SlideShare uma empresa Scribd logo
A SOCIOLOGIA NO BRASIL
Um olhar sobre o desenvolvimento
sociológico brasileiro
OS PRIMEIROS TEMPOS
• Carta de Pero Vaz de Caminha – primeiros
relatos escritos sobre o Brasil – mostra
aspectos geográficos, mas também apresenta
algumas características dos povos contatados.
• A educação servia, no período colonial, para
repassar e reafirmar a cultura e os valores
europeus,marcado pela religião,
principalmente com a presença dos jesuítas.
OS PRIMEIROS TEMPOS
• O desenvolvimento do pensamento
sociológico no Brasil obedeceu às condições
de desenvolvimento do capitalismo e da
inserção do país na ordem mundial,como
resultado de um longo processo que teve
como suporte as condições sócio-históricas do
capitalismo na Europa, a partir do
Renascimento.
Período Colonial
• A cultura religiosa foi um importante instrumento de
colonização.
• Implantou-se uma Cultura Erudita e Religiosa.
• Dominação da cultura européia.
• Presença da análise social na literatura e nos
desenhos e pinturas.
• Cultura Erudita e Religiosa - baseado na retórica e
em princípios universalizantes, seus efeitos foram
aniquilar a cultura indígena, submeter as populações
escravas e distinguir as camadas cultas
A cultura e as classes intermediárias no
século XVIII
• Surgiram novas ocupações:
• -comerciantes, artífices,criadores de
animais,funcionários da administração que
controlavam a extração de minérios e sua
exportação, e outras.
• Essa camada intermediária livre e sem
propriedades,precede o surgimento da burguesiaconsumidora da erudição da cultura européia.
A cultura da corte e o século XIX
• Destinava-se a descrever a colônia por meio de
estudos naturalistas, que recebiam o nome genérico
de história natural,e a recrutar, as classes
intermediárias, intelectuais, dispostos a servir à corte
e às classes dominantes.
• Continuava sendo uma cultura alienada, ditada pelas
formas européias, além de garantir o domínio do
poder imperial.
A cultura da corte e o século XIX
• Apesar dos movimentos intelectuais e
literários que tratavam de questões políticas e
sociais no Brasil, a terra e a nação surgiram
como objeto, como tema, nunca como
pensamento crítico desenvolvido a partir das
condições próprias da nação,caracterizava
uma forma de alienação, responsável pelo
tardio desenvolvimento da ciência no Brasil.
A contribuição literária no século
XIX
• Havia uma crítica social, busca de compreensão
da sociedade brasileira.
• Escritores como Castro Alves – descrevendo a
questão da escravidão; Machado de Assis com
uma releitura da sociedade urbana nascente;
mas o principal foi Euclides da Cunha, com a obra
Os Sertões, na qual descreve em uma análise
crítica, a região, o homem e a guerra de Canudos
como resultado do confronto entre o sertão e a
região litorânea.
DÉCADA DE 1930
• Surge como instituição científica com as primeiras publicações
específicas sobre a realidade brasileira.
• Fundação da Universidade de São Paulo - USP.
• O mundo passa pela crise econômica de 1929.
• Dualidade científica da visão sociológica: de um lado o interesse na
descoberta da brasilidade em oposição ao etnocentrismo europeu;
por outro, o desenvolvimento do nacionalismo como estudo das
diferentes situações sociais brasileiras e a valorização do
cientificismo.
• A Sociologia começou a ganhar uma identidade brasileira com a
publicação de trabalhos como Casa Grande & Senzala de Gilberto
Freyre, Formação Econômica do Brasil Contemporâneo de Caio
Prado Junior e também obras de Fernando de Azevedo e Sérgio
Buarque de Holanda.
A GERAÇÃO DE 30
• A década de 30 se norteou por algumas
preocupações gerais entre a intelectualidade:
• Interesse pela descoberta do Brasil verdadeiro, em
oposição ao Brasil colonizado e estudado sob a visão
etnocêntrica da Europa
• O desenvolvimento do nacionalismo, como
sentimento capaz de unir as diversas camadas
sociais.
Gilberto Freyre
