Crise da República Velha

2.195 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.195
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
686
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crise da República Velha

  1. 1. CRISE DA REPÚBLICA VELHA OS ANOS 1920
  2. 2. POLÍTICA DO CAFÉ COM LEITE • Foi uma política de revezamento do poder nacional entre 1898 e 1930, por presidentes civis fortemente influenciados pelo setor agrário de São Paulo (Estado mais rico e maior produtor de café) e Minas Gerais (Maior colégio eleitoral da época e produtor de leite). • Alternavam-se no poder representantes do Partido Republicano Paulista (PRP), e do Partido Republicano Mineiro (PRM), que controlavam as eleições apoiados da Política dos Governadores. 3/29/2015Valéria Fernandes 2
  3. 3. O DIREITO DE VOTO “Art. 70 - São eleitores os cidadãos maiores de 21 anos que se alistarem na forma da lei. § 1º - Não podem alistar-se eleitores para as eleições federais ou para as dos Estados: 1º) os mendigos; 2º) os analfabetos; 3º) as praças de pré, excetuados os alunos das escolas militares de ensino superior; 4º) os religiosos de ordens monásticas, companhias, congregações ou comunidades de qualquer denominação, sujeitas a voto de obediência, regra ou estatuto que importe a renúncia da liberdade Individual. § 2º - São inelegíveis os cidadãos não alistáveis”. (Constituição de 1891) 3/29/2015Valéria Fernandes 3
  4. 4. POLÍTICA DOS GOVERNADORES • Governo Campos Sales (1898-1902) → o presidente apoiava os governadores e seus aliados e em troca eles garantiam a eleição para o Congresso dos candidatos de interesse das Oligarquias Mineira e Paulista. Garantia da continuidade das mesmas oligarquias (grandes famílias ricas e poderosas) no poder. Esta troca funcionava graças : 1. À Comissão Verificadora de poderes → Degola. 2. Ao Coronelismo → Curral Eleitoral. 3/29/2015Valéria Fernandes 4
  5. 5. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE 3/29/2015Valéria Fernandes 5
  6. 6. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE 3/29/2015Valéria Fernandes 6
  7. 7. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE 3/29/2015Valéria Fernandes 7
  8. 8. E A INDÚSTRIA?  Alguns fatores favoreceram o desenvolvimento industrial, especialmente em São Paulo: • Crescimento do mercado interno; • Mão de obra barata → Nacionais + Imigrantes • Possibilidade de abrir pequenas fábricas, que exigiam pouco capital. • A I Guerra Mundial. • Reinvestimento de capitais excedentes do Café.  No entanto, não havia política do governo federal para a indústria. 3/29/2015Valéria Fernandes 8
  9. 9. O MOVIMENTO OPERÁRIO 3/29/2015Valéria Fernandes 9 70 mil operários cruzaram os braços em São Paulo em junho de 1917.
  10. 10. O MOVIMENTO OPERÁRIO • Em junho de 1917 houve a primeira greve geral do Brasil. Os operários queriam: 1. Liberdade todas as pessoas detidas por motivo de greve; 2. Direito de associação sindical, sem punições como a demissão; 3. Abolição do trabalho de menores de 14 anos; 4. Proibição de menores de 18 anos e mulheres em trabalhos noturnos; 3/29/2015Valéria Fernandes 10
  11. 11. O MOVIMENTO OPERÁRIO 5. Aumento de 35% nos salários inferiores a 5$000 e de 25% para os mais elevados; 6. Pagamento dos salários efetuado quinzenalmente, e, o mais tardar, 5 dias após o vencimento; 7. Garantia aos operários de trabalho permanente; 8. Jornada de oito horas e semana inglesa; 9. Aumento de 50% em todo o trabalho extraordinário. 3/29/2015Valéria Fernandes 11
  12. 12. O MOVIMENTO OPERÁRIO • Questão operária era “caso de polícia”. • Governo de Artur Bernardes (1922-26) → forte repressão → ao final de seu governo, o movimento anarquista tinha sido massacrado. • A fundação do PCB (Partido Comunista Brasileiro deu novo fôlego ao movimento operário → Em 25 de março de 1922, no Congresso de Fundação, eles eram 9 delegados a representar cerca de 73 militantes em todo o país. 3/29/2015Valéria Fernandes 12
  13. 13. 3/29/2015Valéria Fernandes 13 Em 1927, aprovou-se a Lei Celerada (ou Lei Aníbal de Toledo), que combatia os chamados “delitos ideológicos”. Seu objetivo eram os operários, jornalistas e militares insurgentes.
