SlideShare uma empresa Scribd logo
ETAPA6
DIRETRIZES PARA A INSERÇÃO
DE PLANTAS MEDICINAIS E
FITOTERÁPICOS NA ATENÇÃO
BÁSICA À SAÚDE
Neste material, serão abordados os documentos com as
recomendações da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da
Saúde que envolvem o uso de plantas medicinais e fitoterápicos nos
cuidados primários à saúde.
O principal objetivo é lhe fornecer subsídios para que possa colaborar
na elaboração dos diversos recursos que envolvem os programas junto
aos gestores municipais e estaduais, de forma a garantir a segurança e
a eficácia da aplicação das plantas medicinais e fitoterápicos como
método terapêutico.
ETAPA6
APRESENTAÇÃO
É o principal instrumento para orientação dos
gestores federais na implantação das diretrizes da
Política Nacional para Plantas Medicinais e
Fitoterápicos.
PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS
MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS (PNPMF)
ETAPA6
Programa Nacional dePlantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF)
http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_arquivos_64/P
rograma_Nacional_de_Plantas_Medicinais_e_Fitoterápicos.pdf
Acesse:
Esta publicação do Ministério da Saúde traz
assuntos relacionados às políticas públicas em
plantas medicinais e fitoterápicos e o programa de
pesquisa de plantas medicinais da Central de
Medicamentos.
ETAPA6
PROGRAMA DE PESQUISA
EM PLANTAS MEDICINAIS
A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisas dePlantas
Medicinais daCentral deMedicamentos
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf
Acesse:
Nesses documentos, aOrganização Mundial da
Saúde (OMS)revisa as práticas integrativas de forma
global e orienta os Estados-membros na implantação
de políticas públicas para essas práticas, incluindo a
Fitoterapia.
ETAPA6
RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA
UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS
Estrategia de laOMS sobremedicina tradicional 2002–2005
http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/67314/1/WHO_EDM_TRM_200
2.1_spa.pdf
Acesse:
ETAPA6
RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA
UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS
Estrategia de laOMS sobremedicina tradicional 2014-2023
http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s21201es/s21201es.pdf
Acesse:
Uso preferencial de fitoterápicos naAtenção Básica.
Uso preferencial de fitoterápicos sob prescrição de profissional da
saúde habilitado.
Reconhecimento do uso tradicional.
Formulação de padrões de qualidade e segurança.
Padronização do cultivo.
Verificação botânica correta.
Cuidados na preparação.
ETAPA6
RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA
UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS
O documento sobre a Política
Nacional de Práticas Integrativas e
Complementares (PNPIC)e a
Política e o Programa Nacional de
Plantas Medicinais e Fitoterápicos
são os referenciais para estados e
municípios formularem suas
políticas com diretrizes para
plantas medicinais e fitoterápicos
naAtenção Básica -SUS, em
consonância com o governo
federal.
ETAPA6
REFERENCIAIS PARA ESTADOSE
MUNICÍPIOS FORMULAREM
SUAS POLÍTICAS
ETAPA6
Estados e municípios que jápossuíam programas de Fitoterapia,
antes da normatização federal, elaboraram suas próprias políticas e
regulamentação para o serviço de Fitoterapia na rede pública de saúde.
Ainda assim, a regulamentação de programas estaduais/municipais
se incrementou com a aprovação da Política e do Programa Nacional de
Plantas Medicinais e Fitoterápicos e o incentivo de recursos para
ampliação de serviços de Práticas Integrativas no SUS.
REFERENCIAIS PARA ESTADOSE
MUNICÍPIOS FORMULAREM
SUAS POLÍTICAS
ETAPA6
Os estados e municípios devem adotar a Política e o Programa de
Plantas Medicinais e Fitoterápicos considerando os aspectos locais
sobre o uso de plantas medicinais pela Fitoterapia popular e a
tradicionalidade na seleção das espécies a serem utilizadas na rede de
Atenção à Saúde.
REFERENCIAIS PARA ESTADOSE
MUNICÍPIOS FORMULAREM
SUAS POLÍTICAS
Muitos são os municípios brasileiros que
implantaram projetos e programas em Fitoterapia,
consolidando-a como método terapêutico ou prática
complementar em saúde, como mais um recurso a
ser incorporado ao cuidado.
ETAPA6
Imagem 01 Aloe vera L. [1]
EXEMPLOS DE PROGRAMAS
E PROJETOS EM FITOTERAPIA
ETAPA6
Publicado em 2012 pelo Ministério da Saúde.
Contém informações sobre normas relacionadas
à Fitoterapia para orientar gestores na implantação
de programas e projetos naAtenção Básica/
Estratégia Saúde da Família.
Cadernos deAtençãoBásica -Práticas Integrativas eComplementares
http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/miolo_CAP_31.pdf
Acesse:
CADERNOS DE ATENÇÃO
BÁSICA-PICS
ETAPA6
O documento destaca que os programas de plantas medicinais e
Fitoterapia devem contar com a elaboração de Mementos,
Formulários Terapêuticos, Monografias e Protocolos sobre espécies de
plantas medicinais de forma a garantir a formulação segura e eficaz
para orientar o profissional de saúde na prescrição ou indicação desses
fitoterápicos naAtenção Básica.
CADERNOS DE ATENÇÃO
BÁSICA-PICS
É oCódigo Oficial Farmacêutico, vigente para o
território nacional, no qual estão estabelecidos os
critérios de qualidade dos medicamentos em uso,
tanto manipulados quanto industrializados.
Compõe o conjunto de normas e monografias de
farmacoquímicos, que dará suporte às práticas de
manipulação e dispensação de fitoterápicos nos
Programas de Fitoterapia no SUS.
ETAPA6
