SlideShare uma empresa Scribd logo
REFUGIADOS
DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI
Profª Luciana Magalhães 
REFUGIADOS
• Refugiados são pessoas comuns (homens,
mulheres e crianças de todas as idades) que foram
forçadas a abandonar seus lares devido a conflitos
armados, violência generalizada, perseguições
religiosas ou por motivo de nacionalidade, raça,
grupo social e opinião pública. Eles buscam
refúgio em outros países para reconstruir suas
vidas com dignidade, justiça e paz.
CONVENÇÃO DE GENEBRA – ESTATUTO DOS
REFUGIADOS (ONU-1951)
• “Artigo 1º- Definição do termo “refugiado” - Refugiado é aquele
que temendo ser perseguido por motivos de raça, religião,
nacionalidade, grupo social, ou opiniões políticas, se encontra
fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em
virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país,
ou que, se não tem nacionalidade e se encontra fora do país no
qual tinha sua residência habitual em consequência de tais
acontecimentos, não pode ou, devido a esse temor, não quer
voltar a ele.
• Artigo 33º - Proibição de expulsão ou rechaço 2. Nenhum dos
Estados contratantes expulsará ou rechaçará, de maneira
alguma, um refugiado para as fronteiras dos territórios em que
sua vida ou sua liberdade seja ameaçada em virtude da sua
raça, da sua religião, da sua nacionalidade, do grupo social a
que pertence ou das suas opiniões políticas”.
IMIGRANTES ≠ REFUGIADOS
• Diferentemente dos refugiados, os imigrantes são
todas as pessoas que deixam seus países de
origem com o objetivo de se estabelecer em outro,
de forma temporal ou permanente, especialmente
por motivações socioeconômicas.
ACNUR: ALTO COMISSARIADO DAS
NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS
O ACNUR foi criado em 1950 para proteger e prestar
assistência às vítimas de perseguição e violação
generalizada dos direitos humanos. Desde então,
ajudou mais de 50 milhões de pessoas a encontrar
um novo lar e reconstruir suas vidas. Atualmente,
cerca de 43 milhões de pessoas estão sob seu
mandato, entre solicitantes de asilo, refugiados,
apátridas, deslocados internos e repatriados.
PROTEÇÃO INTERNACIONAL
• A maioria das pessoas pode confiar nos seus
governos para garantir e proteger os seus direitos
humanos básicos e a sua segurança física. Mas, no
caso dos refugiados, o país de origem demonstrou
ser incapaz de garantir tais direitos. Ao ACNUR é
atribuído o mandato de assegurar que qualquer
pessoa, em caso de necessidade, possa exercer o
direito de buscar e obter refúgio em outro país e,
caso deseje, regressar ao seu país de origem.
DIREITOS DOS REFUGIADOS
Os refugiados devem usufruir, pelo menos, dos mesmos direitos e da mesma assistência básica que qualquer outro
estrangeiro residindo legalmente no país, incluindo direitos fundamentais que são inerentes a todos os indivíduos.
Portanto, os refugiados gozam dos direitos civis básicos, incluindo a liberdade de pensamento, a liberdade de
deslocamento e a não sujeição à tortura e a tratamentos degradantes.
De igual modo, os direitos econômicos e sociais que se aplicam aos refugiados são os mesmos que se aplicam a outros
indivíduos. Todos os refugiados devem ter acesso à assistência médica. Todos os refugiados adultos devem ter direito a
trabalhar. Nenhuma criança refugiada deve ser privada de escolaridade.
Em certas circunstâncias, como no caso de fluxos massivos de refugiados, os países de acolhida podem se ver obrigados a
restringir certos direitos, como a liberdade de circulação, a liberdade de trabalhar ou educação adequada para todas as
crianças.
Estas demandas devem ser então atendidas, sempre que possível, pela comunidade internacional. Quando não há mais
recursos disponíves dos países de acolhida, o ACNUR proporciona assistência aos refugiados (e outras pessoas sob seu
mandato) que não possam satisfazer suas necessidades básicas. A assistência pode ser dada sob a forma de donativos
financeiros, alimentação, materiais diversos (tais como utensílios de cozinha, ferramentas, sanitários e abrigos) ou de
programas de criação de escolas ou centros de saúde para quem viva em campos ou outras comunidades.
O ACNUR desenvolve todos os esforços para assegurar que os refugiados possam se tornar auto-suficientes o mais rápido
possível, o que pode requerer atividades convencionais geradoras de rendas ou projetos de formação profissional.
Os refugiados também têm determinadas obrigações, entre elas a de respeitar as leis do seu país de acolhida.
PÓS GUERRA
• O período imediato que se seguiu após a segunda
guerra mundial originou os maiores deslocamentos da
história moderna. Desde então, o número de
refugiados em todo o mundo não parou de crescer.
• Alguns exemplos:
– Década de 1960: milhões de refugiados das guerras da
descolonização afroasiática pediram asilo nos países
europeus.
– Década de 1990: refugiados da ex-Iugoslávia, expulsos pela
violência que marcou a fragmentação do país.
– Século XXI: operações militares dos EUA no Afeganistão e
