Poetas do século xx

2.535 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.209
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poetas do século xx

  1. 1. FERNANDO PESSOA, ALMADA NEGREIROS E CECÍLIA MEIRELES Poetas do século XX Agrupamento de Escolas da Batalha Disciplina de Português Professora Rosário Cunha Trabalho realizado por: • Joana Dinis Nº14 • Joana Meneses Nº15 10ºA • Joana Tojeiro Nº16 Batalha, 18 de Março de 2014
  2. 2. Fernando Pessoa
  3. 3. Fernando Pessoa Cronologia •13 de junho de 1888: Nasce Fernando António Nogueira Pessoa. •1896: Pessoa e a sua família partem para Durban, na África do Sul. •1903: Tem a melhor nota no ensaio em inglês na Universidade do Cabo e ganha assim o Prémio Rainha Vitória. •1905: Regressa definitivamente a Lisboa, onde passa a viver com a sua avó. •1914: Cria os heterónimos Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro. •Março de 1915: Sai o primeiro número de Orpheu. •1934: Publica Mensagem. •30 de novembro de 1935: Morre Fernando Pessoa.
  4. 4. Fernando Pessoa Contexto político-social  Viveu a época do Modernismo.  O modernismo surgiu, na literatura e na arte.  A obra de Pessoa surge como resposta à sociedade daquele tempo, pois a sua obra leva a uma reflexão sobre os temas da verdade, existência e identidade e que procura o patriotismo perdido nesta conjuntura.  O seu principal objetivo: levar as pessoas a refletir.
  5. 5. Fernando Pessoa As suas criações:  Heterónimos, personagens poéticas que permitem refletir sobre os temas da verdade, existência e identidade. Os heterónimos mais relevantes foram:  Álvaro de Campos  Ricardo Reis  Alberto Caeiro  Bernardo Soares
  6. 6. Fernando Pessoa  Enquanto ortónimo, Fernando Pessoa escreveu várias obras das quais apenas publicou uma em vida, A Mensagem.
  7. 7. Fernando Pessoa O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. E os que leem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm.
  8. 8. Almada Negreiros
  9. 9. Almada Negreiros  José Sobral de Almada Negreiros foi um artista português em muitas áreas, que se dedicou principalmente às artes plásticas e à escrita.  Ocupou uma posição central na primeira geração de modernistas portugueses.
  10. 10. Almada Negreiros Cronologia  7 de abril de 1893 - Nasce, em São Tomé e Príncipe, José Sobral de Almada Negreiros  1954 - Pinta o retrato de Fernando Pessoa sentado numa mesa de café com uma revista "Orpheu".  1965 - Publica “Orpheu 1915 – 1965”  1966 - É eleito membro honorário da academia Nacional de Belas Artes.  15 de junho de 1970 - Almada Negreiros morre em Lisboa.
  11. 11. Almada Negreiros •Algumas das suas obras: Retrato de Fernando Pessoa “Orpheu 1915 – 1965”
  12. 12. Almada Negreiros Temática da sua obra Almada Negreiros debruçou-se sobre dois tipos de escrita:  Textos interventivos (exemplo: Manifesto Anti Dantas)  Textos literários (exemplo: A cena do Ódio) Almada escreveu também peças de Teatro, tal como Deseja-se Mulher em 1928.
  13. 13. Almada Negreiros Pede-se a uma criança: Desenha uma flor! Pede-se a uma criança: Desenha uma flor! Dá-se-lhe papel e lápis. A criança vai sentar-se no outro canto da sala onde não há mais ninguém. Passado algum tempo o papel está cheio de linhas. Umas numa direcção, outras noutras; umas mais carregadas, outras mais leves; umas mais fáceis, outras mais custosas. A criança quis tanta força em certas linhas que o papel quase não resistiu. Outras eram tão delicadas que apenas o peso do lápis já era demais. Depois a criança vem mostrar essas linhas às pessoas: Uma flor! As pessoas não acham parecidas estas linhas com as de uma flor! Contudo a palavra flor andou por dentro da criança, da cabeça para o coração e do coração para a cabeça, à procura das linhas com que se faz uma flor, e a criança pôs no papel algumas dessas linhas, ou todas. Talvez as tivesse posto fora dos seus lugares, mas, são aquelas as linhas com que Deus faz uma flor!
  14. 14. Cecília Meireles
  15. 15. Cecília Meireles Cronologia  7 de novembro de 1901: nasce Cecília Meireles, na cidade do Rio de Janeiro.  1919: Publica o seu primeiro livro “Espectro” e forma-se professora.  1934: Escreve várias obras na área de literatura infantil.  1939: Publica o livro Viagem e ganha o prémio de Poesia da Academia Brasileira de Letras.  9 de novembro de 1964: Morre Cecília Meireles.
  16. 16. Cecília Meireles Meus companheiros amados, não vos espero nem chamo: porque vou para outros lados. Mas é certo que vos amo. Nem sempre os que estão mais perto fazem melhor companhia. Mesmo com sol encoberto, todos sabem quando é dia. Pelo vosso campo imenso, vou cortando meus atalhos. Por vosso amor é que penso e me dou tantos trabalhos. Não condeneis, por enquanto, minha rebelde maneira. Para libertar-me tanto, fico vossa prisioneira. Por mais que longe pareça, ides na minha lembrança, ides na minha cabeça, valeis a minha Esperança. Recado aos Amigos Distantes
  17. 17. Bibliografia http://www.citador.pt/poemas/a/cecilia-meireles http://www.suapesquisa.com/biografias/cecilia_meireles.htm http://belasitept.150m.com/ptnegreiroschronology.htm http://pt.wikipedia.org/wiki/Almada_Negreiros http://en.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa http://escritosdeeva.blogs.sapo.pt/3525.html http://www.slideshare.net/carsosalu/modernismo-e-fernando- pessoa

×