SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Prof. Douglas Barraqui
Fenícios, hebreus eFenícios, hebreus e
persaspersas
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
 Origem: Povo semita
 Localização: Entre o
litoral do mar
Mediterrâneo e as
montanhas do atual
Líbano;
 Hoje: Terras do atual
Líbano.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
 Parte desse território era muito
fértil:
 Trigo
 Oliveiras,
 Extrair madeiras nobres, como o
cedro.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
A civilização feníciaA civilização fenícia
 A outra parte do território era muito
quente e árida;
 Montanhas do Líbano impedia os
fenícios de adentrar o continente;
 por isso, eles voltaram suas
atividades para o mar.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
ASPECTOS POLÍTICOS: AS CIDADES-
ESTADO
 O isolamento geográfico dos fenícios
dificultou a formação de um Estado
unificado.
 Assim formaram-se cidades-Estado
independentes;
 Cada uma das cidades-Estado tinha o
próprio rei;
 Assembléia composta, em geral, de
ricos comerciantes;
 Sacerdotes também participavam das
decisões políticas; Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Armadura de bronze fenícia, Museu
Arqueológico da Tunísia
A civilização feníciaA civilização fenícia
ASPECTOS SOCIAIS:
 Rei
 Ricos comerciantes
 Sacerdotes,
 Trabalhadores livres (artesãos,
camponeses, marinheiros,
pequenos comerciantes)
 Escravos, prisioneiros
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
ASPECTOS ECONÔMICOS:
“Fenícios, povo comerciante”
O QUE FAVORECEU:
 A localização geográfica;
 A abundância do cedro, considerada
uma excelente madeira para a
construção de navios,
 Existência de bons portos naturais
favoreceram o comércio marítimo.
A civilização feníciaA civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
ASPECTOS ECONÔMICOS:
ARTESANATO E COMÉRCIO
 Cedro, o cipreste e o pinho, construção
de embarcações;
 Artesanato: produziam tecidos, jóias,
perfumes, vidro, cerâmica decorada,
armas e objetos de marfim;
Moeda Fenícia Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
ASPECTOS ECONÔMICOS: ARTESANATO
E COMÉRCIO
 A tinta púrpura (tingir tecidos),
 Um dos principais produtos
comerciais desse povo, era extraída
da glândula de um molusco marinho
chamado múrice.
 Phoinikés (púnico), usada para
designar os fenícios, deriva de
phóinix, que significa “roxo, púrpura”.
Conchas do caramujo Múrices.
Para obter meio litro de tinta, eram
necessários mais de 60 mil múrices.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
AS NAVEGAÇÕES FENÍCIAS
 Navios de comércio - tinham a
imagem da cabeça de um cavalo na
proa e um casco arredondado que
aumentava o espaço interno,
possibilitando maior volume de
carga.
AS NAVEGAÇÕES FENÍCIAS
 Os Birremes – navios de guerra
utilizados para afugentar piratas e
não para conquistar territórios –
possuíam um aríete e eram longos
e estreitos, com duas fileiras de
remadores para aumentar sua
velocidade.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização feníciaA civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A civilização fenícia
ASPECTOS CULTURAIS
 Politeístas, atribuindo poderes sagrados às manifestações da
natureza, aos astros e à fertilidade.
 A influência egípcia levou os fenícios a acreditar na vida após a
morte e a mumificar pessoas politicamente importantes.
 Cada cidade-Estado tinha seus deuses locais, chamados Baal
e Baalat, “senhor” e “senhora”, porque era proibido pronunciar
seus nomes.
Estatueta do deus
fenício Baal,
século XVI a.C.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
CONTRINUIÇÃO PARA CIÊNCIA:
Contato comercial com outros povos
permitiu fenício criarem:
 Alfabeto com 22 letras com base na
escrita cuneiforme dos sumérios e nos
hieróglifos dos egípcios (adaptado pelos
gregos, que acrescentaram as vogais);
 Matemática e da astronomia, os
fenícios observavam o movimento das
estrelas, as migrações das aves, as
correntes marítimas e os ventos e
utilizavam esses fenômenos como
meios de orientação em suas viagens.
A civilização fenícia
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 Origem: Semita
(Habitou a cidade de Ur)
 Religião: monoteísmo.
Ur
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 A principal fonte histórica para o estudo do povo hebreu são os cinco primeiros
livros da Bíblia, chamados Torá pelo povo judeu e Pentateuco pelos cristãos.
O período dos Patriarcas: que
vai desde a época de Abraão até a
chegada dos hebreus a Canaã
(Palestina);
O período dos Juízes: época das
lutas pela conquista do território
palestino;
O período dos Reis: com a
formação de um Estado monárquico
na Palestina.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
A BÍBLIA COMO FONTE HISTÓRICA
TEOLOGIA
Analisa as religiões judaica e cristã,
a natureza de deus e como ele se
relaciona com o ser humano.
HISTÓRIA
Não se preocupa em provar a
existência de deus ou em descobrir
se ele tem forma humana ou não.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 Séc. XVIII a.C. - Abraão (Patriarca)
 Canaã - “Terra Prometida” (Atual
Palestina).
O PERÍODO DOS PATRIARCAS
PATRIARCAS
Organização social dava-se em torno
de grupos familiares, chefiados por
anciãos que receberam o nome de
Patriarcas.
Abraão
SaraAgar
Ismael
Isaac
Jacó Esaú
Sem
Jafé Cam
Noé
Adão EváProf. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
* Ur
*Carã
*Canaã
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 Rio Jordão - Território fértil, cercado
por montanhas e regiões desérticas.
 Disputa entre vários povos.
O PERÍODO DOS PATRIARCAS
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
ASPECTOS ECONOMICOS:
 Economia: Agro-pastoril;
 Produziram cereais, uvas e
vinhos, figos, azeites e
azeitonas.
 A produção era coletiva e