FARMACOPEIA BRASILEIRA-2010
Farmacopeia Brasileira -2010
http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/index.htm
Acesse:
Compreende um conjunto de monografias com
informações referentes ao uso terapêutico das
plantas medicinais e suas características botânicas.
Contém informações muito úteis aos
profissionais da área de saúde, pois possibilita a
orientação para a prescrição de fitoterápicos, como
alternativa terapêutica. É um dos Compêndios da
Farmacopeia Brasileira.
ETAPA6
MEMENTO FITOTERÁPICO
Memento Fitoterápico -2016
http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/2909630/Memento+Fitoterapico/a80ec477-bb36-
4ae0-b1d2-e2461217e06b
Acesse:
É um dos Compêndios da Farmacopeia Brasileira
em que estão contidas informações sobre a forma
correta de preparo de formulações oficinais,
estáveis, de uso consagrado e/ou tradicional, além
das indicações e restrições de uso de cada espécie
de planta medicinal.
Constam, nesse Formulário, os estudos
científicos de todas as formulações incluídas, bem
como um histórico de utilização nos serviços de
Fitoterapia no país.
ETAPA6
FORMULÁRIO DE FITOTERÁPICOS-2011
As formulações relacionadas neste Formulário dizem respeito a
espécies vegetais e formas farmacêuticas comuns nos serviços de
Fitoterapia e constantes da Relação Nacional de Plantas Medicinais de
Interesse ao SUS(Renisus), podendo ser manipuladas de modo a
estabelecer um estoque mínimo em farmácias de manipulação e
FarmáciasVivas, segundo legislação.
ETAPA6
FORMULÁRIO DE FITOTERÁPICOS-2011
Formuláriode Fitoterápicos-2011
http://www.anvisa.gov.br/hotsite/farmacopeiabrasileira/conteudo/Formulario_de_Fitoterapicos_d
a_Farmacopeia_Brasileira.pdf
Acesse:
O Ministério da Saúde, por meio da Portaria GM/MS 816, de
31/05/2005, constituiu oComitê Gestor Nacional de Protocolos de
Assistência, Diretrizes Terapêuticas e IncorporaçãoTecnológica em
Saúde. Dentre suas atividades estão a incorporação e revisão dos
protocolos clínicos e assistenciais no SUS, tendo por base as evidências
científicas disponíveis, aprimorando o atendimento aos usuários.
ETAPA6
PROTOCOLOS
SegundoWerneck, Faria e Campos (2009, p. 76),“é importante
lembrar que protocolos são aplicados por pessoas, seja cada um dos
profissionais ou a equipe de Saúde da Família.Ou seja, guardam
relação direta com o processo de trabalho, valores profissionais e
compromisso com a sociedade. Competência profissional é uma
exigência: elaboração e acompanhamento da utilização de protocolos é
excelente oportunidade de educação permanente em saúde.
Protocolos só têm valor ao intervir em problemas e necessidades da
população ou da gestão do serviço”.
ETAPA6
PROTOCOLOS
Segundo o Ministério da Saúde (BRASIL,2012):
“[...]Para promover o uso racional de plantas medicinais e
fitoterápicos, é imprescindível a pesquisa em compêndios oficiais/não
oficiais, referências científicas da área e informações de usos
populares/tradicionais a fim de validar o uso terapêutico de
determinada espécie vegetal e/ ou medicamento fitoterápico” (p. 75).
“[...]mostram bons aliados os protocolos clínicos ou diretrizes para
o acompanhamento dos usuários que receberam tratamento
fitoterápico” (p. 63-64).
ETAPA6
PARA FINALIZAR
“[...]Ou seja, a fitoterapia que está no Sistema Único de Saúdehoje,
enquanto método terapêutico inserido nas práticas profissionais, é
aquela a que chamamos anteriormente de fitoterapia científica
ocidental, o que não quer dizer que possa ser impermeável aos desejos,
crenças, tradições e conhecimentos populares com os quais ela vai se
defrontar e dialogar” (p. 63-64, grifo nosso).
ETAPA6
PARA FINALIZAR
REFERÊNCIA DA IMAGEM
[1] Imagem dearquivo cedida porSilvana Nagai.
ETAPA6
BRASIL. Ministério daSaúde. Agência Nacional deVigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. 5. ed.
v. 1. Brasília: Anvisa, 2010.
BRASIL. Ministério daSaúde. Agência Nacional deVigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. 5. ed.
v. 2. Brasília: Anvisa, 2010.
BRASIL. Ministério daSaúde. Agência Nacional deVigilância Sanitária. Formuláriode Fitoterápicos
Farmacopeia Brasileira. 1. ed. Brasília: Anvisa, 2011.
BRASIL. Ministério daSaúde. Portaria nº1.625, de 10 de julho de 2007.Altera atribuições dos
profissionais das Equipes de Saúde da Família -ESF dispostas naPolítica Nacional de AtençãoBásica.
Brasília-DF: Ministérioda Saúde, 2007. Disponívelem:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1625_10_07_2007.html>.Acessoem: 08 nov.
2016.
ETAPA6
REFERÊNCIAS E
BIBLIOGRAFIACONSULTADA
BRASIL. Ministério daSaúde. Portaria MS/GM nº816de 31/05/2005.ConstituioComitêGestor
Nacional de Protocolos deAssistência, Diretrizes Terapêuticas e IncorporaçãoTecnológica em Saúde,
e dá outras providências. DOU -Edição Número104 de02/06/2005. Brasília: 2005. Disponívelem:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/prt0816_31_05_2005.html>.Acessoem: 08 nov.
2016.
BRASIL. Ministério daSaúde. Secretaria de AtençãoàSaúde. DepartamentodeAtenção
Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais efitoterapia naAtençãoBásica.
Brasília: Ministérioda Saúde, 2012. (SérieA. Normas e ManuaisTécnicos /Cadernos deAtenção
Básica; n. 31)
ORGANIZACIÓNMUNDIAL DELA SALUD. Estrategia delaOMS sobre medicina tradicional 2002-
2005.Ginebra: OMS, 2002. Disponívelem:
<http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/67314/1/WHO_EDM_TRM_2002.1_spa.pdf>.Acessoem:
Acesso em: 08 jul. 2016.
ETAPA6
REFERÊNCIAS E
BIBLIOGRAFIACONSULTADA
ORGANIZACIÓNMUNDIAL DELA SALUD. Estrategia delaOMS sobre medicina tradicional 2014-
