SlideShare uma empresa Scribd logo
ASPECTOS
BOTÂNICOS DAS
PLANTAS MEDICINAIS
ETAPA2
APRESENTAÇÃO
ETAPA2
Esta apresentação aborda a classificação e a identificação botânica,
incluindo os procedimentos envolvidos neste processo.
Um mesmo nome popular pode designar várias espécies botânicas:
Imagem 01 a 03 Espécies botânicas designadas popularmente como erva-cidreira [1]
CONFUSÕES TAXONÔMICAS
ETAPA2
Uma mesma espécie botânica pode receber vários nomes populares:
ETAPA2
CONFUSÕES TAXONÔMICAS
Imagem 04 Espécie botânica designada popularmente de diversas formas [2]
A identificação científica de uma planta e o depósito de amostras
desta em um herbário são etapas fundamentais para a confiabilidade
dos estudos e a certeza de que não se está usando a planta errada.
Portanto, alguns procedimentos, habitualmente seguidos pelos
botânicos, devem ser observados, tais como: coleta de amostras da
planta, herborização, identificação da espécie e confecção de exsicatas
com o material botânico, conforme veremos a seguir.
ETAPA2
COMO SOLUCIONAR ESSAS
CONFUSÕES TAXONÔMICAS?
A coleta botânica deve consistir de material
representativo do aspecto geral da planta,
preferencialmente, em estágio reprodutivo, isto é,
apresentar ramos vegetativos (caule e folhas) e
férteis (inflorescências e flores e/ou
infrutescências e frutos).
As plantas devem estar sadias e bem
desenvolvidas.
ETAPA2
Imagem 05 Aesculus hippocastanum
Linnaeus [3]
Coleta botânica
As ervas e pequenos arbustos devem ser
coletados inteiros, ou seja, a amostra deve conter
ramos foliares, flores e raízes inteiras.
Os arbustos maiores, as árvores ou os cipós
devem ser coletados com amostras de cerca de 30
a 40 cm, de forma a não ultrapassar o tamanho de
uma folha de jornal dobrada ao meio.
ETAPA2
Imagens 06 a 10
Amostras coletadas [4]
Coleta botânica
No caso das plantas medicinais, as
amostras devem coletar também a
parte que será utilizada da planta:
Casca ou raiz: retirar um pedaço
ou pedaços menores.
Látex, óleos, resinas: se possível,
coletar um pouco em pequenos
frascos âmbar.
ETAPA2
Imagens 11 a 13 Amostras coletadas [5]
Coleta botânica
Lápis/caneta: para enumerar os jornais e fazer anotações de campo.
Caderno de anotações: para anotar as observações de campo.
Tesoura de poda: para cortar galhos ou ramos.
Facão: para cortar pedaços de casca, cipós, etc.
Prensa de madeira: para acondicionar as amostras vegetais.
Jornais: para arrumar as plantas; para cada amostra é utilizada uma
página de jornal dobrada ao meio.
ETAPA2
Material necessário para a coleta
Barbante: para amarrar as amostras vegetais arrumadas em jornais.
Envelopes/sacos pardos (pão): para guardar frutas, bulbos, raízes, etc.
Potinhos plásticos e âmbar: para guardar frutas ou flores em álcool e
resinas, látex (leites), óleos vegetais, etc.
Sacos plásticos : para acondicionar as amostras vegetais em jornais.
Álcool diluído a 70%: para preservação do material vegetal (folhas,
flores ou frutos), pelo método molhado (ver adiante).
Câmera fotográfica: para registrar as plantas coletadas e o processo.
ETAPA2
Material necessário para a coleta
Nome(s) popular(es) da(s) planta(s)
Coletor(a)
Data da coleta
Localidade mais precisa possível (referências físicas, comunidade,
município, estado)
Tipo de habitat ou ambiente de ocorrência
Ocorrência (espontânea ou cultivada)
ETAPA2
O que deve ser anotado
no momento da coleta
Descrição da planta:
Hábito ou tipo biológico (erva, arbusto, árvore, cipó, etc.)
Altura
Características das folhas, do tronco, da casca...
Flores e frutos (cor, forma, sabor, aroma)
Presença de resinas, látex, óleo... (cor, odor, sabor, textura, etc.)
Uso local da planta
ETAPA2
O que deve ser anotado
no momento da coleta
Compreende a prensagem (métodos seco
e molhado) e secagem do material coletado.
As amostras coletadas são arrumadas em
páginas de jornal dobradas ao meio (o
tamanho ideal é aquele do DiárioOficial
aberto). Se os galhos forem grandes, devem
ser dobrados em forma deV, N ou M, ou
cortados em ramos menores para caberem no
jornal e, posteriormente, na cartolina padrão
de herbário.
ETAPA2
Imagens 14 a 16 Herborização [6]
HERBORIZAÇÃO
As folhas de jornal contendo amostras
devem ser intercaladas com as folhas de
papelão (borrador) e de alumínio corrugado.As
folhas de papelão absorverão a água contida
nos tecidos das plantas.
As amostras são organizadas em uma pilha
e, em seguida, colocadas na prensa e amarradas
com corda, comprimindo-as para que não
enruguem ao desidratar. A desidratação pode
ser ao sol ou sob qualquer outra fonte de calor à
temperatura de 60-70°C.
ETAPA2
Prensagem - método seco
Imagens 17 e 18 Prensagem [7]
Este método é utilizado quando não há
possibilidade de secar o material em campo.
Os jornais contendo as amostras botânicas
são empilhados, amarrados com barbante,
borrifados com álcool a 70% (1 parte de água e 3
de álcool) dentro de saco plástico transparente e
grosso; verificar a cada 3 dias se os jornais estão
devidamente úmidos. Assim, o material pode ser
preservado por algumas semanas, antes de ser
desidratado.
ETAPA2
Imagem 19 e 20 Prensagem [8]
Prensagem - método molhado
A secagem das amostras pode ser feita ao sol (direta ou
indiretamente) ou em estufas elétricas, aquecidas a gás, por lâmpadas
ou por ar quente.
A temperatura e tempo de secagem ideais dependem do método
utilizado.A maioria das plantas secam entre 3 a 5 dias (a 70ºC). Em
geral, quando os ramos tornarem-se quebradiços, a amostra está
satisfatoriamente seca.
O tempo pode variar em função da espessura das amostras
vegetais. No caso de plantas como Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers.
(folha-da-fortuna ou pirarucu), cujas folhas são grossas e cheias de
seiva, esse tempo pode ser superior.
ETAPA2
Secagem
ETAPA2
Imagens 21 e 24 Modelos de estufa [9]
Modelos de estufa caseira a gás
Após desidratadas, as amostras são
analisadas pelo botânico para identificá-
las.
Esse especialista verificará e
descreverá as características da planta,
vistas a olho nu e ao microscópio.
Em seguida, usará chaves de
identificação para classificá-la,
conforme será abordado no tópico
sobre classificação taxonômica.
Imagem 25 Identificação a
olho nu [10]
Imagem 26 Identificação ao
microscópio [11]
ETAPA2
IDENTIFICAÇÃO
As amostras desidratadas são afixadas em uma
cartolina de tamanho padronizado (29 x 42 cm),
costurando-as com linha bem fina, ou utilizando
cola solúvel em água.
Uma etiqueta contendo os dados, anotados em
campo, das amostras botânicas coletadas é colada
no canto inferior direito da cartolina.
ETAPA2
Imagem 27 Exsicata [12]
MONTAGEM, REGISTRO
E INCORPORAÇÃO DE
EXSICATAS EM HERBÁRIOS
No canto superior esquerdo, costuma-se afixar
um envelope pequeno para guardar partes frágeis
caídas (folhas, flores e frutos) e, no caso de plantas
medicinais, a parte utilizada.
Dessa maneira obtém-se uma exsicata!
ETAPA2
MONTAGEM, REGISTRO
E INCORPORAÇÃO DE
EXSICATAS EM HERBÁRIOS
Imagem 27 Exsicata [12]
Em geral, as exsicatas recebem um número
de registro (tombo) no herbário e são guardadas
por ordem alfabética de famílias, gêneros e
espécies em armários dispostos em local seco,
frio, escuro e fechado, impedindo a proliferação
de pragas, como insetos ou fungos.
O depósito das exsicatas em herbário
garante o aumento do número de plantas
catalogadas no país e ficam disponíveis para
consultas e estudos.
Imagem 28 e 29 Depósito de exsicatas [13]
ETAPA2
MONTAGEM, REGISTRO
E INCORPORAÇÃO DE
EXSICATAS EM HERBÁRIOS
Um herbário é, portanto, uma coleção científica de amostras
vegetais desidratadas e prensadas. Constituem um verdadeiro banco
de informações sobre a flora de uma região ou do planeta como um
todo. Por meio dessa base de informações é possível saber se uma
planta recém-coletada já foi classificada, a que família e gênero
pertence, se é rara ou comum, onde e quando foi coletada.
ETAPA2
MONTAGEM, REGISTRO
E INCORPORAÇÃO DE
EXSICATAS EM HERBÁRIOS
Classificação é o processo de situar um organismo em um sistema
logicamente organizado, sendo:
Táxon
Designa uma unidade taxonômica de qualquer hierarquia (família, gênero, espécie, etc.).
Pode ser ampla (divisão, classe, ordem, família) ou mais restrita (gênero, espécie).
ETAPA2
CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA
Táxon
Unidade taxonômica
Taxonomia vegetal: Preocupa-se com a identificação ou denominação correta
das plantas.
Sistemática: Ciência considerada por alguns autores como sinônimo de
Taxonomia, mas é mais abrangente que esta. Ocupa-se da diversidade biológica
que existe hoje naTerra e de sua história evolutiva. Envolve a descoberta, a
descrição e a interpretação da diversidade biológica, bem como a síntese dessas
informações na forma de “sistemas de classificação”.
ETAPA2
CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA
Ao longo da história, foram propostos vários sistemas de classificação
das plantas.Atualmente os sistemas mais utilizados pelos taxonomistas
abrangem dois tipos de abordagem:
Baseada em análises filogenéticas ou moleculares: abordagem
mais moderna, porém pouco empregada especialmente pelos altos
custos envolvidos.
Baseada nos caracteres morfológicos (vegetativos e reprodutivos)
e anatômicos (estruturas internas) das plantas: abordagem clássica,
mais utilizada pelo fato de esses caracteres serem mais facilmente
detectáveis e reconhecíveis, assim como pelo baixo custo.
ETAPA2
SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO
É importante conhecer a organização hierárquica das unidades
taxonômicas e saber que, cada uma delas, acima de gênero, tem um
sufixo próprio, que indica em que grau o grupo está incluído no
sistema.
ETAPA2
UNIDADES TAXONÔMICAS
Classificação do “melão-de-são-caetano”, segundo o Sistema de
Cronquist (1981):
Categoria taxonômica Sufixo Melão-de-são-caetano
Divisão phyta Magnoliophyta
Classe opsida Magnoliopsida
Subclasse ae Dilleniidae
Ordem ales Violales
Família aceae Cucurbitaceae
Gênero - Momordica
Espécie - Momordica charantia L.
ETAPA2
UNIDADES TAXONÔMICAS
Nome aceito Nome alternativo Exemplo
Arecaceae Palmae açaí
Poaceae Gramineae capim-santo
Brassicaceae Cruciferae mostarda
Clusiaceae Guttiferae jacareúba ou guanandi
Apiaceae Umbelliferae chicória, coentro
Lamiaceae Labiatae hortelã, manjericão
Asteraceae Compositae camomila, calêndula
Fabaceae Leguminosae barbatimão, jucá
Atenção!
Embora os nomes das famílias terminem em aceae, oito delas possuem nomes alternativos, que
não devem ser confundidos com a subclasse:
ETAPA2
UNIDADES TAXONÔMICAS
Em relação às espécies botânicas, cada uma
delas possui um nome científico.A atribuição
desse nome é em latim e composto por um
binômio que obedece às regras estabelecidas pelo
“Código Internacional de Nomenclatura
Botânica”.
A nomenclatura binomial foi estabelecida por
Carolus Linnaeus (1707-1775) ou simplesmente
Lineu, em sua obra Species Plantarum. Imagem 30 Carolus Linnaeus [14]
ETAPA2
NOMENCLATURA BOTÂNICA
Nome da espécie
Nome genérico + epíteto específico (itálico) + autor (não itálico)
É um substantivo, cuja primeira letra é sempre maiúscula, redigida em itálico.
Geralmente se refere a uma característica da planta (adjetivo) ou faz homenagem a um botânico
(substantivo).A primeira letra é sempre minúscula e é redigida em itálico.
ETAPA2
Refere-se ao botânico que identificou a espécie.
