As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano

2.507 visualizações

Publicada em

As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano

  1. 1. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura e sustentável Coesão nacional De Portos De Energia
  2. 2. b) A ampliação, o equipamento e o estabelecimento de ligações aos portos nacionais; Desde 1989, Portugal assinalou inúmeros investimentos no sistema de transportes nacional. Estes investimentos abrangeram por exemplo: a) A extensão, renovação e a modernização das redes de transporte terrestre (rodoviária e ferroviária); MELHORAMENTOS NA REDE DE TRANSPORTES NACIONAL PONTE SOBRE O RIO DOURO c) A ampliação e melhoria das condições de serviço nos aeroportos do país (incluindo os das regiões autónomas); d) O fecho das malhas rodoviárias nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.
  3. 3. Os objetivos da Política de Transportes foram definidos a partir de quatro grandes desafios identificados no Programa Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (PNDES), para o período 2000-2006: Integração internacional do País, em particular no espaço europeu e ibérico e integração da economia nos processos de globalização; Reforço do sistema urbano nacional e da sua capacidade atrativa e competitiva; Reforço da coesão e solidariedade internas; Aposta prioritária na logística. POLÍTICA NACIONAL DE TRANSPORTES
  4. 4. I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL Em 2012, a Rede Rodoviária Nacional tinha uma extensão de 14 284 km, dos quais: 2340 km eram itinerários principais; 1864 km eram itinerários complementares. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  5. 5. I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL A repartição da rede rodoviária nacional, no continente, caracteriza-se pela: Maior densidade no litoral face ao interior (Porto, Braga e Lisboa apresentam a maior densidade de rede); Maior extensão da rede fundamental, no litoral. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  6. 6. Nos arquipélagos, a necessidade de aproximar os principais aglomerados de cada ilha tem estado presente através do desenvolvimento da respetiva rede rodoviária. I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  7. 7. Rede rodoviária nacional de Portugal Continental, 1999-2012 Extensão da rede rodoviária nacional I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES Em 2012 a Rede Rodoviária Nacional tinha uma extensão de 14 284 quilómetros, dos quais: • 2340 km eram itinerários principais; • 1864 km eram itinerários complementares.
  8. 8. A Rede Nacional rodoviária é constituída por duas categorias de estradas, que integram a: Rede Nacional Fundamental (os Itinerários Principais, IP); Rede Nacional Complementar (os itinerários complementares (IC), e as estradas nacionais (EN), que no Plano Rodoviário Nacional 2000, passaram a designar-se de Estradas Regionais (ER). I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  9. 9. Portugal tem operado enormes melhorias na rede rodoviária, sobretudo desde a entrada na atual União Europeia: • Aumento da qualidade das já existentes (aumento da largura, melhoria do piso, eliminação das curvas e redução dos declives; • Aumento da sua extensão, resultante da construção de novos troços de estradas, mais largos e de piso regular, que se estenderam de norte para sul. As autoestradas têm um papel muito importante no encurtamento do País, tendo, no Plano Rodoviário Nacional 2000 uma extensão de 3000 km. PONTE SOBRE O GUADIANA I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  10. 10. Densidade da rede rodoviária (km de estradas por 1000 km2 ) I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  11. 11. No litoral, Porto, Braga e Lisboa registam os maiores índices de densidade da rede rodoviária, (respetivamente, 384,2 km, 324,1 km e 300,7 km de rede rodoviária por cada 1000 km2 de superfície); No interior, Beja e Castelo Branco, apresentaram os valores mais baixos de densidade da rede rodoviária, (94,6 km e 106,9 km, respetivamente). A rede de estradas é mais longa e densa no litoral. Contudo, em termos regionais assistimos: I – REDE RODOVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  12. 12. Rede ferroviária nacional de Portugal Continental, 1990-2012 II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  13. 13. Rede ferroviária de Portugal Continental, 2012 A Rede Ferroviária Nacional tem sofrido melhorias ao nível de: • Comodidade; • Segurança; • Rapidez; • Extensão; • Ambiental (redução da poluição). II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  14. 14. Assim, os progressos verificados nos últimos anos passaram, por exemplo: a) Pela renovação integral da via nos principais itinerários, (ligações suburbanas na AML e AMP, e nas ligações interurbanas ao longo do eixo litoral; b) Por novas composições no serviço suburbano de Lisboa e do Porto; Rede ferroviária de Portugal Continental, 2012 II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES c) Pelo serviço “Alfa-Pendular” na ligação Lisboa-Braga; d) Pela adaptação da Ponte 25 de Abril ao comboio;
  15. 15. Assim, os progressos verificados nos últimos anos passaram, por exemplo: e) Pela implementação de novos sistemas de sinalização e telecomunicações de controlo automático de velocidade; f) Pela eliminação de passagens de nível; Rede ferroviária de Portugal Continental, 2012 II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES g) Pela eletrificação de novos troços; h) Pela modernização de estações.
  16. 16. Contudo, a qualidade da rede ferroviária nacional ainda está afastada dos padrões comunitários, com destaque, por exemplo, para: • A existência de condicionalismos naturais: relevo acidentado com declives acentuados; • A reduzida percentagem de vias duplas; • O elevado número de passagens de nível e de estações; • A eletrificação ainda insuficiente; • O material circulante ser ainda relativamente envelhecido; • O sistema de controlo de circulação ser, em alguns troços, antiquado e manual; • As velocidades de circulação serem, na maior parte dos itinerários, baixas; • A necessidade de transbordos, dado que em algumas áreas as estações estão afastadas do local de destino dos passageiros; • A não existência de comboio de alta velocidade. II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  17. 17. Racionalização da Rede Ferroviária Nacional Apesar de ser competitivo face à rodovia à escala urbana e suburbana, a rede ferroviária nacional enfrenta ainda problemas que se caracterizam: Pela falta de competitividade a nível europeu e face ao transporte rodoviário, sobretudo o individual; Pelo decréscimo da procura no interior do país. II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  18. 18. Redes nacionais A rede ferroviária de alta velocidade apresenta-se como vital, pois permite: a) O estabelecimento de ligações mais rápidas entre as principais cidades nacionais e destas com Espanha, França e o resto da Europa; b) A construção de uma nova centralidade de transportes no norte do país; II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  19. 19. Redes nacionais A rede ferroviária de alta velocidade apresenta-se como vital, pois permite: c) A promoção, no espaço nacional, da interoperabilidade do sistema ferroviário do sistema transeuropeu de alta velocidade e a utilização dos portos nacionais como “porta de entrada” na Península Ibérica; d) A diminuição os custos ambientais dos transportes. II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  20. 20. O maior movimento portuário regista-se nos Portos de... Leixões Lisboa Sines II – REDE FERROVIÁRIA NACIONAL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES Principais Portos Marítimos de Portugal, 2012
  21. 21. Movimento global de mercadorias nos portos comerciais do continente, 2013 Tipo de mercadoria movimentada nos portos comerciais do continente, 2013 III – REDE NACIONAL DE PORTOS DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  22. 22. Nos Granéis Líquidos: O petróleo bruto é movimentado exclusivamente em Sines e Douro e Leixões para as respetivas refinarias; Os produtos petrolíferos são movimentados em quase todos os portos mas com origem naqueles dois portos. Predominam em Lisboa, Setúbal, Sines e Leixões. Movimento de mercadorias por porto, 2013 III – REDE NACIONAL DE PORTOS (as mercadorias…) DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  23. 23. A carga geral: Traduz um elevado grau de contentorização; Leixões, Lisboa, Sines e Setúbal são os portos com maior quota de Carga Geral. Movimento de mercadorias por porto, 2013 III – REDE NACIONAL DE PORTOS (as mercadorias…) DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  24. 24. O transporte de passageiros por via fluvial tem uma maior expressividade no rio Tejo, com a ligação fluvial entre a margem norte e a margem sul... Os Portos de Lisboa e Funchal tem registado ultimamente um crescimento a nível de navios cruzeiros... III – REDE NACIONAL DE PORTOS (os passageiros…) DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES Movimento de passageiros por carreira, 2011 e 2012
  25. 25. REDE NACIONAL DE AEROPORTOS Em Portugal, na rede de aeroportos nacionais, destacam-se: Lisboa Porto Faro Funchal Ponta Delgada IV – REDE NACIONAL DE AEROPORTOS DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  26. 26. TRÁFEGO AÉREO NOS PRINCIPAIS AEROPORTOS NACIONAIS, 2012 IV – REDE NACIONAL DE AEROPORTOS DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  27. 27. O aeroporto nacional mais importante é o da Portela de Sacavém, em Lisboa. A sua importância resulta de: Se localizar na capital do País; Ter uma grande área de influência, pois está inserido na região de maior concentração populacional e de riqueza nacional; Deter ligações diretas com importantes destinos europeus e de constituir um pequeno hub, importante para as ligações com os arquipélagos, os PALOP e com o Brasil. IV – REDE NACIONAL DE AEROPORTOS DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  28. 28. TRÁFEGO AÉREO NOS PRINCIPAIS AEROPORTOS NACIONAIS, 2012 O crescimento do tráfego de passageiros nacionais está também associado ao surgimento das companhias Low Cost, ou seja, de baixo custo... IV – REDE NACIONAL DE AEROPORTOS DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  29. 29. Em Portugal a rede de distribuição de energia está dependente dos locais de origem, de consumo e do tipo de energia transportada. A distribuição de gás natural e de derivados de petróleo é feita a partir do local de entrada no território nacional, dado que são importados. TRANSPORTE NACIONAL DE MERCADORIAS NO OLEODUTO MULTIPRODUTO DE SINES-AVEIRAS, EM 2011 E 2012 V – REDE NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  30. 30. Os dois principais portos comerciais que movimentam os recursos energéticos são o de Sines e o de Leixões: O petróleo chega de barco até aos terminais petroquímicos dos portos de Sines e de Leixões. A partir daí é distribuído, por oleodutos, para as refinarias petrolíferas de Sines e de Leça da Palmeira, onde é transformado. O gás natural entra em Portugal, por via: – terrestre, através do gasoduto do Magrebe; – marítima, a partir dos navios metaneiros, que o transportam até ao terminal de gás natural liquefeito (GNL) do porto de Sines, onde é canalizado para uma central de regaseificação e posteriormente transportado para os centros de distribuição por gasodutos. V – REDE NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES
  31. 31. TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL NA PENÍNSULA IBÉRICA V – REDE NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTES

×