SlideShare uma empresa Scribd logo
Capítulo 6 - A Era Vargas
O Bonde São Januário (1ª Versão)
Quem trabalha não tem razão
Eu digo e não tenho medo de errar
O bonde São Januário leva mais um sócio otário
Sou eu que não vou trabalhar
O Bonde São Januário (2ª Versão)
Quem trabalha é quem tem razão
Eu digo e não tenho medo de errar
O bonde São Januário leva mais um operário
Sou eu que vou trabalhar
A Era Vargas
Ataulfo Alves Wilson Batista
A DÉCADA DE 1920
No Brasil da República Velha, a insatisfação com o
domínio das oligarquias e a desigualdade social eram
intensas e motivaram uma série de protestos, greves,
rebeliões e levantes.
Durante os anos 1920, a Política do Café com Leite foi
questionada por vários setores da população:
• Operários e camadas médias urbanas;
• Grupos ligados à indústria;
• Jovens Oficiais do Exército (Movimento
Tenentista).
Esses grupos queriam: voto secreto, incentivo à
indústria, fim da corrupção na política, ampliação da
educação pública, maior centralização política.
O MOVIMENTO TENENTISTA
Envolvia principalmente jovens oficiais (capitães e
tenentes). Eram nacionalistas, positivistas e
queriam um poder central forte. Não tinha uma
linha ideológica.
Principais revoltas:
• Os 18 do Forte de Copacabana (1922);
• Comuna de Manaus (1924);
• O segundo 5 de Julho (São Paulo - 1924);
• Coluna Prestes (1925-27).
Na década seguinte, alguns irão para a esquerda
(comunista), outros para a direita (integralistas) e
alguns assumirão uma postura “neutra”.
• O caso das cartas falsas → Em 9 de Outubro
de 1921, o jornal carioca, Correio da Manhã
publicou cartas atribuídas à Artur Bernardes,
que criticava a ação política dos oficiais do
exército.
• Prisão de Marechal Hermes da Fonseca e o
fechamento do Clube Militar→ o ex-
presidente do Brasil e presidente do Clube
Militar, por ordem de Epitácio Pessoa (1919-
22). O marechal havia criticado o processo
eleitoral que deu a vitória a Arthur Bernardes.
OS 18 DO FORTE
A primeira ação tenentista foi o levante dos 18 do Forte de
Copacabana – 5 julho de 1922. Os únicos sobreviventes foram
Siqueira Campos e Eduardo Gomes.
Aviões bombardearam São Paulo durante o levante de 1924. Na
foto, casa destruída na Rua Helvétia, região central da cidade.
O segundo 5 de julho
Entre 1925 e 1927, um grupo composto por civis e militares cruzou mais de
24 mil Km, sob a liderança de Luís Carlos Prestes. A Coluna Prestes
assumiu uma aura de heroísmo, mesmo não atingindo seus objetivos.
A Coluna Prestes
A campanha de 1930 foi a última da República Velha e foi marcada pela
ruptura entre Minas Gerais e São Paulo. Cartazes de Campanha eleitoral
de 1930: PRP (Júlio Prestes) e Aliança Liberal (Getúlio Vargas).
O movimento tenentista e as eleições de 1930
Vargas procurou unir os vários grupos insatisfeitos com a politica reinante. À
frente da Aliança Liberal, ele defendia:
 o voto secreto;
 o incentivo à indústria nacional;
 solução para antigas reivindicações dos operários;
 anistia irrestrita, com isso esperava atrair os tenentes;
 a proteção à exportação do café e reformas sociais.
Eleição 1930 - Presidente Eleição 1930 - Vice–Presidente
Candidato Votos % Candidato Votos %
Júlio Prestes 1.091.709 59,39 Vital Soares 1.079.360 59,67
Getúlio Vargas 742.794 40,41 João Pessoa 725.566 40,11
Minervino de Oliveira 720 0,007 Gastão Valentim 141 0,007
Outros 3.701 0,20 Outros 3.723 0,21
Votos nominais 1.838.335 Votos nominais 1.808.790
Brancos/nulos 61.921 Brancos/nulos 91.466
Total 1.900.256 Total 1.900.256
As eleições de 1930
COMENDO BOLA
Gaúcho, meu irmãozinho
Meu irmãozinho mineiro
Seu Julinho é que vai ser
Porque esse tá de Julinho
É um caboclo brasileiro
Brasileiro como quê
Tudo o mais é gauchada
Tudo o mais não vale nada
Meu irmãozinho gaúcho
Se tu amarra a cavalada
Vendo as coisa mal parada
Não agüenta com o repuxo
Getúlio, Você tá comendo bola
Não te mete com seu Júlio
Não te mete com seu Júlio
Que seu Júlio tem escola
Atrás do liberalismo
Ninguém vá que esse cinismo
É potoca, é brincadeira
Eu conheço muito tolo
Que acabou levando bolo
E bateu na geladeira
Eles pensam, seu Julinho
Que esse povo é zé-povinho
Que isso é pau de galinheiro
Que sem nota e sem carinho
O Brasil anda sozinho
Porque Deus é brasileiro
Getúlio, Você tá comendo bola
Não te mete com seu Júlio
Não te mete com seu Júlio
Que seu Júlio tem escola
Em 26 de julho de 1930,
João Pessoa, candidato a
vice de Getúlio e presidente
da Paraíba, foi assassinado
por João Dantas na
Confeitaria Glória, em
Recife (PE). Seu
assassinato é considerado
o estopim da Revolução de
1930 em 24 de outubro.
As eleições de 1930
João Pessoa
O governo Vargas