2023. Ginebra: OMS, 2014. Disponívelem:
<http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s21201es/s21201es.pdf>.Acessoem: 08 jul. 2016.
PIMENTA,C.A. M. et al. Guia para construção de protocolos assistenciaisde enfermagem. São
Paulo: ConselhoRegional de Enfermagem, 2015. Disponívelem: <http://www.coren-
sp.gov.br/sites/default/files/Protocolo-web.pdf>.Acesso em: 03 nov. 2016.
WERNECK, M.A. F.; FARIA, H. P.;CAMPOS, K. F.C. Protocolo deCuidadosà Saúde e de
Organização doServiço. Belo Horizonte: Nescon/UFMG,Coopmed, 2009. Disponívelem:
<https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1750.pdf>Acesso em: 03 nov. 2016.
ETAPA6
REFERÊNCIAS E
BIBLIOGRAFIACONSULTADA
ETAPA6
Estes slides integram os recursos didáticos elaborados para oCursodeQualificação em Plantas
Medicinais e Fitoterápicos naAtenção Básica, concebido, desenvolvido e ofertado pela parceria entre
o Ministérioda Saúde, a FundaçãoOswaldoCruz e aUniversidade Federal doPará.
O curso completopode ser acessadoem: www.avasus.ufrn.br
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
Concepção e Desenvolvimento
DepartamentodeAtençãoBásica - Ministério daSaúde
Vice-Presidência deAmbiente, Atençãoe Promoção daSaúde - FundaçãoOswaldoCruz
Assessoriade Educação a Distância -Universidade Federal do Pará
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
Coordenação Geral
DanielMieliAmado - DAB |MS
Joseane Carvalho Costa -VPAAPS | Fiocruz
José Miguel MartinsVeloso -AEDi |UFPA
CoordenaçãoAdministrativa
Lairton Bueno Martins
Paulo Roberto SousaRocha
Coordenação de Conteúdo
SilvanaCappelletiNagai
Coordenação Pedagógica
Andrea Cristina Lovato Ribeiro
Nilva Lúcia Rech Stedile
Coordenação Pedagógica em EaD
MariaAtaideMalcher
Marianne Kogut Eliasquevici
SôniaNazaré Fernandes Resque
Concepção e Avaliação de RecursosMultimídia em EaD
Fernanda Chocron Miranda
Suzana Cunha Lopes
Concepção e ComunicaçãoVisual
Rose Pepe
Roberto Eliasquevici
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
Consultoriae Produçãode Conteúdo
Daniel Miele Amado
Lairton Bueno Martins
Paulo Henrique de Oliveira Léda
Paulo Roberto Sousa Rocha
Silvana Cappelleti Nagai
Revisão de Conteúdo
Andrea Cristina Lovato Ribeiro
Daniel Miele Amado
Joseane Carvalho Costa
Lairton Bueno Martins
Paulo Roberto Sousa Rocha
Silvana Cappelleti Nagai
Consultoriae Revisão em EaD
MariaAtaideMalcher
Marianne Kogut Eliasquevici
SôniaNazaré Fernandes Resque
Suzana Cunha Lopes
Direção de Arte
Acquerello Design
Ilustração e Grafismos
Andreza Jackson de Vasconcelos
Weverton Raiol Gomes de Souza
Diagramação e Editoração Eletrônica
Andreza Jackson de Vasconcelos
Weverton Raiol Gomes de Souza
WilliamTeixeira Gonçalves
CRÉDITOS DESTE RECURSO DIDÁTICO
ETAPA6
MINISTÉRIO DA SAÚDE
SecretariadeAtenção à Saúde
Departamento deAtenção Básica
Edifício Premium, SAF Sul, Quadra2
Lotes 5/6, Bloco II,Subsolo
CEP: 70070-600 – Brasília/DF
Fone: (61) 3315-9034/3315-9030
Site:http://dab.saude.gov.br
E-mail: pics@saude.gov.br
Este conteúdo está disponível em:
www.bvsms.saude.gov.br
FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ
Vice-Presidência deAmbiente,
Atenção e Promoção daSaúde
Av. Brasil4365, Castelo Mourisco,
sala 18, Manguinhos
CEP: 21040-900 – Rio deJaneiro/RJ
Fone: (21) 3885-1838
Site:http://portal.fiocruz.br/pt-
br/vpaaps
E-mail: vpaaps@fiocruz.br
Este conteúdoestá disponívelem:
www.retisfito.org.br
UNIVERSIDADEFEDERAL DOPARÁ
Assessoria deEducação a Distância
Av. Augusto Corrêa, 01, Guamá
CEP: 66075-110 – Belém/PA
Fone: (91) 3201-8699/3201-8700
Site:www.aedi.ufpa.br
E-mail:
labmultimidia.aedi@gmail.com
Este conteúdo está disponível em:
www.multimidia.ufpa.br
DISTRIBUIÇÃO DIGITAL
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de AtençãoBásica
Coordenação Geral de Áreas Técnicas
Secretaria de Gestão deTrabalho e da Educação na Saúde
Departamento de Gestão da Educação na Saúde
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ
Presidência
Paulo Ernani GadelhaVieira
Vice-Presidência de Ambiente,Atenção e Promoçãoda
Saúde
ValclerRangel Fernandes
Assessoriade Promoçãoda Saúde
AnnibalCoelho deAmorim
Coordenação Geral
Joseane Carvalho Costa
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
UNIVERSIDADEFEDERAL DOPARÁ
Reitoria
Emmanuel Zagury Tourinho
Vice-Reitoria
Gilmar Pereira da Silva
Pró-Reitoriade Extensão
Nelson José de SouzaJúnior
Assessoriade Educação a Distância
José Miguel MartinsVeloso
Coordenação Administrativa
Ivanete Guedes Pampolha
Coordenação Pedagógica
Marianne Kogut Eliasquevici
Coordenação de Meios e Ambientes de Aprendizagem
DionneCavalcante Monteiro
Laboratório de Pesquisa e Experimentação em Multimídia
MariaAtaideMalcher
Editora
Presidência
José Miguel MartinsVeloso
Diretoria
Cristina Lúcia DiasVaz
Conselho Editorial
Ana LygiaAlmeidaCunha
DionneCavalcante Monteiro
MariaAtaideMalcher
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA6
Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição –
Não Comercial – Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida
a reprodução parcial ou total desta obra em qualquer suporte ou formato, desde que
citada a fonte.
A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na
Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde [www.bvsms.saude.gov.br]. Todo o
material do curso também está disponível na RetisFito [www.retisfito.org.br] e no
repositório institucional UFPA Multimídia [www.multimidia.ufpa.br].
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PNPIC
PNPICPNPIC
Nutricosmetica
NutricosmeticaNutricosmetica
Nutricosmetica
Priscila Osório
 