A GERAÇÃO DE 30
• Surgiram os pensadores de direita, ideólogos
do integralismo, tais como Plínio Salgado, que
via com desconfiança não só o movimento
modernizador da sociedade como também o
liberalismo e o marxismo.
• Suas idéias conservadoras exaltavam a ordem,
a disciplina e a tradição, bem como o
autoritarismo do Estado.
A DÉCADA DE 40
• Na década de 40, o país adquiria consciência de sua
complexidade e de sua particularidade.
• Tudo favorecia a superação de uma cultura que
buscara sempre se identificar com as metrópoles
econômicas e culturais européias.
• As artes, a ciência se debruçava sobre o Brasil,
valorizando seus aspectos mais específicos e
minoritários.
A DÉCADA DE 40
• O pensamento sociológico, como forma de pensar a
nação brasileira e desenvolver uma consciência
crítica sobre nossa realidade, adquiriu nessa década
uma importância cada vez maior. As análises sobre
as desigualdades sociais, etnias, políticas
indigenistas, regionalismos, tradições, transição e
mudança extrapolaram os limites da disciplina e
foram incorporadas pela geografia, pela história e
até pela filosofia.
A DÉCADA DE 50
• A década de 50 é marcada por dois
importantes pensadores, responsáveis pela
formação de duas grandes correntes do
pensamento social brasileiro:
• -Florestan Fernandes
• Celso Furtado
A DÉCADA DE 50
• Florestan Fernandes, unia a teoria à prática, sendo o
que ele próprio chamava de “sociólogo militante”,
foi influenciado por Marx.
• Segundo Florestan, a sociedade podia ser estudada
pelos padrões ou estrutura, isto é, os fundamentos
da organização social pelos dilemas (conjunturas
históricas), que eram contradições geradas pela
dinâmica interna da estrutura.
A DÉCADA DE 50
• Florestan Fernandes é o principal ele entre uma
geração de importantes catedráticos e uma nova
geração que surgia nos anos 50.
• Suas grandes preocupações, no campo da sociologia,
além da reflexão teórica, foram o estudo das
relações sociais e da estrutura de classes da
sociedade brasileira, o capitalismo dependente e o
papel do intelectual.
A DÉCADA DE 50
• Celso Furtado foi o grande inovador do pensamento
econômico, não só no Brasil, como também em toda
a América Latina. É apontado como o fundador da
economia política brasileira.
• Propõe uma interpretação histórica da realidade
econômica e, em especial, do subdesenvolvimento,
entendidos como fruto de relações internacionais.
A DÉCADA DE 50
• Celso Furtado foi defensor da idéia de que o
subdesenvolvimento não correspondia a uma etapa
histórica das sociedades rumo ao capitalismo, mas se
tratava de uma formação econômica gerada pelo
próprio capitalismo internacional.
• A principal crítica que se faz a seu pensamento é ter
servido de ideologia para a burguesia nacional, em
especial, durante a política desenvolvimentista
adotada por Juscelino Kubitschek.
DARCY RIBEIRO E A QUESTÃO INDÍGENA
• Romancista, etnólogo e político, Darcy superou sua
formação acadêmica.
• Em seus estudos, a questão indígena relacionava-se
a uma ampla análise do desenvolvimento industrial e
do processo civilizatório a partir dos centros
hegemônicos, quer dentro do próprio país, quer a
partir das relações internacionais
DARCY RIBEIRO E A QUESTÃO INDÍGENA
• Sua atuação foi sempre a de um antropólogo
militante que, seguindo a linha marxista,
condenou toda ortodoxia, buscou as raízes
históricas da situação das populações
indígenas e procurou saídas estratégicas.
O GOLPE DE 1964
• O golpe militar de 1964 – implantou nova ditadura
no Brasil e teve como ideário o desenvolvimento
capitalista, o apoio ao capitalismo norte-americano e
a repressão às tentativas de transformação da ordem
estabelecida-teve duras repercussões junto ao
desenvolvimento das ciências sociais e à
estruturação desses cursos universitários no País.
• Vários pensadores foram proibidos de atuar,
exilados, presos, perseguidos. A Sociologia passou a
ser uma ciência proibida.