A Era Vargas, teve início com a Revolução de 1930 onde expulsou
do poder a oligarquia cafeeira, dividindo-se em três momentos:
 Governo Provisório -1930-1934
 Governo Constitucional – 1934-1937
 Estado Novo – 1937-1945
Era Vargas é o nome que se dá
ao período em que Getúlio Vargas
governou o Brasil por 15 anos, de
forma contínua (de 1930 a 1945).
Esse período foi um marco na
história brasileira, em razão das
inúmeras alterações que Getúlio
Vargas fez no país, tanto sociais
quanto econômicas.
Neste período, Vargas iniciou o processo de centralização do poder,
eliminando os órgãos legislativos (federal, estadual e municipal). Assim, os
primeiros anos foram marcados pela presença dos “tenentes” nos principais
cargos do governo, medida que tinha por finalidade anular a ação dos
antigos coronéis e sua influência política regional. Isso gerou um clima
tenso entre as velhas oligarquias e os interventores militares.
A oposição a Vargas se concentrou em São Paulo, onde as oligarquias
locais, sob o apelo da autonomia política e um discurso de conteúdo
regionalista, convocaram o “povo paulistano” a lutar contra o governo,
exigindo eleições para a uma Assembleia Constituinte, o que originou a
chamada Revolução Constitucionalista de 1932. Mesmo derrotando os
oposicionistas, o presidente convocou eleições para a Constituinte.
No processo eleitoral, com o desgaste gerado pelos conflitos paulistas, as
principais figuras militares do governo perderam espaço político e, em 1934
uma nova constituição foi promulgada, dando maiores poderes ao poder
executivo que adotou medidas democráticas e criou as bases da legislação
trabalhista. Além disso, sancionou o voto secreto e o voto feminino. Com
essa resolução e o apoio da maioria do Congresso, Vargas garantiu mais
um mandato.
O Governo Provisório
Nesse segundo mandato, conhecido como Governo Constitucional, a
altercação política se deu em volta de dois ideais primordiais: o fascista –
conjunto de ideias e preceitos político-sociais totalitário introduzidos na
Itália por Mussolini –, defendido pela Ação Integralista Brasileira (AIB), e
o democrático, representado pela Aliança Nacional Libertadora (ANL),
era favorável à reforma agrária, a luta contra o imperialismo e a revolução
por meio da luta de classes.
A ANL aproveitando-se desse espírito revolucionário e com as orientações
dos altos escalões do comunismo soviético, promoveu uma tentativa de
golpe contra o governo. Em 1935 alguns comunistas brasileiros iniciaram
revoltas nos quartéis militares de Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ) e Recife
(PE). Devido à falha de articulação e adesão de outros estados, a
chamada Intentona Comunista, foi facilmente controlada pelo governo.
Diante da “ameaça comunista”, Vargas conseguiu anular a nova eleição
presidencial que deveria acontecer em 1937. Anunciando outra tentativa
de golpe comunista, conhecida como Plano Cohen, ele anulou a
constituição de 1934 e dissolveu o Poder Legislativo. A partir daquele ano,
Getúlio passou a governar com amplos poderes, inaugurando o chamado
Estado Novo.
Governo Constitucional (1934 – 1937)
A Intentona Comunista - 1935
Prestes, sua mulher a judia alemã Olga
Benário e mais alguns comunistas
apoiados pelo Partido Comunista
russo, iniciaram um levante nos
quartéis militares e que ganharia as
ruas rapidamente, mas não foi o que
aconteceu...
O ESTADO NOVO (1937-45)
No dia 10 de novembro de 1937, era anunciado em cadeia de rádio
pelo presidente o Estado Novo. Vargas fechou o Congresso
Nacional e impôs ao país uma nova Constituição, que ficaria
conhecida depois como "Polaca" por ter sido inspirada na
Constituição da Polônia, de tendência fascista.
A partir de novembro de 1937 Vargas impôs a censura aos meios de
comunicação, reprimiu a atividade política, perseguiu e prendeu seus
inimigos políticos. Concebeu um aparato repressivo e de propaganda
do governo com a criação da Polícia Especial (PE), do Departamento
de Imprensa e Propaganda (DIP) e o Departamento de Administração
do Serviço Público (DASP).
Ao mesmo tempo, adotou medidas econômicas nacionalizantes e deu
continuidade a sua política trabalhista com a criação da CLT
(Consolidação das Leis do Trabalho), o Código Penal e o Código de
Processo Penal, todos em vigor atualmente. Também foram criados a
Carteira de Trabalho, a Justiça do Trabalho, o salário mínimo, as
férias e o descanso semanal remunerado.
Os Integralistas apoiaram o Golpe de 1937.
Getúlio acenava a Plinio Salgado que os
integralistas participariam do poder na nova
ordem. Eles queriam o Ministério da
Educação.
Depois do golpe, Getúlio coloca as
organizações políticas na ilegalidade.