NOMENCLATURA BOTÂNICA
Nome do gênero
Epíteto específico
Autor
ETAPA2
Imagem 31 Flores [15] Imagem 32 Frutos [16]
NOMENCLATURA BOTÂNICA
ETAPA2
Algumas plantas são batizadas pela população com nomes de
medicamentos sintéticos, por apresentarem usos similares aos destes.
Imagem 33 Rosmarinus
officinalis L. [17]
Imagem 34 Justicia pectoralis
Jacq. [18]
Imagem 35 Achillea
millefolium L. [19]
Imagem 36 Cissus verticillata (L.)
Nicolson & C. E. Jarvis [20]
NOMENCLATURA BOTÂNICA
O sistema de classificação mais utilizado considera os caracteres
morfológicos e anatômicos das plantas. Neste momento, serão tratados
apenas os caracteres morfológicos das angiospermas, que são as
plantas com semente(s) no interior de um fruto.
Os principais caracteres a serem observados são aqueles que
podemos ver a olho nu, isto é, as estruturas macroscópicas da planta,
tais como:
Raízes Folhas Caules Flores Frutos
ETAPA2
ASPECTOS MORFOLÓGICOS
São a parte do eixo da planta, quase
sempre subterrânea e adaptada às
funções de fixação da planta ao solo,
absorção de água e sais minerais e
armazenamento de nutrientes.
As raízes podem ser subterrâneas
(terrestres), aéreas ou aquáticas e
apresentam as mais variadas formas.
ETAPA2
Imagem 37 Raiz [21]
Raízes
Axial ou pivotante: apresenta raiz principal
bem desenvolvida em relação às secundárias,
também chamadas de ramificações. São
características de dicotiledôneas.
ETAPA2
Imagem 38 Raiz axial [22]
Raízes subterrâneas
Fasciculada ou raiz em cabeleira: consiste
de numerosas raízes em feixes que emergem
da base do caule e tem tamanho maior do que
a folha e diâmetro aproximadamente igual
entre si.
ETAPA2
Imagem 39 Raiz fasciculada [23]
Raízes subterrâneas
Tuberosa: contém
grande reserva de
substância nutritiva e
é muito utilizada na
nossa alimentação.
Ex.: mandioca,
cenoura, cará, batata-
doce e beterraba.
ETAPA2
Imagem 40 Mandioca [24]
Imagem 41 Cenoura [25] Imagem 42 Beterraba [26]
Raízes subterrâneas
Atenção!
Não confundir raiz tuberosa com caule tuberoso. A planta com raiz tuberosa possui o caule e as
folhas fora do solo (Ex.: mandioca). Os caules tuberosos são aqueles que possuem o caule e a
raiz debaixo da superfície do solo (Ex.: batata-inglesa).
ETAPA2
Raízes subterrâneas
Suporte ou raiz escora: quando uma
planta possui um caule ou um conjunto de
raízes muito fraco e essas raízes suportes são
responsáveis pela ajuda na sustentação da
planta. Ex.: figueiras, paxiúba.
ETAPA2
Imagem 43 Paxiúba [27]
Raízes aéreas
Tabular ou sapopema: é uma raiz
lateralmente achatada, como uma tábua. Esse
tipo de raiz ocorre em árvores de grande porte
e ajuda na sua fixação e estabilidade. Ex.: xixá,
tauari, cedrorana, angelim.
ETAPA2
Imagem 44 Raiz sapopema [28]
Raízes aéreas
Estranguladora: também chamadas de
cinturas ou estranguladoras, são adventícias
que crescem envolvendo o tronco do
hospedeiro e formando uma rede que vai se
espessando, podendo matar a planta. Ex.:
pega-pau.
ETAPA2
Imagem 45 Raiz estranguladora [29]
Raízes aéreas
Grampiforme: prendem o vegetal em
suportes como muros e estacas. Ex.: a raiz da
hera (Hedera helix L.).
ETAPA2
Imagem 46 Raiz grampiforme [30]
Raízes aéreas
Sugadora ou haustório: as plantas que
possuem esse tipo de raiz são consideradas
parasitas (holo ou hemiparasitas), pois vivem à
custa da outra planta. Ex.: erva-de-passarinho
[Struthanthus flexicaulis (Mart. ex Schult. f.)
Mart.] e cipó-pólvora ou cipó-chumbo (Cuscuta
racemosa Mart. & Humb.).
ETAPA2
Imagem 47 Raiz sugadora [31]
Raízes aéreas
Respiratória ou pneumatóforo: são
raízes de algumas plantas que se
desenvolvem em locais alagadiços, como os
mangues, cujo solo é muito pobre em gás
oxigênio. Essas raízes partem de outras
existentes no solo e crescem verticalmente,
emergindo da água; possuem poros que
permitem a absorção de oxigênio
atmosférico.
ETAPA2
Imagem 48 Raiz respiratória [32]
Raízes aéreas
São raízes que se
desenvolvem em plantas que
normalmente flutuam na água.
Sua função, diferente das
subterrâneas, não é de fixação,
mas de absorção de água e sais
minerais. Ex.: aguapé [Eichornia
crassipes (Mart.) Solms] e
vitória-régia [Victoria amazonica
(Poepp.) J.E.Sowerby].
ETAPA2
Imagem 49 Aguapé [33] Imagem 50 Vitória-régia [34]
Raízes aquáticas
Parte da planta que faz a ligação entre a raiz e as folhas, sendo
geralmente aéreo.
É responsável pela produção e suporte de ramos, flores e frutos;
condução de seiva bruta e elaborada para todas as regiões da planta; e
pelo crescimento e propagação vegetativa. Pode realizar a
fotossíntese e ser reserva de alimento.
Assim como as raízes, os caules podem ser aéreos, subterrâneos ou
terrestres e aquáticos. São classificados em vários subtipos.
ETAPA2
Caule
ETAPA2
Imagens 51 e 52 Árvores e arbustos [35] Imagem 53 Palmeiras [36]
Caules aéreos eretos
ETAPA2
Caules aéreos eretos
Imagem 54 Cana-de-açúcar [37] Imagem 55 e 56 Ervas e subarbustos [38]
Rastejantes: são paralelos ao solo, com presença ou não de raízes.
Trepadores: necessitam de suporte e se fixam através de
estruturas, como raízes adventícias ou gavinhas; quando não possuem
essas estruturas fixadoras, são chamados de trepadores volúveis, que
se enrolam em um suporte. Ocorrem em muitas trepadeiras e cipós.
ETAPA2
Caules aéreos
ETAPA2
Imagem 57 Caule rastejante [39] Imagem 58 Caule trepador [40] Imagem 59 Caule trepador [41]
Caules aéreos
rastejantes e trepadores
Rizoma: é geralmente horizontal e formado
por gemas que emitem, de espaço em espaço,
brotos aéreos foliosos e floríferos. É constituído
ainda por nós, entrenós, gemas e escamas
(folhas), podendo emitir raízes. Possuem
crescimento indefinido. Ex.: gengibre (Zingiber
officinale Roscoe) e espada-de-são-jorge
(Sansevieria trifasciata Prain).
ETAPA2
Imagem 60 Gengibre [42]
Caules subterrâneos
Tubérculo: é um caule arredondado, de
crescimento definido, que algumas plantas
verdes desenvolvem abaixo da superfície do
solo, geralmente como órgão de reserva de
energia, na forma de amido. Ex.: batata-inglesa
(Solanum tuberosum L.).
ETAPA2
Imagem 61 Batata-inglesa [43]
Caules subterrâneos
Bulbo: caules reduzidos, constituídos
por folhas modificadas, os catáfilos, que
acumulam reservas e se fixam a um
receptáculo, o prato ou disco (caule), no
qual está inserida a gema. Ocorre em
monocotiledôneas. Pode ser de quatro
tipos:
Sólido ou cormos
Tunicado
Escamoso
Composto ou bulbilho
ETAPA2
Imagem 62 Bulbo [44]
Caules subterrâneos
Sólido ou cormos: as reservas se acumulam na
região do prato, sendo os catáfilos pouco
desenvolvidos. Ex.: colchico.
ETAPA2
Imagem 63 Cormos [45]
Caules subterrâneos
ETAPA2
Imagem 64 Cebola [46]
Tunicado: os catáfilos acumulam reservas e se
dispõem em camadas concêntricas; as camadas
externas são secas e quebradiças. Ex.: cebola.
Caules subterrâneos
ETAPA2
Imagem 67 Alho [48]
Caules subterrâneos
Composto ou bulbilho: um bom exemplo é o alho.
Cada “dente” corresponde a um bulbilho e a
“cabeça” de alho ao conjunto de bulbilhos.
ETAPA2
Imagens 65 e 66 Caules escamosos [47]
Escamoso: os catáfilos se dispõem
como escamas de peixe, parcialmente
sobrepostas. Ex.: lírio.
Caules subterrâneos
Apresentam formas bastante
diversificadas, razão pela qual são
utilizadas nos processos de
identificação botânica, especialmente
quando as plantas de interesse não se
encontram em estágio reprodutivo
(flores e frutos). Dessa maneira, é
imprescindível observar os caracteres
vegetativos das folhas, tais como:
forma, ápice, base, margem e
pilosidade.
Imagem 68 Folha = pecíolo + limbo ou lâmina foliar [49]
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto à forma:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto ao ápice:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto à nervação:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto à base:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto à margem:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto à divisão do limbo: simples ou compostas.
Simples:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto à divisão do limbo: simples ou compostas.
Compostas:
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto ao arranjo/inserção das folhas nos galhos (filotaxia):
ETAPA2
Folhas
Classificação quanto ao pecíolo:
Pecioladas: folhas com pecíolo.
ETAPA2
Imagem 69 Folhas pecioladas [50]
Folhas
Classificação quanto ao pecíolo:
Sésseis: folhas sem pecíolo; o
limbo é diretamente implantado no
caule. Ex.: trapoeraba roxa, coração
roxo ou disciplina [Tradescantia pallida
(Rose) D.R. Hunt].
ETAPA2
Imagem 70 Folhas sésseis [51]
Folhas
São ramos modificados, adaptados à
reprodução sexual das plantas, sendo o principal
meio pelo qual elas se perpetuam e se propagam.
As flores são encontradas em todas as plantas
da divisão das angiospermas.Ocorrem também nas
gimnospermas, porém com estruturas diferentes.
Elas podem ser simples ou dispostas em
conjuntos, denominados inflorescências.
ETAPA2
Imagem 71 Flores [52]
Flores
ETAPA2
Flores simples
Conjunto de flores agrupadas, regularmente, sobre ramos especiais
da planta. Existe uma grande variedade de inflorescências, cujas
denominações levam em conta o número de flores, a disposição dessas
e a presença ou ausência de pedicelo (haste que sustenta a flor).
Serão mostrados alguns exemplos de inflorescências mais comuns,
tais como: espiga, racemo, panícula, capítulo, umbela e corimbo.
ETAPA2
Inflorescências
Inflorescências
Espiga: flores encontram-se inseridas diretamente
no eixo da inflorescência, ou seja, não possuem
pedicelo. Ex.: erva-de-jaboti [Peperomia pellucida (L.)
Kunth.].
Racemo: flores com pedicelo dispostas em um
único eixo e localizadas em diferentes posições do
ramo principal. Ex.: babosa (Aloe vera L.) e dedaleira
(Digitalis purpurea L.).
ETAPA2
Inflorescências
Panícula: é um racemo composto, onde um eixo
racemoso principal sustenta dois ou mais eixos
racemosos laterais. Ex.: cajueiro (Anacardium
occidentale L.) e mangueira (Mangifera indica L.).
Capítulo: espiga com eixo muito curto, espessado
ou achatado formando um receptáculo. As flores são
sésseis (sem pedicelo), protegidas por brácteas e
densamente dispostas na mesma altura. Ex.: sensitiva
(Mimosa pudica L.) e calêndula (Calendula officinalis L.).
ETAPA2
Inflorescências
Umbela: flores pediceladas inseridas na mesma
altura do eixo principal único e curto. Ex.: erva-doce
(Pimpinella anisum L.).
Corimbo: é um tipo especial de racemo no qual as
flores pediceladas estão inseridas em diferentes
alturas no eixo principal, mas atingindo todas mais ou
menos a mesma altura. Ex.: cipó-pucá ou insulina
[Cissus verticillata (L.) Nicolson &C.E.Jarvis].
ETAPA2
Frutos
Resultam do desenvolvimento do ovário fecundado e encerram
uma ou mais sementes, provenientes de óvulos fecundados.
O fruto é constituído por semente e pericarpo. Este é subdividido
em três regiões distintas:
Epicarpo: epiderme externa da folha carpelar
Mesocarpo: região do mesófilo da folha carpelar
Endocarpo: epiderme interna da folha carpelar (local de inserção das
sementes, denominado de placenta)
ETAPA2
Frutos
ETAPA2
Imagem 72 Frutos [53]
Classificação dos frutos
As principais características consideradas na classificação dos frutos são:
Número de sementes: uma semente (monospérmico) ou mais.
Tipo de pericarpo ou consistência: podem ser carnosos do tipo
