SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Pai Presente é Pai informado !
Os 3 primeiros meses de gestação
Neste início ocorre a adaptação do corpo da mulher e de seus
sentimentos, trazendo sensações ora de prazer, ora de
desconforto.
Faz parte desse momento a oscilação entre a aceitação e a
recusa da gravidez. Pode ter o aumento dos seios, a mulher
também pode sentir mais sono, mais fome, enjoos e até ficar
mais cansada. Não se preocupe, tudo isso é comum! São as
adaptações necessárias da gravidez.
É importante estimular a alimentação de maneira saudável, não
ingestão de bebida alcoólica, fumo e outras drogas. Nestes
casos, peça ajuda ao profissional de saúde.
O bebê foi gerado a partir do encontro do espermatozoide do homem com
o óvulo da mulher. Com 4 semanas ele é do tamanho de um grão de
arroz, seu coração começa a bater e aparecem pequenos brotos que serão
depois os braços e as pernas.
• Ao final de 8 semanas já estão se formando os dedos, as mãos, as
orelhas e os órgãos internos. Ele é do tamanho de uma ervilha e pesa
mais ou menos 7 gramas.
• De 9 a 12 semanas (durante o 3º mês) seu rosto já está quase todo
formado e os olhos já têm as pálpebras. Inicia-se o funcionamento do
cérebro, e ele já se movimenta e mexe os braços e as pernas. Já se
formou o cordão umbilical, que liga o bebê à placenta. Ao final do 3º mês
o coração já pode ser ouvido com um aparelho próprio durante a consulta
de pré-natal.
Como seu bebê está se formando?
Neste segundo trimestre o corpo e a emotividade da mulher crescem. Ela
começa a perceber os primeiros movimentos dentro de sua barriga, que
confirmam que seu bebê está bem pertinho. Isso pode trazer uma sensação
muito boa, que fortalecerá sua ligação com o filho. É um período de grande bem-
estar. Nessa época o corpo vai mudar muito rápido, com crescimento da barriga
e alterações nos seios e nos quadris. As sensações iniciais de desconforto
desaparecem, dando lugar a sentimentos de plenitude e muita disposição, e a
barriga vai ser notada pelas pessoas.
Dica: Vocês podem ficar ansiosos para saber o sexo de seu bebê. Tenham calma,
principalmente se você tem alguma preferência de sexo. Pense que a surpresa
de quem vai chegar poderá ser maior se você ainda não souber se é menina ou
menino.
Vocês podem e devem fazer tratamento odontológico durante a gravidez. É
seguro para vocês e protegerá seu bebê contra infecções e outros problemas.
Do 4º ao 6º mês de gestação
Enquanto isso, dentro da barriga da sua parceira...
• A partir de 14 semanas iniciam-se os movimentos respiratórios e
das mãozinhas.
• Entre 15 e 16 semanas a pele, ainda transparente, começa a se
engrossar. O bebê já tem cílios e sobrancelhas e seus movimentos
começam a ser percebidos. O coração bate muito mais rápido do
que o seu.
• Entre 17 e 18 semanas ele pode medir de 17 cm a 20 cm e pesar
de 200 g a 250 g. Já consegue sugar, engolir e piscar. Ele pode
soluçar, o que é normal.
• Entre 20 e 24 semanas ele mede em torno de 26 cm e seu peso
médio é de 500 g. Os movimentos ficam mais intensos. Há
momentos em que ele está dormindo e momentos em que fica
acordado. Todo o organismo da mulher está funcionando em
harmonia. Ele se alimenta por meio do cordão umbilical e da
placenta.
O final da gestação é o momento em que tanto vocês quanto o bebê
se preparam para uma grande mudança. O bebê tem menos espaço
dentro da barriga, o que dá a sensação de peso e desconforto. A
mulher pode sentir menos sono. O corpo está se preparando para o
parto e para acolher quem vai chegar.
O útero pode ficar durinho por instantes, mas não sentirá dor,
apenas uma leve sensação de endurecimento. Poderá sair do peito
um líquido amarelado, chamado colostro, que vai alimentar seu bebê
nos primeiros dias de vida. Essa é uma época de ansiedade com o
parto. O medo do desconhecido é natural. Procurem conversar com
quem possa passar confiança e deixá-los mais tranquilos.
Último trimestre de gestação
Nos últimos três meses da gestação a maioria dos bebês se coloca de
cabeça para baixo. Ele tem o próprio ritmo de dormir e acordar e começa
a dar sinais de querer nascer, com o surgimento das primeiras contrações.
De 27 a 30 semanas ele pode pesar 1 kg e medir cerca de 32 cm. Já
percebe a luz fora do útero, abre e fecha os olhos. Escuta e identifica
vários sons, como vozes e músicas, e pode se assustar com barulhos altos
e repentinos. O espaço dentro do útero vai ficar cada vez mais justo.
Com 32 semanas já pesa 2 kg. Sua pele fica coberta por um tipo de
creme branco, o vérnix, que traz proteção e o ajudará a se deslizar pelo
canal do parto. Ele já está todo formado, mas não está maduro. Falta
pouco... É preciso ter paciência para esperar o tempo certo de nascer. A
natureza sabe o melhor momento! Antecipar o parto sem necessidade é
prejudicial para você e seu bebê.
Preparando para nascer ...
Organizar documentos para levar no momento do parto e para entrar com
