SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária de São João da Talha
2015/2016 Metodologia da
Investigação
Sociológica
Trabalhorealizadopor:
InêsDias
Mariana Paiva
2
1.1 Estratégias de investigação
Quando se resolve realizar uma actividade, a primeira etapa é decidir o modo como
iremos cumpri-las.
Temosde decidirqual é otemaouoproblema,colocarumaquestãoaomesmo,e definir
osobjectivosaalcançar,seleccionarosrecursose osinstrumentos necessários,canalizartarefas,
distribuirtarefasbeloselementosdogrupo,partilharas informaçõesrecolhidas,analisá-las,tirar
conclusões, apesentar e fazer um relatório.
O relatóriodeve incluirtodosospassos anteriores,acabandocompossíveisconclusões
do estudo que ajudem a resolver o problema.
Quando se inicia um processo de investigação existem sempre duas perguntas que
orientam os investigadores: Como fazer? E quem vamos incluir?
A primeiraperguntavaiajudaradecidiraestratégiade investigação,ousejanoconjunto
de procedimentosque orientam a pesquisa científica, incluindo a seleção de técnicas, o seu
controlo e a integração dos resultados obtidos.
A outra questão vai definir o público-alvo, com isto queremos dizer o conjunto de
indivíduos sobre os quais assenta a investigação.
3
O filósofofrancêsGastonBachelardresumiuoprocessocientíficoemalgumaspalavras,
tais como: o conquistado sobre os preconceitos, o construído pela razão e o verificado nos
factos.
Para que a pesquisacientíficaavance,é necessárioquestionarasaparentesevidências,
submetê-las a verificações específicas e tirar conclusões, embora provisórias, pois estão
constantementeasereminterrogadas.Podemosassimafirmarque oconhecimentonuncaestá
acabado pois está sempre a ser posto à prova.
Numa primeira fase, o cientista deverá fazer a rutura com os preconceitos e as falsas
evidências que a realidade social tão próxima dos indivíduos proporciona, sendo este um ato
indispensável para o avanço da conquista científica.
De seguida, o cientista deve conceber um modelo de análise que constituirá o quadro
teórico de referência, ou seja, é o momento da construção.
Por fim, para que a investigação seja científica, todos os factos são submetidos à
verificação ou experimentação.
4
1.1.1. Principais estratégias de investigação
Existem diversas estratégias de investigação mas as mais utilizadas são a intensiva, a
extensiva e a investigação-ação.
Estratégia de investigação Intensiva
Esta estratégia é utilizada quando se estuda um fenómeno em profundidade.
Com isto, deve-se obter o maior número de informações, através de análises e
observações de várias situações reais, obtidas através do público-alvo.
Aqui não se dá uma grande importância ao número de indivíduos ou de factos que
estamos a estudar, mas sim a profundidade e a singularidade das informações, com isto é
necessário uma proximidade entre o investigador e o fenómeno ou o público-alvo.
Temos assim uma investigação de natureza intensiva.
5
Estratégia de investigação extensiva
Neste tipo de investigação, é utilizada em estudos que analisam grupos de dimensão
muito grande, tem de se formar e aplicar um inquérito por questionário a uma amostra
representativa do universo, devido à sua grande dimensão que não permite o contacto direto
com toda a população do universodo estudo,permitindo a generalização das suas conclusões
ao mesmo.Para alémdisto,recorre-se preferencialmente atécnicasquantitativas ousejauma
natureza extensiva.
Estratégias de investigação-ação
Neste tipo de investigação,o investigador é simultaneamente Actor, pois envolve-se
diretamente com o grupo que vai analisar, aplicando diretamente os conhecimentos
produzidos. Para além disto, podem utilizar-se tanto as técnicas quantitativas como as
qualitativas.
6
1.1.2 Definição do público-alvo da investigação
A totalidade dos indivíduos que constituem o público-alvo chama-se universo.
Quando o universo é formado por um número reduzido denomina-se como uma
amostra, ou seja, um subconjunto do universo.
Paraobterumaamostrarepresentativado universotemosduasetapas,ade determinar
