SlideShare uma empresa Scribd logo
1
MOTIVAÇÕES DA I GUERRA
MUNDIAL
• Imperialismos e Neocolonialismo
disputa pelo controle de territórios
na África e na Ásia (Alemanha e
Itália sentiam-se prejudicadas),
disputas por mercados
consumidores, áreas para
reinvestimento de capitais e fontes
de matérias primas.
• Nacionalismos → Pangermanismo,
Pan-Eslavismo Russo, Nacionalismo
Sérvio, Revanchismo Francês etc.
2
3
Interesses
imperialistas
estão
diretamente
ligados ao
aumento das
tensões entre
as potências
européias.
No final do
século XIX,
Japão e EUA
também passam
a integrar o
seleto grupo
das potências
imperialistas.
• Política das Alianças (Tríplice
Aliança formada em 1882 e Tríplice
Entente formada em 1907) → uma
declaração de guerra produziria um
efeito dominó.
• Corrida Armamentista → Projeto
naval alemão → Britânicos se
sentiam ameaçados.
• Crise do Império Turco →
Construção da Ferrovia Berlim-
Bagdá. 4
MOTIVAÇÕES DA I GUERRA
MUNDIAL
ANTECEDENTES
• Conferência de Berlim
(1884-85) → Partilha da África.
• Incidente de Fachoda
(1889) → confronto entre
França e Inglaterra no Sudão.
• I Crise Marroquina (1905) →
Alemanha X França.
• II Crise Marroquina (1911)
→ invasão alemã do Porto de
Agadir.
• I e II Guerras Balcânicas
(1912 e 1913) → Liga
Balcânica (Grécia, Sérvia,
Bulgária e Montenegro) X
Império Otomano. 5
Entente Cordiale de
1904 → Inglaterra e
França de braço dado e
a Alemanha fingindo
não se importar.
COMPETIÇÕES INDUSTRIAIS
• Competidores diretos, a indústria
alemã avançava, enquanto a britânica
perdia fôlego.
• A produção norte americana, também,
estava em ascensão. 6
7
Francisco Ferdinando,
herdeiro do trono da
Áustria-Hungria e sua
esposa, Sophie,
mortos em Sarajevo.
O ESTOPIM DA GUERRA
A Áustria credita a responsabilidade do
atentado à Sérvia. A declaração de guerra
coloca a política de alianças em ação.
8
MAPADASALIANÇAS
PLANO SCHLIEFFEN
9
Criado pelo Conde Alfred von Schlieffen em
1905 previa uma série de passos para a vitória
alemã sem uma luta em duas frentes:
1.Um ataque devastador sobre a França tão
logo a Rússia declarasse guerra.
2.Os russos demorariam 6 semanas para
mobilizar suas tropas e a primeira contenção
dos russos poderia ser feita com poucas
tropas.
3.Os britânicos ficariam tão atordoados com a
rápida derrota francesa e evitariam o conflito.
4.Derrotada a França em 6 semanas, os
alemães usariam todas as suas tropas contra
a Rússia.
10
O INÍCIO DA GUERRA
A guerra foi recebida
com festa por toda a
Europa. Multidões
entusiasmadas
saudaram na França
(foto 1) e na
Alemanha (foto 2) a
declaração de
guerra. Poucos
tinham noção do
quanto ela seria
letal.
FIM DE UMA ERA...
• A Guerra redefiniu o
mundo e significou o
fim de impérios,
fortunas e mesmo
poderosas famílias. 11
A I Guerra Mundial
(28/07/1914-
11/11/1918)
colocou fim à Belle
Époque (1870-
1914) marcada
pelo progresso
tecnológico (cinema,
automóveis, bicicleta,
disseminação da luz
elétrica, etc.) e grande
atividade cultural.
12
O INÍCIO DA GUERRA
O alistamento como ato patriótico. Cartaz
britânico de propaganda.
PROPAGANDA DE GUERRA
13
PROPAGANDA DE GUERRA
14
PRINCIPAIS BATALHAS
• Tannenberg – 1914.
• Marne (duas) – 1914 e
1918.
• Ypres (três) – 1914,
1915 e 1917.
• Gallípoli (Campanha) –
1915-1916.
• Somme – 1916.
• Verdun – 1916.
• Jutlândia – 1916.
• Caporetto – 1917.
• Rio Piave – 1918.
• Vittorio Veneto – 1918.
• Submarina – 1914-1918. 15
FASES DA GUERRA
Primeira Fase:
(1914)
• Caracterizou-se por
movimentos rápidos
envolvendo grandes
exércitos → Há a ilusão de
que a Guerra seria curta.
• Os austríacos invadem à
Sérvia em 28/07 e ocupam
também a Bósnia. Os
belgas resistem ao
avanço alemão e o país é
devastado. 16
FASES DA GUERRA
Primeira Fase: (1914)
• Os alemães usam a Bélgica
conquistada para entrar na
França e chegam até as
cercanias de Paris →
Havia a certeza de que a
guerra seria breve.
• Os russos conseguem bons
resultados contra os
austríacos e os alemães
são obrigados a deslocar
tropas para a frente
oriental. 17
Primeira Fase:
(1914)
• Os franceses
contra-atacaram
e, na Primeira
Batalha do Marne,
em setembro de
1914,
conseguiram deter
o avanço alemão.
18
FASES DA GUERRA
Alemães aguardando
o combate.
19
TRÉGUA DE NATAL
Em 1914, tropas britânicas e alemães pararam o
conflito, trocaram presentes, ainda acreditando em
uma guerra curta.
PROPAGANDA DE GUERRA
20
Segunda Fase: (1915-1916)
• Frente Ocidental → guerra de
trincheiras → os exércitos defendiam
suas posições utilizando-se de uma
extensa rede de fortificações que eles
próprios cavavam → longos períodos
de inatividade, condições insalubres e
proliferação de doenças.
• Frente oriental → o exército alemão
impunha sucessivas derrotas ao mal
treinado e mal armado exército russo
→ a crise política russa se aprofundava
com as derrotas militares.
21
FASES DA GUERRA
GUERRA DE TRINCHEIRAS
22
Trincheira Britânica.
Alemães
entrincheirados na
Antuérpia (1914).
Segunda Fase: (1915-1916)
• Mesmo militarmente superior, a
Alemanha não conseguiu fazer
com que a Rússia se rendesse.
• No Ocidente, a guerra se
arrastava nas trincheiras.
• Em 1915, a Itália, até então
neutra, traiu a aliança com a
Alemanha e entrou na guerra ao
lado da Tríplice Entente →
promessa de compensações
territoriais. 23
FASES DA GUERRA
GUERRA DE TRINCHEIRAS
24
As trincheiras muitas vezes ficavam alagadas.
GUERRA DE TRINCHEIRAS
25
Longos períodos de inatividade e péssimas
condições de vida.
• O conflito se
arrasta com um
elevado número de
baixas. Exemplos
→ a Terceira
Batalha de Ypres
(Passchendaele) →
848.614 baixas;
Batalha de Verdun
→ 976.000 baixas;
Batalha de Somme
→ 1.219.201
baixas. Esta
última foi a mais
mortal da guerra.
26
FASES DA GUERRA
• A papoula vermelha tornou-se símbolo da I Guerra
graças ao poema do médico canadense John
McCrae. As flores lembram o sangue derramado
nos campos da Flandres, na Bélgica. A ideia foi da
americana Moina Michael, que respondeu com
outro poema “We Shall Keep the Faith”.
27
"In Flanders
fields the
poppies blow /
Between the
crosses row on
row,”
(In Flanders
Fields, John
McCrae)
• Novas armas, como o
canhão de tiro rápido,
o gases venenosos, o
lança-chamas, o avião
e o submarino, faziam
um número crescente
de vítimas.
• A guerra também
aperfeiçoou o uso do
rádio nas
comunicações.
• Ao lado, soldados
australianos usando
máscaras de gás. 28
FASES DA GUERRA
AVIAÇÃO: CAVALARIA DO AR