baga (Ex.: uva, tomate, abóbora, laranja) ou do tipo drupa (Ex.: azeitona,
pêssego, ameixa, amêndoa); e secos (Ex.: algodão, feijão).
Tipo de abertura do fruto: quando se abrem, expõem e liberam as
sementes, são denominados deiscentes (Ex.: ipês, ervilhas); quando isso
não ocorre naturalmente ao se tornarem maduros, são indeiscentes
(Ex.: maracujá, laranja).
ETAPA2
Classificação dos frutos
ETAPA2
PARA FINALIZAR
Este conteúdo não tem a pretensão de formar botânicos, mas a de
reforçar a importância da identificação científica correta das plantas
medicinais, bem como levar ao conhecimento dos profissionais de
saúde esse processo, desde a etapa da coleta da planta até a
incorporação do material botânico testemunho em um herbário
institucional.
Portanto, a consulta a um botânico é imprescindível para se ter
assegurada a identidade científica de quaisquer plantas medicinais,
especialmente as desconhecidas.
ETAPA2
REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
[1] Fotos de Eliana Ribeiro.
[2] Fonte: http://www.jardimdasideias.com.br/public/userfiles/image/2013/JAN/22%2001/epazote1.JPG.
[3] Fonte: http://huntbotanical.org/admin/uploads/hibd-ehret-aesculus_001.jpg
[4] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira.
[5] Fotos de Eliana Ribeiro e Márlia Coelho-Ferreira.
[6] Ilustrações de Márlia Coelho-Ferreira.
[7] Ilustrações de Márlia Coelho-Ferreira.
[8] Fotos de Eliana Ribeiro.
[9] Fotos de Eliana Ribeiro e Márlia Coelho-Ferreira.
ETAPA2
[10] Balick & Cox (1996).
[11] Foto de Márlia Coelho-Ferreira.
[12] Foto Ricardo de Souza Secco.
[13] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira.
[14] Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/68/Carl_von_Linn%C3%A9.jpg.
[15] Fonte: https://inforagro.files.wordpress.com/2010/11/flores.jpg.
[16] Fonte: http://www.ppmac.org/sites/default/files/goiabeira01.jpg.
[17] Fonte: http://www.prota4u.org/protav8.asp?p=Rosmarinus+officinalis.
[18] Fonte: https://www.flickr.com/photos/scottzona/8342123723.
ETAPA2
REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
[19] Fonte: https://gobotany.newenglandwild.org/species/achillea/millefolium.
[20] Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Starr_060810-8540_Cissus_verticillata.jpg.
[21] Fonte:
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/upload/conteudo_legenda/1d596d1403d8985f0f6743ef7d30b517.j
pg.
[22] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizaxial01.jpg.
[23] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizfasciculada.jpg.
[24] Fonte: http://thumbs.dreamstime.com/x/cassava-root-20797965.jpg.
[25] Fonte: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/discovirtual/aulas/16546/imagens/cenoura.gif.
[26] Fonte: http://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2010/02/beterraba.jpg.
[27] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizsuporte.jpg.
ETAPA2
REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
[28] Foto de Frank B.Yuwono.
[29] Fonte: https://botanicaparaestudantes.files.wordpress.com/2015/01/raiz-estranguladora.jpg.
[30] Fonte: http://farm1.static.flickr.com/116/294838654_65534b0868.jpg?v=0.
[31] Fonte: http://www.geocities.ws/investigandoaciencia/raizsugadora.jpg.
[32] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizrespiratoria.jpg
[33] Fonte: http://www.geocities.ws/investigandoaciencia/raizaquatica.bmp.
[34] Fonte: http://essaseoutras.xpg.uol.com.br/wpcontent/uploads/2011/04/vitoria-regia-
amazonia.jpg.
[35] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira.
[36] Foto de Márlia Coelho-Ferreira.
ETAPA2
REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
[37] Fonte: https://tudosobreplantas.files.wordpress.com/2013/06/tsp_371716_vg.jpg.
[38] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira.
[39] Fonte: http://botany.cz/foto/ipomoeaherb2.jpg.
[40] Fonte: http://www.arara.fr/MaracujaTH.jpg.
[41] Fonte: c1.staticflickr.com/9/8241/8460379266_a1068535c0_b.jpg.
[42] Fonte: https://alimentosaudeinfantil.files.wordpress.com/2010/06/ginger.jpg?w=500.
[43] Fonte: http://www.jardimdeflores.com.br/jardinagem/JPEGS/A47tuberculo_batata.jpg.
[44] Foto de Márlia Coelho-Ferreira.
[45] Fonte: http://www.ancusimorari.org/Immagini/FotoPiante/ColchicumAutumnale4.jpg.
ETAPA2
REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
[46] Fonte: http://bruceveloso.zip.net/images/cebola_bulbo.jpg.
[47] Fonte: http://www.jardimdeflores.com.br/jardinagem/A47bulbos_rizomas.htm.
[48] Fonte: http://t2.uccdn.com/pt/images/0/2/6/img_4620_apa_3324_orig.jpg.
[49] Fonte: http://explorarasciencias.yolasite.com/5%C2%BA-ano-cn-plantas.php.
[50] Foto de Márlia Coelho-Ferreira.
[51] Fonte: https://i.ytimg.com/vi/zZnaXpqOtlo/maxresdefault.jpg.
[52] Fonte: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_ilustrada/img/flora_cerrado.jpg.
[53] Fonte: http://www.geocities.ws/investigandoaciencia/frutos.htm.
ETAPA2
REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
FERRI, M.G. Botânica: Morfologia externa das plantas (Organografia). 15. ed. São Paulo: Nobel,
1983. 149p.
LORENZI, H.; ABREU MATOS, F. J. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova
Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 576p.
MARTINS-DA-SILVA, R. C.V.; SILVA,A. S. L. da; FERNANDES, M. M.; MARGALHO, L. F. Noções
Morfológicas eTaxonômicas para Identificação Botânica. Brasília: EMBRAPA, 2014. 111p
MENTZ, L. A.; BORDIGNON, S.A. L. de. Nomenclatura Botânica, classificação e identificação de
plantas medicinais. In: SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; MELLO, J. C. P.;
MENTZ, L. A.; PETROVICK, P.R. (Org.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. Porto
Alegre/Florianópolis: Ed. UFRGS/Ed.UFSC, 2000. p. 147-162.
MING, L. C. Coleta de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.). Plantas Medicinais: arte e
ciência. São Paulo: Ed. UNESP, 1996. p. 69-86.
ETAPA2
REFERÊNCIAS E
BIBLIOGRAFIACONSULTADA
SOUZA,V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de
Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto
Plantarum, 2008. 768p.
SOUZA,V. C.; FLORES,T. B.; LORENZI, H. Introdução à Botânica: morfologia. Nova Odessa, SP:
Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2013. 223p.
ETAPA2
REFERÊNCIAS E
BIBLIOGRAFIACONSULTADA
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA2
Estes slides integram os recursos didáticos elaborados para o Curso de Qualificação em Plantas
Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Básica, concebido, desenvolvido e ofertado pela parceria entre
o Ministério da Saúde, a FundaçãoOswaldo Cruz e a Universidade Federal do Pará.
O curso completo pode ser acessado em: www.avasus.ufrn.br
ETAPA2
CRÉDITOS DO CURSO
Concepção e Desenvolvimento
Departamento de Atenção Básica - Ministério da Saúde
Vice-Presidência de Ambiente,Atenção e Promoção da Saúde - FundaçãoOswaldo Cruz
Assessoria de Educação a Distância - Universidade Federal do Pará
ETAPA2
Coordenação Geral
Daniel Mieli Amado – DAB | MS
Joseane Carvalho Costa – VPAAPS | Fiocruz
José Miguel Martins Veloso – AEDi | UFPA
Coordenação Administrativa
Lairton Bueno Martins
Paulo Roberto Sousa Rocha
Coordenação de Conteúdo
Silvana Cappelleti Nagai
Coordenação Pedagógica
Andrea Cristina Lovato Ribeiro
Nilva Lúcia Rech Stedile
Coordenação Pedagógica em EaD
Maria Ataide Malcher
Marianne Kogut Eliasquevici
Sônia Nazaré Fernandes Resque
Concepção e Avaliação de Recursos Multimídia em EaD
Fernanda Chocron Miranda
Suzana Cunha Lopes
Concepção e Comunicação Visual
Rose Pepe
Roberto Eliasquevici
CRÉDITOS DO CURSO
ETAPA2
CRÉDITOS DESTE RECURSO DIDÁTICO
Consultoria e Produção de Conteúdo
Daniel Miele Amado
Eliana Rodrigues
Lairton Bueno Martins
Márlia Coelho-Ferreira
Paulo Roberto Sousa Rocha
Silvana Cappelleti Nagai
Revisão de Conteúdo
Andrea Cristina Lovato Ribeiro
Daniel Miele Amado
Joseane Carvalho Costa
Lairton Bueno Martins
Paulo Roberto Sousa Rocha
Silvana Cappelleti Nagai
Consultoria e Revisão em EaD
Maria Ataide Malcher
Marianne Kogut Eliasquevici
Sônia Nazaré Fernandes Resque
Suzana Cunha Lopes
Direção de Arte
Acquerello Design
Ilustração e Grafismos
Andreza Jackson de Vasconcelos
Weverton Raiol Gomes de Souza
Diagramação e Editoração Eletrônica
Andreza Jackson de Vasconcelos
Weverton Raiol Gomes de Souza
William Teixeira Gonçalves
ETAPA2
CRÉDITOS DO CURSO
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria deAtenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Edifício Premium, SAF Sul, Quadra 2
Lotes 5/6, Bloco II, Subsolo
CEP: 70070-600 – Brasília/DF
Fone: (61) 3315-9034/3315-9030
Site: http://dab.saude.gov.br
E-mail: pics@saude.gov.br
Este conteúdo está disponível em:
www.bvsms.saude.gov.br
FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ
Vice-Presidência de Ambiente,
Atenção e Promoção da Saúde
Av. Brasil 4365, Castelo Mourisco,
sala 18, Manguinhos
CEP: 21040-900 – Rio de Janeiro/RJ
Fone: (21) 3885-1838
Site: http://portal.fiocruz.br/pt-
br/vpaaps
E-mail: vpaaps@fiocruz.br
Este conteúdo está disponível em:
www.retisfito.org.br
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
Assessoria de Educação a Distância
Av.Augusto Corrêa, 01, Guamá
CEP: 66075-110 – Belém/PA
Fone: (91) 3201-8699/3201-8700
Site: www.aedi.ufpa.br
E-mail:
labmultimidia.aedi@gmail.com
Este conteúdo está disponível em:
www.multimidia.ufpa.br
DISTRIBUIÇÃO DIGITAL
ETAPA2
CRÉDITOS DO CURSO
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Coordenação Geral de ÁreasTécnicas
Secretaria de Gestão deTrabalho e da Educação na Saúde
Departamento de Gestão da Educação na Saúde
ETAPA2
CRÉDITOS DO CURSO
FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ
Presidência
Paulo Ernani GadelhaVieira
Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da
Saúde
Valcler Rangel Fernandes
Assessoria de Promoção da Saúde
Annibal Coelho de Amorim
Coordenação Geral
Joseane Carvalho Costa
ETAPA2
CRÉDITOS DO CURSO
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
Reitoria
Emmanuel ZaguryTourinho
Vice-Reitoria
Gilmar Pereira da Silva
Pró-Reitoria de Extensão
Nelson José de Souza Júnior
Assessoria de Educação a Distância
José Miguel MartinsVeloso
Coordenação Administrativa
Ivanete Guedes Pampolha
Coordenação Pedagógica
Marianne Kogut Eliasquevici
Coordenação de Meios e Ambientes de Aprendizagem
Dionne Cavalcante Monteiro
Laboratório de Pesquisa e Experimentação em Multimídia
Maria Ataide Malcher
Editora
Presidência
José Miguel MartinsVeloso
Diretoria
Cristina Lúcia DiasVaz
Conselho Editorial
Ana LygiaAlmeidaCunha
Dionne Cavalcante Monteiro
Maria Ataide Malcher
ETAPA2
Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição –
Não Comercial – Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida
a reprodução parcial ou total desta obra em qualquer suporte ou formato, desde que
citada a fonte.
A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na
Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde [www.bvsms.saude.gov.br]. Todo o
material do curso também está disponível na RetisFito [www.retisfito.org.br] e no
repositório institucional UFPA Multimídia [www.multimidia.ufpa.br].
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caule
CauleCaule
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Maria Luiza
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
Cíntia Costa
 