Iraque geraram milhares de refugiados. Também a guerra
civil no Sudão gerou refugiados para o Chade.
CRISE DE REFUGIADOS NA EUROPA
A Europa enfrenta
atualmente uma grave crise
de refugiados e migrantes.
Desde o início de 2015, mais
de 300 mil pessoas tentaram
chegar ao continente por
meio de travessias perigosas
no Mediterrâneo. O fluxo
intenso de pessoas está
relacionado à situação de
conflitos armados e de
perseguição existente em
vários países, principalmente
na Ásia e na África.
Segundo cálculo da ONU divulgado em julho, cerca
de 62% dos que tentam chegar à Europa são
considerados refugiados, ou seja, têm chance de
receber asilo por fugir de perseguição, conflito ou
guerra. Os demais são classificados como migrantes,
o que significa que viajam em busca de melhores
condições e não correm risco de vida em seu país de
origem.
PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM
REFUGIADOS PARA A EUROPA
Síria:
A Síria mergulhou em uma
violenta guerra civil em
março de 2011, no contexto
do levante popular
conhecido como Primavera
Árabe, após setores da
população pegarem armas
para tentar derrubar o
ditador Bashar al-Assad.
O CONFLITO
• O levante contra o regime de Bashar al-Assad teve
início em 15 de março de 2011, durante a insurreição
da Primavera Árabe, período em que as populações de
países árabes, como Tunísia, Líbia e Egito se
revoltaram contra os governos de seus países. O
levante começou pacífico nos primeiros quatro meses,
mas, a partir de agosto, manifestantes fortemente
reprimidos passaram a recorrer à luta armada.
• O conflito iniciado em 2011 provocou mais de 100 mil
mortes, destruiu boa parte da infraestrutura do país e
gerou uma grave crise humanitária e de refugiados,
provocando ainda mais instabilidade no Oriente
Médio.
• Há quase 50 anos, a Síria é governada pelo mesmo partido,
o Baath.
• O país é liderado com mãos de ferro pelo presidente
Bashar Al-Assad desde julho de 2000. Antes disso, seu pai,
Hafez al-Assad, presidiu o país por 30 anos. Nesse período,
ele proibiu a criação de partidos de oposição e a
participação de qualquer candidato de oposição em uma
eleição.
• Os movimentos de Assad são estratégicos. O governo sírio
controla as grandes cidades e as estradas mais
importantes e tem usado a fome e a miséria como
principal arma para punir a população civil, maior vítima
dos conflitos.
• Os rebeldes - em sua maioria islamitas - e a Frente Al-
Nosra - braço oficial da Al-Qaeda na Síria – enfrentam,
desde janeiro de 2014, os jihadistas do Estado Islâmico do
Iraque e Levante (EIIL), a quem acusam de brutalidade e
de ter vontade de hegemonia.
Em 2012, A Cruz Vermelha e a ONU classificaram os
conflitos como guerra civil, abrindo caminho para a
cobrança da aplicação do Direito Humanitário
Internacional e para a investigação de crimes de guerra.
As missões diplomáticas para resolver o conflito têm
fracassado. De acordo com o Observatório Sírio para os
Direitos Humanos, do início dos conflitos até março de
2014, mais de 140 mil pessoas já morreram. Entre os
mortos estão mais de 7 mil crianças e 5 mil mulheres.
Cerca de 4,5 milhões de pessoas foram
deslocadas dentro da própria Síria.
2,4 milhões abandonaram suas casas
e se refugiaram em países vizinhos
onde são frequentemente alvo de
racismo e discriminação.
Relatório divulgado em 10 de março de
2014 pela Unicef estima que 5,5
milhões de crianças tiveram suas
vidas devastadas pela guerra.
Cerca de 1 milhão estão presas em
áreas sitiadas ou onde a ajuda
humanitária não consegue chegar.
1,2 milhão vivem refugiadas,
habitando locais insalubres, onde
comida, água potável e acesso à
educação são limitados.
De acordo com o mesmo relatório, o
número de refugiados sírios em países
como Líbano, Jordânia, Turquia, Iraque
e Egito deve alcançar no fim de 2014 a
marca de 4,1 milhões de pessoas.
Outras 9,3 milhões precisarão de
ajuda até o fim de 2015.
Foto: Reuters
O DRAMA VIVIDO PELOS REFUGIADOS
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
• Além da Liga Árabe, ONU, União Europeia e Estados Unidos sempre
condenaram a violência e a repressão impostas pelo regime sírio, mas
nunca intervieram no conflito.
• A União Europeia e os Estados Unidos impuseram sanções econômicas
unilaterais contra a Síria, mas nunca agiram de forma mais enérgica.
• Países como Irã, China e Rússia são aliados declarados do regime de
Bashar Al-Assad e se manifestaram contra qualquer tipo de imposição de
sanção internacional ao país.
• A Rússia, que tem uma base naval militar no país, condenou o uso da
violência pelos opositores ao regime, aos quais chamou de ‘terroristas’ e
votou contra o estabelecimento de uma missão humanitária no país na
Conferência de Paz GenebraII, em fevereiro de 2014.
• A China chegou a acusar os países ocidentais de instigar uma guerra civil
na Síria.
• O Brasil retirou seu embaixador da Síria em janeiro de 2013. Em junho do
mesmo ano, foi a vez de o Egito romper relações com o país.
ASSEMBLEIA GERAL DA ONU 2015
