SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
 Antiguidade período da Exclusão Em Esparta
na Grécia a tradição militarista, privilegiava-
se o treinamento do corpo.
 Os recém-nascidos eram examinados por um
conselho de anciãos que ordenava eliminar
os que fossem portadores de deficiência
física ou mental ou não fossem
suficientemente robustos.
 E quem tivesse deficiência mental ou física era
tratado como um ser subumano e banido do
convívio social.
FILME 300
Com a ascensão da Igreja Católica e o cristianismo
pregando valores de amor ao próximo, o tratamento
aos doentes e deficientes, esse período é marcado
por uma postura assistencial de caridade e tolerância.
 Em Roma, os surdos que não falavam NÃO
tinham direitos legais, NÃO podiam fazer
parte dos testamentos e somente se casavam
com a permissão do papa , pois eram
considerados incapazes de gerenciar seus
atos, perdiam sua condição de ser humano e
eram confundidos com retardados.
O abandono de crianças
• Inicialmente, eram usados para receber doações e
mantimentos, mas com o tempo passou a ser o
destino de recém-nascidos rejeitados. Bem como
crianças com deficiências físicas e mentais. “Neste
período, os pais que tinham filhos deficientes
eram vistos como pecadores, por isso era uma
vergonha apresentar os pequenos à sociedade”.
• Normalmente a criança era abandonada na calada
da noite e a mãe, assim, tinha a identidade
preservada.
 Naquela época surgiram os asilos e os
hospitais psiquiátricos, com o objetivo não
de tratar, mas de segregar as pessoas com
qualquer tipo de deficiência. “ Tais
instituições eram pouco mais do que
prisões”, segundo Aranha (2001, p.165).
 Pessotti (1984) afirma que, nessa conjuntura, o
deficiente passou a ser tutelado pela
medicina, que tinha a autonomia de julgá-lo,
condená-lo ou salvá-lo.
 A história nos leva até um marco muito
importante: Surgiram os primeiros
pesquisadores. 1712-1789 - Charles
Michel de L´Épée, que em sua pesquisa
chega a uma conclusão que apenas os
gestos naturais e o alfabeto manual não
eram insuficientes.
 L´Épée criou os sinais metódicos para
integrar à gramática de LIBRAS e juntos
outros surdos fundou a primeira escola
pública para surdos em Paris FRANÇA.
Abée de L' epée, enfrentou muitos
desafios em defender a Língua de Sinais
como sendo a língua/materna dos Surdos.
 1723-1790 – ALEMANHA, professor alemão
Samuel Heinicke, seus métodos de ensino eram
estritamente orais. 1847 – 1922 – ESCÓCIA - Ao
decorrer da história o inventor de telefone o
Escocês Alexander Graham Bell abre uma
escola oralista para surdos.
 Para estes pesquisadores a língua de sinais era
prejudicial, pois comprometia a aquisição da
língua falada.
 A primeira fase da educação oralista teve seu
ápice no Congresso Internacional de Milão na
Itália em 1880, neste congresso estavam os
Professores de Surdos para discutir e avaliar
os métodos os três métodos rivais: língua de
sinais, língua oral e misto.
 O método oral foi considerado como o mais
adequado na educação dos surdos, e a
utilização da língua de sinais foi abolida
radicalmente e proibida.
 Método Oral - A prática da educação oralista
utiliza como recurso o desenvolvimento da
fala , a ampliação da audição e a
compreensão da língua oral.
 1857- BRASIL - a convite de D. Pedro II, o
diretor e professor surdo francês Hernest
Huet discípulo de L`Epée, vem para o Brasil
e funda o instituto dos Surdos-mudos, atual
Instituto Nacional de Educação de Surdos -
INES, que usava o método combinado.
• Naquele tempo no Brasil, não se tinha ideia
da educação dos surdos e inclusive as
famílias relutavam em educá-los.
 A filosofia educacional oralista teve grande
força no Brasil entre as décadas de 1960 e
1970, mas com o passar do tempo, passou a
ser amplamente criticada, pois reduzia as
possibilidades de trocas sociais e de
desenvolvimento linguístico e cognitivo entre
os surdos e os ouvintes.
 Com o fracasso do Oralismo , surge a segunda
fase , a filosofia educacional da
“Comunicação Total”, que consiste, num
método que inclui todos os modelos
linguísticos; gestos, língua de sinais, , fala ,
leitura oro-facial, alfabeto manual e leitura
escrita.
 A prática da Comunicação Total, alcançou
muitos simpatizantes nas décadas de 1970 e
1980. Logo depois passou a ser criticada por
não fazer uso adequado da língua de sinais
na sua estrutura própria.
 O grande problema deste método é de
misturar duas línguas a língua de sinais e a
língua portuguesa, e que resultou na prática
do português sinalizado.
 O bilinguismo surgiu na década de 80, como
proposta para a educação de surdos e
preconiza a língua de sinais como primeira
língua dos surdos e a língua escrita português
que é falada pelos ouvintes como segunda
língua.
 Muitos pesquisadores se mostram favoráveis
e concordam que o sujeito surdo é bicultural
e necessita aprender duas línguas, ambas
distintas em sua modalidade.
 O interesse pela educação das pessoas surdas
surgiu pela percepção da necessidade de
aprofundar conhecimentos e construir novos
saberes sobre a inclusão na rede regular de
ensino e em especial no ensino técnico e
tecnológico.
 A inclusão dessas pessoas se apresenta como
um fato novo para a maioria dos professores
e profissionais ligados a educação, surgindo
como um grande desafio para todos, pois,
uma escola inclusiva deve oferecer, ao aluno
surdo possibilidades reais de aprendizagem,
caso contrário estará realizando uma
inclusão precária.
 2002 Reconhecimento oficial da LIBRAS pelo
Governo Federal(Lei no 10.436, mais conhecida
como a Lei da LIBRAS.
 2005 O Decreto 5626/05 , que determina entre
outras obrigações, um prazo máximo de 10 anos
estar inserida a LIBRAS nos currículos dos cursos de
licenciaturas, Pedagogia, Letras e Fonoaudiologia,
além de professores bilíngues em todas as escolas
com classes regulares.

