SlideShare uma empresa Scribd logo
A formaçãoA formação
dos Estadosdos Estados
Nacionais:Nacionais:
AbsolutismoAbsolutismo
Prof. Douglas Barraqui
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
A) Conceitos:
I. Estado:
II. Nacionalismo:
III. FATORES ECONÔMICOS:
B) Fatores que contribuíram para
formação dos Estados Nacionais:
I. FATORES POLÍTICOS:
II. FATORES SOCIAIS:
C) A Centralização do poder:
Rei NOBREZA
Rei BURGUESIA
Rei IGREJA
D) Características de um Estado Nacional
A) Conceito::
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
1. ABSOLUTISMO MONÁRQUICO
1.1 ABSOLUTISMO EM PORTUGAL:
Henrique de
Borgonha
(1096-1112)
Afonso VI
(1065-1109)
D. Fernando I
(1367-1383)
D. João I de Avis
(1385-1433)
D. João V
(1706-1750)
I I
Guerra de reconquista
I
VIII XV
I
Afonso
Henrique
(1112-1139-1185)
1.2 ABSOLUTISMO NA ESPANHA:
I II I
Guerra de ReconquistaVIII XV 1469
Carlos V
1516 - 1556
Filipe II
1556-1598
I
1516 1556
1.3 ABSOLUTISMO NA INGLATERRA:
Anglo-saxões
Sec. V
Normandas
Henrique II
1154 -1189 João “sem terra”
1199 -1216
II I III
Séc. XI
MAGNA CARTA
1215
I I
GUERRA DAS
DUAS ROSAS
1455 1485
Henrique Tudor
1485-1509
Henrique VIII
(1509-1547)
DINASTIAS TUDOR
DINASTIA DOS CAPETÍNGIOS
1.4 ABSOLUTISMO NA FRANÇA:
Hugo Capeto
(987 - 996)
Papa
Clemente V
“Cativeiro de Avignon”
1309 a 1377
I I
GUERRA DOS
CEM ANOS
I I
Filipe IV
(1285 - 1314)
I
987 1328
II
1589
DINASTIA DOS
VALOIS
DINASTIAS DE
BOURBON
Luís XIV
(1643-1715) “o rei sol”
2. TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
A)NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527)
2. TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
B) Thomas Hobbes (1588-1679)
3 TEÓRICOS DO DIREITO DIVINO DOS REIS
A) JEAN BODIN (1530-1596)
B) JACQUES BOSSUET (1627-1704)
3 TEÓRICOS DO DIREITO DIVINO DOS REIS
4. MERCANTILISMO
Referências:Referências:
 AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris:
história 7º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.
 CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes.
História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São
Paulo: SM. 2010.
 COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único.
Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.
 Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora
Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani.
 Uno: Sistema de Ensino – História – 7º ano. São Paulo: Grupo Santillana,
2011. Editor Responsável: Angélica Pizzutto Pozzani.
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com
Nota do autor:Nota do autor:
 Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading.
Outros, porém, por questões de direitos autorais e direitos de imagens,
não estão disponíveis para serem baixados gratuitamente.
 Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar
alguma apresentação com um tema em especial, entre em contato
comigo pelo E-mail (ambientalhistoria@gmail.com).
 Visite minha página na internet:
 www.dougnahistoria.blogspot.com.br
Prof. Douglas Barraqui
_______________________
PROF. DE HISTÓRIA
(ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA
CONCURSO, PRÉ-VESTIBULAR E PRÉ-IFES)
TEL: (27) 99732-1315
E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com
Páginas na internet:
www.dougnahistoria.blogspot.com
www.ambietalhistoria.blogspot.com
Prof. Douglas Barraqui
www.dougnahistoria.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaPortal do Vestibulando
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo ReinadoDaniel Alves Bronstrup
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaMarcos Oliveira
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesaJanayna Lira
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisDouglas Barraqui
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilFatima Freitas
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 

Semelhante a FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS

Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017Diogo Santos
 
Plano de aula manuela .
Plano de aula   manuela .Plano de aula   manuela .
Plano de aula manuela .Gabriel Reis
 
Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)
Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)
Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)Luis Felipe Ulloa Forero
 
EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1
EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1
EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1lucavao2010
 
Plano de curso 2011 cfch092
Plano de curso   2011 cfch092Plano de curso   2011 cfch092
Plano de curso 2011 cfch092Helio Smoly
 
Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)
Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)
Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)Eduardo Carneiro
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Diogo Santos
 

Semelhante a FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS (12)

Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 2 2014-2017
 
Raymond Aron
Raymond AronRaymond Aron
Raymond Aron
 
Nrman Angell
Nrman Angell Nrman Angell
Nrman Angell
 
Plano de aula manuela .
Plano de aula   manuela .Plano de aula   manuela .
Plano de aula manuela .
 
Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)
Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)
Futureo inicial em REI-F(Luis Felipe Ulloa)
 
EMENTAS
EMENTASEMENTAS
EMENTAS
 
EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1
EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1
EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI 1
 
Plano de curso 2011 cfch092
Plano de curso   2011 cfch092Plano de curso   2011 cfch092
Plano de curso 2011 cfch092
 
Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)
Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)
Eduardo carneiro. plano curso. história do brasil (ciencias sociais)
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
 
Pre seed-revisão do enem 12
Pre seed-revisão do enem 12Pre seed-revisão do enem 12
Pre seed-revisão do enem 12
 
ApresentaçãO Plano Anual
ApresentaçãO Plano AnualApresentaçãO Plano Anual
ApresentaçãO Plano Anual
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADEDouglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃODouglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERDouglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALDouglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINADouglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaDouglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaDouglas Barraqui
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasDouglas Barraqui
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraDouglas Barraqui
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDouglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 

Último (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 

FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS

  • 1. A formaçãoA formação dos Estadosdos Estados Nacionais:Nacionais: AbsolutismoAbsolutismo Prof. Douglas Barraqui Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 3. III. FATORES ECONÔMICOS: B) Fatores que contribuíram para formação dos Estados Nacionais: I. FATORES POLÍTICOS: II. FATORES SOCIAIS:
  • 4. C) A Centralização do poder: Rei NOBREZA Rei BURGUESIA Rei IGREJA
  • 5. D) Características de um Estado Nacional
  • 6. A) Conceito:: Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com 1. ABSOLUTISMO MONÁRQUICO
  • 7. 1.1 ABSOLUTISMO EM PORTUGAL: Henrique de Borgonha (1096-1112) Afonso VI (1065-1109) D. Fernando I (1367-1383) D. João I de Avis (1385-1433) D. João V (1706-1750) I I Guerra de reconquista I VIII XV I Afonso Henrique (1112-1139-1185)
  • 8. 1.2 ABSOLUTISMO NA ESPANHA: I II I Guerra de ReconquistaVIII XV 1469 Carlos V 1516 - 1556 Filipe II 1556-1598 I 1516 1556
  • 9. 1.3 ABSOLUTISMO NA INGLATERRA: Anglo-saxões Sec. V Normandas Henrique II 1154 -1189 João “sem terra” 1199 -1216 II I III Séc. XI MAGNA CARTA 1215 I I GUERRA DAS DUAS ROSAS 1455 1485 Henrique Tudor 1485-1509 Henrique VIII (1509-1547) DINASTIAS TUDOR
  • 10. DINASTIA DOS CAPETÍNGIOS 1.4 ABSOLUTISMO NA FRANÇA: Hugo Capeto (987 - 996) Papa Clemente V “Cativeiro de Avignon” 1309 a 1377 I I GUERRA DOS CEM ANOS I I Filipe IV (1285 - 1314) I 987 1328 II 1589 DINASTIA DOS VALOIS DINASTIAS DE BOURBON Luís XIV (1643-1715) “o rei sol”
  • 11. 2. TEÓRICOS ABSOLUTISTAS A)NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527)
  • 12. 2. TEÓRICOS ABSOLUTISTAS B) Thomas Hobbes (1588-1679)
  • 13. 3 TEÓRICOS DO DIREITO DIVINO DOS REIS A) JEAN BODIN (1530-1596)
  • 14. B) JACQUES BOSSUET (1627-1704) 3 TEÓRICOS DO DIREITO DIVINO DOS REIS
  • 16. Referências:Referências:  AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 7º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.  CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010.  COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.  Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani.  Uno: Sistema de Ensino – História – 7º ano. São Paulo: Grupo Santillana, 2011. Editor Responsável: Angélica Pizzutto Pozzani. Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com
  • 17. Nota do autor:Nota do autor:  Muitos dos slides aqui postados estão disponíveis para dowloading. Outros, porém, por questões de direitos autorais e direitos de imagens, não estão disponíveis para serem baixados gratuitamente.  Caso você queira algum desses arquivos, ou mesmo encomendar alguma apresentação com um tema em especial, entre em contato comigo pelo E-mail (ambientalhistoria@gmail.com).  Visite minha página na internet:  www.dougnahistoria.blogspot.com.br Prof. Douglas Barraqui _______________________ PROF. DE HISTÓRIA (ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO / PREPARATÓRIOS PARA CONCURSO, PRÉ-VESTIBULAR E PRÉ-IFES) TEL: (27) 99732-1315 E-Mail: ambientalhistoria@gmail.com Páginas na internet: www.dougnahistoria.blogspot.com www.ambietalhistoria.blogspot.com Prof. Douglas Barraqui www.dougnahistoria.blogspot.com