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúdePlantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
henriquetabosa
 
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
Nemésio Carlos Silva
 
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionistaFitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
Renato Marques
 
Importancia da elaboração de monografias de plantas
Importancia da elaboração de monografias de plantasImportancia da elaboração de monografias de plantas
Importancia da elaboração de monografias de plantas
Universidade Anhanguera de São Paulo - Unidade Pirituba
 
0111terminologia0
0111terminologia00111terminologia0
0111terminologia0
Con Santos
 
Medicina alternativa a utilização da aloe vera
Medicina alternativa a utilização da aloe veraMedicina alternativa a utilização da aloe vera
Medicina alternativa a utilização da aloe vera
P & B CONSULTORIA E TREINAMENTO
 
Fitoterapia no idoso
Fitoterapia no idosoFitoterapia no idoso
Fitoterapia no idoso
Leandro Medeiros
 
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 spProf Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Universidade Anhanguera de São Paulo - Unidade Pirituba
 
Política do medicamento portugal
Política do medicamento   portugalPolítica do medicamento   portugal
Política do medicamento portugal
filipacbrandao
 
Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014
Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014
Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014
Leandro Medeiros
 
Fitoterapia no sus
Fitoterapia no susFitoterapia no sus
Fitoterapia no sus
Gilvanda ribeiro
 
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionaisStringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Universidade Federal da Paraíba
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Nemésio Carlos Silva
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Cartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinaisCartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinais
Nemésio Carlos Silva
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Centro Universitário Ages
 
A cura pelas plantas
A cura pelas plantasA cura pelas plantas
A cura pelas plantas
TaniaMariaFerrazCont
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
jhony
 

Mais procurados (20)

PNPIC
PNPICPNPIC
PNPIC
 
Nutricosmetica
NutricosmeticaNutricosmetica
Nutricosmetica
 
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúdePlantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
 
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
 
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionistaFitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
 
Importancia da elaboração de monografias de plantas
Importancia da elaboração de monografias de plantasImportancia da elaboração de monografias de plantas
Importancia da elaboração de monografias de plantas
 
0111terminologia0
0111terminologia00111terminologia0
0111terminologia0
 
Medicina alternativa a utilização da aloe vera
Medicina alternativa a utilização da aloe veraMedicina alternativa a utilização da aloe vera
Medicina alternativa a utilização da aloe vera
 
Fitoterapia no idoso
Fitoterapia no idosoFitoterapia no idoso
Fitoterapia no idoso
 
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 spProf Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
Prof Niraldo Abertura do Curso de Fitoterapia Clínica parte 1 sp
 
Política do medicamento portugal
Política do medicamento   portugalPolítica do medicamento   portugal
Política do medicamento portugal
 
Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014
Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014
Prescrição de fitoterápicos_Nutricionistas_Bahianut_2014
 
Fitoterapia no sus
Fitoterapia no susFitoterapia no sus
Fitoterapia no sus
 
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionaisStringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Cartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinaisCartilha projeto plantas medicinais
Cartilha projeto plantas medicinais
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
 
A cura pelas plantas
A cura pelas plantasA cura pelas plantas
A cura pelas plantas
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
 