Descontentes tentam um golpe em 11 de maio
contra Palácio Guanabara, residência
presidencial, e são derrotado.
O golpe integralista de 1938
PRESOS FAMOSOS DO ESTADO NOVO
LUIZ CARLOS PRESTES OLGA JORGE AMADO
GRACILIANO RAMOS PLÍNIO SALGADO RAQUEL DE QUEIROZ MONTEIRO LOBATO
Olga era esposa de Prestes e estava grávida
quando foi entregue pelo governo brasileiro
aos nazistas. Era uma judia e foi morta no
campo de concentração de Bernburg, em 1942.
OLGA: ÍCONE DA LUTA CONTRA A
DITADURA VARGAS
O Estado racionalizou e incentivou as atividades
já existentes. Levou adiante uma política de
substituição das importações, intensificado
com a 2ª Guerra Mundial e passou a dar maior
atenção para a indústria de base. Criou vários
institutos e empresas estatais como:
• Instituto Brasileiro do Café (IBC).
• Instituto do Açúcar e do Alcool (IAA).
• Conselho Nacional do Petróleo (CNP).
• Centrais Hidrelétricas do Rio São Francisco
(CHESF).
• Campanha do Soldado da Borracha (CSB).
• Superintendência de Valorização da
Amazônia.
Siderúrgica de Volta Redonda-RJ
Economia: entre a indústria e a
agricultura
• Departamento Nacional de Pesquisa Mineral (DNPM).
• Usina Siderúrgica de Volta Redonda (CSN)
• Companhia Vale do Rio Doce.
• Fábrica Nacional de Motores (FNM).
POLÍTICA DE BOA VIZINHANÇA
É CRIADO O ZÉ CARIOCA, DISNEY E ROOSEVELT VÊM AO
BRASIL.
CARMEN MIRANDA
A luso-brasileira Carmen
Miranda foi a primeira
estrela internacional
brasileira.
Dona de um estilo próprio,
fez carreira no Brasil e nos
EUA, nas rádios, nos
teatros de revista e no
cinema nas décadas de
1930 a 1950.
Ajudou a criar e divulgar a
imagem estereotipada do
Brasil e chegou a ser a
mulher mais bem paga do
showbiz americano.
A ERA DO RÁDIO
O rádio ganhou grande importância no Brasil a partir
dos anos 1930. Havia concursos de calouros,
programas de auditório, novelas, a eleição da “Rainha
do Rádio”. Em 1938, inaugurou-se o programa oficial
“Hora do Brasil”, controlado pelo DIP.
POLÍTICA CULTURAL
Cartilha patriótica: Getúlio Vargas, através de seu
ministro da Educação, Gustavo Capanema, tornou
Educação Moral e Cívica matéria obrigatória.
POLÍTICA CULTURAL
• Criação da Universidade do Brasil, hoje UFRJ –
1937;
• Criação do Serviço do Patrimônio Histórico e
Artístico Nacional (SPHAN) – 1937;
• Criação do Instituto Nacional do Livro – 1937:
publicações educativas e incentivo à abertura de
bibliotecas públicas;
• Jornal A Manhã – 1941 até meados de 1945:
órgão oficial do Estado Novo, tinha diagramação
moderna e caráter didático, explicava a
constituição de 1937 e contava com redatores de
peso (Afonso Arinos, Cecília Meireles, José Lins do
Rego, Gilberto Freyre, etc.)
• Reforma do ensino secundário – 1942;
O FIM DO ESTADO NOVO
O Brasil permaneceu
neutro por boa parte da
guerra e negociou a sua
entrada no conflito em
termos favoráveis. Vargas
declarou guerra ao Eixo
em agosto de 1942.
Os japoneses e alemães,
principalmente, sofreram
alguma forma de
perseguição.
O Brasil ganhou a
Siderúrgica de Volta
Redonda, dos EUA.
Os pracinhas
Em 1943 foi organizada a FEB – Força
Expedicionária Brasileira.
As tropas foram enviadas em julho de 1944.
Foram cerca de 25 mil homens e mulheres.
A previsão era 100 mil. Houve 943 baixas.
O FIM DO ESTADO NOVO
A Estrada 47 é o
primeiro filme brasileiro
sobre a 2ª Guerra
Mundial.
É uma obra de ficção
baseada em pesquisa
e registros feitos por
quem esteve lá.
Dirigido por Vicente
Ferraz, venceu vários
prêmios, dentre eles o
de melhor filme no 42º
Festival de Cinema de
Gramado 2014.
O fim do estado novo e o queremismo
• Havia uma forte oposição norte-americana à
política nacionalista de Vargas;
• O Manifesto dos Mineiros, outubro de 1943,
denunciou as contradições entre as políticas
interna e externa do país;
• Libertação dos presos políticos em 1945;
• Partidos políticos em 1945: UDN, PTB, PSD,
PCB, etc;
• O PCB apoiava o Queremismo e a Constituinte
com Getúlio;
• Deposição de Vargas em 29 de outubro;
• As eleições presidenciais de dezembro de 1945
tiveram como vencedor o General Dutra,
candidato do PSD.
O FIM DO ESTADO NOVO
O Queremismo sinalizou o perigo da
permanência de Vargas.
Bibliografia:
História Sociedade & Cidadania
Alfredo Boulos Júnior – 3º Ano
Editora FTD - 2015
Capítulo 6 - A Era Vargas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 aula slide confederaçao do equador
8  aula slide confederaçao do equador8  aula slide confederaçao do equador
8 aula slide confederaçao do equador
aridu18
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Primeiro Reinado - 8ºAno
Primeiro Reinado - 8ºAnoPrimeiro Reinado - 8ºAno
Primeiro Reinado - 8ºAno
Sant´Anna International School
 