Notas do Editor

  1. Estado: Do latim status (situação / condição) Condição = País soberano (autonomia / estrutura própria e politicamente organizado) Situação = Estado Democrático de Direito POVO + CULTURA + TERRITÓRIO = NAÇÃO + GOVERNO = ESTADO NAÇÃO / PAÍS = ASPECTOS FÍSICOS / ESTADO = ASPECTOS POLÍTICOS Nacionalismo: Sentimento de inclusão e pertencimento a nação. Obs.: nacionalismo pode ser um catalisador de massas. Um sentimento perigoso e poderoso que pode levar a formação de nações ou a destruição.
  2. I. FATORES POLÍTICOS: Cruzadas Guerra dos Cem Anos (contato entre ocidente e oriente / chegada das especiarias do oriente / desenvolvimento do sentimento de nacionalismo) II. FATORES SOCIAIS: Ascensão da burguesia (comerciantes desejavam facilitar o comércio entre as regiões) Revoltas Camponesas (os senhores tiverem que recorrer ao auxílio do rei para conter as revoltas – fortaleceu o poder real) III. FATORES ECONÔMICOS: Barreiras econômicas (tarifas alfandegárias, câmbio da moeda e a variação do sistema de pesos e medidas entre os feudos) Impostos (variavam de um feudo para outro)
  3. Rei e a Nobreza: Rei concede a nobreza títulos e cargos públicos A nobreza apóia a centralização política “nobreza ocupava altos cargos públicos, diplomáticos, militares e eclesiásticos. Perry Anderson chamou de “Estado Feudal” II. Rei e a Burguesia: O rei apoia a burguesia e: Criação de uma moeda única Padronização do sistema de pesos e medidas Unificação dos impostos A burguseia: Financiava o exército do rei e sustentava o Estado através dos impostos. III. Rei e a Igreja: O rei faz do seu Estado um Estado cristão (católico) A igreja justifica o poder real
  4. D) Características de um Estado Nacional Centralização do poder Burocracia própria Exército único Moeda padronizada Padronização dos impostos Unificação do sistema de pesos e medidas Unificação das lei. (carta constitucional)
  5. Conceito: Teoria política que defende a concentração de poderes políticos (julgar, criar e executar as leis) nas mãos do monarca, o rei. EX.: hoje em meio a divisão política do Brasil e em meio a crise político partidária e econômica do país nos temos um MOVIMENTO DE RESTAURAÇÃO DA MONARQUIA NO BRASIL - D. Luiz de Orleans e Bragança, nascido em 1938, seria o rei
  6. 1.1 ABSOLUTISMO EM PORTUGAL: A) CONTEXTO: Guerra de reconquista (Sec. VIII – XV) Séc. VIII – árabes mouros (muçulmanos) ocuparam a península Ibérica Guerra de reconquista: Muçulmanos Vs cristãos II. Borgonha a Primeira Dinastia (Séc. XI) Henrique de Borgonha (nobre francês) lutou na guerra de reconquista e recebe de Afonso VI (Rei de Leão) o condado portucalense. (BORGONHAS SE TORNAVA VASSALO DOS REIS DE LEÃO) Afonso Henrique (filho de Henrique de Borgonha) reconquistou a região de Algarves – rompe relação com reis de Leão. Os Borgonhas tornam-se primeira dinastia a governar Portugal. Afonso Henriques e apelidado de "o Conquistador", foi o primeiro Rei de Portugal de 1112 até sua morte, anteriormente servindo como Conde de Portucale de 1139 III. Revolução de Avis (1383-1385) 1383 – D. Fernando I “o Belo” (último rei da dinastia Borgonha) morre sem deixar herdeiros. A nobreza de Castela e de Portugal desejava unir o reino de Castela ao reino Portucalense. A burguesia era contrária, pois Portugal tinha uma economia mais mercantil e Castela ainda tinha características feudais. 1385 D. João I (irmão ilegítimo de D. Fernando I) chefe da ordem de Avis, com apoio financeiro da Burguesia, vence a batalha de Aljubarrota. Início da dinastia de Avis (formação do Reino de Portugal). IV . D. João V e o absolutismo: Riqueza oriunda do Brasil (mineração em Minas Gerais)