29
AVIAÇÃO: CAVALARIA DO AR
30
Usada primeiro para reconhecimento, logo, a
aviação passou a ser usada em bombardeios.
• Os tanques foram usados pela primeira
vez na Batalha do Somme. A arma
secreta dos britânicos, eram 48 tanques
Mark I, apenas 21 chegaram à linha de
frente. 17 quebraram no caminho.
31
OS BLINDADOS
GENOCÍDIO ARMÊNIO
32
Iniciado em 24 de
abril de 1915, foi
um dos primeiros
genocídios do
século XX e
acredita-se que
matou pelo menos
1 milhão e 500 mil
pessoas.
Fuzilamentos,
enforcamentos,
marchas da morte,
crucificações e
outras atrocidades
foram cometidas
contra a população
civil.
O governo turco até hoje nega o
genocídio e argumenta que houve
uma “guerra civil”, ou “levante”
dos armênios. No entanto, sabe-se
que outras minorias cristãs foram
massacradas na mesma época,
como sírios e gregos.
Terceira Fase: (1917-1918)
• 1917 → dois fatos decisivos para o
desfecho da guerra → a entrada dos
Estados Unidos no conflito e a saída da
Rússia.
• Os Estados Unidos entraram na guerra
ao lado da Inglaterra e da França.
Outros países, como o Brasil também
declararam guerra à Alemanha, por
causa da guerra de submarinos.
33
FASES DA GUERRA
34O Náufrágio do Lusitania teve impacto sobre a
opinião pública norte-americana.
• As atrocidades alemães na Bélgica
(1914).
• Interesses econômicos → se os
alemães vencessem a guerra,
dificilmente os empréstimos à França e
Grã-Bretanha seriam pagos.
• O naufrágio do Lusitânia (1915) → mais
de 1000 mortos, 128 eram americanos.
• O uso sem limite da guerra submarina.
• O telegrama Zimmermann (1917) →
tentativa alemã de trazer o México
para o conflito. 35
5 RAZÕES PARA A ENTRADA
DOS EUA NA 1ª GUERRA
36
Propaganda inglesa focada nas mulheres → As
fábricas de munição precisam de mão-de-obra.
37
Propaganda focada nas mulheres → comprando
bônus de guerra, ou mandando os homens para o
combate, sua ajuda era fundamental.
38
Apelo erótico e idealização → a sedutora Christy
Girl (arte de Howard Chandler Christy) e a a mulher branca
indefesa (a civilização) vítima da brutalidade
alemã.
39
No leste europeu, houve mulheres combatentes. A
romena Ecaterina Teodoroiu começou como enfermeira
e tornou-se soldado. Morreu em combate. Já a sérvia
Milunka Savić lutou disfarçada de homem, permaneceu
combatendo mesmo depois de descoberta. Lutou nas
guerras balcânicas e na I Guerra. Ferida nove vezes, é
a militar mais condecorada da história.
• O único grupo feminino regular combatentes
foi o Batalhão da Morte russo, criado pouco
antes da saída do país da Guerra. Das 2 mil
candidatas, restaram 300. 40
• Combateu desde
1914 com
permissão do
próprio Czar.
Participou da
criação do Batalhão
da Morte.
• Com a Revolução,
foi presa pelos
bolcheviques.
Libertada, mais
tarde retorna para
lutar ao lado dos
brancos.
• Capturada, terminou
executada como
“inimiga do povo”.
41
Maria Leontievna
Bochkareva
• Outras nações também se envolveram
na guerra. Império Turco Otomano e a
Bulgária juntaram-se à Tríplice Aliança,
enquanto Japão, Portugal, Romênia,
Grécia, Brasil e Argentina colocaram-se
ao lado da Entente.
42
UMA GUERRA
REALMENTE MUNDIAL
A Grã-Bretanha
contou com
tropas de suas
colônias como
Austrália,
Índia, Canadá
e África do Sul.
• O Brasil enviou pessoal médico, um grupo
de oficiais e sargentos para treinamento e
navios para patrulha do Atlântico, em
especial a Costa da África.
43
BRASIL NA I GUERRA
O Brasil
declarou
guerra à
Alemanha em
26 de outubro
de 1917,
depois do
torpedeamento
de vários de
nossos navios.
• A saída da Rússia da guerra está
relacionada à revolução socialista de
1917. O novo governo alegou que a
guerra era imperialista e que o país
tinha muitos problemas internos para
resolver.
• Socialistas e anarquistas colocaram-se
contra a guerra, e defendiam a união
dos operários de todo o mundo. Já os
social democratas alemães (corrente
socialista não-revolucionária) apoiaram
a guerra para não serem acusados de
traidores da nação.
44
FASES DA GUERRA
• Na Alemanha do pós-guerra os
socialistas serão acusados de traição
por sua posição anti-guerra. E os
social democratas acabam recebendo
a mesma acusação. 45
Guerradohomemrico!
Lutadohomempobre!
Propagandaanti-
guerra.
• Propaganda socialista inglesa contra a
guerra e outra norte americana “A Mother
plea for peace: I didn’t raise my boy to be
a soldier!” (O apelo de uma mãe pela paz:
Não criei meu filho para ser um soldado).46
• Havia, também, pacifistas cristãos e
outros grupos anti-guerra. Aqui uma
propaganda australiana pedindo que a
população vote “não” no referendo de
alistamento militar. 47
• Firmado pelo governo bolchevique da
Rússia e a Tríplice Aliança em 3 de
março de 1918, ignorava os aliados
França e Grã-Bretanha.
• A Rússia, que contabilizava já 4
milhões de mortos, saía da guerra e
aceitava condições humilhantes: abria
mão da Finlândia, da Estônia, da
Letônia e da Lituânia), da Polônia,
Bielorrússia e Ucrânia, e outros
territórios que continham um terço da
população da Rússia, metade de sua
indústria e nove décimos de suas
minas de carvão. 48
TRATADO DE BREST-LITOVSKI
• A Alemanha, então, avançou sobre a
França antes da chegado dos norte-
americanos, mas foram novamente
detidos na Segunda Batalha do Marne
(05/07-06/08) e forçados a recuar. 49
O FIM DA GUERRA
50
O FRONT ITALIANO
• O fim do Império Austro-
Húngaro foi selado no
front italiano. Para apoiar
o aliado ameaçado, a
Alemanha manda tropas,
franceses e britânicos,
também. Três batalhas
foram decisivas:
Caporetto (1917), Rio
Piave (1918) e Vittorio
Veneto (1918).
• Os húngaros se retiram da
guerra em 31/10, os
austríacos assinam
armísticio em 03/11. O
império se desfaz.
Austríacos
escalando os
montes Dolomitas.
• A partir da derrota no Marne, a guerra se
estendeu por mais três meses. A
Alemanha combalida ainda resistia, mas
uma rebelião interna, forçou o kaiser
Guilherme II a abdicar em 9 de novembro
de 1918.
51
O FIM DA GUERRA
Tropas norte
americanas
comemoram o
armistício de
11 de
novembro.
Era o conteúdo de uma mensagem
enviada ao Congresso americano em 8
de janeiro de 1918, sintetizando o
programa de paz do Presidente Wilson:
1. Abolição da diplomacia secreta;
2. Liberdade dos mares;
3. Eliminação das barreiras econômicas
entre as nações;
4. Redução dos armamentos nacionais;
52
QUATORZE PONTOS DE
WILSON
5. Redefinição da política colonialista,
