A
ORGANIZAÇÃO
DAS ÁREAS
URBANAS
DISTINGUIR O ESPAÇO URBANO
A ocupação do território confere à paisagem características que
permitem fazer diferenciações e...
DEFINIR CIDADE
CARACTERÍSTICAS
Fig. Rua na cidade de Albufeira.
Fig. Rua na cidade de Lisboa.
Fig. Marquês de Pombal, Lisb...
Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional,
definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomeraçõe...
Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas
envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedi...
Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos
as capitais de distrito e as cidades criadas por vont...
Fig. Rodovia, ferrovia e porto, Lisboa.
A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação
e pelas melhor...
Fig. Vista sobre Lisboa.
DEFINIR CIDADE
ATIVIDADE:
1 – Defina cidade.
ATIVIDADE:
1 – Defina cidade.
Pág. 80 Verificar resp...
PORTUGAL MAIS URBANO
Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das
atividades nas áreas urbanas, habitua...
PORTUGAL MAIS URBANO
Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor
taxa de urbanização.
Portugal é, ...
Fig. Estação de São Bento, Porto.
A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL
O espaço urbano oferece
uma grande diversidade
de funções que,...
AS ÁREAS TERCIÁRIAS
Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente
designada por CBD. Individualiza-se...
Fig. Comércio na Baixa de Lisboa.
AS ÁREAS TERCIÁRIAS
DIFERENCIAÇÃO ESPACIAL…
No CBD, existe a tendência para a diferencia...
AS ÁREAS TERCIÁRIAS
… DINÂMICA FUNCIONAL
 Posteriormente, iniciou-se uma
tendência de descentralização
destas funções em ...
Fig. Edificio de escritórios, Lisboa.
NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO
Aumento e diversificação
das atividades terciá...
Fig. Centro comercial Colombo, Lisboa.
NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO
Nas últimas décadas, tem-se assistido à expan...
Fig. Chiado, Lisboa.
Fig. Parque de estacionamento.Fig. Gare do Oriente, Lisboa.
ESTAGNAÇÃO/REVITALIZAÇÃO DO CBD
MEDIDAS D...
Fig. Área residencial, Lisboa.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja...
Fig. Estoril, no concelho de Cascais.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de maiores recursos
Os melhores locais da cidade são o...
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de maiores recursos
As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da
cidade, on...
Fig. Bairro residencial recente, no concelho do Montijo, na área suburbana de Lisboa.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes médias...
Fig. Ribeira, Porto.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de menores recursos
A população de menores recursos reside nas áreas an...
Fig. Bairro social em Chelas, Lisboa.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de menores recursos
Em Portugal, a habitação precária ...
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de menores recursos
Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto,
enco...
Fig. Metro, Porto.
Fig. Poluição industrial, fábrica de papel, Portugal.
AS ÁREAS INDUSTRIAIS
Do centro para a periferia
A...
A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques
empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas em...
AS ÁREAS INDUSTRIAIS
Ainda na cidade
 Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.
 Trabalham por encom...
A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL
ATIVIDADE:
1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características
sociais da pop...
