SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Período Socrático 
•Período conhecido como século de Péricles 
•Surge a democracia -> CIDADÃO que excluía os chamados DEPENDENTES. 
•Grande mudança na educação grega: precisava saber falar e ser capaz de persuadir os outros. 
•Antes... Para os aristocratas deveria haver o Homem Ideal => BELO, BOM E GUERREIRO! 
•Com o surgimento da cidade, há uma nova classe que também desejava exercer o poder.
•Assim, a nova educação tinha como homem ideal o bom cidadão, o bom orador. 
•Surgem, então, os SOFISTAS. 
•O que faziam? Criticavam a Cosmologia, pois eram errados e contraditórios e que, portanto, não tinham mais utilidade na vida da Pólis. 
•Mestres da oratória e da retórica -> arte da persuasão. (aprendiam sobre os dois lados da moeda!)
Sócrates contra os Sofistas 
Rebelou-se contra os sofistas, dizendo que eles não eram filósofos, já que não tinham amor pela sabedoria nem respeito pela opinião contrária. 
Mesmo que uma coisa fosse errada, sua função era sempre defender, e por isso Sócrates não concordava. 
No entanto, também era contra os cosmológicos, pois afirmava que estes não estavam em busca da verdadeira filosofia.
Afinal... o que propunha Sócrates? 
•Conhecido como antropológico -> valorização do homem na sociedade. 
•“Conhece-te a ti mesmo!” – antes de fazer filosofia, certo é conhecer a verdade dentro de você. 
•Matrix (personagens). 
•Platão disse que Sócrates saia pelas ruas questionando as pessoas, sobre os valores e ideais nos quais os gregos acreditavam e que julgavam conhecer. 
•SÓ SEI QUE NADA SEI.... 
•“A consciência da própria ignorância é o começo da Filosofia.”
•Buscava a essência real das coisas. No entanto, essa essência poderia variar, mas o conceito sobre determinada coisa não muda. 
Qual a diferença entre opinião e 
conceito? 
•Para os poderosos de Atenas, Sócrates tornava-se um perigo, já que fazia a juventude pensar... 
•Foi acusado de não respeitar os deuses, corromper os jovens e violar as leis. 
“Prefiro a morte à ter de renunciar a Filosofia.”
•Então, qual era o procedimento para o despertar filosófico? -> O DIÁLOGO. 
•(É por meio do diálogo que podemos livrar a alma da doença da ignorância). 
•Por isso Sócrates saia nas ruas dialogando com as pessoas!!! Legal!!!! 
•Todo diálogo pra ser bom deve ter 4 etapas: 
Método Socrático
•1 – Exortação: é a busca pela verdade. 
•2 – Indagação: início do questionamento em busca de uma resposta. 
•3 – Ironia: fazer comentários sobre as respostas que você obtém. 
•4- Maiêutica: caminhos 
que devem ser seguidos 
para descobrir o 
conhecimento.
•Sócrates dizia que todo ser humano já possui a verdade, mas a esqueceu em algum lugar....rsrs 
•Por isso, na filosofia socrática, adquirir conhecimento não é apenas algo novo, mas sim recordar. 
•A filosofia tem o papel de fazer vir a tona a verdade que há dentro das pessoas. 
•“Diálogo de Fédon” 
•É impossível que se alcance a verdade por imposição. A verdade tem que alcançada por cada um de forma subjetiva.
Platão (427 a.C)
•Sua obra é um dos maiores legados da Humanidade, abrangendo debates sobre ética, política, metafísica e teoria do conhecimento. 
•Ao contrário de Sócrates, que vinha de uma origem humilde, Platão era integrante de uma família rica, de antiga e nobre linhagem. 
•Depois de viajar pela Grécia regressou a Atenas e fundou a Academia, que em breve se tornou conhecida e frequentada por um grande número de jovens que vinha à procura de uma educação melhor.
•Dos filósofos da Antiguidade, Platão é o primeiro de quem se conhece a obra integral. 
•A forma de escrever encontrada por Platão é o diálogo, uma espécie de ponte entre a oralidade fragmentária de Sócrates e a estética didática de Aristóteles. 
•Nos escritos de Platão mesclam-se elementos mito- poéticos com fatores essencialmente racionais. Não se guia pelo rigor científico, nem por uma metodologia formal -> uso da mitologia; Sócrates como principal interlocutor.
•Fala sobre a moral, apresentando soluções para os problemas existenciais da sociedade. 
•É preciso obter aprendizado filosófico. 
