SlideShare uma empresa Scribd logo
=


    A empresa na sociedade-em-rede
=


    Como ser uma empresa de sucesso
                  no mundo digital?




=
=


    Não é no mundo digital
     e sim no mundo social




=
=


    Uma sociedade-em-rede
            está emergindo




=
=


             Uma nova ciência das redes
                         está nascendo




      Barabási      Strogatz       Watts
    O digital é apenas um aspecto da mudança
=
=


                 O mundo dos negócios
                 na sociedade-em-rede


    Negócios     Negócios   Negócios
    serão para   serão      serão em
    qualquer     inovação   rede
    um


=
=


    Negócios para qualquer um...




=
=


    Negócios para qualquer um...




=
=


     Negócios para qualquer um nos
           Highly Connected Worlds


    Conhecimento   Capital inicial   Relações
    mais           menos             políticas mais
    disponível     relevante         democráticas




=
=


    Negócios serão inovação




=
=


                 Inovação é relação




    Toda inovação surge por polinização
        mútua, por fertilização cruzada
=
=


                      Inovação e empresa




     Nenhuma empresa sozinha conseguirá se
     manter na ponta da inovação sem lançar
    suas “hifas” para importar capital humano
         (conhecimento) e social (relações) do
                      ambiente em que opera!
=
=


      Um exemplo: o crowdsourcing




                              É óbvio, não?
      200 cérebros aprisionados não podem
           competir com 20 mil cooperando
    livremente para encontrar uma solução
           (de gestão, processo ou produto)
=
=


    Nos mundos altamente conectados




         Unidades administrativo-produtivas
      fechadas não conseguirão acompanhar
                      o ritmo das inovações
=
=


    Negócios serão em rede




=
=


                 Negócios em rede




                 Redes de stakeholders
       (novas comunidades de negócios
    separadas do meio por membranas)
=
=


         Mas afinal: o que é rede?




    Não é um novo tipo de organização,
           mas um padrão de interação
=
=


    O exemplo habitual: Internet




=
=




    Grafo: representação estática
=
=


    O melhor exemplo




           Rede neural
=
=


    Redes sociais são pessoas
                  interagindo




    Segundo um padrão distribuído
=
=


    O que é distribuição?




        Múltiplos caminhos
=
=


    Topologias de rede




       Paul Baran (1964)
=
=


    Descentralização não é distribuição




=
=


    Mídias sociais ≠ Redes sociais




           Como o nome está dizendo,
      as redes são sociais, não digitais.
        São pessoas, não ferramentas.
=
=


    Redes são ambientes de interação




          Não é o mesmo que participação
=
=


    Um caso de interação




          Cupinzeiro africano
=
=


    Fenomenologia da interação




                      Clustering
=
=


    Fenomenologia da interação




                      Swarming
=
=


     Espanha 11M 2004




    Swarming civil em Madri
=
=


               Egito 11F 2011




    Swarming civil na Praça Tahir
=
=


    Fenomenologia da interação




          Small-World Phenomenon
                        Crunching
=
=


           Fenomenologia da interação




    Os fenômenos que ocorrem em uma rede
           não dependem das características
                  intrínsecas de seus nodos
=
=


           Fenomenologia da interação




    O conteúdo do que flui pelas conexões
          não determina o comportamento
                              de uma rede
=
=


    O modo-de-interagir depende
         do grau de distribuição




=
=


    A grande descoberta do óbvio




             Tudo que é sustentável
              tem o padrão de rede
=
=


              Tudo que é sustentável...




    ... tem membranas, não paredes opacas
=
=


           Não é preciso ser gênio
    para concluir que as empresas
                têm um problema




=
=


                 As empresas não têm
                   um padrão de rede



                              Uma imagem
                              aterrorizante

    São piramidais, monárquicas, fechadas
       e baseadas em comando-e-controle
=
=




=
=


    Seria cômico se não fosse trágico




=
=


    E agora?




=
=


           Iniciar a transição
       da empresa-pirâmide
    para a empresa-em-rede




=
=



               O que fazer?