a licença-maternidade.
Fazer a lista de telefones úteis.
Comprar mantimentos para quando vocês chegarem da maternidade.
Colocar na sacola o que vocês vão levar: – roupas e fraldas para o bebê,
roupas para você, absorventes, casaco ou manta para seu acompanhante
durante a noite, produtos de higiene pessoal;
– Carteira de Identidade ou Certidão de Nascimento;
– Caderneta da gestante e a Caderneta de Saúde, se for adolescente;
– Cartão do SUS, se possuir.
Você pode:
Vocês serão acolhidos e a mulher será examinada por um(a)
profissional de saúde, que irá:
• Ouvir a história e dar informações sobre o parto;
• Medir a barriga e as contrações do útero;
• Verificar a pressão arterial e escutar o coração do bebê;
• Fazer um toque vaginal para ver se já começou a dilatação
(abertura) do colo do útero para o bebê passar e confirmar se
sua parceira está em trabalho de parto;
• Combinar com vocês os próximos passos.
Chegando a hora - Como identificar o
trabalho de parto?
O parto é uma grande experiência para você, sua parceira e o bebê. O parto
normal é melhor devido a recuperação ser mais rápida, o risco de infecção da
mãe é menor porque há menos sangramento e o bebê também tem menos risco
de apresentar problemas respiratórios.
A cesárea pode ser importante e necessária para salvar a vida da mulher e da
criança. Não deve ser, porém, uma opção de parto e sim uma indicação médica,
como no caso de o bebê estar atravessado ou em sofrimento, quando o cordão
ou a placenta está fora do lugar e impedindo a saída da criança, quando a mãe
sofre de uma doença grave, entre outras razões. Cesariana é uma cirurgia de
grande porte que pode apresentar riscos para a mulher e para o bebê se for
realizada sem a necessidade.
É importante que você e sua parceira conversem sobre o tipo de parto desejado
e esclareça todas as dúvidas com o profissional de saúde sobre o melhor tipo de
parto.
Tipos de partos mais frequentes
Parto Normal X Parto Cesárea
Cesária Parto normal
Mais dor e dificuldade para andar e
cuidar do bebê após a cirurgia.
Rápida recuperação, facilitando o
cuidado com o bebê após o parto
Mais riscos de ter febre, infecção,
hemorragia e interferência no
aleitamento.
Menos riscos de complicação,
favorecendo o contato pele a pele
imediato com o bebê e o aleitamento
Maior risco de complicação na
próxima gravidez.
Menor risco de complicações na
próxima gravidez, tornando o
próximo parto mais rápido e fácil.
Para o bebê Para o bebê
Mais riscos de nascer prematuro,
ficar na incubadora, ser afastado da
mãe e demorar a ser amamentado
Na maioria das vezes, ele vai direto
para o colo da mãe.
Mais riscos de desenvolver alergias e
problemas respiratórios na idade
adulta.
O bebê nasce no tempo certo, seus
sistemas e órgãos são estimulados
para a vida por meio das contrações
uterinas e da passagem pela vagina.
Ajude sua parceira a encontrar a melhor posição para o parto.
Você está acostumada a ver as mulheres deitadas para o parto,
mas as posições de cócoras, sentada ou de joelhos são
melhores para favorecer a saída do bebê: o canal de parto fica
mais curto, a abertura da vagina fica maior e a circulação de
oxigênio para o bebê é melhor.
Fique por dentro!
O desejo e disposição sexual podem mudar na gravidez. Há
mulheres que têm menos vontade e outras que têm mais vontade
do que antes. Isso pode acontecer para o(a) companheiro(a)
também. Ter relações sexuais até o final da gravidez é saudável,
pode dar muito prazer, não machuca o bebê e pode, inclusive,
ajudar no seu nascimento. Durante o orgasmo é comum a barriga
de sua parceira ficar dura, não se preocupe. Evite posições que
causem desconforto e respeite integralmente a vontade de ter ou
não ter relação. O dialogo nesse momento é fundamental.
Logo após o parto, você e sua parceira estarão envolvidos com os
cuidados intensivos com o bebê, muitas vezes sobrando pouco
tempo para vocês dois a sós. As relações sexuais deverão aguardar
em média 40 dias, tempo para o organismo de sua parceira se
recuperar. Independentemente do tipo de parto, é comum a vagina
ficar ressecada e poderá haver certo desconforto na relação sexual.
Esta situação é passageira.
Sexo durante e após a gestação
• É recomendável tomar 20 minutos de sol, durante o início da manhã ou o final
da tarde, inclusive nas mamas. Lembre sua parceira de usar boné ou chapéu e
protetor solar no rosto, para evitar manchas de pele.
• Lembre sua parceira para que ela evite descolorantes, tinturas de cabelo,
alisantes e onduladores que contêm amônia e outros componentes que podem
fazer mal ao bebê.
• Proteja sua parceira que para que ela não fique em ambientes onde haja
fumantes, em qualquer fase da gravidez. Respirar a fumaça com frequência pode
afetar o bebê
• Estimule caminhadas que ajudam a melhorar a circulação do sangue, aumentar
a disposição e a sensação de bem-estar. Se não houver contraindicação, devem
ser mantidas do início ao fim da gravidez. Caminhe junto!
