Características de Álvaro de Campos

799 visualizações

Publicada em

ortonimo fernando pessoa alvaro de campos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
799
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Características de Álvaro de Campos

  1. 1. Aline Araújo, nº 1 Catarina Ferreira, nº 4 12º C
  2. 2. Biografia de Álvaro de Campos Álvaro de Campos é o mais versátil e emotivo de todos os heterónimos de Fernando Pessoa. Nasceu em 1890 e passou a sua infância e adolescência na África do Sul, prosseguindo os seus estudos com os cursos de engenharia mecânica e logo de seguida engenharia naval. Durante a sua fase adulta viajou para o oriente e trabalhou em Londres. Ao ficar desempregado voltou para Lisboa em 1926 bastante desapontado com a vida que estava a levar. Fisicamente: Era um senhor alto com 1,75 m, um pouco curvado, magro, moreno de pele clara e usava monóculo. Tinha cabelo liso e não tinha barba.
  3. 3. Características da poesia de Álvaro de Campos Marcas Temáticas:  Civilização mecânica e industrial;  Atitude escândalos;  Sadismo e masoquismo;  Cansaço existencial, frustração;  Solidão, isolamento.  Explosão sentimental e emocional  Melancolia pela infância perdida Marcas Formais:  Versos longos;  Anáforas, onomatopeias, aliterações, metáforas;  Verso livre;  Pontuação expressiva;  Ordenação caótica das palavras;  Universo simbólico.
  4. 4. As suas fases Álvaro de Campos teve três fases durante a sua obra: 1ª fase - Decadentista 2ª fase – Sensacionismo/ Futurismo 3ª fase – Intimismo / Pessimismo
  5. 5. 1ª Fase Álvaro de Campos mostra horror à vida, tem tédio de viver e mostra-nos um espírito bastante decadentista nos seus poemas, onde ele sente necessidade de dar um novo rumo à sua vida, mas não sabe por onde começar. Nos poemas desta fase é predominante o romantismo e o simbolismo. Nesta fase Álvaro de Campos usou as drogas como recurso de fuga à realidade que enfrentava. Citação de o poema ‘’ Opiário ’’ Esta vida de bordo há-de matar-me. São dias só de febre na cabeça E, por mais que procure até que adoeça, já não encontro a mola pra adaptar-me. Em paradoxo e incompetência astral Eu vivo a vincos de ouro a minha vida, Onda onde o pundonor é uma descida E os próprios gozos gânglios do meu mal. É por um mecanismo de desastres, Uma engrenagem com volantes falsos, Que passo entre visões de cadafalsos Num jardim onde há flores no ar, sem hastes. Vou cambaleando através do lavor Duma vida-interior de renda e laca. Tenho a impressão de ter em casa a faca Com que foi degolado o Precursor.
  6. 6. 2ª Fase Nesta fase podemos ver um Álvaro de Campos completamente diferente da fase anterior. É evidente a presença do futurismo com o gosto em ver a evolução industrial e sensacionismo onde Álvaro vive um excesso de sensações. Tem atitude dominadora e triunfadora perante a vida, porém demonstra náusea pela civilização moderna e pela sua moral. Citação do poema ‘’Ode Triunfal’’ Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime! Ser completo como uma máquina! Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo! Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto, Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento A todos os perfumes de óleos e calores e carvões Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável! Fraternidade com todas as dinâmicas! Promíscua fúria de ser parte-agente Do rodar férreo e cosmopolita Dos comboios estrênuos. Da faina transportadora-de-cargas dos navios. Do giro lúbrico e lento dos guindastes, Do tumulto disciplinado das fábricas, E do quase-silêncio ciciante e monótono das correias de transmissão! Horas européias, produtoras, entaladas Entre maquinismos e