SlideShare uma empresa Scribd logo
Um palco para a linguagem
oral e escrita
Projeto de leitura:
Leitura: um mundo
mágico
“Se mergulhar na história
abraçando a idéia de atingir o
mais alto nível da imaginação ,
sua mente abrirá um leque de
possibilidades para a aceitação
positiva do seu publico,além de
garantir a atenção e o
desenvolvimento cognitivo da
criança”.
Justificativa  
             Com a pouca ou falta total do hábito de leitura e escrita
dos educandos das series iniciais, surgiu a necessidade de
desenvolver um projeto adequado às duas realidades:
incentivar e facilitar o acesso, tanto àqueles que já possui
gosto pela leitura como para aqueles que não têm e para os
que gostariam de desenvolver o hábito de ler, bem como
instigá-los e incentivar àqueles que não o tem , a apreciar a
leitura; conhecer clássicos literários; leitura e análise das
poesias de modo que proporcione o desenvolvimento das
potencialidades, habilidades e criatividade dos mesmos. Com
o projeto cria-se condições para que o aluno se desenvolva e
aperfeiçoe, de forma progressiva, contínua e integrada o uso
da língua, conforme os mais recentes estudos e pesquisas
sobre a aquisição da leitura e da escrita, os Parâmetros
Curriculares Nacionais.  
OBJETIVO GERAL:  
     Promover a leitura e escrita de diversos gêneros textuais, de forma que
os alunos sejam motivados a ler e a escrever prazerosamente, assim como
investigar, entender e discutir assuntos que compõem os livros e textos
trabalhados e a interpretação e análise dos mesmos. Dessa maneira,
prepará-los para a leitura e produção dos respectivos gêneros, fazendo
uso da língua culta, aprimorando-a, e principalmente, despertar o gosto
pela leitura.  
OBJETIVOS ESPECIFICOS
Promover primordialmente a leitura e a escrita;
Elevar o nível de aprendizagem dos educandos, nas diversas áreas do
conhecimento;
Priorizar a leitura, interpretação e a escrita como fonte de formação e
informação;
Aprender a ler e analisar os aspectos diversos contidos na ficção como
"retrato" de realidades;
Perceber que o estudo da gramática dar- se- á no contexto do texto;
Valorizar e utilizar a linguagem de acordo com a situação
sociocomuticativa, bem como as diferentes formas de falar, pensar e agir
do indivíduo. 
Da teoria à prática
Há muitos e muitos anos que a contação de histórias habita o mundo das escolas, mas muitos
professores ainda não descobriram o quanto as histórias podem ajudá-los em sua missão de
educadores. Muitos utilizam as histórias, quando utilizam, apenas para acalmar os alunos e não
vêem as várias possibilidades de uma boa história.
Podemos dizer que o principal objetivo de contar uma história em sala de aula é DIVERTIR,
estimulando a imaginação dos alunos. Mas juntamente com este clima de alegria e interesse que a
história desperta, pode a história atingir outros objetivos, como: educar, instruir, desenvolver a
inteligência, ser o ponto de partida para ensinar algum conteúdo programático ou mesmo ser um dos
instrumentos para tentar entender o que se passa com os alunos no campo pessoal, pois, muitas
vezes, durante a história eles falam do que os está incomodado sem vergonha ou medo, já que se vêem
dentro da mesma.
Uma história bem contada pode ajudar o aluno a interessar-se pela aula. Permite, em geral, a auto-
identificação, favorecendo a aceitação de situações desagradáveis e ajudando a resolver conflitos.
Agrada a todos sem fazer distinção de idade, de classe social, de circunstância de vida.
Quando o professor decide contar uma história é necessário que a escolha com muito cuidado e
carinho, pois ela deve ser adequada à faixa etária, ao interesse dos ouvintes, aos objetivos do próprio
professor. A escolha da história funciona como uma chave mágica e tem importância decisiva no
processo narrativo.
Geralmente, os professores acham que é necessário um talento especial para contar histórias, mas não
é. Todo professor tem dentro de si um contador de histórias, apenas precisa encontrá-lo e aprimorá-lo.
Para que isto aconteça pode-se levar em consideração, segundo Malba Tahan, algumas
características que um bom contador de histórias deve ter:
1ª - Sentir, ou melhor, viver a história; ter a expressão viva, ardente,
sugestiva.
A história deve despertar a sensibilidade de quem a conta, sem
emoção, não terá sucesso.
2ª - Narrar com naturalidade, sem afetação.
O vocabulário utilizado deve ser adequado ao público ouvinte. Na
oralidade é preciso ser mais claro e objetivo, sendo necessário, às
vezes, completar as idéias da história.
3ª - Conhecer com absoluta confiança o enredo.
O contador tem que estar seguro sobre o que vai contar, do contrário é
melhor não contar.
4ª - Dominar o interesse do público.
Sempre buscar maneiras de fazer com que os ouvintes permaneçam concentrados
na história.
5ª - Contar dramaticamente.
O contador pode se passar por algum dos personagens ou por todos.
6ª - Falar com voz adequada, clara e agradável.
Não convém falar em falsete ou impostando a voz, a não ser que seja em
momentos específicos para caracterizar um personagem.
7ª - Ser comedido nos gestos.
Se exagerar em gestos sem objetivos, quando fizer um que seja necessário para
melhor entender a história, não será notado
8ª - Ter espírito inventivo e original.
Contar as histórias com suas próprias palavras – contar o que está velho de
forma nova. Se a história for de livro deve ser adaptada, pois a linguagem
escrita é diferente da oral.
9ª - Ter estudado a história.
Não é necessário decorar, mas sim testar diversas possibilidades de exploração
oral para contar com espontaneidade.
 