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
Morfologia dos órgãos vegetativos  folhaMorfologia dos órgãos vegetativos  folha
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
ernandes damasceno
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
Cristóvão Lopes
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
sedis-suporte
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Nemésio Carlos Silva
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
sedis-suporte
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
Ronaldo Professorr
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Universidade Anhanguera de São Paulo - Unidade Pirituba
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Claudio Luis Venturini
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Carboidratos1.2
Carboidratos1.2Carboidratos1.2
Carboidratos1.2
alevilaca
 
Insumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesInsumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e Inertes
Safia Naser
 
Aula de botânica
Aula de botânicaAula de botânica
Aula de botânica
denilsonbio
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
kaiorochars
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
Bruna Medeiros
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 

Mais procurados (20)

Caule
CauleCaule
Caule
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
Morfologia dos órgãos vegetativos  folhaMorfologia dos órgãos vegetativos  folha
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
 
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicosCurso farmacotécnica de fitoterápicos
Curso farmacotécnica de fitoterápicos
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Carboidratos1.2
Carboidratos1.2Carboidratos1.2
Carboidratos1.2
 
Insumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesInsumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e Inertes
 
Aula de botânica
Aula de botânicaAula de botânica
Aula de botânica
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 

Semelhante a C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais

Relatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânicaRelatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânica
Samuel
 
AulaHerbárioDaninhas.ppt
AulaHerbárioDaninhas.pptAulaHerbárioDaninhas.ppt
AulaHerbárioDaninhas.ppt
GilsonRibeiroNachtig
 
CAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdf
CAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdfCAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdf
CAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdf
FLAVIA FERNANDES RIBEIRO DE MIRANDA
 
Herborizaçao e-herbarios
Herborizaçao e-herbariosHerborizaçao e-herbarios
Herborizaçao e-herbarios
UFV
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
Luís Filipe Marinho
 
Relatorio botanica
Relatorio botanicaRelatorio botanica
Relatorio botanica
HenriqueMoraismeneze
 
3 hugo.prn
3 hugo.prn3 hugo.prn
3 hugo.prn
Simone Lermes
 
Biprospecção, Fundamentos de Biotecnologia
Biprospecção, Fundamentos de BiotecnologiaBiprospecção, Fundamentos de Biotecnologia
Biprospecção, Fundamentos de Biotecnologia
Elisama Cella
 
Diagnose foliar
Diagnose foliarDiagnose foliar
Diagnose foliar
Erilson Silva
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Rural Pecuária
 