 2006 O 1º exame de proficiência da LIBRAS –
Prolibras.
 2010 Reconhecimento da profissão de
Intérprete. Lei 12.319/2010 - REGULAMENTA
A PROFISSÃO DE TRADUTOR E INTÉRPRETE DA
LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS – LIBRAS
(Children of Deaf Adults –CODAs)
denominação utilizada para os filhos de pais
surdos)
 ARANHA, Maria S. F. Integração social do deficiente: análise
conceitual e metodológica. Temas em Psic ologia, 1995.
 PESSOTTI, Isaias. Deficiência Mental: da Superstição à Ciência.
São Paulo: Queiroz/EDUSP. 1984.
 REVISTA NOVA ESCOLA – Reportagem que contam a Evolução da
Educação Inclusiva – Pessoas Especiais – Autora: Roberta Bencini –
Ed. Jan./Fev. de 2001.
 http://www.jonas.com.br/informacao.php?info=Historia&lg=pt ,
acessado em 20/07/2010
 http://www.bengalalegal.com/concepcoes , acessado em 08/jul
de 2015. 08/jul de 2015
 http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.pht
ml?id=1147743, acessado em
http://www.jonas.com.br/informacao.php?info=Historia&lg=pt ,
acessado em 08/jul de 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Librasprofamiriamnavarro
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoMaryanne Monteiro
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.dilaina maria araujo maria
 
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdosLIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdosprofamiriamnavarro
 
HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)
HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)
HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)CarolSanses
 
1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a librasValeria Nunes
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Librasunidadebetinho
 
introdução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRASintrodução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRASSuenia Souza
 
Libras na escola
Libras na escolaLibras na escola
Libras na escolaNRTE
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1David Santos
 
Gabarito instrutor de libras
Gabarito   instrutor de librasGabarito   instrutor de libras
Gabarito instrutor de librassecseduc
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosprofamiriamnavarro
 

Mais procurados (20)

História dos Surdos
História dos Surdos História dos Surdos
História dos Surdos
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 
A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01A linha do tempo aula 01
A linha do tempo aula 01
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Mundo Surdo
 
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdosLIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
LIBRAS AULA 9: Tecnologia para surdos
 
HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)
HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)
HISTORIA DA LIBRAS( LINHA DO TEMPO)
 
1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
 
introdução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRASintrodução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRAS
 
Libras na escola
Libras na escolaLibras na escola
Libras na escola
 
Familia e Identidade Surda
Familia e Identidade SurdaFamilia e Identidade Surda
Familia e Identidade Surda
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1
 
Gabarito instrutor de libras
Gabarito   instrutor de librasGabarito   instrutor de libras
Gabarito instrutor de libras
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
 
LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
 

Destaque

História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdosjoaoribau
 
Histórias de Surdos
Histórias de SurdosHistórias de Surdos
Histórias de Surdosjribau
 
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...Renata Cunha
 
Pedro ponce de león
Pedro ponce de leónPedro ponce de león
Pedro ponce de leónMorena Lara
 
Conferência livre história da infância
Conferência livre   história da infânciaConferência livre   história da infância
Conferência livre história da infânciaJine Kacia Monteiro
 
Abade ambroise sicard
Abade ambroise sicardAbade ambroise sicard
Abade ambroise sicardIsabel Morais
 
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a liPolíticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a liValeria de Oliveira
 
Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...
Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...
Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...Educação Infantil
 
Novas Tecnologias Utilizadas na Educação dos Surdos
Novas Tecnologias Utilizadas na Educação dos SurdosNovas Tecnologias Utilizadas na Educação dos Surdos
Novas Tecnologias Utilizadas na Educação dos SurdosUNEB
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surdammorigami
 
As famílias de crianças com necessidades educativas especiais
As famílias de crianças com necessidades educativas especiaisAs famílias de crianças com necessidades educativas especiais
As famílias de crianças com necessidades educativas especiaisLílian Reis
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaValdemar Júnior
 
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos Valdemar Júnior
 
Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2
Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2
Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2newtecno
 

Destaque (20)

Educação de surdos histórico
Educação de surdos históricoEducação de surdos histórico
Educação de surdos histórico
 
História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdos
 
Histórias de Surdos
Histórias de SurdosHistórias de Surdos
Histórias de Surdos
 
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
Concepcoesdainfanciaehistoriasocialdascriancasnobrasil professorasoniamargari...
 
Pedro ponce de león
Pedro ponce de leónPedro ponce de león
Pedro ponce de león
 
Lsvi 2012
Lsvi 2012Lsvi 2012
Lsvi 2012
 
Conferência livre história da infância
Conferência livre   história da infânciaConferência livre   história da infância
Conferência livre história da infância
 
Abade ambroise sicard
Abade ambroise sicardAbade ambroise sicard
Abade ambroise sicard
 
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a liPolíticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a li
 
Lengua de señas
Lengua de señasLengua de señas
Lengua de señas
 
Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...
Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...
Concepcoes da infancia_e_historia_social_das_criancas_no_brasil_-_professora_...
 
Novas Tecnologias Utilizadas na Educação dos Surdos
Novas Tecnologias Utilizadas na Educação dos SurdosNovas Tecnologias Utilizadas na Educação dos Surdos
Novas Tecnologias Utilizadas na Educação dos Surdos
 
Educacao para surdos
Educacao para surdos Educacao para surdos
Educacao para surdos
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
 
As famílias de crianças com necessidades educativas especiais
As famílias de crianças com necessidades educativas especiaisAs famílias de crianças com necessidades educativas especiais
As famílias de crianças com necessidades educativas especiais
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
 
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
 
Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2
Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2
Powerpoint Lengua De Signos Inglesa Y Castellana De Noigonautas2
 
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdosPrograma inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
 
História dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismoHistória dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismo
 

Semelhante a Educação dos surdos

Historia educação surdos 2
Historia educação surdos 2Historia educação surdos 2
Historia educação surdos 2ROBSON GOMES
 
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEMEFaculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEMEUFMA e UEMA
 
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964Ivan Machado
 
Lacerda historia abordagens_educacionais
Lacerda historia abordagens_educacionaisLacerda historia abordagens_educacionais
Lacerda historia abordagens_educacionaisLana Mara
 
FENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOS
FENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOSFENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOS
FENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOSEDITORA ARARA AZUL
 
