SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES
E PLATÃO
Prof. Douglas Barraqui
1. SÓCRATES E OS SOFISTAS
A) CONTEXTO HISTÓRICO:
I. Aspectos sociais:
II. Aspectos econômicos:
III. Aspectos políticos:
IV. Aspectos culturais:
1. SÓCRATES E OS SOFISTAS
B) SOFISTAS: MESTRE NA ARTE DE ENSINAR
“O homem é a medida de todas as coisas”
Protágoras de
Abdera (481-411 a.C)
“homo mensure”
Relativismo sobre a verdade
Relativização do Conteúdo
1. SÓCRATES E OS SOFISTAS
C) “ENCARNAÇÃO” DA FILOSOFIA:
“Conhece-te a ti mesmo”
 Novo conhecimento == nova ignorância:
Pesquisa socrática: “Só sei que nada sei”
 Espírito da filosofia/Postura filosófica:
INVESTIGAR
+
CRÍTICAR
+
QUESTIONAR
MORAL E ÉTICA
Sócrates
(468 a.C. - 399 a.C.)
INVESTIGAR
CRÍTICAR
QUESTIONAR
MORAL E ÉTICA
1. SÓCRATES E OS SOFISTAS
D) O MÉTODO SOCRÁTICO:
Técnica de investigação filosófica = DIALÉTICO/DIÁLOGO (locutor e interlocutor)
1°) IRONIA
Insuficiência da resposta / Preconceitos / Subjetividade
2°) MAIÊUTICA
“Parto do conhecimento”
“Se pode alcançar a verdade se dela a alma estiver grávida” (Sócrates)
Processo de Reflexão
1°) IRONIA
2°) MAIÊUTICA
DIALÉTICO/DIÁLOGO
SOFISTAS VS SÓCRATES
1. SÓCRATES E OS SOFISTAS
?!
1. SÓCRATES E OS SOFISTAS
Julgamento e a Morte de Sócrates:
“A morte de Sócrates” - Jacques-Louis David - 1787
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
A) CONTEXTO HISTÓRICO
 Sócrates e a pena capital.
 Fim do “Século de Péricles”.
 Esfacelamento da Democracia.
 Invasão macedônia.
Platão
(427 a.C. - 347 a.C.)
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
B) FUDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA
METAFÍSICO
FÍSICO
“DEMIURGO”
PARMÊNIDES
Dimensão inteligível
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
C) EPISTEMOLOGIA DE PLATÃO
I. Conceito:
 Como atingir o conhecimento/verdade?
Saindo do sensível em direção ao inteligível
HERÁCLITO
Dimensão sensível
1. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
D) A DIALÉTICA DE PLATÃO
EIKASIA
(IMAGENS / ILUSÃO)
PÍSTIS
(CRENÇAS/IMPRESSÕES)
DIANÓIA
(RACIOCÍNIO)
NOESIS
(VERDADE/ SABEDORIA)
MUNDO INTELIGÍVEL
EPISTEME (CONHECIMENTO)
MUNDO SENSÍVEL
DOXA (OPINIÃO)
DIALÉTICA
MITO DA CAVERNA (ALEGORIA DA CAVERNA)
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
DOGMATISMO
SENSO COMUM
Glauco &
Sócrates
DIANÓIA
(RACIOCÍNIO)
NOESIS
(VERDADE/
SABEDORIA)
I I I
EIKASIA
(IMAGENS /
ILUSÃO)
PÍSTIS
(CRENÇAS/I
MPRESSÕES)
E) REMINISCÊNCIA DA ALMA: “CONHECER É RELEMBRAR”
METAFÍSICO
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
FÍSICO
CORPO ALMA
VERDADE
BELO
BEM
CONHECER CONTEMPLAR
DISCERNIR
DIALÉTICAREINCARNAÇÃO
F) A TEORIA DA TRIPARTIÇÃO DA ALMA:
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
RACIONAL
IRASCÍVEL
APETITIVA
Inteligência
Virtude
Coragem
Vigor
Paixões
Desejos
PRAZER
“Mito do cocheiro”
EMOÇÃO
RAZÃO
SENSÍVEL
G) O AMOR PLATÔNICO:
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
SENTIMENTO / BELO / BOM
FORÇA
INTELIGÍVEL
Eros
FORÇAFORÇA
BELO / BOM
H) A CONCEPÇÃO POLÍTICA DE PLATÃO: “A REPÚBLICA”
 Cidadão = bom político
 Política = justiça para o bem comum
 Moral privada INFERIOR moral pública
 “Sofocracia’”
2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA
RACIONAL
(Razão)
IRASCÍVEL
(Emoção)
APETITIVA
(Prazer)
MAGISTRADOS
GUERREIROS
POVO
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna,
1993.
BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997.
CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998.
CONTIM, Gilberto. Fundamentos de Filosofia -História e Grandes Temas. São
Paulo;Editora Saraiva, 2000.
GAARDEr, Jostein. O Mundo de Sofia. São Paulo; Cia. Das Letras, 1995.
GILES, Thomas Ransom. Introdução á Filosofia. São Paulo; Epu, 1979.
LICKESI, C. Carlos. Introdução á Filosofia - Aprendendo a Pensar.2ª. Ed. São
Paulo;
Cortez,1996. MONDIM, Battista. Curso de Filosofia. 8ªEd. São Paulo;
Paulus,1981 - Volume I, II e III.
MORENTE, Manuel Garcia. Fundamentos de Filosofia - Lições Preliminares. São
Paulo; Mestre Jou,1980.
POLITZER, G. Princípios. Fundamentais de Filosofia. São Paulo; Hemus, 1995.
Nota do autor
• Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading. Outros,
porém, por questões de direitos autorais e direitos de imagens, não estão
disponíveis para serem baixados gratuitamente.
• Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar alguma
apresentação com um tema em especial, entre em contato comigo pelo E- mail
(ambientalhistoria@gmail.com).
• Visite minha página na internet:
www.dougnahistoria.blogspot.com.br
Prof. Douglas Barraqui
_______________________
PROF. DE HISTÓRIA (ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA
CONCURSO, PRÉ-VESTIBULAR E PRÉ-IFES)
TEL: (27) 99732-1315
E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com
Páginas na internet:
www.dougnahistoria.blogspot.com
www.ambietalhistoria.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Erizon Júnior
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
Raniery Braga
 