FIM DA
APRESENTAÇÃO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

eografiaA organização das áreas urbanas

558 visualizações

Publicada em

geografia

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
558
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

eografiaA organização das áreas urbanas

  1. 1. A ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS URBANAS
  2. 2. DISTINGUIR O ESPAÇO URBANO A ocupação do território confere à paisagem características que permitem fazer diferenciações espaciais. Uma distinção comum opõe o espaço urbano ao espaço rural, devido às diferentes características que permitem distingui-los na paisagem A ocupação do território confere à paisagem características que permitem fazer diferenciações espaciais. Uma distinção comum opõe o espaço urbano ao espaço rural, devido às diferentes características que permitem distingui-los na paisagem Fig. Monsaraz, Alentejo.Fig. Coimbra. Pág. 79
  3. 3. DEFINIR CIDADE CARACTERÍSTICAS Fig. Rua na cidade de Albufeira. Fig. Rua na cidade de Lisboa. Fig. Marquês de Pombal, Lisboa. Fig. Museu da Eletricidade, Lisboa.  Densa ocupação humana e elevado índice de construção.  Intensa afluência de trânsito.  Concentração de atividades económicas.  Elevado número de equipamentos sociais, desportivos e culturais.  Densa ocupação humana e elevado índice de construção.  Intensa afluência de trânsito.  Concentração de atividades económicas.  Elevado número de equipamentos sociais, desportivos e culturais. Pág. 80
  4. 4. Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional, definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomerações populacionais são consideradas cidades. Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional, definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomerações populacionais são consideradas cidades. CRITÉRIOS DEMOGRÁFICO Levanta alguns problemas, uma vez que muitos aglomerados suburbanos têm um elevado número de habitantes e grande densidade populacional mas não oferecem funções urbanas relevantes além da residencial, pois funcionam como dormitórios em relação a uma grande cidade próxima. Levanta alguns problemas, uma vez que muitos aglomerados suburbanos têm um elevado número de habitantes e grande densidade populacional mas não oferecem funções urbanas relevantes além da residencial, pois funcionam como dormitórios em relação a uma grande cidade próxima. DEFINIR CIDADE Pág. 80
  5. 5. Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedica, que devem ser maioritariamente dos setores secundário e terciário. Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedica, que devem ser maioritariamente dos setores secundário e terciário. CRITÉRIOS FUNCIONAL Muitas das cidades do interior e das Regiões Autónomas, apesar de terem um número de habitantes relativamente reduzido, desempenham e oferecem funções urbanas importantes, pelo que exercem influência e estabelecem relações de interdependência com a sua área envolvente. Muitas das cidades do interior e das Regiões Autónomas, apesar de terem um número de habitantes relativamente reduzido, desempenham e oferecem funções urbanas importantes, pelo que exercem influência e estabelecem relações de interdependência com a sua área envolvente. DEFINIR CIDADE Pág. 80
  6. 6. Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos as capitais de distrito e as cidades criadas por vontade régia, como forma de incentivar o povoamento, de recompensar serviços prestados ou de garantir a defesa de regiões de fronteira. Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos as capitais de distrito e as cidades criadas por vontade régia, como forma de incentivar o povoamento, de recompensar serviços prestados ou de garantir a defesa de regiões de fronteira. CRITÉRIOS JURÍDICO-ADMINISTRATIVO DEFINIR CIDADE Pág. 80
  7. 7. Fig. Rodovia, ferrovia e porto, Lisboa. A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação e pelas melhores redes de transporte permitiu uma grande flexibilidade na implantação das atividades económicas e na fixação de residência. A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação e pelas melhores redes de transporte permitiu uma grande flexibilidade na implantação das atividades económicas e na fixação de residência. DEFINIR CIDADE Pág. 81
  8. 8. Fig. Vista sobre Lisboa. DEFINIR CIDADE ATIVIDADE: 1 – Defina cidade. ATIVIDADE: 1 – Defina cidade. Pág. 80 Verificar respostaVerificar resposta
  9. 9. PORTUGAL MAIS URBANO Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das atividades nas áreas urbanas, habitualmente consideradas como motores de crescimento económico, de competitividade e de emprego. Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das atividades nas áreas urbanas, habitualmente consideradas como motores de crescimento económico, de competitividade e de emprego. O ritmo de crescimento urbano foi particularmente intenso, o que se refletiu no comportamento da taxa de urbanização. O ritmo de crescimento urbano foi particularmente intenso, o que se refletiu no comportamento da taxa de urbanização. TU= POPULAÇÃO URBANA POPULAÇÃO TOTAL X 100 Fig. Evolução da taxa de urbanização em Portugal Pág. 82
