SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
1
AASS EEMMPPRREESSAASS DDIIAANNTTEE DDAA CCRRIISSEE
É necessário cortar os custos invisíveis
AUGUSTO DE FRANCO
Diante da crise as empresas costumam adotar a mesma solução: cortar
custos. Por incrível que pareça essa medida está... absolutamente correta!
É preciso mesmo cortar custos. A questão é: quais são os custos que as
empresas devem cortar?
Demitir colaboradores parece ser a saída universal. E faz sentido,
considerando o peso da folha de pagamento em relação ao conjunto dos
custos. Todavia, apenas tal medida não é uma solução. Um corte de
pessoal leva, não raro, a outros cortes e isso tem limites. Chega um
momento em que a máquina não pode mais funcionar a contento, sem
um número mínimo de operadores. Aí, é claro, todo mundo pensa em
outras medidas: racionalizar os processos e aumentar a eficiência
operacional (mas como fazer isso sem gastar mais recursos e, às vezes,
sem ter tempo para experimentar novos modelos?), economizar nos
insumos e subir os preços (mas ambas as medidas também têm limites)
e... (o que ninguém sabe direito como fazer assim de chofre) aumentar a
produtividade. Sabemos que se aumentamos o número de empregados a
produtividade costuma cair (dependendo do ramo de negócio, quando
você triplica o número de funcionários a produtividade - quer dizer o
profit-per-employee - cai pela metade). Mas o que acontece quando
2
diminuímos o número de funcionários? Não sabemos como se comporta a
produtividade quando reduzimos significativamente o número de
empregados na vizinhança dos limites.
É claro que se deveria pensar em inovar (mudar radicalmente os produtos
ou serviços, os processos, os modelos de gestão). Para ter impacto essas
mudanças deveriam ser radicais, disruptivas mesmo e não apenas
cosméticas. Mas quem vai investir em inovação na hora da crise, quando a
empresa já está funcionando quase em modo de sobrevivência? Fica tudo
para depois. Na hora da crise, cortar os custos é o mais simples e o mais
efetivo.
OK. É isso mesmo. Cabe agora investigar quais são os custos que devem
ser reduzidos. O corte de custos não pode ser burro (do contrário, como
sabemos e já foi insinuado aqui, levará à novos cortes). Um corte de
custos inteligente não pode ser um salva-vidas (quando a empresa chega
nesse ponto suas perspectivas de continuidade não são nada boas), mas
deve ser um investimento no futuro da empresa. O resultado positivo
momentâneo (ganhar mais <=> gastar menos) não pode comprometer o
resultado "final" ou no longo prazo (durar mais porque foi capaz de se
transformar de acordo com a mudança das circunstâncias ou de se
adaptar tempestivamente às mudanças do meio = sustentabilidade).
Em outras palavras, ainda que possa parecer paradoxal ou contraditório:
cortar custos deve ser igual à inovar. Por que? Ora, porque isso é
definitivo nos tempos que correm: se não inovar, vai morrer (se não hoje,
amanhã) porque as mudanças internas capazes de permitir a adaptação a
um ambiente em rápida mudança (sim, a crise é isto: uma defasagem
entre a velocidade das mudanças no ambiente e a velocidade da
3
adaptação que permita a conservação simultânea da adaptação e da
organização) exigem inovação. Dizendo de outro modo: as empresas feitas
para durar são empresas feitas para se transformar.
Note-se que ainda estamos falando de cortar custos, porém sob outro
ponto de vista: mais sistêmico. E desse ponto de vista a pergunta-chave é:
quais os custos que devemos cortar de modo a aumentar a capacidade da
empresa de fazer (mais e melhores) congruências múltiplas e recíprocas
com o meio? Eis o ponto!
De um ponto de vista sistêmico, os custos que devem ser cortados são os
custos invisíveis. São aqueles custos que em geral não aparecem nos
balanços, inclusive porque raramente são monetizados e, muitas vezes,
nem se imagina que eles existam. Esses custos invisíveis são, basicamente,
de três tipos: custos de transação, custos de sinergia e custos de atritos de
gestão.
1 - Custos de transação
Sobre os custos de transação já se sabe alguma coisa, desde que Ronald
Coase (1937) classificou esses custos em três principais categorias:
a) custos de busca de informação: os custos incorridos para verificar se o
produto já existe em determinado mercado, para verificar qual o menor
preço oferecido no mercado ou para verificar a utilidade e a
funcionalidade do produto;
4
b) custos de barganha: os custos de se estabelecer, com o comprador, um
acordo que seja o mais justo possível; e
c) custos de policiamento: os custos incorridos ao garantir que o
comprador cumpra o acordo da transação e de tomar as providências
adequadas caso haja uma ruptura do acordo por parte deste (1).
Mas é claro que existem outros custos de transação que não cabem bem