Sofistas e socrates
Sofistas e socratesSofistas e socrates
Sofistas e socrates
UNESC
 

Mais procurados (20)

Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 
Filosofia clássica
Filosofia clássicaFilosofia clássica
Filosofia clássica
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Platão e Aristóteles
Platão e AristótelesPlatão e Aristóteles
Platão e Aristóteles
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
O que é filosofia?
O que é filosofia?O que é filosofia?
O que é filosofia?
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Ética Aristóteles
Ética AristótelesÉtica Aristóteles
Ética Aristóteles
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Sofistas e socrates
Sofistas e socratesSofistas e socrates
Sofistas e socrates
 

Semelhante a A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO

Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdfSlides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Natan Baptista
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
José Ferreira Júnior
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
megainfoin
 
1º ano filosofia - atividade 18092012
1º ano   filosofia - atividade 180920121º ano   filosofia - atividade 18092012
1º ano filosofia - atividade 18092012
Jorge Marcos Oliveira
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
mluisavalente
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
paraiba1974
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
Luci Bonini
 
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Atividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizadaAtividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizada
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Rita Gonçalves
 

Semelhante a A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO (20)

Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)
 
3aula vestibular - filosofia
3aula   vestibular - filosofia3aula   vestibular - filosofia
3aula vestibular - filosofia
 
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
 
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdfSlides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
 
1 ano
1 ano1 ano
1 ano
 
Atividade diagnostica historia da filosofia 1
Atividade diagnostica historia da filosofia 1Atividade diagnostica historia da filosofia 1
Atividade diagnostica historia da filosofia 1
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
 