Historia4 trajetoria
Historia4 trajetoriaHistoria4 trajetoria
Historia4 trajetoriahsurdez
 
1. libras modulo1
1. libras modulo1 1. libras modulo1
1. libras modulo1 Rodriguescrs
 
Processo histórico e cultural da LIBRAS
Processo histórico e cultural da LIBRASProcesso histórico e cultural da LIBRAS
Processo histórico e cultural da LIBRASLeandro Oliveira
 
História dos surdos no Brasil.PDF
História dos surdos no Brasil.PDFHistória dos surdos no Brasil.PDF
História dos surdos no Brasil.PDFFernandaDoMateus
 
Apostila Victor libras 2023 curso básico
Apostila Victor libras 2023 curso básicoApostila Victor libras 2023 curso básico
Apostila Victor libras 2023 curso básicoRobernelyReis
 
Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...
Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...
Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...Letícia J. Storto
 

Semelhante a Educação dos surdos (20)

Historia educação surdos 2
Historia educação surdos 2Historia educação surdos 2
Historia educação surdos 2
 
LIBRAS
LIBRAS LIBRAS
LIBRAS
 
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEMEFaculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
Faculdade Evangélica do Meio Norte-FAEME
 
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
 
Lacerda historia abordagens_educacionais
Lacerda historia abordagens_educacionaisLacerda historia abordagens_educacionais
Lacerda historia abordagens_educacionais
 
Libras 01
Libras 01Libras 01
Libras 01
 
FENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOS
FENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOSFENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOS
FENEIS: FUNDAÇÃO E PRIMEIROS ANOS
 
Apresentação 1 Linguistica .pdf
Apresentação 1 Linguistica .pdfApresentação 1 Linguistica .pdf
Apresentação 1 Linguistica .pdf
 
Historia4 trajetoria
Historia4 trajetoriaHistoria4 trajetoria
Historia4 trajetoria
 
1. libras modulo1
1. libras modulo1 1. libras modulo1
1. libras modulo1
 
Processo histórico e cultural da LIBRAS
Processo histórico e cultural da LIBRASProcesso histórico e cultural da LIBRAS
Processo histórico e cultural da LIBRAS
 
Aula 1 - Libras.pptx
Aula 1 - Libras.pptxAula 1 - Libras.pptx
Aula 1 - Libras.pptx
 
História dos surdos no Brasil.PDF
História dos surdos no Brasil.PDFHistória dos surdos no Brasil.PDF
História dos surdos no Brasil.PDF
 
Apostila Victor libras 2023 curso básico
Apostila Victor libras 2023 curso básicoApostila Victor libras 2023 curso básico
Apostila Victor libras 2023 curso básico
 
Libras .pptx
Libras .pptxLibras .pptx
Libras .pptx
 
História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdos
 
Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...
Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...
Inclusão de aluna surda no ensino profissionalizante em escola pública da cid...
 
Hes2
Hes2Hes2
Hes2
 
Hes2
Hes2Hes2
Hes2
 
Artigo2
Artigo2Artigo2
Artigo2
 

Mais de Lílian Reis

O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital
O exílio em Londres, a Economia Política e O CapitalO exílio em Londres, a Economia Política e O Capital
O exílio em Londres, a Economia Política e O CapitalLílian Reis
 
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativoEsboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo Lílian Reis
 
Quando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiaisQuando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiaisLílian Reis
 
Política Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilPolítica Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilLílian Reis
 
Pensamentos René Descartes
Pensamentos René DescartesPensamentos René Descartes
Pensamentos René DescartesLílian Reis
 
O direito à educação infantil
O direito à educação infantilO direito à educação infantil
O direito à educação infantilLílian Reis
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaLílian Reis
 
EJ.A paraiba e rio grande do sul
 EJ.A  paraiba e rio grande do sul EJ.A  paraiba e rio grande do sul
EJ.A paraiba e rio grande do sulLílian Reis
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica gréciaLílian Reis
 
Aula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográficoAula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográficoLílian Reis
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaLílian Reis
 

Mais de Lílian Reis (20)

Dadaísmo
Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
 
O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital
O exílio em Londres, a Economia Política e O CapitalO exílio em Londres, a Economia Política e O Capital
O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital
 