Recomendações para sua parceira
durante a gestação
• Estimule a realização de atividades físicas leves e prazerosas.
• Incentive as 8 horas de sono por noite.
• Lembre sua parceira de elevar as pernas quando estiver sentada
ou deitada.
• Estimule sua parceira deitar preferencialmente do lado esquerdo,
com um travesseiro entre as pernas. Esta posição facilita a
passagem de oxigênio para o bebê.
Recomendações para sua parceira
durante a gestação
O que você pai pode fazer nos primeiros momentos de vida da
criança, fique sabendo:
- Cortar o cordão umbilical;
- Conduzir o bebê com a mãe ao alojamento conjunto;
- Dar o primeiro banho no bebê, desta forma, a mulher que estiver
se recuperando do parto será apoiada nas tarefas de cuidado
durante a internação, e o pai se sentirá legitimado a cuidar do seu
bebê;
- Falar de suas emoções com sua parceira, familiares e amigos sobre
as suas angústias com relação às situações que está vivenciando;
- Apoiar e estimular a parceira com a amamentação.
O pai e os primeiros momentos de
vida da criança
A amamentação é importante para o desenvolvimento do
bêbe. Todo leite materno é forte, nutritivo e protege contra
várias doenças e previne problemas dentários e
respiratórios. O colostro é o primeiro leite, tem cor
amarelada e é ideal para proteger o bebê nos primeiro
dias.
O Ministério da Saúde recomenda o aleitamento materno
exclusivo até os 6 meses de idade, e até os 2 anos de
idade como complemento da alimentação. Saiba como você
pode contribuir para amamentação do (a) seu (sua) filho
(a).
Pais e amamentação
- Encoraje e incentive sua parceira a amamentar;
- Sempre que possível, participe do momento da
amamentação;
- Seja paciente e compreensivo;
- Sinta-se útil durante o período da amamentação, realizando
atividades domésticas por exemplo.
- Procure ocupar-se mais dos outros filhos (se os tiverem);
- Fique atento às variações do apetite sexual de sua
companheira;
- Não traga para casa latas de leite, mamadeiras e chupetas.
Como contribuir com a amamentação
• A certidão deve ser feita logo após o nascimento da criança no
hospital onde ela nasceu, se houver uma unidade de cartório no
local.
• Caso não tenha serviço de cartório na maternidade, os pais ou
responsáveis devem ir ao cartório mais próximo, levando os
próprios documentos e a Declaração de Nascido Vivo (DNV),
entregue pelo hospital.
• Se o pai não puder ir registrar o filho, a mãe pode providenciar a
Certidão de Nascimento sozinha, levando a Certidão de Casamento
ou uma declaração do pai com firma reconhecida em cartório.
• Caso a criança nasça em casa, a DNV (Declaração de Nascido
Vivo) pode ser preenchida pela equipe de atenção básica.
Como tirar a Certidão de Nascimento
Saiba como cuidar da higiene do
seu filho
- Ao dar banho no seu filho, teste a temperatura da água,
com o dorso da mão para evitar queimaduras;
- A higiene do cordão umbilical faz-se com uma gaze
esterilizada com álcool a 90%, de modo a desinfetar bem
a área e promover a cicatrização. Este deve manter-se
limpo e seco e livre de curativos para evitar infecções;
- A limpeza da zona genital, nas meninas, faz-se sempre
da frente para trás, para evitar infecção. Essa limpeza
pode ser realizada com um algodão embebido em água
morna ou óleo de bebê. Pode ainda usar toalhetes de
limpeza próprios para bebê;
- Nos meninos, deve fazer uma limpeza na zona
externa dos genitais. O prepúcio (pele que cobre
a glande) não deve ser descolado pelos pais
para conseguir uma melhor higiene, esse
procedimento deve ser realizado apenas por
profissional de saúde capacitado;
- Não é obrigatório colocar creme a cada troca de
fralda, exceto se a pele do bebê tiver assaduras;
- Os cuidados com a higiene bucal devem
começar a partir do nascimento do bebê. No
recém-nascido, a limpeza deve ser feita com uma
gaze ou fralda umedecida em água limpa para
remover os resíduos de leite, para saber todos os
cuidados com a higiene bucal do seu filho nas
diferentes fases, procure um profissional de saúde
da área.
Paternidade e identidade de gênero
Pai converse com o profissional de saúde sobre como ele pode
acolher suas especificidades levando em consideração as orientações
aqui prestadas.
- Informe como gostaria de ser chamado (a);
- Procure esclarecer suas dúvidas sobre seus direitos em relação à
paternidade;
- Esclareça suas dúvidas com o profissional de saúde sobre os cuidados
a serem prestados ao recém-nascido e à parceira (o);
- Verifique que ações são oferecidas sobre o pré-natal do parceiro e
paternidade e como pode fazer para participar;
- Converse com o médico sobre como a hormonioterapia pode influenciar
no desenvolvimento do feto;
- Procure verificar que métodos contraceptivos estão disponíveis para
programar seu planejamento familiar e reprodutivo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4 cuidados com o bebe
4 cuidados com o bebe4 cuidados com o bebe
4 cuidados com o bebe
Filipe Fiel
 