nessas velhas categorias, como os custos de transação interna decorrentes
de descumprimento ou desfuncionalidade dos contratos de trabalho.
Ademais, é preciso ver que quando Coase escreveu o célebre The nature
of the firm (há 78 anos) o ambiente era radicalmente diferente: em 1937 a
expectativa média de vida das empresas era de 75 anos e hoje é de menos
de 15 anos (2) e não se sabia direito (na verdade ainda não se sabe) qual a
relação entre os custos de transação e a sustentabilidade de uma
empresa. Apenas um exemplo para ilustrar a ampliação do conceito de
custo de transação: a empresa não adota uma plataforma de rede (uma
ferramenta virtual, funcionando em tempo-real ou sem-distância) para a
gestão - e a execução - do trabalho remoto por temer que o empregado
entre na justiça exigindo pagamento de horas-extra com base na alegação
de que trabalhou virtualmente em casa depois do expediente e ao não
fazer isso desaproveita a imensa potencialidade do seu capital humano. A
redução das possibilidades de aproveitar o capital humano da empresa
diante das restrições (reais ou imaginárias) da legislação trabalhista,
também é custo de transação. Observa-se que os custos de transação
interna aumentam quando há custos de sinergia e custos de atrito de
gestão.
5
2 - Custos de sinergia
Sobre os custos de sinergia, sabe-se muito pouco. Esses custos estão
relacionados ao sobre-esforço que se faz para alcançar sinergias que não
surgem espontaneamente, em geral porque o padrão de organização e os
modos de funcionamento da empresa não deixam. Caixinhas fechadas,
departamentos que não se comunicam, pessoas que não conversam,
excesso de competição interna, verdadeiros feudos conformados por vice-
presidentes, diretores e gerentes - tudo isso dificulta a sinergia. E quando
a sinergia é baixa, várias pessoas, departamentos ou aéreas acabam
fazendo a mesma coisa, contratam consultores diferentes para projetos
que têm o mesmo objetivo ou objetivos congruentes, não compartilham
as avaliações sobre os resultados positivos e negativos de suas iniciativas
et coetera. Tudo que dificulta a sinergia espontânea é custo de sinergia:
=> Estamos falando da falta de conexão banda larga de qualidade
acessível em toda empresa.
=> Estamos falando de dispositivos móveis de conexão e de
programas de mensagens instantâneas (como o Whatsapp) e das
mídias sociais (como o Facebook) que não são liberados (e, quando
são, não são usados para a interação (dos empregados entre si e da
empresa com o público).
=> Estamos falando da falta de espaços livres e de ambientes
compartilháveis (e de espaços de não-trabalho nos locais de
trabalho; e, ainda, da escala e da feição não-humanas dos
ambientes físicos) dentro da empresa.
6
=> Estamos falando do excesso de reuniões presenciais de
alinhamento e da falta de plataformas de rede para todo o fluxo de
gestão.
=> Estamos falando da não-adoção de processos de rede voltados à
inovação, como o crowdsourcing, a open innovation, a interactive
co-creation.
=> Estamos falando da falta de estímulos e incentivos ao
empreendedorismo (interno e externo) dos colaboradores.
=> E estamos falando da não adoção do trabalho por projeto (em
que os trabalhadores são também empreendedores associados em
comunidades de projeto).
Os óbices à sinergia que deveria brotar espontaneamente das relações
entre as pessoas empregadas na empresa e seus stakeholders externos
são sumidouros de recursos que, se fossem monetizados, calculados e
incluídos no balanço de uma empresa, escandalizariam os seus donos ou
acionistas e deixariam o conselho de administração e o CEO em sérias
dificuldades. Mas os custos de sinergia são também, em parte, custos de
atrito de gestão.
3 - Custos de atrito de gestão
Sobre os custos de atrito de gestão - os maiores de todos os custos
invisíveis - já se tem, de fato, a desconfiança de que eles existem, mas em
geral as pessoas evitam olhar para o problema, preferindo achar que esses
7
custos são inerentes à qualquer organização: um preço inevitável a pagar
(e que deve ser pago sem reclamação). Esses custos são decorrentes do
modelo de gestão baseado em comando-e-controle. Eles são custos
altíssimos para manter um padrão de organização hierárquico regido por
modos de regulação autocráticos (para verticalizar o tecido social da
empresa é necessária uma operação constante e um gasto intensivo em
energia não-produtiva).
O padrão de organização mais centralizado do que distribuído obriga os
fluxos (de informações, objetos e pessoas) a passar por caminhos únicos,
pré-traçados, não raro dando voltas e mais voltas: quanto maior o
percurso, obviamente, maior o atrito. Mais energia dissipada: que não
produz luz, só calor! A falta de múltiplos caminhos (quer dizer, de redes
internas à empresa e ao seu ecossistema ou a pouca "vascularização do