Não se apavore com esta lista que Malba Tahan traz, são apenas
dicas que funcionam. Assim como estas, deve haver muitas outras
para colocar em prática seu lado contador de histórias. Como foi
dito antes, todo professor tem um contador dentro de si próprio e
pode vir a encontrá-lo através de tentativas práticas e não teóricas,
por isso a chave para descobrir é tentandor.
Na utilização da contação de histórias em sala de aula todos saem
ganhando, seja o aluno, que será instigado a imaginar e criar, seja o
professor, que terá uma aula muito mais agradável e produtiva.
METODOLOGIA
A linha-mestra da metodologia será a percepção e a construção da
linguagem oral e escrita. Posteriormente, através do ensino da
linguagem, será trabalhado a produção de diversos gêneros
textuais, tais como: 
·Leitura e análise de contos de autores conhecidos, produção e exposição;
·Leitura, debate e produção de fábulas;
·Produção e exposição de poesias (tema :meio ambiente ou nossa escola);
·Produção de paródias e exposição com acompanhamento musical;
·Roda de piadas selecionadas;
·Produção de propagandas e slogans;
·Produção de notícias a partir da realidade da cidade;
·Produção de uma carta pessoal;
·Troca de bilhetes na sala de aula ou escola;
Entrevistando o professor;
·Resenha de filme literário;
·Brincadeira em grupo com adivinhas;
·Produção de histórias em quadrinhos e exposição para  outras salas;
·Varal com literatura de cordel;
·Confecção e ilustração de livro com os gêneros estudados.
·Debates;
·Seminários;
·Dramatização dos textos produzidos;
·Trabalhos individuais e em grupos.
·Receita tradicional para o encerramento. 
EQUIPE DE TRABALHO:
diretora,coordenadora,profes
sora, alunos  e pais ou
responsáveis
RESULTADO ESPERADO
Autonomia dos educandos na busca de livros variados para leitura extraclasse;
Procura pelos clássicos brasileiros;
Saber que todo o processo de aprendizagem nasce e culmina com a leitura;
Produção de textos coerentes, coesos e criativos;
Alunos leitores capazes de influenciar na sua própria aprendizagem, na escolha e
hábito pela leitura.
Expressar-se diante de diferentes interlocutores;
Dramatizar (encenar textos);
Desenvolver o senso crítico;
Expressar-se oralmente com clareza, objetividade e postura. 
  AVALIAÇÃO:
Os alunos serão avaliados processualmente de forma contínua e
progressiva, diagnosticando e respeitando o grau de aprendizagem
e assimilação de cada educando, como: participação, interesse,
motivação e desenvolvimento das atividades. 
RECURSOS E MEIOS PARA A
EXECUÇÃO
Disponibilidade de computadores para pesquisa dos educandos;
Aquisição de material didático: De acordo com a necessidade;Câmera fotográfica;
Recurso pedagógico facilitador: livros, fita adesiva, cartolinas, cola, data show,
impressora, papel sulfite, tesoura, etc.
                                                                    