Prática 2 s microbiologia
Prática 2 s microbiologiaPrática 2 s microbiologia
Prática 2 s microbiologia
Ionara Urrutia Moura
 
Tecnicasextrativas
TecnicasextrativasTecnicasextrativas
Tecnicasextrativas
RAFAEL LEAL MONTEIRO PARAISO
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Selma Oliveira
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
Amanda Letícia
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
Manual do cultivo
Manual do cultivoManual do cultivo
Manual do cultivo
Tamara Santos
 
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de HortaliçasFolder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
PET Agronomia IFPA
 
Hortas verticais
Hortas verticaisHortas verticais
Hortas verticais
acbaptista
 
A coleta seletiva em debate
A coleta seletiva em debateA coleta seletiva em debate
A coleta seletiva em debate
Claudinei Oliveira
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
LeandroSantos137405
 

Semelhante a C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais (20)

Relatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânicaRelatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânica
 
AulaHerbárioDaninhas.ppt
AulaHerbárioDaninhas.pptAulaHerbárioDaninhas.ppt
AulaHerbárioDaninhas.ppt
 
CAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdf
CAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdfCAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdf
CAP-MTODOSEMNEMA-2019.pdf
 
Herborizaçao e-herbarios
Herborizaçao e-herbariosHerborizaçao e-herbarios
Herborizaçao e-herbarios
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
 
Relatorio botanica
Relatorio botanicaRelatorio botanica
Relatorio botanica
 
3 hugo.prn
3 hugo.prn3 hugo.prn
3 hugo.prn
 
Biprospecção, Fundamentos de Biotecnologia
Biprospecção, Fundamentos de BiotecnologiaBiprospecção, Fundamentos de Biotecnologia
Biprospecção, Fundamentos de Biotecnologia
 
Diagnose foliar
Diagnose foliarDiagnose foliar
Diagnose foliar
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
Prática 2 s microbiologia
Prática 2 s microbiologiaPrática 2 s microbiologia
Prática 2 s microbiologia
 
Tecnicasextrativas
TecnicasextrativasTecnicasextrativas
Tecnicasextrativas
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
 
Manual do cultivo
Manual do cultivoManual do cultivo
Manual do cultivo
 
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de HortaliçasFolder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
 
Hortas verticais
Hortas verticaisHortas verticais
Hortas verticais
 
A coleta seletiva em debate
A coleta seletiva em debateA coleta seletiva em debate
A coleta seletiva em debate
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
 

Mais de sedis-suporte

C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinaisC1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
sedis-suporte
 
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinaisC1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
sedis-suporte
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
sedis-suporte
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
sedis-suporte
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacaoAula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
sedis-suporte
 
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
sedis-suporte
 
A dengue no organismo humano
A dengue no organismo humanoA dengue no organismo humano
A dengue no organismo humano
sedis-suporte
 

Mais de sedis-suporte (20)

C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinaisC1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinaisC1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacaoAula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
 
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
 
A dengue no organismo humano
A dengue no organismo humanoA dengue no organismo humano
A dengue no organismo humano
 

Último

Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
THIALYMARIASILVADACU
 
Personalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalistaPersonalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalista
Nertan Dias
 
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptxAtendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
VaniaTramontinPolla
 

Último (6)

Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
 
Personalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalistaPersonalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalista
 
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptxAtendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
 