distribuída entre todos os
integrantes do grupo.
O PERÍODO DOS PATRIARCAS
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
AS MIGRAÇÕES
Motivos:
 Constantes conflitos com os
cananeus;
 Seca prolongado ;
Emigraram para o Egito.
José – recebeu seus irmãos.
O PERÍODO DOS PATRIARCAS
Moisés liderou a fuga do povo hebreu,
abrindo o Mar Vermelho, descrito na Bíblia
no livro de Êxodo
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
* Ur
*Carã
*Canaã
Egito*
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
O PERÍODO DOS JUÍZES
 1200 a.C. e 1000 a.C. - hebreus
habitaram Canaã e enfrentar os
povos que já habitavam o território
– cananeus e filisteus;
 As 12 tribos elegiam um líder, ou
juiz, que ficava responsável pela
resolução dos conflitos internos e
pela organização da defesa militar
contra ataques de povos vizinhos.
Um dos juízes foi Sansão, que possuía
grande força física.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 Século XI a.C. - A fim de
defender-se das ameaças de
invasão dos filisteus, os
israelitas uniram-se e formaram
uma monarquia.
 Os juízes foram substituídos
por um rei que exercia sua
autoridade sobre todas as
tribos.
 O primeiro rei do povo hebreu
foi Saul. Em seguida, o trono
foi assumido por Davi, que
reinou de 1000 a.C. a 960 a.C.
Davi vence o gigante GoliasProf. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
O PERÍODO DOS REIS
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 O auge do poder monárquico
em Israel deu-se no reinado de
Salomão, filho de Davi.
 Construiu o primeiro Templo de
Jerusalém (onde teria sido
guardada a Arca da Aliança,
com as tábuas dos Dez
Mandamentos);
Salomão, considerado como o rei
mais sábio
A DIVISÃO DO REINO
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 920 a.C. - Roboão, filho de
Salomão, assumiu o reino
 Manteve a política de altos
impostos.
 A população rebelou-se, e o reino
foi dividido em dois: Israel e Judá
Reino de
Israel
Reino de
Judá
Samaria
Jerusalém
A DIVISÃO DO REINO
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
REINO DE ISRAEL
 Dez tribos fizeram parte desse reino,
que se manteve independente até 722
a.C., quando foi conquistado pelos
assírios, liderados pelo rei Sargão II.
A conquista assíria ocorreu cerca de
150 anos antes de o povo de Judá ser
enviado como escravo para a
Babilônia.
Reino de
Israel
Samaria
A DIVISÃO DO REINO
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
REINO DE JUDÁ
 Foi formado pela tribo de Judá e
por metade da tribo de Benjamim.
Em 587 a.C., o reino de Judá foi
conquistado pelo rei
Nabucodonosor, e parte da
população foi levada para a
Babilônia, episódio denominado
Cativeiro da Babilônia.
Reino de
Judá
Jerusalém
A DIVISÃO DO REINO
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca da
Terra Prometida
 Sargão II - expulsou a população para
os territórios assírios e levou
estrangeiros para ocupar as terras do
reino de Israel.
 Em Israel ocorreu a miscigenação, o
que gerou conflitos entre Israel e
Judá;
Reino de
Israel
Reino de
Judá
A DIVISÃO DO REINO
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
CULTURA DOS HEBREUS: A RELIGIÃO
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
 Grande influência da
Religião (primeiro povo
monoteísta de que se tem
conhecimento);
 Deus único (Javé), criador
do Universo e da
humanidade
 Crença no messianismo;
 Importância dos profetas;
 Sinagogas (templos
religiosos);
Sinagoga de Plzeň - República
Checa
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
As mulheres ficavam
separadas dos homens
nas sinagogas.
Pátio com uma fonte. Era
grande a preocupação
dos judeus com a pureza
e com a higiene.
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
Púlpito no centro da sinagoga –
local onde eram lidas as
escrituras.
Arca ou tabernáculo
local onde ficavam os
rolos contendo as
sagradas escrituras.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Considerado o único vestígio do segundo Templo
de Jerusalém.
Antiga muralha que Herodes mandara construir
em volta do templo em 20 d.C.
MURO DAS LAMENTAÇÕES
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
COSTUMES JUDEUS
Leitura da Torá – corresponde aos cinco
primeiros livros da bíblia.
Reúnem-se aos sábados – considerado o
dia mais importante da semana, dia
reservado para o descanso.
Durante o casamento judeu – um vidro é
quebrado para lembrar as pessoas que a
felicidade nunca será completa, até que o
templo de Jerusalém seja reconstruído.
O rabino pede sete bênçãos, e na última
um retorno a terra prometida.
 QUIPÁ
Representa o fato de que Deus
está acima de tudo e que ele
acompanha e protege os judeus
em todos os lugares TEFILIN 
Caixas quadradas com tiras de
couro. Dentro das caixas
contem trechos do Torá escrito
em um pergaminho. Amarrados
nos braços dos homens com
mais de 13 anos
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
COSTUMES JUDEUS
 TALIT
Manto listrado usado pelos
homens em orações matinais.
Serve para que todos nas
cinagogas sejam vistos sem
distinção.
 PEIOT
designa os cachos de cabelos
laterais característicos dos
judeus ortodoxos, que cumprem
este mandamento devido à
ordenança de não raspar os
lados da cabeça
Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da
Terra PrometidaTerra Prometida
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
COSTUMES JUDEUS
Benjamin (ator Sidney Sampaio)
Novela Caras e Bocas
A hamsá – Mão de Deus
Estrela de Davi
Os hebreus: em busca da
Terra Prometida
SÍMBOLOS JUDAICOS
A Menorá é um
candelabro de
sete braços.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 Séc. XX a.C. – Migração de povos indo-europeus (povos que habitavam o sul
da Europa) para o Planalto do Irã;
Ao norte, - medos
(reino da Média)
Ao sul - persas
(reino da Pérsia)