as pessoas que iram contruir, e o medir-lhes a representatividade.
Esta amostra tem de representar as características do universo o mais fielmente, para
istoacontecertambémexiste duasetapas,ométodoaleatórioouprobabilista, e ométododas
quotas.
O método probabilista significa que vai ser retirado ao acaso uma amostra que vai
representar todo o universo.
O meto das quotas pretende construir uma amostra para ser o modelo do universo,
tendo em importância a estrutura do mesmo.
7
1.2 Etapas de investigação
Numaciênciasocial,ainvestigaçãoé feitaatravésde umconjuntode etapasoupassos,
e na Sociologia não é exceção.
A investigação sociológica inicia-se com a definição do problema que se pretende
investigar,sendo este mesmopassoa Etapa 1, onde se formulaa perguntade partida, tendoo
cuidado de respeitar as qualidades de clareza, de exequibilidade e de pertinência.
Após o problema estar definido, devemos tentar compreendê-lo ou explicá-lo,
iniciando-se assimaEtapa 2, onde se procura selecionartextos,fazercomparaçõesentre esses
textos e entre os textos e as entrevistas. Para essas entrevistas, é necessário ter uma
determinadapreparação,poisvão-se encontrarcomperitose é tambémmuitopertinenteque
se adote uma atitude de escuta e de abertura e que se descodifique os discursos.
Para se iniciar a Etapa 3, torna-se importante pesquisar a literatura e estudos sobre o
fenómeno e fazer entrevistas para desenvolver a problemática, sendo assim possível fazer o
balançodas leiturase das entrevistas,estabelecerumquadroteóricoe explicaraproblemática
retida.
Depoisde oconhecimentoestaradquirido,inicia-seaEtapa4, ou seja,aconstrução das
hipótesesde trabalhoe omodelo,onde é necessárioasrelaçõesentre osconceitos,sendoque
para construiressesconceitosé precisoasdimensõese osindicadores,e aindaasrelaçõesentre
as hipóteses.
Se seguida procede-se à seleção e aplicação dos instrumentos de observação, que
consiste na Etapa 5, onde se delimita o campo de observação, concebe-se o instrumentode
observação, testa-se esse instrumento e procede-se à recolha das informações.
8
Quandoa informaçãoestiverobtida,dá-se inícioàEtapa 6, que consiste naanálise das
informações,onde se descreve e preparaosdadospara a análise,mede-seasrelaçõesentre as
variáveis, compara-se os resultados esperados com os resultados observados e procura-se o
significado das diferenças.
Por fim,chega-se àsconclusõesque podemounãocorroborare validasashipótesesde
trabalho,sendoestaaEtapa7, onde se recapitulaoprocedimentoe se apresentaosresultados,
pondo em evidência os novos conhecimentos e as consequências práticas.
9
1.3 Modos de produção da informação em
Sociologia
Pode serutilizadodoisprocessosparaobter informaçãosobreosfenómenosemestudo,
essa informação é obtida através da documentação já existente sobre o problema,ou a partir
da observação dos fenómenos a estudar.
1.3.1 Documentação
Um documento é todo o objeto, escrito ou não, que vai permitir retirar informações
sobre um fenómeno.
Quandoum investigadordecide,começarumainvestigaçãodevesempre procuraruma
documentação, para todas as informações já conhecidas sobre esse problema.
Depois de ter todos os documentos, cabe ao investigador analisa-los para tentas
conseguir obter alguma conclusão. Para isso o investigador tem de fazer uma análise de
conteúdo.
1.3.2 Observação
A observação contem várias etapas, em que o modelo de análise vai ser confrontado
com dados observáveis.
10
A observação participante/ observaçãodireta
Na observaçãoparticipante,oinvestigadorenvolve-se diretamente como grupo social
que estuda,participandonasuavidacoletiva,oque lhe permite observare registarcomrigore
precisão os comportamentos e os fenómenos que ocorrem na vida do grupo.
A observação não participante /observação indireta
A observação não participante corresponde à recolha de informação do investigador,
sem o mesmo estar envolvido ou inserido no grupo. Há diversas técnicas de observação,mas
apenasvamosreferirduasdelas,nomeadamente a entrevista e o inquérito por questionário.
