SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Tempo da História, do Discurso e Histórico
Tempo
 Tempo da História




                     Tempo do Discurso




                                         Tempo Histórico
Tempo da História
Tempo em que decorre a acção, real ou ficcional,
  marcado pelas alterações sofridas pelas personagens e
  alguns locais objectos.
Algumas datas temos de deduzir por outros
  acontecimentos em que o narrador diz o tempo que já
  passou desde esse acontecimento ou ou que irá passar.
O tempo da acção é de 28 anos (1711-1739), começa com a
  promessa do rei e acaba com a morte de Baltazar.
Tempo do Discurso
O narrador recorre a analepses e prolepses, elipses e
 resumos e abrandamentos e acelerações de maneira a
 que a o templo não flui sempre linearmente e a
 cronologia não é seguida na ordem certa de
 acontecimentos no tempo, mas sim na ordem em que
 ele relata os acontecimentos.
Tempo Histórico
A história passa-se toda no início do século XVIII
  durante o reinado de D. João V, um tempo medieval,
  decadente e agitado por guerras.
Cronologia
Presente da narrativa
 “D. João, quinto do nome na tabela real, irá esta noite ao
   quarto de sua mulher, D. Maria Ana Josefa, (…) – Cap I
28 anos
Marcas de passagem do tempo:
 “Enferrujam-se os arames e os ferros, cobrem-se os panos de
   mofo, destrança-se o vime ressequido, obra que em meio
   ficou não precisa envelhecer para ser ruína.” – Cap XIII
 “Ainda ontem era a flor do bairro, e hoje nem bairro nem
   flor.” – Cap XXIII
Informantes da história:
 “(…), pois ainda ontem, que tanto se pode dizer que apenas
   há seis anos aconteceu,(…)” – Cap II
“(…) e passou a Aldegalega nos primeiros dias deste mês de
   janeiro de mil setecentos e vinte e nove, (…)” – Cap XXII
Prolepses:
“Quando El-rei chegar, primeiro encarará(…) alguma coisa
  havia de esquecer.’’ - Cap XII
“(…) este tal foi o infante D. Henrique, consoante o louvará
  um poeta por ora ainda não nascido,(…)” – Cap XVII

Analepses:
“Foi mandado embora do exército por já não ter serventia
  nele, depois de lhe cortarem a mão esquerda pelo nó do
  pulso, estraçalhada por uma bala em frente de Jerez de los
  Caballeros, (…)” – Cap IV
“(…) Bartolomeu Lourenço, que no Brasil nasceu e novo veio
  pela primeira vez a Portugal, (…), que só nela nos faria
  ganhar a eternidade.” – Cap VI
Elipses:
“Meses inteiros se passaram desde então, (…)” – Cap VIII
“Encerrados na quinta, Baltasar e Blimunda assistem ao
  passar dos dias. Agosto acabou, setembro vai em meio,
  (…)” – Cap XVI

Resumo:
“Assim foi o inverno passando, assim a primavera, (…)” –
 Cap XVIII
“Durante nove anos Blimunda procurou Baltasar. (…)” –
 Cap XXV
Valorização/Desvalorização

Abrandamento:
Transporte da pedra de Pêro Pinheiro até Mafra - Cap
 XIX
Aceleração:
Baptizado da Infanta D. Maria Bárbara – Cap VII
Título:
Memorial do Convento
Planos narrativos
Acção ficcional – Construção da passarola
Acção real – Construção do convento
Cenários
Acontecimentos históricos:
Batalha de Jerez de los Caballeros, ouro do Brasil, febre
  amarela, abalo sísmico, construção do Convento de Mafra.
Personagens históricas reais:
D. João V, D. Maria Ana, Infanta D. Maria Bárbara, Infante D.
  Francisco, Dominico Scarlatti, Padre Bartolomeu Lourenço
  de Gusmão, D. Nuno da Cunha, Frei António de São José,
  Frei Boaventura de São Gião e povo.
Reinado
D. João V

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoAntónio Teixeira
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemInesa M
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMiguelavRodrigues
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoJoana Filipa Rodrigues
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III12º A Golegã
 
Memorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXMemorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXripmitchlucker
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analisekeve semedo
 
Memorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IVMemorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IV12º A Golegã
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoAntónio Teixeira
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaDina Baptista
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gondTeste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gondfatimamendonca64
 

Mais procurados (20)

Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 
Memorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXMemorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIX
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
 
Memorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IVMemorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IV
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gondTeste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
 

Semelhante a Memorial do Convento em 28 anos

Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoDulce Gomes
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112luisprista
 
Memorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobraMemorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobraritasantos123
 
Memorial do convento tempo e espaço (1)
Memorial do convento  tempo e espaço (1)Memorial do convento  tempo e espaço (1)
Memorial do convento tempo e espaço (1)José Galvão
 
Memorialdo Convento
Memorialdo ConventoMemorialdo Convento
Memorialdo Conventojoanamatux
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do conventoMarcos Alex
 
memorial_do_convento (1).pptx
memorial_do_convento (1).pptxmemorial_do_convento (1).pptx
memorial_do_convento (1).pptxIriaFernandes2
 
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoMemorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoAntónio Teixeira
 
Fi.js mc
Fi.js mcFi.js mc
Fi.js mcfabio-g
 
Prosa medieval
Prosa medievalProsa medieval
Prosa medievalheleira02
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinHelena Cordeiro
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinHelena Cordeiro
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinHelena Cordeiro
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinHelena Cordeiro
 
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...Miguel Penteado
 

Semelhante a Memorial do Convento em 28 anos (20)

Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
 
Memorial
MemorialMemorial
Memorial
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
 
Memorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobraMemorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobra
 
Memorial do convento tempo e espaço (1)
Memorial do convento  tempo e espaço (1)Memorial do convento  tempo e espaço (1)
Memorial do convento tempo e espaço (1)
 
Memorialdo Convento
Memorialdo ConventoMemorialdo Convento
Memorialdo Convento
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
3. intencionalidade
3. intencionalidade3. intencionalidade
3. intencionalidade
 
memorial_do_convento (1).pptx
memorial_do_convento (1).pptxmemorial_do_convento (1).pptx
memorial_do_convento (1).pptx
 
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoMemorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Fi.js mc
Fi.js mcFi.js mc
Fi.js mc
 
Relatos dos sertanistas
Relatos dos sertanistasRelatos dos sertanistas
Relatos dos sertanistas
 
Prosa medieval
Prosa medievalProsa medieval
Prosa medieval
 
Prosa medieval
Prosa medievalProsa medieval
Prosa medieval
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardin
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardin
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardin
 
Diário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardinDiário de pierre louis chardin
Diário de pierre louis chardin
 
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
 

Mais de Carla Luís

Apresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º PortuguêsApresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º PortuguêsCarla Luís
 
Saramago vida obra
Saramago vida obraSaramago vida obra
Saramago vida obraCarla Luís
 
Guião de leitura
Guião de leituraGuião de leitura
Guião de leituraCarla Luís
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaCarla Luís
 
Planif criterios alunos_breve
Planif criterios alunos_brevePlanif criterios alunos_breve
Planif criterios alunos_breveCarla Luís
 
Apresentação programa 10º
Apresentação programa 10ºApresentação programa 10º
Apresentação programa 10ºCarla Luís
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográficoCarla Luís
 
Planificação critérios alunos
Planificação critérios alunosPlanificação critérios alunos
Planificação critérios alunosCarla Luís
 
shafique keshavjee
shafique keshavjeeshafique keshavjee
shafique keshavjeeCarla Luís
 
Apresentação o sonhador
Apresentação   o sonhadorApresentação   o sonhador
Apresentação o sonhadorCarla Luís
 
Miguel Sousa Tavares
Miguel Sousa TavaresMiguel Sousa Tavares
Miguel Sousa TavaresCarla Luís
 
Fotobiografia de maria daniela raineri
Fotobiografia de maria daniela raineriFotobiografia de maria daniela raineri
Fotobiografia de maria daniela raineriCarla Luís
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitárioCarla Luís
 
Percurso queirosiano
Percurso queirosianoPercurso queirosiano
Percurso queirosianoCarla Luís
 
Percurso literário
Percurso literárioPercurso literário
Percurso literárioCarla Luís
 

Mais de Carla Luís (20)

Apresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º PortuguêsApresentação programa 10º Português
Apresentação programa 10º Português
 
Saramago vida obra
Saramago vida obraSaramago vida obra
Saramago vida obra
 
Guião de leitura
Guião de leituraGuião de leitura
Guião de leitura
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
 
Planif criterios alunos_breve
Planif criterios alunos_brevePlanif criterios alunos_breve
Planif criterios alunos_breve
 
Apresentação programa 10º
Apresentação programa 10ºApresentação programa 10º
Apresentação programa 10º
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
 
Planificação critérios alunos
Planificação critérios alunosPlanificação critérios alunos
Planificação critérios alunos
 
publicidade
publicidadepublicidade
publicidade
 
michael ende
michael endemichael ende
michael ende
 
shafique keshavjee
shafique keshavjeeshafique keshavjee
shafique keshavjee
 
Bobo
BoboBobo
Bobo
 
Apresentação o sonhador
Apresentação   o sonhadorApresentação   o sonhador
Apresentação o sonhador
 