C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais

  • 2. APRESENTAÇÃO ETAPA2 Esta apresentação aborda a classificação e a identificação botânica, incluindo os procedimentos envolvidos neste processo.
  • 3. Um mesmo nome popular pode designar várias espécies botânicas: Imagem 01 a 03 Espécies botânicas designadas popularmente como erva-cidreira [1] CONFUSÕES TAXONÔMICAS ETAPA2
  • 4. Uma mesma espécie botânica pode receber vários nomes populares: ETAPA2 CONFUSÕES TAXONÔMICAS Imagem 04 Espécie botânica designada popularmente de diversas formas [2]
  • 5. A identificação científica de uma planta e o depósito de amostras desta em um herbário são etapas fundamentais para a confiabilidade dos estudos e a certeza de que não se está usando a planta errada. Portanto, alguns procedimentos, habitualmente seguidos pelos botânicos, devem ser observados, tais como: coleta de amostras da planta, herborização, identificação da espécie e confecção de exsicatas com o material botânico, conforme veremos a seguir. ETAPA2 COMO SOLUCIONAR ESSAS CONFUSÕES TAXONÔMICAS?
  • 6. A coleta botânica deve consistir de material representativo do aspecto geral da planta, preferencialmente, em estágio reprodutivo, isto é, apresentar ramos vegetativos (caule e folhas) e férteis (inflorescências e flores e/ou infrutescências e frutos). As plantas devem estar sadias e bem desenvolvidas. ETAPA2 Imagem 05 Aesculus hippocastanum Linnaeus [3] Coleta botânica
  • 7. As ervas e pequenos arbustos devem ser coletados inteiros, ou seja, a amostra deve conter ramos foliares, flores e raízes inteiras. Os arbustos maiores, as árvores ou os cipós devem ser coletados com amostras de cerca de 30 a 40 cm, de forma a não ultrapassar o tamanho de uma folha de jornal dobrada ao meio. ETAPA2 Imagens 06 a 10 Amostras coletadas [4] Coleta botânica
  • 8. No caso das plantas medicinais, as amostras devem coletar também a parte que será utilizada da planta: Casca ou raiz: retirar um pedaço ou pedaços menores. Látex, óleos, resinas: se possível, coletar um pouco em pequenos frascos âmbar. ETAPA2 Imagens 11 a 13 Amostras coletadas [5] Coleta botânica
  • 9. Lápis/caneta: para enumerar os jornais e fazer anotações de campo. Caderno de anotações: para anotar as observações de campo. Tesoura de poda: para cortar galhos ou ramos. Facão: para cortar pedaços de casca, cipós, etc. Prensa de madeira: para acondicionar as amostras vegetais. Jornais: para arrumar as plantas; para cada amostra é utilizada uma página de jornal dobrada ao meio. ETAPA2 Material necessário para a coleta
  • 10. Barbante: para amarrar as amostras vegetais arrumadas em jornais. Envelopes/sacos pardos (pão): para guardar frutas, bulbos, raízes, etc. Potinhos plásticos e âmbar: para guardar frutas ou flores em álcool e resinas, látex (leites), óleos vegetais, etc. Sacos plásticos : para acondicionar as amostras vegetais em jornais. Álcool diluído a 70%: para preservação do material vegetal (folhas, flores ou frutos), pelo método molhado (ver adiante). Câmera fotográfica: para registrar as plantas coletadas e o processo. ETAPA2 Material necessário para a coleta
  • 11. Nome(s) popular(es) da(s) planta(s) Coletor(a) Data da coleta Localidade mais precisa possível (referências físicas, comunidade, município, estado) Tipo de habitat ou ambiente de ocorrência Ocorrência (espontânea ou cultivada) ETAPA2 O que deve ser anotado no momento da coleta
  • 12. Descrição da planta: Hábito ou tipo biológico (erva, arbusto, árvore, cipó, etc.) Altura Características das folhas, do tronco, da casca... Flores e frutos (cor, forma, sabor, aroma) Presença de resinas, látex, óleo... (cor, odor, sabor, textura, etc.) Uso local da planta ETAPA2 O que deve ser anotado no momento da coleta
  • 13. Compreende a prensagem (métodos seco e molhado) e secagem do material coletado. As amostras coletadas são arrumadas em páginas de jornal dobradas ao meio (o tamanho ideal é aquele do DiárioOficial aberto). Se os galhos forem grandes, devem ser dobrados em forma deV, N ou M, ou cortados em ramos menores para caberem no jornal e, posteriormente, na cartolina padrão de herbário. ETAPA2 Imagens 14 a 16 Herborização [6] HERBORIZAÇÃO
  • 14. As folhas de jornal contendo amostras devem ser intercaladas com as folhas de papelão (borrador) e de alumínio corrugado.As folhas de papelão absorverão a água contida nos tecidos das plantas. As amostras são organizadas em uma pilha e, em seguida, colocadas na prensa e amarradas com corda, comprimindo-as para que não enruguem ao desidratar. A desidratação pode ser ao sol ou sob qualquer outra fonte de calor à temperatura de 60-70°C. ETAPA2 Prensagem - método seco Imagens 17 e 18 Prensagem [7]
  • 15. Este método é utilizado quando não há possibilidade de secar o material em campo. Os jornais contendo as amostras botânicas são empilhados, amarrados com barbante, borrifados com álcool a 70% (1 parte de água e 3 de álcool) dentro de saco plástico transparente e grosso; verificar a cada 3 dias se os jornais estão devidamente úmidos. Assim, o material pode ser preservado por algumas semanas, antes de ser desidratado. ETAPA2 Imagem 19 e 20 Prensagem [8] Prensagem - método molhado
  • 16. A secagem das amostras pode ser feita ao sol (direta ou indiretamente) ou em estufas elétricas, aquecidas a gás, por lâmpadas ou por ar quente. A temperatura e tempo de secagem ideais dependem do método utilizado.A maioria das plantas secam entre 3 a 5 dias (a 70ºC). Em geral, quando os ramos tornarem-se quebradiços, a amostra está satisfatoriamente seca. O tempo pode variar em função da espessura das amostras vegetais. No caso de plantas como Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers. (folha-da-fortuna ou pirarucu), cujas folhas são grossas e cheias de seiva, esse tempo pode ser superior. ETAPA2 Secagem
  • 17. ETAPA2 Imagens 21 e 24 Modelos de estufa [9] Modelos de estufa caseira a gás
  • 18. Após desidratadas, as amostras são analisadas pelo botânico para identificá- las. Esse especialista verificará e descreverá as características da planta, vistas a olho nu e ao microscópio. Em seguida, usará chaves de identificação para classificá-la, conforme será abordado no tópico sobre classificação taxonômica. Imagem 25 Identificação a olho nu [10] Imagem 26 Identificação ao microscópio [11] ETAPA2 IDENTIFICAÇÃO
  • 19. As amostras desidratadas são afixadas em uma cartolina de tamanho padronizado (29 x 42 cm), costurando-as com linha bem fina, ou utilizando cola solúvel em água. Uma etiqueta contendo os dados, anotados em campo, das amostras botânicas coletadas é colada no canto inferior direito da cartolina. ETAPA2 Imagem 27 Exsicata [12] MONTAGEM, REGISTRO E INCORPORAÇÃO DE EXSICATAS EM HERBÁRIOS
  • 20. No canto superior esquerdo, costuma-se afixar um envelope pequeno para guardar partes frágeis caídas (folhas, flores e frutos) e, no caso de plantas medicinais, a parte utilizada. Dessa maneira obtém-se uma exsicata! ETAPA2 MONTAGEM, REGISTRO E INCORPORAÇÃO DE EXSICATAS EM HERBÁRIOS Imagem 27 Exsicata [12]
  • 21. Em geral, as exsicatas recebem um número de registro (tombo) no herbário e são guardadas por ordem alfabética de famílias, gêneros e espécies em armários dispostos em local seco, frio, escuro e fechado, impedindo a proliferação de pragas, como insetos ou fungos. O depósito das exsicatas em herbário garante o aumento do número de plantas catalogadas no país e ficam disponíveis para consultas e estudos. Imagem 28 e 29 Depósito de exsicatas [13] ETAPA2 MONTAGEM, REGISTRO E INCORPORAÇÃO DE EXSICATAS EM HERBÁRIOS
  • 22. Um herbário é, portanto, uma coleção científica de amostras vegetais desidratadas e prensadas. Constituem um verdadeiro banco de informações sobre a flora de uma região ou do planeta como um todo. Por meio dessa base de informações é possível saber se uma planta recém-coletada já foi classificada, a que família e gênero pertence, se é rara ou comum, onde e quando foi coletada. ETAPA2 MONTAGEM, REGISTRO E INCORPORAÇÃO DE EXSICATAS EM HERBÁRIOS
  • 23. Classificação é o processo de situar um organismo em um sistema logicamente organizado, sendo: Táxon Designa uma unidade taxonômica de qualquer hierarquia (família, gênero, espécie, etc.). Pode ser ampla (divisão, classe, ordem, família) ou mais restrita (gênero, espécie). ETAPA2 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Táxon Unidade taxonômica
  • 24. Taxonomia vegetal: Preocupa-se com a identificação ou denominação correta das plantas. Sistemática: Ciência considerada por alguns autores como sinônimo de Taxonomia, mas é mais abrangente que esta. Ocupa-se da diversidade biológica que existe hoje naTerra e de sua história evolutiva. Envolve a descoberta, a descrição e a interpretação da diversidade biológica, bem como a síntese dessas informações na forma de “sistemas de classificação”. ETAPA2 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA
  • 25. Ao longo da história, foram propostos vários sistemas de classificação das plantas.Atualmente os sistemas mais utilizados pelos taxonomistas abrangem dois tipos de abordagem: Baseada em análises filogenéticas ou moleculares: abordagem mais moderna, porém pouco empregada especialmente pelos altos custos envolvidos. Baseada nos caracteres morfológicos (vegetativos e reprodutivos) e anatômicos (estruturas internas) das plantas: abordagem clássica, mais utilizada pelo fato de esses caracteres serem mais facilmente detectáveis e reconhecíveis, assim como pelo baixo custo. ETAPA2 SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO
  • 26. É importante conhecer a organização hierárquica das unidades taxonômicas e saber que, cada uma delas, acima de gênero, tem um sufixo próprio, que indica em que grau o grupo está incluído no sistema. ETAPA2 UNIDADES TAXONÔMICAS
  • 27. Classificação do “melão-de-são-caetano”, segundo o Sistema de Cronquist (1981): Categoria taxonômica Sufixo Melão-de-são-caetano Divisão phyta Magnoliophyta Classe opsida Magnoliopsida Subclasse ae Dilleniidae Ordem ales Violales Família aceae Cucurbitaceae Gênero - Momordica Espécie - Momordica charantia L. ETAPA2 UNIDADES TAXONÔMICAS
  • 28. Nome aceito Nome alternativo Exemplo Arecaceae Palmae açaí Poaceae Gramineae capim-santo Brassicaceae Cruciferae mostarda Clusiaceae Guttiferae jacareúba ou guanandi Apiaceae Umbelliferae chicória, coentro Lamiaceae Labiatae hortelã, manjericão Asteraceae Compositae camomila, calêndula Fabaceae Leguminosae barbatimão, jucá Atenção! Embora os nomes das famílias terminem em aceae, oito delas possuem nomes alternativos, que não devem ser confundidos com a subclasse: ETAPA2 UNIDADES TAXONÔMICAS
  • 29. Em relação às espécies botânicas, cada uma delas possui um nome científico.A atribuição desse nome é em latim e composto por um binômio que obedece às regras estabelecidas pelo “Código Internacional de Nomenclatura Botânica”. A nomenclatura binomial foi estabelecida por Carolus Linnaeus (1707-1775) ou simplesmente Lineu, em sua obra Species Plantarum. Imagem 30 Carolus Linnaeus [14] ETAPA2 NOMENCLATURA BOTÂNICA