TEORIA DO CONHECIMENTO 
•Existem duas verdades: a sensível e a inteligível. 
COMO?
•Inteligível: se refere à vida concreta, duradoura, não submetida a mudanças. 
•Divide-se em ciência intermediária (dianóia), que é um conhecimento intermediário ligado às coisas visíveis e às hipóteses, e a inteleção pura (noesis) que se exerce através da captação pura das ideias.
•Sensível: ligada ao universo das percepções, de tudo que toca os sentidos, um real que sofre mutações e que reproduz neste plano as realidades permanentes da esfera inteligível. 
•Divide-se em simples imaginação (eikasía) que se refere às sombras e às imagens sensíveis das coisas, e, em crença (pistis) que corresponde às coisas e aos próprios objetos sensíveis 
•Para ele, o espírito humano se encontra temporariamente aprisionado no corpo material, e o ser se isola da verdadeira realidade, vivendo nas sombras da sensibilidade. 
•Se o corpo se libertar, ira conhecer a verdade plena, inteligível.
•“A matéria é adversária da alma, os sentidos se contrapõem à mente, a paixão se opõe à razão....” 
•Platão precisa mostrar como nossos sentidos são capazes de nos enganar e que, por isso, devemos procurar em outro lugar o fundamento do conhecer. Este “lugar” é a alma. 
•O Homem deve, porém, transcender este estado, tornar-se livre do corpo e então ser capaz de admirar a esfera inteligível, seu objetivo maior.
•Baseado em Sócrates, Platão propõe que o conhecimento é uma anamnese, ou seja, é uma forma de recordação do que já existe desde sempre no interior da alma humana. 
•Para contemplar o conhecimento, o homem deve caminhar desde a opinião até à ciência educando-se gradualmente, como acontece no mito da caverna (sair da escuridão em sentido da luz). 
•A caverna é, analogicamente, o mundo sensível, quem dela sai, sabe que a verdadeira realidade está fora e não são sombras.
Carta Sétima 
•Propõe como deve ser realizada a teoria do conhecimento. 
•1 – NOME 
•2 – DEFINIÇÃO 
•3 – IMAGEM 
•4 – PERCEPÇÃO 
•5 – OBJETO EM SI
JUSTIÇA EM PLATÃO O rei filósofo....ou o filósofo rei? 
•Entende que a justiça é algo tão importante que deve ser entendido como uma ciência. 
•Faz uma análise das diversas formas de governo existentes. 
•ARISTOCRACIA – MONARQUIA – DEMOCRACIA - ANARQUIA
•Define o conceito de justiça comparando a política com uma cidade. 
•A cidade é composta por várias classes, sendo certo que cada uma deve fazer a sua parte sem interferir na de outra classe. 
•Quando isso acontece, atrapalha o bom funcionamento da cidade.
•Só é capaz de perceber o verdadeiro significado da política aquele que passa pelo processo do conhecimento. 
•Assim, para Platão, o filósofo deveria ser rei, pois somente ele concebe a importância da política. 
•A ideia de Platão é antidemocrática!
•Para ele, as formas governo são corrompíveis, mudando de uma forma para outra. 
•Devemos encontrar uma forma de barrar essa corrupção. 
•A única maneira de fazer isso é perceber que a política não existe pelo poder, mas sim pelo bem estar da sociedade. 
•Portanto, só pode participar da política quem sabe seu verdadeiro significado!
ENEM 2012 Para Platão, o que havia de verdadeiro em Parmênides era que o objeto de conhecimento é um objeto de razão e não de sensação, e era preciso estabelecer uma relação entre objeto racional e objeto sensível ou material que privilegiasse o primeiro em detrimento do segundo. Lenta, mas irresistivelmente, a Doutrina das Ideias formava-se em sua mente.(ZINGANO, M. Platão e Aristóteles: o fascínio da filosofia. São Paulo: Odysseus, 2012 (adaptado). 
O texto faz referência à relação entre razão e sensação, um aspecto essencial da Doutrina das Ideias de Platão (427 a.C.-346 a.C.). De acordo com o texto, como Platão se situa diante dessa relação? 
•A) Estabelecendo um abismo intransponível entre as duas. 
•B) Privilegiando os sentidos e subordinando o conhecimento a eles. 
•C ) Atendo-se à posição de Parmênides de que razão e sensação são inseparáveis. 
•D) Afirmando que a razão é capaz de gerar conhecimento, mas a sensação não.
Filosofia Socrática