organismo") aumenta incrivelmente o atrito de gestão e o seu respectivo
custo:
=> Estamos falando daquele memorando que desce para o segundo
andar, sobe para o quinto andar e vai parar no terceiro andar antes
que a ação que deveria ser executada se realize.
=> Estamos falando dos colaboradores que só podem entrar por um
lugar determinado e sair por outro lugar também determinado,
tendo que passar por cancelas, catracas, portões eletrônicos.
=> Estamos falando dos computadores, infectados pela TI e pela
Segurança da Informação com programas maliciosos, que caem de 5
em 5 minutos e obrigam o usuário a digitar novamente login e
8
senha e que dão um aviso que serão desativados 5 minutos antes
do final do expediente.
=> Estamos falando do aprisionamento de corpos (a proibição do
trabalho remoto: a exigência de presença física, indistintamente, de
todos os colaboradores, para atividades que não requerem
presença física) em um mundo que já abandou o feudalismo há
vários séculos.
=> Estamos falando dos controles feitoriais (empregados que não
produzem encarregados de vigiar e punir os que produzem), em um
mundo em que o escravismo como modo de produção já foi abolido
há mais de um século.
=> Estamos falando da organização vertical ou da organização dita
"matricial", que aliena os trabalhadores (que, a rigor, não sabem
bem o que estão fazendo) e, novamente, da não adoção do trabalho
por projeto.
=> Estamos falando da falta de democracia na empresa - isto
mesmo: democracia! Em um mundo que já abandonou há mais de
um século a monarquia (absolutista), as empresas ainda são, em
boa parte, monárquicas.
Estamos falando, enfim, de todos os mecanismos e procedimentos que
são adotados para compensar ou "corrigir" (como se isso fosse possível) a
falta de confiança (ou o baixíssimo capital social interno da empresa e do
seu ecossistema) e esses mecanismos e procedimentos que aumentam o
atrito de gestão, não raro também impedem a emergência espontânea da
9
sinergia e, diretamente ou indiretamente, oneram a gestão (aparecendo
também, portanto, como custos de sinergia e custos de transação).
Sim, é preciso cortar os custos. Mas se fôssemos monetizar e somar os
custos de transação, os custos de sinergia e os custos de atrito de gestão,
veríamos que eles são tão grandes, mas tão absurdamente grandes, que
deveriam ser os primeiros a ser cortados. Cortar pessoal pode ser
necessário, mas demissões capazes de ter um impacto significativo (de 10
a 20% dos funcionários, quando isso é possível) não representam uma
economia tão grande quanto reduzir uma pequena parte dos custos
invisíveis. E - o que é pior - não é uma solução que alcança a raiz do
problema.
Porque mesmo com pessoal reduzido, os custos invisíveis continuarão.
Aliás, em geral, eles até tendem a aumentar. Pois menos gente fazendo as
mesmas coisas:
a) estressa todo mundo, instaura o pânico para bater metas, gera
desavenças entre dirigentes e subordinados, aumenta a competição entre
subordinados (que querem mostrar serviço para não ser demitidos na
próxima leva), acarreta um declínio do capital social interno da empresa
(quer dizer, derrui a confiança) aumentando os custos de transação;
b) reduz o tempo livre dos colaboradores para se relacionar e para criar,
diminuindo a interatividade e, consequentemente, a inovatividade da
empresa e aumentando os custos de sinergia; e
c) obriga a mais comando e mais controle e esse superavit de ordem top
down aumenta inevitavelmente os custos de atrito de gestão.
10
Investigadores da nova ciência das redes que vêm aplicando processos de
rede em empresas - ora envolvidos no projeto chamado ENTERPRISE -
estão chegando à conclusão de que é necessário, para as empresas que
querem durar mais, tomar a decisão de começar a cortar os custos
invisíveis. E que é possível fazer isso, sobretudo em momentos de crise
como o que estamos vivendo (quando as empresas ficam tentadas a
adotar a solução que parece mais fácil e mais garantida: cortar pessoal).
Isso, é claro, exige uma transformação mais profunda. Mas não há outro
jeito. Empresas que querem durar mais (e atravessar as crises) têm que
ser empresas capazes de se transformar mais.
(1) Cf. COASE, Ronald (1937). The Nature of the Firm. Economica, New Series,
Vol. 4, No. 16. (Nov., 1937), pp. 386-405. London: London School of Economics
and Political Science, 1933. Disp. in http://goo.gl/Ruzb1F
(2) Cf. Resultados do levantamento de 2011 sobre expectativa média de vida
das empresas na base das 500 Standar & Poors.
FIP Draft 13set2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃOREDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃOaugustodefranco .
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaaugustodefranco .
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaaugustodefranco .
 
A empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em redeA empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em redeaugustodefranco .
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DErick Caniso
 
De médico e de louco todos temos um pouco
De médico e de louco todos temos um poucoDe médico e de louco todos temos um pouco
De médico e de louco todos temos um poucoPaulo Morais
 
Dialeto Novo Profissional / @PatyYama
Dialeto Novo Profissional / @PatyYamaDialeto Novo Profissional / @PatyYama
Dialeto Novo Profissional / @PatyYamaPatricia Yoshioka
 
Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011
Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011
Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011CICI2011
 
Organizações Virtuais
Organizações VirtuaisOrganizações Virtuais
Organizações VirtuaisAlan John
 
Emprego e o mercado de trabalho
Emprego  e o mercado de trabalhoEmprego  e o mercado de trabalho
Emprego e o mercado de trabalhoAldo Barreto
 
Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11Renan Scarcelli
 
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalWorkshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalMarcel Ayres
 
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"Graziela Dias
 
Novas Mídias e Portal Corporativo
Novas Mídias e Portal CorporativoNovas Mídias e Portal Corporativo
Novas Mídias e Portal Corporativoguest8c415e
 
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...CICI2011
 

Mais procurados (19)

REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃOREDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO
 
Redes & Inovação
Redes & InovaçãoRedes & Inovação
Redes & Inovação
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativa
 
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIAA LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
A LÓGICA DA ABUNDÂNCIA
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativa
 
Organizações virtuais
Organizações virtuaisOrganizações virtuais
Organizações virtuais
 
A empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em redeA empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em rede
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
 
De médico e de louco todos temos um pouco
De médico e de louco todos temos um poucoDe médico e de louco todos temos um pouco
De médico e de louco todos temos um pouco
 
Dialeto Novo Profissional / @PatyYama
Dialeto Novo Profissional / @PatyYamaDialeto Novo Profissional / @PatyYama
Dialeto Novo Profissional / @PatyYama
 
Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011
Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011
Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011
 
Organizações virtuais
Organizações virtuaisOrganizações virtuais
Organizações virtuais
 
Organizações Virtuais
Organizações VirtuaisOrganizações Virtuais
Organizações Virtuais
 
Emprego e o mercado de trabalho
Emprego  e o mercado de trabalhoEmprego  e o mercado de trabalho
Emprego e o mercado de trabalho
 
Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11
 
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalWorkshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
 
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
 
Novas Mídias e Portal Corporativo
Novas Mídias e Portal CorporativoNovas Mídias e Portal Corporativo
Novas Mídias e Portal Corporativo
 
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
Augusto de Franco - Minicurso Programa de Aprendizagem sobre Redes Sociais_CI...
 

Destaque

Fjord Trends 2017
Fjord Trends 2017 Fjord Trends 2017
Fjord Trends 2017 Fjord
 
Resista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupoResista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupoaugustodefranco .
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaaugustodefranco .
 
Get to Inbox Zero
Get to Inbox ZeroGet to Inbox Zero
Get to Inbox ZeroPurple Dog
 
How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...
How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...
How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...Francis Wade
 
PPACA: Staying Compliant & Strategic
PPACA: Staying Compliant & StrategicPPACA: Staying Compliant & Strategic
PPACA: Staying Compliant & StrategicCBIZ, Inc.
 
Como submeter seu case - CONIP 2017
Como submeter seu case - CONIP 2017Como submeter seu case - CONIP 2017
Como submeter seu case - CONIP 2017Informa TI GOV
 
Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...
Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...
Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...Dr. Oliver Massmann
 
118原住民傳統領域完ev
118原住民傳統領域完ev118原住民傳統領域完ev
118原住民傳統領域完evMark Wu
 
7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)
7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)
7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)Brainsy, Inc.
 

Destaque (17)

Fjord Trends 2017
Fjord Trends 2017 Fjord Trends 2017
Fjord Trends 2017
 
Guido daniele
Guido danieleGuido daniele
Guido daniele
 
Resista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupoResista à tentação de pertencer a um grupo
Resista à tentação de pertencer a um grupo
 
Netweaving 17set08
Netweaving 17set08Netweaving 17set08
Netweaving 17set08
 
MULTIVERSIDADE
MULTIVERSIDADEMULTIVERSIDADE
MULTIVERSIDADE
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
 
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=RROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
ROTEIRO PARA ENTRAR NA E=R
 
Get to Inbox Zero
Get to Inbox ZeroGet to Inbox Zero
Get to Inbox Zero
 
How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...
How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...
How to Help a Jamaican Come on Time - Time-Based Productivity via Psychology ...
 
