SlideShare uma empresa Scribd logo
Renascimento
Renascimento
Cultural E
Cultural E
Científico
Científico
Prof. Douglas Barraqui
A) Conceito:
 "Que obra de arte é o homem: tão
nobre no raciocínio, tão vário na
capacidade; em forma o movimento,
tão preciso e admirável; na ação é
como um anjo; no entendimento é
como um Deus; a beleza do mundo, o
exemplo dos animais."
(SHAKESPEARE, William.
HAMLET.)
IDADE ANTIGA IDADE MODERNA
B) Contexto Histórico:
I II
IDADE MÉDIA
Mundo ModernoMundo Medieval
B) Contexto Histórico:
C) Origem:
Veneza
Pisa
Gênova
Milão
Luca
Siena
Florênça
Mântua
Pádua
Turim
Ferrara
ROMA
1.1 HUMANISMO:
A) Conceito:
B) Características:
1 Renascimento Cultural
Leonardo da Vinci (1452-1519)
O Homem Vitruviano
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
A) CLASSICISMO:
1 Renascimento Cultural
Rafael Sanzio (1483 —1520)
“Escola de Atenas”
Sócrates
Platão e Aristóteles
Pitágoras 
Euclides 
Ptolemeu
Rafael Sanzio
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
B) ANTROPOCENTRISMO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564) Capela Sistina
(“A criação de Adão” 1508-1512)
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
B) ANTROPOCENTRISMO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564) Capela Sistina
(“A criação de Adão”)
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
C) INDIVIDUALISMO:
1 Renascimento Cultural
Leonardo da Vinci (1452-1519)
La Gioconda 1503-1506
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
D) HEDONISMO:
1 Renascimento Cultural
Sandro Botticelli (1445 –1510)
Casamento de Nastagio degli Onesti
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
E) NATURALISMO:
1 Renascimento Cultural
Sandro Botticelli (1445-1510)
“Primavera” 1482
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
E) NATURALISMO:
1 Renascimento Cultural
Sandro Botticelli (1445-1510)
“Primavera” 1482
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
E) NATURALISMO:
1 Renascimento Cultural
Sandro Botticelli (1445-1510)
“Primavera” 1482
Clóris
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
F) RACIONALISMO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564)
A Pietà 1499
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
F) RACIONALISMO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564)
A Pietà 1499
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
F) RACIONALISMO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564)
A Pietà 1499
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
F) RACIONALISMO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564)
A Pietà 1499
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
G) UNIVERSALISMO:
1 Renascimento Cultural
Leonardo da Vinci (1452-1519)
Rascunhos
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
G) UNIVERSALISMO:
1 Renascimento Cultural
Leonardo da Vinci (1452-1519)
Rascunhos
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
G) UNIVERSALISMO:
1 Renascimento Cultural
Leonardo da Vinci (1452-1519)
Rascunhos
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
H) BUSCA PELA PERFEIÇÃO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564)
David 1501-1504
1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO:
H) BUSCA PELA PERFEIÇÃO:
1 Renascimento Cultural
Michelangelo (1475-1564)
David
2. Renascimento na Literatura
Dante Alighieri 1265 – 1321
“A Divina Comédia” 1304-1321
2.2 Principais autores:
Inferno
Purgatório
Paraíso
2.2 Principais autores:
2. Renascimento na Literatura
Luís de Camões (1524 -1580)
“Os Lusíadas” 1572
1
As Armas e os barões assinalados
Que, da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
2.2 Principais autores:
2. Renascimento na Literatura
William Shakespeare 1564-1616
“Hamlet, Romeu e Julieta, Otelo”
“Que obra de arte é o homem:
tão nobre no raciocínio, tão
vário na capacidade; em forma
o movimento, tão preciso e
admirável; na ação é como um
anjo; no entendimento é como
um Deus; a beleza do mundo, o
exemplo dos animais."
(SHAKESPEARE, William.
HAMLET.)
2.2 Principais autores:
2. Renascimento na Literatura
Thomas Morus (1478-1535)
“Utopia” 1516
“A superstição é a doença da
ignorância, do espírito mórbido,
entusiasmo dos ingênuos e
levianos. A educação e o livre
exame são os antídotos de
ambos”
Thomas Morus
A) Conceito:
3. Renascimento Científico
3.1 – A Imprensa
3. Renascimento Científico
Johannes Gutenberg
(1398 – 1468)
3.2 Geocentrismo Vs Heliocentrismo
3. Renascimento Científico
Nicolau Copérnico ( 1473 — 1543)
Galileu Galilei (1564 — 1642)
3.3 O Universo infinito de Giordano Bruno:
3. Renascimento Científico
Giordano Bruno (1548 — 1600)
“O tempo tudo tira e tudo dá;
tudo se transforma, nada se
destrói”.
Giordano Bruno (1548 — 1600)
Leonardo da Vinci (1452-1519)
A última ceia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Leonardo da Vinci (1452-1519)
A última ceia
O apostolo Simão
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Leonardo da Vinci (1452-1519)
A última ceia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Leonardo da Vinci (1452-1519)
A última ceia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Leonardo da Vinci (1452-1519)
A última ceia
O apostolo Filipe
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
http://www.vatican.va/various/cappelle/sisti
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Capela Sistina em 3D
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
(1)-Abraâo, (2) -Sara ,(3)- Isac e a sua esposa Rebeca (4) .Os filhos deste
casal são Jacob(5) e Isaú (6). S. João Baptista (9) Niobe (13), Judite (12) e
Eva com o nº 11 .no cimo à esquerda.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Referência
 AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris:
história 7 ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.
 CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes.
História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo:
SM. 2010.
 COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino
Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.
 Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora
Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani.
 Uno: Sistema de Ensino – História – 6º ano. São Paulo: Grupo Santillana,
2011. Editor Responsável: Angélica Pizzutto Pozzani.
SITES CONSULTADOS:
 http://www.vatican.va/various/cappelle/sistina_vr/index.html
 http://www.brasilescola.com/historiag/renascimento.htm
 http://taislc.blogspot.com.br/2011/04/o-renascimento-nas-artes.html
 http://www.historiadomundo.com.br/idade-moderna/renascimento.htm
 http://dougnahistoria.blogspot.com.br/search/label/Renascimento
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Nota do autor:Nota do autor:
 Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading.
Outros, porém, por questões de direitos autorais e direitos de
imagens, não estão disponíveis para serem baixados gratuitamente.
 Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar
alguma apresentação com um tema em especial, entre em contato
comigo pelo E-mail (ambientalhistoria@gmail.com).
 Visite minha página na internet:
 www.dougnahistoria.blogspot.com.br
Prof. Douglas Barraqui
_______________________
PROF. DE HISTÓRIA
(ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA CONCURSO,
PRÉ-VESTIBULAR E PRÉ-IFES)
TEL: (27) 99732-1315 / (27) 98889-1622
E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com
Páginas na internet:
www.dougnahistoria.blogspot.com
www.ambietalhistoria.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
Profdaltonjunior
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
dmflores21
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
Paulo Alexandre
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
eiprofessor
 
