Em 2011, a rede urbana caracterizava-se, segundo o INE:
• Pela existência de 588 lugares com dois mil ou mais habitantes, ...
FARO AVEIRO VISEU
Nas últimas décadas, a tendência geral tem sido a concentração em lugares urbanos, em
lugares com dois m...
Distribuição dos lugares com dois mil ou mais habitantes segundo os
escalões de dimensão populacional (Portugal, 1981, 199...
A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL
A contínua urbanização do espaço nacional é visível no reforço dos
lugares de maior dimensão (cida...
As cidades portuguesas possuem uma repartição assimétrica, que se
traduz:
Na concentração de cidades e população na faixa ...
População residente nos centros urbanos com 2000 ou mais habitantes
em Portugal, em 2011
A REDE URBANA EM PORTUGAL
A DISTR...
Entre 2001 e 2011,
assistiu-se:
• Ao reforço da concentração
populacional no litoral – em
particular, na AML e AMP –
num p...
• No interior do país e no litoral
alentejano;
• Destacam-se: Beira Interior Sul, Alto
Alentejo, Alentejo Litoral e Baixo
...
DENSIDADE POPULACIONAL POR NUT III (PORTUGAL, 2011)
• No litoral ocidental entre Setúbal e Viana do
Castelo.
• Destacam-se...
TAXA DE VARIAÇÃO DA POPULAÇÃO POR MUNICÍPIO
(Portugal Continental, 2011)
Apesar da litoralização e bipolarização, os munic...
Quando falamos em rede urbana, temos de atender que a existência de
uma rede urbana ou sistema urbano só é possível se exi...
Uma rede urbana só é hierarquizada se possuir:
Um pequeno número de cidades de grande dimensão com uma repartição
espacial...
I – Monocêntricas
ou Macrocéfalas
II – Polarizadas
policêntricas ou
polinucleares
III - Bipolares ou
bicéfalas
IV - Multip...
A rede urbana nacional tem sido marcada pelo
peso, não só demográfico, mas sobretudo
funcional, da Área Metropolitana de L...
A rede urbana/sistema urbano nacional
A rede urbana/sistema urbano
nacional caminha para a existência de:
a) Duas Áreas Me...
A rede urbana/sistema urbano nacional
A rede urbana/sistema urbano
nacional caminha para a existência de:
c) Uma urbanizaç...
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano

769 visualizações

Publicada em

As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
769
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano

  1. 1. Em 2011, a rede urbana caracterizava-se, segundo o INE: • Pela existência de 588 lugares com dois mil ou mais habitantes, o que correspondia a 2,2% dos cerca de 27 mil lugares do país; • Pela existência de apenas sete lugares com dimensão igual ou superior a 100 mil habitantes que concentravam cerca de 14% da população total; AS CARACTERÍSTICAS DA REDE URBANA EM PORTUGAL PORTO
  2. 2. FARO AVEIRO VISEU Nas últimas décadas, a tendência geral tem sido a concentração em lugares urbanos, em lugares com dois mil ou mais habitantes. AS CARACTERÍSTICAS DA REDE URBANA EM PORTUGAL Em 2011, a rede urbana caracterizava-se, segundo o INE: • Pela existência de lugares com uma dimensão entre 20 mil e 100 mil habitantes localizados fora das duas áreas metropolitanas, sobretudo no interior do Continente (Viseu ou Vila Real, entre outros) mas também cidades mais próximas do litoral (Faro, Aveiro, entre outros); • Pela ausência de lugares com mais de 20 mil habitantes no Litoral alentejano: Sines (12 mil habitantes) constitui o maior lugar no Litoral Oeste a Sul da AML.
  3. 3. Distribuição dos lugares com dois mil ou mais habitantes segundo os escalões de dimensão populacional (Portugal, 1981, 1991, 2001 e 2011) • Em 2011, cerca de 3/5 da população (61%); • Em 2001, cerca de 55% da população; • Em 1991, cerca de 48% da população; • Em 1981, cerca de 43% da população. Assim, estes lugares concentravam: AS CARACTERÍSTICAS DA REDE URBANA EM PORTUGAL
  4. 4. A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL A contínua urbanização do espaço nacional é visível no reforço dos lugares de maior dimensão (cidades e vilas), contrariamente aos lugares de menor dimensão e de características mais rurais. Isto traduz o reforço das duas áreas metropolitanas, de Lisboa e do Porto e das cidades de média dimensão, mas também a concentração da população ao longo da faixa litoral. A REDE URBANA EM PORTUGAL LISBOA
  5. 5. As cidades portuguesas possuem uma repartição assimétrica, que se traduz: Na concentração de cidades e população na faixa litoral entre Setúbal e Viana do Castelo – com destaque para as Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto – e no litoral algarvio; Nas regiões do interior, desde o Nordeste até ao interior algarvio, possuem um baixo número de cidade e reduzida população urbana, com excepção de alguns municípios que possuem cidades médias. Nos Açores e na Madeira, o número de cidades também não é muito elevado. A REDE URBANA EM PORTUGAL A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL
  6. 6. População residente nos centros urbanos com 2000 ou mais habitantes em Portugal, em 2011 A REDE URBANA EM PORTUGAL A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL
  7. 7. Entre 2001 e 2011, assistiu-se: • Ao reforço da concentração populacional no litoral – em particular, na AML e AMP – num processo de continuidade da tendência de litoralização e bipolarização da população residente. A REDE URBANA EM PORTUGAL A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL
  8. 8. • No interior do país e no litoral alentejano; • Destacam-se: Beira Interior Sul, Alto Alentejo, Alentejo Litoral e Baixo Alentejo. A menor densidade populacional regista-se: • Na generalidade das ilhas dos Açores, sobretudo, dos grupos Ocidental e Central, bem como Santa Maria, no grupo Oriental. Nos arquipélagos: DENSIDADE POPULACIONAL POR NUT III (PORTUGAL, 2011)
  9. 9. DENSIDADE POPULACIONAL POR NUT III (PORTUGAL, 2011) • No litoral ocidental entre Setúbal e Viana do Castelo. • Destacam-se: Grande Lisboa e Grande Porto e o litoral algarvio; • Nas cidades médias localizadas no interior, como Évora, Castelo Branco, Viseu, Guarda, Portalegre, Vila Real e Bragança. A menor densidade populacional regista-se: • Na vertente sul da ilha da Madeira; • No litoral das ilhas de São Miguel e da Terceira (que são as mais densamente povoadas). Nos arquipélagos:
  10. 10. TAXA DE VARIAÇÃO DA POPULAÇÃO POR MUNICÍPIO (Portugal Continental, 2011) Apesar da litoralização e bipolarização, os municípios de Lisboa e do Porto têm vindo a perder população residente e densidade populacional!
  11. 11. Quando falamos em rede urbana, temos de atender que a existência de uma rede urbana ou sistema urbano só é possível se existir: Uma rede hierarquizada de cidades, ou relativamente hierarquizada; Uma relação de dependência ou complementaridade, em termos funcionais, entre as cidades e entre estas e as áreas rurais limítrofes A REDE URBANA NACIONAL
  12. 12. Uma rede urbana só é hierarquizada se possuir: Um pequeno número de cidades de grande dimensão com uma repartição espacial relativamente afastada. São as que têm um maior número de funções e as que exercem uma enorme influência sobre o território nacional (Lisboa e Porto); Um maior número de cidades de média dimensão, intercaladas entre as cidades de grande dimensão, com as quais estabelecem intensos fluxos. São caracterizadas por um grande dinamismo funcional e um crescimento demográfico; Um número ainda maior de pequenas cidades na área de influência das cidades de média dimensão. A REDE URBANA NACIONAL
  13. 13. I – Monocêntricas ou Macrocéfalas II – Polarizadas policêntricas ou polinucleares III - Bipolares ou bicéfalas IV - Multipolares AS REDES URBANAS PODEM SER: TIPOS DE REDES URBANAS
  14. 14. A rede urbana nacional tem sido marcada pelo peso, não só demográfico, mas sobretudo funcional, da Área Metropolitana de Lisboa: Pelo crescimento demográfico da Área Metropolitana do Porto ser muito superior ao funcional; Pela ausência de um escalão significativo de cidades de média dimensão. A REDE URBANA NACIONAL
  15. 15. A rede urbana/sistema urbano nacional A rede urbana/sistema urbano nacional caminha para a existência de: a) Duas Áreas Metropolitanas (Lisboa e Porto), com dinamismos e processos de estruturação interna diferenciados, que aliam uma grande dimensão em termos nacionais com uma frágil projeção funcional em termos internacionais; A REDE URBANA NACIONAL (TENDÊNCIAS) b) Uma extensa mancha litoral de urbanização difusa, onde emergem alguns sistemas urbanos polinucleados e se destacam diversos centros urbanos de maior dimensão e dinamismo, embora sem o tamanho demográfico de cidade média de acordo com os padrões europeus;
  16. 16. A rede urbana/sistema urbano nacional A rede urbana/sistema urbano nacional caminha para a existência de: c) Uma urbanização linear ao longo da costa algarvia; A REDE URBANA NACIONAL (TENDÊNCIAS) d) Uma rede de pequenas e médias cidades no interior, nalguns casos configurando eixos e sistemas urbanos multipolares.

×