SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
MÓDULO 02
DURKHEIM E WEBER
Prof. Douglas Barraqui
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
“A construção do ser social,
feita em boa parte pela
educação, é a assimilação
pelo indivíduo de uma série
de normas e princípios —
sejam morais, religiosos,
éticos ou de comportamento
— que balizam a conduta do
indivíduo num grupo. O
homem, mais do que
formador da sociedade, é um
produto dela.”
(Émile Durkheim 1858-1917)
A) INSTITUIÇÕES SOCIAIS:
I- Definição:
“Regras, Comportamentos e Valores”
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
B) CONSCIÊNCIA COLETIVA:
I- Definição:
“Conjunto de crenças e sentimentos comuns”
Indivíduo / PRODUTO DO MEIO/ determinado
Coletividade / individualidade
Consciência COLETIVA / consciência INDIVIDUAL.
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
C) COESÃO SOCIAL:
I- Definição:
> CONSCIÊNCIA COLETIVA > COESÃO SOCIAL
II – MÉTODO:
Quantitativo.
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
D) OBJETO DA SOCIOLOGIA:
FATO SOCIAL
I – Obra:
II – Conceito:
1)Coercitividade:
2) Exterioridade:
3) Generalidade:
III – Tipos de Fatos Sociais:
1)Normais
2)Patológicos
IV – Anomia Social
Valores em crise + fatos sociais
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
E) DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO:
I – Definição:
“Formas de os indivíduos se colocarem em relação social uns com os outro”.
>DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO + COMPLEXA É A SOCIEDADE
Sociedade pós Rev. Industrial:
Sociedade ANÔMICA = sem MORAL definida
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
F) FORMAS DE SOLIDARIEDADE:
I.Conceito:
“é o modo como os indivíduos se relacionam dando sentido às ações
individuais”.
(ESTIMULA)
SOLIDARIEDADE MECÂNICA X SOLIDARIEDADE ORGÂNICA
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO SOLIDARIEDADE
G) O SUICÍDIO:
I – Obra:
II- Tipos de suicídio:
1)Suicídio egoísta:
2)Suicídio altruísta:
3)Suicídio anônimo:
1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER (1864-1920)
“Por mais que a vida tenha um
sentido, só conhece o
combate eterno que os
deuses travam entre si, ou,
evitando a metáfora, só
conhece a incompatibilidade
dos pontos de vista últimos
possíveis, a impossibilidade
de regular os seus conflitos
e portanto a necessidade de
se decidir a favor de um ou
de outro”.
(Max Weber 1864-1920)
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER
A) MODERNIDADE:
Ferdinand Victor E. D.William Bell Scott
Capitalismo Burguesia
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER
B) DESENCANTAMENTO PELO MUNDO:
PROCESSO
DE
RACIONALIZAÇÃO
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER
C) OBJETO DA SOCIOLOGIA:
AÇÃO SOCIAL:
I – Conceito:
“Conduta humana dotada de sentido”
II – Tipos de ação social:
1) Ação tradicional
2) Ação efetiva:
3) Ação racional com relação a valores:
4) Ação racional com relação a fins:
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER
D) O “TIPO IDEAL”:
I – Conceito:
 Ferramenta metodológica
 Construção mental
 Modelo idealizado
II – Metodologia:
 Caracterizar o objeto de
pesquisa
 chegar em um
“tipo ideal”.
COMPARAÇÃO
E) TIPOS DE DOMINAÇÃO:
I – Conceito:
“Relação entre homens que dominam os seus iguais”
VIOLÊNCIA LEGÍTIMA (existe) CONCORDANCIA  ACEITAÇÃO
II – Tipos de Dominação:
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER
Dominação Tradicional
Dominação Racional-legal
Dominação
Carismática
1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER
F) A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO:
Moral Calvinista:
VALORIZAÇÃO DO TRABALHO
AÇÕES INDIVIDUAIS
ESPÍRITO DE POUPAR
+
+
NÃO DISPERDÍCIO
+
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
• MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar,
1988
• SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002
• LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997
• LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas,
1999
• CHARON, Joel M. Sociologia . São Paulo: Saraiva, 2002
• GUARESCHI, Pedrinho. Sociologia Crítica . Porto Alegre: EdPUCRS, 2002
• GOMES, Cândido. A Educação em perspectiva sociológica. São Paulo:
EPU, 1985
• BOUDON, R. BOURRICAUD, F. Dicionário crítico de Sociologia. São Paulo:
Ática, 2000
• MEKSENAS, Paulo. Sociologia. Coleção Magistério 2º Grau. São Paulo:
Cortez.
• COSTA, Cristina. Sociologia – Introdução à Ciência da Sociedade. São