A entrevista é um processo de recolha de informações que decorre através da
comunicação verbal, como por exemplo, os diálogos individuais ou de grupo.
Estas informaçõesserãoavaliadasde acordo com“oseugrau de pertinência,validade e
fiabilidade com os objetivos da recolha das informações”. De acordo com alguns autores, a
entrevista pode contribuir para uma reinterpretação dos dados da observação participante,
visto que na observação o investigador pode contaminas as bservações efectuadas cin a sua
formade pensar,nãosendosuficientemente objectivoe imparcial,podendoassimoobservador
confrontar a sua perceção dos factos com a dos entrevistados.
As entrevistas podem ser classificadas em estutruradas ou não estruturadas:
Entrevistas estruturadas
As entrevistas são consideradas estruturadas se obedecerem a um esquema rígido,
previamente fixado e cujas respostas são fechadas, ou seja, o entrevistador não tem a
possibilidade de desenvolver a resposta dada, podendo apenas pronunciar-se positiva ou
negativamente sobre as questões postas.
11
Entrevistas não estruturadas
Nasentrevistasnãoestruturadas,aconduçãoporparte doentrevistadoré maisfléxivel,
podendo este orientá-la com a sequência e as questões que julgar mais convenientes e cujas
suas respostas são abertas, ou seja, o entrevistado tem toda a possiblidade de exprimir e
justificar livremente a sua opinião.
Neste tipo de entrevistas é preciso definir previamente os objectivos da entrevista,
inventariarosgrandestemasaabordar e de cuja análise se poderãoencontrarasrespostasaos
objectivose inventariarumconjuntode questõesdemodoqueainformaçãoque oentrevistado
nos oferece diga respeito aos objectivos da investigação.
Noato da aplicaçãoda entrevistaé aindausual e necessárioiniciar-seaconversacomo
entrevistadoexpondo-lheasrazõesdaentrevisa,pedir-lhe apossibilidade de gravara conversa
oude tirar notasnomomento,nãoinfluenciaroentrevistadocomasnossasopiniõese,porfim,
agradecer a colaboração que nos foi dada.
Contrariamente à entrevista, o inquérito por questionário é um procedimento que
apresenta um conjunto predeterminado de perguntas à população ou a uma amostra
representativa dessa população.
12
1.4 Novos campos de investigação
Sociologias especializadas
A sociologiaestudaosfactossociais,masexistem diferentesmaneirasde estudooude graude
aprofundamento.
Em quantoa sociologiavai abortaressesfactosemtermosgerais,que temcomoobjetoos
conceitosfundamentais,sociografiaemgrupo,organizaçãoe estruturasocial,mudançasocial
e osmétodose técnicasde investigação;associologias especializadasvãoajudaremestudos
maisespecíficos.
Estas sociologiasespecializadastemcomoobjetode estudoosfactossociaiscomoa sociologia
da família,sociologiapolitica,sociologiadotrabalho,ect.
Apenasvamosretrataralgumassociologiasespecializadasde seguida.
Sociologia Antropológica ou Antropossociologia
Estuda as relaçõesentre gruposnaturaise tiposde civilizações.
Tendocomo exemploosgruposétnicos.
13
Sociologia Política
Sociologiapolíticaé oramo da sociologiaque reflete sobre opoder,oEstadoe o dever
político.É o estudodasbasessociaisda política.A Sociologiaajudaaentenderapolítica emsi,
tal comoos seusmovimentospolíticos.
Temoscomo exemploaparticipaçãoemcasos eleitorais.
Sociologiada Família
A famíliaenquantogrupode convivênciacomumentemodifica-se emdiversosaspetosao
longodo tempo.Igualmente,seupapel navidade cada um de seusintegrantesse modifica
conforme seudesenvolvimento físico,psicológicoe intelectual.Dessaformaa Sociologiada
famíliaencontraumamplocampo para suas observaçõese estudos,umavezque depara-se
com tantas variáveis.
Um exemplodesseestudosãoospapéisconjugais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
quintaldasletras
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
mikto
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Especialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisicaEspecialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisica
Daniela Costa
 
