SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
ÁREAS RURAIS
Geografia
11ºC
2016/2017
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Factores condicionantes da heterogeneidade espacial das
estruturas agrárias
Factores humanos
Noroeste:
• Elevada densidade populacional.
• A grande divisão das propriedades - minifúndio
• Devido:
 Pressão demográfica, com uma taxa de natalidade elevada, o
que levou à partilha das terras por herança
Sul
• Conquistado mais tarde e povoado de modo diferente
• Apresenta explorações de grande extensão - latifúndio
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Factores condicionantes da heterogeneidade espacial das
estruturas agrárias
Factores humanos
As diferenças na DENSIDADE POPULACIONAL levam a evoluções
diferenciadas que podem modificar as estruturas agrárias, a forte
pressão demográfica pode levar:
• aumento da superfície cultivada;
• parcelamento das propriedades;
• intensificação do cultivo;
• especialização dos sistemas agrícolas.
Por outro lado, as estruturas agrárias podem condicionar a a
evolução da população.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Factores condicionantes da heterogeneidade espacial das
estruturas agrárias
Factores humanos
Além disso, o despovoamento rural leva também a alterações das
actividades tradicionais (agrícolas ou outras) destas áreas:
• o abandono dos campos;
• o desaparecimento de certas funções não agrícolas;
• ausência de limpeza das florestas.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
• Dimensão da propriedade
• Formas de exploração
• Formas de utilização da SAU
• Características do sistema agrário das diferentes regiões agrárias
• Formas de escoamento dos produtos agrícolas
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Dimensão da propriedade
A dimensão das propriedades
condiciona muito o tipo de
agricultura que se pode praticar.
O espaço agrícola português
apresenta uma grande
irregularidade no tamanho das
propriedades. Não é homogénea a
maneira como as explorações se
distribuem por classes da SAU
(Superfície Agrícola Utilizada).
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Dimensão da propriedade
• o microfúndio (< 2 ha) está
generalizado na Madeira;
• o minifúndio (2 a 4,9 ha) é mais
frequente no Litoral Norte e Centro
(regiões de Entre Douro e Minho e da
Beira Litoral);
• as propriedades de média
dimensão (5 a 10 ha) predominam
em Trás-os-Montes, Beira Interior,
Ribatejo e Oeste, Algarve e Açores;
• os latifúndios (> 50 ha) só têm
alguma expressão no Alentejo.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de exploração
Forma de exploração
Relação jurídica entre o
proprietário da
exploração e o
produtor.
Por conta própria
O produtor é o proprietário da exploração;
Por arrendamento
O produtor utiliza terra alheia mediante um contrato, segundo o qual
paga uma renda ao proprietário da terra.
Cooperativa
É um tipo de empresa agrícola que reúne um conjunto de associados,
procurando encontrar soluções para parte dos problemas dos
agricultores.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de exploração
Desvantagens das diferentes formas de exploração:
POR CONTA PRÓPRIA
Vantagens: o agricultor não tem os custos de arrendamento
Desvantagem: falta de meios técnicos e financeiros para a prática
de uma agricultura moderna.
POR ARRENDAMENTO
Vantagem: menos riscos para o proprietário
Desvantagens: Dificuldades em estabelecer uma renda justa
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de exploração
Portugal:
• Predomina a forma de exploração “Por
conta própria”.
• A forma de exploração arrendamento
apenas adquire maior expressão no
Alentejo.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de utilização da SAU
A Superfície Agrícola Utilizada - SAU - é constituída pelas áreas de
exploração que incluem:
• Culturas temporárias - aquelas cujo ciclo vegetativo não excede
um ano e as que são ressemeadas com intervalos máximos de
cinco anos (cereais, horticultura, etc.);
• Culturas permanentes - culturas que ocupam a terra por longos
períodos de tempo e fornecem repetidas colheitas (viticultura,
olivicultura, fruticultura);
• Pastagens permanentes - conjunto de plantas herbáceas,
espontâneas ou semeadas, destinadas a serem comidas pelo gado