levando em consideração o interesse dos
povos colonizados;
6. Retirada dos exércitos de ocupação da
Rússia;
7. Restauração da independência da
Bélgica;
8. Restituição da Alsácia-Lorena à França;
9. Reformulação das fronteiras italianas;
10.Reconhecimento do direito de autonomia
dos povos da Áustria-Hungria; 53
QUATORZE PONTOS DE
WILSON
54
28º presidente americano, o democrata Woodrow
Wilson (1913-1921) recebeu o Prêmio Nobel da Paz
de 1919 por sua atuação.
11.Restauração da Romênia, da Sérvia e de
Montenegro e direito de acesso ao mar
para a Sérvia;
12.Reconhecimento do direito de autonomia
do povo da Turquia e abertura permanente
dos estreitos que ligam o Mar Negro ao
Mediterrâneo;
13.Independência da Polônia e direito de
acesso ao mar;
14.Criação da Liga das Nações, ou
Sociedade das nações. 55
QUATORZE PONTOS DE
WILSON
• A Entente usou os “14 Pontos” em sua
propaganda no final da Guerra.
Milhares de folhetos foram lançados
sobre a Alemanha.
• Os 14 Pontos, no entanto, não estavam
sendo levados à sério nem pela Grã-
Bretanha, nem pela França, e outros
aliados.
• No entanto, seu conteúdo teve peso
considerável na rendição alemã.
56
QUATORZE PONTOS DE
WILSON
• A Alemanha tornou-se uma República
sob risco de guerra civil. Dois dias
depois, em 11 de novembro, foi
assinado o Armistício de Compiègne.
• A rendição alemã e a assinatura do
Tratado dos “Quatorze Pontos para a
Paz” não selaram definitivamente as
questões abertas com a guerra.
• Algumas potências ainda buscavam um
tratamento mais rigoroso às nações
derrotadas na guerra, principalmente a
Alemanha. 57
O FIM DA GUERRA
58
• A I Guerra Mundial não matou tanto.
Entre 8 e 11 milhões de militares e 6 e 7
milhões de civis morreram durante o
conflito.
A GRIPE ESPANHOLA
• Morreram de
gripe em
1918-1919
entre 20 e 40
milhões de
pessoas.
Somente no
Rio, houve
entre 14 e 17
mil mortos.
• Em 28 de junho de 1919, as nações
vencedoras do conflito reuniram-se no
Palácio de Versalhes, para novas
negociações de paz.
• O Tratado de Versalhes estabelecia
que a Alemanha era obrigada a:
restituir a Alsácia e a Lorena à França;
ceder as minas de carvão do Sarre à
França por um prazo de 15 anos; ceder
suas colônias, submarinos e navios
mercantes à Inglaterra, França e
Bélgica; (...)
59
O TRATADO DE VERSALHES
• Para amargura do democrata Wilson, o
Congresso americano, dominado pelos
republicanos, se recusa a assinar o tratado da
Liga das Nações. 60
• Charge norte
americana
satiriza a
política
externa de
seus aliados.
Eles estariam
lançando as
sementes da
nova guerra...
61
• O Tratado de Versalhes estabelecia
que a Alemanha era obrigada a:
restituir a Alsácia e a Lorena à
França;
ceder as minas de carvão do Sarre à
França por um prazo de 15 anos;
ceder suas colônias, submarinos e
navios mercantes à Inglaterra,
França e Bélgica;
pagar aos vencedores, a título de
indenização, a fabulosa quantia de
33 bilhões de dólares. 62
O TRATADO DE VERSALHES
• Lloyd George, Vittorio Emanuele Orlando,
Georges Clemenceau e o americano Woodrow
Wilson nas negociações do Tratado de
Versalhes.
63
• O Tratado de Versalhes estabelecia que
a Alemanha era obrigada a:
reduzir seu poderio bélico, ficando
proibida de possuir força aérea, de
fabricar armas e de ter um exército
superior a 100 mil homens.
O serviço militar obrigatório foi
abolido.
 Para os alemães, o Tratado de
Versalhes representou tanto uma
traição, quanto uma humilhação.
Resultado? Rancor e desejo de
revanche. 64
O TRATADO DE VERSALHES
• Tratado de Saint-Germain-en-Laye
(1919) → Áustria se torna república e
seu mapa é redesenhado.
• Tratado de Sykes-Picot → partilha do
Oriente Médio entre França e Inglaterra
→ 1916, confirmado em 1920.
• Tratado de Neuilly (1919) → Bulgária
tem seu mapa redesenhado.
• Tratado de Trianon (1920) →regula as
fronteiras da Hungria e outros países da
Europa Central.
• Tratados de Sèvres (1920) →
desmembramento do Império Otomano.65
OUTROS TRATADOS
EUROPA ANTES E DEPOIS
DA GUERRA
66
O SALDO DA GUERRA
• Declínio da Europa, que foi duramente
atingida pelo conflito.
• Ascensão dos Estados Unidos, que a
partir de então se confirma como uma
das grandes potências;
• Intensificação dos problemas que
contribuíram para a revolução
socialista na Rússia;
• Desequilíbrio demográfico, a maioria
dos mortos eram homens entre 18-40
anos.
• Fim dos impérios Russo, Austro-
Húngaro, Alemão e Otomano.
67
O SALDO DA GUERRA
• Surgimento de novos Estados:
 Do desmembramento do Império
Austro-Húngaro: Áustria, Hungria,
Tchecoslováquia e Iugoslávia (nome
oficial da “Grande Sérvia”, criado em
1931).
 Do desmembramento do Império
Russo: URSS, Finlândia, Polônia,
Lituânia, Letônia e Estônia.
• Crise econômica generalizada, com
especial gravidade na URSS, Itália e
Alemanha.
68
• Monumento de Paul Landowski, (1875-1961)
honra os mortos na II Batalha do Marne, que
garantiu a ofensiva final da Entente.
69
O SALDO DA GUERRA
• Enfraquecimento das democracias
liberais e derrubada de várias
monarquias.
• Surgimento dos regimes totalitários,
tanto de esquerda (comunismo) como
de direita (fascismo).
• Criação da Sociedade das Nações ou
Liga das Nações → um dos poucos
itens dos “14 Pontos” que foram
aproveitados.
• Existência de minorias étnicas com
tendência separatista em vários países
da Europa Central e Oriental, criando
graves focos de tensão. 70
71
• ARARIPE, Luiz de Alencar.
Primeira Guerra Mundial in:
MAGNOLI, Demétrio (org.).
História das Guerras. 4ª ed. São
Paulo: Contexto, 2008, p. 318-353.
• HOBSBAWN, Eric. Era dos
Extremos – O Breve Século XX
1914-1991. 2ª ed. São Paulo: Cia
das Letras, 1995.
• KEEGAN, John. Uma História da
Guerra. São Paulo: Cia das
Letras, 1995.
• Entrevista com o historiador
Carlos Daróz. Guia dos Curiosos.
Disponível em http://bit.ly/2mrjIEx
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
72
• MACMILLAN, Margaret. A Primeira
Guerra Mundial que acabaria com
as guerras. São Paulo: Globo
Livros, 2014.
• MAYER, Arno J. A Força da
Tradição – A Persistência do
Antigo Regime. São Paulo: Cia das
Letras, 1987.
• ROCHA, Juliana. Pandemia de
gripe de 1918. Invivo-Fiocruz.
Disponível em http://bit.ly/2lfFGtV
• O centenário da batalha que matou
mais de 1 milhão e traumatizou a
Europa. BBC. Disponível em
http://bbc.in/2lc8SRV
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geopolítica
Geopolítica Geopolítica
Geopolítica
Escola do Recife
 