Semelhante a C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais

Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileiraFormulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Paulo Almeida
 
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileiraFormulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Adriana Mendes Drica
 
Formulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileiraFormulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Cencap
 
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptxApresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Sandro671810
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
sedis-suporte
 
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
sedis-suporte
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
ARNON ANDRADE
 
Assistencia Farmaceutica
Assistencia FarmaceuticaAssistencia Farmaceutica
Assistencia Farmaceutica
Aline Rodrigues
 
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicasAf atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
Franciéllen de Barros
 
A assistência farmacêutica no sus cff
A assistência farmacêutica no sus cffA assistência farmacêutica no sus cff
A assistência farmacêutica no sus cff
Márcio Batista
 
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
Marcelo Polacow Bisson
 
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
Renata Antunes
 
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicasAssistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Rodrigo Xavier
 
RENAME - Relação de Medicamentos Essenciais
RENAME - Relação de Medicamentos EssenciaisRENAME - Relação de Medicamentos Essenciais
RENAME - Relação de Medicamentos Essenciais
h3rique
 
Aula praticas integrativas
Aula praticas integrativasAula praticas integrativas
Aula praticas integrativas
joice mendonça
 
Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias
Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias
Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptx
POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptxPOLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptx
POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptx
JssicaMora1
 
Proposta consenso atencao_farmaceutica
Proposta consenso atencao_farmaceuticaProposta consenso atencao_farmaceutica
Proposta consenso atencao_farmaceutica
fernandayasmin
 
Portaria nº 4
Portaria nº 4Portaria nº 4
Portaria nº 4
Simone Campos
 
Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde
Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde
Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais (20)

Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileiraFormulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
 
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileiraFormulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
Formulario de fitoterapicos_da_farmacopeia_brasileira
 
Formulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileiraFormulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulario de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
 
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptxApresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
 
Assistencia Farmaceutica
Assistencia FarmaceuticaAssistencia Farmaceutica
Assistencia Farmaceutica
 
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicasAf atencao basica_instrucoes_tecnicas
Af atencao basica_instrucoes_tecnicas
 
A assistência farmacêutica no sus cff
A assistência farmacêutica no sus cffA assistência farmacêutica no sus cff
A assistência farmacêutica no sus cff
 
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
 
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
56484713 2-papel-do-farmaceutico-frente-a-politica-nacional-de-medicamentos-p...
 
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicasAssistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
Assistencia farmaceutica atencao_basica_instrucoes_tecnicas
 
RENAME - Relação de Medicamentos Essenciais
RENAME - Relação de Medicamentos EssenciaisRENAME - Relação de Medicamentos Essenciais
RENAME - Relação de Medicamentos Essenciais
 
Aula praticas integrativas
Aula praticas integrativasAula praticas integrativas
Aula praticas integrativas
 
Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias
Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias
Livro Uso de Medicamentos e Medicalização da vida: recomendações e estratégias
 
POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptx
POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptxPOLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptx
POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTENCIA E RENAME.pptx
 
Proposta consenso atencao_farmaceutica
Proposta consenso atencao_farmaceuticaProposta consenso atencao_farmaceutica
Proposta consenso atencao_farmaceutica
 
Portaria nº 4
Portaria nº 4Portaria nº 4
Portaria nº 4
 
Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde
Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde
Uso de Medicamentos e Medicalização da vida - Ministério da Saúde
 

Mais de sedis-suporte

C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
sedis-suporte
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
sedis-suporte
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
sedis-suporte
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacaoAula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
sedis-suporte
 
A dengue no organismo humano
A dengue no organismo humanoA dengue no organismo humano
A dengue no organismo humano
sedis-suporte
 
Exercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e conscienteExercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e consciente
sedis-suporte
 
Zika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasusZika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasus
sedis-suporte
 

Mais de sedis-suporte (20)

C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
 
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacaoAula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
 
A dengue no organismo humano
A dengue no organismo humanoA dengue no organismo humano
A dengue no organismo humano
 
Exercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e conscienteExercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e consciente
 
Zika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasusZika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasus
 

Último

higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 

Último (9)

higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 

C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais

  • 1. ETAPA6 DIRETRIZES PARA A INSERÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE
  • 2. Neste material, serão abordados os documentos com as recomendações da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde que envolvem o uso de plantas medicinais e fitoterápicos nos cuidados primários à saúde. O principal objetivo é lhe fornecer subsídios para que possa colaborar na elaboração dos diversos recursos que envolvem os programas junto aos gestores municipais e estaduais, de forma a garantir a segurança e a eficácia da aplicação das plantas medicinais e fitoterápicos como método terapêutico. ETAPA6 APRESENTAÇÃO
  • 3. É o principal instrumento para orientação dos gestores federais na implantação das diretrizes da Política Nacional para Plantas Medicinais e Fitoterápicos. PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS (PNPMF) ETAPA6 Programa Nacional dePlantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF) http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_arquivos_64/P rograma_Nacional_de_Plantas_Medicinais_e_Fitoterápicos.pdf Acesse:
  • 4. Esta publicação do Ministério da Saúde traz assuntos relacionados às políticas públicas em plantas medicinais e fitoterápicos e o programa de pesquisa de plantas medicinais da Central de Medicamentos. ETAPA6 PROGRAMA DE PESQUISA EM PLANTAS MEDICINAIS A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisas dePlantas Medicinais daCentral deMedicamentos http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf Acesse:
  • 5. Nesses documentos, aOrganização Mundial da Saúde (OMS)revisa as práticas integrativas de forma global e orienta os Estados-membros na implantação de políticas públicas para essas práticas, incluindo a Fitoterapia. ETAPA6 RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS Estrategia de laOMS sobremedicina tradicional 2002–2005 http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/67314/1/WHO_EDM_TRM_200 2.1_spa.pdf Acesse:
  • 6. ETAPA6 RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS Estrategia de laOMS sobremedicina tradicional 2014-2023 http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s21201es/s21201es.pdf Acesse:
  • 7. Uso preferencial de fitoterápicos naAtenção Básica. Uso preferencial de fitoterápicos sob prescrição de profissional da saúde habilitado. Reconhecimento do uso tradicional. Formulação de padrões de qualidade e segurança. Padronização do cultivo. Verificação botânica correta. Cuidados na preparação. ETAPA6 RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA UTILIZAÇÃO DE FITOTERÁPICOS
  • 8. O documento sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC)e a Política e o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos são os referenciais para estados e municípios formularem suas políticas com diretrizes para plantas medicinais e fitoterápicos naAtenção Básica -SUS, em consonância com o governo federal. ETAPA6 REFERENCIAIS PARA ESTADOSE MUNICÍPIOS FORMULAREM SUAS POLÍTICAS
  • 9. ETAPA6 Estados e municípios que jápossuíam programas de Fitoterapia, antes da normatização federal, elaboraram suas próprias políticas e regulamentação para o serviço de Fitoterapia na rede pública de saúde. Ainda assim, a regulamentação de programas estaduais/municipais se incrementou com a aprovação da Política e do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e o incentivo de recursos para ampliação de serviços de Práticas Integrativas no SUS. REFERENCIAIS PARA ESTADOSE MUNICÍPIOS FORMULAREM SUAS POLÍTICAS
  • 10. ETAPA6 Os estados e municípios devem adotar a Política e o Programa de Plantas Medicinais e Fitoterápicos considerando os aspectos locais sobre o uso de plantas medicinais pela Fitoterapia popular e a tradicionalidade na seleção das espécies a serem utilizadas na rede de Atenção à Saúde. REFERENCIAIS PARA ESTADOSE MUNICÍPIOS FORMULAREM SUAS POLÍTICAS
  • 11. Muitos são os municípios brasileiros que implantaram projetos e programas em Fitoterapia, consolidando-a como método terapêutico ou prática complementar em saúde, como mais um recurso a ser incorporado ao cuidado. ETAPA6 Imagem 01 Aloe vera L. [1] EXEMPLOS DE PROGRAMAS E PROJETOS EM FITOTERAPIA
  • 12. ETAPA6 Publicado em 2012 pelo Ministério da Saúde. Contém informações sobre normas relacionadas à Fitoterapia para orientar gestores na implantação de programas e projetos naAtenção Básica/ Estratégia Saúde da Família. Cadernos deAtençãoBásica -Práticas Integrativas eComplementares http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/miolo_CAP_31.pdf Acesse: CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA-PICS
  • 13. ETAPA6 O documento destaca que os programas de plantas medicinais e Fitoterapia devem contar com a elaboração de Mementos, Formulários Terapêuticos, Monografias e Protocolos sobre espécies de plantas medicinais de forma a garantir a formulação segura e eficaz para orientar o profissional de saúde na prescrição ou indicação desses fitoterápicos naAtenção Básica. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA-PICS
  • 14. É oCódigo Oficial Farmacêutico, vigente para o território nacional, no qual estão estabelecidos os critérios de qualidade dos medicamentos em uso, tanto manipulados quanto industrializados. Compõe o conjunto de normas e monografias de farmacoquímicos, que dará suporte às práticas de manipulação e dispensação de fitoterápicos nos Programas de Fitoterapia no SUS. ETAPA6 FARMACOPEIA BRASILEIRA-2010 Farmacopeia Brasileira -2010 http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/index.htm Acesse:
  • 15. Compreende um conjunto de monografias com informações referentes ao uso terapêutico das plantas medicinais e suas características botânicas. Contém informações muito úteis aos profissionais da área de saúde, pois possibilita a orientação para a prescrição de fitoterápicos, como alternativa terapêutica. É um dos Compêndios da Farmacopeia Brasileira. ETAPA6 MEMENTO FITOTERÁPICO Memento Fitoterápico -2016 http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/2909630/Memento+Fitoterapico/a80ec477-bb36- 4ae0-b1d2-e2461217e06b Acesse:
  • 16. É um dos Compêndios da Farmacopeia Brasileira em que estão contidas informações sobre a forma correta de preparo de formulações oficinais, estáveis, de uso consagrado e/ou tradicional, além das indicações e restrições de uso de cada espécie de planta medicinal. Constam, nesse Formulário, os estudos científicos de todas as formulações incluídas, bem como um histórico de utilização nos serviços de Fitoterapia no país. ETAPA6 FORMULÁRIO DE FITOTERÁPICOS-2011
  • 17. As formulações relacionadas neste Formulário dizem respeito a espécies vegetais e formas farmacêuticas comuns nos serviços de Fitoterapia e constantes da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS(Renisus), podendo ser manipuladas de modo a estabelecer um estoque mínimo em farmácias de manipulação e FarmáciasVivas, segundo legislação. ETAPA6 FORMULÁRIO DE FITOTERÁPICOS-2011 Formuláriode Fitoterápicos-2011 http://www.anvisa.gov.br/hotsite/farmacopeiabrasileira/conteudo/Formulario_de_Fitoterapicos_d a_Farmacopeia_Brasileira.pdf Acesse:
  • 18. O Ministério da Saúde, por meio da Portaria GM/MS 816, de 31/05/2005, constituiu oComitê Gestor Nacional de Protocolos de Assistência, Diretrizes Terapêuticas e IncorporaçãoTecnológica em Saúde. Dentre suas atividades estão a incorporação e revisão dos protocolos clínicos e assistenciais no SUS, tendo por base as evidências científicas disponíveis, aprimorando o atendimento aos usuários. ETAPA6 PROTOCOLOS
  • 19. SegundoWerneck, Faria e Campos (2009, p. 76),“é importante lembrar que protocolos são aplicados por pessoas, seja cada um dos profissionais ou a equipe de Saúde da Família.Ou seja, guardam relação direta com o processo de trabalho, valores profissionais e compromisso com a sociedade. Competência profissional é uma exigência: elaboração e acompanhamento da utilização de protocolos é excelente oportunidade de educação permanente em saúde. Protocolos só têm valor ao intervir em problemas e necessidades da população ou da gestão do serviço”. ETAPA6 PROTOCOLOS
  • 20. Segundo o Ministério da Saúde (BRASIL,2012): “[...]Para promover o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, é imprescindível a pesquisa em compêndios oficiais/não oficiais, referências científicas da área e informações de usos populares/tradicionais a fim de validar o uso terapêutico de determinada espécie vegetal e/ ou medicamento fitoterápico” (p. 75). “[...]mostram bons aliados os protocolos clínicos ou diretrizes para o acompanhamento dos usuários que receberam tratamento fitoterápico” (p. 63-64). ETAPA6 PARA FINALIZAR
  • 21. “[...]Ou seja, a fitoterapia que está no Sistema Único de Saúdehoje, enquanto método terapêutico inserido nas práticas profissionais, é aquela a que chamamos anteriormente de fitoterapia científica ocidental, o que não quer dizer que possa ser impermeável aos desejos, crenças, tradições e conhecimentos populares com os quais ela vai se defrontar e dialogar” (p. 63-64, grifo nosso). ETAPA6 PARA FINALIZAR
  • 22. REFERÊNCIA DA IMAGEM [1] Imagem dearquivo cedida porSilvana Nagai. ETAPA6
  • 23. BRASIL. Ministério daSaúde. Agência Nacional deVigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. 5. ed. v. 1. Brasília: Anvisa, 2010. BRASIL. Ministério daSaúde. Agência Nacional deVigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. 5. ed. v. 2. Brasília: Anvisa, 2010. BRASIL. Ministério daSaúde. Agência Nacional deVigilância Sanitária. Formuláriode Fitoterápicos Farmacopeia Brasileira. 1. ed. Brasília: Anvisa, 2011. BRASIL. Ministério daSaúde. Portaria nº1.625, de 10 de julho de 2007.Altera atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família -ESF dispostas naPolítica Nacional de AtençãoBásica. Brasília-DF: Ministérioda Saúde, 2007. Disponívelem: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1625_10_07_2007.html>.Acessoem: 08 nov. 2016. ETAPA6 REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIACONSULTADA
  • 24. BRASIL. Ministério daSaúde. Portaria MS/GM nº816de 31/05/2005.ConstituioComitêGestor Nacional de Protocolos deAssistência, Diretrizes Terapêuticas e IncorporaçãoTecnológica em Saúde, e dá outras providências. DOU -Edição Número104 de02/06/2005. Brasília: 2005. Disponívelem: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/prt0816_31_05_2005.html>.Acessoem: 08 nov. 2016. BRASIL. Ministério daSaúde. Secretaria de AtençãoàSaúde. DepartamentodeAtenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais efitoterapia naAtençãoBásica. Brasília: Ministérioda Saúde, 2012. (SérieA. Normas e ManuaisTécnicos /Cadernos deAtenção Básica; n. 31) ORGANIZACIÓNMUNDIAL DELA SALUD. Estrategia delaOMS sobre medicina tradicional 2002- 2005.Ginebra: OMS, 2002. Disponívelem: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/67314/1/WHO_EDM_TRM_2002.1_spa.pdf>.Acessoem: Acesso em: 08 jul. 2016. ETAPA6 REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIACONSULTADA
  • 25. ORGANIZACIÓNMUNDIAL DELA SALUD. Estrategia delaOMS sobre medicina tradicional 2014- 2023. Ginebra: OMS, 2014. Disponívelem: <http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s21201es/s21201es.pdf>.Acessoem: 08 jul. 2016. PIMENTA,C.A. M. et al. Guia para construção de protocolos assistenciaisde enfermagem. São Paulo: ConselhoRegional de Enfermagem, 2015. Disponívelem: <http://www.coren- sp.gov.br/sites/default/files/Protocolo-web.pdf>.Acesso em: 03 nov. 2016. WERNECK, M.A. F.; FARIA, H. P.;CAMPOS, K. F.C. Protocolo deCuidadosà Saúde e de Organização doServiço. Belo Horizonte: Nescon/UFMG,Coopmed, 2009. Disponívelem: <https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1750.pdf>Acesso em: 03 nov. 2016. ETAPA6 REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIACONSULTADA
  • 26. ETAPA6 Estes slides integram os recursos didáticos elaborados para oCursodeQualificação em Plantas Medicinais e Fitoterápicos naAtenção Básica, concebido, desenvolvido e ofertado pela parceria entre o Ministérioda Saúde, a FundaçãoOswaldoCruz e aUniversidade Federal doPará. O curso completopode ser acessadoem: www.avasus.ufrn.br CRÉDITOS DO CURSO
  • 27. ETAPA6 Concepção e Desenvolvimento DepartamentodeAtençãoBásica - Ministério daSaúde Vice-Presidência deAmbiente, Atençãoe Promoção daSaúde - FundaçãoOswaldoCruz Assessoriade Educação a Distância -Universidade Federal do Pará CRÉDITOS DO CURSO
  • 28. ETAPA6 Coordenação Geral DanielMieliAmado - DAB |MS Joseane Carvalho Costa -VPAAPS | Fiocruz José Miguel MartinsVeloso -AEDi |UFPA CoordenaçãoAdministrativa Lairton Bueno Martins Paulo Roberto SousaRocha Coordenação de Conteúdo SilvanaCappelletiNagai Coordenação Pedagógica Andrea Cristina Lovato Ribeiro Nilva Lúcia Rech Stedile Coordenação Pedagógica em EaD MariaAtaideMalcher Marianne Kogut Eliasquevici SôniaNazaré Fernandes Resque Concepção e Avaliação de RecursosMultimídia em EaD Fernanda Chocron Miranda Suzana Cunha Lopes Concepção e ComunicaçãoVisual Rose Pepe Roberto Eliasquevici CRÉDITOS DO CURSO
  • 29. ETAPA6 Consultoriae Produçãode Conteúdo Daniel Miele Amado Lairton Bueno Martins Paulo Henrique de Oliveira Léda Paulo Roberto Sousa Rocha Silvana Cappelleti Nagai Revisão de Conteúdo Andrea Cristina Lovato Ribeiro Daniel Miele Amado Joseane Carvalho Costa Lairton Bueno Martins Paulo Roberto Sousa Rocha Silvana Cappelleti Nagai Consultoriae Revisão em EaD MariaAtaideMalcher Marianne Kogut Eliasquevici SôniaNazaré Fernandes Resque Suzana Cunha Lopes Direção de Arte Acquerello Design Ilustração e Grafismos Andreza Jackson de Vasconcelos Weverton Raiol Gomes de Souza Diagramação e Editoração Eletrônica Andreza Jackson de Vasconcelos Weverton Raiol Gomes de Souza WilliamTeixeira Gonçalves CRÉDITOS DESTE RECURSO DIDÁTICO
  • 30. ETAPA6 MINISTÉRIO DA SAÚDE SecretariadeAtenção à Saúde Departamento deAtenção Básica Edifício Premium, SAF Sul, Quadra2 Lotes 5/6, Bloco II,Subsolo CEP: 70070-600 – Brasília/DF Fone: (61) 3315-9034/3315-9030 Site:http://dab.saude.gov.br E-mail: pics@saude.gov.br Este conteúdo está disponível em: www.bvsms.saude.gov.br FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ Vice-Presidência deAmbiente, Atenção e Promoção daSaúde Av. Brasil4365, Castelo Mourisco, sala 18, Manguinhos CEP: 21040-900 – Rio deJaneiro/RJ Fone: (21) 3885-1838 Site:http://portal.fiocruz.br/pt- br/vpaaps E-mail: vpaaps@fiocruz.br Este conteúdoestá disponívelem: www.retisfito.org.br UNIVERSIDADEFEDERAL DOPARÁ Assessoria deEducação a Distância Av. Augusto Corrêa, 01, Guamá CEP: 66075-110 – Belém/PA Fone: (91) 3201-8699/3201-8700 Site:www.aedi.ufpa.br E-mail: labmultimidia.aedi@gmail.com Este conteúdo está disponível em: www.multimidia.ufpa.br DISTRIBUIÇÃO DIGITAL CRÉDITOS DO CURSO
  • 31. ETAPA6 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de AtençãoBásica Coordenação Geral de Áreas Técnicas Secretaria de Gestão deTrabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde CRÉDITOS DO CURSO
  • 32. ETAPA6 FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ Presidência Paulo Ernani GadelhaVieira Vice-Presidência de Ambiente,Atenção e Promoçãoda Saúde ValclerRangel Fernandes Assessoriade Promoçãoda Saúde AnnibalCoelho deAmorim Coordenação Geral Joseane Carvalho Costa CRÉDITOS DO CURSO
  • 33. ETAPA6 UNIVERSIDADEFEDERAL DOPARÁ Reitoria Emmanuel Zagury Tourinho Vice-Reitoria Gilmar Pereira da Silva Pró-Reitoriade Extensão Nelson José de SouzaJúnior Assessoriade Educação a Distância José Miguel MartinsVeloso Coordenação Administrativa Ivanete Guedes Pampolha Coordenação Pedagógica Marianne Kogut Eliasquevici Coordenação de Meios e Ambientes de Aprendizagem DionneCavalcante Monteiro Laboratório de Pesquisa e Experimentação em Multimídia MariaAtaideMalcher Editora Presidência José Miguel MartinsVeloso Diretoria Cristina Lúcia DiasVaz Conselho Editorial Ana LygiaAlmeidaCunha DionneCavalcante Monteiro MariaAtaideMalcher CRÉDITOS DO CURSO
  • 34. ETAPA6 Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra em qualquer suporte ou formato, desde que citada a fonte. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde [www.bvsms.saude.gov.br]. Todo o material do curso também está disponível na RetisFito [www.retisfito.org.br] e no repositório institucional UFPA Multimídia [www.multimidia.ufpa.br].