305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)
RenataArteiro1
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Drew Mello
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.
Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.
Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.
turma12c1617
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
turma12d
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
Fernanda Monteiro
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Ano da morte
Ano da morteAno da morte
Ano da morte
Veronica Baptista
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 

Mais procurados (20)

Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Especialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisicaEspecialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisica
 
305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)305626475 sociologia-12 (1)
305626475 sociologia-12 (1)
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANOSocialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
Socialização e cultura - SOCIOLOGIA 12º ANO
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.
Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.
Sociogia o ambiente-riscos e incertezas.
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Ano da morte
Ano da morteAno da morte
Ano da morte
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 

Destaque

Metodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologiaMetodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologia
turma12c
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
Arare Carvalho Júnior
 
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Metodos e tecnicas  em ciencias sociaisMetodos e tecnicas  em ciencias sociais
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Lucio Braga
 
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focalEstratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
Fernando Antonio
 
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado WeberianoMax Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Luiz1123
 
Metodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação CientíficaMetodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação Científica
Fernando Vianeke Agostinho
 
Obstáculos epistemológicos
Obstáculos epistemológicosObstáculos epistemológicos
Obstáculos epistemológicos
luciagonzalez1989
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
Luis Pedro
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Daniele Rubim
 
Método Qualitativo/ Analise de Dados
Método Qualitativo/ Analise de DadosMétodo Qualitativo/ Analise de Dados
Método Qualitativo/ Analise de Dados
Natalia Pina
 
METODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIAL
METODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIALMETODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIAL
METODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIAL
franklinguzman2015
 
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosAula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Henrique Morais
 

Destaque (13)

Metodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologiaMetodologias de investigação em sociologia
Metodologias de investigação em sociologia
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
 
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Metodos e tecnicas  em ciencias sociaisMetodos e tecnicas  em ciencias sociais
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
 
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focalEstratégias de elaboração de questões e grupo focal
Estratégias de elaboração de questões e grupo focal
 
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Grupo focal
 
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado WeberianoMax Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
 
Metodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação CientíficaMetodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação Científica
 
Obstáculos epistemológicos
Obstáculos epistemológicosObstáculos epistemológicos
Obstáculos epistemológicos
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
 
Método Qualitativo/ Analise de Dados
Método Qualitativo/ Analise de DadosMétodo Qualitativo/ Analise de Dados
Método Qualitativo/ Analise de Dados
 
METODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIAL
METODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIALMETODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIAL
METODOS DE INVESTIGACION EN LA PSICOLOGIA SOCIAL
 
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosAula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
 

Semelhante a Metodologias de investigação em sociologia

Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
Leonor Alves
 
Métodos e técnicas de investigação - Jéssica
Métodos e técnicas de investigação - JéssicaMétodos e técnicas de investigação - Jéssica
Métodos e técnicas de investigação - Jéssica
turma12c1617
 
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
turma12d
 
Ppt0000003
Ppt0000003Ppt0000003
Ppt0000003
Leonor Alves
 
Métodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociaisMétodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociais
turma12c1617
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Métodos e Técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e Técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e Técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e Técnicas de investigação em ciências sociais
turma12c1617
 
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisMétodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
turma12c1617
 
Métodos de investigação das ciências sociais
Métodos de investigação  das ciências sociaisMétodos de investigação  das ciências sociais
Métodos de investigação das ciências sociais
flaviooshakur
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Nicolau Chaud
 
Metodos e tecnicas de investigaçao em sociologia
Metodos e tecnicas de investigaçao em sociologiaMetodos e tecnicas de investigaçao em sociologia
Metodos e tecnicas de investigaçao em sociologia
Estifania Viegas
 
Etapas de pesquisa
Etapas de pesquisaEtapas de pesquisa
Etapas de pesquisa
Gerdian Teixeira
 
COMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdf
COMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdfCOMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdf
COMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdf
EricBoss7
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa através do estudo de caso
Pesquisa através do estudo de casoPesquisa através do estudo de caso
Pesquisa através do estudo de caso
ericasousa1
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
adriano09
 
Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1
Moises Ribeiro
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
gisa_legal
 

Semelhante a Metodologias de investigação em sociologia (20)

Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
 
Métodos e técnicas de investigação - Jéssica
Métodos e técnicas de investigação - JéssicaMétodos e técnicas de investigação - Jéssica
Métodos e técnicas de investigação - Jéssica
 
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
 
Ppt0000003
Ppt0000003Ppt0000003
Ppt0000003
 
Métodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociaisMétodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociais
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
Métodos e Técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e Técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e Técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e Técnicas de investigação em ciências sociais
 
