SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
Baixar para ler offline
REVISÃO
HISTÓRIA DA ARTE
• Pré – História
• Antiguidade Clássica
• Idade Média
Professora: Maiara Giordani Reffatti
PRÉ-HISTÓRIA - ARTE RUPESTRE
• PERÍODO PALEOLÍTICO:
• Também é chamado de “Idade da Pedra Lascada”.
• Armas e os instrumentos de pedra produzidos pelos grupos
humanos eram “lascados” para adquirir bordas cortantes.
• PERÍODO NEOLÍTICO:
• início da agricultura e da domesticação de animais, que permitiu ao
homem a substituição da vida nômade, errante, por uma vida mais
estável.
• houve um rápido aumento populacional e o desenvolvimento dos
primeiros núcleos familiares, além da divisão do trabalho nas
comunidades.
• IDADE DOS METAIS:
• Na Idade dos Metais, o ser humano já havia dominado a produção
do fogo. Graças a isso, o artista pôde começar a trabalhar o metal
servindo-se, possivelmente, da técnica com forma de barro ou da
técnica da cera perdida, e produzir peças muito bem-feitas:
A MISTICIDADE POR TRÁS DA PINTURA
• Seriam obra de caçadores, como parte de
rituais de magia. Talvez o pintor-caçador
acreditasse que, "aprisionando" a
imagem do animal, teria poder sobre ele.
Assim, se o representasse mortalmente
ferido no desenho, conseguiria abatê-lo
na vida real. É claro que essa é apenas
uma hipótese, pois não há como
comprová-la.
PINTURA
• PALEOLÍTICO: Naturalismo - o artista do
Paleolítico representava os seres do modo
como os via de determinada perspectiva, isto
é, reproduzia a natureza tal qual sua visão
captava.
NEOLÍTICO: O estilo naturalista foi substituído por um
estilo mais simples e geométrico, nesse momento os
sinais e figuras mais sugerem do que reproduzem os
seres, as imagens passam a transmitir ideia de
movimento, o ser humano passou a ser representado
em suas atividades cotidianas e coletivas.
PALEOLÍTICO: NEOLÍTICO:
ANTIGUIDADE CLÁSSICA – ARTE
EGÍPCIA
• Uma das principais civilizações da
antiguidade.
• Religião é a base da arte. É a partir da
compreensão da importância que a religião
assumia no Egito Antigo que se pode entender
a arte do povo egípcio. Toda a produção
artística estava subordinada à pessoa do faraó,
e tudo que lhe dizia respeito era sagrado
• Grande importância na vida após a morte.
• ARQUITETURA: • solidez e durabilidade;
• sentimento de eternidade;
• aspecto misterioso e impenetrável.
• PINTURA: • ausência de três dimensões;
• ignorância da profundidade;
• colorido a tinta lisa, sem claro-escuro e sem
indicação do relevo;
• Lei da Frontalidade que determinava que o
tronco da pessoa fosse representado sempre
de frente, enquanto sua cabeça, suas pernas e
seus pés eram vistos de perfil.
• Tintas: eram encontradas na natureza (pó de
minério e matérias orgânicas)
PINTURA
• O que mais importava não era a
beleza, mas sim a plenitude. A
tarefa do artista era preservar
tudo com a maior clareza e
permanência possível.
• O artista limitava-se a aprender
as técnicas já existentes,
mantendo a tradição das
pinturas.
• Hierarquia da pintura: eram
representadas maiores as
pessoas com maior importância
no reino, ou seja, nesta ordem
de grandeza: o rei, a mulher do
rei, o sacerdote, os soldados e o
povo. As figuras femininas eram
pintadas em ocre, enquanto que
as masculinas pintadas de
vermelho.
ARTE GREGA
RITMO – EQUILÍBROI – HARMONIA E PERFEIÇÃO
• A Arte Grega volta-se para o gozo da vida
presente. Contemplando a natureza, o artista se
empolga pela vida e tenta, através da arte,
exprimir suas manifestações. Na sua constante
busca pela perfeição, o artista grego cria uma
arte de elaboração intelectual em que
predominam o ritmo, o equilíbrio, a harmonia
ideal. Eles tem como características: o
racionalismo; amor pela beleza; interesse pelo
homem e a democracia.
ARQUITETURA
• Templos: Construídos com o intuito de
homenagear os deuses, utilizava-se basicamente
para armazenar estátuas (os cultos eram ao lado
de fora).
• Teatros: Eram construídos em lugares abertos
(encostas) calculados de acordo com uma
inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de
14.000 espectadores e tornou-se famoso por sua
acústica perfeita.
• Ginásios: Edifícios destinados a cultura física.
• Praça: Ágora onde os gregos se reuniam para
discutir os mais variados assuntos (vida social).
TEMPLOS
----> FRONTÃO
----> COLUNAS
----> BASE
PARTENON
TEATROS
TEATRO: Tragédia e Comédia