Guia do Desenvolvimento de Brindes
Guia do Desenvolvimento de BrindesGuia do Desenvolvimento de Brindes
Guia do Desenvolvimento de Brindes
 
PPACA: Staying Compliant & Strategic
PPACA: Staying Compliant & StrategicPPACA: Staying Compliant & Strategic
PPACA: Staying Compliant & Strategic
 
Aja wooldridge - Press Kit
Aja wooldridge - Press KitAja wooldridge - Press Kit
Aja wooldridge - Press Kit
 
Como submeter seu case - CONIP 2017
Como submeter seu case - CONIP 2017Como submeter seu case - CONIP 2017
Como submeter seu case - CONIP 2017
 
Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...
Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...
Lawyer in Myanmar Oliver Massmann The Most Important Clause in Any Commercial...
 
118原住民傳統領域完ev
118原住民傳統領域完ev118原住民傳統領域完ev
118原住民傳統領域完ev
 
7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)
7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)
7 Reasons Why Your Association Needs an Expert Calling Network (ECN)
 
Vud del 06 al 10 de marzo de 2017
Vud del 06 al 10 de marzo de 2017Vud del 06 al 10 de marzo de 2017
Vud del 06 al 10 de marzo de 2017
 

Semelhante a AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE

Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Fundação Dom Cabral - FDC
 
Processo que processo
Processo que processo Processo que processo
Processo que processo gtiprotec
 
A_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TI
A_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TIA_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TI
A_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TIPatrícia Maura Angelini
 
Redução de custos
Redução de custos   Redução de custos
Redução de custos Carina Jonas
 
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 PassosAssumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 PassosNorberto Almeida De Andrade
 
Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744mapaiva
 
AULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negocios
AULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negociosAULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negocios
AULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negociosMateusSerraRodrigues1
 
Análise dos prós e os contras do outsourcing
Análise dos prós e os contras do outsourcingAnálise dos prós e os contras do outsourcing
Análise dos prós e os contras do outsourcingPaulo Sousa
 
E-Book TI E-Consulting Corp. 2010
 E-Book TI E-Consulting Corp. 2010 E-Book TI E-Consulting Corp. 2010
E-Book TI E-Consulting Corp. 2010E-Consulting Corp.
 
E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010
 E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010 E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010
E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010DOM Strategy Partners
 
As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!
As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!
As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produçãoComparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produçãoJose Donizetti Moraes
 

Semelhante a AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE (20)

Ebook Cdb 01
Ebook Cdb 01Ebook Cdb 01
Ebook Cdb 01
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
 
Processo que processo
Processo que processo Processo que processo
Processo que processo
 
Os cinco passos pensamento enxuto
Os cinco passos pensamento enxutoOs cinco passos pensamento enxuto
Os cinco passos pensamento enxuto
 
A_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TI
A_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TIA_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TI
A_Geracao_de_Valor_de_Negocio_pela_Area_TI
 
Artigo Sobre Processos
Artigo Sobre ProcessosArtigo Sobre Processos
Artigo Sobre Processos
 
Redução de custos
Redução de custos   Redução de custos
Redução de custos
 
Gestão de custos
Gestão de custosGestão de custos
Gestão de custos
 
Transferir Valor Através da SCM
Transferir Valor Através da SCMTransferir Valor Através da SCM
Transferir Valor Através da SCM
 
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 PassosAssumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
Assumir ou Terceirizar Sua Central de Monitoramento em 5 Passos
 
Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744Fundamentos da gestao_de_processos_41744
Fundamentos da gestao_de_processos_41744
 
AULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negocios
AULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negociosAULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negocios
AULA 1.pdf design thinking e inovação de novos negocios
 
Análise dos prós e os contras do outsourcing
Análise dos prós e os contras do outsourcingAnálise dos prós e os contras do outsourcing
Análise dos prós e os contras do outsourcing
 
Lean Thinking
Lean ThinkingLean Thinking
Lean Thinking
 
Matérias toyotismo
Matérias toyotismoMatérias toyotismo
Matérias toyotismo
 
Inteligência nos Processos
Inteligência nos ProcessosInteligência nos Processos
Inteligência nos Processos
 
E-Book TI E-Consulting Corp. 2010
 E-Book TI E-Consulting Corp. 2010 E-Book TI E-Consulting Corp. 2010
E-Book TI E-Consulting Corp. 2010
 
E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010
 E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010 E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010
E-Book TI Corporativa DOM Strategy Partners 2010
 
As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!
As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!
As Organizações 3.0 vêm para matar os gerentes!
 
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produçãoComparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
 

Mais de augustodefranco .

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaaugustodefranco .
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilaugustodefranco .
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA augustodefranco .
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...augustodefranco .
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMAaugustodefranco .
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialaugustodefranco .
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?augustodefranco .
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaaugustodefranco .
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Deweyaugustodefranco .
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELAaugustodefranco .
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesaugustodefranco .
 
TEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de FrancoTEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de Francoaugustodefranco .
 
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃOUM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃOaugustodefranco .
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO
REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO
REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO augustodefranco .
 

Mais de augustodefranco . (20)

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
JERARQUIA
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
 
TEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de FrancoTEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de Franco
 
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃOUM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
 
REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO
REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO
REGULAMENTO DISCIPLINAR CUBANO
 

AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE

  • 1. 1 AASS EEMMPPRREESSAASS DDIIAANNTTEE DDAA CCRRIISSEE É necessário cortar os custos invisíveis AUGUSTO DE FRANCO Diante da crise as empresas costumam adotar a mesma solução: cortar custos. Por incrível que pareça essa medida está... absolutamente correta! É preciso mesmo cortar custos. A questão é: quais são os custos que as empresas devem cortar? Demitir colaboradores parece ser a saída universal. E faz sentido, considerando o peso da folha de pagamento em relação ao conjunto dos custos. Todavia, apenas tal medida não é uma solução. Um corte de pessoal leva, não raro, a outros cortes e isso tem limites. Chega um momento em que a máquina não pode mais funcionar a contento, sem um número mínimo de operadores. Aí, é claro, todo mundo pensa em outras medidas: racionalizar os processos e aumentar a eficiência operacional (mas como fazer isso sem gastar mais recursos e, às vezes, sem ter tempo para experimentar novos modelos?), economizar nos insumos e subir os preços (mas ambas as medidas também têm limites) e... (o que ninguém sabe direito como fazer assim de chofre) aumentar a produtividade. Sabemos que se aumentamos o número de empregados a produtividade costuma cair (dependendo do ramo de negócio, quando você triplica o número de funcionários a produtividade - quer dizer o profit-per-employee - cai pela metade). Mas o que acontece quando
  • 2. 2 diminuímos o número de funcionários? Não sabemos como se comporta a produtividade quando reduzimos significativamente o número de empregados na vizinhança dos limites. É claro que se deveria pensar em inovar (mudar radicalmente os produtos ou serviços, os processos, os modelos de gestão). Para ter impacto essas mudanças deveriam ser radicais, disruptivas mesmo e não apenas cosméticas. Mas quem vai investir em inovação na hora da crise, quando a empresa já está funcionando quase em modo de sobrevivência? Fica tudo para depois. Na hora da crise, cortar os custos é o mais simples e o mais efetivo. OK. É isso mesmo. Cabe agora investigar quais são os custos que devem ser reduzidos. O corte de custos não pode ser burro (do contrário, como sabemos e já foi insinuado aqui, levará à novos cortes). Um corte de custos inteligente não pode ser um salva-vidas (quando a empresa chega nesse ponto suas perspectivas de continuidade não são nada boas), mas deve ser um investimento no futuro da empresa. O resultado positivo momentâneo (ganhar mais <=> gastar menos) não pode comprometer o resultado "final" ou no longo prazo (durar mais porque foi capaz de se transformar de acordo com a mudança das circunstâncias ou de se adaptar tempestivamente às mudanças do meio = sustentabilidade). Em outras palavras, ainda que possa parecer paradoxal ou contraditório: cortar custos deve ser igual à inovar. Por que? Ora, porque isso é definitivo nos tempos que correm: se não inovar, vai morrer (se não hoje, amanhã) porque as mudanças internas capazes de permitir a adaptação a um ambiente em rápida mudança (sim, a crise é isto: uma defasagem entre a velocidade das mudanças no ambiente e a velocidade da
  • 3. 3 adaptação que permita a conservação simultânea da adaptação e da organização) exigem inovação. Dizendo de outro modo: as empresas feitas para durar são empresas feitas para se transformar. Note-se que ainda estamos falando de cortar custos, porém sob outro ponto de vista: mais sistêmico. E desse ponto de vista a pergunta-chave é: quais os custos que devemos cortar de modo a aumentar a capacidade da empresa de fazer (mais e melhores) congruências múltiplas e recíprocas com o meio? Eis o ponto! De um ponto de vista sistêmico, os custos que devem ser cortados são os custos invisíveis. São aqueles custos que em geral não aparecem nos balanços, inclusive porque raramente são monetizados e, muitas vezes, nem se imagina que eles existam. Esses custos invisíveis são, basicamente, de três tipos: custos de transação, custos de sinergia e custos de atritos de gestão. 1 - Custos de transação Sobre os custos de transação já se sabe alguma coisa, desde que Ronald Coase (1937) classificou esses custos em três principais categorias: a) custos de busca de informação: os custos incorridos para verificar se o produto já existe em determinado mercado, para verificar qual o menor preço oferecido no mercado ou para verificar a utilidade e a funcionalidade do produto;