O sonhador
O sonhadorO sonhador
O sonhador
 
Álvaro
ÁlvaroÁlvaro
Álvaro
 
Miguel Sousa Tavares
Miguel Sousa TavaresMiguel Sousa Tavares
Miguel Sousa Tavares
 
Fotobiografia de maria daniela raineri
Fotobiografia de maria daniela raineriFotobiografia de maria daniela raineri
Fotobiografia de maria daniela raineri
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Percurso queirosiano
Percurso queirosianoPercurso queirosiano
Percurso queirosiano
 
Percurso literário
Percurso literárioPercurso literário
Percurso literário
 

Memorial do Convento em 28 anos

  • 1. Tempo da História, do Discurso e Histórico
  • 2. Tempo Tempo da História Tempo do Discurso Tempo Histórico
  • 3. Tempo da História Tempo em que decorre a acção, real ou ficcional, marcado pelas alterações sofridas pelas personagens e alguns locais objectos. Algumas datas temos de deduzir por outros acontecimentos em que o narrador diz o tempo que já passou desde esse acontecimento ou ou que irá passar. O tempo da acção é de 28 anos (1711-1739), começa com a promessa do rei e acaba com a morte de Baltazar.
  • 4. Tempo do Discurso O narrador recorre a analepses e prolepses, elipses e resumos e abrandamentos e acelerações de maneira a que a o templo não flui sempre linearmente e a cronologia não é seguida na ordem certa de acontecimentos no tempo, mas sim na ordem em que ele relata os acontecimentos.
  • 5. Tempo Histórico A história passa-se toda no início do século XVIII durante o reinado de D. João V, um tempo medieval, decadente e agitado por guerras.
  • 7. Presente da narrativa “D. João, quinto do nome na tabela real, irá esta noite ao quarto de sua mulher, D. Maria Ana Josefa, (…) – Cap I 28 anos Marcas de passagem do tempo: “Enferrujam-se os arames e os ferros, cobrem-se os panos de mofo, destrança-se o vime ressequido, obra que em meio ficou não precisa envelhecer para ser ruína.” – Cap XIII “Ainda ontem era a flor do bairro, e hoje nem bairro nem flor.” – Cap XXIII Informantes da história: “(…), pois ainda ontem, que tanto se pode dizer que apenas há seis anos aconteceu,(…)” – Cap II “(…) e passou a Aldegalega nos primeiros dias deste mês de janeiro de mil setecentos e vinte e nove, (…)” – Cap XXII
  • 8. Prolepses: “Quando El-rei chegar, primeiro encarará(…) alguma coisa havia de esquecer.’’ - Cap XII “(…) este tal foi o infante D. Henrique, consoante o louvará um poeta por ora ainda não nascido,(…)” – Cap XVII Analepses: “Foi mandado embora do exército por já não ter serventia nele, depois de lhe cortarem a mão esquerda pelo nó do pulso, estraçalhada por uma bala em frente de Jerez de los Caballeros, (…)” – Cap IV “(…) Bartolomeu Lourenço, que no Brasil nasceu e novo veio pela primeira vez a Portugal, (…), que só nela nos faria ganhar a eternidade.” – Cap VI
  • 9. Elipses: “Meses inteiros se passaram desde então, (…)” – Cap VIII “Encerrados na quinta, Baltasar e Blimunda assistem ao passar dos dias. Agosto acabou, setembro vai em meio, (…)” – Cap XVI Resumo: “Assim foi o inverno passando, assim a primavera, (…)” – Cap XVIII “Durante nove anos Blimunda procurou Baltasar. (…)” – Cap XXV
  • 10. Valorização/Desvalorização Abrandamento: Transporte da pedra de Pêro Pinheiro até Mafra - Cap XIX Aceleração: Baptizado da Infanta D. Maria Bárbara – Cap VII
  • 11. Título: Memorial do Convento Planos narrativos Acção ficcional – Construção da passarola Acção real – Construção do convento Cenários Acontecimentos históricos: Batalha de Jerez de los Caballeros, ouro do Brasil, febre amarela, abalo sísmico, construção do Convento de Mafra. Personagens históricas reais: D. João V, D. Maria Ana, Infanta D. Maria Bárbara, Infante D. Francisco, Dominico Scarlatti, Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, D. Nuno da Cunha, Frei António de São José, Frei Boaventura de São Gião e povo. Reinado D. João V