Imperialismo: Aula 01> África
Imperialismo:  Aula 01> ÁfricaImperialismo:  Aula 01> África
Imperialismo: Aula 01> África
carlosbidu
 
Estado novo vargas
Estado novo vargasEstado novo vargas
Estado novo vargas
Dilermando12
 
Oriente médio física e petróleo
Oriente médio   física e petróleoOriente médio   física e petróleo
Oriente médio física e petróleo
flaviocosac
 
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
Rafael Noronha
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
Bruce Portes
 
Imperialismo – ásia
Imperialismo – ásiaImperialismo – ásia
Imperialismo – ásia
Carlos Glufke
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
Prof.Marcio LHP
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
guiodrumond
 
Primeira Guerra Mundial (1914 1918)
Primeira Guerra Mundial (1914 1918)Primeira Guerra Mundial (1914 1918)
Primeira Guerra Mundial (1914 1918)
Valéria Shoujofan
 
A Geografia e a Geopolitica
A Geografia e a GeopoliticaA Geografia e a Geopolitica
A Geografia e a Geopolitica
Adriana Gomes Messias
 
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão PalestinaConflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Elton Zanoni
 
Indústria japonesa
Indústria japonesaIndústria japonesa
Indústria japonesa
Suelen Alves
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
Apartheid
ApartheidApartheid
Apartheid
Julio Siqueira
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
Rodrigo Luiz
 
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXPPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
josafaslima
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
Neuma Matos
 
Capitalismo
Capitalismo Capitalismo
Capitalismo
Larissa Rocha
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 

Mais procurados (20)

Geopolítica
Geopolítica Geopolítica
Geopolítica
 
Imperialismo: Aula 01> África
Imperialismo:  Aula 01> ÁfricaImperialismo:  Aula 01> África
Imperialismo: Aula 01> África
 
Estado novo vargas
Estado novo vargasEstado novo vargas
Estado novo vargas
 
Oriente médio física e petróleo
Oriente médio   física e petróleoOriente médio   física e petróleo
Oriente médio física e petróleo
 
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão00 8º ano   história   rafael  - imperialismo resumão
00 8º ano história rafael - imperialismo resumão
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Imperialismo – ásia
Imperialismo – ásiaImperialismo – ásia
Imperialismo – ásia
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Primeira Guerra Mundial (1914 1918)
Primeira Guerra Mundial (1914 1918)Primeira Guerra Mundial (1914 1918)
Primeira Guerra Mundial (1914 1918)
 
A Geografia e a Geopolitica
A Geografia e a GeopoliticaA Geografia e a Geopolitica
A Geografia e a Geopolitica
 
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão PalestinaConflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
Conflito Árabe-Israelense e a Questão Palestina
 
Indústria japonesa
Indústria japonesaIndústria japonesa
Indústria japonesa
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Apartheid
ApartheidApartheid
Apartheid
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXPPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
 
Capitalismo
Capitalismo Capitalismo
Capitalismo
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 

Destaque

República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
Valéria Shoujofan
 
Guerra do Vietnã
Guerra do VietnãGuerra do Vietnã
Guerra do Vietnã
Valéria Shoujofan
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Valéria Shoujofan
 
A Revolução Mexicana (1910)
A Revolução Mexicana (1910)A Revolução Mexicana (1910)
A Revolução Mexicana (1910)
Valéria Shoujofan
 
Independência da índia
Independência da índiaIndependência da índia
Independência da índia
Valéria Shoujofan
 
República dos Generais - Parte 2
República dos Generais - Parte 2República dos Generais - Parte 2
República dos Generais - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Governo JK
Governo JKGoverno JK
Governo JK
Valéria Shoujofan
 
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalEra vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Valéria Shoujofan
 