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociaisMétodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
Métodos e técnicas de pesquisa em ciências sociais
 
Métodos de investigação das ciências sociais
Métodos de investigação  das ciências sociaisMétodos de investigação  das ciências sociais
Métodos de investigação das ciências sociais
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Metodos e tecnicas de investigaçao em sociologia
Metodos e tecnicas de investigaçao em sociologiaMetodos e tecnicas de investigaçao em sociologia
Metodos e tecnicas de investigaçao em sociologia
 
Etapas de pesquisa
Etapas de pesquisaEtapas de pesquisa
Etapas de pesquisa
 
COMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdf
COMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdfCOMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdf
COMO ELABORAR UM PROJETO PESQUISA.pdf
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Pesquisa através do estudo de caso
Pesquisa através do estudo de casoPesquisa através do estudo de caso
Pesquisa através do estudo de caso
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
Metodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativaMetodologia de pesquisa qualitativa
Metodologia de pesquisa qualitativa
 
Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1Pesquisa metodologia 1
Pesquisa metodologia 1
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 

Mais de turma12c

Familia
FamiliaFamilia
Familia
turma12c
 
Familia em Portugal
Familia em PortugalFamilia em Portugal
Familia em Portugal
turma12c
 
Instituiçoes sociais
Instituiçoes sociaisInstituiçoes sociais
Instituiçoes sociais
turma12c
 
Elementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociaisElementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociais
turma12c
 
Instituíçón sócialité
Instituíçón sócialitéInstituíçón sócialité
Instituíçón sócialité
turma12c
 
Principais instituições sociais
Principais instituições sociaisPrincipais instituições sociais
Principais instituições sociais
turma12c
 
Elementos das principais instituições - Madalena e Alexandra
Elementos das principais instituições - Madalena e AlexandraElementos das principais instituições - Madalena e Alexandra
Elementos das principais instituições - Madalena e Alexandra
turma12c
 
Elementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociaisElementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociais
turma12c
 
Interação social – o grupo social (1)
Interação social – o grupo social (1)Interação social – o grupo social (1)
Interação social – o grupo social (1)
turma12c
 
A sociologia em Portugal
A sociologia em PortugalA sociologia em Portugal
A sociologia em Portugal
turma12c
 
A Sociologia em Portugal
A Sociologia em PortugalA Sociologia em Portugal
A Sociologia em Portugal
turma12c
 
Sociologia em-portugal
Sociologia em-portugalSociologia em-portugal
Sociologia em-portugal
turma12c
 
A Sociologia em Portugal - Gonçalinho
A Sociologia em Portugal - GonçalinhoA Sociologia em Portugal - Gonçalinho
A Sociologia em Portugal - Gonçalinho
turma12c
 
A sociologia em Portugal
A sociologia em PortugalA sociologia em Portugal
A sociologia em Portugal
turma12c
 
O menino-e-o-mundo
O menino-e-o-mundoO menino-e-o-mundo
O menino-e-o-mundo
turma12c
 

Mais de turma12c (15)

Familia
FamiliaFamilia
Familia
 
Familia em Portugal
Familia em PortugalFamilia em Portugal
Familia em Portugal
 
Instituiçoes sociais
Instituiçoes sociaisInstituiçoes sociais
Instituiçoes sociais
 
Elementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociaisElementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociais
 
Instituíçón sócialité
Instituíçón sócialitéInstituíçón sócialité
Instituíçón sócialité
 
Principais instituições sociais
Principais instituições sociaisPrincipais instituições sociais
Principais instituições sociais
 
Elementos das principais instituições - Madalena e Alexandra
Elementos das principais instituições - Madalena e AlexandraElementos das principais instituições - Madalena e Alexandra
Elementos das principais instituições - Madalena e Alexandra
 
Elementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociaisElementos das instituições sociais
Elementos das instituições sociais
 
Interação social – o grupo social (1)
Interação social – o grupo social (1)Interação social – o grupo social (1)
Interação social – o grupo social (1)
 
A sociologia em Portugal
A sociologia em PortugalA sociologia em Portugal
A sociologia em Portugal
 