  • 30. Nome da espécie Nome genérico + epíteto específico (itálico) + autor (não itálico) É um substantivo, cuja primeira letra é sempre maiúscula, redigida em itálico. Geralmente se refere a uma característica da planta (adjetivo) ou faz homenagem a um botânico (substantivo).A primeira letra é sempre minúscula e é redigida em itálico. ETAPA2 Refere-se ao botânico que identificou a espécie. NOMENCLATURA BOTÂNICA Nome do gênero Epíteto específico Autor
  • 31. ETAPA2 Imagem 31 Flores [15] Imagem 32 Frutos [16] NOMENCLATURA BOTÂNICA
  • 32. ETAPA2 Algumas plantas são batizadas pela população com nomes de medicamentos sintéticos, por apresentarem usos similares aos destes. Imagem 33 Rosmarinus officinalis L. [17] Imagem 34 Justicia pectoralis Jacq. [18] Imagem 35 Achillea millefolium L. [19] Imagem 36 Cissus verticillata (L.) Nicolson & C. E. Jarvis [20] NOMENCLATURA BOTÂNICA
  • 33. O sistema de classificação mais utilizado considera os caracteres morfológicos e anatômicos das plantas. Neste momento, serão tratados apenas os caracteres morfológicos das angiospermas, que são as plantas com semente(s) no interior de um fruto. Os principais caracteres a serem observados são aqueles que podemos ver a olho nu, isto é, as estruturas macroscópicas da planta, tais como: Raízes Folhas Caules Flores Frutos ETAPA2 ASPECTOS MORFOLÓGICOS
  • 34. São a parte do eixo da planta, quase sempre subterrânea e adaptada às funções de fixação da planta ao solo, absorção de água e sais minerais e armazenamento de nutrientes. As raízes podem ser subterrâneas (terrestres), aéreas ou aquáticas e apresentam as mais variadas formas. ETAPA2 Imagem 37 Raiz [21] Raízes
  • 35. Axial ou pivotante: apresenta raiz principal bem desenvolvida em relação às secundárias, também chamadas de ramificações. São características de dicotiledôneas. ETAPA2 Imagem 38 Raiz axial [22] Raízes subterrâneas
  • 36. Fasciculada ou raiz em cabeleira: consiste de numerosas raízes em feixes que emergem da base do caule e tem tamanho maior do que a folha e diâmetro aproximadamente igual entre si. ETAPA2 Imagem 39 Raiz fasciculada [23] Raízes subterrâneas
  • 37. Tuberosa: contém grande reserva de substância nutritiva e é muito utilizada na nossa alimentação. Ex.: mandioca, cenoura, cará, batata- doce e beterraba. ETAPA2 Imagem 40 Mandioca [24] Imagem 41 Cenoura [25] Imagem 42 Beterraba [26] Raízes subterrâneas
  • 38. Atenção! Não confundir raiz tuberosa com caule tuberoso. A planta com raiz tuberosa possui o caule e as folhas fora do solo (Ex.: mandioca). Os caules tuberosos são aqueles que possuem o caule e a raiz debaixo da superfície do solo (Ex.: batata-inglesa). ETAPA2 Raízes subterrâneas
  • 39. Suporte ou raiz escora: quando uma planta possui um caule ou um conjunto de raízes muito fraco e essas raízes suportes são responsáveis pela ajuda na sustentação da planta. Ex.: figueiras, paxiúba. ETAPA2 Imagem 43 Paxiúba [27] Raízes aéreas
  • 40. Tabular ou sapopema: é uma raiz lateralmente achatada, como uma tábua. Esse tipo de raiz ocorre em árvores de grande porte e ajuda na sua fixação e estabilidade. Ex.: xixá, tauari, cedrorana, angelim. ETAPA2 Imagem 44 Raiz sapopema [28] Raízes aéreas
  • 41. Estranguladora: também chamadas de cinturas ou estranguladoras, são adventícias que crescem envolvendo o tronco do hospedeiro e formando uma rede que vai se espessando, podendo matar a planta. Ex.: pega-pau. ETAPA2 Imagem 45 Raiz estranguladora [29] Raízes aéreas
  • 42. Grampiforme: prendem o vegetal em suportes como muros e estacas. Ex.: a raiz da hera (Hedera helix L.). ETAPA2 Imagem 46 Raiz grampiforme [30] Raízes aéreas
  • 43. Sugadora ou haustório: as plantas que possuem esse tipo de raiz são consideradas parasitas (holo ou hemiparasitas), pois vivem à custa da outra planta. Ex.: erva-de-passarinho [Struthanthus flexicaulis (Mart. ex Schult. f.) Mart.] e cipó-pólvora ou cipó-chumbo (Cuscuta racemosa Mart. & Humb.). ETAPA2 Imagem 47 Raiz sugadora [31] Raízes aéreas
  • 44. Respiratória ou pneumatóforo: são raízes de algumas plantas que se desenvolvem em locais alagadiços, como os mangues, cujo solo é muito pobre em gás oxigênio. Essas raízes partem de outras existentes no solo e crescem verticalmente, emergindo da água; possuem poros que permitem a absorção de oxigênio atmosférico. ETAPA2 Imagem 48 Raiz respiratória [32] Raízes aéreas
  • 45. São raízes que se desenvolvem em plantas que normalmente flutuam na água. Sua função, diferente das subterrâneas, não é de fixação, mas de absorção de água e sais minerais. Ex.: aguapé [Eichornia crassipes (Mart.) Solms] e vitória-régia [Victoria amazonica (Poepp.) J.E.Sowerby]. ETAPA2 Imagem 49 Aguapé [33] Imagem 50 Vitória-régia [34] Raízes aquáticas
  • 46. Parte da planta que faz a ligação entre a raiz e as folhas, sendo geralmente aéreo. É responsável pela produção e suporte de ramos, flores e frutos; condução de seiva bruta e elaborada para todas as regiões da planta; e pelo crescimento e propagação vegetativa. Pode realizar a fotossíntese e ser reserva de alimento. Assim como as raízes, os caules podem ser aéreos, subterrâneos ou terrestres e aquáticos. São classificados em vários subtipos. ETAPA2 Caule
  • 47. ETAPA2 Imagens 51 e 52 Árvores e arbustos [35] Imagem 53 Palmeiras [36] Caules aéreos eretos
  • 48. ETAPA2 Caules aéreos eretos Imagem 54 Cana-de-açúcar [37] Imagem 55 e 56 Ervas e subarbustos [38]
  • 49. Rastejantes: são paralelos ao solo, com presença ou não de raízes. Trepadores: necessitam de suporte e se fixam através de estruturas, como raízes adventícias ou gavinhas; quando não possuem essas estruturas fixadoras, são chamados de trepadores volúveis, que se enrolam em um suporte. Ocorrem em muitas trepadeiras e cipós. ETAPA2 Caules aéreos
  • 50. ETAPA2 Imagem 57 Caule rastejante [39] Imagem 58 Caule trepador [40] Imagem 59 Caule trepador [41] Caules aéreos rastejantes e trepadores
  • 51. Rizoma: é geralmente horizontal e formado por gemas que emitem, de espaço em espaço, brotos aéreos foliosos e floríferos. É constituído ainda por nós, entrenós, gemas e escamas (folhas), podendo emitir raízes. Possuem crescimento indefinido. Ex.: gengibre (Zingiber officinale Roscoe) e espada-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata Prain). ETAPA2 Imagem 60 Gengibre [42] Caules subterrâneos
  • 52. Tubérculo: é um caule arredondado, de crescimento definido, que algumas plantas verdes desenvolvem abaixo da superfície do solo, geralmente como órgão de reserva de energia, na forma de amido. Ex.: batata-inglesa (Solanum tuberosum L.). ETAPA2 Imagem 61 Batata-inglesa [43] Caules subterrâneos
  • 53. Bulbo: caules reduzidos, constituídos por folhas modificadas, os catáfilos, que acumulam reservas e se fixam a um receptáculo, o prato ou disco (caule), no qual está inserida a gema. Ocorre em monocotiledôneas. Pode ser de quatro tipos: Sólido ou cormos Tunicado Escamoso Composto ou bulbilho ETAPA2 Imagem 62 Bulbo [44] Caules subterrâneos
  • 54. Sólido ou cormos: as reservas se acumulam na região do prato, sendo os catáfilos pouco desenvolvidos. Ex.: colchico. ETAPA2 Imagem 63 Cormos [45] Caules subterrâneos
  • 55. ETAPA2 Imagem 64 Cebola [46] Tunicado: os catáfilos acumulam reservas e se dispõem em camadas concêntricas; as camadas externas são secas e quebradiças. Ex.: cebola. Caules subterrâneos
  • 56. ETAPA2 Imagem 67 Alho [48] Caules subterrâneos Composto ou bulbilho: um bom exemplo é o alho. Cada “dente” corresponde a um bulbilho e a “cabeça” de alho ao conjunto de bulbilhos.
  • 57. ETAPA2 Imagens 65 e 66 Caules escamosos [47] Escamoso: os catáfilos se dispõem como escamas de peixe, parcialmente sobrepostas. Ex.: lírio. Caules subterrâneos
  • 58. Apresentam formas bastante diversificadas, razão pela qual são utilizadas nos processos de identificação botânica, especialmente quando as plantas de interesse não se encontram em estágio reprodutivo (flores e frutos). Dessa maneira, é imprescindível observar os caracteres vegetativos das folhas, tais como: forma, ápice, base, margem e pilosidade. Imagem 68 Folha = pecíolo + limbo ou lâmina foliar [49] ETAPA2 Folhas
  • 59. Classificação quanto à forma: ETAPA2 Folhas
  • 60. Classificação quanto ao ápice: ETAPA2 Folhas
  • 61. Classificação quanto à nervação: ETAPA2 Folhas
  • 62. Classificação quanto à base: ETAPA2 Folhas
  • 63. Classificação quanto à margem: ETAPA2 Folhas
  • 64. Classificação quanto à divisão do limbo: simples ou compostas. Simples: ETAPA2 Folhas
  • 65. Classificação quanto à divisão do limbo: simples ou compostas. Compostas: ETAPA2 Folhas
  • 66. Classificação quanto ao arranjo/inserção das folhas nos galhos (filotaxia): ETAPA2 Folhas
  • 67. Classificação quanto ao pecíolo: Pecioladas: folhas com pecíolo. ETAPA2 Imagem 69 Folhas pecioladas [50] Folhas
  • 68. Classificação quanto ao pecíolo: Sésseis: folhas sem pecíolo; o limbo é diretamente implantado no caule. Ex.: trapoeraba roxa, coração roxo ou disciplina [Tradescantia pallida (Rose) D.R. Hunt]. ETAPA2 Imagem 70 Folhas sésseis [51] Folhas
  • 69. São ramos modificados, adaptados à reprodução sexual das plantas, sendo o principal meio pelo qual elas se perpetuam e se propagam. As flores são encontradas em todas as plantas da divisão das angiospermas.Ocorrem também nas gimnospermas, porém com estruturas diferentes. Elas podem ser simples ou dispostas em conjuntos, denominados inflorescências. ETAPA2 Imagem 71 Flores [52] Flores
  • 71. Conjunto de flores agrupadas, regularmente, sobre ramos especiais da planta. Existe uma grande variedade de inflorescências, cujas denominações levam em conta o número de flores, a disposição dessas e a presença ou ausência de pedicelo (haste que sustenta a flor). Serão mostrados alguns exemplos de inflorescências mais comuns, tais como: espiga, racemo, panícula, capítulo, umbela e corimbo. ETAPA2 Inflorescências
  • 72. Inflorescências Espiga: flores encontram-se inseridas diretamente no eixo da inflorescência, ou seja, não possuem pedicelo. Ex.: erva-de-jaboti [Peperomia pellucida (L.) Kunth.]. Racemo: flores com pedicelo dispostas em um único eixo e localizadas em diferentes posições do ramo principal. Ex.: babosa (Aloe vera L.) e dedaleira (Digitalis purpurea L.). ETAPA2
  • 73. Inflorescências Panícula: é um racemo composto, onde um eixo racemoso principal sustenta dois ou mais eixos racemosos laterais. Ex.: cajueiro (Anacardium occidentale L.) e mangueira (Mangifera indica L.). Capítulo: espiga com eixo muito curto, espessado ou achatado formando um receptáculo. As flores são sésseis (sem pedicelo), protegidas por brácteas e densamente dispostas na mesma altura. Ex.: sensitiva (Mimosa pudica L.) e calêndula (Calendula officinalis L.). ETAPA2
  • 74. Inflorescências Umbela: flores pediceladas inseridas na mesma altura do eixo principal único e curto. Ex.: erva-doce (Pimpinella anisum L.). Corimbo: é um tipo especial de racemo no qual as flores pediceladas estão inseridas em diferentes alturas no eixo principal, mas atingindo todas mais ou menos a mesma altura. Ex.: cipó-pucá ou insulina [Cissus verticillata (L.) Nicolson &C.E.Jarvis]. ETAPA2