  7. 1.1 ABSOLUTISMO NA ESPANHA: A) CONTEXTO: Guerra de reconquista (Sec. VIII – XV) Séc. VIII expansão dos muçulmanos (árabes mouros) e no Séc. XV Guerra de Reconquista deram origem a reinos que formariam a Espanha. Reino de Castela, reinos de Navarra e Aragão e Granada (último território muçulmano) II. Influência do catolicismo: Atuação da Inquisição na luta contra os infieis hereges árabes mouros muçulmanos. Influencia no casamento entre os reis católicos: 1469 - FERNANDO (reinos de Aragão e Navarra) e ISABEL (Reino Castela) – Casaram-se no palácio Palácio de los Vivero Diversidade cultural e linguística (basco, catalã, judaismo, muçulmano), o catolicismo foi capaz de promover a unidade através da religião. III. Carlos V e Filipe II: auge do absolutismo Metais preciosos da América espanhola, domínio em regiões da América e Ásia.
  8. 1.1 ABSOLUTISMO NA INGLATERRA: CONTEXTO: Séc. V – Aglo-saxões (povo bárbaro de origem germânica) ocuparam a ilha da Bretanha. Séc. XI – 1066 – normandas (tribo Vikings) derrotaram os saxões e reforçaram a estrutura feudal na Ilha. Séc. XII – Henrique II – Ascensão da dinastia Plantageneta. Criação da Common Law (justiça real) uma justiça ou lei unificada aplicada em todo reino (OBS: Henrique II é pai de Ricardo Coração de Leão que lutou na cruzada dos reis). B) MAGNA CARTA – 1215 1215 – João “sem terra”, (irmão de Ricardo coração de Leão) o rei, teve seus poderes limitados pela Magna Carta (considerada a 1ª carta constituinte da história). Rei não tinha mais autonomia para cria leis e impostos. Criação do “Grande Conselho” (formado por nobres e clérigos) origem do parlamento inglês. C) Guerra dos Cem anos (1337-1453): Conceito: conflito entre França e Inglaterra Causas: Pirataria no canal da Mancha, disputa por territórios, rivalidades comerciais e disputas dinásticas. Carlos IV (rei da França) morre sem deixar herdeiros Eduardo III (rei da Inglaterra) irmão da esposa de Carlos IV, reclama o trono francês. Porém, pela lei sálica Eduardo não poderia assumir o trono da França por uma linhagem feminina. III. Conflito: Ingleses venciam a guerra até a intervenção e participação de Joana D’ Arc (jovem camponesa) que dos 15 aos 18 anos lutou e liderou ao lado do exército francês, tendo papel fundamental na conquista de Orleans o que garantiu a formação do absolutismos na França. Em 1431 Joana D’ Arc foi condenada pela igreja a morte na fogueira e em 1920 foi canonizada pela Igreja Católica. Joana D’Arc é a padroeira da França. IV. Consequências: Desenvolvimento do nacionalismo A guerra exigiu a união entre a nobreza em torno do rei. D) GUERRA DAS DUAS ROSAS (1455-1485): Absolutismos inglês começa a tomar forma. Após a Guerra dos Cem Anos ocorre na Inglaterra uma disputa pelo trono na chamada Guerra das Duas Rosas (1455-1485) York (rosa branca) Vs Lancaster (Rosa Vermelha) Henrique Tudor (Lancaster) destronou Ricardo III (York) Henrique Tudor assume o trono da Inglaterra com título de Henrique VII. Tem início o absolutismos na Inglaterra. E) Henrique VIII (1509-1547) Rompeu com a Igreja Católica (Ato de Supremacia 1534) fundou a Igreja Anglicana (rei era chefe supremo da nova igreja. Após a morte de Henrique VIII assume Eduardo VI, curto reinado morrendo aos 15 anos (supostamente envenenado por católicos apoiadores da sua sucessora Maria I “a sanguinária”.