03 gestação, amamentação e o recém nascido
03 gestação, amamentação e o recém nascido03 gestação, amamentação e o recém nascido
03 gestação, amamentação e o recém nascido
Praxis Educativa
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Patrícia Müller
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
Rebeca - Doula
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Neto Pontes
 
Douglas e leo
Douglas e leoDouglas e leo
Douglas e leo
lurocha63
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Diana Resendes
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
NadjadBarros
 
5 a nova estrutura familiar
5 a nova estrutura familiar5 a nova estrutura familiar
5 a nova estrutura familiar
Filipe Fiel
 

Mais procurados (20)

4 cuidados com o bebe
4 cuidados com o bebe4 cuidados com o bebe
4 cuidados com o bebe
 
Problemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamasProblemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamas
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Sexualidade que bicho é esse
Sexualidade que bicho é esseSexualidade que bicho é esse
Sexualidade que bicho é esse
 
03 gestação, amamentação e o recém nascido
03 gestação, amamentação e o recém nascido03 gestação, amamentação e o recém nascido
03 gestação, amamentação e o recém nascido
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
 
Proteção gravida
Proteção gravidaProteção gravida
Proteção gravida
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
 
Sexualidade para jovens
Sexualidade para jovensSexualidade para jovens
Sexualidade para jovens
 
Aborto
   Aborto   Aborto
Aborto
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Douglas e leo
Douglas e leoDouglas e leo
Douglas e leo
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Esclarecendo Dúvidas Sobre Sexualidade
Esclarecendo Dúvidas Sobre SexualidadeEsclarecendo Dúvidas Sobre Sexualidade
Esclarecendo Dúvidas Sobre Sexualidade
 
Gravidez na adolescência e Aborto
Gravidez na adolescência e Aborto Gravidez na adolescência e Aborto
Gravidez na adolescência e Aborto
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
 
5 a nova estrutura familiar
5 a nova estrutura familiar5 a nova estrutura familiar
5 a nova estrutura familiar
 

Destaque (11)

Bridge to Hope
Bridge to HopeBridge to Hope
Bridge to Hope
 
C.Cornelius.ResumeAugust
C.Cornelius.ResumeAugustC.Cornelius.ResumeAugust
C.Cornelius.ResumeAugust
 
Kins153FinalPortfolio
Kins153FinalPortfolioKins153FinalPortfolio
Kins153FinalPortfolio
 
Licença paternidade _avasus
Licença paternidade _avasusLicença paternidade _avasus
Licença paternidade _avasus
 
070213 Miller Jimmy RESAMAY
070213 Miller Jimmy RESAMAY070213 Miller Jimmy RESAMAY
070213 Miller Jimmy RESAMAY
 
student profile
student profilestudent profile
student profile
 
Final Presentation
 Final Presentation  Final Presentation
Final Presentation
 
Don Brown 62216
Don Brown 62216Don Brown 62216
Don Brown 62216
 
Colin Roe Ledbetter CV 2014
Colin Roe Ledbetter CV 2014Colin Roe Ledbetter CV 2014
Colin Roe Ledbetter CV 2014
 