Formação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeusFormação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeus
davincipatos
 

Mais procurados (20)

Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
 
Questões de vestibular sobre Renascimento
Questões de vestibular sobre RenascimentoQuestões de vestibular sobre Renascimento
Questões de vestibular sobre Renascimento
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Formação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeusFormação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeus
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 

Semelhante a Renascimento

Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1 Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1
lucas_12
 
Renascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessados
Renascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessadosRenascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessados
Renascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessados
JooPaulo440772
 
Renascimento Aula 1231783637025304 1
Renascimento Aula 1231783637025304 1Renascimento Aula 1231783637025304 1
Renascimento Aula 1231783637025304 1
Teresa
 

Semelhante a Renascimento (20)

Arte_2série aula 03 - Renascimento.pptx
Arte_2série aula 03 - Renascimento.pptxArte_2série aula 03 - Renascimento.pptx
Arte_2série aula 03 - Renascimento.pptx
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento2
Renascimento2Renascimento2
Renascimento2
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
08. Aula de História Geral - Renascimento Cultural
08. Aula de História Geral - Renascimento Cultural08. Aula de História Geral - Renascimento Cultural
08. Aula de História Geral - Renascimento Cultural
 
Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1 Renascimento Parte 1
Renascimento Parte 1
 
Renascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessados
Renascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessadosRenascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessados
Renascimento e Barroco - AULA 08.ppt Para estudantes e leigos interessados
 