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
José Ferreira Júnior
 

Mais procurados (20)

Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Natureza e Cultura
Natureza e CulturaNatureza e Cultura
Natureza e Cultura
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 

Semelhante a Filosofia Socrática

AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELESAULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
luluzivania
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
Marcos Mororó
 
Capítulo 13 em busca da verdade
Capítulo 13   em busca da verdadeCapítulo 13   em busca da verdade
Capítulo 13 em busca da verdade
Edirlene Fraga
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
Luci Bonini
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Carson Souza
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
megainfoin
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
José Ferreira Júnior
 
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesA dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
Joao Carlos
 

Semelhante a Filosofia Socrática (20)

AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELESAULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
AULAS FILOSOFIA.pdf SOCRATES E PLATAO E ARISTOTELES
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
 
Capítulo 13 em busca da verdade
Capítulo 13   em busca da verdadeCapítulo 13   em busca da verdade
Capítulo 13 em busca da verdade
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
 
PLATÃO
PLATÃOPLATÃO
PLATÃO
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
 
Sofistas
SofistasSofistas
Sofistas
 
A filisofia do mundo
A filisofia do mundoA filisofia do mundo
A filisofia do mundo
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
 
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesA dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
 
Filósofos socráticos
Filósofos socráticos Filósofos socráticos
Filósofos socráticos
 
Primeiros anos filosofia1442011175447
Primeiros anos   filosofia1442011175447Primeiros anos   filosofia1442011175447
Primeiros anos filosofia1442011175447
 
Primeiros anos filosofia1442011175447
Primeiros anos   filosofia1442011175447Primeiros anos   filosofia1442011175447
Primeiros anos filosofia1442011175447
 

Mais de Juliana Corvino de Araújo

Mais de Juliana Corvino de Araújo (14)

Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Kant
KantKant
Kant
 
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Francis bacon
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 

