O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana.ppt

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 29 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana.ppt

  1. 1. AS CIDADES: PRINCIPAIS ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA
  2. 2. Fig. Vista sobre Nova Iorque. PRINCIPAIS FATORES DE SURGIMENTO E CRESCIMENTO DAS CIDADES Área densamente construída e habitada, com: • grande número de infraestruturas e equipamentos sociais e coletivos; • oferta grande e diversificada de comércio e serviços. CIDADE Pág.67
  3. 3.  Na Antiguidade - Expansão do comércio e da produção artesanal, a fixação do poder político-administrativo e a construção de grandes templos que se tornaram centros de poder político, religioso e económico. PRINCIPAIS FATORES DE SURGIMENTO E CRESCIMENTO DAS CIDADES Pág.68/69
  4. 4. Fig. Vista sobre Lisboa.  Na Idade Média - Na Europa, com a queda do Império Romano e as sucessivas invasões e guerras, as cidades rodearam-se de muralhas e outras, também muralhadas, surgiram em lugares estratégicos de defesa do território. PRINCIPAIS FATORES DE SURGIMENTO E CRESCIMENTO DAS CIDADES Pág.69
  5. 5.  A partir de finais do século XI - Retomou-se o crescimento urbano, com a ascensão da burguesia, que impulsionou o comércio e as oficinas de manufatura. PRINCIPAIS FATORES DE SURGIMENTO E CRESCIMENTO DAS CIDADES Fig. Comerciantes (burguesia), século XIV. Pág.69
  6. 6. Fig. Comércio numa rua de Londres.  Na Idade Moderna - A intensificação e expansão do comércio e o desenvolvimento de alguns serviços fizeram aumentar a dimensão e o número de cidades. PRINCIPAIS FATORES DE SURGIMENTO E CRESCIMENTO DAS CIDADES Pág.69
  7. 7. Fig. Área industrial, Alemanha.  Na Idade Contemporânea - A industrialização gerou uma intensa urbanização, nas regiões mais desenvolvidas, incluindo novas cidades surgidas à volta de minas e indústrias ou projetadas e construídas para albergar o imenso número de operários. PRINCIPAIS FATORES DE SURGIMENTO E CRESCIMENTO DAS CIDADES Pág.69
  8. 8. Espaço que inclui a cidade principal (metrópole) e a área suburbana, onde se estabelecem relações de forte interdependência (emprego, comércio, serviços, etc.), com intensos fluxos demográficos e económicos. ÁREAS METROPOLITANAS E MEGALÓPOLIS O crescimento urbano originou uma intensa suburbanização e surgem, assim, as áreas metropolitanas. Expansão do espaço edificado para as periferias, numa mancha urbana quase contínua que, muitas vezes, absorve e interliga cidades mais pequenas e faz surgir outras novas. Fig. Cidades da área metropolitana de Lisboa e proporção da população nacional residente (2011). Pág. 70
  9. 9. ÁREAS METROPOLITANAS E MEGALÓPOLIS Se duas ou mais grandes áreas metropolitanas se interligam, forma-se uma megalópolis. Área urbana com grande dimensão e vários focos polarizadores do desenvolvimento (as metrópoles), fortemente interligados e interdependentes. Pág. 70 Fig. Vista noturna das principais megalópolis, a nível mundial (2011).