  9. 1.4 ABSOLUTISMO NA FRANÇA: A) DINASTIA DOS CAPETÍNGIOS: Dinastia Capetingia – início da centralização política. Os reis dessa disnatia promoveram: Cobrança e unificação dos impostos cobrados pelos bailios ou senecais (fiscais nomeados pelo rei) Centralização da justiça Formação de um exército forte Unificação monetária Submeteu nobres Filipe IV “o belo” anexou regiões de Navarra e Champagne, reprimiu a ordem dos templários – devido a enorme dívida que seu reino tinha com esta ordem. Influencia na Igreja (nomeação do papa francês Clemente V que se comprometeu em dissolver a ordem dos templários). Transferência do papado para Avignon, na França (episódio conhecido como Cativeiro de Avignon). Durante 70 anos a cristandade viveu a chamada Cisma do Ocidente a existência de dois papas: um romano (Urbano VI) e outro francês (Clemente V). A dinastia capetíngia seria sucedida pela dinastia dos Valois. B) GUERRA DOS CEM ANOS: Guerra fortaleceu o sentimento de nacionalismo C) DINASTIA DOS BOURBON (1589-1848) Luís XIV (1643-1715) “o rei sol”
  10. NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) Obra: “O Príncipe” e “Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio” Frase: “Os fins justificam os meios” Contexto histórico: Itália dividida em principados (Reino de Nápolis, Estados Pontifícios, Estado de Florença, Ducado de Milão e República de Veneza) 1469-1492 - Lourenço de Médici “o magnífico” (grande diplomata, grande habilidade política, apaixonado pelas artes) – defendeu a Itália da Invasão Francesa. Piero de Médici (filho de Lourenço) não tinha a mesma habilidade política do pai. França invade Florença e expulsa os Médici. Florença foi entregue a Jerônimo Savonarola (padre dominicano - crítico ferrenho ao papa e a igreja – acabou sendo condenado a morte na fogueira - 1498) Os Médici retornam a Florença e Lourenço (neto de Lourenço de Médici “o magnífico”) assume o poder – a obra o príncipe é dedica da Lourenço de Médici. Na visão de Maquiavel a única forma de evitar a invasão à Itália seria unificando todos os principados sob domínio de um príncipe forte. IV. “O príncipe” Ensina como o governante deve alcançar o poder e nele permanecer. Usa exemplos de governantes que, ao longo da história, tiveram êxito ou fracassaram. Para Maquiavel o verdadeiro príncipe é aquele que sabe tomar e conservar o poder. O que é melhor, boas leis? ou boas armas? – Boas armas fazem boas leis – o príncipe deve saber o momento certo de usar as leis e as armas. O príncipe não precisa ser bondoso ou benevolente, apenas aparentar. Se precisar fazer o mal, fará. Se precisar fazer o bem, que seja feito. Pois, “os fins justificam os meios”. Maquiavel separa a política da moral. As ações devem ser julgadas como corretas ou não de acordo com seu fim. As circunstâncias exigirá do príncipe que seja violento ou cruel; ou que seja bondoso e tenha compaixão. V. “Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio” Maquiavel entende que o verdadeiro detentor do poder é o povo. Assim trabalha temas como liberdade e igualdade, um governo em defesa do bem comum (o Maquiavel absolutista dá espaço ao Maquiavel republicano) 1° momento: o governo deve estar nãos mãos do príncipe, até que a ordem seja estabelecida (unificação da Itália -1870). 2° momento: o governo deveria passar para as mãos do povo (“moral do bem comum”)