1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural
 
Renascimento cultural e cientifico
Renascimento cultural e cientificoRenascimento cultural e cientifico
Renascimento cultural e cientifico
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Renascimento 2018
Renascimento 2018Renascimento 2018
Renascimento 2018
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
Renascimento Aula 1231783637025304 1
Renascimento Aula 1231783637025304 1Renascimento Aula 1231783637025304 1
Renascimento Aula 1231783637025304 1
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Renascimento Artístico e Cultural
Renascimento Artístico e CulturalRenascimento Artístico e Cultural
Renascimento Artístico e Cultural
 
Apresentação renascimento cultural e cientifico.pptx
Apresentação renascimento cultural e cientifico.pptxApresentação renascimento cultural e cientifico.pptx
Apresentação renascimento cultural e cientifico.pptx
 
Arte_2Série_slide aula N2.pptx
Arte_2Série_slide aula N2.pptxArte_2Série_slide aula N2.pptx
Arte_2Série_slide aula N2.pptx
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
 

Mais de Douglas Barraqui

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 
As Reformas Protestantes e a Contra-reforma
As Reformas Protestantes e a Contra-reformaAs Reformas Protestantes e a Contra-reforma
As Reformas Protestantes e a Contra-reforma
 

Último

INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 

Renascimento

Notas do Editor

  1. Conceito: Movimento intelectual, artístico, filosófico, cultural, literário e científico caracterizado pela valorização do homem (humanismo). Todos nós conhecemos a tradicional,antiga e famosa frase de William Shakespeare que é : "SER OU NÃO SER EIS A QUESTÃO!“. Hamlet havia encontrado um crânio no meio da terra. Com o crânio na mão ele começou a refletir que ali já existiu vida, energia, teve uma família. Hamlet sabendo sobre a traição da mãe com o tio, e a morte do pai, Shakespare pensou e questionou a si mesmo: se mesmo fazendo errado, mesmo que fez coisas boas sempre acaba em uma só coisa, a morte e só restam ossos no meio da terra, sempre acabando assim, foi aí que Shakespeare anunciou a frase "SER OU NÃO SER EIS A QUESTÃO!“
  2. B) Contexto Histórico: Renascentistas ou humanistas que viviam nos anos Trecento (século XIV) Quattrocento (século XV) Cinquecento (século XVI) consideravam a Idade Média como sendo a “Idade das Trevas” (Dark Age), assim valorizavam a antiguidade clássica de Grécia e Roma, defendendo um retorno e resgate da arte greco-romana, um renascimento. Transição Idade Média para a Idade Moderna: Renascimento Comercial e urbano (especiarias do oriente) Ascensão da burguesia (mecenas): uma burguesia que aprendia ler e a escrever, tinha contato com livros, valorizavam o lucro e a usura, bem como os prazeres da carne. Contato com o oriente
  3. C) ORIGEM: Península Itálica Séc XIV e XV – desenvolvimento comercial (Comércio De Especiarias) Desenvolvimento político e econômico de várias cidades italianas; Rivalidade entre as cidades não apenas no âmbito político, mas também na esfera artística e cultural. MECENAS Banqueiros, ricos comerciantes, nobres e igreja; Foram grandes financiadores da arte renascentista.
  4. 1.1 HUMANISMO: Conceito: Humanismo é a filosofia moral que valoriza e coloca o homem no centro das atenções, do universo. B) Características: Valorização do homem; Estabelecendo uma nova relação entre o homem, a natureza e o divino; Conciliação entre a fé em Deus e a crença na capacidade de realização do ser humano; Releitura dos mestres da cultura greco-latina; Importância da razão; Afirmação do individualismo;
  5. 1.2 – CARACTERÍSTICAS DO RENASCIMENTO: CLASSICISMO: Retorno aos valores clássicos de Grécia e Roma