1º ano filosofia - atividade 18092012
1º ano   filosofia - atividade 180920121º ano   filosofia - atividade 18092012
1º ano filosofia - atividade 18092012
 
1 ano slides
1 ano slides1 ano slides
1 ano slides
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
 
Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.
 
histriadapsicologia-110403221410-phpapp02.pdf
histriadapsicologia-110403221410-phpapp02.pdfhistriadapsicologia-110403221410-phpapp02.pdf
histriadapsicologia-110403221410-phpapp02.pdf
 
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
Atividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizadaAtividade 2  capítulos 1 e 2  filosofia e ética  na ci   atualizada
Atividade 2 capítulos 1 e 2 filosofia e ética na ci atualizada
 

Mais de Douglas Barraqui

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO

  • 1. A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO Prof. Douglas Barraqui
  • 2. 1. SÓCRATES E OS SOFISTAS A) CONTEXTO HISTÓRICO: I. Aspectos sociais: II. Aspectos econômicos: III. Aspectos políticos: IV. Aspectos culturais:
  • 3. 1. SÓCRATES E OS SOFISTAS B) SOFISTAS: MESTRE NA ARTE DE ENSINAR “O homem é a medida de todas as coisas” Protágoras de Abdera (481-411 a.C) “homo mensure” Relativismo sobre a verdade Relativização do Conteúdo
  • 4. 1. SÓCRATES E OS SOFISTAS C) “ENCARNAÇÃO” DA FILOSOFIA: “Conhece-te a ti mesmo”  Novo conhecimento == nova ignorância: Pesquisa socrática: “Só sei que nada sei”  Espírito da filosofia/Postura filosófica: INVESTIGAR + CRÍTICAR + QUESTIONAR MORAL E ÉTICA Sócrates (468 a.C. - 399 a.C.) INVESTIGAR CRÍTICAR QUESTIONAR MORAL E ÉTICA
  • 5. 1. SÓCRATES E OS SOFISTAS D) O MÉTODO SOCRÁTICO: Técnica de investigação filosófica = DIALÉTICO/DIÁLOGO (locutor e interlocutor) 1°) IRONIA Insuficiência da resposta / Preconceitos / Subjetividade 2°) MAIÊUTICA “Parto do conhecimento” “Se pode alcançar a verdade se dela a alma estiver grávida” (Sócrates) Processo de Reflexão 1°) IRONIA 2°) MAIÊUTICA DIALÉTICO/DIÁLOGO
  • 6. SOFISTAS VS SÓCRATES 1. SÓCRATES E OS SOFISTAS ?!
  • 7. 1. SÓCRATES E OS SOFISTAS Julgamento e a Morte de Sócrates: “A morte de Sócrates” - Jacques-Louis David - 1787
  • 8. 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA A) CONTEXTO HISTÓRICO  Sócrates e a pena capital.  Fim do “Século de Péricles”.  Esfacelamento da Democracia.  Invasão macedônia. Platão (427 a.C. - 347 a.C.)
  • 9. 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA B) FUDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA METAFÍSICO FÍSICO “DEMIURGO”
  • 10. PARMÊNIDES Dimensão inteligível 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA C) EPISTEMOLOGIA DE PLATÃO I. Conceito:  Como atingir o conhecimento/verdade? Saindo do sensível em direção ao inteligível HERÁCLITO Dimensão sensível