"Somos um país continental e
todos os refugiados que
quiserem vir trabalhar, viver em
paz, ajudar a construir o país,
criar seus filhos, viver com
dignidade, nós estamos de
braços abertos", afirmou a
presidente. Disse, ainda, que seu
pai era um refugiado da 2ª
Guerra Mundial e que o Brasil
sempre teve uma "relação de
abertura". Petar Roussev deixou
a Bulgária em 1929 rumo à
França. Após passar pela
Argentina, ele chegou ao Brasil
com o nome Pedro Rousseff.
Dilma falou sobre crise humanitária na Síria
27 de setembro de 2015
ATAQUE QUÍMICO
Em 21 de agosto de 2015 um ataque químico na periferia de Damasco, capital da Síria,
matou 1.429 civis, 426 deles crianças.
Segundo o relatório do serviço de inteligência norte americano, há "fortes evidências" de
que o governo sírio usou "gases neurotóxicos" no ataque a posições rebeldes nas
periferias da capital, e é "altamente improvável" que o ataque tenha partido dos
rebeldes sírios que combatem o governo.
O governo sírio negou responsabilidade e acusou "terroristas" ligados à rede terrorista
da Al-Qaeda de tentarem desestabilizar o país.
O provável uso de armas químicas levou os EUA e as potências ocidentais, que vinham
evitando falar em intervenção na guerra civil síria, a mudarem o tom e a cogitarem um
ataque contra as forças de Assad.
Os EUA afirmaram que, com a comprovação do uso das armas químicas, o regime Assad
não pode ficar impune pelo que chamou de um "crime contra a humanidade".
PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM
REFUGIADOS PARA A EUROPA
Afeganistão:
A diáspora afegã formou-se
em quatro principais ondas:
durante a invasão soviética
(1978-1989), na guerra civil
(1992-1996), sob o regime
fundamentalista do Taleban
(1996-2001) e desde o início
da intervenção militar
liderada pelos EUA após o 11
de setembro de 2001.
PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM
REFUGIADOS PARA A EUROPA
Eritreia:
A Eritreia é governada
pelo ditador Isaias
Afworki desde sua
independência em relação
à Etiópia (1993). O país é
considerado por muitos
como a “Coreia do Norte
Africana”, dados os seus
altos índices de repressão.
PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM
REFUGIADOS PARA A EUROPA
Somália:
A Somália enfrenta um violento
conflito desde a queda do ditador
Siad Barre (1991) e em meio à
instabilidade política, a milícia
radical islâmica Al-Shabaab
(filiada à Al-Qaeda) ganhou força.
Inclusive, por anos o grupo
proibiu a presença de ajuda
humanitária no país. A situação é
agravada pelas secas esporádicas
que comprometem a segurança
alimentar do país.
Campo de refugiados somalis no Quênia
PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM
REFUGIADOS PARA A EUROPA
Nigéria:
A Nigéria busca fortalecer seu regime democrático, instaurado em 1999, mas enfrenta opositores que
desejam estabelecer um governo islâmico no país. Trata-se do grupo radical Boko Haram, que controla
grandes porções do território e recentemente declarou lealdade ao Estado Islâmico.
Desde que o califado de Sokoto - que governou uma região que hoje é espalhada pelo norte da Nigéria, o
Níger e o sul de Camarões - caiu sob o controle britânico, em 1903, alguns muçulmanos da região
apresentam resistência à educação ocidental. Eles se recusam a enviar os seus filhos para "escolas
ocidentais" administradas pelo governo, um problema agravado pela elite dominante local, que não vê a
educação como uma prioridade.
O grupo já havia atacado um internato em Yobe em março de 2014. Em abril do mesmo ano, sequestrou 276
estudantes em Chibok, dizendo que iria tratá-las como escravas e casá-las, numa referência a uma antiga
crença islâmica de que as mulheres capturadas em conflito fazem parte do "espólio de guerra". As outras
continuam desaparecidas, apesar das promessas do governo nigeriano de encontrá-las, dos drones
americanos que foram espalhados para buscá-las pelo bosque de Sambisa e da megacampanha do Twitter,
#BringBackOurGirls (na tradução, "tragam de volta nossas meninas"), que sensibilizou milhares de pessoas
no mundo inteiro.
Em agosto de 2015, 23 pessoas foram mortas por três mulheres-bomba, uma das quais tinha apenas 10
anos de idade.
O primeiro ataque suicida ocorreu no sábado, em Maiduguri, quando uma menina-bomba matou ao menos
19 pessoas.
Boko Haram luta para criar um governo
islâmico na Nigéria
“Boko Haram” significa: a educação ocidental é pecaminosa.
Sequestro de estudantes nigerianas causou
comoção mundial em 2014
Das 276 estudantes sequestradas pelo grupo em abril de 2014, apenas 50
escaparam
Meninas resgatadas do Boko Haram pelo Exército da Nigéria esperam para receber roupas em
campo de refugiados no país.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
Jessie1r98
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
mikto
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Sociologia - Direitos e Cidadania
Sociologia -  Direitos e CidadaniaSociologia -  Direitos e Cidadania
Sociologia - Direitos e Cidadania
Edenilson Morais
 
ONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações UnidasONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações Unidas
André Luiz Marques
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 
Os refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratóriaOs refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratória
Marco Santos
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
MINV
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
Jane Mary Lima Castro
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
Idalina Leite
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Desigualdade de gênero
Desigualdade de gêneroDesigualdade de gênero
Desigualdade de gênero
Wednei Gama
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
Mundo Bipolar
Mundo BipolarMundo Bipolar
Mundo Bipolar
Carlos Vieira
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
Jorge Almeida
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos HumanosDeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
Luci Bonini
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 

Mais procurados (20)

Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Sociologia - Direitos e Cidadania
Sociologia -  Direitos e CidadaniaSociologia -  Direitos e Cidadania
Sociologia - Direitos e Cidadania
 
ONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações UnidasONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações Unidas
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Os refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratóriaOs refugiados e a crise migratória
Os refugiados e a crise migratória
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Desigualdade de gênero
Desigualdade de gêneroDesigualdade de gênero
Desigualdade de gênero
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Mundo Bipolar
Mundo BipolarMundo Bipolar
Mundo Bipolar
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos HumanosDeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 

Destaque

Campo de refugiados
Campo de refugiadosCampo de refugiados
Campo de refugiados
maricruzsanzol
 
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016
Elaine Paraguai
 
Sda 2015 telaris_geo9_cap5_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap5_okSda 2015 telaris_geo9_cap5_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap5_ok
Elaine Paraguai
 
Geo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabarito
Geo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabaritoGeo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabarito
Geo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabarito
CBM
 
Sda 2015 telaris_geo9_cap6_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap6_okSda 2015 telaris_geo9_cap6_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap6_ok
Elaine Paraguai
 
Geo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática março
Geo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática marçoGeo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática março
Geo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática março
CBM
 
Atividades com mapas gabarito
Atividades com mapas gabaritoAtividades com mapas gabarito
Atividades com mapas gabarito
CBM
 
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016
CBM
 
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 1ª etapa 2017
Geo 9º ano roteiro de estudo  simulado 1ª etapa 2017Geo 9º ano roteiro de estudo  simulado 1ª etapa 2017
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 1ª etapa 2017
CBM
 
Hungria 9º a
Hungria 9º aHungria 9º a
Hungria 9º a
Elaine Paraguai
 
Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017
CBM
 
Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017
CBM
 
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016
Elaine Paraguai
 
Capítulo 6 japão
Capítulo 6 japãoCapítulo 6 japão
Capítulo 6 japão
Elaine Paraguai
 
Capítulo 2 diversidades regionais na europa
Capítulo 2 diversidades regionais na europaCapítulo 2 diversidades regionais na europa
Capítulo 2 diversidades regionais na europa
Elaine Paraguai
 
Respostas atividades de revisão
Respostas atividades de revisãoRespostas atividades de revisão
Respostas atividades de revisão
CBM
 
Geo 9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016
Geo  9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016Geo  9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016
Geo 9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016
Elaine Paraguai
 
Geo 9º ano roteiro de estudo 2ª avaliação 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo  2ª avaliação 3ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo  2ª avaliação 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 2ª avaliação 3ª etapa 2016
Elaine Paraguai
 
Geo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITO
Geo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITOGeo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITO
Geo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITO
Elaine Paraguai
 
Capítulo 3 CEI
Capítulo 3 CEICapítulo 3 CEI
Capítulo 3 CEI
Elaine Paraguai
 

Destaque (20)

Campo de refugiados
Campo de refugiadosCampo de refugiados
Campo de refugiados
 
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 2ª etapa 2016
 
Sda 2015 telaris_geo9_cap5_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap5_okSda 2015 telaris_geo9_cap5_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap5_ok
 
Geo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabarito
Geo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabaritoGeo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabarito
Geo 9º ano 1ª avaliação 1ª etapa 2017 a gabarito
 
Sda 2015 telaris_geo9_cap6_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap6_okSda 2015 telaris_geo9_cap6_ok
Sda 2015 telaris_geo9_cap6_ok
 
Geo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática março
Geo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática marçoGeo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática março
Geo 9º ano roteiro de estudo aula no laboratório de informática março
 
Atividades com mapas gabarito
Atividades com mapas gabaritoAtividades com mapas gabarito
Atividades com mapas gabarito
 
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 2ª etapa 2016
 
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 1ª etapa 2017
Geo 9º ano roteiro de estudo  simulado 1ª etapa 2017Geo 9º ano roteiro de estudo  simulado 1ª etapa 2017
Geo 9º ano roteiro de estudo simulado 1ª etapa 2017
 
Hungria 9º a
Hungria 9º aHungria 9º a
Hungria 9º a
 
Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij datas 3ª etapa 2017
 
Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017
Geo 9º ano cij guia de regras 3ª etapa 2017
 