A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
robson30
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
Creusa Lima
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Douglas Barraqui
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
Edenilson Morais
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Do governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulartDo governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulart
Edenilson Morais
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Fabiana Tonsis
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
marcosfm32
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
josafaslima
 
Colonização, revolução e desenvolvimento dos eua
Colonização, revolução e desenvolvimento dos euaColonização, revolução e desenvolvimento dos eua
Colonização, revolução e desenvolvimento dos eua
Paulo Alexandre
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Lú Carvalho
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
dmflores21
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 

Mais procurados (20)

8 aula slide confederaçao do equador
8  aula slide confederaçao do equador8  aula slide confederaçao do equador
8 aula slide confederaçao do equador
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
 
Primeiro Reinado - 8ºAno
Primeiro Reinado - 8ºAnoPrimeiro Reinado - 8ºAno
Primeiro Reinado - 8ºAno
 
A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Do governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulartDo governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulart
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
Colonização, revolução e desenvolvimento dos eua
Colonização, revolução e desenvolvimento dos euaColonização, revolução e desenvolvimento dos eua
Colonização, revolução e desenvolvimento dos eua
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 

Semelhante a Capítulo 6 - A Era Vargas

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Íris Ferreira
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
Professora Natália de Oliveira
 
9º-ANO-HIST-II.pdf
9º-ANO-HIST-II.pdf9º-ANO-HIST-II.pdf
9º-ANO-HIST-II.pdf
WAGNERLUIZELIASDASIL
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Janaína Tavares
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
resumo: Era vargas
resumo: Era vargasresumo: Era vargas
resumo: Era vargas
Lucas Reis
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo DilmaRoteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
josafaslima
 
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era VargasSlides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Sofia Figueira
 
era_vargas.pdf
era_vargas.pdfera_vargas.pdf
era_vargas.pdf
MarcosBitencourt11
 
A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945
Pedro Artigas Daiha
 
Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932
Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932
Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932
CIRINEU COSTA
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
maida marciano
 
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
ThiagoRORISDASILVA1
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
A Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - Governo
A Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - GovernoA Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - Governo
A Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - Governo
Paulo Roberto
 
Questoeshist
QuestoeshistQuestoeshist
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
Ânderson Nunes
 
Brasil dos anos 1930 – 1945.ppt
Brasil dos anos 1930 – 1945.pptBrasil dos anos 1930 – 1945.ppt
Brasil dos anos 1930 – 1945.ppt
maria aparecida coelho lira
 
Aulaeravargas
AulaeravargasAulaeravargas
Aulaeravargas
Daniel Gonçalves
 

Semelhante a Capítulo 6 - A Era Vargas (20)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
9º-ANO-HIST-II.pdf
9º-ANO-HIST-II.pdf9º-ANO-HIST-II.pdf
9º-ANO-HIST-II.pdf
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
resumo: Era vargas
resumo: Era vargasresumo: Era vargas
resumo: Era vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo DilmaRoteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
Roteiro de Aula - Da Era Vargas ao Governo Dilma
 
