Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner

20.478 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.017
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
283
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner

  1. 1. Poetas do Século XX • Sophia de Mello Breyner • Manuel Alegre • Alda do Espírito Santo Agrupamento de Escolas da Batalha Batalha, Março de 2014 Trabalho realizado por: Cristino Malheiro Nº 7 10ºB Francisco Pinheiro Nº 13 10ºB João Sousa Nº18 10ºB José Bastos Nº 19 10ºB Português 10º ano Prof.ª Rosário Cunha
  2. 2. Índice • Sophia de Mello Breyner ……………………………………………………………………........ 3 - Biobibliografia……………………………………………………………………………. 4 - Temáticas da Poesia……………………………………………………………………. 5 - Em Todos os Jardins………………………………………………………………….. 6 - Em Todos os Jardins (Análise)……………………………………………………. 7 - O Terror de Te Amar………………………………………………………………….. 8 • Manuel Alegre ………………………………………………………………………………………… 9 - Biobibliografia…………………………………………………………………………… 10 - Temáticas da Poesia…………………………………………………………………….11 - As Facas ..………………………………………………………………………………….12 • Alda do Espírito Santo………………………………………………………………………………13 - Biobibliografia……………………………………………………………………………14 - Ilha Nua…………………………………………………………………………………….15 • Bibliografia……………………………………………………………………………………………...16
  3. 3. Sophia de Mello Breyner Anderson Uma das mais importantes poetisas portuguesas; escritora de vários contos, incluindo de literatura infantil.
  4. 4. Sophia de Mello Breyner Anderson • Porto, 6 de Novembro de 1919 – Nasce Sophia de Mello Breyner (descendência dinamarquesa – O seu bisavô teria, em 1895, desembarcado no Porto e comprado a Quinta do Campo Alegre, atual Jardim Botânico do Porto) Ditadura Militar/ Estado Novo • 1936-1939 – Dedica-se ao estudo de Filosofia Clássica na Universidade de Lisboa • 1944 – É publicado o seu primeiro livro Poesias • 1946 – Casa-se com Francisco Sousa Tavares com o qual terá 5 filhos (entre eles o jornalista Miguel Sousa Tavares) • 1958 – Publica A Menina do Mar e A Fada Oriana • 1962 – É publicado o seu livro de poesia Livro Sexto • 1964 – Recebe o Grande Prémio de Poesia pela Sociedade Portuguesa de Escritores 25 de Abril de 1974 • 1975 – É eleita para a Assembleia Constituinte • 1999 – Recebe o Prémio Camões (1ª mulher) • 2003 – Recebe o Prémio Rainha Sofia • Lisboa, 2 de Julho de 2004 – Falece aos 84 anos
  5. 5. Sophia de Mello Breyner Anderson Temáticas da Poesia Natureza – harmonia com a Natureza, fuga à multidão quotidiana, mistério (cultura nórdica) Criação Poética – culto do estado de entusiasmo poético Arte – homenagem a artistas, interpretação de obras de arte Antigo – exaltação da antiguidade da Natureza, assuntos históricos, Antiguidade Clássica Desigualdade/Injustiça – revolta perante a injustiça, critica à podridão e ditadura, exaltação e dignificação das vítimas Vida – reencontro com o tempo passado, fuga do quotidiana Morte – exaltação lírica, dor, loucura, desilusão pela ausência do ser amado Amor – posse da Natureza, fraternidade humana, paixão Espera – espera de alguém por entre a bruma Infância – saudades da infância e juventude
  6. 6. Em todos os jardins Sophia de Mello Breyner Anderson Tema: Natureza/ Morte Assunto: o sujeito poético evidência o seu desejo em unir-se à Natureza e regressar às suas origens, após a sua morte. Análise Formal: Soneto – 2 quadras e 2 tercetos 14 versos decassilábicos Esquema Rimático: abab baba cdc ede (rima cruzada) Em todos os jardins hei-de florir, Em todos beberei a lua cheia, Quando enfim no meu fim eu possuir Todas as praias onde o mar ondeia. Um dia serei eu o mar e a areia, A tudo quanto existe me hei-de unir, E o meu sangue arrasta em cada veia Esse abraço que um dia se há-de abrir. Então receberei no meu desejo Todo o fogo que habita na floresta Conhecido por mim como um beijo. Então serei o ritmo das paisagens, A secreta abundância dessa festa Que eu via prometida nas imagens. Referência aos elementos primordiais da Natureza: Terra Água Fogo Ar