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 1ª prova 3ª etapa 2016
 
Capítulo 6 japão
Capítulo 6 japãoCapítulo 6 japão
Capítulo 6 japão
 
Capítulo 2 diversidades regionais na europa
Capítulo 2 diversidades regionais na europaCapítulo 2 diversidades regionais na europa
Capítulo 2 diversidades regionais na europa
 
Respostas atividades de revisão
Respostas atividades de revisãoRespostas atividades de revisão
Respostas atividades de revisão
 
Geo 9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016
Geo  9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016Geo  9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016
Geo 9º ano- m- trabalho eleições eua-3ª etapa 2016
 
Geo 9º ano roteiro de estudo 2ª avaliação 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo  2ª avaliação 3ª etapa 2016Geo 9º ano roteiro de estudo  2ª avaliação 3ª etapa 2016
Geo 9º ano roteiro de estudo 2ª avaliação 3ª etapa 2016
 
Geo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITO
Geo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITOGeo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITO
Geo 9º ano simulado 3ª etapa 2016 A com GABARITO
 
Capítulo 3 CEI
Capítulo 3 CEICapítulo 3 CEI
Capítulo 3 CEI
 

Semelhante a Refugiados

Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Ministério da Justiça
 
Refugiados.
Refugiados.Refugiados.
Refugiados.
Camila Brito
 
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Máximo Rezende
 
Minorias etnicas
Minorias etnicasMinorias etnicas
Minorias etnicas
Kerol Brombal
 
O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
alinesantana1422
 
Xenofobia e crise dos refugiados
Xenofobia e crise dos refugiadosXenofobia e crise dos refugiados
Xenofobia e crise dos refugiados
Rômulo Fernando
 
Slides - 8º ano.pdf
Slides - 8º ano.pdfSlides - 8º ano.pdf
Slides - 8º ano.pdf
Lucascpa1
 
Intervenções humanitárias
Intervenções humanitáriasIntervenções humanitárias
Intervenções humanitárias
Miguel Silva
 
Cartilha embaixada
Cartilha embaixadaCartilha embaixada
Cartilha embaixada
EmbaixadaSolidria
 
AULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdf
AULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdfAULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdf
AULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdf
ssuser372a77
 
O refúgio em minha vida
O refúgio em minha vidaO refúgio em minha vida
O refúgio em minha vida
inovaDay .
 
Trabalho sobre os direitos humanos
Trabalho sobre os direitos humanosTrabalho sobre os direitos humanos
Anistia internacional o estado dos direitos humanos no mundo
Anistia internacional  o estado dos direitos humanos no mundoAnistia internacional  o estado dos direitos humanos no mundo
Anistia internacional o estado dos direitos humanos no mundo
José Ripardo
 
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxMigrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
CidaPereiradeSousa
 
Territórios e nações do mundo
Territórios e nações do mundoTerritórios e nações do mundo
Territórios e nações do mundo
José Itapicuru
 
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliaçãoNelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
Mauricio da Silva
 
Xenofobia
XenofobiaXenofobia
Xenofobia
JooLuisLatour
 
Refugiados crimes contra a humanidade
Refugiados crimes contra a humanidadeRefugiados crimes contra a humanidade
Refugiados crimes contra a humanidade
Fernando Alcoforado
 
AULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptx
AULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptxAULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptx
AULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptx
edigley99
 
Choque de civilizações
Choque de civilizaçõesChoque de civilizações
Choque de civilizações
Gilberto Pires
 

Semelhante a Refugiados (20)

Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
Protegendo Refugiados no Brasil e no Mundo 2014
 
Refugiados.
Refugiados.Refugiados.
Refugiados.
 
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
Aula1 refugiadoseguerra-170206232617
 
Minorias etnicas
Minorias etnicasMinorias etnicas
Minorias etnicas
 
O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
 
Xenofobia e crise dos refugiados
Xenofobia e crise dos refugiadosXenofobia e crise dos refugiados
Xenofobia e crise dos refugiados
 
Slides - 8º ano.pdf
Slides - 8º ano.pdfSlides - 8º ano.pdf
Slides - 8º ano.pdf
 
Intervenções humanitárias
Intervenções humanitáriasIntervenções humanitárias
Intervenções humanitárias
 
Cartilha embaixada
Cartilha embaixadaCartilha embaixada
Cartilha embaixada
 
AULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdf
AULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdfAULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdf
AULAS EXPOSITIVAS.8 ANO.pdf
 
O refúgio em minha vida
O refúgio em minha vidaO refúgio em minha vida
O refúgio em minha vida
 
Trabalho sobre os direitos humanos
Trabalho sobre os direitos humanosTrabalho sobre os direitos humanos
Trabalho sobre os direitos humanos
 
Anistia internacional o estado dos direitos humanos no mundo
Anistia internacional  o estado dos direitos humanos no mundoAnistia internacional  o estado dos direitos humanos no mundo
Anistia internacional o estado dos direitos humanos no mundo
 
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptxMigrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
Migrações, sociedade multiculturais e dinâmicas POPULACIONAIS.pptx
 
Territórios e nações do mundo
Territórios e nações do mundoTerritórios e nações do mundo
Territórios e nações do mundo
 
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliaçãoNelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
 