  10. 10. PORTUGAL MAIS URBANO Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor taxa de urbanização. Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor taxa de urbanização. Fig. Taxa de urbanização nos países-membros da União Europeia (2012). Pág. 82
  11. 11. Fig. Estação de São Bento, Porto. A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL O espaço urbano oferece uma grande diversidade de funções que, geralmente, se encontram organizadas no espaço, formando as chamadas áreas funcionais – áreas mais ou menos homogéneas em termos das funções que oferecem. O espaço urbano oferece uma grande diversidade de funções que, geralmente, se encontram organizadas no espaço, formando as chamadas áreas funcionais – áreas mais ou menos homogéneas em termos das funções que oferecem. Fig. Câmara Municipal de Cascais Pág. 84
  12. 12. AS ÁREAS TERCIÁRIAS Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente designada por CBD. Individualiza-se das restantes áreas da cidade pela grande concentração de atividades terciárias. Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente designada por CBD. Individualiza-se das restantes áreas da cidade pela grande concentração de atividades terciárias. Fig. Comércio numa rua da cidade do Porto.Fig. Casa da Música, Porto. O CENTRO DA CIDADE Fig. Assembleia da República, Lisboa.Fig. Hotel no centro de Lisboa.  Comércio.  Serviços especializados.  Animação lúdica e cultural de qualidade.  Hotéis e restauração.  Comércio.  Serviços especializados.  Animação lúdica e cultural de qualidade.  Hotéis e restauração. Demograficamente, o CBD caracteriza-se por: uma numerosa população flutuante; um reduzido número de habitantes. Demograficamente, o CBD caracteriza-se por: uma numerosa população flutuante; um reduzido número de habitantes. Pág. 85
  13. 13. Fig. Comércio na Baixa de Lisboa. AS ÁREAS TERCIÁRIAS DIFERENCIAÇÃO ESPACIAL… No CBD, existe a tendência para a diferenciação espacial, quer em altura quer no que respeita à distribuição das atividades pelas ruas. No CBD, existe a tendência para a diferenciação espacial, quer em altura quer no que respeita à distribuição das atividades pelas ruas. Os estabelecimentos de maior prestígio e os serviços que necessitam de maior contacto com o público ocupam o piso térreo e as ruas principais, enquanto as funções menos nobres, ou de menor contacto com o público ocupam os andares mais altos e as ruas secundárias. Os estabelecimentos de maior prestígio e os serviços que necessitam de maior contacto com o público ocupam o piso térreo e as ruas principais, enquanto as funções menos nobres, ou de menor contacto com o público ocupam os andares mais altos e as ruas secundárias. Individualizam-se áreas com predomínio: comércio grossista; comércio retalhista. Individualizam-se áreas com predomínio: comércio grossista; comércio retalhista. A diferenciação espacial evidencia-se também pela existência de áreas especializadas. A diferenciação espacial evidencia-se também pela existência de áreas especializadas. Pág. 86 Fig. Diferenciação espacial no centro do Porto, de acordo com T. B. Salgueiro (2005).
  14. 14. AS ÁREAS TERCIÁRIAS … DINÂMICA FUNCIONAL  Posteriormente, iniciou-se uma tendência de descentralização destas funções em direção a outras áreas da cidade.  Posteriormente, iniciou-se uma tendência de descentralização destas funções em direção a outras áreas da cidade.  Numa primeira fase, assistiu-se à substituição das funções industrial e residencial pelo comércio e por outras atividades terciárias.  Numa primeira fase, assistiu-se à substituição das funções industrial e residencial pelo comércio e por outras atividades terciárias.  Especulação fundiária.  Congestionamento do centro.  Diminuição da acessibilidade. NOVAS CENTRALIDADESNOVAS CENTRALIDADES Pág. 87
  15. 15. Fig. Edificio de escritórios, Lisboa. NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO Aumento e diversificação das atividades terciárias. Aumento e diversificação das atividades terciárias. Novas exigências de espaço e infraestruturas. Novas exigências de espaço e infraestruturas. Saída de muitos serviços do centro da cidade. Saída de muitos serviços do centro da cidade.  Parques de escritórios.  Parques tecnológicos.  Parques de escritórios.  Parques tecnológicos. Pág. 87
  16. 16. Fig. Centro comercial Colombo, Lisboa. NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO Nas últimas décadas, tem-se assistido à expansão das novas formas de comércio, sobretudo estabelecimentos de grande dimensão, como centros comerciais, super e hipermercados e grandes superfícies especializadas. Nas últimas décadas, tem-se assistido à expansão das novas formas de comércio, sobretudo estabelecimentos de grande dimensão, como centros comerciais, super e hipermercados e grandes superfícies especializadas. Pág. 88 Estas formas de comércio, por vezes, associam-se, formando parques ou zonas comerciais. Estas formas de comércio, por vezes, associam-se, formando parques ou zonas comerciais.