Descolonização da Ásia e da África
Descolonização da Ásia e da ÁfricaDescolonização da Ásia e da África
Descolonização da Ásia e da África
Valéria Shoujofan
 
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo DemocráticoGovernos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Valéria Shoujofan
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Valéria Shoujofan
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
Valéria Shoujofan
 
Expansão dos Estados Totalitários Fascistas
Expansão dos Estados Totalitários FascistasExpansão dos Estados Totalitários Fascistas
Expansão dos Estados Totalitários Fascistas
Valéria Shoujofan
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Valéria Shoujofan
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Valéria Shoujofan
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Valéria Shoujofan
 
Guerra da Coréia (1950-1953)
Guerra da Coréia (1950-1953)Guerra da Coréia (1950-1953)
Guerra da Coréia (1950-1953)
Valéria Shoujofan
 
Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920
Valéria Shoujofan
 
Estados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande Depressão
Estados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande DepressãoEstados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande Depressão
Estados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande Depressão
Valéria Shoujofan
 

Destaque (20)

República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
Guerra do Vietnã
Guerra do VietnãGuerra do Vietnã
Guerra do Vietnã
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
A Revolução Mexicana (1910)
A Revolução Mexicana (1910)A Revolução Mexicana (1910)
A Revolução Mexicana (1910)
 
Independência da índia
Independência da índiaIndependência da índia
Independência da índia
 
República dos Generais - Parte 2
República dos Generais - Parte 2República dos Generais - Parte 2
República dos Generais - Parte 2
 
República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1República dos Generais - Parte 1
República dos Generais - Parte 1
 
Governo JK
Governo JKGoverno JK
Governo JK
 
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalEra vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
 
Descolonização da Ásia e da África
Descolonização da Ásia e da ÁfricaDescolonização da Ásia e da África
Descolonização da Ásia e da África
 
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo DemocráticoGovernos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
 
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
Getúlio Vargas: Governo Provisório (1930-34)
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Expansão dos Estados Totalitários Fascistas
Expansão dos Estados Totalitários FascistasExpansão dos Estados Totalitários Fascistas
Expansão dos Estados Totalitários Fascistas
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 
Guerra da Coréia (1950-1953)
Guerra da Coréia (1950-1953)Guerra da Coréia (1950-1953)
Guerra da Coréia (1950-1953)
 
Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920Brasil nos anos 1920
Brasil nos anos 1920
 
Estados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande Depressão
Estados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande DepressãoEstados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande Depressão
Estados Unidos: Dos "Golden Years" à Grande Depressão
 

Semelhante a I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)

A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
GUERRAS MUNDIAIS - PRIMEIRA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS -  PRIMEIRA GUERRA GUERRAS MUNDIAIS -  PRIMEIRA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - PRIMEIRA GUERRA
Diego Bian Filo Moreira
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Valéria Shoujofan
 
a 2 guerra mundial
a 2  guerra mundiala 2  guerra mundial
a 2 guerra mundial
necromanceromagonegr
 
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptxAula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Gerson Coppes
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
Alexandre Protásio
 
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
marlete andrade
 
100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10
ProfMario De Mori
 
Da crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptx
Da crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptxDa crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptx
Da crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptx
JosGuilhermeZago
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
historiando
 
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Valéria Shoujofan
 
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Primeira guerra mundial 9 anos
Primeira guerra mundial 9 anosPrimeira guerra mundial 9 anos
Primeira guerra mundial 9 anos
Íris Ferreira
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
Nelia Salles Nantes
 
Primeira Guerra Mundial (com exercícios)
Primeira Guerra Mundial   (com exercícios)Primeira Guerra Mundial   (com exercícios)
Primeira Guerra Mundial (com exercícios)
João Gonçalves Macedo
 

Semelhante a I GUERRA MUNDIAL (versão 2017) (20)

A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
GUERRAS MUNDIAIS - PRIMEIRA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS -  PRIMEIRA GUERRA GUERRAS MUNDIAIS -  PRIMEIRA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - PRIMEIRA GUERRA
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
a 2 guerra mundial
a 2  guerra mundiala 2  guerra mundial
a 2 guerra mundial
 
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptxAula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
Aprimeiraguerramundial slides-130820205900-phpapp02
 
100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10
 
Da crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptx
Da crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptxDa crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptx
Da crise da democracia à Segunda Guerra Mundial.pptx
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
 
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
 
Primeira guerra mundial 9 anos
Primeira guerra mundial 9 anosPrimeira guerra mundial 9 anos
Primeira guerra mundial 9 anos
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
A 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundialA 1ª guerra mundial
A 1ª guerra mundial
 
Primeira Guerra Mundial (com exercícios)
Primeira Guerra Mundial   (com exercícios)Primeira Guerra Mundial   (com exercícios)
Primeira Guerra Mundial (com exercícios)
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 

Último

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)

