SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
AS
CARACTERÍSTICAS
DA REDE URBANA
Fig. Évora, Alentejo.
A rede urbana nacional caracteriza-se por um acentuado desequilíbrio,
na dimensão demográfica, na repartição espacial e no nível de funções
oferecidas pelos centros urbanos.
A REDE URBANA PORTUGUESA
Uma rede urbana ou sistema urbano corresponde ao conjunto de
cidades e suas periferias, de dado território, à escala regional, nacional
ou internacional, que estabelecem relações de dependência e
complementaridade, geralmente com uma certa ordem hierárquica.
Fig. Vista sobre a cidade do Porto.
Pág. 131
Fig. Vista sobre a cidade de Beja.
A REDE URBANA PORTUGUESA
Fig. Rede urbana portuguesa segundo a dimensão das suas cidades, em número de
habitantes (2011).
A rede urbana portuguesa apresenta um grande desequilíbrio.
Pág. 131
Uma rede urbana caracteriza-se:
 distribuição espacial das cidades;
 dimensão (número de habitantes);
 importância quanto às funções que oferece.
DISTRIBUIÇÃO DAS CIDADES PORTUGUESAS
No interior e no litoral ocidental do
Alentejo, existem cidades em menor
número e apresentam menos
habitantes.
Fig. A rede urbana portuguesa – repartição espacial e
dimensão demográfica das cidades de Portugal
Continental (2011).
Pág. 132
Em Portugal Continental, as cidades
distribuem-se de forma irregular,
sendo clara uma concentração:
 em torno de Lisboa e do Porto;
 no litoral ocidental entre estas
duas cidades;
 no litoral do Algarve.
Fig. Vista sobre a cidade de Lisboa.
DISTRIBUIÇÃO DAS CIDADES PORTUGUESAS
A rede urbana nacional caracteriza-se também por uma hierarquia de
dimensão, com os centros urbanos mais populosos situados no litoral.
Pág. 133
Fig. Vista sobre a cidade de Coimbra.
HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS
As cidades têm um papel fundamental na organização do território.
Interagem com a sua área de influência.
Área sobre a qual a cidade exerce a sua ação,
atraindo população e oferecendo bens, serviços
e emprego e que constitui, também, uma área
complementar, pois oferece serviços, bens e
mão de obra à cidade.
Pág. 134
HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS
Uma cidade pode considerar-se um
lugar central – que oferece bens e
serviços a uma área de influência,
tendo capacidade de atrair população
Pág. 134
HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS
PRODUTOS E SERVIÇOS
Fig. Central de alta voltagem.Fig. Comércio numa rua de Coimbra.
 Bens centrais – só podem
ser adquiridos em
determinados locais – lugares
centrais.
Fig. Cafés na Ribeira, Porto.Fig. Corredor de hospital.
 Bens vulgares – de utilização
frequente, presentes em
muitos lugares, sem exigirem
deslocações significativas.
Pág. 134
 Bens dispersos – que são
distribuídos à população,
como a água e a eletricidade.
 Bens raros – de utilização
pouco frequente, presentes
apenas em certos lugares, o
que exige, geralmente,
maiores deslocações.
HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS
 Funções de nível superior – mais raras e especializadas; são
oferecidas por um menor número de centros urbanos, geralmente os
de maior dimensão, que têm maior área de influência.
 Funções de nível inferior – mais frequentes; estão presentes em
grande número de lugares, com menor área de influência.
Pág. 134
A importância de um lugar central e a dimensão da sua área de influência,
DEPENDE:
 dos bens e funções que oferece;
 da sua maior ou menor acessibilidade.
Fig. Universidade de Coimbra.
A REDE URBANA NACIONAL NO CONTEXTO EUROPEU
Fig. Áreas metropolitanas, nos
países europeus.
Alguns países europeus
apresentam sistemas
urbanos policêntricos,
pois a população urbana
distribui-se por várias
aglomerações urbanas.
Pág. 136
Muitos países europeus
apresentam um maior
equilíbrio quanto:
 à dimensão
demográfica;
 à repartição espacial;
 ao nível de bens e
funções que as cidades
oferecem.
Fig. Lisboa.
DESEQUILÍBRIOS A ATENUAR
Fig. Porto.
O sistema urbano nacional apresenta uma clara bipolarização.CONSEQUÊNCIAS
 Fraca capacidade de inserção das economias regionais na
economia nacional.
 Limitação das relações de complementaridade entre os diferentes
centros urbanos e, como tal, do dinamismo económico e social.
 Limitação da competitividade nacional no contexto europeu e
mundial, pela perda de sinergias que uma rede urbana equilibrada
proporciona.
Pág. 137
O desequilíbrio da rede urbana portuguesa evidencia-se:
 na dimensão dos centros urbanos;
 na repartição geográfica;
 no nível de funções.
Fig. Montalegre.
 Potencializem as especificidades regionais.
 Facilitem a coordenação de ações ao nível local.
 Reforcem a complementaridade interurbana.
 Promovam o desenvolvimento de cidades e sistemas urbanos.
DESEQUILÍBRIOS A ATENUAR
POLÍTICAS DE ORDENAMENTO
Pág. 137
Fig. Infraestrutura de transportes, Gare de Oriente.
EFEITOS DA CONCENTRAÇÃO/DISPERSÃO
ECONOMIAS DE AGLOMERAÇÃO
As áreas urbanas atraem as atividades económicas e estas, por sua
vez, contribuem para a expansão das áreas urbanas, pois criam
emprego, atraem população e diversificam as funções e os bens e
serviços disponíveis nessas aglomerações.
ECONOMIAS DE ESCALA
As atividades económicas dos setores secundário e terciário
instalam-se, preferencialmente, nas áreas urbanas desenvolvidas.
 Mão de obra mais numerosa e qualificada.
 Mais e melhores infraestruturas.
 Maior acessibilidade aos mercados nacional e internacional.
Pág. 138
Os problemas resultantes da excessiva aglomeração de população e
atividades refletem-se no aumento dos custos das atividades
económicas e afetam a qualidade de vida da população.
EFEITOS DA CONCENTRAÇÃO/DISPERSÃO
DESECONOMIAS DE AGLOMERAÇÃO
Quando as desvantagens da concentração se tornam superiores às
vantagens, gera-se uma deseconomia de aglomeração – os custos da
concentração passam a ser superiores aos seus benefícios.
Fig. Trânsito urbano.
Pág. 139
REDE URBANA EM PORTUGAL
ATIVIDADE:
1 – Caracterize a rede
urbana em Portugal.
Pág. 131 a 135
Verificar resposta
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Idalina Leite
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano713773
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosIlda Bicacro
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasIlda Bicacro
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano713773
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano713773
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteIlda Bicacro
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionaisPocarolas
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesRaffaella Ergün
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
As caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbanaAs caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbanaIlda Bicacro
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano713773
 
A inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasA inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasIlda Bicacro
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - GeografiaAna Vilardouro
 

Mais procurados (20)

Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanas
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais
 
As caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbanaAs caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbana
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
 
A inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeiasA inserção nas redes transeuropeias
A inserção nas redes transeuropeias
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
 

Semelhante a As características da rede urbana

11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)bruno oliveira
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaIlda Bicacro
 
A reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaA reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaIlda Bicacro
 
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...SusanaP5
 
A reorganização da rede urbana.ppt
A reorganização da rede urbana.pptA reorganização da rede urbana.ppt
A reorganização da rede urbana.pptGinaEspenica1
 
A expansão urbana
A expansão urbanaA expansão urbana
A expansão urbanaIlda Bicacro
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansãoIdalina Leite
 
Apresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 anoApresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 anoMatheus Boniatti
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaCarlamspc
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesIdalina Leite
 
áReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpáReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpGeografias Geo
 
O Processo de Urbanização e a Hierarquia urbana
O Processo de Urbanização e a Hierarquia urbanaO Processo de Urbanização e a Hierarquia urbana
O Processo de Urbanização e a Hierarquia urbanadela28
 
Função Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanasFunção Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanasEduardoTeixeira41324
 
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Idalina Leite
 
PRIVEST - Urbanização - 3º em
PRIVEST - Urbanização - 3º emPRIVEST - Urbanização - 3º em
PRIVEST - Urbanização - 3º emprofrodrigoribeiro
 
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasMaria Adelaide
 

Semelhante a As características da rede urbana (20)

11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbana
 
gA expansão urbana
gA expansão urbanagA expansão urbana
gA expansão urbana
 
A reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaA reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbana
 
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
 
A reorganização da rede urbana.ppt
A reorganização da rede urbana.pptA reorganização da rede urbana.ppt
A reorganização da rede urbana.ppt
 
A expansão urbana
A expansão urbanaA expansão urbana
A expansão urbana
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
Apresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 anoApresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 ano
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humana
 
Fluxos urbanos
Fluxos urbanosFluxos urbanos
Fluxos urbanos
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 
áReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpáReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrp
 
O Processo de Urbanização e a Hierarquia urbana
O Processo de Urbanização e a Hierarquia urbanaO Processo de Urbanização e a Hierarquia urbana
O Processo de Urbanização e a Hierarquia urbana
 
1 Urbano Rural Cidade
1  Urbano Rural Cidade1  Urbano Rural Cidade
1 Urbano Rural Cidade
 
Função Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanasFunção Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanas
 
Espaço urbano
Espaço urbanoEspaço urbano
Espaço urbano
 
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2
 
PRIVEST - Urbanização - 3º em
PRIVEST - Urbanização - 3º emPRIVEST - Urbanização - 3º em
PRIVEST - Urbanização - 3º em
 
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
 

Mais de Ilda Bicacro

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptxProjeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptxIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...Ilda Bicacro
 
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"Ilda Bicacro
 
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptxESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptxIlda Bicacro
 
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! SertãConstrução (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! SertãIlda Bicacro
 
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfunicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfIlda Bicacro
 
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfA nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfIlda Bicacro
 
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...Ilda Bicacro
 
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxEB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxIlda Bicacro
 
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfProjeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfIlda Bicacro
 
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxInterculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxIlda Bicacro
 
Direitos das crianças
Direitos das criançasDireitos das crianças
Direitos das criançasIlda Bicacro
 

Mais de Ilda Bicacro (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptxProjeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
 
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
 
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
 
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
 
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptxESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
 
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! SertãConstrução (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
 
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfunicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
 
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfA nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
 
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
 
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxEB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
 
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfProjeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
 
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxInterculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
 
Direitos das crianças
Direitos das criançasDireitos das crianças
Direitos das crianças
 

Último

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 

As características da rede urbana

  • 2. Fig. Évora, Alentejo. A rede urbana nacional caracteriza-se por um acentuado desequilíbrio, na dimensão demográfica, na repartição espacial e no nível de funções oferecidas pelos centros urbanos. A REDE URBANA PORTUGUESA Uma rede urbana ou sistema urbano corresponde ao conjunto de cidades e suas periferias, de dado território, à escala regional, nacional ou internacional, que estabelecem relações de dependência e complementaridade, geralmente com uma certa ordem hierárquica. Fig. Vista sobre a cidade do Porto. Pág. 131
  • 3. Fig. Vista sobre a cidade de Beja. A REDE URBANA PORTUGUESA Fig. Rede urbana portuguesa segundo a dimensão das suas cidades, em número de habitantes (2011). A rede urbana portuguesa apresenta um grande desequilíbrio. Pág. 131 Uma rede urbana caracteriza-se:  distribuição espacial das cidades;  dimensão (número de habitantes);  importância quanto às funções que oferece.
  • 4. DISTRIBUIÇÃO DAS CIDADES PORTUGUESAS No interior e no litoral ocidental do Alentejo, existem cidades em menor número e apresentam menos habitantes. Fig. A rede urbana portuguesa – repartição espacial e dimensão demográfica das cidades de Portugal Continental (2011). Pág. 132 Em Portugal Continental, as cidades distribuem-se de forma irregular, sendo clara uma concentração:  em torno de Lisboa e do Porto;  no litoral ocidental entre estas duas cidades;  no litoral do Algarve.
  • 5. Fig. Vista sobre a cidade de Lisboa. DISTRIBUIÇÃO DAS CIDADES PORTUGUESAS A rede urbana nacional caracteriza-se também por uma hierarquia de dimensão, com os centros urbanos mais populosos situados no litoral. Pág. 133
  • 6. Fig. Vista sobre a cidade de Coimbra. HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS As cidades têm um papel fundamental na organização do território. Interagem com a sua área de influência. Área sobre a qual a cidade exerce a sua ação, atraindo população e oferecendo bens, serviços e emprego e que constitui, também, uma área complementar, pois oferece serviços, bens e mão de obra à cidade. Pág. 134
  • 7. HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS Uma cidade pode considerar-se um lugar central – que oferece bens e serviços a uma área de influência, tendo capacidade de atrair população Pág. 134
  • 8. HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS PRODUTOS E SERVIÇOS Fig. Central de alta voltagem.Fig. Comércio numa rua de Coimbra.  Bens centrais – só podem ser adquiridos em determinados locais – lugares centrais. Fig. Cafés na Ribeira, Porto.Fig. Corredor de hospital.  Bens vulgares – de utilização frequente, presentes em muitos lugares, sem exigirem deslocações significativas. Pág. 134  Bens dispersos – que são distribuídos à população, como a água e a eletricidade.  Bens raros – de utilização pouco frequente, presentes apenas em certos lugares, o que exige, geralmente, maiores deslocações.
  • 9. HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS  Funções de nível superior – mais raras e especializadas; são oferecidas por um menor número de centros urbanos, geralmente os de maior dimensão, que têm maior área de influência.  Funções de nível inferior – mais frequentes; estão presentes em grande número de lugares, com menor área de influência. Pág. 134 A importância de um lugar central e a dimensão da sua área de influência, DEPENDE:  dos bens e funções que oferece;  da sua maior ou menor acessibilidade. Fig. Universidade de Coimbra.
  • 10. A REDE URBANA NACIONAL NO CONTEXTO EUROPEU Fig. Áreas metropolitanas, nos países europeus. Alguns países europeus apresentam sistemas urbanos policêntricos, pois a população urbana distribui-se por várias aglomerações urbanas. Pág. 136 Muitos países europeus apresentam um maior equilíbrio quanto:  à dimensão demográfica;  à repartição espacial;  ao nível de bens e funções que as cidades oferecem.
  • 11. Fig. Lisboa. DESEQUILÍBRIOS A ATENUAR Fig. Porto. O sistema urbano nacional apresenta uma clara bipolarização.CONSEQUÊNCIAS  Fraca capacidade de inserção das economias regionais na economia nacional.  Limitação das relações de complementaridade entre os diferentes centros urbanos e, como tal, do dinamismo económico e social.  Limitação da competitividade nacional no contexto europeu e mundial, pela perda de sinergias que uma rede urbana equilibrada proporciona. Pág. 137 O desequilíbrio da rede urbana portuguesa evidencia-se:  na dimensão dos centros urbanos;  na repartição geográfica;  no nível de funções.
  • 12. Fig. Montalegre.  Potencializem as especificidades regionais.  Facilitem a coordenação de ações ao nível local.  Reforcem a complementaridade interurbana.  Promovam o desenvolvimento de cidades e sistemas urbanos. DESEQUILÍBRIOS A ATENUAR POLÍTICAS DE ORDENAMENTO Pág. 137
  • 13. Fig. Infraestrutura de transportes, Gare de Oriente. EFEITOS DA CONCENTRAÇÃO/DISPERSÃO ECONOMIAS DE AGLOMERAÇÃO As áreas urbanas atraem as atividades económicas e estas, por sua vez, contribuem para a expansão das áreas urbanas, pois criam emprego, atraem população e diversificam as funções e os bens e serviços disponíveis nessas aglomerações. ECONOMIAS DE ESCALA As atividades económicas dos setores secundário e terciário instalam-se, preferencialmente, nas áreas urbanas desenvolvidas.  Mão de obra mais numerosa e qualificada.  Mais e melhores infraestruturas.  Maior acessibilidade aos mercados nacional e internacional. Pág. 138
  • 14. Os problemas resultantes da excessiva aglomeração de população e atividades refletem-se no aumento dos custos das atividades económicas e afetam a qualidade de vida da população. EFEITOS DA CONCENTRAÇÃO/DISPERSÃO DESECONOMIAS DE AGLOMERAÇÃO Quando as desvantagens da concentração se tornam superiores às vantagens, gera-se uma deseconomia de aglomeração – os custos da concentração passam a ser superiores aos seus benefícios. Fig. Trânsito urbano. Pág. 139
  • 15. REDE URBANA EM PORTUGAL ATIVIDADE: 1 – Caracterize a rede urbana em Portugal. Pág. 131 a 135 Verificar resposta