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Paula Meyer Piagentini
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologiaLucio Oliveira
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociaismarifonseca
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaMarcelo Freitas
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)e neto
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaJosias Vitor
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poderJosé Amaral
 
Sociologia sociologia contemporanea
Sociologia   sociologia contemporaneaSociologia   sociologia contemporanea
Sociologia sociologia contemporaneaDaniele Rubim
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade socialMarcela Marangon Ribeiro
 
A sociologia de Max Weber
A  sociologia de Max WeberA  sociologia de Max Weber
A sociologia de Max WeberAlison Nunes
 
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoMax Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoVitor Vieira Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
 
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poder
 
Sociologia sociologia contemporanea
Sociologia   sociologia contemporaneaSociologia   sociologia contemporanea
Sociologia sociologia contemporanea
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
A sociologia de Max Weber
A  sociologia de Max WeberA  sociologia de Max Weber
A sociologia de Max Weber
 
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoMax Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Max Weber - Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
 

Semelhante a SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER

Slides (2).pptx
Slides (2).pptxSlides (2).pptx
Slides (2).pptxLinaKelly3
 
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
SOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOCSOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOC
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOCJulya Oliveira
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeSilvia Cintra
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalDaiane Pereira
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalDaiane Pereira
 
A sociedade e a relação entre o indivíduo
A  sociedade e a relação entre o indivíduoA  sociedade e a relação entre o indivíduo
A sociedade e a relação entre o indivíduoCaio Vinícius
 
Apostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaApostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaCristina Bentes
 
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01anaely13
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
Os clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologiaOs clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologiaCarmem Rocha
 
2. sociologia revisão
2. sociologia revisão2. sociologia revisão
2. sociologia revisãoserggiogoes
 
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais  neusaMétodos e técnicas em ciências sociais  neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais neusaLeonor Alves
 
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)Leonor Alves
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosunisocionautas
 
Indivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socializaçãoIndivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socializaçãoEdenilson Morais
 

Semelhante a SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER (20)

Slides (2).pptx
Slides (2).pptxSlides (2).pptx
Slides (2).pptx
 
Durkheim.pptx
Durkheim.pptxDurkheim.pptx
Durkheim.pptx
 
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
SOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOCSOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOC
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedade
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
A sociedade e a relação entre o indivíduo
A  sociedade e a relação entre o indivíduoA  sociedade e a relação entre o indivíduo
A sociedade e a relação entre o indivíduo
 
Apostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaApostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologia
 
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
Os clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologiaOs clássicos da sociologia
Os clássicos da sociologia
 
2. sociologia revisão
2. sociologia revisão2. sociologia revisão
2. sociologia revisão
 
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais  neusaMétodos e técnicas em ciências sociais  neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
 
Sociologia geral
Sociologia geralSociologia geral
Sociologia geral
 
Max weber 1º ano
Max weber 1º anoMax weber 1º ano
Max weber 1º ano
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitos
 
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitos
 
Indivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socializaçãoIndivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socialização
 
weber
 weber  weber
weber
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADEDouglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃODouglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGADouglas Barraqui
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASDouglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALDouglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINADouglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaDouglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaDouglas Barraqui
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasDouglas Barraqui
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraDouglas Barraqui
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDouglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 

SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER

  • 1. MÓDULO 02 DURKHEIM E WEBER Prof. Douglas Barraqui
  • 2. 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM “A construção do ser social, feita em boa parte pela educação, é a assimilação pelo indivíduo de uma série de normas e princípios — sejam morais, religiosos, éticos ou de comportamento — que balizam a conduta do indivíduo num grupo. O homem, mais do que formador da sociedade, é um produto dela.” (Émile Durkheim 1858-1917)
  • 3. A) INSTITUIÇÕES SOCIAIS: I- Definição: “Regras, Comportamentos e Valores” 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
  • 4. B) CONSCIÊNCIA COLETIVA: I- Definição: “Conjunto de crenças e sentimentos comuns” Indivíduo / PRODUTO DO MEIO/ determinado Coletividade / individualidade Consciência COLETIVA / consciência INDIVIDUAL. 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
  • 5. C) COESÃO SOCIAL: I- Definição: > CONSCIÊNCIA COLETIVA > COESÃO SOCIAL II – MÉTODO: Quantitativo. 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
  • 6. D) OBJETO DA SOCIOLOGIA: FATO SOCIAL I – Obra: II – Conceito: 1)Coercitividade: 2) Exterioridade: 3) Generalidade: III – Tipos de Fatos Sociais: 1)Normais 2)Patológicos IV – Anomia Social Valores em crise + fatos sociais 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
  • 7. E) DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO: I – Definição: “Formas de os indivíduos se colocarem em relação social uns com os outro”. >DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO + COMPLEXA É A SOCIEDADE Sociedade pós Rev. Industrial: Sociedade ANÔMICA = sem MORAL definida 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
  • 8. F) FORMAS DE SOLIDARIEDADE: I.Conceito: “é o modo como os indivíduos se relacionam dando sentido às ações individuais”. (ESTIMULA) SOLIDARIEDADE MECÂNICA X SOLIDARIEDADE ORGÂNICA 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO SOLIDARIEDADE
  • 9. G) O SUICÍDIO: I – Obra: II- Tipos de suicídio: 1)Suicídio egoísta: 2)Suicídio altruísta: 3)Suicídio anônimo: 1.1 SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA DE DURKHEIM
  • 10. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER (1864-1920) “Por mais que a vida tenha um sentido, só conhece o combate eterno que os deuses travam entre si, ou, evitando a metáfora, só conhece a incompatibilidade dos pontos de vista últimos possíveis, a impossibilidade de regular os seus conflitos e portanto a necessidade de se decidir a favor de um ou de outro”. (Max Weber 1864-1920)
  • 11. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER A) MODERNIDADE: Ferdinand Victor E. D.William Bell Scott Capitalismo Burguesia
  • 12. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER B) DESENCANTAMENTO PELO MUNDO: PROCESSO DE RACIONALIZAÇÃO
  • 13. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER C) OBJETO DA SOCIOLOGIA: AÇÃO SOCIAL: I – Conceito: “Conduta humana dotada de sentido” II – Tipos de ação social: 1) Ação tradicional 2) Ação efetiva: 3) Ação racional com relação a valores: 4) Ação racional com relação a fins:
  • 14. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER D) O “TIPO IDEAL”: I – Conceito:  Ferramenta metodológica  Construção mental  Modelo idealizado II – Metodologia:  Caracterizar o objeto de pesquisa  chegar em um “tipo ideal”. COMPARAÇÃO
  • 15. E) TIPOS DE DOMINAÇÃO: I – Conceito: “Relação entre homens que dominam os seus iguais” VIOLÊNCIA LEGÍTIMA (existe) CONCORDANCIA ACEITAÇÃO II – Tipos de Dominação: 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER Dominação Tradicional Dominação Racional-legal Dominação Carismática
  • 16. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER F) A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO: Moral Calvinista: VALORIZAÇÃO DO TRABALHO AÇÕES INDIVIDUAIS ESPÍRITO DE POUPAR + + NÃO DISPERDÍCIO +
  • 17. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA • MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1988 • SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002 • LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997 • LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999 • CHARON, Joel M. Sociologia . São Paulo: Saraiva, 2002 • GUARESCHI, Pedrinho. Sociologia Crítica . Porto Alegre: EdPUCRS, 2002 • GOMES, Cândido. A Educação em perspectiva sociológica. São Paulo: EPU, 1985 • BOUDON, R. BOURRICAUD, F. Dicionário crítico de Sociologia. São Paulo: Ática, 2000 • MEKSENAS, Paulo. Sociologia. Coleção Magistério 2º Grau. São Paulo: Cortez. • COSTA, Cristina. Sociologia – Introdução à Ciência da Sociedade. São