  11. B) Thomas Hobbes (1588-1679) Obra: “Leviatã” (figura da mitologia fenícia, citado na bíblia no livro de Jó (cap. 40 e 41) – grande crocodilo que protege os peixes menores do ataque dos maiores) Frase: “homo homini lupus” (“o homem é o lobo do próprio homem”) Contexto histórico: Inglaterra de Jaime e Carlos I – protagonistas da Guerra Civil (Revolução Puritana) 1641-1648: Carlos I (cavaleiros) Vs Oliver Cromwell (cabeças redondas) – uma guerra que terminou com uma verdadeira matança entre os dois lados, o caos e a desordem se instalaram. 1649 – Carlos I é decapitado. É esse contexto de guerra civil e instabilidade que Thomas Hobbes escreve “Leviatã”. Tinha 61 anos quando escreveu sua obra. IV. “Leviatã”: Thomas Hobbes busca uma justificativa racional para o poder real. Segundo Hobbes o homem passa por dois estágios: pré-civil (Estado de Natureza) e o civil (Estado de Civilização). No estado de Natureza não há leis para diferenciar o certo do errado. O homem é verdadeiramente livre, porém, ao mesmo tempo vive uma guerra de todos contra todos, justificando sua frase “homo homini lupus” (o homem é o lobo do próprio homem). Em Estado de Natureza o homem vive em uma guerra constante, pois não há leis. Imperando o medo da morte brutal e violenta. Para Hobbes, guiados pela razão, os homens deveria firmar um “contrato”, o que coloca Thomas Hobbes no campo dos pensadores contratualistas: 1°) As pessoas abririam mão de sua liberdade; 2°) Criariam um contrato entre si (criando leis); 3°) Entregando o poder ao Estado que, usando as leis, controlaria a guerra de todos contra todos. Assim o Estado Absoluto estava acima dos cidadãos, não devendo obediência a ninguém com exceção a Deus. Da mesma forma que o mostro mitológico, o grande crocodilo, Leviatã que protege os peixes menores do ataque dos maiores, é dever do soberano proteges os mais fracos
  12. A) JEAN BODIN (1530-1596) Obra: “Seis livros sobre a República” Necessidade de concentrar o poder nas mãos do rei; Submissão dos súditos a Deus e ao rei como seu representante; O rei aparece como um representante de Deus. O rei reina pois é da vontade de Deus.
  13. B) JACQUES BOSSUET (1627-1704) Obra: “A política extraída das sagradas escrituras” (educar o filho de Luis XIV a ser um grande rei) Frase: “um rei, uma fé, uma lei” Estado é fruto de um decreto divino O único que pode tirar o poder do rei é Deus o soberano deve governar seus súditos como um pai, à imagem de Deus, sem se deixar afetar pelo poder
  14. 4. MERCANTILISMO definição: Conjunto de prática econômicas dos Estados Modernos europeus entre séc. XV e XVIII. Características: 1) Balança comercial favorável: Enriquecimento do Estado e da burguesia. 2) Protencionismo/intervencionismo: Criação de monopólios (impondo limites ao livre mercado) 3) Metalismo: Busca por metais preciosos (ouro e prata – 18 mil toneladas de pratas e 200 toneladas de ouro saíram da América hispânica). Bulionismo – Espanha Colbertismo – França Comercialismo – Inglaterra 4) Colonialismo: Colônias forneciam o que a metrópole não podia produzir. Inseridas na ótica do pacto colonial.