Unofficial Transcript - Brandon Cook
Unofficial Transcript - Brandon CookUnofficial Transcript - Brandon Cook
Unofficial Transcript - Brandon Cook
 
Family life and culture from libya
Family life and culture from libyaFamily life and culture from libya
Family life and culture from libya
 

Semelhante a Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus

Livro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO' 1o. capítulo
Livro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO'   1o. capítuloLivro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO'   1o. capítulo
Livro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO' 1o. capítulo
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas
"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas
"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
5feugeniocastro
 

Semelhante a Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus (20)

Da gravidez à amamentação.pptx
Da gravidez à amamentação.pptxDa gravidez à amamentação.pptx
Da gravidez à amamentação.pptx
 
Fases da gestação
Fases da gestaçãoFases da gestação
Fases da gestação
 
Celebrando a vida
Celebrando a vidaCelebrando a vida
Celebrando a vida
 
Apresentação Guia da Grávida Informada e Consciente
Apresentação Guia da Grávida Informada e ConscienteApresentação Guia da Grávida Informada e Consciente
Apresentação Guia da Grávida Informada e Consciente
 
Livro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO' 1o. capítulo
Livro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO'   1o. capítuloLivro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO'   1o. capítulo
Livro 'Da GRAVIDEZ à AMAMENTAÇÃO' 1o. capítulo
 
"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas
"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas
"Da Gravidez à Amamentação" O dia a dia de um importante período de nossas vidas
 
Word 9 d_6
Word 9 d_6Word 9 d_6
Word 9 d_6
 
Gravidez e parto
Gravidez e partoGravidez e parto
Gravidez e parto
 
A agenda da_gravidez
A agenda da_gravidezA agenda da_gravidez
A agenda da_gravidez
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
 
Susanita
SusanitaSusanita
Susanita
 
Apostila curso-de-gestantes
Apostila curso-de-gestantesApostila curso-de-gestantes
Apostila curso-de-gestantes
 
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o BebêCordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
 
Amamentar_Bonus.pdf
Amamentar_Bonus.pdfAmamentar_Bonus.pdf
Amamentar_Bonus.pdf
 
curso-de-maes
curso-de-maescurso-de-maes
curso-de-maes
 
curso-de-maes
curso-de-maescurso-de-maes
curso-de-maes
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
 
gestação do 7 ao 9 meses
gestação do 7 ao 9 mesesgestação do 7 ao 9 meses
gestação do 7 ao 9 meses
 
Pré natal-e-recém-nascido
Pré natal-e-recém-nascidoPré natal-e-recém-nascido
Pré natal-e-recém-nascido
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido- nascidos normal.pptx
Assistência de enfermagem ao recém nascido- nascidos normal.pptxAssistência de enfermagem ao recém nascido- nascidos normal.pptx
Assistência de enfermagem ao recém nascido- nascidos normal.pptx
 

Mais de sedis-suporte

C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
sedis-suporte
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
sedis-suporte
 

Mais de sedis-suporte (20)

C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinaisC1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
 
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
 
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinaisC1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 

Último

Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
TaniaN8
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 

Último (10)

Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 

Pai presente é_pai_informado_validacao_avasus

  • 1. Pai Presente é Pai informado ! Os 3 primeiros meses de gestação Neste início ocorre a adaptação do corpo da mulher e de seus sentimentos, trazendo sensações ora de prazer, ora de desconforto. Faz parte desse momento a oscilação entre a aceitação e a recusa da gravidez. Pode ter o aumento dos seios, a mulher também pode sentir mais sono, mais fome, enjoos e até ficar mais cansada. Não se preocupe, tudo isso é comum! São as adaptações necessárias da gravidez. É importante estimular a alimentação de maneira saudável, não ingestão de bebida alcoólica, fumo e outras drogas. Nestes casos, peça ajuda ao profissional de saúde.
  • 2. O bebê foi gerado a partir do encontro do espermatozoide do homem com o óvulo da mulher. Com 4 semanas ele é do tamanho de um grão de arroz, seu coração começa a bater e aparecem pequenos brotos que serão depois os braços e as pernas. • Ao final de 8 semanas já estão se formando os dedos, as mãos, as orelhas e os órgãos internos. Ele é do tamanho de uma ervilha e pesa mais ou menos 7 gramas. • De 9 a 12 semanas (durante o 3º mês) seu rosto já está quase todo formado e os olhos já têm as pálpebras. Inicia-se o funcionamento do cérebro, e ele já se movimenta e mexe os braços e as pernas. Já se formou o cordão umbilical, que liga o bebê à placenta. Ao final do 3º mês o coração já pode ser ouvido com um aparelho próprio durante a consulta de pré-natal. Como seu bebê está se formando?
  • 3. Neste segundo trimestre o corpo e a emotividade da mulher crescem. Ela começa a perceber os primeiros movimentos dentro de sua barriga, que confirmam que seu bebê está bem pertinho. Isso pode trazer uma sensação muito boa, que fortalecerá sua ligação com o filho. É um período de grande bem- estar. Nessa época o corpo vai mudar muito rápido, com crescimento da barriga e alterações nos seios e nos quadris. As sensações iniciais de desconforto desaparecem, dando lugar a sentimentos de plenitude e muita disposição, e a barriga vai ser notada pelas pessoas. Dica: Vocês podem ficar ansiosos para saber o sexo de seu bebê. Tenham calma, principalmente se você tem alguma preferência de sexo. Pense que a surpresa de quem vai chegar poderá ser maior se você ainda não souber se é menina ou menino. Vocês podem e devem fazer tratamento odontológico durante a gravidez. É seguro para vocês e protegerá seu bebê contra infecções e outros problemas. Do 4º ao 6º mês de gestação
  • 4. Enquanto isso, dentro da barriga da sua parceira... • A partir de 14 semanas iniciam-se os movimentos respiratórios e das mãozinhas. • Entre 15 e 16 semanas a pele, ainda transparente, começa a se engrossar. O bebê já tem cílios e sobrancelhas e seus movimentos começam a ser percebidos. O coração bate muito mais rápido do que o seu. • Entre 17 e 18 semanas ele pode medir de 17 cm a 20 cm e pesar de 200 g a 250 g. Já consegue sugar, engolir e piscar. Ele pode soluçar, o que é normal. • Entre 20 e 24 semanas ele mede em torno de 26 cm e seu peso médio é de 500 g. Os movimentos ficam mais intensos. Há momentos em que ele está dormindo e momentos em que fica acordado. Todo o organismo da mulher está funcionando em harmonia. Ele se alimenta por meio do cordão umbilical e da placenta.
  • 5. O final da gestação é o momento em que tanto vocês quanto o bebê se preparam para uma grande mudança. O bebê tem menos espaço dentro da barriga, o que dá a sensação de peso e desconforto. A mulher pode sentir menos sono. O corpo está se preparando para o parto e para acolher quem vai chegar. O útero pode ficar durinho por instantes, mas não sentirá dor, apenas uma leve sensação de endurecimento. Poderá sair do peito um líquido amarelado, chamado colostro, que vai alimentar seu bebê nos primeiros dias de vida. Essa é uma época de ansiedade com o parto. O medo do desconhecido é natural. Procurem conversar com quem possa passar confiança e deixá-los mais tranquilos. Último trimestre de gestação
  • 6. Nos últimos três meses da gestação a maioria dos bebês se coloca de cabeça para baixo. Ele tem o próprio ritmo de dormir e acordar e começa a dar sinais de querer nascer, com o surgimento das primeiras contrações. De 27 a 30 semanas ele pode pesar 1 kg e medir cerca de 32 cm. Já percebe a luz fora do útero, abre e fecha os olhos. Escuta e identifica vários sons, como vozes e músicas, e pode se assustar com barulhos altos e repentinos. O espaço dentro do útero vai ficar cada vez mais justo. Com 32 semanas já pesa 2 kg. Sua pele fica coberta por um tipo de creme branco, o vérnix, que traz proteção e o ajudará a se deslizar pelo canal do parto. Ele já está todo formado, mas não está maduro. Falta pouco... É preciso ter paciência para esperar o tempo certo de nascer. A natureza sabe o melhor momento! Antecipar o parto sem necessidade é prejudicial para você e seu bebê. Preparando para nascer ...