Notas do Editor

  1. ÉMILE DURKHEIM (França, 1858 -1917) “Pai da sociologia” – “fundador da sociologia moderna” – responsável por fazer da sociologia uma ciência (sociologia como disciplina na universidade de Bourdeaux, primeiro professor de sociologia). Inspirou-se no positivismo (visão de que a razão, a ciência e a tecnologia levaria o homem ao progresso). (também fez críticas a Comte – enquanto conte via a sociedade como um grande organismo vivo. Durkheim concebia a sociedade como uma máquina) Dedicou parte de sua vida à criação de métodos de investigação de pesquisas sociais. Obra: As regras do método sociológico (1895)
  2. INSTITUIÇÕES SOCIAIS: Durkheim entendia a sociedade como uma grande máquina. Instituições sociais – eram conjunto de engrenagens que fazia a máquina funcionar. Daí o conceito de “sociologia funcionalista” de Durkheim I- Definição: Conjunto de regras, comportamentos e valores que normatizam a vida social de um grupo. As instituições sociais variam de acordo com o tempo e com o lugar. As instituições funcionam como pilares da vida social. Ex.: família, escola, igreja, Estado
  3. B) CONSCIÊNCIA COLETIVA: I- Definição: “ Conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade que forma um sistema determinado com vida própria ” Nesta máquina o indivíduo é apenas um PRODUTO DO MEIO (apenas uma engrenagem). Sendo determinado ao longo do processo de socialização (determinado pelo funcionamento da máquina). Predomina a coletividade sobre a individualidade. A consciência coletiva determina a consciência individual.
  4. C) COESÃO SOCIAL: I- Definição: A CONSCIÊNCIA COLETIVA exerce maior ou menor influência sobre o INDIVÍDUO. Depende do tipo de sociedade que o indivíduo faz parte. Quanto maior a influência da consciência coletiva maior a COESÃO SOCIAL. (MAIS O INDIVÍDUO SE SENTE PERTENSENTE, ENGAJADO E INCLUÍDO A ESTA SOCIEDADE.) Sociologia de Durkheim recebe o nome de SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA (sociedade funciona como uma grande máquina). Método de análise cartesiano – isolar e analisar uma parte para compreender um todo
  5. D) FATO SOCIAL: I – Obra: “As regras do método sociológico” Durkheim procura estabelecer os limites entre a sociologia e as demais ciências. O objeto da sociologia não é a sociedade, mas sim o FATO SOCIAL. II- Conceito: Todo fenômeno produzido pelo homem vivendo em sociedade. Para ser considerado fato social três características precisam coexistir: Coercitividade: fato social é tudo fenômeno que se impõe sobre o indivíduo. Exterioridade: fato social existe independente da vontade do indivíduo. Generalidade: fato social envolve grande coletividade e se repete ao longo do tempo. III – Tipos de fatos sociais: NORMAIS – fatos sociais que acontecem com certa regularidade PATOLÓGICOS – fatos sociais atípicos, fogem da regularidade (palavra derivada do grego pathos = sofrimento, doença; e logia =ciência, estudo). Ex.: Numero de crianças que nascem com microcefalia (cabeça com menos de 32 cm) é x ao longo de décadas. E de repente o número salta para 2x em meses. A variação brusca pode indicar um quadro patológico e exige medidas do governo. Normal era 1 criança a cada 100 mil nascidas. O aumento foi de 20X IV – Anomia Social: Ocorre quando as bases institucionais e valorativas de uma sociedade entram em crise e os laços sociais se afrouxam. Em um quadro anômico tende a ocorrer mais fatos sociais. Ex.: Paralisação da polícia no ES. A instituição (engrenagem da máquina) parou. Abateu uma crise ética e moral sobre os indivíduos que saquearam e roubaram lojas, a criminalidade e homicídios dispararam.