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 O rei dos medos, Ciaxares (625 a.C.-585 a.C.),
dominou os persas e unificou os reinos.
 Sucessores não conseguiram dar continuidade à
unidade política.
 Em 559 a.C., Ciro II, o rei dos persas, tomou o
poder e unificou novamente os dois reinos.
UNIFICAÇÃO
Ciro IIProf. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 O crescimento populacional criou a
necessidade de ampliar as fronteiras
do reino, em busca de terras férteis
para a produção de alimentos.
 Dominaram a Babilônia (libertando os
hebreus do cativeiro), a Fenícia, a
Síria e a Palestina.
 expansão territorial foi
caracterizada pela tolerância em
relação à cultura dos povos
conquistados.
 permitia a continuidade das práticas
religiosas e comerciais e concedia
certa autonomia aos dirigentes locais.
 Em troca, exigia homens para o
exército, alimentos, metais e
impostos
A EXPANSÃO E O IMPÉRIO PERSA
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
Em seu reinado que o império atingiu
sua maior extensão;
 criou as SATRAPIAS:
 20 províncias
 Deveriam pagar impostos
proporcionais à riqueza;
 Governadas pelos sátrapas (Chefes
Locais);
 A fim de controlar a ação dos
sátrapas e de fiscalizar a
arrecadação de impostos, Dario I
designou, para cada satrapia,
homens de sua confiança como
chefes militares e inspetores,
DARIO I E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO IMPÉRIO PERSA
DARIO IProf. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 Criou um sistema unificado de
impostos;
 Construiu uma rede de estradas
pavimentadas, que ligavam o
território à Mesopotâmia, à
Palestina, à Fenícia e ao Egito;
 Padronizou o sistema de pesos e
medidas;
 Organizou um sistema de correios
 Adotou o aramaico como língua
oficial com a intenção de facilitar
a comunicação e a atividade
econômica entre as províncias;
DARIO I E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO IMPÉRIO PERSA
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 Antes de formarem um império:
 Agricultura (cultivo de centeio, trigo, cevada
e hortaliças,
 Pastoreio (criação de cabras, bois e ovelhas).
 Após a expansão territorial:
 Comércio (caravanas)
 artesanato
ECONOMIAECONOMIA
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 Difusão da língua aramaica;
RELIGIÃO E CULTURARELIGIÃO E CULTURA
A influencia de outros povos é notada
nas construções de palácios, monumentos
e no artesanato;
Tapeçaria Persa
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 Difusão da língua aramaica;
 A influencia de outros povos é notada nas
construções de palácios e monumentos;
 Inicialmente eram politeístas (cultuavam as
forças da natureza);
 Zoroastro, ou Zaratustra (628 a.C.-551 a.C.),
foi responsável por uma reforma religiosa:
 Criou o zoroastrismo,
 Fundamentos estão no livro Zend-Avesta,
escrito pelo próprio Zoroastro.
RELIGIÃO E CULTURARELIGIÃO E CULTURA
Representação de
Zaratustra
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Os PersasOs Persas
 De acordo com o zoroastrismo o Universo seria
regido por dois deuses:
 Ormuz: deus do bem, representado pelo fogo,
 Arimã: deus do mal, representado por uma
serpente.
 O conflito entre esses deuses representaria a
luta entre o bem e o mal.
 Acreditam no juízo final;
 Crença no paraíso;
 Acreditavam na vinda de um messias;
 Algumas das características da religião persa são
encontradas em outras religiões, como o
judaísmo, o cristianismo e o islamismo.
RELIGIÃO E CULTURARELIGIÃO E CULTURA O Faravahar (ou Ferohar),
representação da alma
humana antes do
nascimento e depois da
morte, é um dos símbolos
do zoroastrismo.
ReferênciasReferências
• AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 6º ano. São
Paulo: Ática, 1º ed., 2012.
• CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser
protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010.
• COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed.
São Paulo: Saraiva 2005.
• Projeto Araribá: História – 6º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010.
Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani.
• Uno: Sistema de Ensino – História – 6º ano. São Paulo: Grupo Santillana, 2011. Editor
Responsável: Angélica Pizzutto Pozzani.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Nota do autor:Nota do autor:
• Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading. Outros, porém, por
questões de direitos autorais e direitos de imagens, não estão disponíveis para serem
baixados gratuitamente.
• Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar alguma apresentação
com um tema em especial, entre em contato comigo pelo E-mail (
ambientalhistoria@gmail.com).
• Visite minha página na internet:
www.dougnahistoria.blogspot.com.br
Prof. Douglas Barraqui
_______________________
PROF. DE HISTÓRIA
(ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA CONCURSO, PRÉ-VESTIBULAR E
PRÉ-IFES)
TEL: (27) 99732-1315 / (27) 98889-1622
E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com
Páginas na internet:
www.dougnahistoria.blogspot.com
www.ambietalhistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persasAjudar Pessoas
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraNívia Sales
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 
Antigas civilizações
Antigas civilizações Antigas civilizações
Antigas civilizações Adail Silva
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOScarlosbidu
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesMarcia Fernandes
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaJanaína Bindá
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Nefer19
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européiaedna2
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade médiaDirair
 