  • 11. 1. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA D) A DIALÉTICA DE PLATÃO EIKASIA (IMAGENS / ILUSÃO) PÍSTIS (CRENÇAS/IMPRESSÕES) DIANÓIA (RACIOCÍNIO) NOESIS (VERDADE/ SABEDORIA) MUNDO INTELIGÍVEL EPISTEME (CONHECIMENTO) MUNDO SENSÍVEL DOXA (OPINIÃO) DIALÉTICA
  • 12. MITO DA CAVERNA (ALEGORIA DA CAVERNA) 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA DOGMATISMO SENSO COMUM Glauco & Sócrates
  • 14. E) REMINISCÊNCIA DA ALMA: “CONHECER É RELEMBRAR” METAFÍSICO 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA FÍSICO CORPO ALMA VERDADE BELO BEM CONHECER CONTEMPLAR DISCERNIR DIALÉTICAREINCARNAÇÃO
  • 15. F) A TEORIA DA TRIPARTIÇÃO DA ALMA: 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA RACIONAL IRASCÍVEL APETITIVA Inteligência Virtude Coragem Vigor Paixões Desejos PRAZER “Mito do cocheiro” EMOÇÃO RAZÃO
  • 16. SENSÍVEL G) O AMOR PLATÔNICO: 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA SENTIMENTO / BELO / BOM FORÇA INTELIGÍVEL Eros FORÇAFORÇA BELO / BOM
  • 17. H) A CONCEPÇÃO POLÍTICA DE PLATÃO: “A REPÚBLICA”  Cidadão = bom político  Política = justiça para o bem comum  Moral privada INFERIOR moral pública  “Sofocracia’” 2. PLATÃO: A CRIAÇÃO DA METAFÍSICA RACIONAL (Razão) IRASCÍVEL (Emoção) APETITIVA (Prazer) MAGISTRADOS GUERREIROS POVO
  • 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, 1993. BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997. CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998. CONTIM, Gilberto. Fundamentos de Filosofia -História e Grandes Temas. São Paulo;Editora Saraiva, 2000. GAARDEr, Jostein. O Mundo de Sofia. São Paulo; Cia. Das Letras, 1995. GILES, Thomas Ransom. Introdução á Filosofia. São Paulo; Epu, 1979. LICKESI, C. Carlos. Introdução á Filosofia - Aprendendo a Pensar.2ª. Ed. São Paulo; Cortez,1996. MONDIM, Battista. Curso de Filosofia. 8ªEd. São Paulo; Paulus,1981 - Volume I, II e III. MORENTE, Manuel Garcia. Fundamentos de Filosofia - Lições Preliminares. São Paulo; Mestre Jou,1980. POLITZER, G. Princípios. Fundamentais de Filosofia. São Paulo; Hemus, 1995.
  • 19. Nota do autor • Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading. Outros, porém, por questões de direitos autorais e direitos de imagens, não estão disponíveis para serem baixados gratuitamente. • Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar alguma apresentação com um tema em especial, entre em contato comigo pelo E- mail (ambientalhistoria@gmail.com). • Visite minha página na internet: www.dougnahistoria.blogspot.com.br Prof. Douglas Barraqui _______________________ PROF. DE HISTÓRIA (ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA CONCURSO, PRÉ-VESTIBULAR E PRÉ-IFES) TEL: (27) 99732-1315 E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com Páginas na internet: www.dougnahistoria.blogspot.com www.ambietalhistoria.blogspot.com