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era VargasSlides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
 
era_vargas.pdf
era_vargas.pdfera_vargas.pdf
era_vargas.pdf
 
A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945
 
Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932
Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932
Artigo sobre a revolução constitucionalista de 1932
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - Governo
A Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - GovernoA Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - Governo
A Era Vargas 1930 -1945: Parte 2 - Governo
 
Questoeshist
QuestoeshistQuestoeshist
Questoeshist
 
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
 
Brasil dos anos 1930 – 1945.ppt
Brasil dos anos 1930 – 1945.pptBrasil dos anos 1930 – 1945.ppt
Brasil dos anos 1930 – 1945.ppt
 
Aulaeravargas
AulaeravargasAulaeravargas
Aulaeravargas
 

Mais de Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo

Reforma da Previdencia 2019
Reforma da Previdencia 2019Reforma da Previdencia 2019
Reforma da Previdencia 2019
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
A Greve dos Caminhonheiros
A Greve dos CaminhonheirosA Greve dos Caminhonheiros
A Greve dos Caminhonheiros
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e PericulosidadeInsalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismo
Capítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismoCapítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismo
Capítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismo
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistênciaCapítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 3 - Povos indígenas no Brasil
Capítulo 3 - Povos indígenas no BrasilCapítulo 3 - Povos indígenas no Brasil
Capítulo 3 - Povos indígenas no Brasil
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 2 - América indígena
Capítulo 2 - América indígenaCapítulo 2 - América indígena
Capítulo 2 - América indígena
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persasCapítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 3 - Mesopotâmia
Capítulo 3 - MesopotâmiaCapítulo 3 - Mesopotâmia
Capítulo 3 - Mesopotâmia
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Princesa Leopoldina
Princesa LeopoldinaPrincesa Leopoldina
Operação Carne Fraca
Operação Carne FracaOperação Carne Fraca
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 -  Renascimento e Reformas ReligiosasCapítulo 1 -  Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e culturaCapítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 

Mais de Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo (20)

Reforma da Previdencia 2019
Reforma da Previdencia 2019Reforma da Previdencia 2019
Reforma da Previdencia 2019
 
A Greve dos Caminhonheiros
A Greve dos CaminhonheirosA Greve dos Caminhonheiros
A Greve dos Caminhonheiros
 
Insalubridade e Periculosidade
Insalubridade e PericulosidadeInsalubridade e Periculosidade
Insalubridade e Periculosidade
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
Capítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismo
Capítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismoCapítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismo
Capítulo 4 - A grande depressão, o fascismo e o nazismo
 
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistênciaCapítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia AntigaCapítulos 7-8 - Grécia Antiga
Capítulos 7-8 - Grécia Antiga
 
Capítulo 3 - Povos indígenas no Brasil
Capítulo 3 - Povos indígenas no BrasilCapítulo 3 - Povos indígenas no Brasil
Capítulo 3 - Povos indígenas no Brasil
 
Capítulo 2 - América indígena
Capítulo 2 - América indígenaCapítulo 2 - América indígena
Capítulo 2 - América indígena
 
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persasCapítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
Capítulo 5 - Hebreus, fenícios e persas
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
 
Capítulo 3 - Mesopotâmia
Capítulo 3 - MesopotâmiaCapítulo 3 - Mesopotâmia
Capítulo 3 - Mesopotâmia
 
Princesa Leopoldina
Princesa LeopoldinaPrincesa Leopoldina
Princesa Leopoldina
 
Operação Carne Fraca
Operação Carne FracaOperação Carne Fraca
Operação Carne Fraca
 
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 -  Renascimento e Reformas ReligiosasCapítulo 1 -  Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
 
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e culturaCapítulo 1 - História, tempo e cultura
Capítulo 1 - História, tempo e cultura
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Capítulo 6 - A Era Vargas