  14. 14. A DÉCADA DE 1920 • Durante os anos 1920, a política do Café com Leite foi questionada por vários setores da população:  Camadas médias urbanas.  Operários.  Grupos ligados à indústria.  Jovens oficiais do Exército (*Movimento Tenentista*) • Esses grupos desejavam → voto secreto, incentivo à indústria, fim da corrupção na política, ampliação da educação pública, maior centralização política. 3/29/2015Valéria Fernandes 14
  15. 15. MOVIMENTO TENENTISTA • Envolvia principalmente jovens oficiais (capitães e tenentes) → nacionalistas, positivistas e queriam um poder central forte → Não uma linha ideológica. • Principais revoltas: 18 do Forte de Copacabana (1922), Comuna de Manaus (1924), São Paulo (1924) e a Coluna Prestes (1925-27). • Na década seguinte, alguns irão para a esquerda (comunista), outros para a direita (fascista) e alguns assumirão uma postura “neutra”. 3/29/2015Valéria Fernandes 15
  16. 16. • A primeira ação tenentista foi o levante dos 18 do Forte de Copacabana → julho de 1922 → os únicos sobreviventes foram Siqueira Campos e Eduardo Gomes. 3/29/2015Valéria Fernandes 16
  17. 17. • Motivações Específicas: O presidente Epitácio Pessoa nomeou um civil, o historiador João Pandiá Calógeras, como Ministro da Guerra. Derrota de Nilo Peçanha (apoiado pela maioria dos militares do Rio de Janeiro) para Arthur Bernardes (apoiado pela oligarquia de São Paulo). 3/29/2015Valéria Fernandes 17 MOVIMENTO TENENTISTA Caricatura de Nilo Peçanha.
  18. 18. • Incidente das cartas falsas → Em 1921, o Correio da Manhã publicou cartas atribuídas à Artur Bernardes, criticava a ação política dos oficiais do exército. • Prisão de Marechal Hermes da Fonseca, ex-presidente do Brasil e presidente do Clube Militar por ordem de Epitácio Pessoa (1919-22) → o Marechal havia criticado o processo eleitoral que deu a vitória a Arthur Bernardes. • Fechamento do Clube Militar. 3/29/2015Valéria Fernandes 18 MOVIMENTO TENENTISTA
  19. 19. • Aviões bombardearam São Paulo durante a Revolução de 1924 → casa destruída na Rua Helvétia, na região central da cidade 3/29/2015Valéria Fernandes 19 MOVIMENTO TENENTISTA
  20. 20. • Entre 1925 e 1927, um grupo composto por civis e militares cruzou mais de 24 mil quilômetros sob a liderança de Luís Carlos Prestes. • A Coluna Prestes assumiu uma aura de heroísmo, ainda que não tenha atingido seus objetivos. 3/29/2015Valéria Fernandes 20 MOVIMENTO TENENTISTA
  21. 21. Comando da Coluna Prestes. 3/29/2015Valéria Fernandes 21 MOVIMENTO TENENTISTA
  22. 22. O CANGAÇO • A miséria do Nordeste impulsionou o chamado Cangaço, que é uma forma de banditismo social. O massacre dos grupos cangaceiros foi feita na década seguinte. 3/29/2015Valéria Fernandes 22
  23. 23. CRISE DA REPÚBLICA VELHA • O Partido Democrático foi fundado por dissidentes do Partido Republicano Paulista, em 24/02/1925, com 599 membros → Representava as classes médias, vinculada a setores cafeeiros, mas sobretudo urbana → Poucos de seus membros eram industriais. • Crescimento foi rápido → em 3 meses, já tinha cerca de 20 mil membros; no final de 1926, 50 mil; em maio de 1927, tinha 87 diretórios em São Paulo no interior, no fim do ano já eram 180.  Nas eleições de 1930, o PD apoiou a Aliança Liberal, mas só conseguiu 10% dos votos paulistas para Getúlio Vargas. 3/29/2015Valéria Fernandes 23
  24. 24. • “Governar é abrir estradas” →O automóvel se impõe. • Estava promovendo uma reforma econômica que foi interrompida pela crise de 1929. • Rompeu com a Política do Café com Leite ao indicar outro paulista, Júlio Prestes. 3/29/2015Valéria Fernandes 24 CRISE DA REPÚBLICA VELHA O último presidente da República do Café com Leite, Washington Luís (1926-30).
  25. 25. • A campanha de 1930 foi a última da República Velha e marcada pela ruptura entre Minas e São Paulo. 3/29/2015Valéria Fernandes 25 Cartazes de Campanha eleitora de 1930: PRP (Júlio Prestes) e Aliança Liberal (Getúlio Vargas) CRISE DA REPÚBLICA VELHA
  26. 26. • Em 26 de julho de 1930, João Pessoa, candidato a vice de Getúlio e presidente da Paraíba, foi assassinado por João Dantas na Confeitaria Glória, em Recife (PE). • Seu assassinato é considerado o estopim da Revolução de 1930 em 24 de outubro. 3/29/2015Valéria Fernandes 26 CRISE DA REPÚBLICA VELHA Em sua homenagem a capital da Paraíba, antes denominada de "Parahyba", recebeu seu nome (04/09/1930).
  27. 27. • No plano cultural, um dos eventos mais importantes foi a Semana de Arte Moderna, ou Semana de 22, ocorrida em São Paulo entre os dias 13 a 17 /02/1922. • O movimento desejava encontrar uma expressão legitimamente brasileira nas artes, literatura, música, etc. 3/29/2015Valéria Fernandes 27 ANTROPOFAGIA E CRIATIVIDADE
  28. 28. 3/29/2015Valéria Fernandes 28
  29. 29. APROXIMAÇÃO COM A IGREJA CATÓLICA Construção do Cristo Redentor, fruto principalmente da ação do Cardeal Sebastião Leme. 3/29/2015Valéria Fernandes 29
  30. 30. VOTO FEMININO • A Constituição não proibia o voto das mulheres, mas o cadastro não era concedido. • Em 1910, as feministas Leolinda Daltro e Gilka Machado fundaram, no Rio de Janeiro, o Partido Republicano Feminino → maior objetivo era o sufrágio feminino. • Em 1922, a cientista e feminista Bertha Lutz fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino para defender os interesses das mulheres, um deles, o direito de voto. 3/29/2015Valéria Fernandes 30
  31. 31. Primeiro Congresso Feminino Brasileiro → Ao centro, a líder norte-americana Carrie Chapman Catt, ao lado de Berta Lutz (de branco) → Rio de Janeiro, dezembro de 1922. 3/29/2015Valéria Fernandes 31
  32. 32. VOTO FEMININO • Bertha Lutz é mais lembrada como feminista, algo importante, sem dúvida, do que como cientista que era. A invisibilização das mulheres na História da Ciência. 3/29/2015Valéria Fernandes 32
  33. 33. VOTO FEMININO • Em 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro Estado a conceder o direito de voto às mulheres (Lei nº 660, de 25 de outubro). A professora Celina Guimarães Vianna, de Mossoró (RN), foi a primeira brasileira a fazer o alistamento eleitoral, a primeira mulher a votar no Brasil e na América Latina. 3/29/2015Valéria Fernandes 33 Celina Guimarães Vianna, primeira mulher a votar na América Latina.
  34. 34. VOTO FEMININO • Luíza Alzira Soriano Teixeira, professora e juíza de futebol, viúva, foi eleita prefeita de Lajes, Rio Grande do Norte, em 1928, pelo Partido Republicano com 60% dos votos. Ela não terminou o seu mandato por causa da Revolução de 1930. 3/29/2015Valéria Fernandes 34 Alzira Soriano, primeira prefeita da América Latina.

×