    Não adianta tentar mudar
      a cabeça dos indivíduos
=
=


          Não é falta de informação




             Redes sociais não são redes
    de informação, mas de comunicação
=
=


                   Só comportamentos
               mudam comportamentos



                        Tentar usar as redes
    para obter algum resultado instrumental
      adianta muito pouco se continuarmos
          nos organizando hierarquicamente
=
=


             Como começar a transição?




                Promovendo a interação e a
    conversação, parando de obstruir fluxos,
      desativando os excessos de controle...
=




    15/03/2011 Netweaving HCW

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreirasPALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
Talita Moretto
 
Da sociedade industrial á sociedade em rede
Da sociedade industrial á sociedade em redeDa sociedade industrial á sociedade em rede
Da sociedade industrial á sociedade em rede
Maristela Moura
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativa
augustodefranco .
 
Redes Sociais: das guerras ao mundo digital
Redes Sociais: das guerras ao mundo digitalRedes Sociais: das guerras ao mundo digital
Redes Sociais: das guerras ao mundo digital
Felipe Perez
 
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2
Paulo Sérgio Ramão
 
Tecnologias exponencias e os desafios da humanidade
Tecnologias exponencias e os desafios da humanidadeTecnologias exponencias e os desafios da humanidade
Tecnologias exponencias e os desafios da humanidade
Marcos CAVALCANTI
 
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1
Paulo Sérgio Ramão
 
Os princípios da cocriação
Os princípios da cocriaçãoOs princípios da cocriação
Os princípios da cocriação
augustodefranco .
 

Mais procurados (8)

PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreirasPALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
 
Da sociedade industrial á sociedade em rede
Da sociedade industrial á sociedade em redeDa sociedade industrial á sociedade em rede
Da sociedade industrial á sociedade em rede
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativa
 
Redes Sociais: das guerras ao mundo digital
Redes Sociais: das guerras ao mundo digitalRedes Sociais: das guerras ao mundo digital
Redes Sociais: das guerras ao mundo digital
 
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 2
 
Tecnologias exponencias e os desafios da humanidade
Tecnologias exponencias e os desafios da humanidadeTecnologias exponencias e os desafios da humanidade
Tecnologias exponencias e os desafios da humanidade
 
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1
Sistemas de Informação - Inteligencia coletiva parte 1
 
Os princípios da cocriação
Os princípios da cocriaçãoOs princípios da cocriação
Os princípios da cocriação
 

Semelhante a A empresa na sociedade em rede

As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
augustodefranco .
 
Forum fwd24nov2010 augusto de franco
Forum fwd24nov2010 augusto de francoForum fwd24nov2010 augusto de franco
Forum fwd24nov2010 augusto de franco
lumisquared
 
Redes & Inovação
Redes & InovaçãoRedes & Inovação
Redes & Inovação
augustodefranco .
 
Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
Fabio Pedrazzi
 
Crowdsourcing e crowdfunding novas economias em rede by Tomas de Lara
Crowdsourcing e crowdfunding   novas economias em rede by Tomas de LaraCrowdsourcing e crowdfunding   novas economias em rede by Tomas de Lara
Crowdsourcing e crowdfunding novas economias em rede by Tomas de Lara
Tomás de Lara
 
Network e Mídias Sociais
Network e Mídias SociaisNetwork e Mídias Sociais
Network e Mídias Sociais
Eduardo Sangion
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
Elvis Fusco
 
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociaisMila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
CICI2011
 
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional OnlineNetweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
PaperCliQ Comunicação
 
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalWorkshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Marcel Ayres
 
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADEREDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
augustodefranco .
 
Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?
Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?
Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?
DM9DDB
 
EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...
EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO  INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO  INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...
EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...
Antonio Marcos Alberti
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
Elvis Fusco
 
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas DigitaisComunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
USP e Plexus
 
Empresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas Organizações
Empresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas OrganizaçõesEmpresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas Organizações
Empresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas Organizações
Marcelo Minutti
 
20091006 Redes Sociais Am Chamv2
20091006 Redes Sociais Am Chamv220091006 Redes Sociais Am Chamv2
20091006 Redes Sociais Am Chamv2
Guy Manuel
 
RedesSociais
RedesSociaisRedesSociais
RedesSociais
tguerreiro
 
Palestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - Future
Palestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - FuturePalestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - Future
Palestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - Future
Antonio Marcos Alberti
 
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídiaO desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
Alex Ivonika
 

Semelhante a A empresa na sociedade em rede (20)

As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
As Empresas e as Redes Sociais CIRS2
 
Forum fwd24nov2010 augusto de franco
Forum fwd24nov2010 augusto de francoForum fwd24nov2010 augusto de franco
Forum fwd24nov2010 augusto de franco
 
Redes & Inovação
Redes & InovaçãoRedes & Inovação
Redes & Inovação
 
Empreendimentos em rede
Empreendimentos em redeEmpreendimentos em rede
Empreendimentos em rede
 
Crowdsourcing e crowdfunding novas economias em rede by Tomas de Lara
Crowdsourcing e crowdfunding   novas economias em rede by Tomas de LaraCrowdsourcing e crowdfunding   novas economias em rede by Tomas de Lara
Crowdsourcing e crowdfunding novas economias em rede by Tomas de Lara
 
Network e Mídias Sociais
Network e Mídias SociaisNetwork e Mídias Sociais
Network e Mídias Sociais
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
 
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociaisMila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
Mila San - Minicurso Programas de Aprendizagem sobre redes sociais
 
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional OnlineNetweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
 
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação OrganizacionalWorkshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
Workshop de Netweaving na Comunicação Organizacional
 
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADEREDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
 
Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?
Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?
Apresentação @Sergio_Valente. E agora,José?
 
EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...
EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO  INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO  INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...
EMPREENDENDO A MUDANÇA EM REDE ABUNDANTE: COMO INTEGRAR TECNOLOGIA, METODOLO...
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
 
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas DigitaisComunicação em Rede e Plataformas Digitais
Comunicação em Rede e Plataformas Digitais
 
Empresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas Organizações
Empresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas OrganizaçõesEmpresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas Organizações
Empresa 2.0 - Uso de Ferramentas de Colaboração nas Organizações
 
20091006 Redes Sociais Am Chamv2
20091006 Redes Sociais Am Chamv220091006 Redes Sociais Am Chamv2
20091006 Redes Sociais Am Chamv2
 
RedesSociais
RedesSociaisRedesSociais
RedesSociais
 
Palestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - Future
Palestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - FuturePalestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - Future
Palestra Transformação Digital no The Developer Conferece (TDC) - Future
 
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídiaO desafio da digitalização dos grupos de mídia
O desafio da digitalização dos grupos de mídia
 

Mais de augustodefranco .

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
augustodefranco .
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
augustodefranco .
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
augustodefranco .
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
augustodefranco .
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeAlgumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
augustodefranco .
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
augustodefranco .
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
augustodefranco .
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
augustodefranco .
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
augustodefranco .
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
augustodefranco .
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
augustodefranco .
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
augustodefranco .
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
augustodefranco .
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
augustodefranco .
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
augustodefranco .
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
augustodefranco .
 
TEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de FrancoTEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de Franco
augustodefranco .
 