Mais procurados (20)

1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Antiguidade Oriental
Antiguidade OrientalAntiguidade Oriental
Antiguidade Oriental
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Antigas civilizações
Antigas civilizações Antigas civilizações
Antigas civilizações
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 

Destaque

PIBID UEPB História Campus I Escola Aplicação
PIBID UEPB História Campus I Escola AplicaçãoPIBID UEPB História Campus I Escola Aplicação
PIBID UEPB História Campus I Escola Aplicaçãoescolaaplicacao
 
O Reino de Cartago
O Reino de CartagoO Reino de Cartago
O Reino de Cartago2dot4
 
Mediterrâneo Antigo
Mediterrâneo AntigoMediterrâneo Antigo
Mediterrâneo Antigorenascimento
 
Império Songhai
Império SonghaiImpério Songhai
Império Songhai2dot4
 
Primeiros Povos
Primeiros PovosPrimeiros Povos
Primeiros Povoszialucio
 
5º tema II
5º   tema II5º   tema II
5º tema IIliedson
 
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregosOs iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregosFernandoMarques
 
Primeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibéricaPrimeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibéricaeb1favaios
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalLuisa Jesus
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaHistN
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaHistN
 
08 hebreus e fenícios
08   hebreus e fenícios08   hebreus e fenícios
08 hebreus e feníciosCarla Freitas
 

Destaque (20)

PIBID UEPB História Campus I Escola Aplicação
PIBID UEPB História Campus I Escola AplicaçãoPIBID UEPB História Campus I Escola Aplicação
PIBID UEPB História Campus I Escola Aplicação
 
O Povo Hebreu
O Povo HebreuO Povo Hebreu
O Povo Hebreu
 
O Reino de Cartago
O Reino de CartagoO Reino de Cartago
O Reino de Cartago
 
Mediterrâneo Antigo
Mediterrâneo AntigoMediterrâneo Antigo
Mediterrâneo Antigo
 
Songhai
SonghaiSonghai
Songhai
 
Império Songhai
Império SonghaiImpério Songhai
Império Songhai
 
Primeiros Povos
Primeiros PovosPrimeiros Povos
Primeiros Povos
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
5º tema II
5º   tema II5º   tema II
5º tema II
 
Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
 
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregosOs iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
 
Fenicios slide
Fenicios slideFenicios slide
Fenicios slide
 
Primeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibéricaPrimeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibérica
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos Em Portugal
Os Romanos Em PortugalOs Romanos Em Portugal
Os Romanos Em Portugal
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
08 hebreus e fenícios
08   hebreus e fenícios08   hebreus e fenícios
08 hebreus e fenícios
 

Semelhante a Fenícios, hebreus e persas

FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxFENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxElisa Maria Gomide
 
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e PersasCCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e PersasNívia Sales
 