Notas do Editor

  1. SÓCRATES E OS SOFISTAS CONTEXTO HISTÓRICO Reflexões filosóficas são fruto de um contexto histórico. A filosofia é fruto de um contexto e condições históricas específicas. Aspectos sociais: Vitória dos gregos sobre os persas (Guerras Médicas 490a.C.-448 a.C.) Vitória só foi possível graças a Liga de Delos Aspectos econômicos: Atenas se destaca na liderança da Liga de Delos / “século de Péricles” (uso dos recursos para benefício da pólis) Expansão do comércio marítimo (porto de Pireu – contato com outros povos e culturas orientais) fez de Atenas a mais importante pólis da Grécia. Aspectos políticos: Construção da Democracia (exigiu pensamento racional) Dracon 620 a.C – código de leis draconiano (leis exigem pensamento racional) Solon 594 a.C. – seisachteia / Boulé Clistenes 510 a.C – isonomia / isegoria (isos, “igual”, e agoreúo, “falar em público” ágora, “praça pública”) Péricles 446 a.C - “século de Péricles”. Aspectos culturais: Teatro Grego (550 a.C. - Theathon “lugar que se vê”): Levaram os gregos a fazerem reflexões e críticas sobre a política na Pólis grega (pensamento racional). Tragédia (Tragoedia) = conflito entre as tradições mitológicas e a racionalida. Comédia (Komedia) = críticas baseadas na sátira, abordando problemas sociais e políticos da pólis (corrupção). Nova Areté: (Termo grego para excelência, mérito e valor) Areté = educação ateniense ocorria nos ginásios e tinha por objetivo formar guerreiro belo e bom – PERFEIÇÃO FÍSICA (treinamentos físicos para preparar o guerreiro) e PERFEIÇÃO DO ESPÍRITO (poesia, música e retórica - sofistas). Nova areté objetivava formar o cidadão em excelência moral e política - pensar o bem da pólis (ensinava-se política, filosofia, leis)
  2. B) OS SOFISTAS: MESTRE NA ARTE DE ENSINAR Professores itinerantes que ensinavam mediante ao pagamento. / Para a história da educação eles são tratados como os primeiros educadores Eram mestres da retórica e da manipulação das palavras através da eloquência para o convencimento. Ensinavam o cidadão a falar (retórica) Acreditavam ser impossível chegar a uma verdade única. Acreditavam que cada um possuía a sua verdade e deveria defendê-la pela retórica. (relativismo sobre a verdade – cada um conhece a sua verdade) Não importava se estavam dizendo a verdade ou não o que importava é como falavam (não importava o conteúdo, mas sim como falavam) Protágoras de Abdera (481-411 a.C) relativismo sobre a verdade – cada um conhece a sua verdade O que é verdade para um indivíduo, não necessariamente será para outro. Ninguém está errado (cada um possui a sua verdade) O INDIVÍDUO É O CRITÉRIO PARA TUDO “HOMO MENSURE” = HOMEM É A MEDIDA DE TODAS AS COISAS
  3. 1.1 SOCRATES: C) “ENCARNAÇÃO” DA FILOSOFIA: “Conhece-te a ti mesmo” “Só sei que nada sei” Fundador da chamada filosofia clássica. “Pai da filosofia ocidental” “Pai e fundador da ética” Nasceu em Atenas e teve uma vida pobre. Filho de Sofronisco (escultor) e Fenarete (parteira). Portanto, não foi um membro da aristocracia. Lutou na Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.) Condenado à Pena Capital (morte) alto envenenamento por cicuta aos 70 anos. Sócrates não escreveu nada. Tudo que temos sobre ele estão em obra indiretas. Chegaram a cogitar que ele nunca teria existido (não passava de uma invenção de Platão) Sócrates começou a se dedicar à filosofia após visitar o Oráculo de Delfos (Sibila) e ao entender as inscrições acima do templo “temet nosce” (conhece-te a ti mesmo). Sócrates se pós a serviço da busca pela verdade e sobre aquilo que determinava a moral (latim “mores” = costumes, é de acordo com a moral que fazemos escolhas) do homem. Querefonte consultou o oráculo de Delfos perguntando ao oráculo que era o homem mais sábia. O oráculo (Sibila) respondeu que era Sócrates. Pesquisa