• O teatro era usado como uma forma de educar o povo (aprender com o
exemplo)
• Eram exibidos duas TRAGÉDIAS e uma COMÉDIA
• Os homens interpretavam personagens femininos utilizando a respectiva
máscara
• As máscaras possuíam um cone interno, em frente a boca, para direcionar
o som para fora e propagá-lo
GINÁSIOS
PRAÇAS
ORDENS
simplicidade e
severidade,
transmite uma
ideia de solidez e
imponência =
homem
representava
a graça e o
feminino =
mulher
formado com
folhas de acanto
Sugere ambição,
riqueza e poder =
natureza
PINTURA
• A pintura grega encontra-se nas cerâmicas.
• Os vasos gregos são também conhecidos não só pelo
equilíbrio de sua forma, mas também pela harmonia
entre o desenho, as cores e o espaço utilizado para
ornamentação.
• Além de servir para rituais religiosos, esses vasos eram
utilizados para armazenar, entre outras coisas, água,
vinho, azeite e mantimentos. Por isso a sua forma,
correspondia à função que eram destinados.
• As pinturas dos vasos, representavam pessoas em suas
atividades diárias e cenas da mitologia grega.
• 2 TÉCNICAS:
• Pintar o vaso e retirar a tinta: figuras
avermelhadas/amareladas
• Pintar as imagens e deixar o vaso na cor natural: figuras
negras
ESCULTURA
• PERÍODO ARCAICO: esculturas simétricas, em
rigorosa posição frontal, com o peso do corpo
igualmente distribuído sobre suas pernas,
mulheres vestidas, esculturas em mármore.
• PERÍODO CLÁSSICO: passou-se a procurar mais
movimento, surge o nu feminino, esculturas em
mármore e bronze.
• PERÍODO HELENÍSTICO: passou-se a representar a
emoção, os sentimentos, a representação não de
uma figura apenas, mas de grupos de figuras que
mantivessem a sugestão de mobilidade e fossem
bonitos de todos os ângulos que pudessem ser
observados, ideia de movimento inclusive nos
tecidos.
ARCAICO CLÁSSICO HELENÍSTICO
ARTE ROMANA
ESPÍRITO PRÁTICO
EMPREGAR FORMAS QUE REVELASSE BELEZA
A formação cultural do povo romano sofreu
forte influência de gregos e etruscos, que
ocuparam diferentes regiões da Itália entre os
séculos XII e VI a.C. Os romanos receberam dos
etruscos a ideia de que a arte deve expressar a
realidade vivida. Dos gregos, herdaram a visão
de que a arte deve expressar um ideal de
beleza.
ARQUITETURA
• TEMPLOS eram utilizados para homenagear e rezar aos
deuses;
• BASÍLICA destinadas a realização de assembleias;
• TERMAS garantiam a higiene para todo romano;
• AQUEDUTOS tinha por finalidade conduzir a água;
Divertimento: CIRCO, TEATRO, ANFITEATRO
Monumentos decorativos: ARCO DO TRIUNFO, COLUNA
TRIUNFAL
Moradia: CASA (ÁTRIO)
TEMPLOS
INOVAÇÃO:
CÚPULA E
ARCO
BASÍLICA
TERMAS
• Locais destinados aos
banhos públicos;
• higiene corporal e a
terapia pela água com
propriedades medicinais;
• Homens e mulheres
tomavam banhos
separados.
• O desenvolvimento da
tecnologia de construção
de aquedutos conduziu a
construção de diversas
termas em vários pontos
do território antigamente
ocupado pelo Império
Romano.
• Vida social dos romanos.
AQUEDUTOS
ANFITEATROS
• Foram adaptados dos
teatros gregos para
servirem aos
combates de
gladiadores, de
animais selvagens e
demais diversões
públicas.
• Podiam ser até
cheios de água
(alguns deles) para
espetáculos de
combates navais.
• Alguns anfiteatros
acomodavam até
47.000 pessoas.
O mais famoso anfiteatro, o COLISEU: A planta é elíptica (oval)
A fachada apresenta colunas das três ordens arquitetônicas
gregas, os assentos eram de mármore.
Hipogeu
Arena
(com areia)
Coluna de Trajano
ARCO DE TITO
ARCO DE CONSTANTINO
ARCO DO TRIUNFO - Napoleão
MOSAICO E PINTURA
• O mosaico foi muito utilizado na decoração de muros e pisos da
arquitetura em geral.
• Apresenta um tratamento de profundidade muito expressivo e
valorizava os ambientes.
• A pintura mural recorreu ao efeito da tridimensionalidade e ao uso de
cores bastante saturadas.
• TÉCNICA DO AFRESCO.
• Cenas do cotidiano, figuras mitológicas, religiosas e conquistas militares
foram temas das pinturas romanas.
Primeiro estilo: recobrir as paredes de uma sala com uma camada de
gesso pintado; que dava impressão de placas de mármore.
Segundo estilo: Os artistas começaram a pintar painéis que criavam a
ilusão de janelas abertas por onde eram vistas paisagens com animais,
aves e pessoas, formando um grande mural.
Terceiro estilo: Representações fiéis da realidade e valorização da
delicadeza dos pequenos detalhes.
Quarto estilo: Um painel de fundo vermelho, tendo ao centro uma