Xenofobia
XenofobiaXenofobia
Xenofobia
 
Refugiados crimes contra a humanidade
Refugiados crimes contra a humanidadeRefugiados crimes contra a humanidade
Refugiados crimes contra a humanidade
 
AULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptx
AULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptxAULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptx
AULA 01 - A CRISE DOS REFUGIADOS NO MUNDO.pptx
 
Choque de civilizações
Choque de civilizaçõesChoque de civilizações
Choque de civilizações
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 

Refugiados

  • 1. REFUGIADOS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Profª Luciana Magalhães 
  • 2. REFUGIADOS • Refugiados são pessoas comuns (homens, mulheres e crianças de todas as idades) que foram forçadas a abandonar seus lares devido a conflitos armados, violência generalizada, perseguições religiosas ou por motivo de nacionalidade, raça, grupo social e opinião pública. Eles buscam refúgio em outros países para reconstruir suas vidas com dignidade, justiça e paz.
  • 3. CONVENÇÃO DE GENEBRA – ESTATUTO DOS REFUGIADOS (ONU-1951) • “Artigo 1º- Definição do termo “refugiado” - Refugiado é aquele que temendo ser perseguido por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social, ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país, ou que, se não tem nacionalidade e se encontra fora do país no qual tinha sua residência habitual em consequência de tais acontecimentos, não pode ou, devido a esse temor, não quer voltar a ele. • Artigo 33º - Proibição de expulsão ou rechaço 2. Nenhum dos Estados contratantes expulsará ou rechaçará, de maneira alguma, um refugiado para as fronteiras dos territórios em que sua vida ou sua liberdade seja ameaçada em virtude da sua raça, da sua religião, da sua nacionalidade, do grupo social a que pertence ou das suas opiniões políticas”.
  • 4. IMIGRANTES ≠ REFUGIADOS • Diferentemente dos refugiados, os imigrantes são todas as pessoas que deixam seus países de origem com o objetivo de se estabelecer em outro, de forma temporal ou permanente, especialmente por motivações socioeconômicas.
  • 5. ACNUR: ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS O ACNUR foi criado em 1950 para proteger e prestar assistência às vítimas de perseguição e violação generalizada dos direitos humanos. Desde então, ajudou mais de 50 milhões de pessoas a encontrar um novo lar e reconstruir suas vidas. Atualmente, cerca de 43 milhões de pessoas estão sob seu mandato, entre solicitantes de asilo, refugiados, apátridas, deslocados internos e repatriados.
  • 6.
  • 7. PROTEÇÃO INTERNACIONAL • A maioria das pessoas pode confiar nos seus governos para garantir e proteger os seus direitos humanos básicos e a sua segurança física. Mas, no caso dos refugiados, o país de origem demonstrou ser incapaz de garantir tais direitos. Ao ACNUR é atribuído o mandato de assegurar que qualquer pessoa, em caso de necessidade, possa exercer o direito de buscar e obter refúgio em outro país e, caso deseje, regressar ao seu país de origem.
  • 8. DIREITOS DOS REFUGIADOS Os refugiados devem usufruir, pelo menos, dos mesmos direitos e da mesma assistência básica que qualquer outro estrangeiro residindo legalmente no país, incluindo direitos fundamentais que são inerentes a todos os indivíduos. Portanto, os refugiados gozam dos direitos civis básicos, incluindo a liberdade de pensamento, a liberdade de deslocamento e a não sujeição à tortura e a tratamentos degradantes. De igual modo, os direitos econômicos e sociais que se aplicam aos refugiados são os mesmos que se aplicam a outros indivíduos. Todos os refugiados devem ter acesso à assistência médica. Todos os refugiados adultos devem ter direito a trabalhar. Nenhuma criança refugiada deve ser privada de escolaridade. Em certas circunstâncias, como no caso de fluxos massivos de refugiados, os países de acolhida podem se ver obrigados a restringir certos direitos, como a liberdade de circulação, a liberdade de trabalhar ou educação adequada para todas as crianças. Estas demandas devem ser então atendidas, sempre que possível, pela comunidade internacional. Quando não há mais recursos disponíves dos países de acolhida, o ACNUR proporciona assistência aos refugiados (e outras pessoas sob seu mandato) que não possam satisfazer suas necessidades básicas. A assistência pode ser dada sob a forma de donativos financeiros, alimentação, materiais diversos (tais como utensílios de cozinha, ferramentas, sanitários e abrigos) ou de programas de criação de escolas ou centros de saúde para quem viva em campos ou outras comunidades. O ACNUR desenvolve todos os esforços para assegurar que os refugiados possam se tornar auto-suficientes o mais rápido possível, o que pode requerer atividades convencionais geradoras de rendas ou projetos de formação profissional. Os refugiados também têm determinadas obrigações, entre elas a de respeitar as leis do seu país de acolhida.