  • 1. 1
  • 2. MOTIVAÇÕES DA I GUERRA MUNDIAL • Imperialismos e Neocolonialismo disputa pelo controle de territórios na África e na Ásia (Alemanha e Itália sentiam-se prejudicadas), disputas por mercados consumidores, áreas para reinvestimento de capitais e fontes de matérias primas. • Nacionalismos → Pangermanismo, Pan-Eslavismo Russo, Nacionalismo Sérvio, Revanchismo Francês etc. 2
  • 3. 3 Interesses imperialistas estão diretamente ligados ao aumento das tensões entre as potências européias. No final do século XIX, Japão e EUA também passam a integrar o seleto grupo das potências imperialistas.
  • 4. • Política das Alianças (Tríplice Aliança formada em 1882 e Tríplice Entente formada em 1907) → uma declaração de guerra produziria um efeito dominó. • Corrida Armamentista → Projeto naval alemão → Britânicos se sentiam ameaçados. • Crise do Império Turco → Construção da Ferrovia Berlim- Bagdá. 4 MOTIVAÇÕES DA I GUERRA MUNDIAL
  • 5. ANTECEDENTES • Conferência de Berlim (1884-85) → Partilha da África. • Incidente de Fachoda (1889) → confronto entre França e Inglaterra no Sudão. • I Crise Marroquina (1905) → Alemanha X França. • II Crise Marroquina (1911) → invasão alemã do Porto de Agadir. • I e II Guerras Balcânicas (1912 e 1913) → Liga Balcânica (Grécia, Sérvia, Bulgária e Montenegro) X Império Otomano. 5 Entente Cordiale de 1904 → Inglaterra e França de braço dado e a Alemanha fingindo não se importar.
  • 6. COMPETIÇÕES INDUSTRIAIS • Competidores diretos, a indústria alemã avançava, enquanto a britânica perdia fôlego. • A produção norte americana, também, estava em ascensão. 6
  • 7. 7 Francisco Ferdinando, herdeiro do trono da Áustria-Hungria e sua esposa, Sophie, mortos em Sarajevo. O ESTOPIM DA GUERRA A Áustria credita a responsabilidade do atentado à Sérvia. A declaração de guerra coloca a política de alianças em ação.
  • 9. PLANO SCHLIEFFEN 9 Criado pelo Conde Alfred von Schlieffen em 1905 previa uma série de passos para a vitória alemã sem uma luta em duas frentes: 1.Um ataque devastador sobre a França tão logo a Rússia declarasse guerra. 2.Os russos demorariam 6 semanas para mobilizar suas tropas e a primeira contenção dos russos poderia ser feita com poucas tropas. 3.Os britânicos ficariam tão atordoados com a rápida derrota francesa e evitariam o conflito. 4.Derrotada a França em 6 semanas, os alemães usariam todas as suas tropas contra a Rússia.
  • 10. 10 O INÍCIO DA GUERRA A guerra foi recebida com festa por toda a Europa. Multidões entusiasmadas saudaram na França (foto 1) e na Alemanha (foto 2) a declaração de guerra. Poucos tinham noção do quanto ela seria letal.
  • 11. FIM DE UMA ERA... • A Guerra redefiniu o mundo e significou o fim de impérios, fortunas e mesmo poderosas famílias. 11 A I Guerra Mundial (28/07/1914- 11/11/1918) colocou fim à Belle Époque (1870- 1914) marcada pelo progresso tecnológico (cinema, automóveis, bicicleta, disseminação da luz elétrica, etc.) e grande atividade cultural.
  • 12. 12 O INÍCIO DA GUERRA O alistamento como ato patriótico. Cartaz britânico de propaganda.
  • 15. PRINCIPAIS BATALHAS • Tannenberg – 1914. • Marne (duas) – 1914 e 1918. • Ypres (três) – 1914, 1915 e 1917. • Gallípoli (Campanha) – 1915-1916. • Somme – 1916. • Verdun – 1916. • Jutlândia – 1916. • Caporetto – 1917. • Rio Piave – 1918. • Vittorio Veneto – 1918. • Submarina – 1914-1918. 15
  • 16. FASES DA GUERRA Primeira Fase: (1914) • Caracterizou-se por movimentos rápidos envolvendo grandes exércitos → Há a ilusão de que a Guerra seria curta. • Os austríacos invadem à Sérvia em 28/07 e ocupam também a Bósnia. Os belgas resistem ao avanço alemão e o país é devastado. 16
  • 17. FASES DA GUERRA Primeira Fase: (1914) • Os alemães usam a Bélgica conquistada para entrar na França e chegam até as cercanias de Paris → Havia a certeza de que a guerra seria breve. • Os russos conseguem bons resultados contra os austríacos e os alemães são obrigados a deslocar tropas para a frente oriental. 17
  • 18. Primeira Fase: (1914) • Os franceses contra-atacaram e, na Primeira Batalha do Marne, em setembro de 1914, conseguiram deter o avanço alemão. 18 FASES DA GUERRA Alemães aguardando o combate.
  • 19. 19 TRÉGUA DE NATAL Em 1914, tropas britânicas e alemães pararam o conflito, trocaram presentes, ainda acreditando em uma guerra curta.
  • 21. Segunda Fase: (1915-1916) • Frente Ocidental → guerra de trincheiras → os exércitos defendiam suas posições utilizando-se de uma extensa rede de fortificações que eles próprios cavavam → longos períodos de inatividade, condições insalubres e proliferação de doenças. • Frente oriental → o exército alemão impunha sucessivas derrotas ao mal treinado e mal armado exército russo → a crise política russa se aprofundava com as derrotas militares. 21 FASES DA GUERRA
  • 22. GUERRA DE TRINCHEIRAS 22 Trincheira Britânica. Alemães entrincheirados na Antuérpia (1914).
  • 23. Segunda Fase: (1915-1916) • Mesmo militarmente superior, a Alemanha não conseguiu fazer com que a Rússia se rendesse. • No Ocidente, a guerra se arrastava nas trincheiras. • Em 1915, a Itália, até então neutra, traiu a aliança com a Alemanha e entrou na guerra ao lado da Tríplice Entente → promessa de compensações territoriais. 23 FASES DA GUERRA
  • 24. GUERRA DE TRINCHEIRAS 24 As trincheiras muitas vezes ficavam alagadas.
  • 25. GUERRA DE TRINCHEIRAS 25 Longos períodos de inatividade e péssimas condições de vida.
  • 26. • O conflito se arrasta com um elevado número de baixas. Exemplos → a Terceira Batalha de Ypres (Passchendaele) → 848.614 baixas; Batalha de Verdun → 976.000 baixas; Batalha de Somme → 1.219.201 baixas. Esta última foi a mais mortal da guerra. 26 FASES DA GUERRA
  • 27. • A papoula vermelha tornou-se símbolo da I Guerra graças ao poema do médico canadense John McCrae. As flores lembram o sangue derramado nos campos da Flandres, na Bélgica. A ideia foi da americana Moina Michael, que respondeu com outro poema “We Shall Keep the Faith”. 27 "In Flanders fields the poppies blow / Between the crosses row on row,” (In Flanders Fields, John McCrae)
  • 28. • Novas armas, como o canhão de tiro rápido, o gases venenosos, o lança-chamas, o avião e o submarino, faziam um número crescente de vítimas. • A guerra também aperfeiçoou o uso do rádio nas comunicações. • Ao lado, soldados australianos usando máscaras de gás. 28 FASES DA GUERRA
  • 30. AVIAÇÃO: CAVALARIA DO AR 30 Usada primeiro para reconhecimento, logo, a aviação passou a ser usada em bombardeios.