• Destaque para Fernando Henrique Cardoso
AS CIÊNCIAS SOCIAIS PÓS-64
• Nos anos 80, com a abertura política, surgem outros
partidos e antigas alianças se reproduzem sob nova
roupagem.
• Muitos cientistas sociais decidem deixar a cátedra
para ingressar na política propriamente dita.
• O PT ( Partido dos Trabalhadores) foi o que mais se
beneficiou com essa nova atuação de nossos
cientistas.
A SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO
• Desde de LDB 9394/96, última legislação da
educação brasileira, a Sociologia passou a
fazer parte do currículo escolar como
disciplina obrigatória, sofrendo algumas
alterações de carga horária.
• O objetivo é ampliar o conhecimento sobre a
realidade social, capacitando os jovens para
uma análise mais crítica da realidade,
fornecendo instrumentos científicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
Vitor Vieira Vasconcelos
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Carmem Rocha
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
Colegio
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
roberto mosca junior
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Fases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasilFases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasil
João Marcos Lima Garcia
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Douglas Gregorio
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
roberto mosca junior
 
Sociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantesSociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantes
edsonfgodoy
 
Karl marx
Karl marxKarl marx

Mais procurados (20)

Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Fases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasilFases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Sociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantesSociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantes
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 

Semelhante a A sociologia no brasil(1)

Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia BrasileiraCapítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
O espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileiraO espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileira
Jéssica de Paula
 
Sociologia brasileira
Sociologia brasileira Sociologia brasileira
Sociologia brasileira
AMANDAMONTEIROMELOAM
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
José Levy
 
Ciências Sociais: Sociologia no brasil
Ciências Sociais: Sociologia no brasilCiências Sociais: Sociologia no brasil
Ciências Sociais: Sociologia no brasil
Jordan Medeiros
 
[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira
Luis Felipe Carvalho
 
Cultura e modernidade no basil prof oliven
Cultura e modernidade no basil  prof olivenCultura e modernidade no basil  prof oliven
Cultura e modernidade no basil prof oliven
informingus
 
Estudos Culturais
Estudos CulturaisEstudos Culturais
Estudos Culturais
Dandan Gouveia Bonne
 
Sociologia 9
Sociologia 9Sociologia 9
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
Rodrigo Silveira
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
Rodrigo Silveira
 
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia BrasileiraCapítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiroO projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
Paulo Konzen
 
Sociologia – do nascimento ao positivismo
Sociologia – do nascimento ao positivismoSociologia – do nascimento ao positivismo
Sociologia – do nascimento ao positivismo
Colégio Nova Geração COC
 
A sociologia no brasil por antonio candido
A sociologia no brasil por antonio candidoA sociologia no brasil por antonio candido
A sociologia no brasil por antonio candido
Carlos Weinman
 
A sociologia no brasil
A sociologia no brasilA sociologia no brasil
A sociologia no brasil
richard_romancini
 
07
0707
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Sociologia 7
Sociologia 7Sociologia 7
Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2
Douglas Gregorio
 

Semelhante a A sociologia no brasil(1) (20)

Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia BrasileiraCapítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
 
O espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileiraO espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileira
 
Sociologia brasileira
Sociologia brasileira Sociologia brasileira
Sociologia brasileira
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Ciências Sociais: Sociologia no brasil
Ciências Sociais: Sociologia no brasilCiências Sociais: Sociologia no brasil
Ciências Sociais: Sociologia no brasil
 
[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira
 
Cultura e modernidade no basil prof oliven
Cultura e modernidade no basil  prof olivenCultura e modernidade no basil  prof oliven
Cultura e modernidade no basil prof oliven
 
Estudos Culturais
Estudos CulturaisEstudos Culturais
Estudos Culturais
 
Sociologia 9
Sociologia 9Sociologia 9
Sociologia 9
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia BrasileiraCapítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
 
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiroO projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
 
Sociologia – do nascimento ao positivismo
Sociologia – do nascimento ao positivismoSociologia – do nascimento ao positivismo
Sociologia – do nascimento ao positivismo
 
A sociologia no brasil por antonio candido
A sociologia no brasil por antonio candidoA sociologia no brasil por antonio candido
A sociologia no brasil por antonio candido
 
A sociologia no brasil
A sociologia no brasilA sociologia no brasil
A sociologia no brasil
 
07
0707
07
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
 
Sociologia 7
Sociologia 7Sociologia 7
Sociologia 7
 
Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2
 

Mais de homago

Acordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slidesAcordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slides
homago
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
homago
 
Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)
Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)
Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)
homago
 
Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01
homago
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 

Mais de homago (8)

Acordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slidesAcordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slides
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
 
Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)
Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)
Captulo14 130404212649-phpapp01 (1)
 
Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 

A sociologia no brasil(1)