pintura, geralmente cópia de obra grega, imitando um cenário teatral.
• Por serem realistas e práticos, suas esculturas são em geral
uma representação das pessoas, e não a de um ideal de
beleza humana, como fizeram os gregos.
• Representar os traços característicos do retratado.
• A preocupação romana com representações bastante
realistas pode ser observada não só nas estátuas de
imperadores, mas também nos relevos esculpidos em
monumentos que celebram feitos importantes do Império
Romano.
• As classes dominantes utilizavam a escultura como
manifestação da sua elevada posição social e política com
caráter propagandístico.
• Ao longo do tempo, essa tendência evoluiu para bustos.
• Baseava-se em dois materiais: o mármore e o bronze.
ESCULTURA
Soldado grego Soldado romano
IDADE MÉDIA – ARTE BIZANTINA
• Influências: Gregos, Romanos e povo bárbaro
• Pintura: Ícones - Eram pequenos painéis de madeira
com imagens pintadas, as imagens de santos e seres
sagrados são rígidas, em pose frontal, geralmente
com halo (auréola) e olhar fixo. Acreditava-se que os
ícones tinham propriedades milagrosas.
• Mosaico: Decoração e ensinamentos bíblicos
• Arquitetura: Base circular, octogonal ou quadrada
com enormes cúpulas (para transmitir a sensação de
estar na presença de Deus).
ARTE ROMÂNICA
• Arquitetura: Abóboda, pilares maciços (que a sustentam), paredes
espessas com aberturas estreitas usadas como janelas (janelas
pequenas para não comprometer a estrutura de sustentação da
abóboda). Igreja em formato de cruz.
• Escultura: Relevos e pilares presentes na arquitetura
• Pintura: Afrescos - tinham como modelo as ilustrações dos livros
religiosos, portanto, não registra assuntos profanos, isto é, não
religiosos, como paisagens, animais, pessoas em sua atividades
diárias. A DEFORMAÇÃO traduz os sentimentos religiosos e a
interpretação mística que o artista fazia da realidade, o
COLORISMO realizou-se no emprego de cores chapadas, isto é,
uniformes, sem preocupação com meios tons ou jogos de luz e
sombra, pois não havia a intenção de imitar a natureza
ARTE GÓTICA
• Arquitetura: Três portais, pontas agulhadas das torres (apontar para
Deus), rosácea, vitrais coloridos, arcos góticos (levemente
pontiagudo). A abóboda de nervuras, arco ogival, pilares.
• Vitral: A cor nas peças de vidro era obtida pela adição de substâncias
como o bismuto, o cádmio, o cobalto, o ouro, o cobre e outros, à
massa de vidro em fusão, era usado chumbo nas junções e soldaduras.
Formato de janela.
• Rosácea: Utilizava a mesma técnica do vitral. Formato circular.
Presente nos quatro cantos.
• Escultura: Ilustração dos ensinamentos bíblicos, verticalidade
exagerada (apontar para Deus), reconhecimento Fácil, quimera e
gárgula.
• Iluminura: Pele de cordeiro, uso de ouro, prata, marfim e esmalte,
copistas (copiar da bíblia uma passagem), artistas (desenhavam e
pintavam), caráter individualista (cada monge fazia do seu jeito),
influências à outros pintores.
• Pintura: Procura do realismo, predomínio de temas religiosos, GIOTTO
- Visão humanista (santos parecidos com seres humanos), JAN VAN
EYCK - (tinta a óleo),Visão urbana e sociedade, perspectiva, detalhes,
paisagem.
Evolução das tintas
• Têmpera: Pigmentos naturais + clara de ovo
(ressecava, não possibilitando fazer grande quantidade
de cores para armazenar, tinta de secagem rápida –
com dificuldade o artista conseguia o mesmo tom de
cor)
• Encáustica: Pigmentos + cera de abelha (Derretia-
se a cera para acrescentar o pigmento, tinta de
secagem rápida o artista deveria trabalhar com a cera
ainda quente, o que fazia com que executasse sua
pintura com rapidez)
• À óleo: Pigmento + óleo de linhaça (possível
armazenamento e secagem demorada, o artista passou
a ter mais tempo para executar a obra, que a partir
desse momento fica mais rica em detalhes)
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
A arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmiaA arte na mesopotâmia
A arte na mesopotâmia
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Arte erudita popular e de massa
Arte erudita popular e de massaArte erudita popular e de massa
Arte erudita popular e de massa
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
Mitologia grega
Mitologia grega Mitologia grega
Mitologia grega
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte urbana
Arte urbana Arte urbana
Arte urbana
 