no próprio local onde crescem.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de utilização da SAU
A utilização da SAU apresenta
diferenças consideráveis entre as
três regiões consideradas:
• Em Portugal Continental, são os
cereais (11%) que ocupam maior
área mas, se reunirmos as
superfícies utilizadas nas culturas
permanentes, incluindo a viticultura,
a fruticultura e a olivicultura, estas
ocupam uma área superior;
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de utilização da SAU
A utilização da SAU apresenta
diferenças consideráveis entre as
três regiões consideradas:
• Nos Açores, é a criação de gado em
pastagens que predomina
largamente (82%), não tendo
qualquer relevância as outras
práticas agrícolas;
• Na Madeira, a superfície agrícola é
utilizada para a policultura (36%),
seguindo-se a fruticultura (17%) e a
viticultura(12%).
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Região agrária - Divisão territorial com características agrícolas
afins, utilizável em planeamento e em estatística.
O território nacional está dividido em nove regiões agrárias que
apresentam sistemas agrários diferenciados:
• Entre Douro e Minho
• Trás-os-Montes
• Beira Litoral
• Beira Interior
• Ribatejo e Oeste
• Alentejo
• Algarve
• Açores
• Madeira
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Regime de produção
Forma como se produz os produtos agrícolas, podendo ser de dois
tipos: extensivo ou intensivo
Agricultura intensiva (regime intensivo)
Forma de agricultura em que o solo está permanentemente
ocupado com diversas culturas (policultura) e/ou prados e onde a
produtividade é elevada.
Agricultura extensiva (regime extensivo)
Forma de agricultura onde se pratica o afolhamento com pousio.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Sistema de cultivo
Policultura
Cultura de mais do que uma espécie vegetal, na mesma parcela
agrícola
Monocultura
Cultivo de uma só espécie vegetal numa parcela agrícola.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Entre Douro e Minho
• A agricultura intensiva
• Propriedades de dimensão média que pouco ultrapassa os 3 ha.
• Predomínio das culturas temporárias, os cereais, e em particular o
milho
• A vinha é a cultura permanente que se destaca
• A pecuária é dominada pela criação de gado bovino.
• Predominam as explorações por conta própria;
• O arrendamento é a forma menos usada.
• Das explorações por arrendamento.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Trás-os-Montes
• A agricultura extensiva é frequente
• Propriedades com uma dimensão média de 6,6 ha.
• Os cereais são a cultura temporária mais importante, com realce para
o centeio. A batata cultiva-se na grande maioria das explorações, mas
ocupa uma área não muito grande.
• As explorações com culturas permanentes são bastante numerosas e
ocupam uma área um pouco superior à das culturas temporárias.
Salientam-se o olival, a vinha e os soutos (castanheiros).
• Predomina a criação de suínos e bovinos.
• As explorações por conta própria são em número sensivelmente igual
ao das explorações por arrendamento.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Beira Litoral
• Predomínio da agricultura intensiva tradicional
• Propriedades muito pequenas (em média têm pouco mais de 2 ha)
• O milho é a cultura predominante.
• O olival e a vinha são as principais culturas permanentes.
•Cria-se gado suíno, ovino e bovino.
• Predomínio da exploração por conta própria.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Beira Interior
• A dimensão média das propriedades é pouco superior a oito
hectares
• Pratica-se, geralmente, uma agricultura extensiva.
• O milho e o centeio são as culturas temporárias mais cultivadas.
• As culturas industriais (tabaco e girassol) têm aqui alguma
expressão.
• Os ovinos são predominantes, seguindo-se os caprinos e os suínos.
• A forma de exploração mais comum é por conta própria.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Ribatejo e Oeste
• A agricultura intensiva é a mais praticado
•As culturas temporárias ocupam cerca de 1/3 da SAU e do número
de explorações. O milho e o arroz são os cereais mais cultivados,
assim como a batata e as culturas hortícolas.
• Existem alguns prados permanentes
• A colza é a cultura industrial mais importante