  • 1. A SOCIOLOGIA NO BRASIL Um olhar sobre o desenvolvimento sociológico brasileiro
  • 2. OS PRIMEIROS TEMPOS • Carta de Pero Vaz de Caminha – primeiros relatos escritos sobre o Brasil – mostra aspectos geográficos, mas também apresenta algumas características dos povos contatados. • A educação servia, no período colonial, para repassar e reafirmar a cultura e os valores europeus,marcado pela religião, principalmente com a presença dos jesuítas.
  • 3. OS PRIMEIROS TEMPOS • O desenvolvimento do pensamento sociológico no Brasil obedeceu às condições de desenvolvimento do capitalismo e da inserção do país na ordem mundial,como resultado de um longo processo que teve como suporte as condições sócio-históricas do capitalismo na Europa, a partir do Renascimento.
  • 4. Período Colonial • A cultura religiosa foi um importante instrumento de colonização. • Implantou-se uma Cultura Erudita e Religiosa. • Dominação da cultura européia. • Presença da análise social na literatura e nos desenhos e pinturas. • Cultura Erudita e Religiosa - baseado na retórica e em princípios universalizantes, seus efeitos foram aniquilar a cultura indígena, submeter as populações escravas e distinguir as camadas cultas
  • 5. A cultura e as classes intermediárias no século XVIII • Surgiram novas ocupações: • -comerciantes, artífices,criadores de animais,funcionários da administração que controlavam a extração de minérios e sua exportação, e outras. • Essa camada intermediária livre e sem propriedades,precede o surgimento da burguesiaconsumidora da erudição da cultura européia.
  • 6. A cultura da corte e o século XIX • Destinava-se a descrever a colônia por meio de estudos naturalistas, que recebiam o nome genérico de história natural,e a recrutar, as classes intermediárias, intelectuais, dispostos a servir à corte e às classes dominantes. • Continuava sendo uma cultura alienada, ditada pelas formas européias, além de garantir o domínio do poder imperial.
  • 7. A cultura da corte e o século XIX • Apesar dos movimentos intelectuais e literários que tratavam de questões políticas e sociais no Brasil, a terra e a nação surgiram como objeto, como tema, nunca como pensamento crítico desenvolvido a partir das condições próprias da nação,caracterizava uma forma de alienação, responsável pelo tardio desenvolvimento da ciência no Brasil.
  • 8. A contribuição literária no século XIX • Havia uma crítica social, busca de compreensão da sociedade brasileira. • Escritores como Castro Alves – descrevendo a questão da escravidão; Machado de Assis com uma releitura da sociedade urbana nascente; mas o principal foi Euclides da Cunha, com a obra Os Sertões, na qual descreve em uma análise crítica, a região, o homem e a guerra de Canudos como resultado do confronto entre o sertão e a região litorânea.
  • 9. DÉCADA DE 1930 • Surge como instituição científica com as primeiras publicações específicas sobre a realidade brasileira. • Fundação da Universidade de São Paulo - USP. • O mundo passa pela crise econômica de 1929. • Dualidade científica da visão sociológica: de um lado o interesse na descoberta da brasilidade em oposição ao etnocentrismo europeu; por outro, o desenvolvimento do nacionalismo como estudo das diferentes situações sociais brasileiras e a valorização do cientificismo. • A Sociologia começou a ganhar uma identidade brasileira com a publicação de trabalhos como Casa Grande & Senzala de Gilberto Freyre, Formação Econômica do Brasil Contemporâneo de Caio Prado Junior e também obras de Fernando de Azevedo e Sérgio Buarque de Holanda.
  • 10. A GERAÇÃO DE 30 • A década de 30 se norteou por algumas preocupações gerais entre a intelectualidade: • Interesse pela descoberta do Brasil verdadeiro, em oposição ao Brasil colonizado e estudado sob a visão etnocêntrica da Europa • O desenvolvimento do nacionalismo, como sentimento capaz de unir as diversas camadas sociais.
  • 12. A GERAÇÃO DE 30 • Surgiram os pensadores de direita, ideólogos do integralismo, tais como Plínio Salgado, que via com desconfiança não só o movimento modernizador da sociedade como também o liberalismo e o marxismo. • Suas idéias conservadoras exaltavam a ordem, a disciplina e a tradição, bem como o autoritarismo do Estado.