  6. E) DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO: I – Definição: Ao longo da história e nas diferentes sociedades os indivíduos se organizaram e se dividiram em diferentes funções sociais (essa organização é conhecida como divisão social do trabalho) Durckheim define divisão social do trabalho como: “diferentes formas de os indivíduos se colocarem em relação social uns com os outro”. A sociedade pós-revolução industrial para Durkheim era ANÔMICA sem uma forma moral definida. (bandido vai assaltar banco faz sinal da cruz. Diz que é contra a corrupção, veste a camisa fora PT mas sonega imposto. Vai a igreja todos os domingos, mas não paga os direitos trabalhistas da empregada doméstica.)
  7. F) FORMAS DE SOLIDARIEDADE: Não é uma definição moral ou religiosa do senso comum A divisão social do trabalho tem importante função de estimular a solidariedade entre os indivíduos. Solidariedade “é o modo como os indivíduos se relacionam dando sentido às ações individuais”. “como ocorre a socialização”. Existem dois tipos de solidariedade: Solidariedade mecânica: Predominou nas sociedades pré-capitalistas A família e a religião eram as instituições que davam coesão social Trabalho e as relações sociais eram organizados com base em tradições e costumes 2) Solidariedade orgânica: Predomina na sociedade capitalista Trabalho (profissão) define seu papel social Por meio das profissões os indivíduos desempenham a divisão social do trabalho.
  8. F) O SUICÍDIO: I – Obra: “O suicídio” (1897) Durkheim descobre que existe uma regularidade entre a decisão individual e fatores sociais para o ato de cometer suicídio. Fatores como sexo, idade, condição social, religião e contexto histórico. II – Tipos de suicídio: Durkheim difere três tipos de suicídio: Suicídio egoísta: predomina no ocidente pós revolução industrial. O indivíduo não se sente integrado. Geralmente acompanhado de depressão. Ex. jovens que fracassam na escola no Japão (18,5 casos para 100 mil habitantes – 70 pessoas por dia em média cometem suicídio no Japão) Brasil 8° país do mundo em suicídios). Suicídio altruísta: comete suicídio por uma causa, crença individual ou coletiva. O indivíduo dá a sua vida em nome do coletivo. Ex. pilotos de camicases (O ataque a Pearl Harbor foi uma operação aeronaval de ataque à base norte-americana de Pearl Harbor, efetuada pela Marinha Imperial Japonesa na manhã de 7 de Dezembro de 1941). Antiga tradição samurai conhecida como haraquiri. Suicídio anônimo: comete suicídio por causa de questões como crises econômicas, guerras, fases de instabilidade social. Ex. 24 de outubro de 1929, que ficou conhecido como “quinta-feira negra”, naquele dia houve 11 suicídios.
  9. 1.2 SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE WEBER A sociologia de weber é compreensiva pois prioriza a compreensão dos fatos sociais em vez da explicação. O método compreensivo de Weber destaca-se pela abordagem qualitativa, em oposição à abordagem quantitativa do método funcionalista de Durkheim. Émile Durkheim – explicar a sociedade / abordagem quantitativa Max Weber – compreender a sociedade / abordagem qualitativa
  10. A) MODERNIDADE: Processo desencadeado pela revolução industrial e pela revolução francesa. Desenvolvimento do capitalismo (Capitalismo Industrial) Ascensão política da classe burguesa. William Bell Scott – obra: “ferro e carvão” Ferdinand Victor Eugène Delacroix – Obra: “a liberdade guia o povo”