  • 4. 4 b) custos de barganha: os custos de se estabelecer, com o comprador, um acordo que seja o mais justo possível; e c) custos de policiamento: os custos incorridos ao garantir que o comprador cumpra o acordo da transação e de tomar as providências adequadas caso haja uma ruptura do acordo por parte deste (1). Mas é claro que existem outros custos de transação que não cabem bem nessas velhas categorias, como os custos de transação interna decorrentes de descumprimento ou desfuncionalidade dos contratos de trabalho. Ademais, é preciso ver que quando Coase escreveu o célebre The nature of the firm (há 78 anos) o ambiente era radicalmente diferente: em 1937 a expectativa média de vida das empresas era de 75 anos e hoje é de menos de 15 anos (2) e não se sabia direito (na verdade ainda não se sabe) qual a relação entre os custos de transação e a sustentabilidade de uma empresa. Apenas um exemplo para ilustrar a ampliação do conceito de custo de transação: a empresa não adota uma plataforma de rede (uma ferramenta virtual, funcionando em tempo-real ou sem-distância) para a gestão - e a execução - do trabalho remoto por temer que o empregado entre na justiça exigindo pagamento de horas-extra com base na alegação de que trabalhou virtualmente em casa depois do expediente e ao não fazer isso desaproveita a imensa potencialidade do seu capital humano. A redução das possibilidades de aproveitar o capital humano da empresa diante das restrições (reais ou imaginárias) da legislação trabalhista, também é custo de transação. Observa-se que os custos de transação interna aumentam quando há custos de sinergia e custos de atrito de gestão.
  • 5. 5 2 - Custos de sinergia Sobre os custos de sinergia, sabe-se muito pouco. Esses custos estão relacionados ao sobre-esforço que se faz para alcançar sinergias que não surgem espontaneamente, em geral porque o padrão de organização e os modos de funcionamento da empresa não deixam. Caixinhas fechadas, departamentos que não se comunicam, pessoas que não conversam, excesso de competição interna, verdadeiros feudos conformados por vice- presidentes, diretores e gerentes - tudo isso dificulta a sinergia. E quando a sinergia é baixa, várias pessoas, departamentos ou aéreas acabam fazendo a mesma coisa, contratam consultores diferentes para projetos que têm o mesmo objetivo ou objetivos congruentes, não compartilham as avaliações sobre os resultados positivos e negativos de suas iniciativas et coetera. Tudo que dificulta a sinergia espontânea é custo de sinergia: => Estamos falando da falta de conexão banda larga de qualidade acessível em toda empresa. => Estamos falando de dispositivos móveis de conexão e de programas de mensagens instantâneas (como o Whatsapp) e das mídias sociais (como o Facebook) que não são liberados (e, quando são, não são usados para a interação (dos empregados entre si e da empresa com o público). => Estamos falando da falta de espaços livres e de ambientes compartilháveis (e de espaços de não-trabalho nos locais de trabalho; e, ainda, da escala e da feição não-humanas dos ambientes físicos) dentro da empresa.
  • 6. 6 => Estamos falando do excesso de reuniões presenciais de alinhamento e da falta de plataformas de rede para todo o fluxo de gestão. => Estamos falando da não-adoção de processos de rede voltados à inovação, como o crowdsourcing, a open innovation, a interactive co-creation. => Estamos falando da falta de estímulos e incentivos ao empreendedorismo (interno e externo) dos colaboradores. => E estamos falando da não adoção do trabalho por projeto (em que os trabalhadores são também empreendedores associados em comunidades de projeto). Os óbices à sinergia que deveria brotar espontaneamente das relações entre as pessoas empregadas na empresa e seus stakeholders externos são sumidouros de recursos que, se fossem monetizados, calculados e incluídos no balanço de uma empresa, escandalizariam os seus donos ou acionistas e deixariam o conselho de administração e o CEO em sérias dificuldades. Mas os custos de sinergia são também, em parte, custos de atrito de gestão. 3 - Custos de atrito de gestão Sobre os custos de atrito de gestão - os maiores de todos os custos invisíveis - já se tem, de fato, a desconfiança de que eles existem, mas em geral as pessoas evitam olhar para o problema, preferindo achar que esses