  6. Sócrates: Ateniense (Filho de um artesão com uma parteira) Lutou na guerra do Peloponeso (2 campanhas militares) Educador “Pai da filosofia” – fundador da filosofia ocidental – “pai e fundador da moral” Trabalhou ética (fundamentada na razão) Combateu os sofistas (consideravam impossível chegar a um conhecimento verdadeiro – preocupados apenas com a retórica) “Só sei que nada sei” Morte por alto envenenamento (cicuta) O MÉTODO SOCRÁTICO: O método socrático consiste em uma técnica de investigação filosófica feita em DIÁLOGO que consiste em o professor (locutor) conduzir o aluno (interlocutor) a um processo de reflexão e descoberta dos próprios valores. Dialético/Diálogo Dividi-se em duas etapas: 1°) IRONIA (“EIRIM” = PERGUNTAR/QUESTIONAR) Sócrates (locutor) faz uma pergunta ao interlocutor. O interlocutor pensa e dá uma resposta a Sócrates. Sócrates busca demonstrar, através de mais perguntar, com base na resposta dada pelo interlocutor: Insuficiência da resposta dada. O preconceito recebido Opiniões subjetivas. Assim o interlocutor passa a questionar a si mesmo e a suas próprias respostas. A finalidade é que o interlocutor reconheça a sua própria ignorância. 2°) MAIÊUTICA (parto das ideias) Sócrates faz as perguntas e comenta as respostas (a fim de induzir o interlocutor a chegar na suas resposta) “se pode alcançar a verdade se dela a alma estiver grávida” (Sócrates) – lembrando que a mãe de Sócrates era parteira - Necessidade de trazer a verdade a luz, assim como a criança precisa da parteira para vir a luz a verdade precisa do filósofo para vir a luz.
  7. PLATÃO E ARISTÓTELES Platão - segura o Timeu e aponta para o alto, sendo assim identificado com o ideal, o mundo inteligível (mundo das ideias). O livro apresenta em uma forma resumida pelas palavras do pitagórico Timeu, os conhecimentos de medicina, matemática, cosmologia e psicologia do tempo de Platão. Aristóteles - segura a Ética e tem a mão na horizontal, representando o terreste, o mundo sensível.
  8. PITÁGORAS: filósofo e matemático grego jônico EUCLIDES DE ALEXANDRIA: Professor, matemático platónico e escritor possivelmente grego, muitas vezes referido como o "Pai da Geometria".
  9. PTOLOMEU Teórico do geocentrismo.
  10. B) ANTROPOCENTRISMO: Oposição ao teocentrismo medieval. Homem no centro das atenções (enquanto criação divina que é) O teto da Capela Sistina é constituído por um extenso afresco, concebido por Michelangelo entre 1508 e 1512. O trabalho, feito a pedido do papa Júlio II
  11. Aparência com anatomia de um cérebro Miquelângelo grande conhecedor de anatomia humana, Deus estaria passando a inteligência ao homem. Michelangelo seguia os princípios da razão. O cérebro era visto como um órgão especial, principal responsável pelo equilíbrio do homem Perna do anjo = hipófise Pernas do anjo e de Deus = tronco encefálico Manto = artéria cerebral
  12. Mona Lisa del Giocondo ("Senhora Lisa [esposa] de Giocondo“ 1495 - Duas vezes viúvo, Francesco del Giocondo casou com uma jovem mulher de nome Lisa.
  13. Sorriso é uma ilusão de ótica (para ver a Gioconda sorrir é preciso olhar para os seus olhos ou para qualquer outra parte do quadro, desde que os lábios fiquem no campo da visão periférica);
  14. A falta de sobrancelhas, por exemplo, foi uma presepada de um restaurador no século 17, que teria usado um solvente forte demais. O cenário teria ainda colunas nas laterais, cortadas para se encaixar na moldura,
  15. A Mona Lisa determinou um padrão para retratos futuros. O retrato apresenta o seu modelo visto apenas acima do busto, com uma paisagem distante visível em plano de fundo. Leonardo usou uma composição em pirâmide, onde a modelo surge no centro com uma expressão calma e serena. A mãos dobradas encontram-se no centro da base piramidal, refletindo a mesma luz que lhe ilumina pescoço e face. 
  16. No fundo do quadro há duas paisagens, o da direita, muito alto, e o da esquerda, muito baixo. O lugar de conexão entre esses dois pontos esta oculto atrás da cabeça de Mona Lisa.
  17. Somente em infravermelho é que pode ser visto um véu.  Isso explica a linha sobre sua testa, para a qual não se tinha explicação convincente   Como essa vestimenta era típica de gestantes ou de mulheres que acabavam de dar à luz, imagina-se que a pintura tenha sido feita para comemorar o nascimento do segundo filho de Lisa Gherardini, mulher de um comerciante de seda de Florença, que, segundo se sabe, serviu de modelo a Leonardo da Vinci. Isso ajudaria ainda a precisar a data da obra: 1503  