afazeres úteis! Grandes cidades paradas nos cafés, Nos cafés — oásis de inutilidades ruidosas Onde se cristalizam e se precipitam Os rumores e os gestos do Útil E as rodas, e as rodas-dentadas e as chumaceiras do Progressivo! Nova Minerva sem-alma dos cais e das gares! Novos entusiasmos de estatura do Momento! Quilhas de chapas de ferro sorrindo encostados às docas, Ou a seco, erguidas, nos planos-inclinados dos portos! Atividade internacional, transatlântica, Canadian-Pacific! Luzes e febris perdas de tempo nos bares, nos hotéis, Nos Longchamps e nos Derbies e nos Ascots, E Piccadillies e Avenues de l'Opéra que entram Pela minh'alma dentro!
  7. 7. Poema ‘’Estou Cansado’’ Estou cansado, é claro, Porque, a certa altura, a gente tem que estar cansado. De que estou cansado, não sei: De nada me serviria sabê-lo, Pois o cansaço fica na mesma. A ferida dói como dói E não em função da causa que a produziu. Sim, estou cansado, E um pouco sorridente De o cansaço ser só isto — Uma vontade de sono no corpo, Um desejo de não pensar na alma, E por cima de tudo uma transparência lúcida Do entendimento retrospectivo... E a luxúria única de não ter já esperanças? Sou inteligente; eis tudo. Tenho visto muito e entendido muito o que tenho visto, E há um certo prazer até no cansaço que isto nos dá, Que afinal a cabeça sempre serve para qualquer coisa. 3ª Fase Fase do ceticismo, marcada pelo desânimo, tédio e náusea face à incapacidade de realização pessoal. Álvaro de Campos mostra-se incapaz de se adaptar ao mundo real, torna-se cansado e é nesta fase que mais podemos ver a sua identidade perdida e a dor de viver.
  8. 8. Álvaro de Campos Vs Alberto Caeiro Alberto CaeiroÁlvaro de Campos
  9. 9. Álvaro de Campos Vs. Alberto Caeiro Sendo Álvaro de Campos e Alberto Caeiro uns dos heterónimos mais conhecidos de Fernando Pessoa, são obviamente os mais estudados e analisados. Alberto Caeiro era um poeta da natureza e das sensações, sendo ele o menos instruído de todos os heterónimos, mas o mestre de todos eles. Caeiro acreditava que pensar seria estar doente dos olhos, e era um poeta completamente entregue à natureza e às sensações, sendo bastante ingénuo e tentou ser alheio às ‘’mentiras humanas’’ que vinham até ele. Álvaro de Campos é um dos heterónimos mais complexos de Fernando Pessoa, talvez por ter sido o mais evolutivo de todos e devido às fases atravessadas durante toda a sua obra. Porém mesmo depois de todo o seu sacrifício para tentar atingir a plenitude, este nunca foi capaz de a alcançar. Em suma, podemos dizer que Alberto Caeiro era totalmente genuíno e por isso conseguiu absorver e encontrar a sua plenitude total, diferentemente de Álvaro de Campos, que ao tentar viver com grande intensidade e dar privilégio ao que as sensações que a vida lhe proporcionava, mas nunca conseguiu atingir a felicidade completa, talvez porque pensava demais, e de fato o simples ato de pensar tira-nos alguma ingenuidade e causa-nos tristeza muitas vezes.
  10. 10. Álvaro de Campos e Pessoa Ortónimo Álvaro de Campos e Fernando Pessoa ortónimo são muito próximos no que toca aos temas abordados, principalmente naquilo que foi a 3ª fase de Álvaro de Campos. Fernando Pessoa dizia que Álvaro escrevia tudo aquilo que Pessoa não poderia escrever, pois Álvaro abordava os temas de forma mais violenta, enquanto que Pessoa ortónimo falava dos mesmos temas como por exemplo a ‘’dor de pensar’’, ‘’identidade perdida’’ e a ‘’melancolia da infância perdida’’, sempre de forma mais discreta e contida do que Álvaro de Campos. Na 3ª fase de Campos foi muito visível as parecenças entre os dois até nas linhas formais dos seus poemas, como a ausência de rima e os versos longos.

×