  7. 7. Em todos os jardins hei-de florir, Em todos beberei a lua cheia, Quando enfim no meu fim eu possuir Todas as praias onde o mar ondeia. Um dia serei eu o mar e a areia, A tudo quanto existe me hei-de unir, E o meu sangue arrasta em cada veia Esse abraço que um dia se há-de abrir. Então receberei no meu desejo Todo o fogo que habita na floresta Conhecido por mim como um beijo. Então serei o ritmo das paisagens, A secreta abundância dessa festa Que eu via prometida nas imagens. Em todos os jardins (Análise) Sophia de Mello Breyner Anderson Anáfora: realça a totalidade da Natureza, com a qual o sujeito poético tenciona unir-se Aliteração: reforça a ideia de morte/fim Metáfora: destaca a união total do sujeito poético com a Natureza a ponto de se fundir com esta Anáfora: descreve o desejo e as expetativas do sujeito lírico após a sua morte Anástrofe: (hei- de me unir a tudo quanto existe) realça a totalidade da natureza ao colocar “a tudo quanto existe” em primeiro lugar , destacando-o Metáfora: destaca a união total do sujeito poético com a Natureza a ponto de se fundir com esta
  8. 8. Sophia de Mello Breyner Anderson O Terror de te Amar Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo Mal de te amar neste lugar de imperfeição Onde tudo nos quebra e emudece Onde tudo nos mente e nos separa. Que nenhuma estrela queime o teu perfil Que nenhum deus se lembre do teu nome Que nem o vento passe onde tu passas. Para ti eu criarei um dia puro Livre como o vento e repetido Como o florir das ondas ordenadas. Tema: Amor Assunto: O sujeito poético exprime a incerteza e fragilidade do amor humano.
  9. 9. Manuel Alegre Político e escritor português; autor de várias obras de poesia, romances e alguns contos infantis.
  10. 10. Manuel Alegre Ditadura Militar/ Estado Novo •Águeda, 12 de Maio de 1936 – Nasce Manuel Alegre • 1947 – Casa-se com Mafalda Durão Ferreira (2 de filhos) • 1956 – Entra na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra • 1957 – Torna–se Militante no Partido Comunista Português Guerra Colonial • 1961 – É convidado a cumprir serviço militar • 1962 – É mobilizado para Angola • 1963 – É preso pela PIDE Acaba por regressar a Portugal • 1964 – Exila-se em Paris e depois em Argel • 1965 – É publicado o seu livro de poemas Praça da Canção • 1967 – É publicado o seu livro de poesia O Canta e as Armas 25 de Abril de 1974 • 1974 – Regressa a Portugal e adere ao Partido Socialista • 1975 – Torna-se deputado • 1981 – Publica o livro de poemas Atlântico • 1989 – Publica o romance Jornada de África • 1995 – Publica o romance Alma Toma importantes cargos dentro do Partido Socialista • 1998 – Recebe o Grande Prémio da Poesia • 1999 – Recebe o Prémio Pessoa • 2006 e 2010 – Candidata-se à presidência da República
  11. 11. Manuel Alegre Temáticas da Poesia Liberdade Luta Sofrimento/ Dor Ação Portugal Amor • Crítica à opressão e ditadura • Crítica às injustiças sociais • Exaltação ao dever de agir/lutar pela liberdade • Homenagem à nação
  12. 12. Manuel Alegre Quatro letras nos matam quatro facas que no corpo me gravam o teu nome. Quatro facas amor com que me matas sem que eu mate esta sede e esta fome. Este amor é de guerra. (De arma branca). Amando ataco amando contra-atacas este amor é de sangue que não estanca. Quatro letras nos matam quatro facas. Armado estou de amor. E desarmado. Morro assaltando morro se me assaltas. E em cada assalto sou assassinado. Quatro letras amor com que me matas. E as facas ferem mais quando me faltas. Quatro letras nos matam quatro facas. As Facas Tema: Amor Assunto: O sujeito poético relaciona o sofrimento do amor com a dor causada pela faca.
  13. 13. Alda do Espírito Santo Escritora e política São -Tomense; autora do Hino Nacional do seu país e de vários livros de poesia
  14. 14. Alda do Espírito Santo • São Tomé e Príncipe,1926 – Nasce Alda do Espírito Santo • 1975 - Independência de São e Príncipe; Alda passa ocupar cargos importantes no governo ( Ministra da Educação e Cultura, Ministra de Informação e Cultura, Presidente da Assembleia Nacional) • 1976 – É publicado o seu livro de poemas O Jogral das Ilhas • 1978 - É publicado o seu livro de poemas É o nosso solo sagrado da terra • São Tomé e Príncipe, 9 de Março de 2010 – Falece aos 84 anos
  15. 15. * ossobô – pequena ave Alda do Espírito Santo Ilha Nua
  16. 16. Bibliografia http://pt.wikipedia.org/wiki/Sophia_de_Mello_Breyner_Andresen http://pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_alegre http://pt.wikipedia.org/wiki/Alda_do_Espírito_Santo http://www.citador.pt/poemas/terror-de-te-amar-sophia-de-mello- breyner-andresen http://www.slideshare.net/sebentadigital/sophia-de-mello-breyner http://www.citador.pt/poemas/as-facas-manuel-de-melo-duarte-alegre http://www.prof2000.pt/users/jsafonso/port/sophia.htm http://www.buala.org/pt/mukanda/poemas-de-alda-espirito-santo Sites: Manual: Dias Pinto, A.; Miranda, C.; Nunes, P.; Projeto Desafios 10ºano; 1ª edição; Carnaxide; Santillana-Constância; 2010.

×