            
Conta que eu
conto
“Envolver literalmente o
aluno na apreciação da
história,desde as suas
peculiaridades até os mais
notáveis acontecimentos,a
torna envolvente e,
conseqüentemente,
qualitativa na construção da
linguagem oral e escrita.”
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
SILVA, Maria Betty Coelho. Contar histórias: uma arte sem idade.
São Paulo: Ática, 1986.
TAHAN, Malba. A arte de ler e de contar histórias. Rio de Janeiro:
Conquista, 1957.
Site: http://br.geocities.com/contadores_ufrgs/page02.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Cirlei Santos
 
Apresentação projeto viajando pela leitura.
Apresentação  projeto viajando pela leitura.Apresentação  projeto viajando pela leitura.
Apresentação projeto viajando pela leitura.
blogjl
 
Projeto Leitura é Fonte de Saber
Projeto Leitura é Fonte de Saber Projeto Leitura é Fonte de Saber
Projeto Leitura é Fonte de Saber
School
 
Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014
Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014
Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014
emraimundogaldino
 
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º anoProjeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Christiane Queiroz
 
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
juniorfuleragem
 
Projeto de incentivo a leitura e escrita atividade 1.3 e 1.4
Projeto de incentivo a leitura e escrita    atividade 1.3 e 1.4Projeto de incentivo a leitura e escrita    atividade 1.3 e 1.4
Projeto de incentivo a leitura e escrita atividade 1.3 e 1.4
fla20mu
 
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisApresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
leao162010
 
Projeto dia da cidade
Projeto dia da cidadeProjeto dia da cidade
Projeto dia da cidade
Marcio Moura
 

Mais procurados (20)

ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
 
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _  História em QuadrinhosProjeto de Leitura _  História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
 
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
 
MODELO DE Projeto literatura na escola
MODELO DE Projeto  literatura na escolaMODELO DE Projeto  literatura na escola
MODELO DE Projeto literatura na escola
 
Apresentação projeto viajando pela leitura.
Apresentação  projeto viajando pela leitura.Apresentação  projeto viajando pela leitura.
Apresentação projeto viajando pela leitura.
 
Projeto Leitura é Fonte de Saber
Projeto Leitura é Fonte de Saber Projeto Leitura é Fonte de Saber
Projeto Leitura é Fonte de Saber
 
Sala de leitura slide
Sala de leitura slideSala de leitura slide
Sala de leitura slide
 
Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014
Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014
Projeto leitura escrita séries iniciais rgs 2014
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º anoProjeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
 
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores10 projeto literatura, conecendo os principais autores
10 projeto literatura, conecendo os principais autores
 
Projeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu contoProjeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu conto
 
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leituraPlanejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
 
Maletinha magica projeto
Maletinha magica projetoMaletinha magica projeto
Maletinha magica projeto
 
Projeto de incentivo a leitura e escrita atividade 1.3 e 1.4
Projeto de incentivo a leitura e escrita    atividade 1.3 e 1.4Projeto de incentivo a leitura e escrita    atividade 1.3 e 1.4
Projeto de incentivo a leitura e escrita atividade 1.3 e 1.4
 
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciaisApresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
Apresentaçãp projeto de leitura nos anos iniciais
 
Projeto roda de leitura
Projeto roda de leituraProjeto roda de leitura
Projeto roda de leitura
 
Projeto dia da cidade
Projeto dia da cidadeProjeto dia da cidade
Projeto dia da cidade
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
 

Destaque

Projeto lingua portuguesa
Projeto lingua portuguesaProjeto lingua portuguesa
Projeto lingua portuguesa
escolapresb
 
Formação olimpíada de língua portuguesa
Formação  olimpíada de língua portuguesaFormação  olimpíada de língua portuguesa
Formação olimpíada de língua portuguesa
Gyam Karlo
 
Etapa i diagnóstico e planejamento participativos
Etapa i  diagnóstico e planejamento participativosEtapa i  diagnóstico e planejamento participativos
Etapa i diagnóstico e planejamento participativos
Ibitipoca Minas Rede
 
Exemplos de textos dissertativos
Exemplos de textos dissertativosExemplos de textos dissertativos
Exemplos de textos dissertativos
cristiane carvalho
 
Projeto alfabetização slides
Projeto alfabetização slidesProjeto alfabetização slides
Projeto alfabetização slides
grupoestrela
 
Sugestões de atividades para maternal caderno de projetos
Sugestões de atividades para maternal caderno de projetosSugestões de atividades para maternal caderno de projetos
Sugestões de atividades para maternal caderno de projetos
ProClaudinha2012
 
Ensino Fundamental De 9 Anos
Ensino Fundamental De 9 AnosEnsino Fundamental De 9 Anos
Ensino Fundamental De 9 Anos
Dilce
 

Destaque (20)