socrática: saiu para visitar todos os sábios de sua época. Chegou a conclusão que: A cada conhecimento obtido uma nova ignorância surgia. “só sei que nada sei” O espírito da filosofia consiste em uma busca incessante pela verdade (investigação, crítica e questionamento) O Pensador (1880) - escultura em bronze do escultor francês Auguste Rodin. Retrata um homem em meditação soberba, lutando com uma poderosa força interna o pensamento. O trabalho mostra uma figura masculina nua, maior do que o tamanho real de um homem, sentado em uma pedra com o queixo apoiado em uma mão, como se imerso em seus pensamentos. A escultura e é frequentemente utilizado como uma imagem para representar a filosofia: a imagem de um homem perdido em seus pensamentos, mas cujo corpo poderoso sugere uma grande capacidade de ação.
  4. II. O MÉTODO SOCRÁTICO: O método socrático consiste em uma técnica de investigação filosófica feita em DIÁLOGO que consiste em o professor (locutor) conduzir o aluno (interlocutor) a um processo de reflexão e descoberta dos próprios valores. Dialético/Diálogo Dividi-se em duas etapas: 1°) IRONIA (“EIRIM” = PERGUNTAR/QUESTIONAR) Sócrates (locutor) faz uma pergunta ao interlocutor. O interlocutor pensa e dá uma resposta a Sócrates. Sócrates busca demonstrar, através de mais perguntar, com base na resposta dada pelo interlocutor: Insuficiência da resposta dada. O preconceito recebido Opiniões subjetivas. Assim o interlocutor passa a questionar a si mesmo e a suas próprias respostas. A finalidade é que o interlocutor reconheça a sua própria ignorância. 2°) MAIÊUTICA (parto das ideias) Sócrates refaz as perguntas e comenta as respostas (a fim de induzir o interlocutor a chegar na suas resposta) “se pode alcançar a verdade se dela a alma estiver grávida” (Sócrates) – lembrando que a mãe de Sócrates era parteira - Necessidade de trazer a verdade a luz, assim como a criança precisa da parteira para vir a luz a verdade precisa do filósofo para vir a luz.
  5. III. Sócrates Vs Sofistas: ?
  6. IV. Julgamento e a morte de Sócrates: Acusado de corromper a juventude, filhos da aristocracia, com novas crenças. Duvidar dos valores tradicionais e religiosos de Atenas. Sócrates dizia escutar uma voz interna “daimon” – acreditava que era como um deus que lhe dizia o que podia ou não fazer. Sócrates não se defendeu, aceitou sua condenação. Teve a oportunidade de fugir, mas não aceitou em fidelidade as leis da pólis. Sócrates tinha a opção de ir para o exílio (e, portanto, desistir de sua vocação filosófica) ou ser condenado à morte. Sócrates escolheu a morte. Penas capital por alto envenenamento (cicuta) A pintura também retrata Platão e Críton, com o primeiro sentado melancolicamente na beira da cama e Críton segurando o joelho de Sócrates.
  7. CONTEXTO HISTÓRICO Arístocles = Platão (aquele de costas largas) 427 a.C. - 347 a.C. nasceu em Atenas / Aristocrata. Discípulo de Sócrates (mais importante seguidor – CONHECEU SÓCRATES AOS 20 ANOS) Contato com Pitágoras e mestre de Aristóteles. Assistiu a morte de Sócrates (o que o levou escrever “a alegoria da caverna”. Platão viveu o contexto histórico da morte de Péricles Assistiu o declínio de Atenas frente a Esparta na Guerra do Peloponeso (431 e 404 a.C) Declínio da democracia Fim do século de Péricles Atenas preste a ser invadida pelos macedônios