  • 9. PÓS GUERRA • O período imediato que se seguiu após a segunda guerra mundial originou os maiores deslocamentos da história moderna. Desde então, o número de refugiados em todo o mundo não parou de crescer. • Alguns exemplos: – Década de 1960: milhões de refugiados das guerras da descolonização afroasiática pediram asilo nos países europeus. – Década de 1990: refugiados da ex-Iugoslávia, expulsos pela violência que marcou a fragmentação do país. – Século XXI: operações militares dos EUA no Afeganistão e Iraque geraram milhares de refugiados. Também a guerra civil no Sudão gerou refugiados para o Chade.
  • 10. CRISE DE REFUGIADOS NA EUROPA A Europa enfrenta atualmente uma grave crise de refugiados e migrantes. Desde o início de 2015, mais de 300 mil pessoas tentaram chegar ao continente por meio de travessias perigosas no Mediterrâneo. O fluxo intenso de pessoas está relacionado à situação de conflitos armados e de perseguição existente em vários países, principalmente na Ásia e na África.
  • 11.
  • 12. Segundo cálculo da ONU divulgado em julho, cerca de 62% dos que tentam chegar à Europa são considerados refugiados, ou seja, têm chance de receber asilo por fugir de perseguição, conflito ou guerra. Os demais são classificados como migrantes, o que significa que viajam em busca de melhores condições e não correm risco de vida em seu país de origem.
  • 13. PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM REFUGIADOS PARA A EUROPA Síria: A Síria mergulhou em uma violenta guerra civil em março de 2011, no contexto do levante popular conhecido como Primavera Árabe, após setores da população pegarem armas para tentar derrubar o ditador Bashar al-Assad.
  • 14.
  • 15. O CONFLITO • O levante contra o regime de Bashar al-Assad teve início em 15 de março de 2011, durante a insurreição da Primavera Árabe, período em que as populações de países árabes, como Tunísia, Líbia e Egito se revoltaram contra os governos de seus países. O levante começou pacífico nos primeiros quatro meses, mas, a partir de agosto, manifestantes fortemente reprimidos passaram a recorrer à luta armada. • O conflito iniciado em 2011 provocou mais de 100 mil mortes, destruiu boa parte da infraestrutura do país e gerou uma grave crise humanitária e de refugiados, provocando ainda mais instabilidade no Oriente Médio.
  • 16. • Há quase 50 anos, a Síria é governada pelo mesmo partido, o Baath. • O país é liderado com mãos de ferro pelo presidente Bashar Al-Assad desde julho de 2000. Antes disso, seu pai, Hafez al-Assad, presidiu o país por 30 anos. Nesse período, ele proibiu a criação de partidos de oposição e a participação de qualquer candidato de oposição em uma eleição. • Os movimentos de Assad são estratégicos. O governo sírio controla as grandes cidades e as estradas mais importantes e tem usado a fome e a miséria como principal arma para punir a população civil, maior vítima dos conflitos. • Os rebeldes - em sua maioria islamitas - e a Frente Al- Nosra - braço oficial da Al-Qaeda na Síria – enfrentam, desde janeiro de 2014, os jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL), a quem acusam de brutalidade e de ter vontade de hegemonia.
  • 17. Em 2012, A Cruz Vermelha e a ONU classificaram os conflitos como guerra civil, abrindo caminho para a cobrança da aplicação do Direito Humanitário Internacional e para a investigação de crimes de guerra. As missões diplomáticas para resolver o conflito têm fracassado. De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, do início dos conflitos até março de 2014, mais de 140 mil pessoas já morreram. Entre os mortos estão mais de 7 mil crianças e 5 mil mulheres.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Cerca de 4,5 milhões de pessoas foram deslocadas dentro da própria Síria. 2,4 milhões abandonaram suas casas e se refugiaram em países vizinhos onde são frequentemente alvo de racismo e discriminação. Relatório divulgado em 10 de março de 2014 pela Unicef estima que 5,5 milhões de crianças tiveram suas vidas devastadas pela guerra. Cerca de 1 milhão estão presas em áreas sitiadas ou onde a ajuda humanitária não consegue chegar. 1,2 milhão vivem refugiadas, habitando locais insalubres, onde comida, água potável e acesso à educação são limitados. De acordo com o mesmo relatório, o número de refugiados sírios em países como Líbano, Jordânia, Turquia, Iraque e Egito deve alcançar no fim de 2014 a marca de 4,1 milhões de pessoas. Outras 9,3 milhões precisarão de ajuda até o fim de 2015. Foto: Reuters
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. O DRAMA VIVIDO PELOS REFUGIADOS
  • 26. RELAÇÕES INTERNACIONAIS • Além da Liga Árabe, ONU, União Europeia e Estados Unidos sempre condenaram a violência e a repressão impostas pelo regime sírio, mas nunca intervieram no conflito. • A União Europeia e os Estados Unidos impuseram sanções econômicas unilaterais contra a Síria, mas nunca agiram de forma mais enérgica. • Países como Irã, China e Rússia são aliados declarados do regime de Bashar Al-Assad e se manifestaram contra qualquer tipo de imposição de sanção internacional ao país. • A Rússia, que tem uma base naval militar no país, condenou o uso da violência pelos opositores ao regime, aos quais chamou de ‘terroristas’ e votou contra o estabelecimento de uma missão humanitária no país na Conferência de Paz GenebraII, em fevereiro de 2014. • A China chegou a acusar os países ocidentais de instigar uma guerra civil na Síria. • O Brasil retirou seu embaixador da Síria em janeiro de 2013. Em junho do mesmo ano, foi a vez de o Egito romper relações com o país.