Filosofia Socrática

  • 1.
  • 2. Período Socrático •Período conhecido como século de Péricles •Surge a democracia -> CIDADÃO que excluía os chamados DEPENDENTES. •Grande mudança na educação grega: precisava saber falar e ser capaz de persuadir os outros. •Antes... Para os aristocratas deveria haver o Homem Ideal => BELO, BOM E GUERREIRO! •Com o surgimento da cidade, há uma nova classe que também desejava exercer o poder.
  • 3. •Assim, a nova educação tinha como homem ideal o bom cidadão, o bom orador. •Surgem, então, os SOFISTAS. •O que faziam? Criticavam a Cosmologia, pois eram errados e contraditórios e que, portanto, não tinham mais utilidade na vida da Pólis. •Mestres da oratória e da retórica -> arte da persuasão. (aprendiam sobre os dois lados da moeda!)
  • 4. Sócrates contra os Sofistas Rebelou-se contra os sofistas, dizendo que eles não eram filósofos, já que não tinham amor pela sabedoria nem respeito pela opinião contrária. Mesmo que uma coisa fosse errada, sua função era sempre defender, e por isso Sócrates não concordava. No entanto, também era contra os cosmológicos, pois afirmava que estes não estavam em busca da verdadeira filosofia.
  • 5. Afinal... o que propunha Sócrates? •Conhecido como antropológico -> valorização do homem na sociedade. •“Conhece-te a ti mesmo!” – antes de fazer filosofia, certo é conhecer a verdade dentro de você. •Matrix (personagens). •Platão disse que Sócrates saia pelas ruas questionando as pessoas, sobre os valores e ideais nos quais os gregos acreditavam e que julgavam conhecer. •SÓ SEI QUE NADA SEI.... •“A consciência da própria ignorância é o começo da Filosofia.”
  • 6.
  • 7. •Buscava a essência real das coisas. No entanto, essa essência poderia variar, mas o conceito sobre determinada coisa não muda. Qual a diferença entre opinião e conceito? •Para os poderosos de Atenas, Sócrates tornava-se um perigo, já que fazia a juventude pensar... •Foi acusado de não respeitar os deuses, corromper os jovens e violar as leis. “Prefiro a morte à ter de renunciar a Filosofia.”
  • 8. •Então, qual era o procedimento para o despertar filosófico? -> O DIÁLOGO. •(É por meio do diálogo que podemos livrar a alma da doença da ignorância). •Por isso Sócrates saia nas ruas dialogando com as pessoas!!! Legal!!!! •Todo diálogo pra ser bom deve ter 4 etapas: Método Socrático
  • 9. •1 – Exortação: é a busca pela verdade. •2 – Indagação: início do questionamento em busca de uma resposta. •3 – Ironia: fazer comentários sobre as respostas que você obtém. •4- Maiêutica: caminhos que devem ser seguidos para descobrir o conhecimento.
  • 10. •Sócrates dizia que todo ser humano já possui a verdade, mas a esqueceu em algum lugar....rsrs •Por isso, na filosofia socrática, adquirir conhecimento não é apenas algo novo, mas sim recordar. •A filosofia tem o papel de fazer vir a tona a verdade que há dentro das pessoas. •“Diálogo de Fédon” •É impossível que se alcance a verdade por imposição. A verdade tem que alcançada por cada um de forma subjetiva.
  • 12. •Sua obra é um dos maiores legados da Humanidade, abrangendo debates sobre ética, política, metafísica e teoria do conhecimento. •Ao contrário de Sócrates, que vinha de uma origem humilde, Platão era integrante de uma família rica, de antiga e nobre linhagem. •Depois de viajar pela Grécia regressou a Atenas e fundou a Academia, que em breve se tornou conhecida e frequentada por um grande número de jovens que vinha à procura de uma educação melhor.
  • 13. •Dos filósofos da Antiguidade, Platão é o primeiro de quem se conhece a obra integral. •A forma de escrever encontrada por Platão é o diálogo, uma espécie de ponte entre a oralidade fragmentária de Sócrates e a estética didática de Aristóteles. •Nos escritos de Platão mesclam-se elementos mito- poéticos com fatores essencialmente racionais. Não se guia pelo rigor científico, nem por uma metodologia formal -> uso da mitologia; Sócrates como principal interlocutor.
  • 14. •Fala sobre a moral, apresentando soluções para os problemas existenciais da sociedade. •É preciso obter aprendizado filosófico. TEORIA DO CONHECIMENTO •Existem duas verdades: a sensível e a inteligível. COMO?