  11. B) DESENCANTAMENTO PELO MUNDO E O PROCESSO DE RACIONALIZAÇÃO: As transformação a partir da revolução industrial e da Revolução francesa levaram a um processo de DESENCATAMENTO PELO MUNDO (declínio das formas mágicas, místicas e religiosas de se explicar e ordenar a vida em sociedade). Tem início a um PROCESSO DE RACIONALIZAÇÃO (maior importância dada aos aspectos racionais da vida em sociedade)
  12. C) AÇÃO SOCIAL: (é o que Durkheim chama de fato social) É o objeto de estudo em Max Weber. Para Weber a sociedade não seria formada por fatos sociais, mas sim por ações sociais. (cada indivíduo exerce uma ação dentro de sua sociedade). I – Conceito: Ação social é toda ação (conduta) humana dotada de sentido II – Tipos de ação social: Ação tradicional: aquela ação determinada por um costume, ou tradição ou hábitos enraizados em uma sociedade ex.: não arrotar à mesa. Ação efetiva: aquela ação movida por sentimentos e emoções. Ex.: torcer por um time, mãe que bate na filha. Ação racional com relação a valores: aquela ação movida pelo que as pessoas acham que é o correto (valores). Ex. ir a igreja, escolher um partido político. Ação racional com relação a fins: ação tomada com base atingir um resultado. Ex.: estudar para o Enem.
  13. D) O TIPO IDEAL: I – Conceito: Ferramenta metodológica de pesquisa Construção mental da realidade Modelo ideal que funciona como parâmetro para comparação. I I– Metodologia: O pesquisador seleciona um certo número de características do objeto de pesquisa a fim de chegar em um “tipo” ideal para classificar os objetos de estudo. Ex: Socialismo Vs Capitalismo SOCIALISMO = sociedade mais justa e igualitária (TIPO IDEAL) => Ditaduras que perseguiu os trabalhadores (REALIDADE) CAPITALISMO = livre iniciativa, livre concorrência (TIPO IDEAL) = > Oligopólios (carteis, holdings e trustes) que atacam o livre mercado (REALIDADE) Tipo ideal não existe de verdade é apenas uma ideia que serve de referência comparativa para o pesquisador. (FAZEMOS ISSO O TEMPO TODO, IDEALIZAR. IDEALIZAMOS UM RELACIONAMENTO, NOS FRUSTRAMOS. IDEALIZAMOS UM TRABALHO, SOMO DESPEDIDOS. EDEALIZAMOS OS ESTUDOS, TERMINAMOS FORMADOS E SEM TRABALHO.)
  14. E) TIPOS DE DOMINAÇÃO: Cerne das relações sociais marcadas por interesses comuns ou divergentes. Um relação entre homens que dominam seus iguais. I – Conceito: O Estado: é uma relação de homens que dominam os seus iguais, mantida pela violência considerada legítima. (legitima pois existe algum tipo de aceitação ou concordância) II – Tipos de Dominação: Dominação tradicional: obediência as tradições e aos costumes (ex. poder patriarcal, dos mais velhos, aqueles que já nascem herdando esse poder hereditário). Dominação racional-legal: obediência a um sistema de regras racionalmente elaboradas (ex. leis, constituições – O Estado moderno) PODEMOS ATÉ RECLAMAR MAS FOMOS NÓS QUE AO VOTARMOS EM DILMA COLOCAMOS O TEMER COMO VICE. CLARO QUE UM TEMER DIFERENTE DESSE QUE ESTAMOS VENDO, COMPROMETIDO COM A POLÍTICA DE GOVERNO DO PT. Dominação carismática: crença nas qualidades do líder (coragem, heroísmo, dons sobrenaturais, inteligência, oratória e propaganda). (ex. Vargas, Mussolini e Hitler)
  15. F) A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO: Economia dos EUA / influência da ética protestante (imigrantes ingleses puritanos – seguidores de Calvino) Moral calvinista: se estrutura em torno da valorização do trabalho, ações individuais, espírito de poupar dinheiro Os valores éticos calvinistas não são a causa do capitalismo nos EUA, mas sim um dos elementos fundamentais.