• A batata é cultivada em número de explorações semelhante ao dos
cereais, mas ocupa uma área muito menor
• Os suínos são predominantes na criação de gado
• A forma de exploração por conta própria predomina.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Alentejo
• Predominam as grandes propriedades (latifúndios)
• Pratica-se maioritariamente a agricultura extensiva.
• Os cereais, principalmente o trigo, predominam em relação à
culturas temporárias. O arroz também tem alguma expressão.
• As culturas permanentes são mais abundantes do que as
temporárias.
• Existem culturas industriais, destacando-se de entre elas o girassol.
• Predominam os ovinos, seguidos dos suínos e os bovinos.
• A exploração por conta própria é predominante, mas também é
utilizada a forma de arrendamento.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Algarve
• Predomina a agricultura intensiva, mas no interior pratica-se uma
agricultura de tipo extensivo.
• Propriedades de pequena dimensão e maioritariamente por conta
própria.
• As culturas permanentes ocupam uma área bastante superior à
das culturas temporárias. Destas, salientam-se as culturas hortícolas
e, nas permanentes, os frutos secos e os citrinos.
•Na criação de gado, destacam-se igualmente o ovino e o suíno.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Açores
• As propriedades são de pouco mais de 6 ha.
• Predomina a exploração por conta própria ocupando, no entanto,
menor área que as de arrendamento.
• O trigo e o milho são as principais culturas temporárias. As
pastagens são numerosas em todo o arquipélago.
• As culturas permanentes ocupam uma área muito pequena.
• Como cultura industrial surgem o tabaco e o chá.
• O gado bovino, que é criado ao ar livre, é largamente maioritário
nesta região.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias
Madeira
• É generalizada a existência de microfúndios onde a dimensão média
das explorações é de apenas 0,4 hectares.
• O número de explorações e a área ocupada são sensivelmente iguais,
quer nas culturas temporárias, quer nas permanentes.
• A horticultura e a floricultura são importantes dentro das culturas
temporárias.
• A vinha e as frutas subtropicais são as mais representativas dentro
das culturas permanentes.
• A suinicultura, seguida de longe pelos caprinos, constitui a maior
parte da criação de gado.
• A grande maioria das propriedades é gerida por conta própria, sendo
o arrendamento pouco usual.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de escoamento dos produtos agrícolas
As formas de escoamento variam entre:
• venda directa
• venda por intermediário
• venda a cooperativas ou outras associações
• venda para a indústria.
A venda directa
É mais comum para os produtos hortícolas e é feita tanto na própria
exploração, como à beira da estrada, em feiras ou mercados. É a
forma de escoamento mais frequente nas explorações de pequenas
dimensões e geridas por conta própria.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de escoamento dos produtos agrícolas
As formas de escoamento variam entre:
A venda por intermediário
É realizada, em geral, pelas explorações de média dimensão que, na
maioria, também são exploradas por conta própria.
A venda a cooperativas ou a outras associações
É praticada pelas explorações de média ou grande dimensão, pelo
que pressupõe uma produção de maior quantidade.
A venda para a indústria
Tem uma expressão relativamente pequena no conjunto das formas
de escoamento, com excepção dos produtos hortícolas que, em
grande parte, são escoados deste modo.
ÁREAS RURAIS
Espaço rural
Problemas estruturais
Formas de escoamento dos produtos agrícolas
Outros problemas associados ao escoamento dos produtos:
• A falta de agressividade face ao mercado, ao baixo nível de
formação de muitos agricultores, pelas características sociais da
população agrícola e por insuficiências técnico-financeiras.
• Afastamento das propriedades agrícolas dos principais eixos de
circulação.
• O transporte e o armazenamento deficientes o que leva à perde da
qualidade dos produtos.
• Armazenamento é insuficiente nos anos de grandes colheitas.
• Predominância dos minifúndios que dificulta também a
comercialização dos produtos deste sector.
Setembro de 2016
Ilda Bicacro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

eografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanaseografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanasbruno oliveira
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícolaMaria Adelaide
 
1.agricultura 1 conceitos_2010-2011
1.agricultura 1 conceitos_2010-20111.agricultura 1 conceitos_2010-2011
1.agricultura 1 conceitos_2010-2011Helena Saraiva
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumMaria Adelaide
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Maria Inês Jorge
 
Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Idalina Leite
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano713773
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesIdalina Leite
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaOxana Marian
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatóriaIlda Bicacro
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
A saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasA saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasRicardoFilipe95
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
O mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatoresO mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatoresCacilda Basto
 

Mais procurados (20)

Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
 
eografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanaseografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanas
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
1.agricultura 1 conceitos_2010-2011
1.agricultura 1 conceitos_2010-20111.agricultura 1 conceitos_2010-2011
1.agricultura 1 conceitos_2010-2011
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)Agricultura 11º ano (exceto PAC)
Agricultura 11º ano (exceto PAC)
 
Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
A saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasA saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturas
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
O mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatoresO mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatores
 

Destaque (14)

Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Fragilidades dos sistemas agrários
Fragilidades dos sistemas agráriosFragilidades dos sistemas agrários
Fragilidades dos sistemas agrários
 
Região do Algarve
Região do AlgarveRegião do Algarve
Região do Algarve
 
Algarve
AlgarveAlgarve
Algarve
 
Algarve
AlgarveAlgarve
Algarve
 
O Algarve
O Algarve O Algarve
O Algarve
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio natural
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
Algarve
AlgarveAlgarve
Algarve
 
Política Agrícola Comum 2014 2020
Política Agrícola Comum 2014 2020Política Agrícola Comum 2014 2020
Política Agrícola Comum 2014 2020
 
Turismo Sustentável
Turismo SustentávelTurismo Sustentável
Turismo Sustentável
 
Pac
PacPac
Pac
 
Pac
PacPac
Pac
 
Tipos de agricultura no mundo
Tipos de agricultura no mundoTipos de agricultura no mundo
Tipos de agricultura no mundo
 

Semelhante a Áreas rurais: fatores e problemas

C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfC - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfDomingosSantos40
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosIlda Bicacro
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfalessandraleal20
 
3ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe23ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe2takahico
 
3 r agrária alentejo
3   r agrária alentejo3   r agrária alentejo
3 r agrária alentejoPelo Siro
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaDébora Sales
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaDébora Sales
 
Produção de alimentos x fome
Produção de alimentos x fomeProdução de alimentos x fome
Produção de alimentos x fomeEdenilson Morais
 
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)Joana Filipa Rodrigues
 
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01Joel Loureiro
 
3ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe23ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe2takahico
 
A - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdfA - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdfDomingosSantos40
 
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp021 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02Gonçalo Simões
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanizaçãoalcidessf
 
O mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalO mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalCacilda Basto
 

Semelhante a Áreas rurais: fatores e problemas (20)

A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
 
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdfC - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
C - Que características apresentam as áreas rurais em Portugal.pdf
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
 
3ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe23ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe2
 
3 r agrária alentejo
3   r agrária alentejo3   r agrária alentejo
3 r agrária alentejo
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuaria
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuaria
 
Produção de alimentos x fome
Produção de alimentos x fomeProdução de alimentos x fome
Produção de alimentos x fome
 
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)
 
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
 
3ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe23ano 2bi geografia_pe2
3ano 2bi geografia_pe2
 
A - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdfA - O que são áreas rurais.pdf
A - O que são áreas rurais.pdf
 
Biomas do Brasil.pptx
Biomas do Brasil.pptxBiomas do Brasil.pptx
Biomas do Brasil.pptx
 
Biomas do Brasil.pptx
Biomas do Brasil.pptxBiomas do Brasil.pptx
Biomas do Brasil.pptx
 
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp021 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
O mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalO mundo rural em portugal
O mundo rural em portugal
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 

Mais de Ilda Bicacro

unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfunicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfIlda Bicacro
 
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfA nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfIlda Bicacro
 