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativoEsboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
 
Quando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiaisQuando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiais
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Política Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilPolítica Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. Infantil
 
Pensamentos René Descartes
Pensamentos René DescartesPensamentos René Descartes
Pensamentos René Descartes
 
Higiene pessoal
Higiene pessoalHigiene pessoal
Higiene pessoal
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
Genero
GeneroGenero
Genero
 
O direito à educação infantil
O direito à educação infantilO direito à educação infantil
O direito à educação infantil
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da história
 
EJ.A paraiba e rio grande do sul
 EJ.A  paraiba e rio grande do sul EJ.A  paraiba e rio grande do sul
EJ.A paraiba e rio grande do sul
 
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica grécia
 
metodo fônico
metodo fônicometodo fônico
metodo fônico
 
Louis althusser
Louis althusserLouis althusser
Louis althusser
 
Lev vygotsky
Lev vygotsky Lev vygotsky
Lev vygotsky
 
Aula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográficoAula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográfico
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
 

Último

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

Educação dos surdos

  • 1.
  • 2.  Antiguidade período da Exclusão Em Esparta na Grécia a tradição militarista, privilegiava- se o treinamento do corpo.  Os recém-nascidos eram examinados por um conselho de anciãos que ordenava eliminar os que fossem portadores de deficiência física ou mental ou não fossem suficientemente robustos.
  • 3.  E quem tivesse deficiência mental ou física era tratado como um ser subumano e banido do convívio social. FILME 300
  • 4. Com a ascensão da Igreja Católica e o cristianismo pregando valores de amor ao próximo, o tratamento aos doentes e deficientes, esse período é marcado por uma postura assistencial de caridade e tolerância.
  • 5.  Em Roma, os surdos que não falavam NÃO tinham direitos legais, NÃO podiam fazer parte dos testamentos e somente se casavam com a permissão do papa , pois eram considerados incapazes de gerenciar seus atos, perdiam sua condição de ser humano e eram confundidos com retardados.
  • 6. O abandono de crianças • Inicialmente, eram usados para receber doações e mantimentos, mas com o tempo passou a ser o destino de recém-nascidos rejeitados. Bem como crianças com deficiências físicas e mentais. “Neste período, os pais que tinham filhos deficientes eram vistos como pecadores, por isso era uma vergonha apresentar os pequenos à sociedade”. • Normalmente a criança era abandonada na calada da noite e a mãe, assim, tinha a identidade preservada.
  • 7.
  • 8.  Naquela época surgiram os asilos e os hospitais psiquiátricos, com o objetivo não de tratar, mas de segregar as pessoas com qualquer tipo de deficiência. “ Tais instituições eram pouco mais do que prisões”, segundo Aranha (2001, p.165).
  • 9.  Pessotti (1984) afirma que, nessa conjuntura, o deficiente passou a ser tutelado pela medicina, que tinha a autonomia de julgá-lo, condená-lo ou salvá-lo.
  • 10.  A história nos leva até um marco muito importante: Surgiram os primeiros pesquisadores. 1712-1789 - Charles Michel de L´Épée, que em sua pesquisa chega a uma conclusão que apenas os gestos naturais e o alfabeto manual não eram insuficientes.  L´Épée criou os sinais metódicos para integrar à gramática de LIBRAS e juntos outros surdos fundou a primeira escola pública para surdos em Paris FRANÇA. Abée de L' epée, enfrentou muitos desafios em defender a Língua de Sinais como sendo a língua/materna dos Surdos.
  • 11.  1723-1790 – ALEMANHA, professor alemão Samuel Heinicke, seus métodos de ensino eram estritamente orais. 1847 – 1922 – ESCÓCIA - Ao decorrer da história o inventor de telefone o Escocês Alexander Graham Bell abre uma escola oralista para surdos.  Para estes pesquisadores a língua de sinais era prejudicial, pois comprometia a aquisição da língua falada.
  • 12.  A primeira fase da educação oralista teve seu ápice no Congresso Internacional de Milão na Itália em 1880, neste congresso estavam os Professores de Surdos para discutir e avaliar os métodos os três métodos rivais: língua de sinais, língua oral e misto.
  • 13.  O método oral foi considerado como o mais adequado na educação dos surdos, e a utilização da língua de sinais foi abolida radicalmente e proibida.
  • 14.  Método Oral - A prática da educação oralista utiliza como recurso o desenvolvimento da fala , a ampliação da audição e a compreensão da língua oral.
  • 15.  1857- BRASIL - a convite de D. Pedro II, o diretor e professor surdo francês Hernest Huet discípulo de L`Epée, vem para o Brasil e funda o instituto dos Surdos-mudos, atual Instituto Nacional de Educação de Surdos - INES, que usava o método combinado. • Naquele tempo no Brasil, não se tinha ideia da educação dos surdos e inclusive as famílias relutavam em educá-los.
  • 16.  A filosofia educacional oralista teve grande força no Brasil entre as décadas de 1960 e 1970, mas com o passar do tempo, passou a ser amplamente criticada, pois reduzia as possibilidades de trocas sociais e de desenvolvimento linguístico e cognitivo entre os surdos e os ouvintes.
  • 17.  Com o fracasso do Oralismo , surge a segunda fase , a filosofia educacional da “Comunicação Total”, que consiste, num método que inclui todos os modelos linguísticos; gestos, língua de sinais, , fala , leitura oro-facial, alfabeto manual e leitura escrita.
  • 18.  A prática da Comunicação Total, alcançou muitos simpatizantes nas décadas de 1970 e 1980. Logo depois passou a ser criticada por não fazer uso adequado da língua de sinais na sua estrutura própria.  O grande problema deste método é de misturar duas línguas a língua de sinais e a língua portuguesa, e que resultou na prática do português sinalizado.
  • 19.  O bilinguismo surgiu na década de 80, como proposta para a educação de surdos e preconiza a língua de sinais como primeira língua dos surdos e a língua escrita português que é falada pelos ouvintes como segunda língua.
  • 20.  Muitos pesquisadores se mostram favoráveis e concordam que o sujeito surdo é bicultural e necessita aprender duas línguas, ambas distintas em sua modalidade.
  • 21.  O interesse pela educação das pessoas surdas surgiu pela percepção da necessidade de aprofundar conhecimentos e construir novos saberes sobre a inclusão na rede regular de ensino e em especial no ensino técnico e tecnológico.
  • 22.  A inclusão dessas pessoas se apresenta como um fato novo para a maioria dos professores e profissionais ligados a educação, surgindo como um grande desafio para todos, pois, uma escola inclusiva deve oferecer, ao aluno surdo possibilidades reais de aprendizagem, caso contrário estará realizando uma inclusão precária.
  • 23.  2002 Reconhecimento oficial da LIBRAS pelo Governo Federal(Lei no 10.436, mais conhecida como a Lei da LIBRAS.  2005 O Decreto 5626/05 , que determina entre outras obrigações, um prazo máximo de 10 anos estar inserida a LIBRAS nos currículos dos cursos de licenciaturas, Pedagogia, Letras e Fonoaudiologia, além de professores bilíngues em todas as escolas com classes regulares. 
  • 24.  2006 O 1º exame de proficiência da LIBRAS – Prolibras.  2010 Reconhecimento da profissão de Intérprete. Lei 12.319/2010 - REGULAMENTA A PROFISSÃO DE TRADUTOR E INTÉRPRETE DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS – LIBRAS (Children of Deaf Adults –CODAs) denominação utilizada para os filhos de pais surdos)
  • 25.  ARANHA, Maria S. F. Integração social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas em Psic ologia, 1995.  PESSOTTI, Isaias. Deficiência Mental: da Superstição à Ciência. São Paulo: Queiroz/EDUSP. 1984.  REVISTA NOVA ESCOLA – Reportagem que contam a Evolução da Educação Inclusiva – Pessoas Especiais – Autora: Roberta Bencini – Ed. Jan./Fev. de 2001.  http://www.jonas.com.br/informacao.php?info=Historia&lg=pt , acessado em 20/07/2010  http://www.bengalalegal.com/concepcoes , acessado em 08/jul de 2015. 08/jul de 2015  http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.pht ml?id=1147743, acessado em http://www.jonas.com.br/informacao.php?info=Historia&lg=pt , acessado em 08/jul de 2015