Escultura-artes
Escultura-artesEscultura-artes
Escultura-artes
 
Arte na antiguidade.
Arte na antiguidade.Arte na antiguidade.
Arte na antiguidade.
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Introdução a disciplina de arte
Introdução a disciplina de arteIntrodução a disciplina de arte
Introdução a disciplina de arte
 

Destaque

Final da Idade Média - Renascimento
Final da Idade Média - Renascimento Final da Idade Média - Renascimento
Final da Idade Média - Renascimento Maiara Giordani
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanosMaiara Giordani
 
HISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e Pontilhismo
HISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e PontilhismoHISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e Pontilhismo
HISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e PontilhismoMaiara Giordani
 
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosHistória da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosMaiara Giordani
 
Resumão de História da Arte
Resumão de História da ArteResumão de História da Arte
Resumão de História da ArteEdenilson Morais
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoMaiara Giordani
 
Cultura do Senado
Cultura do SenadoCultura do Senado
Cultura do SenadoTiago Silva
 
Arquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma AntigaArquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma AntigaAmanda Barp
 
Teatro Renascentista Prof Mateus Ciucci
Teatro Renascentista Prof Mateus CiucciTeatro Renascentista Prof Mateus Ciucci
Teatro Renascentista Prof Mateus CiucciRomero Almeida
 

Destaque (20)

Final da Idade Média - Renascimento
Final da Idade Média - Renascimento Final da Idade Média - Renascimento
Final da Idade Média - Renascimento
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
Antiguidade e idade média
Antiguidade e idade médiaAntiguidade e idade média
Antiguidade e idade média
 
Arte românica
Arte românicaArte românica
Arte românica
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanos
 
HISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e Pontilhismo
HISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e PontilhismoHISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e Pontilhismo
HISTÓRIA DA ARTE - Século XIX na Europa - Impressionismo e Pontilhismo
 
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosHistória da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
 