  • 7. 7 custos são inerentes à qualquer organização: um preço inevitável a pagar (e que deve ser pago sem reclamação). Esses custos são decorrentes do modelo de gestão baseado em comando-e-controle. Eles são custos altíssimos para manter um padrão de organização hierárquico regido por modos de regulação autocráticos (para verticalizar o tecido social da empresa é necessária uma operação constante e um gasto intensivo em energia não-produtiva). O padrão de organização mais centralizado do que distribuído obriga os fluxos (de informações, objetos e pessoas) a passar por caminhos únicos, pré-traçados, não raro dando voltas e mais voltas: quanto maior o percurso, obviamente, maior o atrito. Mais energia dissipada: que não produz luz, só calor! A falta de múltiplos caminhos (quer dizer, de redes internas à empresa e ao seu ecossistema ou a pouca "vascularização do organismo") aumenta incrivelmente o atrito de gestão e o seu respectivo custo: => Estamos falando daquele memorando que desce para o segundo andar, sobe para o quinto andar e vai parar no terceiro andar antes que a ação que deveria ser executada se realize. => Estamos falando dos colaboradores que só podem entrar por um lugar determinado e sair por outro lugar também determinado, tendo que passar por cancelas, catracas, portões eletrônicos. => Estamos falando dos computadores, infectados pela TI e pela Segurança da Informação com programas maliciosos, que caem de 5 em 5 minutos e obrigam o usuário a digitar novamente login e
  • 8. 8 senha e que dão um aviso que serão desativados 5 minutos antes do final do expediente. => Estamos falando do aprisionamento de corpos (a proibição do trabalho remoto: a exigência de presença física, indistintamente, de todos os colaboradores, para atividades que não requerem presença física) em um mundo que já abandou o feudalismo há vários séculos. => Estamos falando dos controles feitoriais (empregados que não produzem encarregados de vigiar e punir os que produzem), em um mundo em que o escravismo como modo de produção já foi abolido há mais de um século. => Estamos falando da organização vertical ou da organização dita "matricial", que aliena os trabalhadores (que, a rigor, não sabem bem o que estão fazendo) e, novamente, da não adoção do trabalho por projeto. => Estamos falando da falta de democracia na empresa - isto mesmo: democracia! Em um mundo que já abandonou há mais de um século a monarquia (absolutista), as empresas ainda são, em boa parte, monárquicas. Estamos falando, enfim, de todos os mecanismos e procedimentos que são adotados para compensar ou "corrigir" (como se isso fosse possível) a falta de confiança (ou o baixíssimo capital social interno da empresa e do seu ecossistema) e esses mecanismos e procedimentos que aumentam o atrito de gestão, não raro também impedem a emergência espontânea da
  • 9. 9 sinergia e, diretamente ou indiretamente, oneram a gestão (aparecendo também, portanto, como custos de sinergia e custos de transação). Sim, é preciso cortar os custos. Mas se fôssemos monetizar e somar os custos de transação, os custos de sinergia e os custos de atrito de gestão, veríamos que eles são tão grandes, mas tão absurdamente grandes, que deveriam ser os primeiros a ser cortados. Cortar pessoal pode ser necessário, mas demissões capazes de ter um impacto significativo (de 10 a 20% dos funcionários, quando isso é possível) não representam uma economia tão grande quanto reduzir uma pequena parte dos custos invisíveis. E - o que é pior - não é uma solução que alcança a raiz do problema. Porque mesmo com pessoal reduzido, os custos invisíveis continuarão. Aliás, em geral, eles até tendem a aumentar. Pois menos gente fazendo as mesmas coisas: a) estressa todo mundo, instaura o pânico para bater metas, gera desavenças entre dirigentes e subordinados, aumenta a competição entre subordinados (que querem mostrar serviço para não ser demitidos na próxima leva), acarreta um declínio do capital social interno da empresa (quer dizer, derrui a confiança) aumentando os custos de transação; b) reduz o tempo livre dos colaboradores para se relacionar e para criar, diminuindo a interatividade e, consequentemente, a inovatividade da empresa e aumentando os custos de sinergia; e c) obriga a mais comando e mais controle e esse superavit de ordem top down aumenta inevitavelmente os custos de atrito de gestão.
  • 10. 10 Investigadores da nova ciência das redes que vêm aplicando processos de rede em empresas - ora envolvidos no projeto chamado ENTERPRISE - estão chegando à conclusão de que é necessário, para as empresas que querem durar mais, tomar a decisão de começar a cortar os custos invisíveis. E que é possível fazer isso, sobretudo em momentos de crise como o que estamos vivendo (quando as empresas ficam tentadas a adotar a solução que parece mais fácil e mais garantida: cortar pessoal). Isso, é claro, exige uma transformação mais profunda. Mas não há outro jeito. Empresas que querem durar mais (e atravessar as crises) têm que ser empresas capazes de se transformar mais. (1) Cf. COASE, Ronald (1937). The Nature of the Firm. Economica, New Series, Vol. 4, No. 16. (Nov., 1937), pp. 386-405. London: London School of Economics and Political Science, 1933. Disp. in http://goo.gl/Ruzb1F (2) Cf. Resultados do levantamento de 2011 sobre expectativa média de vida das empresas na base das 500 Standar & Poors. FIP Draft 13set2015