Projeto de linguagem
Projeto de linguagemProjeto de linguagem
Projeto de linguagem
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
 
Projeto de Literatura e Redação
Projeto de Literatura e RedaçãoProjeto de Literatura e Redação
Projeto de Literatura e Redação
 
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e códigoLinguagem, Adequação da linguagem, língua e código
Linguagem, Adequação da linguagem, língua e código
 
Projeto lingua portuguesa
Projeto lingua portuguesaProjeto lingua portuguesa
Projeto lingua portuguesa
 
Texto Oral e Escrito
Texto Oral e EscritoTexto Oral e Escrito
Texto Oral e Escrito
 
Projeto fluência
Projeto fluênciaProjeto fluência
Projeto fluência
 
Oralidae, escrita e mídia
Oralidae, escrita e mídiaOralidae, escrita e mídia
Oralidae, escrita e mídia
 
Formação olimpíada de língua portuguesa
Formação  olimpíada de língua portuguesaFormação  olimpíada de língua portuguesa
Formação olimpíada de língua portuguesa
 
Etapa i diagnóstico e planejamento participativos
Etapa i  diagnóstico e planejamento participativosEtapa i  diagnóstico e planejamento participativos
Etapa i diagnóstico e planejamento participativos
 
Leitura e compreensão - José Antonio
Leitura e compreensão  - José AntonioLeitura e compreensão  - José Antonio
Leitura e compreensão - José Antonio
 
Projeto de pesquisa: Jogando dominó de matrizes e determinantes
Projeto de pesquisa: Jogando dominó de matrizes e determinantesProjeto de pesquisa: Jogando dominó de matrizes e determinantes
Projeto de pesquisa: Jogando dominó de matrizes e determinantes
 
Exemplos de textos dissertativos
Exemplos de textos dissertativosExemplos de textos dissertativos
Exemplos de textos dissertativos
 
Pronomes de Tratamento
Pronomes de TratamentoPronomes de Tratamento
Pronomes de Tratamento
 
Proposta de aula usando recursos multimidiáticos
Proposta de aula usando recursos multimidiáticosProposta de aula usando recursos multimidiáticos
Proposta de aula usando recursos multimidiáticos
 
Webquest
WebquestWebquest
Webquest
 
Projeto alfabetização slides
Projeto alfabetização slidesProjeto alfabetização slides
Projeto alfabetização slides
 
Sugestões de atividades para maternal caderno de projetos
Sugestões de atividades para maternal caderno de projetosSugestões de atividades para maternal caderno de projetos
Sugestões de atividades para maternal caderno de projetos
 
Ensino Fundamental De 9 Anos
Ensino Fundamental De 9 AnosEnsino Fundamental De 9 Anos
Ensino Fundamental De 9 Anos
 
Produção Textual - Manifesto
Produção Textual  - ManifestoProdução Textual  - Manifesto
Produção Textual - Manifesto
 

Semelhante a PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA

Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestreSala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
Cirlei Santos
 

Semelhante a PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA (20)

Tcc cleide
Tcc cleideTcc cleide
Tcc cleide
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docxPROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
 
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docxPROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
 
Curso 7 classica
Curso 7 classicaCurso 7 classica
Curso 7 classica
 
Apresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um contoApresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um conto
 
Apresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um contoApresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um conto
 
Apresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um contoApresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um conto
 
Retomada aula final sugestão projeto (1)
Retomada aula final  sugestão projeto (1)Retomada aula final  sugestão projeto (1)
Retomada aula final sugestão projeto (1)
 
Retomada aula final sugestão projeto
Retomada aula final  sugestão projetoRetomada aula final  sugestão projeto
Retomada aula final sugestão projeto
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
 
Projeto literário: Entre Monstros e Fadas
Projeto literário: Entre Monstros e FadasProjeto literário: Entre Monstros e Fadas
Projeto literário: Entre Monstros e Fadas
 
Projeto mar de histórias
Projeto mar de históriasProjeto mar de histórias
Projeto mar de histórias
 
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestreSala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
 
Projeto Contos Infantis- Ensino Fundamental
Projeto Contos Infantis- Ensino FundamentalProjeto Contos Infantis- Ensino Fundamental
Projeto Contos Infantis- Ensino Fundamental
 
Aimport 111221044504-phpapp02
Aimport 111221044504-phpapp02Aimport 111221044504-phpapp02
Aimport 111221044504-phpapp02
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 

PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA

  • 1. Um palco para a linguagem oral e escrita Projeto de leitura:
  • 2. Leitura: um mundo mágico “Se mergulhar na história abraçando a idéia de atingir o mais alto nível da imaginação , sua mente abrirá um leque de possibilidades para a aceitação positiva do seu publico,além de garantir a atenção e o desenvolvimento cognitivo da criança”.
  • 3.
  • 4. Justificativa                Com a pouca ou falta total do hábito de leitura e escrita dos educandos das series iniciais, surgiu a necessidade de desenvolver um projeto adequado às duas realidades: incentivar e facilitar o acesso, tanto àqueles que já possui gosto pela leitura como para aqueles que não têm e para os que gostariam de desenvolver o hábito de ler, bem como instigá-los e incentivar àqueles que não o tem , a apreciar a leitura; conhecer clássicos literários; leitura e análise das poesias de modo que proporcione o desenvolvimento das potencialidades, habilidades e criatividade dos mesmos. Com o projeto cria-se condições para que o aluno se desenvolva e aperfeiçoe, de forma progressiva, contínua e integrada o uso da língua, conforme os mais recentes estudos e pesquisas sobre a aquisição da leitura e da escrita, os Parâmetros Curriculares Nacionais.  
  • 5. OBJETIVO GERAL:        Promover a leitura e escrita de diversos gêneros textuais, de forma que os alunos sejam motivados a ler e a escrever prazerosamente, assim como investigar, entender e discutir assuntos que compõem os livros e textos trabalhados e a interpretação e análise dos mesmos. Dessa maneira, prepará-los para a leitura e produção dos respectivos gêneros, fazendo uso da língua culta, aprimorando-a, e principalmente, despertar o gosto pela leitura.  
  • 6. OBJETIVOS ESPECIFICOS Promover primordialmente a leitura e a escrita; Elevar o nível de aprendizagem dos educandos, nas diversas áreas do conhecimento; Priorizar a leitura, interpretação e a escrita como fonte de formação e informação; Aprender a ler e analisar os aspectos diversos contidos na ficção como "retrato" de realidades; Perceber que o estudo da gramática dar- se- á no contexto do texto; Valorizar e utilizar a linguagem de acordo com a situação sociocomuticativa, bem como as diferentes formas de falar, pensar e agir do indivíduo. 
  • 7. Da teoria à prática Há muitos e muitos anos que a contação de histórias habita o mundo das escolas, mas muitos professores ainda não descobriram o quanto as histórias podem ajudá-los em sua missão de educadores. Muitos utilizam as histórias, quando utilizam, apenas para acalmar os alunos e não vêem as várias possibilidades de uma boa história. Podemos dizer que o principal objetivo de contar uma história em sala de aula é DIVERTIR, estimulando a imaginação dos alunos. Mas juntamente com este clima de alegria e interesse que a história desperta, pode a história atingir outros objetivos, como: educar, instruir, desenvolver a inteligência, ser o ponto de partida para ensinar algum conteúdo programático ou mesmo ser um dos instrumentos para tentar entender o que se passa com os alunos no campo pessoal, pois, muitas vezes, durante a história eles falam do que os está incomodado sem vergonha ou medo, já que se vêem dentro da mesma. Uma história bem contada pode ajudar o aluno a interessar-se pela aula. Permite, em geral, a auto- identificação, favorecendo a aceitação de situações desagradáveis e ajudando a resolver conflitos. Agrada a todos sem fazer distinção de idade, de classe social, de circunstância de vida. Quando o professor decide contar uma história é necessário que a escolha com muito cuidado e carinho, pois ela deve ser adequada à faixa etária, ao interesse dos ouvintes, aos objetivos do próprio professor. A escolha da história funciona como uma chave mágica e tem importância decisiva no processo narrativo. Geralmente, os professores acham que é necessário um talento especial para contar histórias, mas não é. Todo professor tem dentro de si um contador de histórias, apenas precisa encontrá-lo e aprimorá-lo. Para que isto aconteça pode-se levar em consideração, segundo Malba Tahan, algumas características que um bom contador de histórias deve ter:
  • 8. 1ª - Sentir, ou melhor, viver a história; ter a expressão viva, ardente, sugestiva. A história deve despertar a sensibilidade de quem a conta, sem emoção, não terá sucesso. 2ª - Narrar com naturalidade, sem afetação. O vocabulário utilizado deve ser adequado ao público ouvinte. Na oralidade é preciso ser mais claro e objetivo, sendo necessário, às vezes, completar as idéias da história. 3ª - Conhecer com absoluta confiança o enredo. O contador tem que estar seguro sobre o que vai contar, do contrário é melhor não contar.