  8. B) FUDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA Metafísica (Meta=além / physis = físico) “além do físico” (aquilo que ultrapassa a esfera física) Para Platão a matéria era algo imperfeito, em constante estado de mudança., diz que os seres são formados por duas dimensões. Dois mundos diferentes e separados: Física (o mundo sensível) : coisas materiais, sensíveis e portanto, mutáveis. Essência (mundo das idéias ou mundo inteligível) : imutável que só pode ser compreendido pela racionalidade humana. O estudo da metafísica busca conhecer a essência do ser que está além da matéria, do que é perceptível aos sentidos. Tudo que existe, material ou imaterial, se origina da ideia. O sentidos não nos permite conhecer a verdade como ela é (pois nosso sentidos podem nos enganar) é preciso buscar a essência. Antes de construir uma cadeira, eu preciso ter uma ideia, de como será e como fazer uma cadeira (portanto tudo que existe, material ou imaterial, se origina da ideia). Não é possível entender uma cadeira somente sentando nela, é preciso buscar a essência (por meio da razão), ai sim conheceremos a verdade sobre a cadera. O MUNDO SENSÍVEL É UMA COPIA DO MUNDO INTELIGIVEL. A VERDADE PARA PLATÃO ESTÁ NO MUNDO INTELIGÍVEL. Demiurgo - “Deus artífice” Platão fala de Demiurgo “deus artífice” que tomou como modelo as ideias inteligíveis, ou formas perfeitas, eternas e imutáveis, e deu forma à matéria (Assim como Deus cristão deu forma ao homem a partir do barro).
  9. C) EPISTEMOLOGIA DE PLATÃO Epistemologia: os caminhos para o conheciemento I – Conceito: grego(episteme=conhecimento) (logia=estudo) “estudo do conhecimento” – epistemologia estuda o método de como se chega a verdade. Platão, inspirado em Parmênides e Heráclito: Parmênides: arhé = “tudo que existe sempre existiu” (concepção monista) – De Parmênides, Platão considerou correto a dimensão inteligível, só existe a essência. Heráclito: Arché = fogo – tudo está em movimento - De Heráclito, Platão considerou correto as percepções do mundo material e sensível. Como atingir o conhecimento? Saindo do sensível em direção ao inteligível “em si e por si” (Afirmar que as Idéias existem “em si e por si” – quer dizer que elas se impõem ao homem de modo absoluto, não dependendo de sua percepção e sendo mais verdadeiras do que o próprio indivíduo. No pensamento platônico existe o belo por si mesmo, o bem em si mesmo, o justo em si mesmo (Idealizações). Como sair do mundo material para o mundo inteligível? Através da DIALÉTICA. A passagem da doxa (OPINIÃO) para episteme (CONHECIMENTO) se dá pela DIALÉTICA.
  10. Como sair do mundo material para o mundo inteligível? Através da dialética. O conhecimento das ideias se da por meio da dialética A passagem da doxa (OPINIÃO) para a episteme (CONHECIMENTO) se dá por meio da dialética (DIÁLOGO) ETAPAS: 1°) EIKASIA (IMAGENS / ILUSÃO) = uma primeira impressão, imagem que temos das coisas, captadas pelos nossos sentidos. 2°) PÍSTIS(CRENÇAS) = Cada indivíduo percebe as coisas de modo diferente. Temos impressões diferentes sobre as coisas. 3°) DIANÓIA(RACIOCÍNIO) = Começamos a raciocinar sobre o mundo que nos cerca (ex. conhecimento matemático). 4°) NOESIS (INTUIÇÃO / SABEDORIA/filosofia) = Por meio da razão o indivíduo atinge o conhecimento verdadeiro. Ex. pincel. 1°) EIKASIA (IMAGENS / ILUSÃO) = mostro o pincel vcs observam. 2°) PÍSTIS(CRENÇAS) = Digo que serve para dar aula, vcs acreditam. 3°) DIANÓIA(RACIOCÍNIO) = Eu começo a escrever no quadro (o pincel tem uma razão de ser de existir) 4°) NOESIS (INTUIÇÃO / SABEDORIA/filosofia) = O conteúdo que escrevo no quadro (usando o pincel) transmite sabedoria e conhecimento.
  11. MITO DA CAVERNA (ALEGORIA DA CAVERNA) Diálogo entre Glauco, o irmão de Platão, e Sócrates, o mentor de Platão. É um ato de libertação do homem frente ao mundo da escuridão e da ignorância. A iluminação da alma rumo a verdade. Tentativa de tirar o homem do dogmatismo e do senso comum. A CAVERNA: O mundo sensível onde vivemos. LUZ DA FOGUEIRA: É o reflexo do mundo (coisas mutáveis). OS PRISIONEIROS: Pessoas presas no mundo sensível e imperfeito. AS SOBRAS: As coisas sensíveis que as pessoas tomam como verdadeiras, mas não passam de cópias de ideias perfeitas, mutáveis. AS CORRENTES: O preconceito das pessoas. DIALÉTICA: O instrumento que liberta das correntes da ignorância. PRISIONEIRO QUE ESCAPA: É o filósofo. SOL: ideia do bem.