  • 31. • Os tanques foram usados pela primeira vez na Batalha do Somme. A arma secreta dos britânicos, eram 48 tanques Mark I, apenas 21 chegaram à linha de frente. 17 quebraram no caminho. 31 OS BLINDADOS
  • 32. GENOCÍDIO ARMÊNIO 32 Iniciado em 24 de abril de 1915, foi um dos primeiros genocídios do século XX e acredita-se que matou pelo menos 1 milhão e 500 mil pessoas. Fuzilamentos, enforcamentos, marchas da morte, crucificações e outras atrocidades foram cometidas contra a população civil. O governo turco até hoje nega o genocídio e argumenta que houve uma “guerra civil”, ou “levante” dos armênios. No entanto, sabe-se que outras minorias cristãs foram massacradas na mesma época, como sírios e gregos.
  • 33. Terceira Fase: (1917-1918) • 1917 → dois fatos decisivos para o desfecho da guerra → a entrada dos Estados Unidos no conflito e a saída da Rússia. • Os Estados Unidos entraram na guerra ao lado da Inglaterra e da França. Outros países, como o Brasil também declararam guerra à Alemanha, por causa da guerra de submarinos. 33 FASES DA GUERRA
  • 34. 34O Náufrágio do Lusitania teve impacto sobre a opinião pública norte-americana.
  • 35. • As atrocidades alemães na Bélgica (1914). • Interesses econômicos → se os alemães vencessem a guerra, dificilmente os empréstimos à França e Grã-Bretanha seriam pagos. • O naufrágio do Lusitânia (1915) → mais de 1000 mortos, 128 eram americanos. • O uso sem limite da guerra submarina. • O telegrama Zimmermann (1917) → tentativa alemã de trazer o México para o conflito. 35 5 RAZÕES PARA A ENTRADA DOS EUA NA 1ª GUERRA
  • 36. 36 Propaganda inglesa focada nas mulheres → As fábricas de munição precisam de mão-de-obra.
  • 37. 37 Propaganda focada nas mulheres → comprando bônus de guerra, ou mandando os homens para o combate, sua ajuda era fundamental.
  • 38. 38 Apelo erótico e idealização → a sedutora Christy Girl (arte de Howard Chandler Christy) e a a mulher branca indefesa (a civilização) vítima da brutalidade alemã.
  • 39. 39 No leste europeu, houve mulheres combatentes. A romena Ecaterina Teodoroiu começou como enfermeira e tornou-se soldado. Morreu em combate. Já a sérvia Milunka Savić lutou disfarçada de homem, permaneceu combatendo mesmo depois de descoberta. Lutou nas guerras balcânicas e na I Guerra. Ferida nove vezes, é a militar mais condecorada da história.
  • 40. • O único grupo feminino regular combatentes foi o Batalhão da Morte russo, criado pouco antes da saída do país da Guerra. Das 2 mil candidatas, restaram 300. 40
  • 41. • Combateu desde 1914 com permissão do próprio Czar. Participou da criação do Batalhão da Morte. • Com a Revolução, foi presa pelos bolcheviques. Libertada, mais tarde retorna para lutar ao lado dos brancos. • Capturada, terminou executada como “inimiga do povo”. 41 Maria Leontievna Bochkareva
  • 42. • Outras nações também se envolveram na guerra. Império Turco Otomano e a Bulgária juntaram-se à Tríplice Aliança, enquanto Japão, Portugal, Romênia, Grécia, Brasil e Argentina colocaram-se ao lado da Entente. 42 UMA GUERRA REALMENTE MUNDIAL A Grã-Bretanha contou com tropas de suas colônias como Austrália, Índia, Canadá e África do Sul.
  • 43. • O Brasil enviou pessoal médico, um grupo de oficiais e sargentos para treinamento e navios para patrulha do Atlântico, em especial a Costa da África. 43 BRASIL NA I GUERRA O Brasil declarou guerra à Alemanha em 26 de outubro de 1917, depois do torpedeamento de vários de nossos navios.
  • 44. • A saída da Rússia da guerra está relacionada à revolução socialista de 1917. O novo governo alegou que a guerra era imperialista e que o país tinha muitos problemas internos para resolver. • Socialistas e anarquistas colocaram-se contra a guerra, e defendiam a união dos operários de todo o mundo. Já os social democratas alemães (corrente socialista não-revolucionária) apoiaram a guerra para não serem acusados de traidores da nação. 44 FASES DA GUERRA
  • 45. • Na Alemanha do pós-guerra os socialistas serão acusados de traição por sua posição anti-guerra. E os social democratas acabam recebendo a mesma acusação. 45 Guerradohomemrico! Lutadohomempobre! Propagandaanti- guerra.
  • 46. • Propaganda socialista inglesa contra a guerra e outra norte americana “A Mother plea for peace: I didn’t raise my boy to be a soldier!” (O apelo de uma mãe pela paz: Não criei meu filho para ser um soldado).46
  • 47. • Havia, também, pacifistas cristãos e outros grupos anti-guerra. Aqui uma propaganda australiana pedindo que a população vote “não” no referendo de alistamento militar. 47
  • 48. • Firmado pelo governo bolchevique da Rússia e a Tríplice Aliança em 3 de março de 1918, ignorava os aliados França e Grã-Bretanha. • A Rússia, que contabilizava já 4 milhões de mortos, saía da guerra e aceitava condições humilhantes: abria mão da Finlândia, da Estônia, da Letônia e da Lituânia), da Polônia, Bielorrússia e Ucrânia, e outros territórios que continham um terço da população da Rússia, metade de sua indústria e nove décimos de suas minas de carvão. 48 TRATADO DE BREST-LITOVSKI
  • 49. • A Alemanha, então, avançou sobre a França antes da chegado dos norte- americanos, mas foram novamente detidos na Segunda Batalha do Marne (05/07-06/08) e forçados a recuar. 49 O FIM DA GUERRA
  • 50. 50 O FRONT ITALIANO • O fim do Império Austro- Húngaro foi selado no front italiano. Para apoiar o aliado ameaçado, a Alemanha manda tropas, franceses e britânicos, também. Três batalhas foram decisivas: Caporetto (1917), Rio Piave (1918) e Vittorio Veneto (1918). • Os húngaros se retiram da guerra em 31/10, os austríacos assinam armísticio em 03/11. O império se desfaz. Austríacos escalando os montes Dolomitas.
  • 51. • A partir da derrota no Marne, a guerra se estendeu por mais três meses. A Alemanha combalida ainda resistia, mas uma rebelião interna, forçou o kaiser Guilherme II a abdicar em 9 de novembro de 1918. 51 O FIM DA GUERRA Tropas norte americanas comemoram o armistício de 11 de novembro.
  • 52. Era o conteúdo de uma mensagem enviada ao Congresso americano em 8 de janeiro de 1918, sintetizando o programa de paz do Presidente Wilson: 1. Abolição da diplomacia secreta; 2. Liberdade dos mares; 3. Eliminação das barreiras econômicas entre as nações; 4. Redução dos armamentos nacionais; 52 QUATORZE PONTOS DE WILSON