  17. 17. Fig. Chiado, Lisboa. Fig. Parque de estacionamento.Fig. Gare do Oriente, Lisboa. ESTAGNAÇÃO/REVITALIZAÇÃO DO CBD MEDIDAS DE REVITALIZAÇÃO DO CBD  Organização do trânsito e criação de espaços de estacionamento.  Melhoramento dos transportes públicos.  Encerramento ao trânsito de determinadas ruas ou áreas.  Implementação de programas e iniciativas de incentivo e apoio à revitalização e requalificação urbana.  Organização do trânsito e criação de espaços de estacionamento.  Melhoramento dos transportes públicos.  Encerramento ao trânsito de determinadas ruas ou áreas.  Implementação de programas e iniciativas de incentivo e apoio à revitalização e requalificação urbana. Pág. 89
  18. 18. Fig. Área residencial, Lisboa. AS ÁREAS RESIDENCIAIS A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja localização está diretamente relacionada com o custo do solo e, por isso, reflete as características sociais da população que nelas habita. A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja localização está diretamente relacionada com o custo do solo e, por isso, reflete as características sociais da população que nelas habita. Pode mesmo falar-se em segregação espacial – tendência para organização do espaço em áreas de grande homogeneidade interna e forte disparidade entre elas, também em termos de hierarquia. Pode mesmo falar-se em segregação espacial – tendência para organização do espaço em áreas de grande homogeneidade interna e forte disparidade entre elas, também em termos de hierarquia. Pág. 90
  19. 19. Fig. Estoril, no concelho de Cascais. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de maiores recursos Os melhores locais da cidade são ocupados pelas classes altas.Os melhores locais da cidade são ocupados pelas classes altas. São, normalmente, áreas planeadas, com boa acessibilidade, espaços verdes e, muitas vezes, vista panorâmica, locais aprazíveis e prestigiados. São, normalmente, áreas planeadas, com boa acessibilidade, espaços verdes e, muitas vezes, vista panorâmica, locais aprazíveis e prestigiados. As atividades económicas apresentam-se pouco concentradas, correspondendo, quase sempre, a serviços de proximidade e comércio sofisticado. As atividades económicas apresentam-se pouco concentradas, correspondendo, quase sempre, a serviços de proximidade e comércio sofisticado. Pág. 90
  20. 20. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de maiores recursos As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da cidade, onde novas áreas ganharam prestígio. As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da cidade, onde novas áreas ganharam prestígio. Pág. 90
  21. 21. Fig. Bairro residencial recente, no concelho do Montijo, na área suburbana de Lisboa. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes médias Os bairros das classes médias têm menor qualidade arquitetónica e ocupam grande parte do espaço urbano. Os bairros das classes médias têm menor qualidade arquitetónica e ocupam grande parte do espaço urbano. Nestas áreas, reside, de um modo geral, uma população mais jovem, verificando-se uma tendência generalizada para a aquisição de casa própria, devido ao fraco dinamismo do mercado de arrendamento, em Portugal. Nestas áreas, reside, de um modo geral, uma população mais jovem, verificando-se uma tendência generalizada para a aquisição de casa própria, devido ao fraco dinamismo do mercado de arrendamento, em Portugal. Pág. 91
  22. 22. Fig. Ribeira, Porto. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de menores recursos A população de menores recursos reside nas áreas antigas e degradadas da cidade, em bairros de habitação precária e de habitação social. A população de menores recursos reside nas áreas antigas e degradadas da cidade, em bairros de habitação precária e de habitação social. Pág. 92