  10. 10. Fig. Congestionamento, Sidney. Fig. Comércio numa rua de Lisboa. Fig. Viaduto, Xangai, China. ÁREAS METROPOLITANAS E MEGALÓPOLIS  Ao desenvolvimento dos transportes.  À expansão do comércio e serviços, que fizeram aumentar o custo do solo.  À saturação do espaço e a dificuldade de circulação no centro da cidade. A expansão suburbana deveu-se: Pág. 70
  11. 11. AS MAIORES AGLOMERAÇÕES URBANAS Fig. Capitais e aglomerações urbanas com mais de 5 milhões de habitantes (2011). É na Ásia e América Latina onde se localiza o maior número de aglomerações urbanas de grande dimensão. Pág. 73/74
  12. 12. Fig. Resíduos urbanos, numa rua de Nova Iorque. GRANDES CIDADES, GRANDES PROBLEMAS AMBIENTAIS Fig. Vista do centro da cidade de Xangai, ar completamente poluído.  Emissão de fumos e gases poluentes.  Produção de grande quantidade de resíduos urbanos. Pág. 76
  13. 13. Fig. Favela, Rio de Janeiro. Fig. Congestionamento, Pequim. Fig. Sem abrigo, Nova Iorque. GRANDES CIDADES, GRANDES PROBLEMAS ECONÓMICOS E SOCIAIS  Tráfego rodoviário intenso, que origina congestionamentos.  Falta de planeamento.  Isolamento e pobreza dos idosos, sem abrigo e de muitos imigrantes.  Expansão de bairros de habitação precária, nos países em desenvolvimento. Pág. 76
  14. 14. Fig. Central Park, Nova Iorque. CIDADES INCLUSIVAS E SUSTENTÁVEIS As cidades concentram mais de metade da população mundial e são os centros polarizadores do desenvolvimento. Por isso, promover a sustentabilidade urbana é a melhor forma de garantir um desenvolvimento sustentável mundial. Pág. 77
  15. 15. SUSTENTABILIDADE URBANA  Correto uso do espaço.  Sistemas de transporte que garantam a fluidez do tráfego.  Igualdade de oportunidades e de condições de vida dignas e saudáveis.  Empenho e responsabilização das empresas na criação e manutenção de emprego e na contribuição para o desenvolvimento da cidade.  Sustentabilidade ambiental, evitando a ocupação indevida de solos com aptidão agrícola e florestal, etc. Fig. São Paulo, Brasil. Pág. 77
  16. 16. Funções urbanas  Função comercial.  Função defensiva.  Função industrial.  Função cultural.  Função religiosa.  Função político- administrativa.  Função residencial. FUNÇÕES URBANAS E ÁREAS FUNCIONAIS Áreas onde predomina uma ou um conjunto de funções. A localização das diferentes funções é influenciada pelo custo do solo, que tende a diminuir do centro para a periferia. ÁREAS FUNCIONAIS Pág. 79 Fig. Planta funcional, Coimbra.
  17. 17. ÁREAS DE COMÉRCIO E SERVIÇOS O centro ou CBD – Central Business District (área central de negócios) – em Portugal, designado como Baixa, situa-se geralmente na parte mais antiga da cidade e concentra as funções mais importantes: comércio e serviços especializados, centros de decisão, espaços culturais, etc. Fig. Rossio, Lisboa. Pág. 79
  18. 18. Fig. Ribeira, Porto. ÁREAS RESIDENCIAIS As áreas residenciais têm características próprias e ocupam diferentes espaços da cidade, consoante o nível social da população. Pág. 80
  19. 19. Fig. Área industrial, Alemanha. ÁREAS INDUSTRIAIS Nos países desenvolvidos, a indústria está a deslocar-se progressivamente para áreas suburbanas e até rurais, instalando-se frequentemente em zonas ou parques industriais. A função industrial associou-se, desde o seu início, ao espaço urbano. Pág. 81 Fig. Área industrial, Alemanha.