  • 7. Organizar documentos para levar no momento do parto e para entrar com a licença-maternidade. Fazer a lista de telefones úteis. Comprar mantimentos para quando vocês chegarem da maternidade. Colocar na sacola o que vocês vão levar: – roupas e fraldas para o bebê, roupas para você, absorventes, casaco ou manta para seu acompanhante durante a noite, produtos de higiene pessoal; – Carteira de Identidade ou Certidão de Nascimento; – Caderneta da gestante e a Caderneta de Saúde, se for adolescente; – Cartão do SUS, se possuir. Você pode:
  • 8. Vocês serão acolhidos e a mulher será examinada por um(a) profissional de saúde, que irá: • Ouvir a história e dar informações sobre o parto; • Medir a barriga e as contrações do útero; • Verificar a pressão arterial e escutar o coração do bebê; • Fazer um toque vaginal para ver se já começou a dilatação (abertura) do colo do útero para o bebê passar e confirmar se sua parceira está em trabalho de parto; • Combinar com vocês os próximos passos. Chegando a hora - Como identificar o trabalho de parto?
  • 9. O parto é uma grande experiência para você, sua parceira e o bebê. O parto normal é melhor devido a recuperação ser mais rápida, o risco de infecção da mãe é menor porque há menos sangramento e o bebê também tem menos risco de apresentar problemas respiratórios. A cesárea pode ser importante e necessária para salvar a vida da mulher e da criança. Não deve ser, porém, uma opção de parto e sim uma indicação médica, como no caso de o bebê estar atravessado ou em sofrimento, quando o cordão ou a placenta está fora do lugar e impedindo a saída da criança, quando a mãe sofre de uma doença grave, entre outras razões. Cesariana é uma cirurgia de grande porte que pode apresentar riscos para a mulher e para o bebê se for realizada sem a necessidade. É importante que você e sua parceira conversem sobre o tipo de parto desejado e esclareça todas as dúvidas com o profissional de saúde sobre o melhor tipo de parto. Tipos de partos mais frequentes
  • 10. Parto Normal X Parto Cesárea Cesária Parto normal Mais dor e dificuldade para andar e cuidar do bebê após a cirurgia. Rápida recuperação, facilitando o cuidado com o bebê após o parto Mais riscos de ter febre, infecção, hemorragia e interferência no aleitamento. Menos riscos de complicação, favorecendo o contato pele a pele imediato com o bebê e o aleitamento Maior risco de complicação na próxima gravidez. Menor risco de complicações na próxima gravidez, tornando o próximo parto mais rápido e fácil. Para o bebê Para o bebê Mais riscos de nascer prematuro, ficar na incubadora, ser afastado da mãe e demorar a ser amamentado Na maioria das vezes, ele vai direto para o colo da mãe. Mais riscos de desenvolver alergias e problemas respiratórios na idade adulta. O bebê nasce no tempo certo, seus sistemas e órgãos são estimulados para a vida por meio das contrações uterinas e da passagem pela vagina.
  • 11. Ajude sua parceira a encontrar a melhor posição para o parto. Você está acostumada a ver as mulheres deitadas para o parto, mas as posições de cócoras, sentada ou de joelhos são melhores para favorecer a saída do bebê: o canal de parto fica mais curto, a abertura da vagina fica maior e a circulação de oxigênio para o bebê é melhor. Fique por dentro!
  • 12. O desejo e disposição sexual podem mudar na gravidez. Há mulheres que têm menos vontade e outras que têm mais vontade do que antes. Isso pode acontecer para o(a) companheiro(a) também. Ter relações sexuais até o final da gravidez é saudável, pode dar muito prazer, não machuca o bebê e pode, inclusive, ajudar no seu nascimento. Durante o orgasmo é comum a barriga de sua parceira ficar dura, não se preocupe. Evite posições que causem desconforto e respeite integralmente a vontade de ter ou não ter relação. O dialogo nesse momento é fundamental. Logo após o parto, você e sua parceira estarão envolvidos com os cuidados intensivos com o bebê, muitas vezes sobrando pouco tempo para vocês dois a sós. As relações sexuais deverão aguardar em média 40 dias, tempo para o organismo de sua parceira se recuperar. Independentemente do tipo de parto, é comum a vagina ficar ressecada e poderá haver certo desconforto na relação sexual. Esta situação é passageira. Sexo durante e após a gestação
  • 13. • É recomendável tomar 20 minutos de sol, durante o início da manhã ou o final da tarde, inclusive nas mamas. Lembre sua parceira de usar boné ou chapéu e protetor solar no rosto, para evitar manchas de pele. • Lembre sua parceira para que ela evite descolorantes, tinturas de cabelo, alisantes e onduladores que contêm amônia e outros componentes que podem fazer mal ao bebê. • Proteja sua parceira que para que ela não fique em ambientes onde haja fumantes, em qualquer fase da gravidez. Respirar a fumaça com frequência pode afetar o bebê • Estimule caminhadas que ajudam a melhorar a circulação do sangue, aumentar a disposição e a sensação de bem-estar. Se não houver contraindicação, devem ser mantidas do início ao fim da gravidez. Caminhe junto! Recomendações para sua parceira durante a gestação