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...Ilda Bicacro
 
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxEB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxIlda Bicacro
 
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfProjeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfIlda Bicacro
 
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxInterculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxIlda Bicacro
 
Direitos das crianças
Direitos das criançasDireitos das crianças
Direitos das criançasIlda Bicacro
 
ESS_Trocas e Baldrocas.pdf
ESS_Trocas e Baldrocas.pdfESS_Trocas e Baldrocas.pdf
ESS_Trocas e Baldrocas.pdfIlda Bicacro
 
Cernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdf
Cernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdfCernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdf
Cernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdfIlda Bicacro
 
Respeita a diferenca.pdf
Respeita a diferenca.pdfRespeita a diferenca.pdf
Respeita a diferenca.pdfIlda Bicacro
 
ESS_EspacosExterioresESS.pdf
ESS_EspacosExterioresESS.pdfESS_EspacosExterioresESS.pdf
ESS_EspacosExterioresESS.pdfIlda Bicacro
 
ESS_Dar vida as Ribeiras .pptx
ESS_Dar vida as Ribeiras .pptxESS_Dar vida as Ribeiras .pptx
ESS_Dar vida as Ribeiras .pptxIlda Bicacro
 
ESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptxESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptxIlda Bicacro
 
ESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptxESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptxIlda Bicacro
 
ESS_Org Transito Serta.pptx
ESS_Org Transito Serta.pptxESS_Org Transito Serta.pptx
ESS_Org Transito Serta.pptxIlda Bicacro
 
ESS_Campismo Caravanismo.pptx
ESS_Campismo Caravanismo.pptxESS_Campismo Caravanismo.pptx
ESS_Campismo Caravanismo.pptxIlda Bicacro
 
AES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdf
AES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdfAES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdf
AES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdfIlda Bicacro
 
AES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdf
AES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdfAES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdf
AES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdfIlda Bicacro
 
ESS_Mudar De...A Vida.pdf
ESS_Mudar De...A Vida.pdfESS_Mudar De...A Vida.pdf
ESS_Mudar De...A Vida.pdfIlda Bicacro
 

Mais de Ilda Bicacro (20)

unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfunicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
 
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfA nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
 
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
 
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxEB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
 
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfProjeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
 
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxInterculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
 
Direitos das crianças
Direitos das criançasDireitos das crianças
Direitos das crianças
 
ESS_Trocas e Baldrocas.pdf
ESS_Trocas e Baldrocas.pdfESS_Trocas e Baldrocas.pdf
ESS_Trocas e Baldrocas.pdf
 
Cernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdf
Cernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdfCernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdf
Cernache do Bonjardim em (re)construcao NP 2022.pdf
 
Respeita a diferenca.pdf
Respeita a diferenca.pdfRespeita a diferenca.pdf
Respeita a diferenca.pdf
 
Pos Sec Serta.pdf
Pos Sec Serta.pdfPos Sec Serta.pdf
Pos Sec Serta.pdf
 
ESS_EspacosExterioresESS.pdf
ESS_EspacosExterioresESS.pdfESS_EspacosExterioresESS.pdf
ESS_EspacosExterioresESS.pdf
 
ESS_Dar vida as Ribeiras .pptx
ESS_Dar vida as Ribeiras .pptxESS_Dar vida as Ribeiras .pptx
ESS_Dar vida as Ribeiras .pptx
 
ESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptxESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptx
 
ESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptxESS_multiculturalidade.pptx
ESS_multiculturalidade.pptx
 
ESS_Org Transito Serta.pptx
ESS_Org Transito Serta.pptxESS_Org Transito Serta.pptx
ESS_Org Transito Serta.pptx
 
ESS_Campismo Caravanismo.pptx
ESS_Campismo Caravanismo.pptxESS_Campismo Caravanismo.pptx
ESS_Campismo Caravanismo.pptx
 
AES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdf
AES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdfAES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdf
AES_ BARCOS-SUSTENTÁVEIS-DA-SERTA-5C-21-22.pdf
 