  23. 23. Fig. Bairro social em Chelas, Lisboa. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de menores recursos Em Portugal, a habitação precária foi praticamente erradicada, através do realojamento em bairros de habitação social, do Estado ou das autarquias, onde os edifícios são idênticos, com apartamentos pequenos, para albergarem um grande número de famílias. Em Portugal, a habitação precária foi praticamente erradicada, através do realojamento em bairros de habitação social, do Estado ou das autarquias, onde os edifícios são idênticos, com apartamentos pequenos, para albergarem um grande número de famílias. Pág. 92
  24. 24. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de menores recursos Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto, encontram-se ainda os bairros de génese clandestina, construídos ilegalmente, em terrenos sem projeto de urbanização e que, durante vários anos, não tiveram qualquer tipo de infraestruturas. Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto, encontram-se ainda os bairros de génese clandestina, construídos ilegalmente, em terrenos sem projeto de urbanização e que, durante vários anos, não tiveram qualquer tipo de infraestruturas. Pág. 93
  25. 25. Fig. Metro, Porto. Fig. Poluição industrial, fábrica de papel, Portugal. AS ÁREAS INDUSTRIAIS Do centro para a periferia A dinâmica funcional e a evolução do tecido urbano, levaram muitas indústrias a deixar a cidade. A dinâmica funcional e a evolução do tecido urbano, levaram muitas indústrias a deixar a cidade. Fig. Refinaria, Porto. CAUSAS Grande exigência de espaço. Elevado custo do solo e das rendas. Congestionamentos de trânsito e dificuldade de estacionamento. CAUSAS Grande exigência de espaço. Elevado custo do solo e das rendas. Congestionamentos de trânsito e dificuldade de estacionamento. Fig. Trânsito intenso numa rua de Lisboa.  Poluição e o ruído associados às indústrias.  Segmentação do processo produtivo.  Desenvolvimento das redes de transporte.  Poluição e o ruído associados às indústrias.  Segmentação do processo produtivo.  Desenvolvimento das redes de transporte. Pág. 94
  26. 26. A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas empresas para as quais a procura de terreno, a obtenção de licenças, de projetos e a construção seriam desincentivadoras da mudança de instalações. A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas empresas para as quais a procura de terreno, a obtenção de licenças, de projetos e a construção seriam desincentivadoras da mudança de instalações. AS ÁREAS INDUSTRIAIS Pág. 94
  27. 27. AS ÁREAS INDUSTRIAIS Ainda na cidade  Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.  Trabalham por encomenda e requerem o contacto direto com o cliente, como a confeção de alta-costura ou as artes gráficas.  Produzem bens raros ou de elevado valor, como a joalharia.  Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.  Trabalham por encomenda e requerem o contacto direto com o cliente, como a confeção de alta-costura ou as artes gráficas.  Produzem bens raros ou de elevado valor, como a joalharia. Algumas indústrias de bens de consumo permanecem no interior ou mesmo no centro da cidade, localizando-se sobretudo nas traseiras de lojas ou em andares superiores dos edifícios Algumas indústrias de bens de consumo permanecem no interior ou mesmo no centro da cidade, localizando-se sobretudo nas traseiras de lojas ou em andares superiores dos edifícios Pág. 95
  28. 28. A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL ATIVIDADE: 1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características sociais da população que nelas habita. ATIVIDADE: 1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características sociais da população que nelas habita. Fig. Ribeira, Porto. Pág. 90 a 93 Verificar respostaVerificar resposta
  29. 29. FIM DA APRESENTAÇÃO

×