Fenicios, Persas e Hebreus
Fenicios, Persas e HebreusFenicios, Persas e Hebreus
Fenicios, Persas e HebreusHernani Robinson
 
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)Mariana Labes
 
1ano hebreus persas e fencios-
1ano hebreus persas e fencios-1ano hebreus persas e fencios-
1ano hebreus persas e fencios-Marilce Reis
 
Slides Geografia SETEMIRJ
Slides Geografia SETEMIRJSlides Geografia SETEMIRJ
Slides Geografia SETEMIRJAd Junior
 
Hebreus, fenícios e persas
Hebreus, fenícios e persasHebreus, fenícios e persas
Hebreus, fenícios e persasElton Zanoni
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasFabiane Santana
 
A pré história sul maericana
A pré história sul maericanaA pré história sul maericana
A pré história sul maericanadinicmax
 
Civilizações antigas os hebreus , filisteus e persas
Civilizações antigas os hebreus , filisteus e persasCivilizações antigas os hebreus , filisteus e persas
Civilizações antigas os hebreus , filisteus e persasMaria Calvo
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaMarinete Santos
 
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes BarbarasAlexandre Protásio
 

Semelhante a Fenícios, hebreus e persas (20)

FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxFENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
 
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e PersasCCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
CCI/HISTÓRIA-Hebreus, Fenícios e Persas
 
Os Fenicios
Os FeniciosOs Fenicios
Os Fenicios
 
P civilizacoes
P civilizacoesP civilizacoes
P civilizacoes
 
Fenicios, Persas e Hebreus
Fenicios, Persas e HebreusFenicios, Persas e Hebreus
Fenicios, Persas e Hebreus
 
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
1ano hebreuspersasefencios-120430134443-phpapp02(1)
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
 
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persasCapítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
 
1ano hebreus persas e fencios-
1ano hebreus persas e fencios-1ano hebreus persas e fencios-
1ano hebreus persas e fencios-
 
Slides Geografia SETEMIRJ
Slides Geografia SETEMIRJSlides Geografia SETEMIRJ
Slides Geografia SETEMIRJ
 
hebreus persas efencios
 hebreus persas efencios hebreus persas efencios
hebreus persas efencios
 
Hebreus, fenícios e persas
Hebreus, fenícios e persasHebreus, fenícios e persas
Hebreus, fenícios e persas
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
 
A pré história sul maericana
A pré história sul maericanaA pré história sul maericana
A pré história sul maericana
 
Civilizações antigas os hebreus , filisteus e persas
Civilizações antigas os hebreus , filisteus e persasCivilizações antigas os hebreus , filisteus e persas
Civilizações antigas os hebreus , filisteus e persas
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História Antiga
 
Fenicia
FeniciaFenicia
Fenicia
 
Hebreus história
Hebreus históriaHebreus história
Hebreus história
 
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
1. Pre-Historia - Invasoes Barbaras
 
Povos antigos da africa
Povos antigos da africaPovos antigos da africa
Povos antigos da africa
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADEDouglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃODouglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGADouglas Barraqui
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASDouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERDouglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALDouglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINADouglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaDouglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaDouglas Barraqui
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraDouglas Barraqui
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDouglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 

Último (20)

Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 

Fenícios, hebreus e persas

  • 1. Prof. Douglas Barraqui Fenícios, hebreus eFenícios, hebreus e persaspersas Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 2. A civilização feníciaA civilização fenícia  Origem: Povo semita  Localização: Entre o litoral do mar Mediterrâneo e as montanhas do atual Líbano;  Hoje: Terras do atual Líbano. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 3. A civilização feníciaA civilização fenícia  Parte desse território era muito fértil:  Trigo  Oliveiras,  Extrair madeiras nobres, como o cedro. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 4. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com A civilização feníciaA civilização fenícia
  • 5. A civilização feníciaA civilização fenícia  A outra parte do território era muito quente e árida;  Montanhas do Líbano impedia os fenícios de adentrar o continente;  por isso, eles voltaram suas atividades para o mar. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 6. A civilização feníciaA civilização fenícia ASPECTOS POLÍTICOS: AS CIDADES- ESTADO  O isolamento geográfico dos fenícios dificultou a formação de um Estado unificado.  Assim formaram-se cidades-Estado independentes;  Cada uma das cidades-Estado tinha o próprio rei;  Assembléia composta, em geral, de ricos comerciantes;  Sacerdotes também participavam das decisões políticas; Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 7. Armadura de bronze fenícia, Museu Arqueológico da Tunísia A civilização feníciaA civilização fenícia ASPECTOS SOCIAIS:  Rei  Ricos comerciantes  Sacerdotes,  Trabalhadores livres (artesãos, camponeses, marinheiros, pequenos comerciantes)  Escravos, prisioneiros Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 8. ASPECTOS ECONÔMICOS: “Fenícios, povo comerciante” O QUE FAVORECEU:  A localização geográfica;  A abundância do cedro, considerada uma excelente madeira para a construção de navios,  Existência de bons portos naturais favoreceram o comércio marítimo. A civilização feníciaA civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 9. A civilização feníciaA civilização fenícia ASPECTOS ECONÔMICOS: ARTESANATO E COMÉRCIO  Cedro, o cipreste e o pinho, construção de embarcações;  Artesanato: produziam tecidos, jóias, perfumes, vidro, cerâmica decorada, armas e objetos de marfim; Moeda Fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 10. A civilização feníciaA civilização fenícia ASPECTOS ECONÔMICOS: ARTESANATO E COMÉRCIO  A tinta púrpura (tingir tecidos),  Um dos principais produtos comerciais desse povo, era extraída da glândula de um molusco marinho chamado múrice.  Phoinikés (púnico), usada para designar os fenícios, deriva de phóinix, que significa “roxo, púrpura”. Conchas do caramujo Múrices. Para obter meio litro de tinta, eram necessários mais de 60 mil múrices. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 11. A civilização feníciaA civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 12. A civilização feníciaA civilização fenícia AS NAVEGAÇÕES FENÍCIAS  Navios de comércio - tinham a imagem da cabeça de um cavalo na proa e um casco arredondado que aumentava o espaço interno, possibilitando maior volume de carga. AS NAVEGAÇÕES FENÍCIAS  Os Birremes – navios de guerra utilizados para afugentar piratas e não para conquistar territórios – possuíam um aríete e eram longos e estreitos, com duas fileiras de remadores para aumentar sua velocidade. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 13. A civilização feníciaA civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 14. A civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 15. A civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 16. A civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 17. A civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 18. A civilização fenícia ASPECTOS CULTURAIS  Politeístas, atribuindo poderes sagrados às manifestações da natureza, aos astros e à fertilidade.  A influência egípcia levou os fenícios a acreditar na vida após a morte e a mumificar pessoas politicamente importantes.  Cada cidade-Estado tinha seus deuses locais, chamados Baal e Baalat, “senhor” e “senhora”, porque era proibido pronunciar seus nomes. Estatueta do deus fenício Baal, século XVI a.C. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 19. CONTRINUIÇÃO PARA CIÊNCIA: Contato comercial com outros povos permitiu fenício criarem:  Alfabeto com 22 letras com base na escrita cuneiforme dos sumérios e nos hieróglifos dos egípcios (adaptado pelos gregos, que acrescentaram as vogais);  Matemática e da astronomia, os fenícios observavam o movimento das estrelas, as migrações das aves, as correntes marítimas e os ventos e utilizavam esses fenômenos como meios de orientação em suas viagens. A civilização fenícia Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 20. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  Origem: Semita (Habitou a cidade de Ur)  Religião: monoteísmo. Ur Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 21. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  A principal fonte histórica para o estudo do povo hebreu são os cinco primeiros livros da Bíblia, chamados Torá pelo povo judeu e Pentateuco pelos cristãos. O período dos Patriarcas: que vai desde a época de Abraão até a chegada dos hebreus a Canaã (Palestina); O período dos Juízes: época das lutas pela conquista do território palestino; O período dos Reis: com a formação de um Estado monárquico na Palestina. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 22. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida A BÍBLIA COMO FONTE HISTÓRICA TEOLOGIA Analisa as religiões judaica e cristã, a natureza de deus e como ele se relaciona com o ser humano. HISTÓRIA Não se preocupa em provar a existência de deus ou em descobrir se ele tem forma humana ou não. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 23. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  Séc. XVIII a.C. - Abraão (Patriarca)  Canaã - “Terra Prometida” (Atual Palestina). O PERÍODO DOS PATRIARCAS PATRIARCAS Organização social dava-se em torno de grupos familiares, chefiados por anciãos que receberam o nome de Patriarcas. Abraão SaraAgar Ismael Isaac Jacó Esaú Sem Jafé Cam Noé Adão EváProf. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 24. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida * Ur *Carã *Canaã Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 25. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  Rio Jordão - Território fértil, cercado por montanhas e regiões desérticas.  Disputa entre vários povos. O PERÍODO DOS PATRIARCAS Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 26. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida ASPECTOS ECONOMICOS:  Economia: Agro-pastoril;  Produziram cereais, uvas e vinhos, figos, azeites e azeitonas.  A produção era coletiva e distribuída entre todos os integrantes do grupo. O PERÍODO DOS PATRIARCAS Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 27. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida AS MIGRAÇÕES Motivos:  Constantes conflitos com os cananeus;  Seca prolongado ; Emigraram para o Egito. José – recebeu seus irmãos. O PERÍODO DOS PATRIARCAS Moisés liderou a fuga do povo hebreu, abrindo o Mar Vermelho, descrito na Bíblia no livro de Êxodo Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 28. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida * Ur *Carã *Canaã Egito* Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 29. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida O PERÍODO DOS JUÍZES  1200 a.C. e 1000 a.C. - hebreus habitaram Canaã e enfrentar os povos que já habitavam o território – cananeus e filisteus;  As 12 tribos elegiam um líder, ou juiz, que ficava responsável pela resolução dos conflitos internos e pela organização da defesa militar contra ataques de povos vizinhos. Um dos juízes foi Sansão, que possuía grande força física. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 30. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  Século XI a.C. - A fim de defender-se das ameaças de invasão dos filisteus, os israelitas uniram-se e formaram uma monarquia.  Os juízes foram substituídos por um rei que exercia sua autoridade sobre todas as tribos.  O primeiro rei do povo hebreu foi Saul. Em seguida, o trono foi assumido por Davi, que reinou de 1000 a.C. a 960 a.C. Davi vence o gigante GoliasProf. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com O PERÍODO DOS REIS
  • 31. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  O auge do poder monárquico em Israel deu-se no reinado de Salomão, filho de Davi.  Construiu o primeiro Templo de Jerusalém (onde teria sido guardada a Arca da Aliança, com as tábuas dos Dez Mandamentos); Salomão, considerado como o rei mais sábio A DIVISÃO DO REINO Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 32. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  920 a.C. - Roboão, filho de Salomão, assumiu o reino  Manteve a política de altos impostos.  A população rebelou-se, e o reino foi dividido em dois: Israel e Judá Reino de Israel Reino de Judá Samaria Jerusalém A DIVISÃO DO REINO Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 33. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida REINO DE ISRAEL  Dez tribos fizeram parte desse reino, que se manteve independente até 722 a.C., quando foi conquistado pelos assírios, liderados pelo rei Sargão II. A conquista assíria ocorreu cerca de 150 anos antes de o povo de Judá ser enviado como escravo para a Babilônia. Reino de Israel Samaria A DIVISÃO DO REINO Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 34. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida REINO DE JUDÁ  Foi formado pela tribo de Judá e por metade da tribo de Benjamim. Em 587 a.C., o reino de Judá foi conquistado pelo rei Nabucodonosor, e parte da população foi levada para a Babilônia, episódio denominado Cativeiro da Babilônia. Reino de Judá Jerusalém A DIVISÃO DO REINO Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 35. Os hebreus: em busca da Terra Prometida  Sargão II - expulsou a população para os territórios assírios e levou estrangeiros para ocupar as terras do reino de Israel.  Em Israel ocorreu a miscigenação, o que gerou conflitos entre Israel e Judá; Reino de Israel Reino de Judá A DIVISÃO DO REINO Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 36. CULTURA DOS HEBREUS: A RELIGIÃO Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida  Grande influência da Religião (primeiro povo monoteísta de que se tem conhecimento);  Deus único (Javé), criador do Universo e da humanidade  Crença no messianismo;  Importância dos profetas;  Sinagogas (templos religiosos); Sinagoga de Plzeň - República Checa Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 37. As mulheres ficavam separadas dos homens nas sinagogas. Pátio com uma fonte. Era grande a preocupação dos judeus com a pureza e com a higiene. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida Púlpito no centro da sinagoga – local onde eram lidas as escrituras. Arca ou tabernáculo local onde ficavam os rolos contendo as sagradas escrituras. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 38. Considerado o único vestígio do segundo Templo de Jerusalém. Antiga muralha que Herodes mandara construir em volta do templo em 20 d.C. MURO DAS LAMENTAÇÕES Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 39. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 40. Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com COSTUMES JUDEUS Leitura da Torá – corresponde aos cinco primeiros livros da bíblia. Reúnem-se aos sábados – considerado o dia mais importante da semana, dia reservado para o descanso. Durante o casamento judeu – um vidro é quebrado para lembrar as pessoas que a felicidade nunca será completa, até que o templo de Jerusalém seja reconstruído. O rabino pede sete bênçãos, e na última um retorno a terra prometida.
  • 41.  QUIPÁ Representa o fato de que Deus está acima de tudo e que ele acompanha e protege os judeus em todos os lugares TEFILIN  Caixas quadradas com tiras de couro. Dentro das caixas contem trechos do Torá escrito em um pergaminho. Amarrados nos braços dos homens com mais de 13 anos Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com COSTUMES JUDEUS
  • 42.  TALIT Manto listrado usado pelos homens em orações matinais. Serve para que todos nas cinagogas sejam vistos sem distinção.  PEIOT designa os cachos de cabelos laterais característicos dos judeus ortodoxos, que cumprem este mandamento devido à ordenança de não raspar os lados da cabeça Os hebreus: em busca daOs hebreus: em busca da Terra PrometidaTerra Prometida Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com COSTUMES JUDEUS Benjamin (ator Sidney Sampaio) Novela Caras e Bocas
  • 43. A hamsá – Mão de Deus Estrela de Davi Os hebreus: em busca da Terra Prometida SÍMBOLOS JUDAICOS A Menorá é um candelabro de sete braços. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 44. Os PersasOs Persas  Séc. XX a.C. – Migração de povos indo-europeus (povos que habitavam o sul da Europa) para o Planalto do Irã; Ao norte, - medos (reino da Média) Ao sul - persas (reino da Pérsia) Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 45. Os PersasOs Persas  O rei dos medos, Ciaxares (625 a.C.-585 a.C.), dominou os persas e unificou os reinos.  Sucessores não conseguiram dar continuidade à unidade política.  Em 559 a.C., Ciro II, o rei dos persas, tomou o poder e unificou novamente os dois reinos. UNIFICAÇÃO Ciro IIProf. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 46. Os PersasOs Persas  O crescimento populacional criou a necessidade de ampliar as fronteiras do reino, em busca de terras férteis para a produção de alimentos.  Dominaram a Babilônia (libertando os hebreus do cativeiro), a Fenícia, a Síria e a Palestina.  expansão territorial foi caracterizada pela tolerância em relação à cultura dos povos conquistados.  permitia a continuidade das práticas religiosas e comerciais e concedia certa autonomia aos dirigentes locais.  Em troca, exigia homens para o exército, alimentos, metais e impostos A EXPANSÃO E O IMPÉRIO PERSA Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 47. Os PersasOs Persas Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 48. Os PersasOs Persas Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 49. Os PersasOs Persas Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 50. Os PersasOs Persas Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 51. Os PersasOs Persas Em seu reinado que o império atingiu sua maior extensão;  criou as SATRAPIAS:  20 províncias  Deveriam pagar impostos proporcionais à riqueza;  Governadas pelos sátrapas (Chefes Locais);  A fim de controlar a ação dos sátrapas e de fiscalizar a arrecadação de impostos, Dario I designou, para cada satrapia, homens de sua confiança como chefes militares e inspetores, DARIO I E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO IMPÉRIO PERSA DARIO IProf. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 52. Os PersasOs Persas  Criou um sistema unificado de impostos;  Construiu uma rede de estradas pavimentadas, que ligavam o território à Mesopotâmia, à Palestina, à Fenícia e ao Egito;  Padronizou o sistema de pesos e medidas;  Organizou um sistema de correios  Adotou o aramaico como língua oficial com a intenção de facilitar a comunicação e a atividade econômica entre as províncias; DARIO I E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO IMPÉRIO PERSA Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 53. Os PersasOs Persas  Antes de formarem um império:  Agricultura (cultivo de centeio, trigo, cevada e hortaliças,  Pastoreio (criação de cabras, bois e ovelhas).  Após a expansão territorial:  Comércio (caravanas)  artesanato ECONOMIAECONOMIA Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 54. Os PersasOs Persas  Difusão da língua aramaica; RELIGIÃO E CULTURARELIGIÃO E CULTURA A influencia de outros povos é notada nas construções de palácios, monumentos e no artesanato; Tapeçaria Persa Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 55. Os PersasOs Persas  Difusão da língua aramaica;  A influencia de outros povos é notada nas construções de palácios e monumentos;  Inicialmente eram politeístas (cultuavam as forças da natureza);  Zoroastro, ou Zaratustra (628 a.C.-551 a.C.), foi responsável por uma reforma religiosa:  Criou o zoroastrismo,  Fundamentos estão no livro Zend-Avesta, escrito pelo próprio Zoroastro. RELIGIÃO E CULTURARELIGIÃO E CULTURA Representação de Zaratustra Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 56. Os PersasOs Persas  De acordo com o zoroastrismo o Universo seria regido por dois deuses:  Ormuz: deus do bem, representado pelo fogo,  Arimã: deus do mal, representado por uma serpente.  O conflito entre esses deuses representaria a luta entre o bem e o mal.  Acreditam no juízo final;  Crença no paraíso;  Acreditavam na vinda de um messias;  Algumas das características da religião persa são encontradas em outras religiões, como o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. RELIGIÃO E CULTURARELIGIÃO E CULTURA O Faravahar (ou Ferohar), representação da alma humana antes do nascimento e depois da morte, é um dos símbolos do zoroastrismo.
  • 57. ReferênciasReferências • AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 6º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012. • CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010. • COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005. • Projeto Araribá: História – 6º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani. • Uno: Sistema de Ensino – História – 6º ano. São Paulo: Grupo Santillana, 2011. Editor Responsável: Angélica Pizzutto Pozzani. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 58. Nota do autor:Nota do autor: • Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading. Outros, porém, por questões de direitos autorais e direitos de imagens, não estão disponíveis para serem baixados gratuitamente. • Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar alguma apresentação com um tema em especial, entre em contato comigo pelo E-mail ( ambientalhistoria@gmail.com). • Visite minha página na internet: www.dougnahistoria.blogspot.com.br Prof. Douglas Barraqui _______________________ PROF. DE HISTÓRIA (ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA CONCURSO, PRÉ-VESTIBULAR E PRÉ-IFES) TEL: (27) 99732-1315 / (27) 98889-1622 E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com Páginas na internet: www.dougnahistoria.blogspot.com www.ambietalhistoria.blogspot.com Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com