AES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdf
AES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdfAES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdf
AES_ Uso Excessivo Tecnologia.pdf
 
ESS_Mudar De...A Vida.pdf
ESS_Mudar De...A Vida.pdfESS_Mudar De...A Vida.pdf
ESS_Mudar De...A Vida.pdf
 

Último

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

Áreas rurais: fatores e problemas

  • 2. ÁREAS RURAIS Espaço rural Factores condicionantes da heterogeneidade espacial das estruturas agrárias Factores humanos Noroeste: • Elevada densidade populacional. • A grande divisão das propriedades - minifúndio • Devido:  Pressão demográfica, com uma taxa de natalidade elevada, o que levou à partilha das terras por herança Sul • Conquistado mais tarde e povoado de modo diferente • Apresenta explorações de grande extensão - latifúndio
  • 3. ÁREAS RURAIS Espaço rural Factores condicionantes da heterogeneidade espacial das estruturas agrárias Factores humanos As diferenças na DENSIDADE POPULACIONAL levam a evoluções diferenciadas que podem modificar as estruturas agrárias, a forte pressão demográfica pode levar: • aumento da superfície cultivada; • parcelamento das propriedades; • intensificação do cultivo; • especialização dos sistemas agrícolas. Por outro lado, as estruturas agrárias podem condicionar a a evolução da população.
  • 4. ÁREAS RURAIS Espaço rural Factores condicionantes da heterogeneidade espacial das estruturas agrárias Factores humanos Além disso, o despovoamento rural leva também a alterações das actividades tradicionais (agrícolas ou outras) destas áreas: • o abandono dos campos; • o desaparecimento de certas funções não agrícolas; • ausência de limpeza das florestas.
  • 5. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais • Dimensão da propriedade • Formas de exploração • Formas de utilização da SAU • Características do sistema agrário das diferentes regiões agrárias • Formas de escoamento dos produtos agrícolas
  • 6. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Dimensão da propriedade A dimensão das propriedades condiciona muito o tipo de agricultura que se pode praticar. O espaço agrícola português apresenta uma grande irregularidade no tamanho das propriedades. Não é homogénea a maneira como as explorações se distribuem por classes da SAU (Superfície Agrícola Utilizada).
  • 7. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Dimensão da propriedade • o microfúndio (< 2 ha) está generalizado na Madeira; • o minifúndio (2 a 4,9 ha) é mais frequente no Litoral Norte e Centro (regiões de Entre Douro e Minho e da Beira Litoral); • as propriedades de média dimensão (5 a 10 ha) predominam em Trás-os-Montes, Beira Interior, Ribatejo e Oeste, Algarve e Açores; • os latifúndios (> 50 ha) só têm alguma expressão no Alentejo.
  • 8. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de exploração Forma de exploração Relação jurídica entre o proprietário da exploração e o produtor. Por conta própria O produtor é o proprietário da exploração; Por arrendamento O produtor utiliza terra alheia mediante um contrato, segundo o qual paga uma renda ao proprietário da terra. Cooperativa É um tipo de empresa agrícola que reúne um conjunto de associados, procurando encontrar soluções para parte dos problemas dos agricultores.
  • 9. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de exploração Desvantagens das diferentes formas de exploração: POR CONTA PRÓPRIA Vantagens: o agricultor não tem os custos de arrendamento Desvantagem: falta de meios técnicos e financeiros para a prática de uma agricultura moderna. POR ARRENDAMENTO Vantagem: menos riscos para o proprietário Desvantagens: Dificuldades em estabelecer uma renda justa
  • 10. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de exploração Portugal: • Predomina a forma de exploração “Por conta própria”. • A forma de exploração arrendamento apenas adquire maior expressão no Alentejo.
  • 11. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de utilização da SAU A Superfície Agrícola Utilizada - SAU - é constituída pelas áreas de exploração que incluem: • Culturas temporárias - aquelas cujo ciclo vegetativo não excede um ano e as que são ressemeadas com intervalos máximos de cinco anos (cereais, horticultura, etc.); • Culturas permanentes - culturas que ocupam a terra por longos períodos de tempo e fornecem repetidas colheitas (viticultura, olivicultura, fruticultura); • Pastagens permanentes - conjunto de plantas herbáceas, espontâneas ou semeadas, destinadas a serem comidas pelo gado no próprio local onde crescem.