A Sociologia em Portugal
A Sociologia em PortugalA Sociologia em Portugal
A Sociologia em Portugal
 
Sociologia em-portugal
Sociologia em-portugalSociologia em-portugal
Sociologia em-portugal
 
A Sociologia em Portugal - Gonçalinho
A Sociologia em Portugal - GonçalinhoA Sociologia em Portugal - Gonçalinho
A Sociologia em Portugal - Gonçalinho
 
A sociologia em Portugal
A sociologia em PortugalA sociologia em Portugal
A sociologia em Portugal
 
O menino-e-o-mundo
O menino-e-o-mundoO menino-e-o-mundo
O menino-e-o-mundo
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

Metodologias de investigação em sociologia

  • 1. Escola Secundária de São João da Talha 2015/2016 Metodologia da Investigação Sociológica Trabalhorealizadopor: InêsDias Mariana Paiva
  • 2. 2 1.1 Estratégias de investigação Quando se resolve realizar uma actividade, a primeira etapa é decidir o modo como iremos cumpri-las. Temosde decidirqual é otemaouoproblema,colocarumaquestãoaomesmo,e definir osobjectivosaalcançar,seleccionarosrecursose osinstrumentos necessários,canalizartarefas, distribuirtarefasbeloselementosdogrupo,partilharas informaçõesrecolhidas,analisá-las,tirar conclusões, apesentar e fazer um relatório. O relatóriodeve incluirtodosospassos anteriores,acabandocompossíveisconclusões do estudo que ajudem a resolver o problema. Quando se inicia um processo de investigação existem sempre duas perguntas que orientam os investigadores: Como fazer? E quem vamos incluir? A primeiraperguntavaiajudaradecidiraestratégiade investigação,ousejanoconjunto de procedimentosque orientam a pesquisa científica, incluindo a seleção de técnicas, o seu controlo e a integração dos resultados obtidos. A outra questão vai definir o público-alvo, com isto queremos dizer o conjunto de indivíduos sobre os quais assenta a investigação.
  • 3. 3 O filósofofrancêsGastonBachelardresumiuoprocessocientíficoemalgumaspalavras, tais como: o conquistado sobre os preconceitos, o construído pela razão e o verificado nos factos. Para que a pesquisacientíficaavance,é necessárioquestionarasaparentesevidências, submetê-las a verificações específicas e tirar conclusões, embora provisórias, pois estão constantementeasereminterrogadas.Podemosassimafirmarque oconhecimentonuncaestá acabado pois está sempre a ser posto à prova. Numa primeira fase, o cientista deverá fazer a rutura com os preconceitos e as falsas evidências que a realidade social tão próxima dos indivíduos proporciona, sendo este um ato indispensável para o avanço da conquista científica. De seguida, o cientista deve conceber um modelo de análise que constituirá o quadro teórico de referência, ou seja, é o momento da construção. Por fim, para que a investigação seja científica, todos os factos são submetidos à verificação ou experimentação.
  • 4. 4 1.1.1. Principais estratégias de investigação Existem diversas estratégias de investigação mas as mais utilizadas são a intensiva, a extensiva e a investigação-ação. Estratégia de investigação Intensiva Esta estratégia é utilizada quando se estuda um fenómeno em profundidade. Com isto, deve-se obter o maior número de informações, através de análises e observações de várias situações reais, obtidas através do público-alvo. Aqui não se dá uma grande importância ao número de indivíduos ou de factos que estamos a estudar, mas sim a profundidade e a singularidade das informações, com isto é necessário uma proximidade entre o investigador e o fenómeno ou o público-alvo. Temos assim uma investigação de natureza intensiva.
  • 5. 5 Estratégia de investigação extensiva Neste tipo de investigação, é utilizada em estudos que analisam grupos de dimensão muito grande, tem de se formar e aplicar um inquérito por questionário a uma amostra representativa do universo, devido à sua grande dimensão que não permite o contacto direto com toda a população do universodo estudo,permitindo a generalização das suas conclusões ao mesmo.Para alémdisto,recorre-se preferencialmente atécnicasquantitativas ousejauma natureza extensiva. Estratégias de investigação-ação Neste tipo de investigação,o investigador é simultaneamente Actor, pois envolve-se diretamente com o grupo que vai analisar, aplicando diretamente os conhecimentos produzidos. Para além disto, podem utilizar-se tanto as técnicas quantitativas como as qualitativas.
  • 6. 6 1.1.2 Definição do público-alvo da investigação A totalidade dos indivíduos que constituem o público-alvo chama-se universo. Quando o universo é formado por um número reduzido denomina-se como uma amostra, ou seja, um subconjunto do universo. Paraobterumaamostrarepresentativado universotemosduasetapas,ade determinar as pessoas que iram contruir, e o medir-lhes a representatividade. Esta amostra tem de representar as características do universo o mais fielmente, para istoacontecertambémexiste duasetapas,ométodoaleatórioouprobabilista, e ométododas quotas. O método probabilista significa que vai ser retirado ao acaso uma amostra que vai representar todo o universo. O meto das quotas pretende construir uma amostra para ser o modelo do universo, tendo em importância a estrutura do mesmo.
  • 7. 7 1.2 Etapas de investigação Numaciênciasocial,ainvestigaçãoé feitaatravésde umconjuntode etapasoupassos, e na Sociologia não é exceção. A investigação sociológica inicia-se com a definição do problema que se pretende investigar,sendo este mesmopassoa Etapa 1, onde se formulaa perguntade partida, tendoo cuidado de respeitar as qualidades de clareza, de exequibilidade e de pertinência. Após o problema estar definido, devemos tentar compreendê-lo ou explicá-lo, iniciando-se assimaEtapa 2, onde se procura selecionartextos,fazercomparaçõesentre esses textos e entre os textos e as entrevistas. Para essas entrevistas, é necessário ter uma determinadapreparação,poisvão-se encontrarcomperitose é tambémmuitopertinenteque se adote uma atitude de escuta e de abertura e que se descodifique os discursos. Para se iniciar a Etapa 3, torna-se importante pesquisar a literatura e estudos sobre o fenómeno e fazer entrevistas para desenvolver a problemática, sendo assim possível fazer o balançodas leiturase das entrevistas,estabelecerumquadroteóricoe explicaraproblemática retida. Depoisde oconhecimentoestaradquirido,inicia-seaEtapa4, ou seja,aconstrução das hipótesesde trabalhoe omodelo,onde é necessárioasrelaçõesentre osconceitos,sendoque para construiressesconceitosé precisoasdimensõese osindicadores,e aindaasrelaçõesentre as hipóteses. Se seguida procede-se à seleção e aplicação dos instrumentos de observação, que consiste na Etapa 5, onde se delimita o campo de observação, concebe-se o instrumentode observação, testa-se esse instrumento e procede-se à recolha das informações.
  • 8. 8 Quandoa informaçãoestiverobtida,dá-se inícioàEtapa 6, que consiste naanálise das informações,onde se descreve e preparaosdadospara a análise,mede-seasrelaçõesentre as variáveis, compara-se os resultados esperados com os resultados observados e procura-se o significado das diferenças. Por fim,chega-se àsconclusõesque podemounãocorroborare validasashipótesesde trabalho,sendoestaaEtapa7, onde se recapitulaoprocedimentoe se apresentaosresultados, pondo em evidência os novos conhecimentos e as consequências práticas.
  • 9. 9 1.3 Modos de produção da informação em Sociologia Pode serutilizadodoisprocessosparaobter informaçãosobreosfenómenosemestudo, essa informação é obtida através da documentação já existente sobre o problema,ou a partir da observação dos fenómenos a estudar. 1.3.1 Documentação Um documento é todo o objeto, escrito ou não, que vai permitir retirar informações sobre um fenómeno. Quandoum investigadordecide,começarumainvestigaçãodevesempre procuraruma documentação, para todas as informações já conhecidas sobre esse problema. Depois de ter todos os documentos, cabe ao investigador analisa-los para tentas conseguir obter alguma conclusão. Para isso o investigador tem de fazer uma análise de conteúdo. 1.3.2 Observação A observação contem várias etapas, em que o modelo de análise vai ser confrontado com dados observáveis.