  • 14. • Estimule a realização de atividades físicas leves e prazerosas. • Incentive as 8 horas de sono por noite. • Lembre sua parceira de elevar as pernas quando estiver sentada ou deitada. • Estimule sua parceira deitar preferencialmente do lado esquerdo, com um travesseiro entre as pernas. Esta posição facilita a passagem de oxigênio para o bebê. Recomendações para sua parceira durante a gestação
  • 15. O que você pai pode fazer nos primeiros momentos de vida da criança, fique sabendo: - Cortar o cordão umbilical; - Conduzir o bebê com a mãe ao alojamento conjunto; - Dar o primeiro banho no bebê, desta forma, a mulher que estiver se recuperando do parto será apoiada nas tarefas de cuidado durante a internação, e o pai se sentirá legitimado a cuidar do seu bebê; - Falar de suas emoções com sua parceira, familiares e amigos sobre as suas angústias com relação às situações que está vivenciando; - Apoiar e estimular a parceira com a amamentação. O pai e os primeiros momentos de vida da criança
  • 16. A amamentação é importante para o desenvolvimento do bêbe. Todo leite materno é forte, nutritivo e protege contra várias doenças e previne problemas dentários e respiratórios. O colostro é o primeiro leite, tem cor amarelada e é ideal para proteger o bebê nos primeiro dias. O Ministério da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade, e até os 2 anos de idade como complemento da alimentação. Saiba como você pode contribuir para amamentação do (a) seu (sua) filho (a). Pais e amamentação
  • 17. - Encoraje e incentive sua parceira a amamentar; - Sempre que possível, participe do momento da amamentação; - Seja paciente e compreensivo; - Sinta-se útil durante o período da amamentação, realizando atividades domésticas por exemplo. - Procure ocupar-se mais dos outros filhos (se os tiverem); - Fique atento às variações do apetite sexual de sua companheira; - Não traga para casa latas de leite, mamadeiras e chupetas. Como contribuir com a amamentação
  • 18. • A certidão deve ser feita logo após o nascimento da criança no hospital onde ela nasceu, se houver uma unidade de cartório no local. • Caso não tenha serviço de cartório na maternidade, os pais ou responsáveis devem ir ao cartório mais próximo, levando os próprios documentos e a Declaração de Nascido Vivo (DNV), entregue pelo hospital. • Se o pai não puder ir registrar o filho, a mãe pode providenciar a Certidão de Nascimento sozinha, levando a Certidão de Casamento ou uma declaração do pai com firma reconhecida em cartório. • Caso a criança nasça em casa, a DNV (Declaração de Nascido Vivo) pode ser preenchida pela equipe de atenção básica. Como tirar a Certidão de Nascimento
  • 19. Saiba como cuidar da higiene do seu filho - Ao dar banho no seu filho, teste a temperatura da água, com o dorso da mão para evitar queimaduras; - A higiene do cordão umbilical faz-se com uma gaze esterilizada com álcool a 90%, de modo a desinfetar bem a área e promover a cicatrização. Este deve manter-se limpo e seco e livre de curativos para evitar infecções; - A limpeza da zona genital, nas meninas, faz-se sempre da frente para trás, para evitar infecção. Essa limpeza pode ser realizada com um algodão embebido em água morna ou óleo de bebê. Pode ainda usar toalhetes de limpeza próprios para bebê;
  • 20. - Nos meninos, deve fazer uma limpeza na zona externa dos genitais. O prepúcio (pele que cobre a glande) não deve ser descolado pelos pais para conseguir uma melhor higiene, esse procedimento deve ser realizado apenas por profissional de saúde capacitado; - Não é obrigatório colocar creme a cada troca de fralda, exceto se a pele do bebê tiver assaduras; - Os cuidados com a higiene bucal devem começar a partir do nascimento do bebê. No recém-nascido, a limpeza deve ser feita com uma gaze ou fralda umedecida em água limpa para remover os resíduos de leite, para saber todos os cuidados com a higiene bucal do seu filho nas diferentes fases, procure um profissional de saúde da área.
  • 21. Paternidade e identidade de gênero Pai converse com o profissional de saúde sobre como ele pode acolher suas especificidades levando em consideração as orientações aqui prestadas. - Informe como gostaria de ser chamado (a); - Procure esclarecer suas dúvidas sobre seus direitos em relação à paternidade; - Esclareça suas dúvidas com o profissional de saúde sobre os cuidados a serem prestados ao recém-nascido e à parceira (o); - Verifique que ações são oferecidas sobre o pré-natal do parceiro e paternidade e como pode fazer para participar; - Converse com o médico sobre como a hormonioterapia pode influenciar no desenvolvimento do feto; - Procure verificar que métodos contraceptivos estão disponíveis para programar seu planejamento familiar e reprodutivo.