey
 
Percepção e educação ambiental
Percepção e educação ambientalPercepção e educação ambiental
Percepção e educação ambiental
 
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 
Início indústria fonográfica rj
Início indústria fonográfica rjInício indústria fonográfica rj
Início indústria fonográfica rj
 
Carta de Macapá
Carta de MacapáCarta de Macapá
Carta de Macapá
 
Notas de corte sisu 2011
Notas de corte sisu 2011Notas de corte sisu 2011
Notas de corte sisu 2011
 
Economia domèstica
Economia domèsticaEconomia domèstica
Economia domèstica
 
Computacao Invisivel
Computacao InvisivelComputacao Invisivel
Computacao Invisivel
 
Freight Railways in Brazil
Freight Railways in BrazilFreight Railways in Brazil
Freight Railways in Brazil
 
Apresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do BrasilApresentação Davos do Brasil
Apresentação Davos do Brasil
 
Raciocínio baseado em casos
Raciocínio baseado em casosRaciocínio baseado em casos
Raciocínio baseado em casos
 

Semelhante a Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais

Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
jeancff84
 
MIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptxMIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptx
VenncioCorreia
 
Manual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociaisManual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociais
Viviane Grimm
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
Joana Filipa Rodrigues
 
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m   robert k. yinEstudo de caso planejamento e m   robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Erika Bedin
 
Estudo de caso planejamento e métodos Robert Yin
Estudo de caso planejamento e métodos Robert YinEstudo de caso planejamento e métodos Robert Yin
Estudo de caso planejamento e métodos Robert Yin
Samuel Robaert
 
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m   robert k. yinEstudo de caso planejamento e m   robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Rose Cabral Para Sempre
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
gisa_legal
 
181259177 pesquisa-qualitativa
181259177 pesquisa-qualitativa181259177 pesquisa-qualitativa
181259177 pesquisa-qualitativa
Priscilla Lopes Bertolino
 
28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo
28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo
28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo
Jose Rocha
 
Metodologia científica Aula - Pós Graduação em Educação
Metodologia científica   Aula - Pós Graduação em EducaçãoMetodologia científica   Aula - Pós Graduação em Educação
Metodologia científica Aula - Pós Graduação em Educação
Darlan Campos
 
Manual de investigação
Manual de investigaçãoManual de investigação
Manual de investigação
Pedro Alexandre Silva Pereira
 
metodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa Imetodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa I
RaulSilveiraSantos
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
Joao Balbi
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
Joao Balbi
 
Texto18 P7
Texto18 P7Texto18 P7
Texto18 P7
renatotf
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
Leonardo Poth
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
UNICEP
 
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociaisfred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
ISTA- Instituto Superior Técnico de Angola
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
adriano09
 

Semelhante a Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais (20)

Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
 
MIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptxMIC 2 Métod 2021.pptx
MIC 2 Métod 2021.pptx
 
Manual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociaisManual de investigação em ciências sociais
Manual de investigação em ciências sociais
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
 
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m   robert k. yinEstudo de caso planejamento e m   robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
 
Estudo de caso planejamento e métodos Robert Yin
Estudo de caso planejamento e métodos Robert YinEstudo de caso planejamento e métodos Robert Yin
Estudo de caso planejamento e métodos Robert Yin
 
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m   robert k. yinEstudo de caso planejamento e m   robert k. yin
Estudo de caso planejamento e m robert k. yin
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
181259177 pesquisa-qualitativa
181259177 pesquisa-qualitativa181259177 pesquisa-qualitativa
181259177 pesquisa-qualitativa
 
28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo
28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo
28978148 miriam-limoeiro-cardoso-o-mito-do-metodo
 
Metodologia científica Aula - Pós Graduação em Educação
Metodologia científica   Aula - Pós Graduação em EducaçãoMetodologia científica   Aula - Pós Graduação em Educação
Metodologia científica Aula - Pós Graduação em Educação
 