  • 10. 10 A observação participante/ observaçãodireta Na observaçãoparticipante,oinvestigadorenvolve-se diretamente como grupo social que estuda,participandonasuavidacoletiva,oque lhe permite observare registarcomrigore precisão os comportamentos e os fenómenos que ocorrem na vida do grupo. A observação não participante /observação indireta A observação não participante corresponde à recolha de informação do investigador, sem o mesmo estar envolvido ou inserido no grupo. Há diversas técnicas de observação,mas apenasvamosreferirduasdelas,nomeadamente a entrevista e o inquérito por questionário. A entrevista é um processo de recolha de informações que decorre através da comunicação verbal, como por exemplo, os diálogos individuais ou de grupo. Estas informaçõesserãoavaliadasde acordo com“oseugrau de pertinência,validade e fiabilidade com os objetivos da recolha das informações”. De acordo com alguns autores, a entrevista pode contribuir para uma reinterpretação dos dados da observação participante, visto que na observação o investigador pode contaminas as bservações efectuadas cin a sua formade pensar,nãosendosuficientemente objectivoe imparcial,podendoassimoobservador confrontar a sua perceção dos factos com a dos entrevistados. As entrevistas podem ser classificadas em estutruradas ou não estruturadas: Entrevistas estruturadas As entrevistas são consideradas estruturadas se obedecerem a um esquema rígido, previamente fixado e cujas respostas são fechadas, ou seja, o entrevistador não tem a possibilidade de desenvolver a resposta dada, podendo apenas pronunciar-se positiva ou negativamente sobre as questões postas.
  • 11. 11 Entrevistas não estruturadas Nasentrevistasnãoestruturadas,aconduçãoporparte doentrevistadoré maisfléxivel, podendo este orientá-la com a sequência e as questões que julgar mais convenientes e cujas suas respostas são abertas, ou seja, o entrevistado tem toda a possiblidade de exprimir e justificar livremente a sua opinião. Neste tipo de entrevistas é preciso definir previamente os objectivos da entrevista, inventariarosgrandestemasaabordar e de cuja análise se poderãoencontrarasrespostasaos objectivose inventariarumconjuntode questõesdemodoqueainformaçãoque oentrevistado nos oferece diga respeito aos objectivos da investigação. Noato da aplicaçãoda entrevistaé aindausual e necessárioiniciar-seaconversacomo entrevistadoexpondo-lheasrazõesdaentrevisa,pedir-lhe apossibilidade de gravara conversa oude tirar notasnomomento,nãoinfluenciaroentrevistadocomasnossasopiniõese,porfim, agradecer a colaboração que nos foi dada. Contrariamente à entrevista, o inquérito por questionário é um procedimento que apresenta um conjunto predeterminado de perguntas à população ou a uma amostra representativa dessa população.
  • 12. 12 1.4 Novos campos de investigação Sociologias especializadas A sociologiaestudaosfactossociais,masexistem diferentesmaneirasde estudooude graude aprofundamento. Em quantoa sociologiavai abortaressesfactosemtermosgerais,que temcomoobjetoos conceitosfundamentais,sociografiaemgrupo,organizaçãoe estruturasocial,mudançasocial e osmétodose técnicasde investigação;associologias especializadasvãoajudaremestudos maisespecíficos. Estas sociologiasespecializadastemcomoobjetode estudoosfactossociaiscomoa sociologia da família,sociologiapolitica,sociologiadotrabalho,ect. Apenasvamosretrataralgumassociologiasespecializadasde seguida. Sociologia Antropológica ou Antropossociologia Estuda as relaçõesentre gruposnaturaise tiposde civilizações. Tendocomo exemploosgruposétnicos.
  • 13. 13 Sociologia Política Sociologiapolíticaé oramo da sociologiaque reflete sobre opoder,oEstadoe o dever político.É o estudodasbasessociaisda política.A Sociologiaajudaaentenderapolítica emsi, tal comoos seusmovimentospolíticos. Temoscomo exemploaparticipaçãoemcasos eleitorais. Sociologiada Família A famíliaenquantogrupode convivênciacomumentemodifica-se emdiversosaspetosao longodo tempo.Igualmente,seupapel navidade cada um de seusintegrantesse modifica conforme seudesenvolvimento físico,psicológicoe intelectual.Dessaformaa Sociologiada famíliaencontraumamplocampo para suas observaçõese estudos,umavezque depara-se com tantas variáveis. Um exemplodesseestudosãoospapéisconjugais.