  • 12. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de utilização da SAU A utilização da SAU apresenta diferenças consideráveis entre as três regiões consideradas: • Em Portugal Continental, são os cereais (11%) que ocupam maior área mas, se reunirmos as superfícies utilizadas nas culturas permanentes, incluindo a viticultura, a fruticultura e a olivicultura, estas ocupam uma área superior;
  • 13. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de utilização da SAU A utilização da SAU apresenta diferenças consideráveis entre as três regiões consideradas: • Nos Açores, é a criação de gado em pastagens que predomina largamente (82%), não tendo qualquer relevância as outras práticas agrícolas; • Na Madeira, a superfície agrícola é utilizada para a policultura (36%), seguindo-se a fruticultura (17%) e a viticultura(12%).
  • 14. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Região agrária - Divisão territorial com características agrícolas afins, utilizável em planeamento e em estatística. O território nacional está dividido em nove regiões agrárias que apresentam sistemas agrários diferenciados: • Entre Douro e Minho • Trás-os-Montes • Beira Litoral • Beira Interior • Ribatejo e Oeste • Alentejo • Algarve • Açores • Madeira
  • 15. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Regime de produção Forma como se produz os produtos agrícolas, podendo ser de dois tipos: extensivo ou intensivo Agricultura intensiva (regime intensivo) Forma de agricultura em que o solo está permanentemente ocupado com diversas culturas (policultura) e/ou prados e onde a produtividade é elevada. Agricultura extensiva (regime extensivo) Forma de agricultura onde se pratica o afolhamento com pousio.
  • 16. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Sistema de cultivo Policultura Cultura de mais do que uma espécie vegetal, na mesma parcela agrícola Monocultura Cultivo de uma só espécie vegetal numa parcela agrícola.
  • 17. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Entre Douro e Minho • A agricultura intensiva • Propriedades de dimensão média que pouco ultrapassa os 3 ha. • Predomínio das culturas temporárias, os cereais, e em particular o milho • A vinha é a cultura permanente que se destaca • A pecuária é dominada pela criação de gado bovino. • Predominam as explorações por conta própria; • O arrendamento é a forma menos usada. • Das explorações por arrendamento.
  • 18. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Trás-os-Montes • A agricultura extensiva é frequente • Propriedades com uma dimensão média de 6,6 ha. • Os cereais são a cultura temporária mais importante, com realce para o centeio. A batata cultiva-se na grande maioria das explorações, mas ocupa uma área não muito grande. • As explorações com culturas permanentes são bastante numerosas e ocupam uma área um pouco superior à das culturas temporárias. Salientam-se o olival, a vinha e os soutos (castanheiros). • Predomina a criação de suínos e bovinos. • As explorações por conta própria são em número sensivelmente igual ao das explorações por arrendamento.
  • 19. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Beira Litoral • Predomínio da agricultura intensiva tradicional • Propriedades muito pequenas (em média têm pouco mais de 2 ha) • O milho é a cultura predominante. • O olival e a vinha são as principais culturas permanentes. •Cria-se gado suíno, ovino e bovino. • Predomínio da exploração por conta própria.
  • 20. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Beira Interior • A dimensão média das propriedades é pouco superior a oito hectares • Pratica-se, geralmente, uma agricultura extensiva. • O milho e o centeio são as culturas temporárias mais cultivadas. • As culturas industriais (tabaco e girassol) têm aqui alguma expressão. • Os ovinos são predominantes, seguindo-se os caprinos e os suínos. • A forma de exploração mais comum é por conta própria.
  • 21. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Ribatejo e Oeste • A agricultura intensiva é a mais praticado •As culturas temporárias ocupam cerca de 1/3 da SAU e do número de explorações. O milho e o arroz são os cereais mais cultivados, assim como a batata e as culturas hortícolas. • Existem alguns prados permanentes • A colza é a cultura industrial mais importante • A batata é cultivada em número de explorações semelhante ao dos cereais, mas ocupa uma área muito menor • Os suínos são predominantes na criação de gado • A forma de exploração por conta própria predomina.