  • 1. Capítulo 6 - A Era Vargas
  • 2. O Bonde São Januário (1ª Versão) Quem trabalha não tem razão Eu digo e não tenho medo de errar O bonde São Januário leva mais um sócio otário Sou eu que não vou trabalhar O Bonde São Januário (2ª Versão) Quem trabalha é quem tem razão Eu digo e não tenho medo de errar O bonde São Januário leva mais um operário Sou eu que vou trabalhar A Era Vargas Ataulfo Alves Wilson Batista
  • 3. A DÉCADA DE 1920 No Brasil da República Velha, a insatisfação com o domínio das oligarquias e a desigualdade social eram intensas e motivaram uma série de protestos, greves, rebeliões e levantes. Durante os anos 1920, a Política do Café com Leite foi questionada por vários setores da população: • Operários e camadas médias urbanas; • Grupos ligados à indústria; • Jovens Oficiais do Exército (Movimento Tenentista). Esses grupos queriam: voto secreto, incentivo à indústria, fim da corrupção na política, ampliação da educação pública, maior centralização política.
  • 4. O MOVIMENTO TENENTISTA Envolvia principalmente jovens oficiais (capitães e tenentes). Eram nacionalistas, positivistas e queriam um poder central forte. Não tinha uma linha ideológica. Principais revoltas: • Os 18 do Forte de Copacabana (1922); • Comuna de Manaus (1924); • O segundo 5 de Julho (São Paulo - 1924); • Coluna Prestes (1925-27). Na década seguinte, alguns irão para a esquerda (comunista), outros para a direita (integralistas) e alguns assumirão uma postura “neutra”.
  • 5. • O caso das cartas falsas → Em 9 de Outubro de 1921, o jornal carioca, Correio da Manhã publicou cartas atribuídas à Artur Bernardes, que criticava a ação política dos oficiais do exército. • Prisão de Marechal Hermes da Fonseca e o fechamento do Clube Militar→ o ex- presidente do Brasil e presidente do Clube Militar, por ordem de Epitácio Pessoa (1919- 22). O marechal havia criticado o processo eleitoral que deu a vitória a Arthur Bernardes. OS 18 DO FORTE
  • 6. A primeira ação tenentista foi o levante dos 18 do Forte de Copacabana – 5 julho de 1922. Os únicos sobreviventes foram Siqueira Campos e Eduardo Gomes.
  • 7. Aviões bombardearam São Paulo durante o levante de 1924. Na foto, casa destruída na Rua Helvétia, região central da cidade. O segundo 5 de julho
  • 8. Entre 1925 e 1927, um grupo composto por civis e militares cruzou mais de 24 mil Km, sob a liderança de Luís Carlos Prestes. A Coluna Prestes assumiu uma aura de heroísmo, mesmo não atingindo seus objetivos. A Coluna Prestes
  • 9.
  • 10. A campanha de 1930 foi a última da República Velha e foi marcada pela ruptura entre Minas Gerais e São Paulo. Cartazes de Campanha eleitoral de 1930: PRP (Júlio Prestes) e Aliança Liberal (Getúlio Vargas). O movimento tenentista e as eleições de 1930
  • 11. Vargas procurou unir os vários grupos insatisfeitos com a politica reinante. À frente da Aliança Liberal, ele defendia:  o voto secreto;  o incentivo à indústria nacional;  solução para antigas reivindicações dos operários;  anistia irrestrita, com isso esperava atrair os tenentes;  a proteção à exportação do café e reformas sociais. Eleição 1930 - Presidente Eleição 1930 - Vice–Presidente Candidato Votos % Candidato Votos % Júlio Prestes 1.091.709 59,39 Vital Soares 1.079.360 59,67 Getúlio Vargas 742.794 40,41 João Pessoa 725.566 40,11 Minervino de Oliveira 720 0,007 Gastão Valentim 141 0,007 Outros 3.701 0,20 Outros 3.723 0,21 Votos nominais 1.838.335 Votos nominais 1.808.790 Brancos/nulos 61.921 Brancos/nulos 91.466 Total 1.900.256 Total 1.900.256 As eleições de 1930
  • 12. COMENDO BOLA Gaúcho, meu irmãozinho Meu irmãozinho mineiro Seu Julinho é que vai ser Porque esse tá de Julinho É um caboclo brasileiro Brasileiro como quê Tudo o mais é gauchada Tudo o mais não vale nada Meu irmãozinho gaúcho Se tu amarra a cavalada Vendo as coisa mal parada Não agüenta com o repuxo Getúlio, Você tá comendo bola Não te mete com seu Júlio Não te mete com seu Júlio Que seu Júlio tem escola Atrás do liberalismo Ninguém vá que esse cinismo É potoca, é brincadeira Eu conheço muito tolo Que acabou levando bolo E bateu na geladeira Eles pensam, seu Julinho Que esse povo é zé-povinho Que isso é pau de galinheiro Que sem nota e sem carinho O Brasil anda sozinho Porque Deus é brasileiro Getúlio, Você tá comendo bola Não te mete com seu Júlio Não te mete com seu Júlio Que seu Júlio tem escola
  • 13. Em 26 de julho de 1930, João Pessoa, candidato a vice de Getúlio e presidente da Paraíba, foi assassinado por João Dantas na Confeitaria Glória, em Recife (PE). Seu assassinato é considerado o estopim da Revolução de 1930 em 24 de outubro. As eleições de 1930 João Pessoa