  18. D) HEDONISMO: É a valorização dos prazeres sensoriais. Esta visão se opunha à idéia medieval de associar o pecado aos bens e prazeres materiais. Surgido a partir do epicurismo (doutrina da antiguidade grega que identifica o bem com o prazer), o hedonismo representa o prazer como a finalidade da vida (“culto ao prazer”). Botticelli mostra o casamento de Nastagio degli Onesti e a mulher, a filha de Paolo Traversari. Com essa sequência, Sandro Botticelli, procura destacar a magnificência do casamento dos dois protagonistas, aludindo à riqueza e pompa da burguesia florentina. O pintor dá grande atenção a todos os itens sobre as mesas, sobre a roupa finamente decorados de todos os personagens em cena, e a grandeza. O casamento se realiza sob uma loggia da de uma paisagem, com as colunas escuras em que estão localizadas as capitais douradas. Há de ramos de murta dentro do espaço onde você coloca as tochas, que são símbolos do amor. Na parte mais alta da composição, existem os três símbolos das famílias ligadas à mesa, assim como também acontece com a cena anterior, sempre realizada por Botticelli. No fundo, há um arco triunfal, que se assemelham aos encontrados em Roma, visto por Botticelli por seu trabalho na Capela Sistina .
  19. E) NATURALISMO: Valorização da natureza. Homem medieval = natureza era fonte de medo Homem renascentista = natureza como fonte de sabedoria (deveria ser estudada) Estudos mais aprofundados sobre o corpo humano e sua anatomia A Primavera (1482), obra também conhecida como Alegoria da Primavera é um quadro de Sandro Botticelli. O quadro representa e festeja a chegada da Primavera. No meio do bosque de laranjeiras Vénus, a deusa do Amor, surge num prado, por cima do qual o seu filho Eros atira as flechas de amor, com os olhos vendados Trê mulheres (as graças)
  20. Eros atira as flechas de amor, com os olhos vendados
  21. Clóris - na mitologia grega, era a deusa da primavera,
  22. Representa Jesus morto nos braços da Virgem Maria (Fica na basílica de São Pedro) Miguelangelo tinha 23 anos quando esculpiu essa obra. Presuposto
  23. Representa Jesus morto nos braços da Virgem Maria (Fica na basílica de São Pedro) Miguelangelo tinha 23 anos quando esculpiu essa obra.
  24. Representa Jesus morto nos braços da Virgem Maria (Fica na basílica de São Pedro) Miguelangelo tinha 23 anos quando esculpiu essa obra.
  25. Representa Jesus morto nos braços da Virgem Maria (Fica na basílica de São Pedro) Miguelangelo tinha 23 anos quando esculpiu essa obra.
  26. UNIVERSALISMO Homem universal poderia se destacar em várias áreas do conhecimento. Ex. Leonardo da vinci era pintor, escultor, arquiteto, poeta, engenheiro.
  27. UNIVERSALISMO Homem universal poderia se destacar em várias áreas do conhecimento. Ex. Leonardo da vinci era pintor, escultor, arquiteto, poeta, engenheiro.
  28. UNIVERSALISMO Homem universal poderia se destacar em várias áreas do conhecimento. Ex. Leonardo da vinci era pintor, escultor, arquiteto, poeta, engenheiro.
  29. Retrata o herói bíblico com realismo anatômico impressionante; estátua em mármore branco e mede 5,17 m; Michelangelo levou três anos de trabalho para concluir a escultura
  30. Michelangelo retrata o personagem não após a batalha contra Golias (como Donatello e Verrochio antes dele fizeram), mas no momento imediatamente anterior a ela, quando David está apenas se preparando para enfrentar uma força que todos julgavam ser impossível de derrotar.
  31. 2. Renascimento na Literatura Literatura, centrada na figura do homem, com seus defeitos e qualidades, e não mais na idealização do amor e do cavaleiro, encontrada na literatura medieval. 