  • 22. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Alentejo • Predominam as grandes propriedades (latifúndios) • Pratica-se maioritariamente a agricultura extensiva. • Os cereais, principalmente o trigo, predominam em relação à culturas temporárias. O arroz também tem alguma expressão. • As culturas permanentes são mais abundantes do que as temporárias. • Existem culturas industriais, destacando-se de entre elas o girassol. • Predominam os ovinos, seguidos dos suínos e os bovinos. • A exploração por conta própria é predominante, mas também é utilizada a forma de arrendamento.
  • 23. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Algarve • Predomina a agricultura intensiva, mas no interior pratica-se uma agricultura de tipo extensivo. • Propriedades de pequena dimensão e maioritariamente por conta própria. • As culturas permanentes ocupam uma área bastante superior à das culturas temporárias. Destas, salientam-se as culturas hortícolas e, nas permanentes, os frutos secos e os citrinos. •Na criação de gado, destacam-se igualmente o ovino e o suíno.
  • 24. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Açores • As propriedades são de pouco mais de 6 ha. • Predomina a exploração por conta própria ocupando, no entanto, menor área que as de arrendamento. • O trigo e o milho são as principais culturas temporárias. As pastagens são numerosas em todo o arquipélago. • As culturas permanentes ocupam uma área muito pequena. • Como cultura industrial surgem o tabaco e o chá. • O gado bovino, que é criado ao ar livre, é largamente maioritário nesta região.
  • 25. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Características do sistema agrário nas diferentes regiões agrárias Madeira • É generalizada a existência de microfúndios onde a dimensão média das explorações é de apenas 0,4 hectares. • O número de explorações e a área ocupada são sensivelmente iguais, quer nas culturas temporárias, quer nas permanentes. • A horticultura e a floricultura são importantes dentro das culturas temporárias. • A vinha e as frutas subtropicais são as mais representativas dentro das culturas permanentes. • A suinicultura, seguida de longe pelos caprinos, constitui a maior parte da criação de gado. • A grande maioria das propriedades é gerida por conta própria, sendo o arrendamento pouco usual.
  • 26. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de escoamento dos produtos agrícolas As formas de escoamento variam entre: • venda directa • venda por intermediário • venda a cooperativas ou outras associações • venda para a indústria. A venda directa É mais comum para os produtos hortícolas e é feita tanto na própria exploração, como à beira da estrada, em feiras ou mercados. É a forma de escoamento mais frequente nas explorações de pequenas dimensões e geridas por conta própria.
  • 27. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de escoamento dos produtos agrícolas As formas de escoamento variam entre: A venda por intermediário É realizada, em geral, pelas explorações de média dimensão que, na maioria, também são exploradas por conta própria. A venda a cooperativas ou a outras associações É praticada pelas explorações de média ou grande dimensão, pelo que pressupõe uma produção de maior quantidade. A venda para a indústria Tem uma expressão relativamente pequena no conjunto das formas de escoamento, com excepção dos produtos hortícolas que, em grande parte, são escoados deste modo.
  • 28. ÁREAS RURAIS Espaço rural Problemas estruturais Formas de escoamento dos produtos agrícolas Outros problemas associados ao escoamento dos produtos: • A falta de agressividade face ao mercado, ao baixo nível de formação de muitos agricultores, pelas características sociais da população agrícola e por insuficiências técnico-financeiras. • Afastamento das propriedades agrícolas dos principais eixos de circulação. • O transporte e o armazenamento deficientes o que leva à perde da qualidade dos produtos. • Armazenamento é insuficiente nos anos de grandes colheitas. • Predominância dos minifúndios que dificulta também a comercialização dos produtos deste sector.