  • 13. A DÉCADA DE 40 • Na década de 40, o país adquiria consciência de sua complexidade e de sua particularidade. • Tudo favorecia a superação de uma cultura que buscara sempre se identificar com as metrópoles econômicas e culturais européias. • As artes, a ciência se debruçava sobre o Brasil, valorizando seus aspectos mais específicos e minoritários.
  • 14. A DÉCADA DE 40 • O pensamento sociológico, como forma de pensar a nação brasileira e desenvolver uma consciência crítica sobre nossa realidade, adquiriu nessa década uma importância cada vez maior. As análises sobre as desigualdades sociais, etnias, políticas indigenistas, regionalismos, tradições, transição e mudança extrapolaram os limites da disciplina e foram incorporadas pela geografia, pela história e até pela filosofia.
  • 15. A DÉCADA DE 50 • A década de 50 é marcada por dois importantes pensadores, responsáveis pela formação de duas grandes correntes do pensamento social brasileiro: • -Florestan Fernandes • Celso Furtado
  • 16. A DÉCADA DE 50 • Florestan Fernandes, unia a teoria à prática, sendo o que ele próprio chamava de “sociólogo militante”, foi influenciado por Marx. • Segundo Florestan, a sociedade podia ser estudada pelos padrões ou estrutura, isto é, os fundamentos da organização social pelos dilemas (conjunturas históricas), que eram contradições geradas pela dinâmica interna da estrutura.
  • 17. A DÉCADA DE 50 • Florestan Fernandes é o principal ele entre uma geração de importantes catedráticos e uma nova geração que surgia nos anos 50. • Suas grandes preocupações, no campo da sociologia, além da reflexão teórica, foram o estudo das relações sociais e da estrutura de classes da sociedade brasileira, o capitalismo dependente e o papel do intelectual.
  • 18. A DÉCADA DE 50 • Celso Furtado foi o grande inovador do pensamento econômico, não só no Brasil, como também em toda a América Latina. É apontado como o fundador da economia política brasileira. • Propõe uma interpretação histórica da realidade econômica e, em especial, do subdesenvolvimento, entendidos como fruto de relações internacionais.
  • 19. A DÉCADA DE 50 • Celso Furtado foi defensor da idéia de que o subdesenvolvimento não correspondia a uma etapa histórica das sociedades rumo ao capitalismo, mas se tratava de uma formação econômica gerada pelo próprio capitalismo internacional. • A principal crítica que se faz a seu pensamento é ter servido de ideologia para a burguesia nacional, em especial, durante a política desenvolvimentista adotada por Juscelino Kubitschek.
  • 20. DARCY RIBEIRO E A QUESTÃO INDÍGENA • Romancista, etnólogo e político, Darcy superou sua formação acadêmica. • Em seus estudos, a questão indígena relacionava-se a uma ampla análise do desenvolvimento industrial e do processo civilizatório a partir dos centros hegemônicos, quer dentro do próprio país, quer a partir das relações internacionais
  • 21. DARCY RIBEIRO E A QUESTÃO INDÍGENA • Sua atuação foi sempre a de um antropólogo militante que, seguindo a linha marxista, condenou toda ortodoxia, buscou as raízes históricas da situação das populações indígenas e procurou saídas estratégicas.
  • 22. O GOLPE DE 1964 • O golpe militar de 1964 – implantou nova ditadura no Brasil e teve como ideário o desenvolvimento capitalista, o apoio ao capitalismo norte-americano e a repressão às tentativas de transformação da ordem estabelecida-teve duras repercussões junto ao desenvolvimento das ciências sociais e à estruturação desses cursos universitários no País. • Vários pensadores foram proibidos de atuar, exilados, presos, perseguidos. A Sociologia passou a ser uma ciência proibida. • Destaque para Fernando Henrique Cardoso
  • 23. AS CIÊNCIAS SOCIAIS PÓS-64 • Nos anos 80, com a abertura política, surgem outros partidos e antigas alianças se reproduzem sob nova roupagem. • Muitos cientistas sociais decidem deixar a cátedra para ingressar na política propriamente dita. • O PT ( Partido dos Trabalhadores) foi o que mais se beneficiou com essa nova atuação de nossos cientistas.
  • 24. A SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO • Desde de LDB 9394/96, última legislação da educação brasileira, a Sociologia passou a fazer parte do currículo escolar como disciplina obrigatória, sofrendo algumas alterações de carga horária. • O objetivo é ampliar o conhecimento sobre a realidade social, capacitando os jovens para uma análise mais crítica da realidade, fornecendo instrumentos científicos.