  12. E) REMINISCÊNCIA DA ALMA: “CONHECER É RELEMBRAR” Todas as pessoas podem se libertar da caverna? “Mito Er” ou “Mito da reminiscência” ou “Anamnese” (lembrança pouco precisa; recordação) (pastor Er, levvado por uma deusa ao mundo dos mortos, mundo inteligível, neste lugar almas aguardam para reencarnar e podem escolher a vida que terão na terra. Após suas escolhas as almas são levadas ao rio do esquecimento, Léthe, almas que escolhem a vida de prazeres e luxúrias bebem bastante água do rio. As almas que escolhem uma vida de sabedoria e conhecimento bebem pouca água do rio). O homem é composto de uma dualidade: CORPO e ALMA O conhecimento sensível é imperfeito e passageiro / o conhecimento inteligível é perfeito e verdadeiro. Para alcançar o mundo inteligível o homem precisa: ter CONHECIMENTO sobre a VERDADE; CONTEMPLAR o que é BELO e DISCERNIR o BEM do MAL. O homem precisa ainda deixar o corpo. Uma vez no mundo inteligível a alma adquiri conhecimento (já estava com a alma). A alma pode retornar ao mundo sensível em um corpo, mas para voltar o homem precisa passar por um processo de esquecimento do conhecimento. Teoria da reminiscência explica essas lembranças (recordações) do mundo inteligível. Através da filosofia (dialéitica) o homem pode se lembrar do conhecimento que um dia já foi adquirido antes do corpo. Portanto o conhecimento já está no ser humano e ele precisa se lembrar (uso da dialética).
  13. F) A TEORIA DA TRIPARTIÇÃO DA ALMA: Platão diz que a alma é dividida em três partes: 1ª parte) Racional: conduz a inteligência e a virtude da alma (ligada a mente, a cabeça – Representa pelo cocheiro). 2ª parte) Irascível: a parte do animo, da coragem e do vigor (ligada ao torax, peito, o coração – Representado pelo cavalo bom e fiel). 3ª parte) Apetitiva: paixões, desejos, prazer comer beber, sexo, busca as coisas materiais (abaixo do ventre - Representado pelo cavalo mau). “Mito do cocheiro” O corpo humano é a carruagem. O caminho é a vida. Eu o homem que conduz o pensamente e controla as rédeas sou o cocheiro e os sentimentos são os cavalos. O homem (cocheiro) com ajuda do cavalo bom deve dominar o cavalo mau. A alma racional, com ajuda da alma irascível domine a alma apetitiva. Se deixarmos o cavalo mau, que age pelo prazer, movido pelas paixões de desejos, tomar conta de nossa vida andamos em disparada e sem rumo certo, a qualquer momento para um abismo.
  14. G) O AMOR PLATÔNICO: No senso comum o “amor platônico” é visto como idealizado, inacessível e impossível de ser realizado (ISSO E UM EQUÍVOCO). O amor em Platão não é um sentimento, mas sim uma força (que impulsiona as pessoas a chegarem a algum lugar). O amor em Platão não é belo nem bom, é a força que leva o homem a buscar o belo e o bom. O “eros”, o amor, é a força mediadora que leva o homem superar o sensível e buscar o inteligível.
  15. H) A CONCEPÇÃO POLÍTICA DE PLATÃO: “A REPÚBLICA” Platão tratou a política em sua obra “A República”. Objetivo era apontar os caminhos para que a pólis pudesse ser bem governada. O bom cidadão era um bom político. A felicidade dos cidadãos se faz no cumprimento da justiça. Finalidade da política: justiça para o bem comum. Moral privada é inferior a moral pública. Interesses coletivos devem estar acima dos interesses pessoais. Platão defendia a “sofocracia’ (sophos: sábios / Kratia = poder). Governo dos mais sábios e inteligentes. (Platão era contrário a democracia e a monarquia). Pólis era dividida em três partes (classes sociais distintas): Magistrados (filósofos – agem de acordo com a razão) Guerreiros (soldados – agem de acordo com a emoção ex. amor a pátria) Povo (agricultores, comerciantes e artesãos)