  • 53. 5. Redefinição da política colonialista, levando em consideração o interesse dos povos colonizados; 6. Retirada dos exércitos de ocupação da Rússia; 7. Restauração da independência da Bélgica; 8. Restituição da Alsácia-Lorena à França; 9. Reformulação das fronteiras italianas; 10.Reconhecimento do direito de autonomia dos povos da Áustria-Hungria; 53 QUATORZE PONTOS DE WILSON
  • 54. 54 28º presidente americano, o democrata Woodrow Wilson (1913-1921) recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1919 por sua atuação.
  • 55. 11.Restauração da Romênia, da Sérvia e de Montenegro e direito de acesso ao mar para a Sérvia; 12.Reconhecimento do direito de autonomia do povo da Turquia e abertura permanente dos estreitos que ligam o Mar Negro ao Mediterrâneo; 13.Independência da Polônia e direito de acesso ao mar; 14.Criação da Liga das Nações, ou Sociedade das nações. 55 QUATORZE PONTOS DE WILSON
  • 56. • A Entente usou os “14 Pontos” em sua propaganda no final da Guerra. Milhares de folhetos foram lançados sobre a Alemanha. • Os 14 Pontos, no entanto, não estavam sendo levados à sério nem pela Grã- Bretanha, nem pela França, e outros aliados. • No entanto, seu conteúdo teve peso considerável na rendição alemã. 56 QUATORZE PONTOS DE WILSON
  • 57. • A Alemanha tornou-se uma República sob risco de guerra civil. Dois dias depois, em 11 de novembro, foi assinado o Armistício de Compiègne. • A rendição alemã e a assinatura do Tratado dos “Quatorze Pontos para a Paz” não selaram definitivamente as questões abertas com a guerra. • Algumas potências ainda buscavam um tratamento mais rigoroso às nações derrotadas na guerra, principalmente a Alemanha. 57 O FIM DA GUERRA
  • 58. 58 • A I Guerra Mundial não matou tanto. Entre 8 e 11 milhões de militares e 6 e 7 milhões de civis morreram durante o conflito. A GRIPE ESPANHOLA • Morreram de gripe em 1918-1919 entre 20 e 40 milhões de pessoas. Somente no Rio, houve entre 14 e 17 mil mortos.
  • 59. • Em 28 de junho de 1919, as nações vencedoras do conflito reuniram-se no Palácio de Versalhes, para novas negociações de paz. • O Tratado de Versalhes estabelecia que a Alemanha era obrigada a: restituir a Alsácia e a Lorena à França; ceder as minas de carvão do Sarre à França por um prazo de 15 anos; ceder suas colônias, submarinos e navios mercantes à Inglaterra, França e Bélgica; (...) 59 O TRATADO DE VERSALHES
  • 60. • Para amargura do democrata Wilson, o Congresso americano, dominado pelos republicanos, se recusa a assinar o tratado da Liga das Nações. 60
  • 61. • Charge norte americana satiriza a política externa de seus aliados. Eles estariam lançando as sementes da nova guerra... 61
  • 62. • O Tratado de Versalhes estabelecia que a Alemanha era obrigada a: restituir a Alsácia e a Lorena à França; ceder as minas de carvão do Sarre à França por um prazo de 15 anos; ceder suas colônias, submarinos e navios mercantes à Inglaterra, França e Bélgica; pagar aos vencedores, a título de indenização, a fabulosa quantia de 33 bilhões de dólares. 62 O TRATADO DE VERSALHES
  • 63. • Lloyd George, Vittorio Emanuele Orlando, Georges Clemenceau e o americano Woodrow Wilson nas negociações do Tratado de Versalhes. 63
  • 64. • O Tratado de Versalhes estabelecia que a Alemanha era obrigada a: reduzir seu poderio bélico, ficando proibida de possuir força aérea, de fabricar armas e de ter um exército superior a 100 mil homens. O serviço militar obrigatório foi abolido.  Para os alemães, o Tratado de Versalhes representou tanto uma traição, quanto uma humilhação. Resultado? Rancor e desejo de revanche. 64 O TRATADO DE VERSALHES
  • 65. • Tratado de Saint-Germain-en-Laye (1919) → Áustria se torna república e seu mapa é redesenhado. • Tratado de Sykes-Picot → partilha do Oriente Médio entre França e Inglaterra → 1916, confirmado em 1920. • Tratado de Neuilly (1919) → Bulgária tem seu mapa redesenhado. • Tratado de Trianon (1920) →regula as fronteiras da Hungria e outros países da Europa Central. • Tratados de Sèvres (1920) → desmembramento do Império Otomano.65 OUTROS TRATADOS
  • 66. EUROPA ANTES E DEPOIS DA GUERRA 66
  • 67. O SALDO DA GUERRA • Declínio da Europa, que foi duramente atingida pelo conflito. • Ascensão dos Estados Unidos, que a partir de então se confirma como uma das grandes potências; • Intensificação dos problemas que contribuíram para a revolução socialista na Rússia; • Desequilíbrio demográfico, a maioria dos mortos eram homens entre 18-40 anos. • Fim dos impérios Russo, Austro- Húngaro, Alemão e Otomano. 67
  • 68. O SALDO DA GUERRA • Surgimento de novos Estados:  Do desmembramento do Império Austro-Húngaro: Áustria, Hungria, Tchecoslováquia e Iugoslávia (nome oficial da “Grande Sérvia”, criado em 1931).  Do desmembramento do Império Russo: URSS, Finlândia, Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia. • Crise econômica generalizada, com especial gravidade na URSS, Itália e Alemanha. 68
  • 69. • Monumento de Paul Landowski, (1875-1961) honra os mortos na II Batalha do Marne, que garantiu a ofensiva final da Entente. 69
  • 70. O SALDO DA GUERRA • Enfraquecimento das democracias liberais e derrubada de várias monarquias. • Surgimento dos regimes totalitários, tanto de esquerda (comunismo) como de direita (fascismo). • Criação da Sociedade das Nações ou Liga das Nações → um dos poucos itens dos “14 Pontos” que foram aproveitados. • Existência de minorias étnicas com tendência separatista em vários países da Europa Central e Oriental, criando graves focos de tensão. 70
  • 71. 71 • ARARIPE, Luiz de Alencar. Primeira Guerra Mundial in: MAGNOLI, Demétrio (org.). História das Guerras. 4ª ed. São Paulo: Contexto, 2008, p. 318-353. • HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos – O Breve Século XX 1914-1991. 2ª ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995. • KEEGAN, John. Uma História da Guerra. São Paulo: Cia das Letras, 1995. • Entrevista com o historiador Carlos Daróz. Guia dos Curiosos. Disponível em http://bit.ly/2mrjIEx REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 72. 72 • MACMILLAN, Margaret. A Primeira Guerra Mundial que acabaria com as guerras. São Paulo: Globo Livros, 2014. • MAYER, Arno J. A Força da Tradição – A Persistência do Antigo Regime. São Paulo: Cia das Letras, 1987. • ROCHA, Juliana. Pandemia de gripe de 1918. Invivo-Fiocruz. Disponível em http://bit.ly/2lfFGtV • O centenário da batalha que matou mais de 1 milhão e traumatizou a Europa. BBC. Disponível em http://bbc.in/2lc8SRV REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS