SlideShare uma empresa Scribd logo
Brasil: crise do Império e Proclamação daBrasil: crise do Império e Proclamação da
RepúblicaRepública
As transformações ocorridas no Brasil, como o fim do tráfico negreiro,As transformações ocorridas no Brasil, como o fim do tráfico negreiro,
imigração, industrialização e urbanização mudaram o país e derrubaram aimigração, industrialização e urbanização mudaram o país e derrubaram a
monarquia. Os ideias de República, voto universal, abolicionismo emonarquia. Os ideias de República, voto universal, abolicionismo e
progresso criaram a necessidade de mudanças políticas. Além disso, oprogresso criaram a necessidade de mudanças políticas. Além disso, o
Brasil destoava do resto da América, pois ainda era uma monarquia.Brasil destoava do resto da América, pois ainda era uma monarquia.
Vejamos algumas transformações do século XIX:Vejamos algumas transformações do século XIX:
•• o fim do tráfico negreiro (Lei Eusébio de Queirós-1850);o fim do tráfico negreiro (Lei Eusébio de Queirós-1850);
•• a chegada dos imigrantes europeus;a chegada dos imigrantes europeus;
•• o surto industrial do século XIX.o surto industrial do século XIX.
As transformações do final do séc. XIX fizeram emergir novos grupos sociaisAs transformações do final do séc. XIX fizeram emergir novos grupos sociais
com novas demandas. Vejamos esses grupos e suas aspirações:com novas demandas. Vejamos esses grupos e suas aspirações:
•• A nova aristocraciaA nova aristocracia →→ desde 1870 a região cafeicultora do oeste paulista era o centrodesde 1870 a região cafeicultora do oeste paulista era o centro
econômica mais importante. São Paulo pagava mais impostos, mas tinha poucaeconômica mais importante. São Paulo pagava mais impostos, mas tinha pouca
participação política. Os cafeicultores paulistas defendiam oparticipação política. Os cafeicultores paulistas defendiam o federalismofederalismo para que apara que a
província pudesse se autogovernar. Para eles isso só seria possível com aprovíncia pudesse se autogovernar. Para eles isso só seria possível com a RepúblicaRepública..
•• Os setores urbanos →Os setores urbanos → as mudanças no país - industrialização e crescimento dasas mudanças no país - industrialização e crescimento das
cidades – trouxeram novos grupos ao cenário político: industriais e profissionaiscidades – trouxeram novos grupos ao cenário político: industriais e profissionais
liberais; todos contrários à monarquia.liberais; todos contrários à monarquia.
Os grupos urbanos viam a monarquia como um regime atrasado, incapaz deOs grupos urbanos viam a monarquia como um regime atrasado, incapaz de
desenvolver o país. Essa visão era materializada na própria figura dodesenvolver o país. Essa visão era materializada na própria figura do
imperadorimperador
Os jornais republicanos exploravam bem a decadência do imperadorOs jornais republicanos exploravam bem a decadência do imperador
Crise do império e proclamação da república
O movimento republicanoO movimento republicano
►►As primeiras manifestações republicanas no Brasil surgiram no séc. XVIII, com asAs primeiras manifestações republicanas no Brasil surgiram no séc. XVIII, com as
Inconfidências Mineira e Baiana. O ideal foi retomado depois em outras revoltas.Inconfidências Mineira e Baiana. O ideal foi retomado depois em outras revoltas.
•• O Manifesto RepublicanoO Manifesto Republicano →→ em 1870 foi lançado, no Rio de Janeiro, o Manifestoem 1870 foi lançado, no Rio de Janeiro, o Manifesto
RepublicanoRepublicano,, impresso nas páginas do jornalimpresso nas páginas do jornal A RepúblicaA República..
Somos da América e queremos ser americanos. Nossa forma de governo é hostil aos
interesses dos Estados Americanos. A permanência dessa forma perpetua a
hostilidade com os povos que nos rodeiam. Devemos suprimir esse estado de
coisas, pondo-nos em solidariedade com o continente .
(Trecho do Manifesto Republicano)
•• O Partido Republicano PaulistaO Partido Republicano Paulista →→ em 1873, um congresso de fazendeiros se reuniuem 1873, um congresso de fazendeiros se reuniu
em Itu e anunciou a criação do Partido Republicano Paulista. A partir de então oem Itu e anunciou a criação do Partido Republicano Paulista. A partir de então o
movimento republicano ganhou forca, apoiado no poder econômico dos cafeicultoresmovimento republicano ganhou forca, apoiado no poder econômico dos cafeicultores
As correntes republicanasAs correntes republicanas
O movimento republicano era composto por três forças:O movimento republicano era composto por três forças: ExércitoExército,, fazendeiros do Oestefazendeiros do Oeste
paulistapaulista e representantes dase representantes das classes médias urbanasclasses médias urbanas. Unidas pelo ideal republicano,. Unidas pelo ideal republicano,
mas com algumas divergências.mas com algumas divergências.
•• Os evolucionistasOs evolucionistas →→ inspiravam-se no liberalismo americano e defendiam a autonomiainspiravam-se no liberalismo americano e defendiam a autonomia
para as províncias através do federalismo. Para eles a mudança deveria ser promovidapara as províncias através do federalismo. Para eles a mudança deveria ser promovida
pelas elites sem participação popular.pelas elites sem participação popular.
•• Os republicanos positivistasOs republicanos positivistas →→ inspiravam-se no positivismo de Auguste Comte einspiravam-se no positivismo de Auguste Comte e
defendiam um poder Executivo forte, centralizado, para impulsionar o progresso. Para elesdefendiam um poder Executivo forte, centralizado, para impulsionar o progresso. Para eles
a administração pública precisava de cidadãos movidos pela razão e pelo amor a pátria.a administração pública precisava de cidadãos movidos pela razão e pelo amor a pátria.
•• Os revolucionários (Os revolucionários (jacobinosjacobinos) →) → inspiravam-se na Revolução Francesa e seus ideaisinspiravam-se na Revolução Francesa e seus ideais
de liberdade, igualdade e democracia. Queriam que a república triunfasse por meio dade liberdade, igualdade e democracia. Queriam que a república triunfasse por meio da
revolução popular. Representavam as camadas médias urbanas: profissionais liberais,revolução popular. Representavam as camadas médias urbanas: profissionais liberais,
funcionários públicos e pequenos comerciantesfuncionários públicos e pequenos comerciantes
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da república
A crise final do impérioA crise final do império
►►A partir de 1870 o Império brasileiro sofreu um desgaste político intenso, inclusive,A partir de 1870 o Império brasileiro sofreu um desgaste político intenso, inclusive,
o que causou o fim da monarquia brasileira.o que causou o fim da monarquia brasileira.
•• A Questão AbolicionistaA Questão Abolicionista → não tendo sido indenizada após a aprovação da Lei→ não tendo sido indenizada após a aprovação da Lei
Áurea, a aristocracia escravista do Vale do Paraíba e do Nordeste, regiões em crise,Áurea, a aristocracia escravista do Vale do Paraíba e do Nordeste, regiões em crise,
deixaram o Império à sua própria sorte.deixaram o Império à sua própria sorte.
•• A Questão MilitarA Questão Militar → a→ a QuestãoQuestão MilitarMilitar envolveu o Império e o Exército. A punição deenvolveu o Império e o Exército. A punição de
oficiais que se pronunciavam publicamente sobre assuntos políticos causou profundaoficiais que se pronunciavam publicamente sobre assuntos políticos causou profunda
repercussão nos meios militares e foi mais um motivo de desgaste da monarquia.repercussão nos meios militares e foi mais um motivo de desgaste da monarquia.
•• A Questão ReligiosaA Questão Religiosa →→ em 1870 o Papa Pio IX, através daem 1870 o Papa Pio IX, através da Bula SyllabusBula Syllabus proibiu aproibiu a
presença de maçons nas irmandades religiosas. No Brasil as bulas papais só valiampresença de maçons nas irmandades religiosas. No Brasil as bulas papais só valiam
com a aprovação imperial. Os bispos de Olinda e Belém fecharam as irmandades comcom a aprovação imperial. Os bispos de Olinda e Belém fecharam as irmandades com
membros maçons, contrariando D. Pedro II. O desacato custou-lhes a liberdade. Aomembros maçons, contrariando D. Pedro II. O desacato custou-lhes a liberdade. Ao
Imperador custou o apoio da Igreja Católica .Imperador custou o apoio da Igreja Católica .
A Proclamação da RepúblicaA Proclamação da República
A questão Militar colocou o Exército contra a Monarquia, que já tinha sido abandonada pelaA questão Militar colocou o Exército contra a Monarquia, que já tinha sido abandonada pela
Igreja e a partir de 1888, peIos donos de escravos. A essa altura já estava em marcha umaIgreja e a partir de 1888, peIos donos de escravos. A essa altura já estava em marcha uma
conspiração para depor o governo imperial e proclamar a Repúblicaconspiração para depor o governo imperial e proclamar a República..
•• A participação de Deodoro da Fonseca →A participação de Deodoro da Fonseca → no dia II, Benjamin Constant, Quintino Bocaiúvano dia II, Benjamin Constant, Quintino Bocaiúva
e Rui Barbosa, procuraram Deodoro , para convencê-lo a aderir à conspiração. Amigo de D.e Rui Barbosa, procuraram Deodoro , para convencê-lo a aderir à conspiração. Amigo de D.
Pedro II, Deodoro hesitou, mas surgiram boatos de que sua prisão tinha sido decretada.Pedro II, Deodoro hesitou, mas surgiram boatos de que sua prisão tinha sido decretada.
Deodoro então liderou o movimento.Deodoro então liderou o movimento.
O 15 de NovembroO 15 de Novembro
Na manhã do dia 15, tropas sob o comando de Deodoro prenderam o ministro Ouro Preto e seNa manhã do dia 15, tropas sob o comando de Deodoro prenderam o ministro Ouro Preto e se
desfilaram pela cidade. A população foi surpreendida com a parada militar, sem saber odesfilaram pela cidade. A população foi surpreendida com a parada militar, sem saber o
que estava acontecendo. Á tarde, proclamaram a República.que estava acontecendo. Á tarde, proclamaram a República.
Nascia, assim,Nascia, assim, sem participação popularsem participação popular, a República no Brasil. Um dos líderes, a República no Brasil. Um dos líderes
da conspiração, Aristides Lobo, diria mais tarde que "da conspiração, Aristides Lobo, diria mais tarde que "o povo assistiu,o povo assistiu,
bestializadobestializado, a Proclamação da República“, a Proclamação da República“

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fascismo e nazismo
Fascismo e nazismoFascismo e nazismo
Fascismo e nazismo
Fabiana Tonsis
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
Edenilson Morais
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
dmflores21
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
Isabel Aguiar
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Marcia Klein
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
dmflores21
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
João Medeiros
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
Douglas Barraqui
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
Geová da Silva
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
Nefer19
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
carlosbidu
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 

Mais procurados (20)

Fascismo e nazismo
Fascismo e nazismoFascismo e nazismo
Fascismo e nazismo
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 

Destaque

Crise do Império - Proclamação da República
Crise do Império - Proclamação da RepúblicaCrise do Império - Proclamação da República
Crise do Império - Proclamação da República
UFMT Universidade Federal de Mato Grosso
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
carlosbidu
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
oliviaguerra
 
A crise no impér io e o 15 de novembro
A crise no impér io e o 15 de novembroA crise no impér io e o 15 de novembro
A crise no impér io e o 15 de novembro
Nilton Silva Jardim Junior
 
Republica Velha 3º ano
Republica Velha 3º anoRepublica Velha 3º ano
Republica Velha 3º ano
Max Rodrigues
 
Da queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da República
guesta40f44
 
Crise do Império - Proclamação da Republica
Crise do Império - Proclamação da RepublicaCrise do Império - Proclamação da Republica
Crise do Império - Proclamação da Republica
Ricardo Laub
 
Maçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira Nacional
Maçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira NacionalMaçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira Nacional
Maçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira Nacional
Moacir Pinto
 
Hb hg 3
Hb hg 3Hb hg 3
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
monica10
 
Brasil imperio - segundo reinado
Brasil imperio - segundo reinadoBrasil imperio - segundo reinado
Brasil imperio - segundo reinado
Carlos Zaranza
 
História do Segundo Reinado no Brasil
História do Segundo Reinado no BrasilHistória do Segundo Reinado no Brasil
História do Segundo Reinado no Brasil
Prof Vaguito Sobrenome
 
A questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperialA questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperial
Lucas Degiovani
 
O Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No BrasilO Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No Brasil
Marcelo Oliveira
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Inês e Beatriz
 
Da monarquia à república
Da monarquia à repúblicaDa monarquia à república
Da monarquia à república
Professora
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
Rui Neto
 
A proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasilA proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasil
Lucas Degiovani
 
Transição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República BrasileiraTransição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República Brasileira
alinemaiahistoria
 

Destaque (20)

Crise do Império - Proclamação da República
Crise do Império - Proclamação da RepúblicaCrise do Império - Proclamação da República
Crise do Império - Proclamação da República
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 
A crise no impér io e o 15 de novembro
A crise no impér io e o 15 de novembroA crise no impér io e o 15 de novembro
A crise no impér io e o 15 de novembro
 
Republica Velha 3º ano
Republica Velha 3º anoRepublica Velha 3º ano
Republica Velha 3º ano
 
Da queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à implantação da República
Da queda da Monarquia à implantação da República
 
Crise do Império - Proclamação da Republica
Crise do Império - Proclamação da RepublicaCrise do Império - Proclamação da Republica
Crise do Império - Proclamação da Republica
 
Maçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira Nacional
Maçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira NacionalMaçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira Nacional
Maçons na Proclamação da República do Brasil e a Bandeira Nacional
 
Hb hg 3
Hb hg 3Hb hg 3
Hb hg 3
 
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
 
Brasil imperio - segundo reinado
Brasil imperio - segundo reinadoBrasil imperio - segundo reinado
Brasil imperio - segundo reinado
 
História do Segundo Reinado no Brasil
História do Segundo Reinado no BrasilHistória do Segundo Reinado no Brasil
História do Segundo Reinado no Brasil
 
A questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperialA questão escravista no brasil imperial
A questão escravista no brasil imperial
 
O Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No BrasilO Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No Brasil
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Da queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da RepúblicaDa queda da Monarquia à Implantação da República
Da queda da Monarquia à Implantação da República
 
Da monarquia à república
Da monarquia à repúblicaDa monarquia à república
Da monarquia à república
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
 
A proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasilA proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasil
 
Transição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República BrasileiraTransição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República Brasileira
 

Semelhante a Crise do império e proclamação da república

Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioAraribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
DomingasMariaRomao
 
História rafa- república da espada e república do café com leite
História   rafa- república da espada e república do café com leiteHistória   rafa- república da espada e república do café com leite
História rafa- república da espada e república do café com leite
Rafael Noronha
 
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Prefeitura de São Paulo
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
historiaduzentosedois
 
Proclamação da República no Brasil ano 1889
Proclamação da República no Brasil  ano 1889Proclamação da República no Brasil  ano 1889
Proclamação da República no Brasil ano 1889
Ricardo Diniz campos
 
Revotas coloniais
Revotas coloniaisRevotas coloniais
Revotas coloniais
Evanilde Chuva
 
República velha e suas revoltas
República velha e suas revoltasRepública velha e suas revoltas
República velha e suas revoltas
Wesley Germano Otávio
 
REVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANAREVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANA
Nívia Sales
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
jose brandaos
 
Brasil republica
Brasil republicaBrasil republica
Brasil republica
Lucimara Foloni
 
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Sofia Augusta Knoll da Rosa
 
Republica Velha Brasil
Republica Velha BrasilRepublica Velha Brasil
Republica Velha Brasil
Gustavo Lopes de Faria
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
República velha 4
República velha 4República velha 4
República velha 4
harlissoncarvalho
 
Marcio001
Marcio001Marcio001
Marcio001
gilsa melo
 
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperialHistória   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
Professor de História
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
Daniel Alves Bronstrup
 
Segundo Reinado: Consolidação e Questões Internas
Segundo Reinado: Consolidação e Questões InternasSegundo Reinado: Consolidação e Questões Internas
Segundo Reinado: Consolidação e Questões Internas
valeria908734
 

Semelhante a Crise do império e proclamação da república (20)

Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioAraribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
 
História rafa- república da espada e república do café com leite
História   rafa- república da espada e república do café com leiteHistória   rafa- república da espada e república do café com leite
História rafa- república da espada e república do café com leite
 
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
Slides sobre a República Velha incluindo as revoltas, greve de 1927, Cangaço,...
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
 
Proclamação da República no Brasil ano 1889
Proclamação da República no Brasil  ano 1889Proclamação da República no Brasil  ano 1889
Proclamação da República no Brasil ano 1889
 
Revotas coloniais
Revotas coloniaisRevotas coloniais
Revotas coloniais
 
República velha e suas revoltas
República velha e suas revoltasRepública velha e suas revoltas
República velha e suas revoltas
 
REVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANAREVOLUÇÃO MEXICANA
REVOLUÇÃO MEXICANA
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Brasil republica
Brasil republicaBrasil republica
Brasil republica
 
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
 
Republica Velha Brasil
Republica Velha BrasilRepublica Velha Brasil
Republica Velha Brasil
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
República velha 4
República velha 4República velha 4
República velha 4
 
Marcio001
Marcio001Marcio001
Marcio001
 
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperialHistória   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
Segundo Reinado: Consolidação e Questões Internas
Segundo Reinado: Consolidação e Questões InternasSegundo Reinado: Consolidação e Questões Internas
Segundo Reinado: Consolidação e Questões Internas
 

Mais de Rodrigo Luiz

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Rodrigo Luiz
 
Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
Rodrigo Luiz
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
Rodrigo Luiz
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
Rodrigo Luiz
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
Rodrigo Luiz
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Rodrigo Luiz
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Rodrigo Luiz
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
Rodrigo Luiz
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
Rodrigo Luiz
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
Rodrigo Luiz
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Rodrigo Luiz
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
Rodrigo Luiz
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Rodrigo Luiz
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Rodrigo Luiz
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
Rodrigo Luiz
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Rodrigo Luiz
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Rodrigo Luiz
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
Rodrigo Luiz
 

Mais de Rodrigo Luiz (20)

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
 
Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 

Crise do império e proclamação da república

  • 1. Brasil: crise do Império e Proclamação daBrasil: crise do Império e Proclamação da RepúblicaRepública As transformações ocorridas no Brasil, como o fim do tráfico negreiro,As transformações ocorridas no Brasil, como o fim do tráfico negreiro, imigração, industrialização e urbanização mudaram o país e derrubaram aimigração, industrialização e urbanização mudaram o país e derrubaram a monarquia. Os ideias de República, voto universal, abolicionismo emonarquia. Os ideias de República, voto universal, abolicionismo e progresso criaram a necessidade de mudanças políticas. Além disso, oprogresso criaram a necessidade de mudanças políticas. Além disso, o Brasil destoava do resto da América, pois ainda era uma monarquia.Brasil destoava do resto da América, pois ainda era uma monarquia.
  • 2. Vejamos algumas transformações do século XIX:Vejamos algumas transformações do século XIX: •• o fim do tráfico negreiro (Lei Eusébio de Queirós-1850);o fim do tráfico negreiro (Lei Eusébio de Queirós-1850); •• a chegada dos imigrantes europeus;a chegada dos imigrantes europeus; •• o surto industrial do século XIX.o surto industrial do século XIX.
  • 3. As transformações do final do séc. XIX fizeram emergir novos grupos sociaisAs transformações do final do séc. XIX fizeram emergir novos grupos sociais com novas demandas. Vejamos esses grupos e suas aspirações:com novas demandas. Vejamos esses grupos e suas aspirações: •• A nova aristocraciaA nova aristocracia →→ desde 1870 a região cafeicultora do oeste paulista era o centrodesde 1870 a região cafeicultora do oeste paulista era o centro econômica mais importante. São Paulo pagava mais impostos, mas tinha poucaeconômica mais importante. São Paulo pagava mais impostos, mas tinha pouca participação política. Os cafeicultores paulistas defendiam oparticipação política. Os cafeicultores paulistas defendiam o federalismofederalismo para que apara que a província pudesse se autogovernar. Para eles isso só seria possível com aprovíncia pudesse se autogovernar. Para eles isso só seria possível com a RepúblicaRepública..
  • 4. •• Os setores urbanos →Os setores urbanos → as mudanças no país - industrialização e crescimento dasas mudanças no país - industrialização e crescimento das cidades – trouxeram novos grupos ao cenário político: industriais e profissionaiscidades – trouxeram novos grupos ao cenário político: industriais e profissionais liberais; todos contrários à monarquia.liberais; todos contrários à monarquia.
  • 5. Os grupos urbanos viam a monarquia como um regime atrasado, incapaz deOs grupos urbanos viam a monarquia como um regime atrasado, incapaz de desenvolver o país. Essa visão era materializada na própria figura dodesenvolver o país. Essa visão era materializada na própria figura do imperadorimperador
  • 6. Os jornais republicanos exploravam bem a decadência do imperadorOs jornais republicanos exploravam bem a decadência do imperador
  • 8. O movimento republicanoO movimento republicano ►►As primeiras manifestações republicanas no Brasil surgiram no séc. XVIII, com asAs primeiras manifestações republicanas no Brasil surgiram no séc. XVIII, com as Inconfidências Mineira e Baiana. O ideal foi retomado depois em outras revoltas.Inconfidências Mineira e Baiana. O ideal foi retomado depois em outras revoltas. •• O Manifesto RepublicanoO Manifesto Republicano →→ em 1870 foi lançado, no Rio de Janeiro, o Manifestoem 1870 foi lançado, no Rio de Janeiro, o Manifesto RepublicanoRepublicano,, impresso nas páginas do jornalimpresso nas páginas do jornal A RepúblicaA República.. Somos da América e queremos ser americanos. Nossa forma de governo é hostil aos interesses dos Estados Americanos. A permanência dessa forma perpetua a hostilidade com os povos que nos rodeiam. Devemos suprimir esse estado de coisas, pondo-nos em solidariedade com o continente . (Trecho do Manifesto Republicano)
  • 9. •• O Partido Republicano PaulistaO Partido Republicano Paulista →→ em 1873, um congresso de fazendeiros se reuniuem 1873, um congresso de fazendeiros se reuniu em Itu e anunciou a criação do Partido Republicano Paulista. A partir de então oem Itu e anunciou a criação do Partido Republicano Paulista. A partir de então o movimento republicano ganhou forca, apoiado no poder econômico dos cafeicultoresmovimento republicano ganhou forca, apoiado no poder econômico dos cafeicultores
  • 10. As correntes republicanasAs correntes republicanas O movimento republicano era composto por três forças:O movimento republicano era composto por três forças: ExércitoExército,, fazendeiros do Oestefazendeiros do Oeste paulistapaulista e representantes dase representantes das classes médias urbanasclasses médias urbanas. Unidas pelo ideal republicano,. Unidas pelo ideal republicano, mas com algumas divergências.mas com algumas divergências. •• Os evolucionistasOs evolucionistas →→ inspiravam-se no liberalismo americano e defendiam a autonomiainspiravam-se no liberalismo americano e defendiam a autonomia para as províncias através do federalismo. Para eles a mudança deveria ser promovidapara as províncias através do federalismo. Para eles a mudança deveria ser promovida pelas elites sem participação popular.pelas elites sem participação popular.
  • 11. •• Os republicanos positivistasOs republicanos positivistas →→ inspiravam-se no positivismo de Auguste Comte einspiravam-se no positivismo de Auguste Comte e defendiam um poder Executivo forte, centralizado, para impulsionar o progresso. Para elesdefendiam um poder Executivo forte, centralizado, para impulsionar o progresso. Para eles a administração pública precisava de cidadãos movidos pela razão e pelo amor a pátria.a administração pública precisava de cidadãos movidos pela razão e pelo amor a pátria. •• Os revolucionários (Os revolucionários (jacobinosjacobinos) →) → inspiravam-se na Revolução Francesa e seus ideaisinspiravam-se na Revolução Francesa e seus ideais de liberdade, igualdade e democracia. Queriam que a república triunfasse por meio dade liberdade, igualdade e democracia. Queriam que a república triunfasse por meio da revolução popular. Representavam as camadas médias urbanas: profissionais liberais,revolução popular. Representavam as camadas médias urbanas: profissionais liberais, funcionários públicos e pequenos comerciantesfuncionários públicos e pequenos comerciantes
  • 14. A crise final do impérioA crise final do império ►►A partir de 1870 o Império brasileiro sofreu um desgaste político intenso, inclusive,A partir de 1870 o Império brasileiro sofreu um desgaste político intenso, inclusive, o que causou o fim da monarquia brasileira.o que causou o fim da monarquia brasileira. •• A Questão AbolicionistaA Questão Abolicionista → não tendo sido indenizada após a aprovação da Lei→ não tendo sido indenizada após a aprovação da Lei Áurea, a aristocracia escravista do Vale do Paraíba e do Nordeste, regiões em crise,Áurea, a aristocracia escravista do Vale do Paraíba e do Nordeste, regiões em crise, deixaram o Império à sua própria sorte.deixaram o Império à sua própria sorte. •• A Questão MilitarA Questão Militar → a→ a QuestãoQuestão MilitarMilitar envolveu o Império e o Exército. A punição deenvolveu o Império e o Exército. A punição de oficiais que se pronunciavam publicamente sobre assuntos políticos causou profundaoficiais que se pronunciavam publicamente sobre assuntos políticos causou profunda repercussão nos meios militares e foi mais um motivo de desgaste da monarquia.repercussão nos meios militares e foi mais um motivo de desgaste da monarquia.
  • 15. •• A Questão ReligiosaA Questão Religiosa →→ em 1870 o Papa Pio IX, através daem 1870 o Papa Pio IX, através da Bula SyllabusBula Syllabus proibiu aproibiu a presença de maçons nas irmandades religiosas. No Brasil as bulas papais só valiampresença de maçons nas irmandades religiosas. No Brasil as bulas papais só valiam com a aprovação imperial. Os bispos de Olinda e Belém fecharam as irmandades comcom a aprovação imperial. Os bispos de Olinda e Belém fecharam as irmandades com membros maçons, contrariando D. Pedro II. O desacato custou-lhes a liberdade. Aomembros maçons, contrariando D. Pedro II. O desacato custou-lhes a liberdade. Ao Imperador custou o apoio da Igreja Católica .Imperador custou o apoio da Igreja Católica .
  • 16. A Proclamação da RepúblicaA Proclamação da República A questão Militar colocou o Exército contra a Monarquia, que já tinha sido abandonada pelaA questão Militar colocou o Exército contra a Monarquia, que já tinha sido abandonada pela Igreja e a partir de 1888, peIos donos de escravos. A essa altura já estava em marcha umaIgreja e a partir de 1888, peIos donos de escravos. A essa altura já estava em marcha uma conspiração para depor o governo imperial e proclamar a Repúblicaconspiração para depor o governo imperial e proclamar a República.. •• A participação de Deodoro da Fonseca →A participação de Deodoro da Fonseca → no dia II, Benjamin Constant, Quintino Bocaiúvano dia II, Benjamin Constant, Quintino Bocaiúva e Rui Barbosa, procuraram Deodoro , para convencê-lo a aderir à conspiração. Amigo de D.e Rui Barbosa, procuraram Deodoro , para convencê-lo a aderir à conspiração. Amigo de D. Pedro II, Deodoro hesitou, mas surgiram boatos de que sua prisão tinha sido decretada.Pedro II, Deodoro hesitou, mas surgiram boatos de que sua prisão tinha sido decretada. Deodoro então liderou o movimento.Deodoro então liderou o movimento.
  • 17. O 15 de NovembroO 15 de Novembro Na manhã do dia 15, tropas sob o comando de Deodoro prenderam o ministro Ouro Preto e seNa manhã do dia 15, tropas sob o comando de Deodoro prenderam o ministro Ouro Preto e se desfilaram pela cidade. A população foi surpreendida com a parada militar, sem saber odesfilaram pela cidade. A população foi surpreendida com a parada militar, sem saber o que estava acontecendo. Á tarde, proclamaram a República.que estava acontecendo. Á tarde, proclamaram a República.
  • 18. Nascia, assim,Nascia, assim, sem participação popularsem participação popular, a República no Brasil. Um dos líderes, a República no Brasil. Um dos líderes da conspiração, Aristides Lobo, diria mais tarde que "da conspiração, Aristides Lobo, diria mais tarde que "o povo assistiu,o povo assistiu, bestializadobestializado, a Proclamação da República“, a Proclamação da República“