Resumão de História da Arte
Resumão de História da ArteResumão de História da Arte
Resumão de História da Arte
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 
A r t e r o m a
A r t e   r o m aA r t e   r o m a
A r t e r o m a
 
Cultura do Senado
Cultura do SenadoCultura do Senado
Cultura do Senado
 
Escultura i pintura romana
Escultura i pintura romanaEscultura i pintura romana
Escultura i pintura romana
 
Intervenção urbana na escola
Intervenção urbana na escolaIntervenção urbana na escola
Intervenção urbana na escola
 
Arquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma AntigaArquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma Antiga
 
Roma 02
Roma 02Roma 02
Roma 02
 
Teatro Renascentista Prof Mateus Ciucci
Teatro Renascentista Prof Mateus CiucciTeatro Renascentista Prof Mateus Ciucci
Teatro Renascentista Prof Mateus Ciucci
 
História em quadrinho
História em quadrinhoHistória em quadrinho
História em quadrinho
 
Slide intervenção forma urbana
Slide intervenção forma urbanaSlide intervenção forma urbana
Slide intervenção forma urbana
 

Semelhante a Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média

Arte na antiguidade 1ºs anos s.l
Arte na antiguidade 1ºs anos s.lArte na antiguidade 1ºs anos s.l
Arte na antiguidade 1ºs anos s.lLú Feitosa
 
História da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaHistória da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaGeraldo Mellado
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoAline Raposo
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...Anita Rink
 
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Viviane Marques
 
Introdução à História da Arte - Pré História e Egito
Introdução à História da Arte - Pré História e EgitoIntrodução à História da Arte - Pré História e Egito
Introdução à História da Arte - Pré História e Egitoalinewar
 
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e EgitoRoteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egitoalinewar
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoAndrea Dressler
 
Breve estudo da história da arte
Breve estudo da história da arteBreve estudo da história da arte
Breve estudo da história da arteEliana Frade
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.pptEndelion
 

Semelhante a Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média (20)

Arte na antiguidade
Arte na antiguidadeArte na antiguidade
Arte na antiguidade
 
Arte na antiguidade 1ºs anos s.l
Arte na antiguidade 1ºs anos s.lArte na antiguidade 1ºs anos s.l
Arte na antiguidade 1ºs anos s.l
 
HistóRia Da Arte
HistóRia Da ArteHistóRia Da Arte
HistóRia Da Arte
 
Arte grega 2019
Arte grega 2019Arte grega 2019
Arte grega 2019
 
3 arte grega 2020
3 arte grega 20203 arte grega 2020
3 arte grega 2020
 
História da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaHistória da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipcia
 
Textos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino MedioTextos historia da arte Ensino Medio
Textos historia da arte Ensino Medio
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
 
2 arte egito 2020
2 arte egito 20202 arte egito 2020
2 arte egito 2020
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
 
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Introdução à História da Arte - Pré História e Egito
Introdução à História da Arte - Pré História e EgitoIntrodução à História da Arte - Pré História e Egito
Introdução à História da Arte - Pré História e Egito
 
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e EgitoRoteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
Roteiro de Estudos - Introdução à História da Arte, Pré-História e Egito
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
 
Breve estudo da história da arte
Breve estudo da história da arteBreve estudo da história da arte
Breve estudo da história da arte
 
Grécia 03
Grécia 03Grécia 03
Grécia 03
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 

Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média

  • 1. REVISÃO HISTÓRIA DA ARTE • Pré – História • Antiguidade Clássica • Idade Média Professora: Maiara Giordani Reffatti
  • 2.
  • 3. PRÉ-HISTÓRIA - ARTE RUPESTRE • PERÍODO PALEOLÍTICO: • Também é chamado de “Idade da Pedra Lascada”. • Armas e os instrumentos de pedra produzidos pelos grupos humanos eram “lascados” para adquirir bordas cortantes. • PERÍODO NEOLÍTICO: • início da agricultura e da domesticação de animais, que permitiu ao homem a substituição da vida nômade, errante, por uma vida mais estável. • houve um rápido aumento populacional e o desenvolvimento dos primeiros núcleos familiares, além da divisão do trabalho nas comunidades. • IDADE DOS METAIS: • Na Idade dos Metais, o ser humano já havia dominado a produção do fogo. Graças a isso, o artista pôde começar a trabalhar o metal servindo-se, possivelmente, da técnica com forma de barro ou da técnica da cera perdida, e produzir peças muito bem-feitas:
  • 4. A MISTICIDADE POR TRÁS DA PINTURA • Seriam obra de caçadores, como parte de rituais de magia. Talvez o pintor-caçador acreditasse que, "aprisionando" a imagem do animal, teria poder sobre ele. Assim, se o representasse mortalmente ferido no desenho, conseguiria abatê-lo na vida real. É claro que essa é apenas uma hipótese, pois não há como comprová-la.
  • 5. PINTURA • PALEOLÍTICO: Naturalismo - o artista do Paleolítico representava os seres do modo como os via de determinada perspectiva, isto é, reproduzia a natureza tal qual sua visão captava.
  • 6. NEOLÍTICO: O estilo naturalista foi substituído por um estilo mais simples e geométrico, nesse momento os sinais e figuras mais sugerem do que reproduzem os seres, as imagens passam a transmitir ideia de movimento, o ser humano passou a ser representado em suas atividades cotidianas e coletivas.
  • 8. ANTIGUIDADE CLÁSSICA – ARTE EGÍPCIA • Uma das principais civilizações da antiguidade. • Religião é a base da arte. É a partir da compreensão da importância que a religião assumia no Egito Antigo que se pode entender a arte do povo egípcio. Toda a produção artística estava subordinada à pessoa do faraó, e tudo que lhe dizia respeito era sagrado • Grande importância na vida após a morte.
  • 9. • ARQUITETURA: • solidez e durabilidade; • sentimento de eternidade; • aspecto misterioso e impenetrável. • PINTURA: • ausência de três dimensões; • ignorância da profundidade; • colorido a tinta lisa, sem claro-escuro e sem indicação do relevo; • Lei da Frontalidade que determinava que o tronco da pessoa fosse representado sempre de frente, enquanto sua cabeça, suas pernas e seus pés eram vistos de perfil. • Tintas: eram encontradas na natureza (pó de minério e matérias orgânicas)
  • 10. PINTURA • O que mais importava não era a beleza, mas sim a plenitude. A tarefa do artista era preservar tudo com a maior clareza e permanência possível. • O artista limitava-se a aprender as técnicas já existentes, mantendo a tradição das pinturas. • Hierarquia da pintura: eram representadas maiores as pessoas com maior importância no reino, ou seja, nesta ordem de grandeza: o rei, a mulher do rei, o sacerdote, os soldados e o povo. As figuras femininas eram pintadas em ocre, enquanto que as masculinas pintadas de vermelho.
  • 11.
  • 12. ARTE GREGA RITMO – EQUILÍBROI – HARMONIA E PERFEIÇÃO • A Arte Grega volta-se para o gozo da vida presente. Contemplando a natureza, o artista se empolga pela vida e tenta, através da arte, exprimir suas manifestações. Na sua constante busca pela perfeição, o artista grego cria uma arte de elaboração intelectual em que predominam o ritmo, o equilíbrio, a harmonia ideal. Eles tem como características: o racionalismo; amor pela beleza; interesse pelo homem e a democracia.
  • 13. ARQUITETURA • Templos: Construídos com o intuito de homenagear os deuses, utilizava-se basicamente para armazenar estátuas (os cultos eram ao lado de fora). • Teatros: Eram construídos em lugares abertos (encostas) calculados de acordo com uma inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de 14.000 espectadores e tornou-se famoso por sua acústica perfeita. • Ginásios: Edifícios destinados a cultura física. • Praça: Ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos (vida social).