  • 9. 4ª - Dominar o interesse do público. Sempre buscar maneiras de fazer com que os ouvintes permaneçam concentrados na história. 5ª - Contar dramaticamente. O contador pode se passar por algum dos personagens ou por todos. 6ª - Falar com voz adequada, clara e agradável. Não convém falar em falsete ou impostando a voz, a não ser que seja em momentos específicos para caracterizar um personagem. 7ª - Ser comedido nos gestos. Se exagerar em gestos sem objetivos, quando fizer um que seja necessário para melhor entender a história, não será notado 8ª - Ter espírito inventivo e original. Contar as histórias com suas próprias palavras – contar o que está velho de forma nova. Se a história for de livro deve ser adaptada, pois a linguagem escrita é diferente da oral. 9ª - Ter estudado a história. Não é necessário decorar, mas sim testar diversas possibilidades de exploração oral para contar com espontaneidade.
  • 10.   Não se apavore com esta lista que Malba Tahan traz, são apenas dicas que funcionam. Assim como estas, deve haver muitas outras para colocar em prática seu lado contador de histórias. Como foi dito antes, todo professor tem um contador dentro de si próprio e pode vir a encontrá-lo através de tentativas práticas e não teóricas, por isso a chave para descobrir é tentandor. Na utilização da contação de histórias em sala de aula todos saem ganhando, seja o aluno, que será instigado a imaginar e criar, seja o professor, que terá uma aula muito mais agradável e produtiva.
  • 11. METODOLOGIA A linha-mestra da metodologia será a percepção e a construção da linguagem oral e escrita. Posteriormente, através do ensino da linguagem, será trabalhado a produção de diversos gêneros textuais, tais como: 
  • 12. ·Leitura e análise de contos de autores conhecidos, produção e exposição; ·Leitura, debate e produção de fábulas; ·Produção e exposição de poesias (tema :meio ambiente ou nossa escola); ·Produção de paródias e exposição com acompanhamento musical; ·Roda de piadas selecionadas; ·Produção de propagandas e slogans; ·Produção de notícias a partir da realidade da cidade; ·Produção de uma carta pessoal; ·Troca de bilhetes na sala de aula ou escola;
  • 13. Entrevistando o professor; ·Resenha de filme literário; ·Brincadeira em grupo com adivinhas; ·Produção de histórias em quadrinhos e exposição para  outras salas; ·Varal com literatura de cordel; ·Confecção e ilustração de livro com os gêneros estudados. ·Debates; ·Seminários; ·Dramatização dos textos produzidos; ·Trabalhos individuais e em grupos. ·Receita tradicional para o encerramento. 
  • 14. EQUIPE DE TRABALHO: diretora,coordenadora,profes sora, alunos  e pais ou responsáveis
  • 15. RESULTADO ESPERADO Autonomia dos educandos na busca de livros variados para leitura extraclasse; Procura pelos clássicos brasileiros; Saber que todo o processo de aprendizagem nasce e culmina com a leitura; Produção de textos coerentes, coesos e criativos; Alunos leitores capazes de influenciar na sua própria aprendizagem, na escolha e hábito pela leitura. Expressar-se diante de diferentes interlocutores; Dramatizar (encenar textos); Desenvolver o senso crítico; Expressar-se oralmente com clareza, objetividade e postura. 
  • 16.   AVALIAÇÃO: Os alunos serão avaliados processualmente de forma contínua e progressiva, diagnosticando e respeitando o grau de aprendizagem e assimilação de cada educando, como: participação, interesse, motivação e desenvolvimento das atividades. 
  • 17. RECURSOS E MEIOS PARA A EXECUÇÃO Disponibilidade de computadores para pesquisa dos educandos; Aquisição de material didático: De acordo com a necessidade;Câmera fotográfica; Recurso pedagógico facilitador: livros, fita adesiva, cartolinas, cola, data show, impressora, papel sulfite, tesoura, etc.                                                                                  
  • 18. Conta que eu conto “Envolver literalmente o aluno na apreciação da história,desde as suas peculiaridades até os mais notáveis acontecimentos,a torna envolvente e, conseqüentemente, qualitativa na construção da linguagem oral e escrita.”
  • 19. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA SILVA, Maria Betty Coelho. Contar histórias: uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 1986. TAHAN, Malba. A arte de ler e de contar histórias. Rio de Janeiro: Conquista, 1957. Site: http://br.geocities.com/contadores_ufrgs/page02.htm