  • 15. •Inteligível: se refere à vida concreta, duradoura, não submetida a mudanças. •Divide-se em ciência intermediária (dianóia), que é um conhecimento intermediário ligado às coisas visíveis e às hipóteses, e a inteleção pura (noesis) que se exerce através da captação pura das ideias.
  • 16. •Sensível: ligada ao universo das percepções, de tudo que toca os sentidos, um real que sofre mutações e que reproduz neste plano as realidades permanentes da esfera inteligível. •Divide-se em simples imaginação (eikasía) que se refere às sombras e às imagens sensíveis das coisas, e, em crença (pistis) que corresponde às coisas e aos próprios objetos sensíveis •Para ele, o espírito humano se encontra temporariamente aprisionado no corpo material, e o ser se isola da verdadeira realidade, vivendo nas sombras da sensibilidade. •Se o corpo se libertar, ira conhecer a verdade plena, inteligível.
  • 17. •“A matéria é adversária da alma, os sentidos se contrapõem à mente, a paixão se opõe à razão....” •Platão precisa mostrar como nossos sentidos são capazes de nos enganar e que, por isso, devemos procurar em outro lugar o fundamento do conhecer. Este “lugar” é a alma. •O Homem deve, porém, transcender este estado, tornar-se livre do corpo e então ser capaz de admirar a esfera inteligível, seu objetivo maior.
  • 18. •Baseado em Sócrates, Platão propõe que o conhecimento é uma anamnese, ou seja, é uma forma de recordação do que já existe desde sempre no interior da alma humana. •Para contemplar o conhecimento, o homem deve caminhar desde a opinião até à ciência educando-se gradualmente, como acontece no mito da caverna (sair da escuridão em sentido da luz). •A caverna é, analogicamente, o mundo sensível, quem dela sai, sabe que a verdadeira realidade está fora e não são sombras.
  • 19.
  • 20. Carta Sétima •Propõe como deve ser realizada a teoria do conhecimento. •1 – NOME •2 – DEFINIÇÃO •3 – IMAGEM •4 – PERCEPÇÃO •5 – OBJETO EM SI
  • 21. JUSTIÇA EM PLATÃO O rei filósofo....ou o filósofo rei? •Entende que a justiça é algo tão importante que deve ser entendido como uma ciência. •Faz uma análise das diversas formas de governo existentes. •ARISTOCRACIA – MONARQUIA – DEMOCRACIA - ANARQUIA
  • 22. •Define o conceito de justiça comparando a política com uma cidade. •A cidade é composta por várias classes, sendo certo que cada uma deve fazer a sua parte sem interferir na de outra classe. •Quando isso acontece, atrapalha o bom funcionamento da cidade.
  • 23. •Só é capaz de perceber o verdadeiro significado da política aquele que passa pelo processo do conhecimento. •Assim, para Platão, o filósofo deveria ser rei, pois somente ele concebe a importância da política. •A ideia de Platão é antidemocrática!
  • 24. •Para ele, as formas governo são corrompíveis, mudando de uma forma para outra. •Devemos encontrar uma forma de barrar essa corrupção. •A única maneira de fazer isso é perceber que a política não existe pelo poder, mas sim pelo bem estar da sociedade. •Portanto, só pode participar da política quem sabe seu verdadeiro significado!
  • 25. ENEM 2012 Para Platão, o que havia de verdadeiro em Parmênides era que o objeto de conhecimento é um objeto de razão e não de sensação, e era preciso estabelecer uma relação entre objeto racional e objeto sensível ou material que privilegiasse o primeiro em detrimento do segundo. Lenta, mas irresistivelmente, a Doutrina das Ideias formava-se em sua mente.(ZINGANO, M. Platão e Aristóteles: o fascínio da filosofia. São Paulo: Odysseus, 2012 (adaptado). O texto faz referência à relação entre razão e sensação, um aspecto essencial da Doutrina das Ideias de Platão (427 a.C.-346 a.C.). De acordo com o texto, como Platão se situa diante dessa relação? •A) Estabelecendo um abismo intransponível entre as duas. •B) Privilegiando os sentidos e subordinando o conhecimento a eles. •C ) Atendo-se à posição de Parmênides de que razão e sensação são inseparáveis. •D) Afirmando que a razão é capaz de gerar conhecimento, mas a sensação não.