  • 16. TEATRO: Tragédia e Comédia • O teatro era usado como uma forma de educar o povo (aprender com o exemplo) • Eram exibidos duas TRAGÉDIAS e uma COMÉDIA • Os homens interpretavam personagens femininos utilizando a respectiva máscara • As máscaras possuíam um cone interno, em frente a boca, para direcionar o som para fora e propagá-lo
  • 19. ORDENS simplicidade e severidade, transmite uma ideia de solidez e imponência = homem representava a graça e o feminino = mulher formado com folhas de acanto Sugere ambição, riqueza e poder = natureza
  • 20. PINTURA • A pintura grega encontra-se nas cerâmicas. • Os vasos gregos são também conhecidos não só pelo equilíbrio de sua forma, mas também pela harmonia entre o desenho, as cores e o espaço utilizado para ornamentação. • Além de servir para rituais religiosos, esses vasos eram utilizados para armazenar, entre outras coisas, água, vinho, azeite e mantimentos. Por isso a sua forma, correspondia à função que eram destinados. • As pinturas dos vasos, representavam pessoas em suas atividades diárias e cenas da mitologia grega. • 2 TÉCNICAS: • Pintar o vaso e retirar a tinta: figuras avermelhadas/amareladas • Pintar as imagens e deixar o vaso na cor natural: figuras negras
  • 21.
  • 22. ESCULTURA • PERÍODO ARCAICO: esculturas simétricas, em rigorosa posição frontal, com o peso do corpo igualmente distribuído sobre suas pernas, mulheres vestidas, esculturas em mármore. • PERÍODO CLÁSSICO: passou-se a procurar mais movimento, surge o nu feminino, esculturas em mármore e bronze. • PERÍODO HELENÍSTICO: passou-se a representar a emoção, os sentimentos, a representação não de uma figura apenas, mas de grupos de figuras que mantivessem a sugestão de mobilidade e fossem bonitos de todos os ângulos que pudessem ser observados, ideia de movimento inclusive nos tecidos.
  • 24. ARTE ROMANA ESPÍRITO PRÁTICO EMPREGAR FORMAS QUE REVELASSE BELEZA A formação cultural do povo romano sofreu forte influência de gregos e etruscos, que ocuparam diferentes regiões da Itália entre os séculos XII e VI a.C. Os romanos receberam dos etruscos a ideia de que a arte deve expressar a realidade vivida. Dos gregos, herdaram a visão de que a arte deve expressar um ideal de beleza.
  • 25. ARQUITETURA • TEMPLOS eram utilizados para homenagear e rezar aos deuses; • BASÍLICA destinadas a realização de assembleias; • TERMAS garantiam a higiene para todo romano; • AQUEDUTOS tinha por finalidade conduzir a água; Divertimento: CIRCO, TEATRO, ANFITEATRO Monumentos decorativos: ARCO DO TRIUNFO, COLUNA TRIUNFAL Moradia: CASA (ÁTRIO)
  • 28. TERMAS • Locais destinados aos banhos públicos; • higiene corporal e a terapia pela água com propriedades medicinais; • Homens e mulheres tomavam banhos separados. • O desenvolvimento da tecnologia de construção de aquedutos conduziu a construção de diversas termas em vários pontos do território antigamente ocupado pelo Império Romano. • Vida social dos romanos.
  • 30. ANFITEATROS • Foram adaptados dos teatros gregos para servirem aos combates de gladiadores, de animais selvagens e demais diversões públicas. • Podiam ser até cheios de água (alguns deles) para espetáculos de combates navais. • Alguns anfiteatros acomodavam até 47.000 pessoas.
  • 31. O mais famoso anfiteatro, o COLISEU: A planta é elíptica (oval) A fachada apresenta colunas das três ordens arquitetônicas gregas, os assentos eram de mármore. Hipogeu Arena (com areia)
  • 35. ARCO DO TRIUNFO - Napoleão
  • 36. MOSAICO E PINTURA • O mosaico foi muito utilizado na decoração de muros e pisos da arquitetura em geral. • Apresenta um tratamento de profundidade muito expressivo e valorizava os ambientes. • A pintura mural recorreu ao efeito da tridimensionalidade e ao uso de cores bastante saturadas. • TÉCNICA DO AFRESCO. • Cenas do cotidiano, figuras mitológicas, religiosas e conquistas militares foram temas das pinturas romanas. Primeiro estilo: recobrir as paredes de uma sala com uma camada de gesso pintado; que dava impressão de placas de mármore. Segundo estilo: Os artistas começaram a pintar painéis que criavam a ilusão de janelas abertas por onde eram vistas paisagens com animais, aves e pessoas, formando um grande mural. Terceiro estilo: Representações fiéis da realidade e valorização da delicadeza dos pequenos detalhes. Quarto estilo: Um painel de fundo vermelho, tendo ao centro uma pintura, geralmente cópia de obra grega, imitando um cenário teatral.