  • 14. O governo Vargas A Era Vargas, teve início com a Revolução de 1930 onde expulsou do poder a oligarquia cafeeira, dividindo-se em três momentos:  Governo Provisório -1930-1934  Governo Constitucional – 1934-1937  Estado Novo – 1937-1945 Era Vargas é o nome que se dá ao período em que Getúlio Vargas governou o Brasil por 15 anos, de forma contínua (de 1930 a 1945). Esse período foi um marco na história brasileira, em razão das inúmeras alterações que Getúlio Vargas fez no país, tanto sociais quanto econômicas.
  • 15. Neste período, Vargas iniciou o processo de centralização do poder, eliminando os órgãos legislativos (federal, estadual e municipal). Assim, os primeiros anos foram marcados pela presença dos “tenentes” nos principais cargos do governo, medida que tinha por finalidade anular a ação dos antigos coronéis e sua influência política regional. Isso gerou um clima tenso entre as velhas oligarquias e os interventores militares. A oposição a Vargas se concentrou em São Paulo, onde as oligarquias locais, sob o apelo da autonomia política e um discurso de conteúdo regionalista, convocaram o “povo paulistano” a lutar contra o governo, exigindo eleições para a uma Assembleia Constituinte, o que originou a chamada Revolução Constitucionalista de 1932. Mesmo derrotando os oposicionistas, o presidente convocou eleições para a Constituinte. No processo eleitoral, com o desgaste gerado pelos conflitos paulistas, as principais figuras militares do governo perderam espaço político e, em 1934 uma nova constituição foi promulgada, dando maiores poderes ao poder executivo que adotou medidas democráticas e criou as bases da legislação trabalhista. Além disso, sancionou o voto secreto e o voto feminino. Com essa resolução e o apoio da maioria do Congresso, Vargas garantiu mais um mandato. O Governo Provisório
  • 16. Nesse segundo mandato, conhecido como Governo Constitucional, a altercação política se deu em volta de dois ideais primordiais: o fascista – conjunto de ideias e preceitos político-sociais totalitário introduzidos na Itália por Mussolini –, defendido pela Ação Integralista Brasileira (AIB), e o democrático, representado pela Aliança Nacional Libertadora (ANL), era favorável à reforma agrária, a luta contra o imperialismo e a revolução por meio da luta de classes. A ANL aproveitando-se desse espírito revolucionário e com as orientações dos altos escalões do comunismo soviético, promoveu uma tentativa de golpe contra o governo. Em 1935 alguns comunistas brasileiros iniciaram revoltas nos quartéis militares de Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE). Devido à falha de articulação e adesão de outros estados, a chamada Intentona Comunista, foi facilmente controlada pelo governo. Diante da “ameaça comunista”, Vargas conseguiu anular a nova eleição presidencial que deveria acontecer em 1937. Anunciando outra tentativa de golpe comunista, conhecida como Plano Cohen, ele anulou a constituição de 1934 e dissolveu o Poder Legislativo. A partir daquele ano, Getúlio passou a governar com amplos poderes, inaugurando o chamado Estado Novo. Governo Constitucional (1934 – 1937)
  • 17. A Intentona Comunista - 1935 Prestes, sua mulher a judia alemã Olga Benário e mais alguns comunistas apoiados pelo Partido Comunista russo, iniciaram um levante nos quartéis militares e que ganharia as ruas rapidamente, mas não foi o que aconteceu...
  • 18. O ESTADO NOVO (1937-45) No dia 10 de novembro de 1937, era anunciado em cadeia de rádio pelo presidente o Estado Novo. Vargas fechou o Congresso Nacional e impôs ao país uma nova Constituição, que ficaria conhecida depois como "Polaca" por ter sido inspirada na Constituição da Polônia, de tendência fascista. A partir de novembro de 1937 Vargas impôs a censura aos meios de comunicação, reprimiu a atividade política, perseguiu e prendeu seus inimigos políticos. Concebeu um aparato repressivo e de propaganda do governo com a criação da Polícia Especial (PE), do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) e o Departamento de Administração do Serviço Público (DASP). Ao mesmo tempo, adotou medidas econômicas nacionalizantes e deu continuidade a sua política trabalhista com a criação da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), o Código Penal e o Código de Processo Penal, todos em vigor atualmente. Também foram criados a Carteira de Trabalho, a Justiça do Trabalho, o salário mínimo, as férias e o descanso semanal remunerado.