  • 75. Frutos Resultam do desenvolvimento do ovário fecundado e encerram uma ou mais sementes, provenientes de óvulos fecundados. O fruto é constituído por semente e pericarpo. Este é subdividido em três regiões distintas: Epicarpo: epiderme externa da folha carpelar Mesocarpo: região do mesófilo da folha carpelar Endocarpo: epiderme interna da folha carpelar (local de inserção das sementes, denominado de placenta) ETAPA2
  • 77. Classificação dos frutos As principais características consideradas na classificação dos frutos são: Número de sementes: uma semente (monospérmico) ou mais. Tipo de pericarpo ou consistência: podem ser carnosos do tipo baga (Ex.: uva, tomate, abóbora, laranja) ou do tipo drupa (Ex.: azeitona, pêssego, ameixa, amêndoa); e secos (Ex.: algodão, feijão). Tipo de abertura do fruto: quando se abrem, expõem e liberam as sementes, são denominados deiscentes (Ex.: ipês, ervilhas); quando isso não ocorre naturalmente ao se tornarem maduros, são indeiscentes (Ex.: maracujá, laranja). ETAPA2
  • 79. PARA FINALIZAR Este conteúdo não tem a pretensão de formar botânicos, mas a de reforçar a importância da identificação científica correta das plantas medicinais, bem como levar ao conhecimento dos profissionais de saúde esse processo, desde a etapa da coleta da planta até a incorporação do material botânico testemunho em um herbário institucional. Portanto, a consulta a um botânico é imprescindível para se ter assegurada a identidade científica de quaisquer plantas medicinais, especialmente as desconhecidas. ETAPA2
  • 80. REFERÊNCIAS DAS IMAGENS [1] Fotos de Eliana Ribeiro. [2] Fonte: http://www.jardimdasideias.com.br/public/userfiles/image/2013/JAN/22%2001/epazote1.JPG. [3] Fonte: http://huntbotanical.org/admin/uploads/hibd-ehret-aesculus_001.jpg [4] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira. [5] Fotos de Eliana Ribeiro e Márlia Coelho-Ferreira. [6] Ilustrações de Márlia Coelho-Ferreira. [7] Ilustrações de Márlia Coelho-Ferreira. [8] Fotos de Eliana Ribeiro. [9] Fotos de Eliana Ribeiro e Márlia Coelho-Ferreira. ETAPA2
  • 81. [10] Balick & Cox (1996). [11] Foto de Márlia Coelho-Ferreira. [12] Foto Ricardo de Souza Secco. [13] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira. [14] Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/68/Carl_von_Linn%C3%A9.jpg. [15] Fonte: https://inforagro.files.wordpress.com/2010/11/flores.jpg. [16] Fonte: http://www.ppmac.org/sites/default/files/goiabeira01.jpg. [17] Fonte: http://www.prota4u.org/protav8.asp?p=Rosmarinus+officinalis. [18] Fonte: https://www.flickr.com/photos/scottzona/8342123723. ETAPA2 REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
  • 82. [19] Fonte: https://gobotany.newenglandwild.org/species/achillea/millefolium. [20] Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Starr_060810-8540_Cissus_verticillata.jpg. [21] Fonte: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/upload/conteudo_legenda/1d596d1403d8985f0f6743ef7d30b517.j pg. [22] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizaxial01.jpg. [23] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizfasciculada.jpg. [24] Fonte: http://thumbs.dreamstime.com/x/cassava-root-20797965.jpg. [25] Fonte: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/discovirtual/aulas/16546/imagens/cenoura.gif. [26] Fonte: http://www.infoescola.com/wp-content/uploads/2010/02/beterraba.jpg. [27] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizsuporte.jpg. ETAPA2 REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
  • 83. [28] Foto de Frank B.Yuwono. [29] Fonte: https://botanicaparaestudantes.files.wordpress.com/2015/01/raiz-estranguladora.jpg. [30] Fonte: http://farm1.static.flickr.com/116/294838654_65534b0868.jpg?v=0. [31] Fonte: http://www.geocities.ws/investigandoaciencia/raizsugadora.jpg. [32] Fonte: http://www.uff.br/horto/Ensino/raizrespiratoria.jpg [33] Fonte: http://www.geocities.ws/investigandoaciencia/raizaquatica.bmp. [34] Fonte: http://essaseoutras.xpg.uol.com.br/wpcontent/uploads/2011/04/vitoria-regia- amazonia.jpg. [35] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira. [36] Foto de Márlia Coelho-Ferreira. ETAPA2 REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
  • 84. [37] Fonte: https://tudosobreplantas.files.wordpress.com/2013/06/tsp_371716_vg.jpg. [38] Fotos de Márlia Coelho-Ferreira. [39] Fonte: http://botany.cz/foto/ipomoeaherb2.jpg. [40] Fonte: http://www.arara.fr/MaracujaTH.jpg. [41] Fonte: c1.staticflickr.com/9/8241/8460379266_a1068535c0_b.jpg. [42] Fonte: https://alimentosaudeinfantil.files.wordpress.com/2010/06/ginger.jpg?w=500. [43] Fonte: http://www.jardimdeflores.com.br/jardinagem/JPEGS/A47tuberculo_batata.jpg. [44] Foto de Márlia Coelho-Ferreira. [45] Fonte: http://www.ancusimorari.org/Immagini/FotoPiante/ColchicumAutumnale4.jpg. ETAPA2 REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
  • 85. [46] Fonte: http://bruceveloso.zip.net/images/cebola_bulbo.jpg. [47] Fonte: http://www.jardimdeflores.com.br/jardinagem/A47bulbos_rizomas.htm. [48] Fonte: http://t2.uccdn.com/pt/images/0/2/6/img_4620_apa_3324_orig.jpg. [49] Fonte: http://explorarasciencias.yolasite.com/5%C2%BA-ano-cn-plantas.php. [50] Foto de Márlia Coelho-Ferreira. [51] Fonte: https://i.ytimg.com/vi/zZnaXpqOtlo/maxresdefault.jpg. [52] Fonte: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_ilustrada/img/flora_cerrado.jpg. [53] Fonte: http://www.geocities.ws/investigandoaciencia/frutos.htm. ETAPA2 REFERÊNCIAS DAS IMAGENS
  • 86. FERRI, M.G. Botânica: Morfologia externa das plantas (Organografia). 15. ed. São Paulo: Nobel, 1983. 149p. LORENZI, H.; ABREU MATOS, F. J. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 576p. MARTINS-DA-SILVA, R. C.V.; SILVA,A. S. L. da; FERNANDES, M. M.; MARGALHO, L. F. Noções Morfológicas eTaxonômicas para Identificação Botânica. Brasília: EMBRAPA, 2014. 111p MENTZ, L. A.; BORDIGNON, S.A. L. de. Nomenclatura Botânica, classificação e identificação de plantas medicinais. In: SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; MELLO, J. C. P.; MENTZ, L. A.; PETROVICK, P.R. (Org.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. Porto Alegre/Florianópolis: Ed. UFRGS/Ed.UFSC, 2000. p. 147-162. MING, L. C. Coleta de plantas medicinais. In: DI STASI, L. C. (Org.). Plantas Medicinais: arte e ciência. São Paulo: Ed. UNESP, 1996. p. 69-86. ETAPA2 REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIACONSULTADA
  • 87. SOUZA,V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 768p. SOUZA,V. C.; FLORES,T. B.; LORENZI, H. Introdução à Botânica: morfologia. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2013. 223p. ETAPA2 REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIACONSULTADA
  • 88. CRÉDITOS DO CURSO ETAPA2 Estes slides integram os recursos didáticos elaborados para o Curso de Qualificação em Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Básica, concebido, desenvolvido e ofertado pela parceria entre o Ministério da Saúde, a FundaçãoOswaldo Cruz e a Universidade Federal do Pará. O curso completo pode ser acessado em: www.avasus.ufrn.br
  • 89. ETAPA2 CRÉDITOS DO CURSO Concepção e Desenvolvimento Departamento de Atenção Básica - Ministério da Saúde Vice-Presidência de Ambiente,Atenção e Promoção da Saúde - FundaçãoOswaldo Cruz Assessoria de Educação a Distância - Universidade Federal do Pará
  • 90. ETAPA2 Coordenação Geral Daniel Mieli Amado – DAB | MS Joseane Carvalho Costa – VPAAPS | Fiocruz José Miguel Martins Veloso – AEDi | UFPA Coordenação Administrativa Lairton Bueno Martins Paulo Roberto Sousa Rocha Coordenação de Conteúdo Silvana Cappelleti Nagai Coordenação Pedagógica Andrea Cristina Lovato Ribeiro Nilva Lúcia Rech Stedile Coordenação Pedagógica em EaD Maria Ataide Malcher Marianne Kogut Eliasquevici Sônia Nazaré Fernandes Resque Concepção e Avaliação de Recursos Multimídia em EaD Fernanda Chocron Miranda Suzana Cunha Lopes Concepção e Comunicação Visual Rose Pepe Roberto Eliasquevici CRÉDITOS DO CURSO
  • 91. ETAPA2 CRÉDITOS DESTE RECURSO DIDÁTICO Consultoria e Produção de Conteúdo Daniel Miele Amado Eliana Rodrigues Lairton Bueno Martins Márlia Coelho-Ferreira Paulo Roberto Sousa Rocha Silvana Cappelleti Nagai Revisão de Conteúdo Andrea Cristina Lovato Ribeiro Daniel Miele Amado Joseane Carvalho Costa Lairton Bueno Martins Paulo Roberto Sousa Rocha Silvana Cappelleti Nagai Consultoria e Revisão em EaD Maria Ataide Malcher Marianne Kogut Eliasquevici Sônia Nazaré Fernandes Resque Suzana Cunha Lopes Direção de Arte Acquerello Design Ilustração e Grafismos Andreza Jackson de Vasconcelos Weverton Raiol Gomes de Souza Diagramação e Editoração Eletrônica Andreza Jackson de Vasconcelos Weverton Raiol Gomes de Souza William Teixeira Gonçalves
  • 92. ETAPA2 CRÉDITOS DO CURSO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria deAtenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Edifício Premium, SAF Sul, Quadra 2 Lotes 5/6, Bloco II, Subsolo CEP: 70070-600 – Brasília/DF Fone: (61) 3315-9034/3315-9030 Site: http://dab.saude.gov.br E-mail: pics@saude.gov.br Este conteúdo está disponível em: www.bvsms.saude.gov.br FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde Av. Brasil 4365, Castelo Mourisco, sala 18, Manguinhos CEP: 21040-900 – Rio de Janeiro/RJ Fone: (21) 3885-1838 Site: http://portal.fiocruz.br/pt- br/vpaaps E-mail: vpaaps@fiocruz.br Este conteúdo está disponível em: www.retisfito.org.br UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ Assessoria de Educação a Distância Av.Augusto Corrêa, 01, Guamá CEP: 66075-110 – Belém/PA Fone: (91) 3201-8699/3201-8700 Site: www.aedi.ufpa.br E-mail: labmultimidia.aedi@gmail.com Este conteúdo está disponível em: www.multimidia.ufpa.br DISTRIBUIÇÃO DIGITAL
  • 93. ETAPA2 CRÉDITOS DO CURSO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral de ÁreasTécnicas Secretaria de Gestão deTrabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde
  • 94. ETAPA2 CRÉDITOS DO CURSO FUNDAÇÃOOSWALDO CRUZ Presidência Paulo Ernani GadelhaVieira Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde Valcler Rangel Fernandes Assessoria de Promoção da Saúde Annibal Coelho de Amorim Coordenação Geral Joseane Carvalho Costa
  • 95. ETAPA2 CRÉDITOS DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ Reitoria Emmanuel ZaguryTourinho Vice-Reitoria Gilmar Pereira da Silva Pró-Reitoria de Extensão Nelson José de Souza Júnior Assessoria de Educação a Distância José Miguel MartinsVeloso Coordenação Administrativa Ivanete Guedes Pampolha Coordenação Pedagógica Marianne Kogut Eliasquevici Coordenação de Meios e Ambientes de Aprendizagem Dionne Cavalcante Monteiro Laboratório de Pesquisa e Experimentação em Multimídia Maria Ataide Malcher Editora Presidência José Miguel MartinsVeloso Diretoria Cristina Lúcia DiasVaz Conselho Editorial Ana LygiaAlmeidaCunha Dionne Cavalcante Monteiro Maria Ataide Malcher
  • 96. ETAPA2 Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra em qualquer suporte ou formato, desde que citada a fonte. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde [www.bvsms.saude.gov.br]. Todo o material do curso também está disponível na RetisFito [www.retisfito.org.br] e no repositório institucional UFPA Multimídia [www.multimidia.ufpa.br].