Mais de augustodefranco . (20)

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
JERARQUIA
 
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeAlgumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
 
TEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de FrancoTEDxLiberdade Augusto de Franco
TEDxLiberdade Augusto de Franco
 

A empresa na sociedade em rede

  • 1. = A empresa na sociedade-em-rede
  • 2. = Como ser uma empresa de sucesso no mundo digital? =
  • 3. = Não é no mundo digital e sim no mundo social =
  • 4. = Uma sociedade-em-rede está emergindo =
  • 5. = Uma nova ciência das redes está nascendo Barabási Strogatz Watts O digital é apenas um aspecto da mudança =
  • 6. = O mundo dos negócios na sociedade-em-rede Negócios Negócios Negócios serão para serão serão em qualquer inovação rede um =
  • 7. = Negócios para qualquer um... =
  • 8. = Negócios para qualquer um... =
  • 9. = Negócios para qualquer um nos Highly Connected Worlds Conhecimento Capital inicial Relações mais menos políticas mais disponível relevante democráticas =
  • 10. = Negócios serão inovação =
  • 11. = Inovação é relação Toda inovação surge por polinização mútua, por fertilização cruzada =
  • 12. = Inovação e empresa Nenhuma empresa sozinha conseguirá se manter na ponta da inovação sem lançar suas “hifas” para importar capital humano (conhecimento) e social (relações) do ambiente em que opera! =
  • 13. = Um exemplo: o crowdsourcing É óbvio, não? 200 cérebros aprisionados não podem competir com 20 mil cooperando livremente para encontrar uma solução (de gestão, processo ou produto) =
  • 14. = Nos mundos altamente conectados Unidades administrativo-produtivas fechadas não conseguirão acompanhar o ritmo das inovações =
  • 15. = Negócios serão em rede =
  • 16. = Negócios em rede Redes de stakeholders (novas comunidades de negócios separadas do meio por membranas) =
  • 17. = Mas afinal: o que é rede? Não é um novo tipo de organização, mas um padrão de interação =
  • 18. = O exemplo habitual: Internet =
  • 19. = Grafo: representação estática =
  • 20. = O melhor exemplo Rede neural =
  • 21. = Redes sociais são pessoas interagindo Segundo um padrão distribuído =
  • 22. = O que é distribuição? Múltiplos caminhos =
  • 23. = Topologias de rede Paul Baran (1964) =
  • 24. = Descentralização não é distribuição =
  • 25. = Mídias sociais ≠ Redes sociais Como o nome está dizendo, as redes são sociais, não digitais. São pessoas, não ferramentas. =
  • 26. = Redes são ambientes de interação Não é o mesmo que participação =
  • 27. = Um caso de interação Cupinzeiro africano =
  • 28. = Fenomenologia da interação Clustering =
  • 29. = Fenomenologia da interação Swarming =
  • 30. = Espanha 11M 2004 Swarming civil em Madri =
  • 31. = Egito 11F 2011 Swarming civil na Praça Tahir =
  • 32. = Fenomenologia da interação Small-World Phenomenon Crunching =
  • 33. = Fenomenologia da interação Os fenômenos que ocorrem em uma rede não dependem das características intrínsecas de seus nodos =
  • 34. = Fenomenologia da interação O conteúdo do que flui pelas conexões não determina o comportamento de uma rede =
  • 35. = O modo-de-interagir depende do grau de distribuição =
  • 36. = A grande descoberta do óbvio Tudo que é sustentável tem o padrão de rede =
  • 37. = Tudo que é sustentável... ... tem membranas, não paredes opacas =
  • 38. = Não é preciso ser gênio para concluir que as empresas têm um problema =
  • 39. = As empresas não têm um padrão de rede Uma imagem aterrorizante São piramidais, monárquicas, fechadas e baseadas em comando-e-controle =
  • 40. = =
  • 41. = Seria cômico se não fosse trágico =
  • 42. = E agora? =
  • 43. = Iniciar a transição da empresa-pirâmide para a empresa-em-rede =
  • 44. = O que fazer? Não adianta tentar mudar a cabeça dos indivíduos =
  • 45. = Não é falta de informação Redes sociais não são redes de informação, mas de comunicação =
  • 46. = Só comportamentos mudam comportamentos Tentar usar as redes para obter algum resultado instrumental adianta muito pouco se continuarmos nos organizando hierarquicamente =
  • 47. = Como começar a transição? Promovendo a interação e a conversação, parando de obstruir fluxos, desativando os excessos de controle...
  • 48. = 15/03/2011 Netweaving HCW