2.2 Principais autores: A) DANTE ALIGHIERI Obra:A DIVINA COMÉDIA poema de viés épico e teológico da literatura italiana e da mundial, escrito por Dante Alighieri no século XIV e dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso Dante é guiado por Virgílio (poeta romano autor de Eneida) em busca de sua amada Beatriz. Poemas compostos de tercetos. A composição do poema é baseada no simbolismo do número 3, que remete à Santíssima Trindade, ao triângulo, Inferno: Dante e Virgílio chegam a Jerusalém (seria o lugar atingido por Lúcifer ao cair o que fez da Terra Santa o Portal do Inferno). No rio Aqueronte, no qual se encontra Caronte, o barqueiro que faz a travessia das almas. Dante e Virgílio chegam O limbo é o local onde as almas que não puderam escolher a Cristo, mas escolheram a virtude, vivem a vida que imaginaram ter após a morte. Dante encontra Homero Purgatório: Segundo Dante, o Purgatório é um espaço intermediário entre o Paraíso e o Inferno. Dante e Virgílio chegam ao porta de São Pedro (guarda as portas do céu). Começam a subir sete círculos correspondem a um dos Sete pecados capitais, na seguinte ordem: Orgulho, Inveja, Ira, Preguiça, Avareza junto ao Pródigo, Gula e Luxúria. Dante se despede de Virgílio, pois este, por ter sido pagão não pode entrar no céu. Paraíso: Dante é guiado por Beatriz sua amada. Pois Virgílio não pode acompanhá-lo pois é um pagão. Dante conheceu Beatriz quando ele tinha 18 anos e ela 17. Ninguém consegue explicar muito bem como surgiu esse imenso amor de Dante por ela, mas, pelo fato de ela conduzir o poeta pelo Paraíso significa que ela teve grande importância na vida dele, além de ter influenciado sua poesia lírica. Beatriz morreu em 1290, deixando Dante em profundo desalento. Há quem diga que por causa da morte dela, ele mergulhou em estudos de filosofia e de religião. No céu, a fé de Dante é colocada à prova, à pedido de Beatriz, por São Pedro.
  32. 2.2 Principais autores: B) Luís de Camões (1524 -1580) I. OBRA: “Os Lusíadas” 1572 Nasceu em Portugal. Freqüentou a corte de D. João III, estudou na Universidade de Coimbra. Por uma desilusão amorosa foi para áfrica onde perdeu um dos olhos. Poema épico que narra o expansionismo português em forma de poemas Relata a façanha dos portugueses (façanhas de homens de carne e osso, pecadores, falhos, mas, em quando criação divina grandiosos) Lusíadas conta a história dos heróis portugueses (chamados de lusitanos). O herói da epopéia é Vasco da Gama descobridor da rota para oriente via périplo africano. Taprobana = Atual Ilha do Sirilanka
  33. 2.2 Principais autores: I. Autor: William Shakespeare 1564-1616 II. Obras: “Hamlet, Romeu e Julieta, Otelo” Coloca as paixões humanas, prazeres e fraquezas no centro das atenções.
  34. 2. Renascimento na Literatura Autor: Thomas Morus (1478-1535) Obra: “Utopia” (OU, que significa “não” e TOPOS, “lugar”. Teria o sentido de “lugar nenhum”,) conceito da sociologia que define uma ideia (imaginária) de algo ideal. Sociedade perfeita = razão e leis da natureza Utopia= paz, igualdade, sem diferença De renda, sem dinheiro, não há status Social, não há egoismo.
  35. 3. Renascimento Científico A) Conceito: Valorização da razão, da experiência e da observação como forma de se alcançar a verdade. Expansão do conhecimento técnico-científico.
  36. 3.1 – A Imprensa A) Tipografia: Johannes Gutenberg (1398 – 1468) Uma liga para os tipos de metal; Tintas à base de óleo; Prensa gráfica inspirada nas prensas de úva; CONSEQUÊNCIAS: Aumento da produção e diminuição do curso dos livros. Ampliação da reprodução do conhecimento Maior difusão do conhecimento renascentista.
  37. 3. Renascimento Científico 3.2 Geocentrismo Vs Heliocentrismo Geocentrismo: Teóricos: Ptolomeu e Aristóteles Teoria: Terra estava no centro do universo e os demais astros giravam no entorno dela. (teoria defendida pela Igreja como um dógma) Heliocentrismo: Teóricos: Nicolau Copérnico e Galileu Galilei Teoria: Terra girava em torno do sol e do sei próprio eixo.
  38. 3.3 O Universo infinito de Giordano Bruno: Latim universum - “tudo junto” ou “tornado um”. Giordano Bruno Foi um teólogo, filósofo, escritor e frade dominicano italiano condenado à morte na fogueira pela Inquisição. Estudou Aristóteles. Acusado de panteísmo e queimado vivo por defender com exaltação poética a doutrina da infinitude do Universo. Um dos pontos chave de sua cosmologia é a tese do universo infinito e povoado por uma infinidade de estrelas, como o Sol, e por outros planetas, nos quais, assim como na Terra, existiria vida inteligente. “O tempo tudo tira e tudo dá; tudo se transforma, nada se destrói”. Frase que é dada como autoria de Antoine Laurent de Lavoisier