  • 37.
  • 38.
  • 39. • Por serem realistas e práticos, suas esculturas são em geral uma representação das pessoas, e não a de um ideal de beleza humana, como fizeram os gregos. • Representar os traços característicos do retratado. • A preocupação romana com representações bastante realistas pode ser observada não só nas estátuas de imperadores, mas também nos relevos esculpidos em monumentos que celebram feitos importantes do Império Romano. • As classes dominantes utilizavam a escultura como manifestação da sua elevada posição social e política com caráter propagandístico. • Ao longo do tempo, essa tendência evoluiu para bustos. • Baseava-se em dois materiais: o mármore e o bronze. ESCULTURA
  • 41.
  • 42. IDADE MÉDIA – ARTE BIZANTINA • Influências: Gregos, Romanos e povo bárbaro • Pintura: Ícones - Eram pequenos painéis de madeira com imagens pintadas, as imagens de santos e seres sagrados são rígidas, em pose frontal, geralmente com halo (auréola) e olhar fixo. Acreditava-se que os ícones tinham propriedades milagrosas. • Mosaico: Decoração e ensinamentos bíblicos • Arquitetura: Base circular, octogonal ou quadrada com enormes cúpulas (para transmitir a sensação de estar na presença de Deus).
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49. ARTE ROMÂNICA • Arquitetura: Abóboda, pilares maciços (que a sustentam), paredes espessas com aberturas estreitas usadas como janelas (janelas pequenas para não comprometer a estrutura de sustentação da abóboda). Igreja em formato de cruz. • Escultura: Relevos e pilares presentes na arquitetura • Pintura: Afrescos - tinham como modelo as ilustrações dos livros religiosos, portanto, não registra assuntos profanos, isto é, não religiosos, como paisagens, animais, pessoas em sua atividades diárias. A DEFORMAÇÃO traduz os sentimentos religiosos e a interpretação mística que o artista fazia da realidade, o COLORISMO realizou-se no emprego de cores chapadas, isto é, uniformes, sem preocupação com meios tons ou jogos de luz e sombra, pois não havia a intenção de imitar a natureza
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. ARTE GÓTICA • Arquitetura: Três portais, pontas agulhadas das torres (apontar para Deus), rosácea, vitrais coloridos, arcos góticos (levemente pontiagudo). A abóboda de nervuras, arco ogival, pilares. • Vitral: A cor nas peças de vidro era obtida pela adição de substâncias como o bismuto, o cádmio, o cobalto, o ouro, o cobre e outros, à massa de vidro em fusão, era usado chumbo nas junções e soldaduras. Formato de janela. • Rosácea: Utilizava a mesma técnica do vitral. Formato circular. Presente nos quatro cantos. • Escultura: Ilustração dos ensinamentos bíblicos, verticalidade exagerada (apontar para Deus), reconhecimento Fácil, quimera e gárgula. • Iluminura: Pele de cordeiro, uso de ouro, prata, marfim e esmalte, copistas (copiar da bíblia uma passagem), artistas (desenhavam e pintavam), caráter individualista (cada monge fazia do seu jeito), influências à outros pintores. • Pintura: Procura do realismo, predomínio de temas religiosos, GIOTTO - Visão humanista (santos parecidos com seres humanos), JAN VAN EYCK - (tinta a óleo),Visão urbana e sociedade, perspectiva, detalhes, paisagem.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68. Evolução das tintas • Têmpera: Pigmentos naturais + clara de ovo (ressecava, não possibilitando fazer grande quantidade de cores para armazenar, tinta de secagem rápida – com dificuldade o artista conseguia o mesmo tom de cor) • Encáustica: Pigmentos + cera de abelha (Derretia- se a cera para acrescentar o pigmento, tinta de secagem rápida o artista deveria trabalhar com a cera ainda quente, o que fazia com que executasse sua pintura com rapidez) • À óleo: Pigmento + óleo de linhaça (possível armazenamento e secagem demorada, o artista passou a ter mais tempo para executar a obra, que a partir desse momento fica mais rica em detalhes)