  • 19. Os Integralistas apoiaram o Golpe de 1937. Getúlio acenava a Plinio Salgado que os integralistas participariam do poder na nova ordem. Eles queriam o Ministério da Educação. Depois do golpe, Getúlio coloca as organizações políticas na ilegalidade. Descontentes tentam um golpe em 11 de maio contra Palácio Guanabara, residência presidencial, e são derrotado. O golpe integralista de 1938
  • 20. PRESOS FAMOSOS DO ESTADO NOVO LUIZ CARLOS PRESTES OLGA JORGE AMADO GRACILIANO RAMOS PLÍNIO SALGADO RAQUEL DE QUEIROZ MONTEIRO LOBATO
  • 21. Olga era esposa de Prestes e estava grávida quando foi entregue pelo governo brasileiro aos nazistas. Era uma judia e foi morta no campo de concentração de Bernburg, em 1942. OLGA: ÍCONE DA LUTA CONTRA A DITADURA VARGAS
  • 22. O Estado racionalizou e incentivou as atividades já existentes. Levou adiante uma política de substituição das importações, intensificado com a 2ª Guerra Mundial e passou a dar maior atenção para a indústria de base. Criou vários institutos e empresas estatais como: • Instituto Brasileiro do Café (IBC). • Instituto do Açúcar e do Alcool (IAA). • Conselho Nacional do Petróleo (CNP). • Centrais Hidrelétricas do Rio São Francisco (CHESF). • Campanha do Soldado da Borracha (CSB). • Superintendência de Valorização da Amazônia. Siderúrgica de Volta Redonda-RJ Economia: entre a indústria e a agricultura • Departamento Nacional de Pesquisa Mineral (DNPM). • Usina Siderúrgica de Volta Redonda (CSN) • Companhia Vale do Rio Doce. • Fábrica Nacional de Motores (FNM).
  • 23. POLÍTICA DE BOA VIZINHANÇA É CRIADO O ZÉ CARIOCA, DISNEY E ROOSEVELT VÊM AO BRASIL.
  • 24. CARMEN MIRANDA A luso-brasileira Carmen Miranda foi a primeira estrela internacional brasileira. Dona de um estilo próprio, fez carreira no Brasil e nos EUA, nas rádios, nos teatros de revista e no cinema nas décadas de 1930 a 1950. Ajudou a criar e divulgar a imagem estereotipada do Brasil e chegou a ser a mulher mais bem paga do showbiz americano.
  • 25. A ERA DO RÁDIO O rádio ganhou grande importância no Brasil a partir dos anos 1930. Havia concursos de calouros, programas de auditório, novelas, a eleição da “Rainha do Rádio”. Em 1938, inaugurou-se o programa oficial “Hora do Brasil”, controlado pelo DIP.
  • 26. POLÍTICA CULTURAL Cartilha patriótica: Getúlio Vargas, através de seu ministro da Educação, Gustavo Capanema, tornou Educação Moral e Cívica matéria obrigatória.
  • 27. POLÍTICA CULTURAL • Criação da Universidade do Brasil, hoje UFRJ – 1937; • Criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN) – 1937; • Criação do Instituto Nacional do Livro – 1937: publicações educativas e incentivo à abertura de bibliotecas públicas; • Jornal A Manhã – 1941 até meados de 1945: órgão oficial do Estado Novo, tinha diagramação moderna e caráter didático, explicava a constituição de 1937 e contava com redatores de peso (Afonso Arinos, Cecília Meireles, José Lins do Rego, Gilberto Freyre, etc.) • Reforma do ensino secundário – 1942;
  • 28. O FIM DO ESTADO NOVO O Brasil permaneceu neutro por boa parte da guerra e negociou a sua entrada no conflito em termos favoráveis. Vargas declarou guerra ao Eixo em agosto de 1942. Os japoneses e alemães, principalmente, sofreram alguma forma de perseguição. O Brasil ganhou a Siderúrgica de Volta Redonda, dos EUA. Os pracinhas
  • 29. Em 1943 foi organizada a FEB – Força Expedicionária Brasileira. As tropas foram enviadas em julho de 1944. Foram cerca de 25 mil homens e mulheres. A previsão era 100 mil. Houve 943 baixas. O FIM DO ESTADO NOVO
  • 30. A Estrada 47 é o primeiro filme brasileiro sobre a 2ª Guerra Mundial. É uma obra de ficção baseada em pesquisa e registros feitos por quem esteve lá. Dirigido por Vicente Ferraz, venceu vários prêmios, dentre eles o de melhor filme no 42º Festival de Cinema de Gramado 2014.
  • 31. O fim do estado novo e o queremismo • Havia uma forte oposição norte-americana à política nacionalista de Vargas; • O Manifesto dos Mineiros, outubro de 1943, denunciou as contradições entre as políticas interna e externa do país; • Libertação dos presos políticos em 1945; • Partidos políticos em 1945: UDN, PTB, PSD, PCB, etc; • O PCB apoiava o Queremismo e a Constituinte com Getúlio; • Deposição de Vargas em 29 de outubro; • As eleições presidenciais de dezembro de 1945 tiveram como vencedor o General Dutra, candidato do PSD.
  • 32. O FIM DO ESTADO NOVO O Queremismo sinalizou o perigo da permanência de Vargas.
  • 33. Bibliografia: História Sociedade & Cidadania Alfredo Boulos Júnior – 3º Ano Editora FTD - 2015