Manual de investigação
Manual de investigaçãoManual de investigação
Manual de investigação
 
metodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa Imetodologia de pesquisa I
metodologia de pesquisa I
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
Texto18 P7
Texto18 P7Texto18 P7
Texto18 P7
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociaisfred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
fred-kerlinger-metodologia-da-pesquisa-em-ciencias-sociais
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
 

Mais de Luiz Guilherme Leite Amaral

Escritos Mestrandos
Escritos MestrandosEscritos Mestrandos
Escritos Mestrandos
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite AmaralLattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas MidiáticasNAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do TwitterAzul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano
Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente RomanoFichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano
Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de FoucaultA Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do WindowsBlue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Interference of Religious Beliefs
Interference of Religious BeliefsInterference of Religious Beliefs
Interference of Religious Beliefs
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Religion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of SocietiesReligion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of Societies
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Descartes Bloom Dualism
Descartes Bloom DualismDescartes Bloom Dualism
Descartes Bloom Dualism
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Darwinism Today
Darwinism TodayDarwinism Today
Core Beliefs
Core BeliefsCore Beliefs
Fichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta BrandaliseFichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta Brandalise
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicaçãoFichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel ÁguasFichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Luiz Guilherme Leite Amaral
 

Mais de Luiz Guilherme Leite Amaral (20)

Escritos Mestrandos
Escritos MestrandosEscritos Mestrandos
Escritos Mestrandos
 
Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)
 
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite AmaralLattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
 
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas MidiáticasNAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
 
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
 
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do TwitterAzul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
 
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
 
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
 
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
 
Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano
Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente RomanoFichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano
Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano
 
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de FoucaultA Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
 
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do WindowsBlue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
 
Interference of Religious Beliefs
Interference of Religious BeliefsInterference of Religious Beliefs
Interference of Religious Beliefs
 
Religion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of SocietiesReligion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of Societies
 
Descartes Bloom Dualism
Descartes Bloom DualismDescartes Bloom Dualism
Descartes Bloom Dualism
 
Darwinism Today
Darwinism TodayDarwinism Today
Darwinism Today
 
Core Beliefs
Core BeliefsCore Beliefs
Core Beliefs
 
Fichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta BrandaliseFichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta Brandalise
 
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicaçãoFichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
 
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel ÁguasFichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais

  • 1.   1   UNIVERSIDADE DE SOROCABA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO (MESTRADO) EM COMUNICAÇÃO E CULTURA FICHAMENTO: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec, 1999. PROFESSORA: Professora Doutora Maria Ogécia Drigo. ALUNO: Luiz Guilherme Leite Amaral. E-mail: luiz.amaral.mestrado@gmail.com p. 10 Durkheim, mais que os outros, também inventou maneiras de estudar as questões que suas teorias levantavam. Seu estudo sobre o suicídio foi o pioneiro na utilização de dados estatísticos oficialmente coletados para o estudo de questões sociológicas. p. 11 Um metodólogo era alguém que sabia muita matemática, enchia páginas com fórmulas que outros sociólogos não conseguiam interpretar e legislava sobre os métodos apropriados de coletar dados, processá-los e analisá-los, e sobre os métodos apropriados de apresentação dos resultados. p. 13 (...) o sociólogo ativo não somente pode como deve improvisar as soluções que funcionam onde ele está e resolve os problemas que ele quer resolver. p. 20 Portanto, a atividade da ciência como máquina tem muito a recomendá-la, eliminando todo tipo de tendências incontroladas. p. 21-22 O ponto central aqui não é que os métodos recomendados pelo metodólogos são ruins porque produzem relativamente poucos livros vencedores de prêmios. (Um boato persistente sugere que o preconceito colaborou para manter este número baixo). Quero dizer
  • 2.   2   apenas que alguns métodos que eles geralmente não discutem ou recomendam também produzem trabalhos de alta qualidade. p. 23 Quando os metodólogos aplicarem seu talento ao espectro pleno dos problemas que nos afligem, fazendo uso de um espectro pleno de técnicas analíticas, a metodologia atingirá, para os sociólogos que fazem pesquisa, aquela utilidade que sempre deveria ter tido. p. 23 A pura descrição técnica constitui-se na primeira e mais primitiva forma de texto metodológico em sociologia. Tais textos, na verdade, não são mais do que tratados sobre "como fazer", descrevendo o que homens práticos da nossa disciplina consideram formas úteis de fazer pesquisa. p. 24 O problema, ao contrário, tem sido visto como de ordem prática, algo em relação ao qual alguma coisa precisa ser feita para que a pesquisa possa ir adiante. p. 24 Os professores dizem a seus alunos de pós-graduação como lidar com o problema, considerando a coisa toda como parte da "arte da sociologia". p. 24-25 Os textos analíticos procuram descobrir a lógica inerente à prática convencional, a fim de reduzir aquela prática a um conjunto defensável de regras de procedimento. p. 27 É certamente verdade, como veremos, que muitos problemas importantes realmente não são abordados nos textos atuais de metodologia. p. 28 Estes problemas são igualmente permeáveis à análise, mas a análise não deve confiar apenas na lógica da análise de variáveis ou na teoria da probabilidade e abordagens similares. Deve-se, ao invés disso, incorporar as descobertas da própria sociologia, tornando os aspectos sociológicos e interacionais do método parte do material submetido à revisão analítica e lógica.
  • 3.   3   p. 32 (...) uma característica da estrutura de qualquer organização estratificada é que os representantes comuns da sociedade rotineiramente atribuem maior credibilidade à história contada por aqueles que a administram do que às histórias daqueles que estão nos níveis inferiores na hierarquia. p. 33 A estratégia básica de uma análise sociológica de um problema metodológico, assim, consiste em ver a atividade científica cujas características metodológicas estão sob investigação exatamente como veríamos qualquer tipo de organização da atividade humana. p. 38 Como a ciência, supostamente uma operação autocorretiva, se organiza institucionalmente de tal forma que sistematicamente as correções não são feitas? p. 42 O pressuposto da probabilidade igual de publicação é importante precisamente porque, como demonstram os números de Sterling, é sistematicamente violado. Quaisquer que sejam os demais fatores que possam facilitar ou dificultar a publicação de um artigo, o fato de seus resultados serem positivos ou negativos é claramente uma característica crucial que afeta o destino das publicações. p. 45 O papel do raciocínio por analogia como meio de sugerir hipóteses exige explicação, a qual poderia trazer à consciência vários procedimentos que podem ser reproduzidos, os quais são usados por muitos hoje em dia sem que eles saibam muito bem o que estão fazendo. p. 45 (...) uma boa hipótese é aquela cujas variáveis estão presentes na situação em estudo, ou, se for isto o que se busca, variam o suficiente para que a influência dos valores diferentes que elas podem assumir seja suficiente para demonstrar um efeito. Uma boa hipótese, mais uma vez, é aquela que parece organizar muitos dados, aquela à qual podemos vincular outras sub-hipóteses que fazem uso de outras
  • 4.   4   parcelas dos nossos dados, deste modo aglutinando as várias hipóteses que alimentamos em um sentido mais amplo. Uma boa hipótese é aquela que não entra em choque com quaisquer dos fatos que temos à nossa disposição. p. 64 Um motivo pelo qual as pessoas se preocupam com a possibilidade de as conclusões dos estudos de campo não serem confiáveis é que os agentes de campo às vezes surgem com caracterizações bastante diferentes de instituições, organizações ou comunidades idênticas ou supostamente semelhantes. p. 67 Erroneamente pressupomos que os observadores têm que estar estudando a mesma coisa porque supomos que apenas uma estrutura social está presente numa organização ou comunidade. (...) Porém, a estrutura global contém unidades menores, e a diferença entre dois estudos de campo dentro da mesma coisa pode residir na ênfase diferenciada dada a uma ou outra destas unidades menores. p. 68 Em geral, não devemos esperar resultados idênticos quando dois observadores estudam a mesma organização a partir de diferentes pontos de vista, ou quando estudam subestruturas diferentes dentro de uma organização maior. p. 73 De modo semelhante, os pesquisadores que fazem "surveys" descobriram que os atributos sociais, assim como as atitudes e crenças de entrevistadores de "surveys", afetam as respostas que seus informantes dão. As pessoas respondem a perguntas sobre raça de maneira diferente quando os entrevistadores são de uma cor ou outra, e, da mesma forma, respondem de forma diferente a perguntas sobre sexo e doença mental em função da idade e do sexo do entrevistador. Os entrevistadores obtêm as respostas que esperam obter, do mesmo modo que os experimentadores obtêm as reações que esperavam obter. p. 79 Os valores de qualquer grupo social são um ideal do qual o
  • 5.   5   comportamento real pode às vezes se aproximar, mas raramente incorpora integralmente. (...) Os indivíduos podem ser realistas, aceitar os valores ardentemente e de todo coração, sentido que todos pode e devem segui-los e que são não só "certos" e "práticos". Ou ser cínicos, concebendo os valores como absolutamente não-práticos e impossíveis de serem seguidos (...). p. 87 A característica organizacional é a interligação da vida organizacional. O princípio da civilidade cotidiana é a falta de disposição das pessoas para mentir ou dissimular quando há perigo de serem descobertas. p. 91 O pesquisador de campo, devido ao fato de que tem contato contínuo com aqueles que estuda, pode coletar dados deles através de variados procedimentos, em diversos ambientes e em diferentes estados de espírito, esta variedade permite que ele faça cruzamentos de suas conclusões para verificação e volte a testá-las repetidamente, de modo a pode ter certeza de que seus dados não são um produto de um procedimento específico ou de alguma situação ou relação particular. p. 103 Para entender porque alguém tem o comportamento que tem, é preciso compreender como lhe parecia tal comportamento, com o que pensava que tinha que confrontar, que alternativas via se abrirem para si; é possível entender os efeitos das estruturas de oportunidade, das subculturas delinquentes e das normas sociais, assim como de outras explicações comumente evocadas para explicar o comportamento, apenas encarando-as a partir do ponto de vista dos atores. p. 103 O esquema de pesquisa não amadureceu a partir de uma teoria axiomática bem desenvolvida, mas, em vez disso, de uma visão da característica de cidades e de vida urbana que permeava muitas das pesquisas realizadas em Chicago no excitante período depois da chegada de Robert E. Park, em 1916. p. 107 Podemos decidir aceitar uma teoria se ela explica, digamos, 95 por cento dos casos abrangidos sob sua jurisdição. Muitos cientistas de reputação o fazem. Em contraste, é possível argumentar que uma
  • 6.   6   teoria que não explica todos os casos é incompleta, que há outros fatores em operação, além daqueles que a teoria especifica, que produzem o resultado que pretendemos explicar. Trata-se fundamentalmente de uma questão de estratégia. p. 117 O termo "estudo de caso" vem de uma tradição de pesquisa médica e psicológica, onde se refere a uma análise detalhada de um caso individual que explica a dinâmica e a patologia de uma doença dada; o método supõe que se pode adquirir conhecimento do fenômeno adequadamente a partir da exploração intensa de um caso único. p. 118 Por objetivar compreender todo o comportamento do grupo, o estudo de caso não pode ser concebido segundo uma mentalidade única para testar proposições gerais. Em contraste com o experimento de laboratório, o qual é concebido para testar uma ou poucas proposições intimamente relacionadas tão rigorosa e precisamente quanto possível, o estudo de caso tem que ser preparado para lidar com uma grande variedade de problemas teóricos e descritivos.