  20. 20. Fig. Parque industrial, China. ÁREAS INDUSTRIAIS Nos países em desenvolvimento, a função industrial está em expansão, fixando-se nas maiores cidades e constituindo um importante fator atrativo do êxodo rural, o que dinamiza os serviços e o comércio interno e externo. Pág. 81
  21. 21. Fig. Área residencial, Califórnia. ÁREAS FUNCIONAIS ATIVIDADE 1 – Caracteriza as áreas residenciais das cidades. Verificar resposta Pág. 80
  22. 22. Fig. Área antiga de Coimbra. PRINCIPAIS TIPOS DE PLANTA URBANA  Típica das antigas cidades islâmicas, em zonas medievais de cidades europeias e nas que tiveram ocupação muçulmana. PLANTA IRREGULAR  Desenvolve-se sem obedecer a nenhuma organização, em ruas estreitas que, muitas vezes, resultam em becos sem saída, escadinhas, etc.  Dificulta a circulação e a orientação na cidade. Pág. 83
  23. 23. PRINCIPAIS TIPOS DE PLANTA URBANA PLANTA ORTOGONAL Fig. Vila Real de Santo António.  Sem planeamento, pela divisão dos terrenos, ou planeada.  Organiza-se em quadrícula, com muitos cruzamentos em ângulo reto.  Usada em todas as épocas, é muito comum por ser de fácil aplicação e permitir a divisão regular da propriedade.  Alonga os percursos, quando não há diagonais, e os cruzamentos dificultam o trânsito.  As ruas tornam-se muito ventosas, se a sua orientação não considerar o sentido dominante do vento. Pág. 83
  24. 24. PRINCIPAIS TIPOS DE PLANTA URBANA PLANTA RADIOCONCÊNTRICA Fig. Évora.  Sem planeamento, a partir de um porto, castelo, etc., ou planeada.  Utilizada em cidades onde se pretende tornar um dado lugar acessível ou dar-lhe destaque.  Organiza-se a partir de um ponto (praça, monumento, etc.) ou núcleo central (castelo, centro antigo da cidade, etc.), do qual saem radiais que são intersetadas por circulares.  Torna o centro acessível e facilita o trânsito, permitindo ligar as diversas áreas da cidade sem passar pelo centro.  Alonga os percursos, pois as ruas são em arco.  Dificulta a divisão dos terrenos pelas parcelas irregulares. Pág. 83
  25. 25. Fig. Vinhas do vinho do Porto, Região do Douro. Fig. Vista sobre a cidade do Porto. INTER-RELAÇÃO ESPAÇO URBANO/ESPAÇO RURAL As áreas urbanas e as áreas rurais têm características próprias, que as tornam interdependentes e complementares. - predomínio de ocupação agrícola e florestal; - pequenos aglomerados populacionais. ÁREAS URBANAS ÁREAS RURAIS - forte concentração de pessoas e atividades económicas; - grande número de infraestruturas e equipamentos; - boa oferta de comércio e diversidade de serviços. Pág. 84/85 Oferecem: - grande diversidade de bens e serviços especializados; - opções de ensino, emprego, diversão, etc. Oferecem: - produtos agrícolas, artesanais e especialidades regionais; - espaços de lazer e de contacto com a natureza, etc.
  26. 26. Fig. Cidade de Lisboa. PORTUGAL… Cidade – em Portugal De acordo com a Lei n.º 11/82, Art. 13.º e 14.º, considera-se cidade um aglomerado populacional contínuo, com um número de eleitores superior a 8000 e, pelo menos, cinco de dez equipamentos coletivos (ex.: instalações hospitalares com serviço de permanência; farmácias; corporação de bombeiros, estabelecimentos de ensino, etc.). Importantes razões de natureza histórica, cultural e arquitetónica poderão levar a uma ponderação diferente dos requisitos anteriores. O processo de urbanização foi mais intenso nas décadas de sessenta e setenta do século XX e, atualmente, perto de três quartos da população reside em áreas predominantemente urbanas. Pág. 86
  27. 27. PORTUGAL…  Duas áreas metropolitanas.  Extensa mancha de urbanização difusa no litoral.  Uma urbanização linear no litoral algarvio.  Uma rede de pequenas e médias cidades no interior. O sistema urbano português é caracterizado por: Fig. Cidades, nas AML e AMP (2011). Pág. 87 Fig. Cidades, em Portugal continental (2011).
  28. 28. ÁREAS FUNCIONAIS ATIVIDADE 2 – Comenta a afirmação seguinte. “A distribuição geográfica das cidades evidencia padrões de litoralização e bipolarização.” Fig. Cidades, em Portugal continental (2011). Verificar resposta Pág. 87
  29. 29. Fim da apresentação

×