  • 27.
  • 28. ASSEMBLEIA GERAL DA ONU 2015 "Somos um país continental e todos os refugiados que quiserem vir trabalhar, viver em paz, ajudar a construir o país, criar seus filhos, viver com dignidade, nós estamos de braços abertos", afirmou a presidente. Disse, ainda, que seu pai era um refugiado da 2ª Guerra Mundial e que o Brasil sempre teve uma "relação de abertura". Petar Roussev deixou a Bulgária em 1929 rumo à França. Após passar pela Argentina, ele chegou ao Brasil com o nome Pedro Rousseff. Dilma falou sobre crise humanitária na Síria 27 de setembro de 2015
  • 29. ATAQUE QUÍMICO Em 21 de agosto de 2015 um ataque químico na periferia de Damasco, capital da Síria, matou 1.429 civis, 426 deles crianças. Segundo o relatório do serviço de inteligência norte americano, há "fortes evidências" de que o governo sírio usou "gases neurotóxicos" no ataque a posições rebeldes nas periferias da capital, e é "altamente improvável" que o ataque tenha partido dos rebeldes sírios que combatem o governo. O governo sírio negou responsabilidade e acusou "terroristas" ligados à rede terrorista da Al-Qaeda de tentarem desestabilizar o país. O provável uso de armas químicas levou os EUA e as potências ocidentais, que vinham evitando falar em intervenção na guerra civil síria, a mudarem o tom e a cogitarem um ataque contra as forças de Assad. Os EUA afirmaram que, com a comprovação do uso das armas químicas, o regime Assad não pode ficar impune pelo que chamou de um "crime contra a humanidade".
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM REFUGIADOS PARA A EUROPA Afeganistão: A diáspora afegã formou-se em quatro principais ondas: durante a invasão soviética (1978-1989), na guerra civil (1992-1996), sob o regime fundamentalista do Taleban (1996-2001) e desde o início da intervenção militar liderada pelos EUA após o 11 de setembro de 2001.
  • 35. PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM REFUGIADOS PARA A EUROPA Eritreia: A Eritreia é governada pelo ditador Isaias Afworki desde sua independência em relação à Etiópia (1993). O país é considerado por muitos como a “Coreia do Norte Africana”, dados os seus altos índices de repressão.
  • 36. PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM REFUGIADOS PARA A EUROPA Somália: A Somália enfrenta um violento conflito desde a queda do ditador Siad Barre (1991) e em meio à instabilidade política, a milícia radical islâmica Al-Shabaab (filiada à Al-Qaeda) ganhou força. Inclusive, por anos o grupo proibiu a presença de ajuda humanitária no país. A situação é agravada pelas secas esporádicas que comprometem a segurança alimentar do país. Campo de refugiados somalis no Quênia
  • 37. PRINCIPAIS CONFLITOS QUE GERAM REFUGIADOS PARA A EUROPA Nigéria: A Nigéria busca fortalecer seu regime democrático, instaurado em 1999, mas enfrenta opositores que desejam estabelecer um governo islâmico no país. Trata-se do grupo radical Boko Haram, que controla grandes porções do território e recentemente declarou lealdade ao Estado Islâmico. Desde que o califado de Sokoto - que governou uma região que hoje é espalhada pelo norte da Nigéria, o Níger e o sul de Camarões - caiu sob o controle britânico, em 1903, alguns muçulmanos da região apresentam resistência à educação ocidental. Eles se recusam a enviar os seus filhos para "escolas ocidentais" administradas pelo governo, um problema agravado pela elite dominante local, que não vê a educação como uma prioridade. O grupo já havia atacado um internato em Yobe em março de 2014. Em abril do mesmo ano, sequestrou 276 estudantes em Chibok, dizendo que iria tratá-las como escravas e casá-las, numa referência a uma antiga crença islâmica de que as mulheres capturadas em conflito fazem parte do "espólio de guerra". As outras continuam desaparecidas, apesar das promessas do governo nigeriano de encontrá-las, dos drones americanos que foram espalhados para buscá-las pelo bosque de Sambisa e da megacampanha do Twitter, #BringBackOurGirls (na tradução, "tragam de volta nossas meninas"), que sensibilizou milhares de pessoas no mundo inteiro. Em agosto de 2015, 23 pessoas foram mortas por três mulheres-bomba, uma das quais tinha apenas 10 anos de idade. O primeiro ataque suicida ocorreu no sábado, em Maiduguri, quando uma menina-bomba matou ao menos 19 pessoas.
  • 38. Boko Haram luta para criar um governo islâmico na Nigéria “Boko Haram” significa: a educação ocidental é pecaminosa.
  • 39. Sequestro de estudantes nigerianas causou comoção mundial em 2014
  • 40. Das 276 estudantes sequestradas pelo grupo em abril de 2014, apenas 50 escaparam
  • 41. Meninas resgatadas do Boko Haram pelo Exército da Nigéria esperam para receber roupas em campo de refugiados no país.

Notas do Editor

  1. Insira um mapa do seu país.